Mude para ser feliz - 31/08/2014

“Ninguém gostará de quem é vaidoso e egoísta. Mesmo seu cônjuge e seus filhos, ainda que pareçam respeitá-lo externamente, não serão felizes com você se você for uma pessoa arrogante. Não apenas isso, enquanto estiver cheio de ego é altamente improvável que você realmente seja feliz. Portanto, você deve inicialmente se livrar de seu ego. Do mesmo modo, quando se está cheio de raiva, você não pode experimentar alegria; você é obrigado a ser miserável. Somente quando dominar a raiva é que você será capaz de experimentar felicidade. Da mesma forma, quando se está cheio de desejos insaciáveis, você não se sentirá rico. No momento em que abandonar os desejos, todas as riquezas virão até você. Se ficar ganancioso, você desconhecerá a felicidade. Abandone a ganância e você se sentirá dotado de todas as riquezas.”


Por Luiz às 00:47:31 | Comentários (0)
Hoje - 01/08/2014

“Hoje, talvez seja um dia especial. Uns nascem outros morrem mas tu estás viva. Pelo menos esse coração bate e irriga-te o cérebro, logo permite que penses e analises. Nem tudo o que parece é e estás no tempo de pensar em que mais alguém precisa de ti. Mas de uma vez por todas precisas de saber o teu lugar, de onde vieste, para onde vais. Alguém disse: "O que determinou o que estamos hoje a viver foram as nossas escolhas e serão elas também o que irão determinar o que vamos viver amanhã." - Ora aqui está uma frase digamos, 'sensata', embora incompleta. É que às vezes escolhemos mal sem nos apercebermos e tomamos opções influenciados pelas aparências já que sempre se disse que a vista é a primeira a 'comer'. Bom, isso pouco importa agora, vive e não esqueças que tens quem de ti depende. Que tenhas um grande dia e que o futuro seja aquilo que tu queiras. A Humildade tem de ter sempre lugar no teu coração. Parabéns. Diverte-te.”


Por Luiz às 16:36:39 | Comentários (0)
O Silêncio - 30/12/2013

“O silêncio é a única linguagem do realizado. Pratique moderação na fala. Isso o ajudará de muitas formas. Desenvolverá amor, pois a maioria dos desentendimentos e facções surgem de palavras faladas sem cuidado. Quando o pé escorrega, a ferida pode ser curada; mas, quando a língua escorrega, a ferida que causa no coração do outro atormentará para sempre. A língua está sujeita a quatro grandes erros: proferir falsidade, escandalizar, procurar falta nos outros e fala excessiva. Estes devem ser evitados para que haja paz para o indivíduo, assim como para a sociedade. A ligação entre as pessoas se fortalecerá se elas falarem menos e mais suavemente. É por isso que o silêncio foi prescrito como um voto para aspirantes espirituais pelas escrituras. Todos são aspirantes espirituais em vários estágios do caminho e, portanto, essa disciplina é valiosa para você.”


Por Luiz às 10:32:38 | Comentários (1)
Conforto e Prazer - 07/11/2013

“Todos estão em busca de conforto e prazer; isso é considerado o propósito último. Se você diz a alguém que ele ou ela pode comer o que quiser e o tanto que quiser, ele ou ela se alegrará. Se acrescentar que ele ou ela pode desenvolver, como consequência natural, doenças e descrever o sofrimento associado a isso, você imediatamente se tornará seu inimigo! Nenhum regime ou controle é sempre popular. No entanto, sabemos que a força é derivada apenas de controle, apenas de contenção e regulação. Uma pessoa se torna resistente e capaz de persistência somente se as dificuldades forem bem-vindas. Lute e você terá a força necessária para ter sucesso. Procure a base do visível no invisível. O arranha-céu tem um alicerce profundo enterrado nas profundezas da terra.”


Por Luiz às 00:45:40 | Comentários (1)
Começar de novo - 09/07/2013

É muito importante entender o começar de novo. Não se trata de um recomeço. Este acontece quando retomamos o que foi interrompido. Nesse caso existe a meada, basta que se encontre o fio. O começar de novo é partir do zero, ainda que não seja o partir do nada, levando-se em conta o que, um dia, se construiu. Do zero, porque nada ficou da situação anterior, tudo é diferente. Daí a dificuldade, principalmente quando presos à situação anterior, não nos sentimos fortes o suficiente para assistir o mesmo filme, antevendo os resultados. Mas não é o melhor filme e ter consciência disso é fundamental para o começar de novo. São outras imagens, um outro sentido de vencer, de recuperar-se integralmente. Com muita esperança, novos sonhos, novas imagens. De cabeça erguida, braços abertos, olhar de criança resgatando ilusões, promessas, amores. Enfim, começar de novo...


Por Luiz às 00:57:24 | Comentários (0)
Aquilo que não está dentro de nossos padrões - 30/06/2013

Na nossa realidade atual em que, a grande maioria dos indivíduos, clamam pela paz, muitos pormenores sem importância, transformam-se inesperadamente em acontecimentos comoventes, ou seja, exageram a gravidade ou o aspecto negativo de algo acontecido ou observado. Não possuímos a capacidade e vontade de realizar mudanças dentro de nós no contexto de padrões comportamentais e avaliar bem o que é certo ou errado, do que é de homem e do que é de mulher, para convivermos com mais qualidade de relacionamentos, com menos doenças físicas e espirituais. Devemos refletir sobre a multiplicidade sexual, a repulsa ou preconceito contra a homossexualidade ou os homossexuais e outras divergências por desejos diferentes. Essa teima ou costume penetra nas relações afetivas e familiares provocando dissabores, disputas e desigualdades. No campo da sexualidade, inúmeros são os descontentamentos que vivem muitos indivíduos por não terem a possibilidade de desfrutarem aquilo que acham a coisa certa ao contrário de vivenciar aquilo que a vontade promove, quer seja em posições, em paixões, em coisas novas ou mesmo desejos indiscretos de saber que com pouca frequência são saciadas em nome do “ isto não é normal”. É necessária nossa evolução no sentido de percebermos aquilo que é manifestamente evidente de que cada indivíduo é um e respeitar as pequenas coisas que são diferentes. Dentro desta visão, ficaremos longe da austeridade, ficaremos mais condescendentes com aquelas coisas que não conhecemos e não podemos mudar.


Por Luiz às 13:51:12 | Comentários (0)
"João e Mário" - 08/03/2013

João era um importante empresário. Morava em um apartamento de cobertura, na zona nobre da cidade. Naquele dia, João deu um longo beijo em sua amada e fez em silêncio a sua oração matinal de agradecimento a Deus pela sua vida, seu trabalho e suas realizações.
Após tomar café com a esposa e os filhos, João levou-os ao colégio e se dirigiu a uma de suas empresas. Chegando lá, cumprimentou com um sorriso os funcionários, inclusive Dona Tereza, a faxineira.
Tinha ele inúmeros contratos para assinar, decisões a tomar, reuniões com vários departamentos da empresa, contatos com fornecedores e clientes, mas a primeira coisa que disse para sua secretária foi: -"Calma, fazer uma coisa de cada vez, sem stress".
Ao chegar a hora do almoço, ele foi para casa curtir a família. À tarde tomou conhecimento que o faturamento do mês superou os objetivos e mandou anunciar que todos os funcionários teriam gratificações salariais no mês seguinte. Apesar da sua calma, ou talvez, por causa dela, conseguiu resolver tudo que estava agendado para aquele dia. Como já era sexta-feira, João foi ao supermercado, voltou para casa, saiu com a família para jantar e depois foi dar uma palestra para estudantes, sobre motivação para vencer na vida.
Enquanto isso, em bairro mais pobre de outra capital, vive Mário. Como fazia em todas as sextas-feiras, Mário foi para o bar jogar sinuca e beber com amigos. Já chegou lá nervoso, pois estava desempregado. Um amigo seu tinha lhe oferecido uma vaga em sua oficina como auxiliar de mecânico, mas ele recusou, alegando não gostar do tipo de trabalho. Mário não tinha filhos e estava também sem uma companheira, pois sua terceira mulher, partiu dias antes, dizendo que estava cansada de ser espancada e de viver com um inútil.
Ele estava morando de favor, num quarto imundo no porão de uma casa.
Naquele dia, Mário bebeu mais algumas, jogou, bebeu, jogou e bebeu até o dono do bar pedir para ele ir embora. Ele pediu para pendurar a sua conta, mas seu crédito havia acabado, então armou uma tremenda confusão... e o dono do bar o colocou para fora.
Sentado na calçada, Mário chorava pensando no que havia se tornado sua vida, quando seu único amigo, o mecânico, apareceu e após levá-lo para casa e curando um pouco o porre, ele perguntou a Mário:
- Diga-me por favor, o que fez com que você chegasse até o fundo do poço desta maneira? Mário então desabafou:
- A minha família... Meu pai foi um péssimo exemplo, ele bebia, batia em minha mãe, não parava em emprego nenhum. Tínhamos uma vida miserável. Quando minha mãe morreu doente, por falta de condições, eu saí de casa, revoltado com a vida e com o mundo. Tinha um irmão gêmeo, chamado João, que também saiu de casa no mesmo dia, mas foi para um rumo diferente, nunca mais o vi. Deve estar vivendo desta mesma forma".
Enquanto isso, na outra capital, João terminava sua palestra para estudantes. Já estava se despedindo quando um aluno ergueu o braço e lhe fez a seguinte pergunta: - Diga-me por favor, o que fez com que o senhor chegasse até onde está hoje, um grande empresário e um grande ser humano?
João emocionado, respondeu:
- A minha família. Meu pai foi um péssimo exemplo. Ele bebia, batia em minha mãe, não parava em emprego nenhum. Tínhamos uma vida miserável. Quando minha mãe morreu, por falta de condições, eu saí de casa, decidido que não seria aquela vida que queria para mim e minha futura família. Tinha um irmão gêmeo, chamado Mário, que também saiu de casa no mesmo dia, mas foi para um rumo diferente, nunca mais o vi. Deve estar vivendo desta mesma forma.

O que aconteceu com você até agora, não é o que vai definir o seu futuro, e sim a maneira como você vai reagir a tudo que aconteceu. Sua vida pode ser diferente, não se lamente pelo passado, construa você mesmo o seu futuro, mas sempre mantendo a sua FÉ . Encare tudo como uma lição de vida, aprenda com seus erros e até mesmo com o erro dos outros. O que aconteceu é o menos importante. O que realmente importa é o que você vai fazer com o que acontecer.
Seja seu maior amigo...



Por Luiz às 14:51:52 | Comentários (3)
Contingência, sofrimento e Deus (Ricardo Gondim) - 28/01/2013

O Brasil sofre. De repente todos nos sentimos irmanados pela dor. O trauma de saber que pelo menos 232 vidas foram arrancadas prematuramente parece demais. Apesar de saber que no Brasil se faz vista grossa à legislação que previne acontecimentos como o de Santa Maria, apesar de todos os senões que evitariam tantas lágrimas, nos vemos mais uma vez diante do que a filosofia trata como contingência. Esclareço: contingência significa que há acontecimentos desnecessários. Os fatos tenebrosos não fazem parte de um encadeamento inevitável. Afirmar que uma tragédia pode ser evitada implica em que ela não foi orquestrada por uma divindade. Na contingência fatos ocorrem sem alguma razão que os explique ou justifique, e que escaparam da engrenagem de causa e efeito. Se o teto de uma igreja cai, um avião despenca, uma boate pega fogo, é porque o mundo contém espaço para acidentes – causados por negligência, falha humana ou mecânica- e podem matar sem que se atrelem a fado, destino, punição ou plano de Deus.

Sem atinar, muitos repetem a crença de que só se morre quando chega a hora. Para que tal afirmação seja verdadeira, destino precisaria vir escrito com “d” maiúsculo, pois necessitaria de inteligência e controle para reunir em uma casa de espetáculo, avião ou ônibus, todas as pessoas destinadas a morrer naquele dia específico. Acreditar assim concede à fatalidade um poder apavorante: imaginar que jovens, seduzidos por uma orquestração oculta, entraram como gado no matadouro.

Da mesma forma, muitos tentam encadear os eventos acidentais da vida, supondo que Deus “permite” sinistros com algum propósito. Querem dizer que cada pessoa, com histórias, projetos, sonhos, viu-se arrancada da existência “porque Deus assim quis”. O objetivo de Deus seria um mistério que ninguém entende e será revelado a longo prazo? Como ter fé em um Deus que “deixa” rapazes e moças se pisotearem até a morte? Ele utiliza eventos macabros para ensinar as pessoas a terem medo dele? Esse é o seu jeito de produzir arrependimento? Tal entendimento faria com que a biografia de cada indivíduo que se perdeu fosse descartável. Deus precisaria, inclusive, manter-se frio, desprezando as lágrimas de mães e pais. Alguns chegam a ensinar que o Divino Oleiro faz o que quer e não podemos questioná-lo. Deus mata, afoga, asfixia e dá as costas em “vontade permissiva” porque deve conduzir a macro história para a sua glória final?

Nas grandes tragédias, alguns se contentam em explicar os eventos através da doutrina do controle absoluto. Afirmam que Deus tem todo o poder e não seria difícil para ele reunir em um só lugar as pessoas que deveriam morrer. Um Deus com requintes desse maquiavelismo, não passaria de um demônio. Deus é bom. Satisfaz pensar que na divina economia Deus ainda vai compensar a morte absurdamente desnecessária de tantos jovens? Difícil explicar tal conceito aos pais, avós e parentes que sonharam em vê-los terminando a faculdade, casando e tendo filhos. Bastaria falar da vida depois da morte para consolar mais de duzentas mães acorrentadas à trágica realidade de que Alguém lhes roubou a razão de viver?

A idéia de que Deus tem um plano para cada morte se esvazia diante dos números. Aviões caem, ônibus tombam, boates incendeiam. Todos os dias incontáveis acidentes acontecem. Como explicar as balas perdidas, os erros médicos e os atropelamentos provocados por bêbados? Todos cumprem alguma ordem ou são inevitáveis? Uma senhora de nossa comunidade caiu da laje de sua casa em construção, quebrou a coluna e ficou paraplégica. Ela fotografava a obra para que a filha lhe ajudasse nas despesas do acabamento. A mais tosca explicação que a teologia poderia dar ao seu infortúnio é que Deus tem um plano para deixá-la paralítica ou a puniu por algum pecado.

Jesus considerou em seus ensinos um mundo contingente. Contradizendo a religiosidade popular judaica, ele desconectou a queda de uma torre de qualquer desígnio divino. Não concordou com a insinuação dos discípulos de que a cegueira de um mendigo era consequência do pecado dele ou de seus antepassados. No Sermão do Monte, Cristo advertiu os seus seguidores de que mesmo alicerçando a casa sobre a rocha, eles não seriam poupados dos ventos contrários e da tempestade.

O mundo das relações, devido ao amor, precisa de liberdade, e essa liberdade produz contingência. Portanto, acidentes, percalços, incidentes, fazem parte da condição humana. O contrário seria absoluta segurança. Sem a ameaça do sofrimento, sem a possibilidade da morte prematura, não enfrentaríamos ameaça de espécie alguma. Acontece que a ausência da contingência nos desumanizaria. A consciência do risco de adoecer e a imprevisibilidade da morte súbita, embora angustiantes, são o preço que pagamos por nossa humanidade. Jesus encarnou a compaixão de Deus, (compadecer significa sofrer junto), para nos mostrar que Deus sabe do risco de viver. Ele reconhece que mal e bem acontecerão no espaço da liberdade, por isso, oferece o ombro e as lágrimas. Deus não deseja que nossa vida se perca no inferno da dor.

Qualquer desastre revela a inutilidade de pensar que o exercício correto da religião ou a capacidade tecnológica bastam para anular a contingência. A vida será sempre imprecisa e efêmera. Diante da possibilidade do sofrimento, aprendamos a chorar com os que choram.

Soli Deo Gloria



Por Luiz às 12:12:26 | Comentários (0)
Deixe a espiritualidade penetrar em seu coração - 23/11/2012

“Tudo que lhe peço é que ame seus semelhantes, partilhe seus sofrimentos e envolva-se em servi-los. Pessoas ricas e aquelas com poder podem ter muitos servos. Mas o aflito, o pobre e os que sofrem não têm ninguém para atendê-los. Vá a essas pessoas e seja seu amigo, parente mais próximo e simpatizante. Deixe-os recebê-lo como tal. Se você derramar espiritualidade nos ouvidos dos que são torturados pela fome, ela não será assimilada. Primeiro sacie a fome. Dê-lhes Deus na forma de alimentos e na forma de roupas. Ofereça Deus na forma de paz para aqueles que estão aflitos pela ansiedade e na forma de remédio para aqueles que estão sofrendo de problemas de saúde. Ofereça Deus de uma forma que amenizará dor, medo e tristeza. É apenas quando isso é feito que a espiritualidade pode penetrar em seus corações.”



Por Luiz às 09:37:32 | Comentários (0)
Testamento - 25/09/2012

“Um dia em que você tiver mais tempo, sente-se ao lado de Cristo com toda paz e procure fazer este testamento espiritual: Responda a cada item: 1. As seguintes pessoas me foram muito caras... 2. Tais ideias me trouxeram libertação... 3. Tais coisas tenho de agradecer a Deus... 4. Esses são os fatos de que me arrependo... 5. Quero libertar-me de tais coisas... 6. Penso de Jesus o seguinte... Peça, finalmente, a graça de saber o que Jesus pensa de você.”


Por Luiz às 12:01:09 | Comentários (2)
Todos os dias uma inauguração - 23/08/2012

Você já participou de alguma inauguração? Já reparou como tudo é bonito, festivo, em dia de inauguração?
As pessoas usam as suas melhores roupas e seus melhores perfumes.
 Os sorrisos estão por toda parte. E todos os detalhes são minuciosamente cuidados. As cores das flores devem combinar com o restante da decoração, a música não pode estar tão alta que perturbe o ambiente.
O cafezinho tem um sabor especial. A recepção é impecável. Enfim, tudo é maravilhoso em dia de inauguração.
A mercadoria se apresenta nos balcões, nas vitrines, nas mesas, harmoniosamente disposta. Um atrativo para os olhos.
Entretanto, no dia seguinte, o mesmo local, as mesmas pessoas, a mesma mercadoria não tem o mesmo encanto. À medida que os dias se escoam, os funcionários vão se mostrando cansados e já não atendem tão bem a clientela.
 O cafezinho nem sempre está gostoso. As flores não são trocadas com regularidade e apresentam a tristeza amarelada do ambiente em que se encontram. Parece que tudo vai assumindo um ar de mesmice.
Assim é na nossa vida, muitas vezes. Chega um momento em que nos permitimos cair na monotonia e nos esquecemos da grandeza da vida que vivemos e da riqueza de tudo que nos cerca.
 Erguemo-nos pela manhã, trabalhamos, estudamos, nos alimentamos quase que mecanicamente.
Certo, a vida não é uma eterna festa, mas não pode ser simplesmente um amontoado de dias que se sucedem.
Importante seria que pensássemos em nossa vida em termos de uma constante inauguração. Ter, a cada despertar, algo novo em mente.
Um projeto diferente. Criar situações que nos revigorem as disposições para a alegria. Lembrar de detalhes:
mandar flores para alguém, mesmo que não seja dia de aniversário.
Pode-se criar o dia de mandar flores. Escrever um bilhete de agradecimento. Mesmo que seja só para agradecer o fato de ter alguém por amigo, irmão.
Fazer uma vista inesperada.
Enriquecer nossas amizades com contatos frequentes e cordiais. Promover um encontro com os vizinhos. Colecionar frases positivas.
 Recomeçar estudos interrompidos. Iniciar outras etapas de aprendizado. Não desistir nunca de aprender.
Criar novas ideias. Fazer uma meditação diária sobre os objetivos da vida.
E não esquecer nunca de que para ser dia de inauguração tem que se estar feliz, ter esperança no futuro, sentir que está se fazendo algo novo e desafiador.
Em síntese: dar sentido à própria vida.
* * *
Cada dia que surge, renovado, nos traz as oportunidades de trabalho, aprendizado, enriquecimento do Espírito.
Na forja das horas amadurecemos nossos conceitos, reformulamos ideias e ideais.
Enquanto se multiplicam as semanas e se somam os meses, na Terra que nos acolheu para as experiências do progresso, invistamos na vida e perseveremos na execução dos nossos planos de felicidade, sem receios infundados, nem desânimo injustificado.
Inauguremos nossa vida a cada dia, todos os dias.

(Texto baseado em mensagem intitulada Inaugure sua vida todo dia, de autoria de Dulce Magalhães)



Por Luiz às 22:41:09 | Comentários (0)
Como é que os outros vêem você? - 15/08/2012

“Frequentemente abrimos mão de nossa consciência quanto a Deus e nos preocupamos em viver de maneira a sermos aceitos por aqueles que nos rodeiam! Somos influenciados ao invés de influenciar. Por isso a pergunta acima é tão importante. Você é bem aceito por aqueles que estão próximos? 

 Saber como os outros vêem você também pode lhe dar uma noção de como está seu relacionamento com Deus. É natural observarmos que quando falamos sobre a presença/relacionamento/comportamento espiritual com Deus, causa certo desconforto para quem não crê nesta postura. A simples presença exerce julgamento sobre o que não crê. Não é por que quem crê seja melhor do que aquele que não crê, mas é porque suas boas ações no dia a dia lançam luz sobre as corrupções do outro. O justo incomoda alguns pela forma como vive! 

 Talvez seja esse natural desentendimento que dificulta o relacionamento, mas isso não nos deve impedir de desejarmos alcançar o colega falando sobre o nosso Deus para que também se torne Conhecido dele. “Ame ao próximo como a ti mesmo”, lembra? 

 Fico por entender porque o colega que identifica quem é o meu Deus também não O recebe como seu Deus! Mas uma coisa eu sei, meu papel é apresentar Deus.



Por Luiz às 10:30:11 | Comentários (0)
Dedo-duro - 03/08/2012

"Você conhece alguém que é um dedo-duro, o perfeito leva e trás? É bem natural existir alguém assim nas empresas onde trabalhamos ou no nosso dia a dia! E será que alguém considera você um dedo-duro?

Em minha opinião esses que “levam e trazem” possuem algum tipo de problema consigo mesmo. Eu resumiria em pelo menos dois tipos: 

Um deve ter baixa “auto-estima” e vê neste tipo de comportamento a única chance de conquistar o que almeja. No desespero de suprir sua própria necessidade, ignora a condição dos outros e frequentemente lhes causam mal. Seguem por esse caminho, porque não se sentem capazes de crescer por outra forma e usam as pessoas para seus propósitos!  

O outro possível tipo é aquele que fica no outro extremo, é alguém exageradamente cheio de si mesmo, é o “rei da cocada branca”. Como não sente que precisa de ninguém delata sem remorsos ou usa qualquer informação negativa do outro para seu próprio benefício, se promove. É como se dissesse: “Eu sou melhor do que ele, está vendo?”.  

É certo que às vezes não nos resta alternativa e acabamos tendo que falar as faltas, erros ou corrupções dos colegas ou outras pessoas, mas você deve observar qual é a sua motivação. Denegrir o colega ou a outra pessoa? Simplesmente se promover? Ou vê na situação a necessidade de justiça? 

Não muito diferente daqueles dois tipos também existe os que se “omitem e fazem vista grossa”. Esses não se diferem muito no que diz respeito a causar mal aos outros. Como você é no dia a dia?"



Por Luiz às 00:11:27 | Comentários (0)
Já dizia Nelson Cavaquinho - 26/07/2012

Sei que amanhã

Quando eu morrer 

Os meus amigos vão dizer

Que eu tinha um bom coração

Alguns até hão de chorar

E querer me homenagear

Fazendo de ouro um violão

Mas depois que o tempo passar

Sei que ninguém vai se lembrar

Que eu fui embora

Por isso é que eu penso assim

Se alguém quiser fazer por mim

Que faça agora.

Me dê as flores em vida

O carinho, a mão amiga, 

Para aliviar meus ais.

Depois que eu me chamar saudade

Não preciso de vaidade 

Quero preces e nada mais 

 

  "Se pudéssemos ter consciência do quanto nossa vida é passageira, talvez pensássemos duas vezes antes de jogar fora as oportunidades que temos de ser e de fazer os outros felizes!! "



Por Luiz às 18:26:07 | Comentários (0)
Abandonar - 23/06/2012

“Abandonar o corpo é semelhante à mudança de uma casa ocupada por alguns anos para outra. O ato de mudar de uma casa é físico; isso não lhe afeta. Do mesmo modo, nascimentos e mortes não afetam a alma suprema, presente dentro de você. Para escapar deste ciclo de nascer repetidamente, entoação do Om é um instrumento potente. Todos os longos anos de vida devem ser utilizados para esse momento final de consumação. Sua mente deve estar fixa na entoação do Om quando o corpo for descartado. Você arrota o odor do alimento que acabou de comer; seu último pensamento indica o alimento que foi assimilado. Seu progresso está de acordo com sua prática espiritual. Portanto, esteja ciente da necessidade de fixar sua mente em pensamentos santos quando o corpo for descartado. E isso é possível quando você mergulha em pensamentos santos, a todo o momento, e pratica-os incessantemente.”

 

 



Por Luiz às 18:30:08 | Comentários (0)
Uma meditação do Zohar sobre Perdão - 19/05/2012

O Zohar (traduzido do hebraico, significa"esplendor") é considerado como um dos trabalhos mais importantes no misticismo judaico. Trata-se de comentários místicos sobre os cinco livros de Moisés, escritos em aramaico e hebraico medieval. 

O Zohar contém uma discussão mística sobre a natureza de Deus e considerações sobre a origem e estrutura do universo, a natureza das almas, pecado, redenção, o bem e o mal, e diversos temas relacionados.

O Zohar não é um livro, mas um grupo de livros. Estes livros incluem interpretações bíblicas assim como matérias sobre teologia, teosofia, cosmogonia mística, psicologia mística, e também o que alguns poderiam chamar de antropologia.

Descobir o Zohar significa descobrir o nosso mundo interior e nosso potencial ilimitado.

Existe no Zohar uma história a respeito de um homem sentado à beira de um penhasco prestes a ser mordido por uma cobra. De repente, uma outra cobra vinda não se sabe de onde aparece e come a primeira cobra. O homem se levanta e vai embora. Poucos minutos depois o penhasco onde ele estava se desprende da montanha e desaba. Quando lhe perguntam qual o segredo para atrair milagres, ele responde: “Nunca fui dormir sem perdoar todas as pessoas que me magoaram durante aquele dia. E certamente nunca vou dormir sem sentir gratidão por ser capaz de aprender com elas.”

Quando escolhemos enxergar todas as situações dolorosas como oportunidades de aprendizado, podemos vivenciar milagres sem limites.



Por Luiz às 10:49:20 | Comentários (1)
Batalha da vida - 04/05/2012

“Cultive uma atmosfera de amor e cooperação com todos e você poderá garantir alegria para sempre. Não procure argumentos para se manter longe dos outros; preferencialmente procure formas de trabalhar unido para o bem comum. Os sentimentos de 'eu' e 'meu' extinguem o amor e a cooperação. Reduza-os ao mínimo e, em seguida, comece a servir os necessitados e aflitos. Desenvolva o caráter, assim como a inteligência e a saúde. A fonte mais confiável de força não está no dinheiro, ou em parentes, ou na agilidade física, mas em si mesmo, no Espírito. Investigue-O a fundo e tire sustento Dele, veja-O em todos, sirva-O em todos. A disciplina é outra característica fundamental. Todo indivíduo e toda nação devem aprender a controlar a natureza selvagem das paixões e das emoções; ceder a elas só traz ruína. Disciplina, autocontrole, desejo de servir - essas são as armas que mesmo o mais fraco pode usar e vencer a batalha da vida.”



Por Luiz às 01:56:23 | Comentários (0)
O tempo - 16/04/2012

“O tempo é o verdadeiro Deus da Morte. O tempo não tem misericórdia; você deve partir quando o tempo acaba. Cada dia seu tempo é abreviado em vinte e quatro horas. Diz-se que a Morte carrega uma corda. Ela não é dona de uma fábrica de cordas para arrastar para sua casa todos os milhões que morrem. A pessoa que morreu tem a corda já fiada e enrolada em volta do pescoço. Cada um fia a corda através de cada ato realizado durante seus anos de vida, agora ou no passado. Os atos realizados com o egoísmo, interesse próprio ou por interesse nas consequências benéficas tornam a corda mais longa e dá-lhe uma forte torção. As boas obras, feitas em um espírito de dedicação, não adicionam comprimento ou força à corda. Elas dão paz e felicidade em abundância. Decida-se a partir deste dia em ver apenas o bem nos outros e desenvolver o bem em si mesmo. Esta é a melhor prática espiritual.”



Por Luiz às 16:16:41 | Comentários (0)
Não seja ingrato... - 26/03/2012

“As pessoas são desprovidas de gratidão, o que não é certo. Deve-se ser grato pela ajuda que se recebeu dos outros enquanto se está vivo. Há duas coisas que você deve esquecer: a ajuda que prestou aos outros e o mal que os outros lhe fizeram. Se você se lembra da ajuda que tem ofertado, você sempre espera algo em troca. Lembrar-se do mal causado a você por outros gera em você um sentimento de vingança. Você deve se lembrar apenas da ajuda que recebeu dos outros. Aquele com estas qualidades sagradas é um ser humano ideal. Amor é Deus, amor é natureza, amor é vida e amor é o verdadeiro valor humano. Desprovido de amor, uma pessoa é como um cadáver. Ame mesmo o pior dos seus inimigos. Leve uma vida repleta de amor. Então você experimentará contentamento, paz e segurança em seu coração.”



Por Luiz às 10:43:33 | Comentários (1)
O que a vida está tentando me ensinar - 11/03/2012

A oportunidade que se perdeu é o título de um artigo do jornalista Roberto Pompeu de Toledo, publicado em um periódico de grande circulação nacional.
O ensaio versa sobre como está o Mundo depois dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, e apresenta uma visão muito interessante que se inicia através das seguintes palavras:
As mortes, a dor, o medo e o luto não esgotam o assunto. Não bastasse isso, não bastasse a barbárie levada a limites impensáveis, o 11 de setembro deixou outro legado desastroso: o da oportunidade perdida.
No dia 12 de setembro de 2001, junto com o pânico, com o choro, com os trabalhos de resgate entre os escombros das torres gêmeas e a busca de culpados, misturada a esses elementos, raiava uma esperança.
Aquele terrível evento poderia ser o ponto de partida para um mundo mais amigo.
Era hora de agir em favor de um mundo menos conflitante e menos injusto. De congregar as nações em busca de soluções que tornassem o planeta Terra um lugar menos perigoso de se viver.
E assim o autor continua, lembrando depois tudo que poderia já estar diferente no Mundo e ainda não está, por muitos líderes não terem percebido que uma grande oportunidade estava sendo concedida ao Mundo.
A de recomeçar.
E como toda a transformação do Mundo passa primeiro pela nossa própria, esta é uma lição que podemos aplicar também em nossas vidas, através de uma visão diferente sobre o sofrimento que nos alcança.
Toda dor que surge em nossa vida é uma oportunidade grandiosa que recebemos. A oportunidade de amadurecer, de crescer, de reescrever nossas histórias, de recomeçar.
Imaginemos a vida nos dizendo: Pare um pouco, pense, reflita, recomece...
Um acontecimento desagradável; um flagelo destruidor; uma enfermidade; a partida de alguém; são chances que a vida nos dá para aprendermos lições preciosas.
Aquele de nós que tivesse o equilíbrio de perguntar: O que a vida está tentando me ensinar? - quando atingido por qualquer tipo de sofrimento, e conseguisse perceber as razões profundas dessas experiências, passaria a viver sem medos.
E com uma consciência espiritual fabulosa sobre as coisas deste Mundo.
A todo momento a existência está nos guiando sem percebermos.
A todo instante a vida ensina.
Constantemente a vida fala conosco, nos mostra caminhos, respostas, consequências.
Cabe-nos desenvolver a habilidade de escutar, de perceber em todos os níveis. Do sensorial, passando pelo racional, até o intuitivo, o que nos está sendo ministrado.
A revolta, a indignação e a vingança apenas complicam qualquer problema, enquanto a compreensão e resignação colocam-nos no caminho de resolvê-lo por completo.
Francisco de Assis sempre se referia à dor como sua irmãzinha querida, porque sabia do seu poder e utilidade.
Paulo de Tarso sempre se referia, em suas cartas, aos aguilhões que o machucavam e o faziam sofrer.
Como Francisco de Assis, ele também entendia sua dor, e dizia, inspirado:
Transbordo de júbilo no meio de todas as minhas atribulações.
* * *
A vida nos oferece oportunidades constantemente.
Será extremamente sábio aquele que conseguir perceber esses convites, essas lições, e extrair delas as forças para as mudanças necessárias.
Faça este exercício toda vez que um momento de crise se apresentar.
Troque a reclamação, a indignação e o desapontamento pelo questionamento:
O que a vida está tentando me ensinar??

(Com base no artigo de Roberto Pompeu de Toledo, publicado na revista Veja, de 18 de setembro de 2002, no artigo intitulado O significado do sofrimento, de Sergito de Souza Cavalcanti, extraído do site www.espirito.org.br e no cap. 7, versículo 4 da II epístola de Paulo de Tarso aos Coríntios.)



Por Luiz às 21:51:59 | Comentários (0)
Pessoas sábias - 22/02/2012

“As pessoas sábias estão sempre felizes e essa felicidade não depende de quaisquer coisas externas.  Podemos nos perguntar como; é porque essas pessoas estão contentes com tudo que acontece a elas, bem ou mal, pois elas estão convencidas de que a vontade de Deus deve prevalecer. A falta desse contentamento é um sinal de uma pessoa insensata. A pessoa sábia acumula um desejo sobre outro, constrói um plano atrás do outro e ambiciona indefinidamente; ele ou ela se preocupa e inflama o próprio coração com chamas de ganância. Por outro lado, a pessoa sábia é inabalável, estável e sempre exultante! As pessoas sábias podem estar engajadas em ações, mas não são minimamente afetadas por elas, pois elas não têm desejos pelos frutos de suas ações.”



Por Luiz às 12:18:18 | Comentários (3)
Tirar a própria vida - 15/02/2012

"Outro dia, li um comentário de uma determinada pessoa que estava escrito no rodapé de um tema em um blog que visitava, dizendo não ter mais prazer na vida! Acredito que esta pessoa pensava em suicídio. Fiquei aflito, pedi muito a Deus pela vida daquela pessoa, mesmo sem conhecê-la.

Como uma pessoa vê na morte física uma saída, um escape ou alívio? Essa ideia maluca já passou pela sua cabeça alguma vez?

Tenho que admitir a existência em nossos corações, como consequência de muitos erros e insucessos, de uma sombra de morte que nos aterroriza. A presença de um baixo astral já é evidência de morte, sabia?

Por conhecimento através de leituras do livro mais difundido neste nosso mundo – a Bíblia - vemos que além da morte física há dois outros tipos de morte: A morte espiritual que leva os culpados a se esconderem da presença de Deus. E a segunda morte, a qual se refere à total e definitiva separação de Deus.

Aqueles que optam por uma vida de desvios é tido como morto porque não tem a motivação que vem de Deus! Mas não está tudo perdido, pois pela graça (um favor sem mérito), através de Jesus Cristo, o chama dizendo: “Por que você se esconde de Mim?”

Ouça sem orgulho o Chamado. Arrependa-se agora mesmo de sua nudez espiritual. Reconheça que Cristo abriu a porta para retornarmos a Deus e sentirá imediatamente o suspiro de Vida que emana do próprio Deus. Duvido que prefira a morte ao invés da vida? Jesus não nos prometeu vida isenta de dificuldades, mas garantiu que nunca abandonaria os Seus! Volte para a vida."



Por Luiz às 19:25:24 | Comentários (3)
Esporte na vida - 11/01/2012

“Embora a comida e os hábitos possam diferir entre as nações, o espírito de harmonia e unidade exibido no esporte é um exemplo gratificante para todos. É uma qualidade distintiva dos esportes que as diferenças sejam esquecidas e que as pessoas se dediquem aos jogos em um espírito divino de amizade e camaradagem. Os esportes ajudam os jogadores não só a melhorarem sua saúde, mas também a experimentar alegria. No entanto, não se deve contentar-se apenas com a concretização desses benefícios. A humanidade tem outro corpo além do físico. É o corpo sutil, também conhecido como mente. É igualmente essencial promover a pureza da mente e desenvolver grande amabilidade. A verdadeira natureza humana floresce somente quando o corpo, a mente e o espírito são desenvolvidos harmoniosamente. O entusiasmo e o esforço que você exibe nos esportes também deve se manifestar nas esferas da moralidade e da espiritualidade.”



Por Luiz às 01:13:59 | Comentários (0)
Casca amarga - 31/12/2011

“Todo mundo procura e se esforça para estar em paz consigo mesmo e com a comunidade ao redor. As pessoas têm tentado obter essa paz acumulando riqueza, o que dá poder sobre os outros e a capacidade de controlar conveniências e confortos. Alguns têm procurado posições de autoridade e influência para que possam moldar eventos adequados para seus propósitos e fantasias. Infelizmente, esses caminhos são cercados de medo e a paz que é obtida por esse modo é passível de extinção rápida e às vezes violenta. Paz Verdadeira só pode ser alcançada através do Amor! É o fruto da árvore da vida. Esse fruto de essência doce é envolto por uma casca amarga. A casca amarga simboliza as seis paixões que envolvem o coração amoroso do ser humano: luxúria, ira, avareza, apego, orgulho e ódio. Aquelas pessoas que removem o exterior através da disciplina dura e consistente atingem a doçura interior - a paz tão desejada; essa paz é eterna, imutável e irresistível.”

Feliz Ano Novo!!!



Por Luiz às 20:14:31 | Comentários (0)
Natal dos Doentes (Euclides Cavaco) - 15/12/2011

 Natal é convite à paz
E inspiração de amizade
Que a todo o ser crente faz
Sentir mais fraternidade.

Neste sentido o Natal
Seria mais transparente
Com um gesto fraternal
Para quem está doente.

Dar nossa palavra amiga
Aos que enfermos estão
Pra que motive e consiga
Breve recuperação. 

Nesta fraterna atitude
Seus corações se enternecem
Com a esperança da saúde
De que eles tanto carecem.

A todos os doentinhos
Mostre Deus a piedade
Termine os seus espinhos
E pereça a enfermidade.

Eu rogo neste poema
A Deus, pra que os ajude
Ponha fim ao seu dilema
E dê a todos saúde !...

Este poema de Natal , hoje muito peculiarmente  dedicado aos mais carentes da maior preciosidade da vida que é a saúde.
Se cada um de nós confortar um doente neste Natal , oferecerá
implicitamente o mais significativo presente de Natal.
Caso você queira ouvir e ver esta récita em poema do meu amigo e poeta Euclides Cavaco utilize este link:  
http://www.euclidescavaco.com/Recitas/Natal_dos_Doentes/index.htm



Por Luiz às 14:41:42 | Comentários (1)
Exercício da oração! - 09/12/2011

Existe em nosso planeta muitas pessoas que acham muito difícil fazer uma oração, assim como um outro grande contingente que não acreditam na oração como uma alternativa e muito menos como uma solução.

Em muitas oportunidades as orações não são respondidas na velocidade que gostaríamos, em outras situações temos até vergonha de colocar determinados assuntos na presença de Deus. Diversos são os fatores que podem nos afastar deste exercício pessoal e íntimo tão importante – a Oração – um caminho muito dinâmico.

Acredite ou não, "o Espírito Santo de Deus nos ajuda em nossas fraquezas, pois é como se Ele colocasse o Seu coração em nós, e nós sentíssemos o que Ele sente".

Deus, aquele que nos concedeu/concede o sopro da vida, nos conhece e sabe de nossas necessidades mais íntimas. Quando somos impelidos a fazer oração, devido a determinadas situações no decorrer de nossas vidas, verificamos que algo diferente acontece dentro de nós. Por que então não fazer da oração uma prática? A oração também é um exercício para se desenvolver a comunhão com o nosso próximo e com Deus.

Deus se importa tanto conosco que envia, de tempos em tempos, ao nosso mundo, seres espirituais altamente evoluídos para entrar  nas nossas lutas e sofrimentos e nos tornar mais próximos. Isso é tão intenso que o Espírito intercede por nós, em nós pela vontade de Deus mesmo quando nada sabemos sobre ela.

Algo realmente fabuloso acontece na oração, sem falar do efeito psicológico que tem quando abrimos nossos corações, intimamente, diante dEle. Saiba que você não está sozinho e, esse mesmo Espírito, o Espírito Santo de Deus, lhe ajudará em suas fraquezas. "Não andeis ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplica, e com ações de graças, apresentem seus pedidos a Deus" (Filipenses 4.6). Será que você consegue crer nisso? Perto está Deus! Tenha fé.

Você não está sozinho. Além de suas próprias orações, Deus também levanta outros e grandes bênçãos vêm sobre você por causa de intercessões de pessoas que você nem imagina. "A oração pode muito em seus efeitos"!



Por Luiz às 11:59:44 | Comentários (0)
Tenha Educare - 29/11/2011

“Onde quer que você olhe, Deus lá está presente. Quem quer que você veja, Deus está nele. Deus não tem uma forma particular; todas as formas são d'Ele. É por isso que os Vedas declaram que "o Ser Cósmico tem milhares de cabeças, olhos e pés". Quando você se senta para meditação, não permita que a mente vacile; sempre a mantenha estável. Não desenvolva diferenças entre vocês, pois as controvérsias dão origem a muitos problemas. Mesmo se alguém o irrita, não lute com ele; entenda que quando você briga, você realmente prejudica a si mesmo. Também controle seus pensamentos. Todas essas são qualidades de uma pessoa verdadeiramente educada. Isso é chamado Educare. Junto com educação, você também deve ter Educare, pois isso irá conceder-lhe saúde, paz, felicidade e prosperidade. Tudo se tornará bom para você se tornar seu coração puro.”



Por Luiz às 17:01:13 | Comentários (1)
Um nome com poder - 11/11/2011

 “O poder do Nome Divino, por exemplo, como o de Jesus Cristo, é incomparável. As pessoas normalmente não o levam a sério; isso é um erro. O Nome de Deus é o verdadeiro diamante - "extingue a mente". Mantenha-o protegido e seguro. Quem faz repetição do Nome de Deus, seja qual for o nome que use e onde quer que esteja, sua vida será santificada e estará livre de qualquer atitude que leve a pessoa a trilhar o caminho do mal. Não se preocupe muito com melodia e ritmo. Entoe o nome divino de todo coração e fé absoluta. A Fé desenvolve amor por Deus. Entoar o nome de Deus, quando feito com concentração absoluta e fé firme, ajudará a alcançar grande transformação. Fixe sua mente de forma constante no Nome Divino e atinja bem-aventurança.”



Por Luiz às 11:04:05 | Comentários (0)
Futebol - 03/11/2011

 “Em um jogo de futebol, os jogadores de ambos os lados continuam a chutar a bola até que ela seja enviada ao gol. Eles devem fazer com que a bola não vá além dos dois postes que definem o gol. O objetivo da vida também consiste de dois postes: secular e espiritual. Você nasceu como um ser humano com o objetivo de não nascer de novo. Você deve viver dentro do campo das buscas secular e espiritual. As seis más características - luxúria, ira, ganância, desejo, orgulho e ciúme estão de um lado, e as boas qualidades - verdade, retidão, paz, amor, não violência e sacrifício estão do outro lado. O jogo é entre essas duas equipes. Se você trilhar o caminho divino você pode experimentar paz e também compartilhá-la com os outros. Então você estará liberto.”



Por Luiz às 01:10:12 | Comentários (2)
Enfrentar obstáculos - 15/10/2011

"A maior parte das pessoas não é suficientemente determinada para enfrentar obstáculos. Quando elas desejam algo ou têm um projeto para realizar alguma coisa, assim que se deparam com dificuldades, desistem, mudam de direção ou perdem a confiança em prosseguir. Isso sugere fraqueza de propósito e incerteza quanto ao que, de fato, querem.

Por isso, se você resolver pegar uma direção qualquer, em primeiro lugar busque a lucidez necessária para saber qual é exatamente o seu objetivo; em segundo lugar, reúna forças para enfrentar todos os obstáculos que inevitavelmente irão se levantar contra o seu projeto. Se a sua determinação for inflexível , eles desaparecerão um a um."



Por Luiz às 00:19:02 | Comentários (1)
Seu pedido pode ser aceito - 15/09/2011

Uma vez ou outra, faço a leitura de registros que estão inseridos no livro mais lido de todos os tempos, a Bíblia Sagrada, com o intuito de obter mensagens que conduzam para um comportamento mais humano. Recentemente, li uma passagem que considerei fascinante, narrada por Mateus 15.21-28 (caso seja de seu interesse, faça a leitura em uma Bíblia, desta história ou de outras) acerca de um episódio com Jesus. Esta narrativa nos fala sobre uma mulher que vivenciava um momento muito difícil com sua filha que era visivelmente perturbada por forças espirituais, ou seja, como popularmente se apregoava: possuída por demônios. Como na época em que ocorreu esta situação, existia uma pessoa, Jesus, cuja fama, a tudo curava, a mulher tinha esperanças de uma solução em sua vida futura. Determinou o destino que na região em que vivia esta mulher e sua filha, Jesus, estava visitando e então, ela foi procurá-Lo afim de que realizasse a cura para a sua filha. É, bem provável, no momento que ela decidiu procurar Jesus, ela já havia tentado todos os recursos que ela podia tentar. Ela provavelmente foi a todos os médicos e tentou todos os remédios caseiros que ela poderia procurar para ajudar a filha. No momento que ela procura Jesus, ela era uma mulher muito desesperada. Toda a esperança tinha ido embora. E ela não sabia mais o que fazer. Esta mulher, sem sombras de dúvidas, estava plenamente convencida da capacidade de Jesus para curar sua filha. Não havia nenhuma outra alternativa para ela, e nenhum outro a quem ela pudesse procurar. Ela procurou por Jesus, e confiou em sua capacidade de atender sua necessidade desesperadora.
Nesta condição, quando avistou Jesus, começou a gritar por ajuda, mas Ele não lhe dá a mínima atenção, mas ela continua a implorar um auxílio até o momento em que um dos discípulos de Jesus diz: Senhor, mande esta mulher ir embora porque está incomodando. Ele tomou a palavra: “Eu fui enviado somente às ovelhas perdidas da casa de Israel”. Mas a mulher veio prostrar-se diante de Jesus e começou a implorar: “Senhor, socorre-me!” Ele lhe disse: “Não fica bem tirar o pão dos filhos para jogá-lo aos cachorrinhos”. Ela insistiu: “É verdade, Senhor; mas os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa de seus donos!” Diante disso, Jesus respondeu: “Mulher, grande é tua fé! Como queres, te seja feito!” E a partir daquela hora, sua filha ficou curada.

Esta história nos conduz a pensar sobre dificuldades e nós. Observamos em vários momentos de nossas vidas que quando vivenciamos uma séria dificuldade, apelamos para Deus. Quando nós ou alguém da nossa família passa por uma grande dificuldade, especialmente em caso de doenças. Nessa hora, buscamos a Deus com todo afinco, pois vemos nele a grande possibilidade de auxílio.

Aqui eu gostaria de comentar que diante das dificuldades, dos problemas, das tragédias, há pelo menos duas possibilidades: ou você se revolta contra tudo e todos, inclusive contra Deus; ou se aproxima desse Senhor, esperando da Sua mão o auxílio. Esta mulher do nosso texto não se revolta, mas busca auxílio junto a Jesus.

O que me chamou a atenção nesse texto, também, é o fato dessa mulher ir gritando por ajuda atrás de Jesus, pedindo por misericórdia, mas Jesus parece não dar muita atenção para ela. Não é assim também que acontece muitas vezes conosco em nossos pedidos de ajuda? Nós buscamos a Deus num momento muito difícil da vida, mas parece que Ele não nos ouve. E bate em nós um grande sentimento de abandono. Nos sentimos sozinhos, achando que o próprio Deus também nos deixou. Mas quantas vezes isso é uma prova de fé para nós. Aqueles que desistem de pedir, desistem de uma oração, deixam de receber. Mas aqueles que buscam com perseverança, sem desistir, acabam alcançando.

Este texto nos ensina que devemos persistir no nosso pedido, mesmo que às vezes pensemos ou sintamos que Ele não nos escuta. Mesmo quando parece que Deus está longe e não está nem aí para a nossa dor, devemos insistir e buscá-lo em oração. É bem nesses momentos difíceis que devemos buscar ainda mais ao Senhor. É isso que fez a mulher do texto. Se ela, percebendo que Jesus nem lhe dava atenção, tivesse desistido do pedido, então não veria a filha curada. Imaginem se essa mulher que vinha clamando atrás de Jesus, dissesse: “Não adianta mesmo insistir. Esse aí não me escuta. Vou embora.” Se ela tivesse feito isso não teria recebido a bênção das mãos de Deus. Quantas pessoas a gente ouve dizer: “Já cansei de pedir, mas Deus não responde!”. Não se canse de pedir nunca! Insista, mesmo que demore dias, meses, anos. Insista no seu pedido a Deus e no momento oportuno será atendido.

Outra coisa interessante dessa história é o fato dos discípulos de Jesus dizerem para Ele mandar aquela mulher ir embora, pois estava incomodando. Ah, quanta gente age também de acordo com os discípulos. Quanta gente pensa: “Será que o meu clamor, o meu pedido está incomodando a Deus?

Já pedi muito. Senhor, não vou mais te incomodar com a minha dor”. Há aqueles que ainda dizem: “Deus já sabe da sua dor. Não precisa mais pedir por causa disso”.

O interessante nesta história bíblica é que Jesus quando conversa com a mulher, nas entrelinhas, a chama de cachorrinho. Ele diz, também, que veio somente para as ovelhas desgarradas de Israel. E que não é bom dar o pão dos filhos aos cachorrinhos. Quantos achariam isso ofensivo demais e teriam desistido. Mas ela não desistiu. Ela se humilhou. Ela aceitou ser tratada dessa forma. Ela não desistiu.

Quantos se acham dignos de receber alguma coisa de Deus. Acham que têm méritos próprios. Mas esse é um ledo engano. Não merecemos nada de Deus. O que Ele nos dá é por amor, por graça, por misericórdia.

Quantos pensam: “Bem, eu tenho esse problema e já pedi. Vamos ver o que vai dar?”. Mas lá no fundo dizem para si mesmo: “Acho que não tem jeito!”. E por agirem assim deixam de receber o que Deus poderia facilmente lhe conceder. Queres receber alguma coisa de Deus? Peça com fé. Mas o que é fé?  “A fé é uma posse antecipada do que se espera, um meio de demonstrar as realidades que não se vêem”. Dá para entender isso? A fé é uma posse antecipada daquilo que se espera, mas que ainda não está presente. Arrisco dizer que aquela mulher do texto vislumbrava, pela fé, a sua filha curada se conseguisse entregar o seu problema, a sua aflição, a sua dor à Jesus. Provavelmente, na sua mente, ela via, antecipadamente, a filha curada, pois sabia que Deus tinha poder e acreditava em Jesus.

Nós temos muitas dificuldades para ver os nossos problemas resolvidos quando os entregamos a Deus. Nós temos dificuldades de enxergar com os olhos da fé. Apenas enxergamos a realidade como nós a vemos e não como ela pode ser quando a entregamos com confiança a Jesus. Nós, quantas vezes, nos aproximamos de Deus, assim como fez essa mulher, mas com uma grande diferença: muitas vezes estamos tão cheios de dúvidas de que iremos alcançar o que pedimos, que realmente deixamos de receber. Essa dúvida aquela mulher não teve. Será que não é exatamente aí que falhamos na nossa vida de fé? Nós não conseguimos enxergar o milagre de Deus acontecendo em resposta à nossa solicitação. Nós vemos o problema e o entregamos a Deus. Sabemos que Ele pode dar um jeito. Pedimos isso a Ele. Mas não cremos realmente que tudo aquilo que pedimos vai acontecer. E por isso muitas vezes desesperamos. Enxergamos o problema e não olhamos, com os olhos da fé, esse problema resolvido.



Por Luiz às 00:32:36 | Comentários (6)
Máscara da violência (Pedro Richalski Neto) - 20/08/2011

Vivemos numa sociedade em que a violência adquire várias máscaras desempenhando papéis diversos. Máscaras da fome, da guerra, da corrupção, do poder, do consumo, do desemprego, da religião, da tortura. Máscaras da dominação, do dinheiro, da velocidade, do barulho, da exploração. Máscaras do genocídio, da escravidão, da poluição, da desigualdade, da barbárie. Máscaras da pobreza, marginalidade e exclusão, do analfabetismo, do crime, da droga. Máscaras da beleza, do prazer, da justiça.

O que há em comum entre estas máscaras da violência? Todas elas ferem a dignidade humana, destroem a fragilidade da vida, apagam os sonhos, abortam as esperanças, secam a sensibilidade, fragmentam as relações, fortalecem as exclusões, escurecem os olhares, anestesiam os corações, endurecem a solidariedade, distanciam as culturas, manipulam os sentimentos religiosos, incentivam a criminalidade, enriquecem a barbárie, espalham o medo, analfabetizam os desejos.

Constatamos o crescimento da violência diariamente. À luz do dia, a qualquer hora, em qualquer lugar. Assaltos, seqüestros, extermínio, chacinas. O medo gera violência, a violência gera violentos. A violência de quem nada tem, a violência de quem tem e quer mais. A busca por segurança, por proteção tem um preço muito alto.

A violência tem raízes históricas. Na dominação de povos e culturas, índios e negros foram agredidos, explorados, escravizados, negados em seus valores, ridicularizados e forçados a viver uma cultura que não era sua. A violência tem raízes políticas. Institucionaliza-se o uso da violência como legitimação do poder. A violência tem raízes sociais. A violência estrutura-se de forma organizada no campo e na cidade, no meio rural e urbano. Segue-se uma hierarquia através da obediência, submissão e dependência onde matar ou morrer é apenas um detalhe. A violência tem raízes econômicas. O capital domina as relações. Para que uma minoria mantenha seus privilégios, uma grande maioria sofre as consequências e sobrevive com o mínimo, inseguros em relação ao dia seguinte.

O ser humano é por natureza violento? Será possível construir uma sociedade não-violenta? É possível pensar uma cultura da não-violência? É possível educar as pessoas para a paz? É possível?

São louváveis e merecem reconhecimento todas as iniciativas e projetos individuais e coletivos que estão sendo desenvolvidos para diminuir as violências e promover a pessoa, a vida, a solidariedade, a justiça, a paz.

É urgente desmascarar a violência. Re-humanizar as instituições. Re-educar o olhar e as relações humanas. Fundamentar uma convivência ética. Fundamentar um diálogo ético, repensar o nosso modo de viver, ressignificar a vida.

Ampliar os horizontes de vida e de possibilidades, desarmar as mãos para multiplicar os gestos de fraternidade, unir mente e coração para promover a igualdade, globalizar as riquezas econômicas. Aceitar, acomodar-se, ficar indiferente, omitir-se e conviver com a violência sem nada fazer é desumano e insuportável.



Por Luiz às 11:27:27 | Comentários (0)
As nuances da desculpa (Laércio Garrido) - 06/08/2011

O que é mais fácil? Desculpar-se com os outros? Desculpar terceiros? Pedir desculpas a si mesmo? Aceitar desculpas? Dependendo da situação, dos valores, vivências e personalidade do envolvido cada uma delas poderá ser muito fácil ou extremamente difícil de ser utilizada. 

 Pedir desculpas a si mesmo é um exercício positivo de autocrítica desde que sem exageros. Desculpar-se é pedir a alguém que lhe tire a culpa, desculpar o outro é perdoar seus erros mesmo que ele não tenha se arrependido e aceitar desculpas é dar uma segunda chance ao semelhante. 

 Entre pessoas em conflito, alguém deveria tomar a iniciativa para solicitar desculpas com sinceridade evitando a radicalização da relação. O ato de pedir desculpas a quem ofendeu e o desculpar a ofensa recebida devem coexistir de maneira inequívoca como os dois lados de uma mesma moeda. Esses comportamentos são importantes e devem ser aplicados sem arrogância, pois muitas vezes não existe um só responsável pelo conflito. A culpa é distribuída entre os dois atores do processo. 

 A pessoa que decide desculpar-se deve realmente fazê-lo e a melhor forma para isso é assumir a culpa deixando claro que não pretende repetir a ação negativa. No campo pessoal, o ser humano tem todo o direito de não perdoar quem não merece, como, por exemplo, aquele vizinho impertinente e reincidente em sua grosseria que deve ser “deletado” de sua rede de amizades. 

 Não adianta o meloso pedido de desculpas se a pessoa não se emenda e fica repetindo suas ofensas ao interlocutor. Existem limites para a aceitação de desculpas. Aquele que repete várias vezes o pedido de desculpas perde totalmente a credibilidade, pois não é mais levado a sério.  Quando as desculpas sinceras não existem, a confiança é comprometida, a mágoa e a raiva aparecem, a desmotivação se instala e o relacionamento positivo se evapora. 

Uma das emoções que mais corroem a alma é a culpa, independentemente de a pessoa ser ou não culpada. Alguém errou, fez todo o possível para reparar ou minimizar os danos, manifestou claramente ao envolvido o seu arrependimento, não adianta ficar remoendo o erro. “Caiu no inferno e não tem mais jeito, abraça o capeta”. Essa pessoa precisa também desculpar a si mesmo, caso contrário nunca conseguirá esquecer o problema. 

Desculpar-se nem sempre é a melhor escolha. Em algumas situações a única coisa que não pode ser feita é pedir desculpas. Uma história verídica sobre o papa João Paulo II exemplifica com perfeição a habilidade de não se desculpar quando isso for desnecessário. “Ele estava conversando com alguns jornalistas e um deles com ironia perguntou: Por que Vossa Reverendíssima construiu uma piscina enorme em sua residência de verão? O papa não acusou o golpe e respondeu com toda a calma: Eu gosto de nadar. Próxima pergunta”. 

É sempre importante lembrar que determinadas justificativas ou pedidos de desculpas são totalmente dispensáveis pela simples razão que enquanto os amigos não precisam delas os inimigos não irão acreditar nelas de jeito algum.



Por Luiz às 23:20:05 | Comentários (2)
O Divino Cantor - 20/07/2011

Quem hoje visite as regiões que foram cenário das pregações de Jesus surpreende-se com a aridez do solo, a ausência de arbustos, a desolação da paisagem.
 Ao tempo de Jesus, no entanto, a Galiléia esbanjava bem-estar e alegria.
 Região muito verde, ensombrada, sorridente, era a autêntica terra enaltecida no Cântico dos Cânticos pelo rei poeta Salomão.
 Sobretudo nos meses de março e abril o campo se transformava em um tapete de flores, com incomparáveis cores.
 Os animais pequenos eram extremamente dóceis. Os passarinhos, de tão leves, nem chegavam a dobrar a erva em que pousavam. As rolas eram esbeltas.
 Nos regatos, as tartarugas pequenas deixavam ver seus olhos vivos e doces. As cegonhas, com seu ar sempre grave, permitiam que os homens chegassem bem perto.
 Possivelmente, em nenhum outro lugar as montanhas se desdobram com tanta harmonia, com o dom de inspirar pensamentos elevados.
 Ao que tudo indica, Jesus as amou de forma particular. Importantes ações de Sua missão se deram nas montanhas. Lá Ele teceu Seus mais belos versos, deixando-nos as bem-aventuranças.
 Lá Ele teve colóquios com profetas desencarnados, como Elias, respeitáveis legisladores hebreus, como Moisés. Lá Ele Se revelou aos discípulos em toda Sua grandeza, transfigurando-Se, a brilhar com a intensidade da estrela solar.
 Tudo transpirava renúncia, doçura, ternura. No campo abundavam águas frescas e frutas. Os jardins eram plenos de macieiras, nogueiras e romãzeiras.
 Foi nesse ambiente que Jesus nos apresentou a Boa Nova. Ele mesmo, um Messias diferente, único.
 Comparece ao banquete de núpcias, chama para Si o publicano Zaqueu, a cortesã Madalena. Atrai os pescadores.
 Enquanto a Grécia pintou admiráveis quadros da vida humana, legando-nos escultura e poesia, a Galiléia plantou o mais sublime ideal da espiritualidade, abrigando o Divino Cantor em suas terras.
 O reino de Deus está no meio de vós, dizia Jesus aos que buscavam sinais exteriores.
 E a voz do jovem carpinteiro de Nazaré ganhava uma doçura extraordinária.
 Um encanto infinito exalava de Si quando falava do reino que não se instalaria no mundo, mas nos terrenos dos corações abertos ao bem.
 O verdadeiro reino de Deus é o reino dos mansos e humildes, dos puros de coração, dos homens de boa vontade que, desejando alcançar a felicidade, a buscam no desdobramento da fraternidade verdadeira.
 * * *
 Ainda no ano 600 da nossa era, isto é, 50 anos antes da invasão muçulmana, a Galiléia era coberta de viçosas plantações.
 Por isso mesmo teve sua fertilidade comparada à do Egito.
 A planície de Genesaré, hoje sem nenhuma árvore, as anotações históricas nos cientificam de que era repleta de belas árvores.
 

 

 

 

Com base no cap. 4 do livro Vida de Jesus, de Ernest Renan, ed. Martin Claret.

 



Por Luiz às 22:04:52 | Comentários (0)
Filhos da Luz - 21/06/2011

Jesus disse: “Vocês são a luz do mundo”. Essa luz é sobre algo que esclarece, que ensina. Luz de conhecimento que nos traz as claras algo que está obscuro.

Hoje, Jesus não caminha de forma visível pelas ruas de nossa cidade, mas seu povo está aqui para representá-lo e espalhar sua luz. Milhões de pessoas professam ser seguidoras de Jesus, este mundo, portanto, devia estar cheio de luz; contudo, as coisas parecem estar ficando mais sombrias. Jesus foi categórico e prometeu que se o seguirmos, caminharemos na luz, e não nas trevas, e que sua luz nos dará vida. Ainda mais, seremos luzes neste mundo sombrio e ajudaremos outros a encontrar a verdadeira Luz. Isso é porque Jesus traz sua luz para o mundo por intermédio das boas obras de seus próprios discípulos. Você e eu somos luzes brilhando em qualquer lugar que Deus nos põe. A expressão “boas obras” inclui muitas coisas, de visitar o solitário e alimentar o faminto, a ensinar o ignorante, ajudar o necessitado e encorajar o desanimado. Elas sempre incluem compartilhar as boas-novas de Jesus e buscar amar os outros como Ele nos ama.

Em nosso mundo moderno, estamos tão acostumados à luz elétrica de todos os tipos que esquecemos as trevas espirituais que envolvem nosso globo e cega a mente e o coração das pessoas perdidas. No entanto, a maior tragédia é que os indivíduos acham que são “iluminados” quando, na verdade, a luz que está neles é treva. Jesus declarou: “Os olhos são a candeia do corpo. Quando os seus olhos forem bons, igualmente todo o seu corpo estará cheio de luz. Mas quando forem maus, igualmente o seu corpo estará cheio de trevas. Portanto, cuidado para que a luz que está em seu interior não sejam trevas” (Lucas 11:34,35 e João 9:39-41). Nossa percepção ajuda a determinar nosso caráter e conduta; e o caráter e a conduta determinam o resultado da vida. Seguir a Luz do mundo, Jesus, representa se tornar uma luz viva e evitar as ilusões que levam a volteios em direção às trevas. Isso representa tornar-se o tipo de pessoa que podemos apontar outros para o Salvador para que eles também possam vivenciar  “a luz da vida”.



Por Luiz às 21:39:22 | Comentários (1)
Florescer - 12/06/2011

“Desenvolva Amor. Quando chegamos a este mundo, é só o amor que vem conosco. Do amor surge a verdade. Quando amor e verdade trabalham juntos, o lado humano encontra seu sustento. A mansão da vida humana pode ser construída com a autoconfiança como a fundação, auto-satisfação como o pilar e auto-sacrifício como o telhado. Somente então você pode alcançar a auto-realização na vida. Você deve começar com autoconfiança. Sem ela você não pode ter felicidade na vida. Como pode alguém que não tem confiança em si mesmo ter confiança nos outros? Não duvide de tudo. A dúvida coloca em risco a vida e aquele que duvida não conseguirá nada na vida. Desenvolva fé. Desista de todas as características doentias e leve uma vida ideal e bem-aventurada. A humanidade só floresce em um coração puro e lá encontra realização.”



Por Luiz às 22:12:34 | Comentários (0)
Religião x Expiritualidade - 17/05/2011

“A religião não é apenas uma, são centenas.
A espiritualidade é única.
A religião é para aqueles que necessitam que alguém lhes diga o que fazer, querem ser guiados.
A espiritualidade é para os que prestam atenção à sua Voz Interior.
A religião tem um conjunto de regras dogmáticas.
A espiritualidade te convida a raciocinar sobre tudo, a questionar tudo.
A religião ameaça e amedronta.
A espiritualidade lhe dá Paz Interior.
A religião fala de pecado e de culpa.
A espiritualidade lhe diz: “aprende com o erro”.
A religião reprime tudo, te faz falso.
A espiritualidade transcende tudo, te faz verdadeiro!
A religião faz acreditar em Deus
A espiritualidade é Tudo. Portanto você é o Deus interior
A religião inventa.
A espiritualidade descobre.
A religião não indaga nem questiona.
A espiritualidade questiona tudo.
A religião é humana, é uma organização com regras.
A espiritualidade não tem regras.
A religião é causa de divisões.
A espiritualidade é causa de União.
A religião lhe busca para que acredite.
A espiritualidade você tem que buscá-la.
A religião segue os preceitos de um livro sagrado.
A espiritualidade busca o sagrado em todos os livros.
A religião se alimenta do medo.
A espiritualidade se alimenta da Confiança e da Fé.
A religião se ocupa com o fazer.
A espiritualidade se ocupa com o Ser.
A religião nos faz renunciar ao mundo.
A espiritualidade nos faz viver, não renunciar a ele. Estar nele e não ser dele.
A religião é adoração.
A espiritualidade é Meditação.
A religião sonha com a glória e com o paraíso.
A espiritualidade nos faz viver a glória e o paraíso aqui e agora.
A religião vive no passado e no futuro.
A espiritualidade vive no presente.
A religião crê na vida eterna.
A espiritualidade nos faz consciente da vida eterna.
A religião promete para depois da morte.
A espiritualidade é encontrar Deus em Nosso Interior durante a vida.

 

A religião faz adeptos pelo medo do fogo do inferno.

 

A espiritualidade mostra caminhos para se chegar à plenitude Divina.”

 

(A. D)



Por Luiz às 23:08:44 | Comentários (2)
Consumismo! - 12/05/2011

Você já percebeu que está cada vez mais fácil “gastar” dinheiro? Em contrapartida, para a maioria das pessoas, “ganhar” dinheiro é quase uma Missão Impossível!

As propagandas mostram uma série de facilitadores que aparentemente nos sentimos capazes de adquirir o bem dos nossos sonhos. As financiadoras dão carta branca para você comprar o que quiser, mas nas entrelinhas existem armadilhas com uma “fantástica matemática” que o prende a dívidas cujo montante final pagaria três vezes aquele bem. Poucos são conscientes dessa realidade antes de fazer o compromisso. Qual é a renda mensal necessária para suprir suas necessidades imediatas? Seu salário hoje está de acordo com suas expectativas de vida?

Alguns certamente mantêm a disciplina e o bom senso no que diz respeito a gastos, mas a maioria deixa o consumismo assumir o controle e o que se ganha periodicamente é menor do que o que se gasta. Aparente melhora na qualidade de vida, mas que ao final percebe-se a cadeia da dívida.

Empreendemos trabalhos cada vez cansativos e o argumento é a “sobrevivência”. Alguns simplistas diriam que é o tal do “olho grande”. Você é alguém que se preocupa apenas com o “necessário”? As Casas Bahia, pensando em você, facilita o “necessário” em dezenas de suaves prestações! Será que esse exemplo dá uma dica do que tem sido o “necessário” na sua vida?

É necessário alertar sobre o perigo do “amor ao dinheiro”. Como um buraco negro, que é insaciável, qualquer quantia de dinheiro parece não suprir esse desenfreado desejo de “ter”. Alguém disse que “quem trabalha muito não tem tempo de ganhar dinheiro”, outros já dizem que “quem não trabalha não consegue ser ninguém na vida”. O que será que essas pessoas querem dizer com essas frases? Alguma delas tem sentido para você? O trabalho é um instrumento que alimenta o “ser” ou o “ter”?

Qual é o alvo da sua vida? No fim de sua vida o lamento será pelas “coisas” ou pelo “necessário” não alcançado? . “(...) os que querem ficar ricos caem em tentação e em laço (...)”. Onde está o seu coração? 

 “Nada trouxemos para este mundo e dele coisa alguma poderemos levar. Tendo, porém, alimento e vestuário, contentemo-nos com isto”.



Por Luiz às 00:46:34 | Comentários (0)
Saturação - 01/05/2011

“Sature cada respiração sua com amor. O amor não conhece o medo. O medo arrasta o ser humano para a injustiça, a mentira e o mal. Amor não anseia por elogio. Só quem não tem amor em si deseja recompensa e reputação. O amor é sua própria recompensa. Quando você está ansioso por colocar oferendas diante de Deus, coloque amor ao invés de meros objetos materiais. O amor não é mercadoria; ele não barganha sobre seus custos. Deixe-o fluir pleno a partir do coração, como um fluxo de Verdade, um rio de sabedoria. Não permita que ele emane da cabeça, nem da língua. Deixe-o sair, integral e livremente, do coração.”

 



Por Luiz às 21:34:44 | Comentários (1)
O deficiente! - 14/04/2011

“Atualmente a nossa sociedade, hipocritamente, utiliza o eufemismo “portadores de necessidades essenciais” no lugar de “deficiente”. Pode-se chamar uma pessoa de deficiente sem deixar de ter por ela o devido respeito a que tem direito. É tempo de entender que respeito e amor não dependem desta ou daquela palavra.

Vou citar, ipsis verbis, as palavras que um portador de deficiência proferiu ao ser entrevistado por um repórter de televisão: “Vocês têm tudo e vivem reclamando; eu não tenho nada e sou feliz. Por quê?” A pessoa que assim se expressou, era um rapaz vítima da Talidomida, aquela malfadada droga que deformava o feto, privando-o dos membros superiores e em alguns casos, também dos inferiores. É triste ouvir essa verdade exatamente de quem teria motivos mais do que suficientes para reclamar da inclemência do destino. No entanto, como tenho observado, nunca ouvi reclamações dos portadores de deficiências. O que se nota é que eles, ao invés de lamentar sua situação, fazem o que nós, que somos “perfeitos”, raramente fazemos: partem para vida com confiança e encontram força interior para realizar todo o tipo de tarefas tão bem, ou melhor, do que aqueles a quem nada falta. Não se deixam enfraquecer diante da enorme tarefa de viver; pelo contrário: enfrentam-na com a serenidade dos bravos.

Enumerar todas as deficiências que vitimam os humanos é quase impossível, porque são muitas e variadas. Realçaremos apenas três: falta de visão; falta de fala e audição, e privação de membros superiores e inferiores. Diante disso fico tentado a mudar a classificação; nós que somos fisicamente perfeitos é que deveríamos ser considerados deficientes, porque em vez de lutar com alegria pelo que temos, valemo-nos do péssimo hábito de reclamar pela falta das menores coisas. É importante notar leitor, que proporcionalmente, os deficientes constituem minoria, e os “perfeitos”, maioria. Tempos atrás li uma crônica em que enfatizava a compreensão dos antigos a respeito do deficiente. Segundo eles, (sem dúvida influenciados pela religião) tratava-se de “castigo divino”, razão pela qual os “perfeitos” deveriam manter distância. Hoje esse conceito foi abolido, porém, é o caso de se perguntar: seria a deficiência uma forma não de castigo, mas sim de auxílio? Não quero me envolver na resposta; deixo-a para o leitor meditar a respeito. A pergunta, todavia, é pertinente, uma vez que os deficientes, em vez de choramingar pelos cantos, transformam – para nossa surpresa – suas limitações em armas de vitória, e não lamúrias inúteis. O que nos falta então, a nós, “perfeitos?” Entender que estamos no mundo para aprender, e viver atentamente. Não há nada melhor para aprender do que extrair as lições que os deficientes nos transmitem pela sua conduta, pelo seu destemor em face das dificuldades que enfrentam no dia-a-dia. Diante disso parece-me – se a lição for entendida – que devemos curvar-nos – (um bom exemplo é a postura adotada pelos muçulmanos quando oram) para agradecer a Deus por tudo o que temos, e nos esforçar cada vez mais para eliminar o vergonhoso hábito de reclamar.”  (baseado em texto de Luiz Santantonio)



Por Luiz às 13:00:09 | Comentários (0)
Onde está seu coração? - 11/04/2011

Cuide para saber onde está o seu coração. Se ele estiver preso ao dinheiro e ás conquistas materiais, pode ser que você não encontre o que lhe satisfaça, e o vazio na alma deixará para sempre uma pergunta inquietante:
"E o que tens ajuntado para quem será?"


Por Luiz às 20:32:09 | Comentários (0)
Não se deixe desanimar! - 11/02/2011

No seu aprendizado diário, na caminhada necessária para a evolução, você encontra obstáculos variados ao longo do caminho, que parecem destinados a lhe desanimar no longo percurso.
Muitas vezes você encontra os chamados inimigos gratuitos, os amigos faladores que o deixam em situações difíceis.
Outras vezes se depara com enfermidades físicas, com as deficiências de caráter de tanta gente, o que lhe provoca profunda tristeza, pois são companheiros que não movem uma palha em seu favor, embora ocupem seu tempo sempre que encontram a mínima dificuldade.
Você tem à sua volta a inflação que cresce e os ganhos materiais que parecem não acompanhá-la, o que lhe faz pensar que quanto mais trabalha menos ganha e gasta mais.
Você costuma ver desmoronar os mais acalentados sonhos domésticos, sem se sentir no direito de fugir.
Desmoronam os anseios do cônjuge atencioso e afetuoso; dos filhos estudiosos, responsáveis, respeitosos; da família companheira capaz de suprir você de energias nas horas apertadas para o seu coração.
Como se não bastasse, ainda surge a indiferença que o faz sentir-se solitário no mundo, sem qualquer apoio ou sustentação moral.
Contudo, seja qual for a luta que lhe caiba, seja qual for o testemunho que tenha de enfrentar, não se deixe desestimular, não se permita o abatimento.
Você não é vítima da vida.
Encontra-se unicamente em processo de reeducação, tendo oportunidade de acertar-se com a vida que um dia desrespeitou em vários de seus aspectos.
Você que conhece Jesus, ou que um dia ouviu sobre a Lei de causa e efeito, deve raciocinar que o bem ou o mal semeado na vida, da vida será colhido, e o seu desconsolo ou o seu desalento em nada colaborará para a resolução dos seus problemas.
Você deverá, então, aprender a analisar melhor as situações pelas quais tenha que passar. Deverá aprender a perdoar, a compreender, a respeitar diferenças, a falar menos, a penetrar melhor as razões das coisas, a condenar menos, a ser mais indulgente.
O tempo implacável não pára. Assim, se você o aproveitar para aprender a crescer e ser feliz, ele o abençoará com expressiva claridade.
Caso o desperdice, recolhendo-se à maldição do desânimo ou à fuga, verdadeiramente terá lançado fora o mais expressivo tesouro que nos é oferecido pelo Criador, para que nos façamos ricos e felizes: o tempo.
Não se perca nas teias do desestímulo. Confie sempre em Deus, que lhe dá sempre o melhor, dando-lhe chances de brilhar e ser feliz.
* * *
Os obstáculos que surgem no seu caminho, não são para impedir seus passos, são desafios para serem superados.
Cada vez que você consegue vencer uma dificuldade, sai dela mais fortalecido e mais confiante.
Assim, não se deixe, jamais, desestimular em circunstância alguma, pois Deus confia no seu poder de vencer os impedimentos e vencer-se a si mesmo. (Com base no capítulo 10 do livro Para uso diário, pelo espírito Joanes, ed. Fráter)



Por Luiz às 12:08:20 | Comentários (0)
Barco furado! - 31/01/2011

Com certeza você já teve a oportunidade em observar a natureza em um parque ou campo. Nesta sua observação, você já viu algum pássaro adulto pousar em um lugar qualquer e ficar com o bico aberto aguardando alimento cair do céu? Ou quem sabe já viu um pássaro bem tranquilo porque tem uma despensa cheia de alimentos para todo o ano?

Sou consciente que as comparações figuradas aqui são extremas, mas será que eu ou você não somos atormentados por querer viver em uma destas extremidades? O consumismo impulsiona a humanidade a correr atrás de recursos sugerindo uma necessidade muitas vezes ilusória. Para mim tudo isso não passa de mera vaidade! Você concorda? Do que você se lembra quando questionado sobre as “preocupações da vida”?

Aprecio muito ler as palavras de Jesus e uma delas nos esclarece sobre como devemos nos comportar diante destas “preocupações”. O importante nas suas palavras é que Jesus não nos ordena a deixar de preocupar com a vida. O que Ele faz está mais para um convite para descansarmos nos braços de um Deus amoroso do que propriamente um mandamento. Como seres humanos, parece impossível às vezes não ultrapassarmos os limites e nos afligirmos, porque apenas nos concentramos continuamente em nós mesmos, pensando que somente nossos esforços produzem algum resultado e não em Deus.

Suas Palavras “Por isso vos digo: não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que o vestuário?”  Este escrito enfatiza a questão sobre a “ansiedade” que nos consome! “A ansiedade é um estado emocional angustiante acompanhado de alterações somáticas (cardíacas, respiratórias, e outras) em que não se prevêem situações desagradáveis, sejam elas reais ou não”. A pessoa ansiosa tem a condição de raciocínio reduzida e as situações se tornam mais difíceis de serem resolvidas, normalmente o ansioso não encontra solução porque falta fé, a fé que vence o mundo. Nesta situação, um caminho é sugerido: não se aflija, ao invés disso, faça uma oração a respeito de tudo, confidencie a Deus as suas necessidades e não esqueça de agradecer por Suas respostas. Planeje, sonhe, trabalhe, estude, mas não se esqueça que sem Deus, no centro de sua vida, será como estar em um barco furado!



Por Luiz às 12:35:46 | Comentários (0)
Falar o quê? - 21/01/2011

 “Na época em que Jesus andou, fisicamente, pela Terra, os discípulos não sabiam como orar e pediram para Ele que os ensinassem. Foi então que Jesus os ensinou a oração que hoje é conhecida por todos nós, o “Pai Nosso” que adotamos como uma “oração modelo”. O interessante é que Jesus não os ensinava sobre um texto para ser repetido nas orações, e sim o que deve conter nelas. Isso reforça a idéia do que Jesus nos advertia a cerca das “vãs repetições”.

A “oração dominical”, como alguns a chamam, nos mostra que devemos nos preocupar com o que fazemos a fim de que Deus nos ouça. No modelo de oração vemos adoração, submissão, arrependimento, petição, gratidão e louvor. Vale ressaltar que não é necessário que contenham todas as partes mencionadas em todas às vezes que orarmos, mas é necessário que pratiquemos um culto racional.

A oração deve ser uma profunda expressão do nosso coração, é realmente ter intimidade com Deus. Essa disposição é tão importante e fundamental, que a oração pode vir a ser um instrumento para que Deus providencie uma cura interior na nossa vida. No nosso momento com Deus, se nós realmente nos rendermos a Ele, com certeza haverá transformações. Procuremos viver essa experiência, e confirmaremos, que a Paz de Deus que excede todo o entendimento guardará os nossos Corações e mentes sempre que nos colocarmos em Suas mãos através da oração.

Compreende o significado da frase “Senhor, que seja feita a Tua vontade e não a minha”? Busquemos entendimento do impacto desta declaração quando vinda do coração. Façamos uso dela em nossas orações e veremos o que é uma oração com poder. É desta forma que a vontade de Deus será feita na nossa vida. Ressalto, certamente Deus não dá ouvido a simples rituais religiosos, mas um coração quebrantado, sem sombra de dúvidas, move o coração de Deus.”



Por Luiz às 12:05:26 | Comentários (0)
Graça de Deus - 17/01/2011

“Os tolos que não conseguem compreender a Verdade, que não podem reconhecer a Divindade e o poder de Deus, que não têm fé em Deus, vivem na ilusão de que seus planos vão salvá-los e que podem triunfar pelo seu próprio esforço! O fato é que nem mesmo o menor sucesso pode ser conseguido sem a graça de Deus. Embora isso seja verdade, não devemos ficar com as mãos postas, acreditando que uma coisa acontecerá se e quando Deus quiser. O esforço humano é essencial e todos devem se esforçar. Você deve usar a força e a habilidade que é dotado e ser resoluto para continuar com o trabalho, depositando em Deus a responsabilidade pelo sucesso. Pois, sem a graça de Deus, todo o esforço será infrutífero.”



Por Luiz às 11:32:06 | Comentários (0)
Tudo de Bom para Vocês!!! - 31/12/2010

Feliz Ano Novo com muitas Realizações, Paz, Saúde e Muito Amor.

Desejo que você tenha:

Sensibilidade para não ficar indiferente diante das belezas da vida.

Coragem para colocar a timidez de lado e poder realizar o que tem vontade.

Solidariedade para não ficar neutro diante do sofrimento da humanidade.

Bondade par não desviar os olhos de quem te pede uma ajuda.

Tranquilidade para quando chegar ao fim do dia, poder deitar e dormir o sono dos anjos.

Alegria para você distribuí-la, colocando um sorriso no rosto de alguém.

Humildade para você reconhecer aquilo que você não é.

Amor próprio para você perceber suas qualidades e gostar do que vai por dentro.

Fé para te guiar, te sustentar e te manter de pé. Sinceridade para você ser verdadeiro, gostar de você mesmo e viver melhor.

Felicidade para você descobri-la, dentro de você e doá-la, a quem precisar.

Esperança para fazer você acreditar na vida e se sentir uma eterna criança.

Sabedoria para entender que o Bem existe, o resto é ilusão.

Que Deus esteja sempre presente em sua vida e em seu coração, iluminando teus passos.



Por Luiz às 11:57:49 | Comentários (0)
Sepultamento do "Não Consigo" - 27/12/2010

Esta história foi contada por Chick Moorman, e aconteceu numa escola primária do estado de Michigan, Estados Unidos.
Ele era supervisor e incentivador dos treinamentos que ali eram realizados e um dia viveu uma experiência muito instrutiva, conforme ele mesmo narrou:
Tomei um lugar vazio no fundo da sala e assisti. Todos os alunos estavam trabalhando numa tarefa, preenchendo uma folha de caderno com ideias e pensamentos. Uma aluna de dez anos, mais próxima de mim, estava enchendo a folha de "não consigos".
"Não consigo chutar a bola de futebol além da segunda base."
"Não consigo fazer divisões longas com mais de três números."
"Não consigo fazer com que a Debbie goste de mim."
Caminhei pela sala e notei que todos estavam escrevendo o que não conseguiam fazer.
"Não consigo fazer dez flexões."
"Não consigo comer um biscoito só."
A esta altura, a atividade despertara minha curiosidade, e decidi verificar com a professora o que estava acontecendo e percebi que ela também estava ocupada escrevendo uma lista de "não consigos".
Frustrado em meus esforços em determinar porque os alunos estavam trabalhando com negativas, em vez de escrever frases positivas, voltei para o meu lugar e continuei minhas observações.
Os estudantes escreveram por mais dez minutos. A maioria encheu sua página.
Alguns começaram outra.
Depois de algum tempo os alunos foram instruídos a dobrar as folhas ao meio e colocá-las numa caixa de sapatos, vazia, que estava sobre a mesa da professora.
Quando todos os alunos haviam colocado as folhas na caixa, Donna, a professora, acrescentou as suas, tampou a caixa, colocou-a embaixo do braço e saiu pela porta do corredor. Os alunos a seguiram. E eu segui os alunos.
Logo à frente a professora entrou na sala do zelador e saiu com uma pá.
Depois seguiu para o pátio da escola, conduzindo os alunos até o canto mais distante do playground. Ali começaram a cavar.
Iam enterrar seus "não consigo"! Quando a escavação terminou, a caixa de "não consigos" foi depositada no fundo e rapidamente coberta com terra.
Trinta e uma crianças de dez e onze anos permaneceram de pé, em torno da sepultura recém cavada.
Donna então proferiu louvores.
"Amigos, estamos hoje aqui reunidos para honrar a memória do ´não consigo´.
Enquanto esteve conosco aqui na Terra, ele tocou as vidas de todos nós, de alguns mais do que de outros.
Seu nome, infelizmente, foi mencionado em cada instituição pública - escolas, prefeituras, assembléias legislativas e até mesmo na Casa Branca.
Providenciamos um local para o seu descanso final e uma lápide que contém seu epitáfio. Ele vive na memória de seus irmãos e irmãs ´eu consigo´, ´eu vou´ e ´eu vou imediatamente´.
Que ´não consigo´ possa descansar em paz e que todos os presentes possam retomar suas vidas e ir em frente na sua ausência. Amém."
Ao escutar as orações entendi que aqueles alunos jamais esqueceriam a lição.
A atividade era simbólica: uma metáfora da vida. O "não consigo" estava enterrado para sempre.
Logo após, a sábia professora encaminhou os alunos de volta à classe e promoveu uma festa.
Como parte da celebração, Donna recortou uma grande lápide de papelão e escreveu as palavras "não consigo" no topo, "descanse em paz" no centro, e a data embaixo.
A lápide de papel ficou pendurada na sala de aula de Donna durante o resto do ano.
Nas raras ocasiões em que um aluno se esquecia e dizia "não consigo", Donna simplesmente apontava o cartaz descanse em paz. O aluno então se lembrava que "não consigo" estava morto e reformulava a frase.
Eu não era aluno de Donna. Ela era minha aluna. Ainda assim, naquele dia aprendi uma lição duradoura com ela.
Agora, anos depois, sempre que ouço a frase "não consigo", vejo imagens daquele funeral da quarta série. Como os alunos, eu também me lembro de que "não consigo" está morto.
(Baseado em texto de Chick Moorman do livro Canja de Galinha para a alma Jack Canfield & Mark Victor Hansen, ed. Ediouro.)



Por Luiz às 13:19:26 | Comentários (2)
Uma analogia - 13/12/2010

“Uma carroça pode mover-se apenas quando dois bois forem atrelados a ela. E a carroça pode mover-se com segurança somente quando os bois são treinados para puxar carroças e quando eles estão acostumados com a estrada que devem percorrer. Em vez disso, se eles são ignorantes do processo de puxar carroças, se não percorreram a estrada, se nunca saíram do seu curral, ou se eles sempre se moveram apenas em volta do lugar em que foram amarrados, a jornada não pode continuar! Igualmente, a carroça da consciência interna não pode mover-se por si só; ela deve ser atrelada aos bois da inteligência e da mente e fazê-los seguir seu caminho. Mas, antes da viagem, os bois - inteligência e mente - devem estar familiarizados com a estrada para a aldeia onde a consciência interna está ansiosa para chegar. Eles devem ser treinados para avançar nessa direção. Se isso for feito, a viagem será fácil e segura.”



Por Luiz às 20:51:57 | Comentários (0)
Considere-se vivo - 25/10/2010

“Aqueles que estão concentrados nos prazeres sensoriais passam seus dias em preocupação, ansiedade, angústia, dor e lágrimas, por um longo período da vida; eles se desenvolvem como pássaros e bestas. Comem boa comida e a jogam fora como lixo. Essa é a vida sem propósito que a maioria das pessoas leva. Você pode chamar esse processo de viver? Um número enorme de seres vivos existe na terra. Viver não é suficiente. Isso não tem valor por si só, para si mesmo. Pode-se considerar-se vivo somente se as motivações, os sentimentos, os pensamentos, as atitudes que incitam a pessoa revelarem as qualidades divinas internas.”



Por Luiz às 00:23:36 | Comentários (0)
Sejamos Bons, Façamos o Bem, Vejamos o Bem - 19/10/2010

“O que quer que façamos de bom ou de ruim retornará a nós. Portanto, tudo que fizermos em nossas vidas o faremos para nosso próprio benefício e não pelos demais. Tudo de bom que pensarmos ou realizarmos em nossas vidas beneficiará somente a nós mesmos.
Cultivando esses três princípios: amor a Deus, medo de praticar o mal e moralidade na sociedade. Conquistaremos boa reputação ao promover moralidade na sociedade. Então, todos nos seguirão, dizendo: “Ele é uma boa pessoa”. Primeiro que tudo, desenvolvamos amor por Deus.
Quando tivermos amor a Deus, desistiremos de cometer qualquer mal, pensando: “O que me acontecerá se eu praticar este mal?” Só quando tivermos amor a Deus e medo de praticar o mal seremos pessoas de excelente caráter.
Quando possuirmos caráter elevado, seremos amados pela sociedade; ninguém  nos odiará. Portanto, desenvolvamos bom caráter e amemos a todos. O amor está em toda parte. Deus está em toda parte. Amemos a todos, cada vez mais. Então o amor em nós também se multiplicará e nossa reputação se espalhará cada vez mais pelo mundo.
Se cometermos um só ato mau que seja, deixaremos um mau exemplo para os demais. Por outro lado, se fizermos somente boas ações, todos nos elogiarão. Por isso, Sejamos Bons, Façamos o Bem, Vejamos o Bem. Este é o caminho para Deus.
Porém, nada disso se pode aprender nos livros. Essa não é uma informação textual. Ela vem da pureza de coração. Por essa razão, devemos desenvolver santidade. Entretanto, a santidade se encontra atualmente extinta no coração do ser humano. Não há mais o sagrado, somente o secreto! Isso não é bom.
Se temos o mau hábito de fumar, nosso amigo também se aproximará, dizendo: “Olá, olá! Você é um bom rapaz; me dê um também”.  Diga-me com quem andas e eu te direi quem és. Ao contrário, se formos bons, nossa companhia também será boa.
Hoje em dia, muitas empresas fecharam suas portas. Qual é a razão? Se uma empresa condescender em realizar más práticas, outras empresas também a seguirão. As más práticas se espalham muito rapidamente, enquanto existem poucos que escolhem as boas práticas.
Tenhamos paciência e perseverança para fazer tudo que é bom. Não sigamos apressadamente qualquer coisa errada. A pressa leva ao desperdício. O desperdício traz preocupação. Então, não tenhamos pressa.
Em suma, qual é a causa da preocupação? Nossa pressa é a principal causa. Portanto, deveríamos desistir da pressa e, então, não teremos com que se preocupar.”



Por Luiz às 14:53:26 | Comentários (0)
Descubra - 14/10/2010

 

“Descubra por si mesmo o seu estágio de desenvolvimento espiritual, em que classe na escola você se encaixaria. Então, decida proceder dessa classe para a imediatamente superior. Dê o máximo de si e você conquistará a Graça de Deus. Não barganhe ou se desespere. Um passo de cada vez é suficiente, desde que seja em direção à meta, não fora dela. Cuidado com o orgulho da riqueza, da erudição, do status, que o arrastam ao egoísmo. Não procure os defeitos dos outros; procure os seus próprios. Seja feliz quando você vê os outros prosperarem; compartilhe sua alegria com os outros.”



Por Luiz às 18:01:40 | Comentários (0)
Reações - 08/10/2010

 

“É igualmente fatal elogiar-se e condenar os outros. Tentar esconder a mesquinhez e a maldade, colocando a máscara da bondade, justificando as faltas e exagerando as realizações - esses também são traços venenosos. Igualmente venenoso é o hábito de ignorar o bem nos outros e assiduamente buscar apenas seus defeitos. Nunca diga palavras que humilhem qualquer um. Quando somos amigáveis com os outros e gostamos muito deles, o que quer que façam certamente nos parece bom. Quando o vento muda e a mesma pessoa não mais nos agrada, mesmo o bem que ela faz nos parece ruim. Ambas reações são errôneas. De forma alguma elas são recomendáveis.”



Por Luiz às 12:04:24 | Comentários (0)
Filho da perdição - 07/10/2010

Você já percebeu que dificilmente o vilão em um filme deixa de se intitular o mais fabuloso de todos os homens? Uma pessoa esperta, sorrateira, que em grande parte do tempo aparece como alguém bom, alguém que colabora, alguém carismático. Para os mais distraídos e envolvidos pela produção, aquele sujeito, seria o último suspeito! Não é de se admirar porque muitos, seguindo a tradição, acabam por culpar o mordomo. Você já foi enganado por alguém que pareceu ser uma coisa, mas era outra.

Existem por ai pequenos enganadores, mas também existem os grandes enganadores. Alguns enganam si mesmos, sabia? Parece absurdo, mas já houve casos de que pessoas chegaram a se considerar um deus, como foi o caso de Antíoco IV, também chamado Epifânio. Ele saqueou o templo e construiu um altar a Zeus em 167 a.C.. Até sacrifícios mensais em honra a este rei, foram oferecidos. Enganou tanto que o próprio engano o convenceu!

O apóstolo Paulo falou e escreveu: “Ninguém, de nenhum modo, vos engane, porque isto não acontecerá sem que primeiro venha a apostasia e seja revelado o homem da iniquidade, o filho da perdição, o qual se opõe e se levanta contra tudo que se chama Deus ou é objeto de culto [a Ele], a ponto de assentar-se no santuário de Deus, ostentando-se como se fosse o próprio Deus”. Paulo estava falando de alguém que ainda estava por vir – alguém semelhante a Antíoco – porém com um papel muito maior na história. Paulo falava do filho da perdição! Esse “homem”, o filho da perdição, atrairá muitos para o engano. Será que estou preparado para resistir? Será que você está preparado?

Saiba que uma vida de intimidade com Deus, uma vida de obediência e amor a Ele, é que o tornará mais forte e você seguramente terá uma visão sensível a essas armadilhas. Ele nos diz, através de escritos na Bíblia, para não seguirmos os caminhos dos loucos. Hoje é dia de salvação. Em Cristo não há engano algum!

Ore: “Senhor Deus e Pai, as pequenas ciladas do pecado que existem no dia-a-dia já oferecem perigo para mim, pois sou fraco. Senhor, tenha misericórdia de mim. Derrame do Teu Espírito Santo sobre mim, para que eu não venha a desfalecer e cair. Creio na salvação que há através de Jesus. Livra-me do mal Senhor. Amém”



Por Luiz às 19:19:11 | Comentários (0)
Presente? Para mim? - 30/09/2010

Alguém já antecipou algum acontecimento para você? Alguma coisa grande, de relevância? Fico por imaginar como foi para uma nação receber a profecia de um nascimento sobrenatural a quase mil anos antes de seu acontecimento! Consegue imaginar?

No texto de hoje vemos o cumprimento de uma outra profecia, dada a mais ou menos 700 antes de seus cumprimento. Também diz respeito ao Nascimento sobrenatural. Nesta profecia vemos alguns detalhes sobre a região onde o “Messias” nasceria. Tente visualizar a ansiedade deste povo que aguardava por séculos o cumprimento da maior de todas as profecias, a vinda do Rei libertador do povo de Israel!

Certamente você já esperou por coisas que se realizariam no futuro, mas isso não se trata de profecia. Ainda assim quando chega o que você aguardava há pelo menos duas percepções possíveis: contentamento ou frustração. “Provável” frustração quando você espera muito por alguma coisa e aquilo acontece completamente diferente do que você imaginava! Mas alguma vez ocorreu de você ficar em paz por ter a certeza de que seja o que for receberia o que é melhor? E certo que preferimos o previsível, parece que nos deixa mais à vontade, mais seguros.

Os acontecimentos a cerca do nascimento de Jesus causaram,  e causam até hoje, algumas reações contrárias entre os seres humanos. Alguns se alegraram sobre maneira, já outros ficaram profundamente decepcionados! Você já passou por isso! Por exemplo, esperar por um presente, numa data especial, e quando ele chega, você abre a embalagem desesperadamente e se depara com algo muito diferente do que você supunha. Várias foram as insinuações que deixavam claro como deveria ser o presente, mas veio outra coisa. É difícil não ter logo em mente que “esse não é o presente que eu queria”?

Imagine como foi para aquele povo, que vivia sobre opressão inimiga, aguardar o cumprimento da profecia que surgiria um Rei que governaria eternamente, que o povo nunca mais seria escravo! Jesus veio como um presente, mas quando viram o “Conteúdo”,  muitos não se alegraram, pois não entendiam como aquela simplicidade poderia resultar no maior de todos os reinados. Até mesmo a cidade onde nascera era simples! Será que você não está aguardando algo semelhante ao que os judeus aguardavam como cumprimento da promessa na sua vida? 

Vir de onde veio, só pode ser Algo Bom. É de Deus! Jesus vem até você, com sua simplicidade e humildade, e você não reconhece que essa pessoa diante de você é o Messias Soberano? Lembre-se: “a fé é a certeza das coisas que se esperam,  e a prova das coisas que não se vêem” (Hebreus 11.1).  Deus tem o melhor para a sua vida! Mesmo que lhe pareça estranho, mesmo que não venha no embrulho que você desejava! Creia! Creia que “Ele é poderoso para te dar muito mais do que aquilo que pedimos ou pensamos”.



Por Luiz às 16:03:59 | Comentários (0)
Educação - 28/09/2010

“Toda pessoa educada e todo aluno deve cultivar a simplicidade e descartar a ostentação. Se eles estão habituados à ostentação, eles perdem sua verdadeira natureza ou individualidade. Mesmo se uma pessoa for mestre de todas as ciências ou famosa como grande intelectual, ela está fadada a ser excluída do círculo dos estudiosos e especialistas se não tiver humildade e disciplina em suas relações com os outros. Elas podem ganhar respeito por algum tempo, mas essa atitude diminui em pouco tempo. Somente a prontidão em servir e a simplicidade conquistam honra. Quando alguém desiste da ostentação, pode obter o respeito permanente das pessoas. A verdadeira educação concede um espírito de renúncia, um desagrado pela ostentação e o desejo de servir aos outros.”



Por Luiz às 13:08:18 | Comentários (0)
Equilíbrio: a chave para ser feliz - 26/09/2010

 “Ao contrário do que prega a mídia e os manipuladores, não é preciso ganhar na loteria ou enquadrar-se inteiramente naquele rótulo “qualidade de vida” – que, junto com outros, como “logística” e “custo-benefício”, pressionam os nossos dias - para ser feliz.

Uma cuidadosa pesquisa do Instituto Gallup, feita em 153 países, mostrou que, para atingir esse magnífico estado de espírito que podemos chamar de felicidade, cinco fatores de bem-estar são necessários, além, evidentemente, da saúde, sem excessos ou compromissos tirânicos que fanatizam tantos e de uma razoável condição financeira que não nos leve a apertos e misérias. Sem ambições desmedidas.

Eles são o bem-estar social, afetivo, comunitário, profissional e espiritual, formando um conjunto de fatores que equilibram nossos desejos e respondem às ânsias, favorecendo o processo afetivo-nervoso e respondendo aos quadros mentais e emocionais. O que leva ao estado de espírito do ser feliz. A pesquisa teve a participação de um grupo respeitável de participantes, entre sociólogos, filósofos, economistas, psiquiatras e psicólogos e foi avalizada pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Tem tudo a ver. O bem-estar social é a integração dentro dos núcleos onde se vive e se atua, merecendo respeito e sendo validado em atitudes e presença, não vivendo à margem e percebendo o quanto se vale para a ação conjunta. É muito importante.

Sem amor, como ser feliz? Logo, o bem-estar afetivo é a percepção de que se é amado e querido pelos parceiros, amigos, parentes. De que as pessoas demonstram querer bem e agem nesse sentido. Uma das melhores coisas desta vida, já que somos seres amoráveis e precisam do sentimento amor como necessitamos do ar.

Bem-estar comunitário está ligado a ajudar o próximo, sentir-se útil, não apenas no sustento familiar, nos interesses pessoais, mas também na dedicação aos necessitados, trabalhando numa entidade beneficente ou contribuindo de alguma forma que não apenas a financeira. Estender a mão e alimentar a alma.

Em termos profissionais, fazer o que se gosta. Trabalhar naquilo que se pode colocar a marca pessoal e assim tornar uma atividade algo especial e única, o que tanto realiza. Creio, também, em se atuar com honestidade, decência, fazer de um desempenho ou de uma função a honra de um serviço e não a mera forma de locupletar-se. Como se pode atingir momentos de felicidade na realização profissional e que, pena, tantos ignorarem isso!

Finalmente, o bem-estar espiritual, o encontro da verdade pessoal com a fé na Grande Ordem. Acreditar na proteção, no encontro e tentar, ao menos tentar, atender aos apelos de quem nos colocou aqui e que solicita o entendimento do que é, realmente, o destino. De que estamos aqui para evoluir e deixar aberto um bom caminho para o próximo.

A pesquisa também fala que só 8% dos milhares de entrevistados no planeta conseguem o bem-estar nos cinco fatores, além do físico e do financeiro. A maioria porque os desconhece como fonte ou os relegou em nome de outras propostas.

Para ser feliz não é preciso muito, como se vê. E você, acha que o é através desses cinco fatores?” (Luiz Alca de Sant’Anna)



Por Luiz às 12:19:27 | Comentários (0)
Atravessando Caminhos - 13/09/2010

“Impossível atravessar a vida… Sem que um trabalho saia mal feito, sem que uma amizade cause decepção, sem padecer com alguma doença, sem que um amor nos abandone, sem que ninguém da família morra, sem que a gente se engane em um negócio. Esse é o custo de viver. O importante não é o que acontece, mas, como você reage.

Você cresce... Quando não perde a esperança, nem diminui a vontade, nem perde a fé. Quando aceita a realidade e tem orgulho de vivê-la. Quando aceita seu destino, mas tem garra para mudá-lo. Quando aceita o que deixa para trás, construindo o que tem pela frente e planejando o que está por vir.

Cresce quando supera, se valoriza e sabe dar frutos. Cresce quando abre caminho, assimila experiências... E semeia raízes... Cresce quando se impõe metas, sem se importar com comentários, nem julgamentos quando dá exemplos, sem se importar com o desdém, quando você cumpre com seu trabalho... Cresce quando é forte de caráter, sustentado por sua formação, sensível por temperamento... E humano por nascimento! Cresce quando enfrenta o inverno mesmo que perca as folhas, colhe flores mesmo que tenham espinhos e marca o caminho mesmo que se levante o pó. Cresce quando é capaz de lidar com resíduos de ilusões, é capaz de perfumar-se com flores... E se elevar por amor!

Cresce ajudando a seus semelhantes, conhecendo a si mesmo e dando à vida, mais do que recebe. E assim se cresce...”



Por Luiz às 15:51:34 | Comentários (0)
Ser humano - 09/09/2010

Somos um dos seres vivos do planeta Terra dotado de razão e inteligência, mas que na maioria das vezes não sabemos utilizar esta dádiva.
Deus nos deu um mundo, a natureza e semelhantes para viver em harmonia, mas que por ambição estamos destruindo o planeta, pensando em um proveito momentâneo, (porque desta vida nada se leva) e deixando para as futuras gerações um legado de caos total.
Deus nos dotou de livre arbítrio para escolher um caminho a seguir iluminado pelo Seu Exemplo de Amor e ir a Seu encontro... mas, muitas vezes, não enxergamos Deus, porque estamos cegos pelo ódio, pela inveja, ambição, competição, desamor, passando por cima de tantas coisas para conseguir nossos objetivos fúteis.
Quando nascemos, Deus nos dota de ingenuidade e de uma alma angelical, como querendo mostrar aos adultos, que aí está a base da Salvação, mas muitos destes anjinhos se desenvolvem copiando o exemplo dos maiores e o dom das criancinhas vai se deturpando.
Claro que existem uns poucos que permanecem quase "originais", imunes à fraqueza do erro e sentem um chamado Divino para seguir o caminho certo, são os que entendem o sentido da evolução espiritual, os puros de coração, os que amam seu próximo, os fortes de coração, os que vivem neste mundo, semeando em cada ato e em cada palavra bons frutos para contribuir com o equilíbrio e a sobrevivência da vida.
O ser humano quando morre, não leva consigo os bens materiais, leva a vida que viveu! O corpo vira pó, para alguns esse é o fim. Para outros a alma viaja a caminho da esperança da Salvação.
O ser humano é um ente muito complicado, quanto mais se tenta entender, mais difícil fica, sendo que às vezes na simplicidade se acha a felicidade.
Há alguns que se identificam com a seguinte frase: "Enquanto mais conheço o ser humano, mais amo meu cachorro"... Bom, não vamos ser tão exagerados...



Por Luiz às 11:51:53 | Comentários (0)
O Amar e o Amor - 24/08/2010

“Um esposo foi visitar um sábio conselheiro e disse-lhe que já não mais amava sua esposa e que pensava em separar-se. O sábio escutou-o, olhou-o nos olhos e disse-lhe apenas uma palavra:-  Ame-a! E logo se calou.-  Mas, já não sinto nada por ela!-  Ame-a! disse novamente o sábio. E diante do desconcerto do esposo, depois de um breve silêncio, disse-lhe o seguinte: "Amar é uma decisão, não apenas um sentimento; amar é dedicação e entrega. Amar é um verbo e o fruto dessa ação é o amor. O amor é um substantivo, um exercício de jardinagem: arranque o que faz mal, prepare o terreno, semeie, seja paciente, regue e cuide. Esteja preparado porque haverá pragas, secas ou excessos de chuvas, mas, nem por isso, abandone o seu jardim. Ame seu par, ou seja, aceite-o, valorize-o, respeite-o, dê afeto e ternura, admire e compreenda-o. Isso é tudo. Ame, simplesmente ame!" A inteligência sem amor, lhe faz perverso. A justiça sem amor faz você implacável. A diplomacia sem amor faz você hipócrita. O êxito sem amor faz você arrogante. A riqueza sem amor faz você avaro. A docilidade sem amor, faz você servil. A pobreza sem amor faz você orgulhoso. A beleza sem amor faz você fútil. A autoridade sem amor faz você tirano. O trabalho sem amor faz você escravo. A simplicidade sem amor deprecia você. A oração sem amor faz você introvertido e sem propósito. A lei sem amor escraviza você. A política sem amor deixa você egoísta. A fé sem amor deixa você fanático. A cruz sem amor se converte em tortura. A vida sem amor não tem sentido.”



Por Luiz às 20:42:20 | Comentários (0)
Visão adequada - 04/08/2010

“Para transformar sua vida, o primeiro requisito é a visão adequada. Isso significa que se deveria evitar ver o que é indesejável. Tendo recebido o grande presente da visão, a pessoa deveria se esforçar para ver somente o que é sagrado e puro. O que o ser humano vê é como uma semente plantada no coração. O coração determina a natureza dos pensamentos da pessoa. Os pensamentos influenciam a vida da pessoa. Cenas más dão origem a pensamentos maus. Cenas boas evocam bons pensamentos. Quando cenas sagradas são implantadas no coração, não haverá espaço para sentimentos ou pensamentos ruins crescerem nele.”



Por Luiz às 18:01:18 | Comentários (0)
Para onde eu vou? - 25/07/2010

“Você sabia que não existe escuridão, no ponto de vista da física? Calma, deixe-me explicar melhor! O que chamamos de escuridão é o que a física define como "ausência de luz". Logo se falta luz, ou se há ausência quase total da luz, se está no escuro ou nas trevas. Devido a falta de luz, quem caminha no escuro, por exemplo, está sujeito a uma considerável probabilidade de acidentes e de insucessos em sua jornada!
A escuridão no mínimo causa insegurança, desconforto, frustrações e uma sensação de incapacidade! Uma coisa é certa, quem anda nas trevas, deseja constantemente luz para seus caminhos.
O impressionante disso tudo é que tem muita gente caminhando no escuro, seguindo sem direção certa e ainda acham que está indo rumo ao "interruptor" que trará luz à sua condição. Esses são cegos com olhos! Você sabe mesmo que direção dar a sua vida? Será que você agora mesmo não está na escuridão? Alguém disse que "quem sai sem ter aonde ir acaba chegando aonde não quer", o que você acha disso?
O fato do apóstolo João ligar problemas de relacionamento com cegueira, era para demonstrar um dos aspectos práticos dos ensinamentos do Senhor Jesus. Jesus procurava diligentemente andar segundo a vontade do Pai, e o Seu caminho era claro e objetivo. Ele cumpriu todas as metas, seu objetivo foi alcançado e, por incrível que pareça, a Cruz era o alvo final. Ele seguiu na Luz até o fim!
Muitas vezes até nos comprometemos com o Senhor Jesus, estabelecendo um objetivo com Ele, mas seguimos em uma direção muito diferente do que aquela que Ele nos aponta, isto é andar na escuridão. Jesus promete algo além de nossas imaginações e o fato de experimentarmos uma Paz indescritível, quando decidimos andar com Ele, nos dá outra expectativa, a que tem algo ainda muito maior nos aguardando.
"Pelo que diz: Desperta, ó tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te [iluminará]" (Efésios 5.14). O mundo tentará te convencer com ilusões passageiras que não podem trazer paz ao seu coração, mas busque, procure andar na Luz, siga os ensinamentos do Senhor Jesus e sua vida "florescerá", esse é o desafio de hoje! Levante-se para Cristo e você experimentará o que é sair das trevas.”



Por Luiz às 17:57:58 | Comentários (0)
Para sempre? - 12/07/2010

Você tem noção do que significa eternidade? Você já parou para pensar quanto tempo isso representa? Talvez você tenha assistido algum filme que trate da imortalidade onde normalmente há um confronto para se conquistar essa condição! Percebe? Encontramos até mesmo na ficção a tentativa de retratar a expectativa do ser humano quanto a eternidade! A eternidade é possível? Se é, como se preparar?

Na maioria das pessoas essa expectativa é inconsciente, mas é uma realidade em todos, sabia? Uma prova do nosso desejo de viver eternamente é temor e terror que sofremos diante da morte ou em sua iminência.

Identificamos os que valorizam, quanto para aqueles que desprezam, a tal da eternidade observando a forma como vivem no presente. Independentemente da forma como você interpreta a vida, saiba que de uma maneira ou de outra uma eternidade lhe aguarda.

Alguém disse que “vivemos como se nunca fôssemos morrer, e morremos como se nunca tivéssemos vivido!” Que contraste não é mesmo? Mas a realidade é que a eternidade é certa. Porém ela pode ser uma eternidade com Deus ou sem Ele!

O apóstolo Pedro disse: “Mas cresçam em força espiritual e conheçam melhor ao nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A Ele seja toda glória e honra sublime, tanto agora como eternamente”. Estas palavras  nos convidam  que cresçamos na experiência com Aquele que é o autor e consumador da Vida – Jesus Cristo. É com a experiência em Cristo que as expectativas das coisas futuras serão ajustadas pela certeza de um lugar garantido com o Senhor por toda a eternidade. Hoje, o agora, é a sua única oportunidade garantida para projetar seu futuro. Cresça no conhecimento de Cristo Jesus. É nEle que começa a eternidade com Deus, fundamentada num presente verdadeiramente Vivo.



Por Luiz às 19:49:33 | Comentários (0)
Ignorância e tristeza - 06/07/2010

 “Ignorância e tristeza não podem ser destruídas por rituais e ritos. Essa é a lição que as escrituras nos ensinam. No entanto, o que está acontecendo agora é que as pessoas têm esquecido sua verdadeira natureza. Elas acreditam que são o corpo e os sentidos e anseiam por prazeres objetivos. Elas se iludem achando que podem garantir a alegria cuidando do corpo e dos sentidos. Tais tentativas não podem conseguir bem-aventurança. Em vez disso, elas obtêm desilusão, derrota e catástrofes; colhem tristeza e alegria em rápida sucessão. Ignorância só pode ser destruída com o conhecimento do Eu Divino. Quando a ilusão desaparece, a dor produzida pelo envolvimento da pessoa nos altos e baixos do mundo é destruída e ela pode perceber que a humanidade é a Personificação da Bem-aventurança.”



Por Luiz às 12:30:04 | Comentários (0)
Seguro de vida - 01/07/2010

Você tem seguro de vida? E plano funerário? Sei que os planos de saúde e previdência privada hoje em dia estão em alta. Até no licenciamento do veiculo há um seguro de vida, que é caro, o seguro obrigatório. Acredito que é obrigatório porque muitos não fariam esse seguro espontaneamente! Qual seria a intenção dos corações que contratam esses mecanismos de prevenção? Realmente se preocupam com o seu próximo ou o interesse é o benefício próprio. 

No mundo egoísta de hoje, o seguro de vida não tem muito sentido, pois as pessoas não se preocupam com o próximo em vida, mas querem beneficiá-lo em sua ausência. Você já ouviu falar de alguém que fez de tudo “na vida” para que em sua morte o seu próximo tivesse uma Oportunidade? 

Acho que devemos nos preocupar com o “bom perfume” que nossa vida deixa no dia-a-dia. Acho que devemos ser  instrumento de bênção na vida do nosso próximo!



Por Luiz às 13:29:44 | Comentários (0)
Características - 02/06/2010

“Más características, tais como ódio, inveja, ganância e ostentação, devem ser extirpadas. Essas características não estão corrompendo apenas pessoas comuns, mas até mesmo ascetas, monges e chefes de instituições. Entre essas características, a inveja e a cobiça estão descontroladas. O que o mundo precisa hoje não é uma nova ordem, um novo sistema educacional, uma nova sociedade ou uma nova religião. A santidade deve estabelecer-se e crescer nas mentes e nos corações dos jovens e crianças em toda parte: essa é a necessidade do momento. O bom e o piedoso devem esforçar-se para promover isso como a maior prática espiritual que todos devem assumir.”



Por Luiz às 10:32:56 | Comentários (1)
O mundo não é mais o mesmo - 16/05/2010

Quando uma catástrofe de grandes proporções assume as manchetes dos meios de comunicação de massa, o povo declara, indignado: "o mundo não é mais o mesmo!"
 No entanto, a cada momento que um cidadão melhora, com sua ação, uma situação qualquer, pode-se dizer que o mundo não é mais o mesmo: está melhor.
 Quando uma pessoa adota uma criança sem pais; quando alguém de boa vontade dedica seu tempo a um idoso desvalido; quando pessoas de bem visitam presídios e levam afeto a delinquentes infelizes, podemos dizer que o mundo está um pouco melhor.
 Quando voluntários se dedicam a crianças que não têm acesso à arte, à cultura, à escola, o mundo não é mais o mesmo, está melhor.
 E quando um homem doa seu tempo e seus conhecimentos em prol da construção da liberdade de povos que sequer falam a sua língua, podemos afirmar com certeza: o mundo está bem melhor.
 Pouco se ouvia falar do cidadão Sérgio Vieira de Mello até o dia em que um carro-bomba explodiu sob a janela de seu escritório, no Iraque.
 No entanto, aquele homem singular tinha um ideal bem definido, ao qual dedicou trinta e cinco anos de sua curta jornada terrestre.
 Era um homem que se compadecia com a desgraça do próximo.
 Por sua diplomacia, firmeza e doçura, foi enviado pela Organização das Nações Unidas para ajudar na solução dos conflitos deixados no Iraque após a invasão norte-americana.
 Ele atuou em Kosovo, Timor Leste, Moçambique, Sudão, Chipre, Peru, sempre com o intuito de promover a paz e a concórdia entre povos em conflito.
 A cada uma das suas ações de paz, certamente o mundo ficava um pouco melhor.
 ...Um homem..., uma vida..., um ideal.
 ...O mundo não é mais o mesmo...
 As luzes do palco físico se apagavam lentamente para aquele trabalhador incansável...
 Seu corpo físico estava ferido e preso entre os escombros, mas a dor não impedia aquele construtor de um mundo melhor de pensar em seus amigos e companheiros de jornada...
 O bombeiro que tentou salvá-lo, "disse que em momento algum, mesmo em suas últimas horas, o brasileiro mencionou que era Sérgio Vieira de Mello, funcionário veterano da ONU e o homem escolhido pelo secretário-geral da organização, Kofi Annan, para liderar a missão no Iraque."
 Disse, ainda, que enquanto conversava com Sérgio para mantê-lo consciente, ele perguntava:
 Como estão todos? Há quantas pessoas feridas? Você pode me dizer o que aconteceu?
 Mesmo ferido e sentindo dores acerbas, Sérgio pensava nos outros.
 Poucas horas mais tarde, o missionário saía de cena...
 Deixava os palcos terrenos onde desempenhou com maestria o papel que lhe competia...
 No instante derradeiro, quando suas forças estavam no fim, Sérgio usou o sopro de voz que lhe restava para expressar o desejo de que a ONU continuasse no Iraque.
 "Não deixe que eles retirem a missão", disse ao bombeiro que lhe prestava socorro.
 Por tudo isso hoje, hoje podemos dizer que o mundo não é mais o mesmo... está melhor. Porque um homem, que não era, nem pretendia ser santo, fez a sua parte.
 Um homem que colocou seu tijolo de amor na construção de um mundo onde a paz possa ser, um dia, realidade.
 ... Um homem, um ideal, uma vida.
 Sérgio Vieira de Mello escreveu, com as tintas inapagáveis do amor ao próximo, sua história... e deu a vida pelo ideal de um mundo livre e soberano, onde os direitos humanos sejam efetivamente respeitados.
 E, como tantos outros, ao fechar a mala e retornar para casa, Sérgio pôde dizer:
 Meu dia de trabalho acabou. Mas não posso dizer: minha vida acabou. Meu dia de trabalho se iniciará de novo na manhã seguinte. O túmulo não é um beco sem saída, é uma passagem. Fecha-se ao crepúsculo e a aurora vem abri-lo novamente.
(Com base em matéria publicada no jornal Gazeta do Povo, em 27/08/2003 e em palavras de Vitor Hugo, do livro A Reencarnação Através dos Séculos)


Por Luiz às 17:14:46 | Comentários (0)
Dia das Mães - 08/05/2010

“Ser mãe não é só o momento de dar à luz e sim participar ativamente da vida de seus frutos gerados, fazendo parte da nova família constituída.

Ser mãe é deixar de lado muitos afazeres e prazeres pessoais para que possamos proteger e educar a criança até a sua independência.

Quem ainda não perdeu noites de sono, viagens, festas em função de um filho? Mas é assim mesmo, amor de mãe é incondicional.

Para uma verdadeira mãe, um sorriso basta e é o amor mais sublime, verdadeiro e sincero.”



Por Luiz às 21:50:46 | Comentários (0)
Amor abrangente - 04/05/2010

 “Sua natureza é revelada por seus atos, gestos, expressões, fala, hábitos alimentares, vestimenta e o modo como conduz sua vida. Portanto, você deve estar atento para garantir que seu discurso, movimentos, pensamentos e comportamentos sejam corretos e cheios de amor e nobreza, desprovidos de impetuosidade e obstinação. Você deve desenvolver a humildade de acreditar que há muita bondade para aprender com os outros. Seu entusiasmo, aspiração, resolução, capacidade de trabalho, conhecimento e sabedoria devem ser direcionados para o bem-estar de todos e não utilizados exclusivamente para fins egoístas. Você deve ser tolerante e cultivar o amor todo-abrangente.”



Por Luiz às 17:58:03 | Comentários (0)
Holograma - 25/04/2010

 “Vivemos e respiramos no hálito divino. Somos como holograma, cujo todo está nas partes.
Por sermos indivíduos, criaturas de Deus, únicos na criação, sem nós, o universo seria incompleto.
O filme Matrix, nos faz compreender melhor o que é ser uno com o cosmo. Por sermos gota e oceano (holograma) o que acontece no oceano repercute em mim e vice versa. O que acontece comigo repercute em você. Assim somos indivíduos e o todo, por isso que sentimos.
Mas a pessoa vive a pensar achando que está vivendo.
Mas um dia aprenderá. E quase sempre, infelizmente pela dor.

 

Através da dor, cada um consegue paulatinamente se modificar e moldar seu coração, permitindo dar e doar amor, ter mais tolerância, afeto e sensibilidade.
Estas sensíveis modificações refletem em outras pessoas, as que nos cercam dentre as demais.
É preciso não apenas viver, mas sim, existir.”


Por Luiz às 18:45:41 | Comentários (0)
A porta até você ( Prem Rawat) - 11/04/2010

Em toda sua vida você se relaciona com duas portas: a porta pela qual você veio através do nascimento, e aquela pela qual você partirá.

Mas há uma outra porta, e essa é a porta até você.

Eu ofereço ajuda para abrir aquela porta até você. Eu chamo de Conhecimento um modo prático de você se habilitar a ir para dentro de si e sentir aquele sentimento que está lá, dentro de você. Eu ofereço quatro técnicas para aqueles que desejarem este Conhecimento. Existe um processo muito simples de se preparar para ele, e em seguida você tem a possibilidade de ir para dentro e sentir aquele sentimento.

Do que eu estou falando está dentro de você.

Sempre esteve, sempre estará.

Recentemente falei, em muitos eventos na Índia, que a coisa mais importante que temos é esta existência. Quando você nasce, recebe como presente uma experiência chamada vida.

E, nesta vida, o que você tem ?

Você tem uma respiração.

Você tem um dia, uma hora, um minuto, um segundo. Essas são suas realidades. Isso não é ficção. Não é um conceito. O que falo, o que quero experimentar na minha vida e o que quero que você vivencie não é a ficção. É realidade. Uma realidade que você pode tocar, sentir, que você pode entender. Em sua vida, aceitação deveria ser o que você sabe, entende, sente. Não com o pensamento, mas com o sentimento.

Há um lindo poema Indiano : "Que gotas compõem o oceano, todo mundo sabe; mas, que a gota contém o oceano, pouquíssimos o sabem".

Eu quero que você faça parte desses poucos que entendem isso.

Essa coisa incrível - nela está tudo e ela está em você, também. Você é a gota. Não a gota líquida, você é a gota. O oceano está em você.

E, sim, você pode sentir isso. Eu entendo isso, porque a mesma energia que está por toda parte chega até mim na forma de respiração - me toca e traz o presente da vida.

Por que se tornar pleno? A resposta para essa pergunta está na escritura que não exige alfabetização.

As pessoas se expressam de diversos modos, mas o que dizem é a mesma coisa. Somos todos humanos e, em última instância, temos a mesma paixão, queremos ter paz, ter contentamento, queremos ser felizes.

Recentemente, quando eu cruzava em vôo uma tempestade, tive uma experiência mágica. Havia belas nuvens de um lado, e uma espécie de abertura: nuvens do lado do oceano, nuvens do lado da terra firme, e o sol brilhava no meio. Às vezes apenas as extremidades se iluminavam e, de repente, as nuvens se acendiam por inteiro.

Não havia raios, só a chuva, e belos arco-íris. Parecia algo saído de um livro.

Eu estava lá olhando para isso tudo. Sei muito bem o que é um arco-íris. Posso até dizer onde vai surgir um, se tiver que surgir. Para isso é preciso que haja gotas d´água em suspensão e sol. É a refração da luz nas gotas d´água que faz o arco-íris.

E há nuvens. Sei exatamente o que são as nuvens: elas são vapor d´água. Na medida em que o calor aumenta, começa o resfriamento e a nuvem se forma. A chuva é o vapor d´água que sobe pela atmosfera, resfria-se e cai.

E pensei: "Sim, sei disso tudo. Mas por que é tão belo?"

Desfrutei aquilo. Não há equivalência entre toda a lógica do mundo e o que o coração tem para oferecer em termos de apreciação. O coração faz parte das pessoas tanto quanto o cérebro.

Dê ao coração o tempo necessário e sua vida começará a mudar, pois se há algo que todo mundo pode usar, mas faz isso de modo precário, é a apreciação.

Os médicos não vão dizer isso. Não aparece no exame de sangue. Mas somos todos deficientes em apreciação. Não sabemos o valor das coisas que nos foram dadas. Não compreendemos a beleza desta respiração. Quando se compreende a beleza da respiração, como é possível não apreciar?

Não é ciência o que vou dizer, mas creio que seja nossa capacidade de apreciar, de desfrutar, o que faz de nós o que somos. Os cães gostam daquilo que gostam, sem dúvida. Abanam o rabo e um brilho surge em seus olhos. Chegam até a sorrir . Gostam daquilo que gostam. Com os gatos é a mesma coisa. Gostam do que gostam.

Mas há algo que podemos apreciar por sermos o que somos. E isso, em minha opinião, é o que nos diferencia um pouco.

Espero que descubra o que é e preste atenção nessa coisa que está dentro de você e com a qual vai estabelecer um relacionamento. Aí, não estará apenas sobrevivendo, mas florescendo.

Não se julgue pelo que o mundo fez com você, com o que o mundo lhe diz, pelo o que aconteceu ou não aconteceu. Você está vivo. Respira. E por estar respirando você é rico, não pobre.

Você tem uma grande dádiva. O mesmo poder que sustenta todo o Universo mantém você - é algo que nem posso ter a pretensão de dimensionar.

Conheço a palavra infinito. Não consigo avaliá-la, mas posso senti-la, porque esse infinito também está dentro de mim. Esta é a minha força. O Universo respira; se contrai e se expande. É uma coisa viva. É algo que o mantém intacto. E a respiração chega a você graças a isso. A maioria das pessoas ignora que seja assim: "Respiração? O que é essa respiração?" Mas não a ignore, sinta-a.

Essa coisa chamada vida tem sido descrita como um portal. É o mais próximo que o infinito e o infinito pode chegar um do outro. E aqui, nesta vida, o finito pode sentir o infinito. Assim como no espaço, o infinito poderá consumir o finito.

O finito voltará a ser apenas pó, e o infinito vai permanecer.

Acho isso surpreendente. Há uma imensidão do nada. E a certa altura passa a haver algo, algo que é realmente alguma coisa. Depois volta a imensidão do nada. Expansão e contração.

Respiração, existência. Desaparecendo, reaparecendo. Colisão. Torna-se algo. Não faça comparações: "Isso é tão trivial". Neste Universo nada é trivial, nada. Nem mesmo o pó é trivial, pois isso é tudo o que existe: pó compactado, partícula dispersa. Você é pó. Mas isso é algo, não um nada.

Então fique livre da confusão, da dúvida, do sofrimento. Não se preocupe com o que vai acontecer. Para onde vou? Isso é o que você tem se perguntado a vida toda.

As pessoas têm muitas ideias. Tudo bem. Acredito firmemente que o céu seja aqui. E não apenas creio, eu sei que este é o recipiente que pode sentir a beleza do céu.

Isso é o que lhe foi dado.



Por Luiz às 17:59:07 | Comentários (0)
Sem Deus - 05/04/2010

Sem Deus, o homem não encontra realização verdadeira, nem mesmo nessa vida mortal. Thomas Merton observou que o homem não tem paz com outros homens porque não está em paz consigo mesmo, e ele não tem paz consigo mesmo porque ele não tem paz com Deus.
A busca dos prazeres só por ter prazer é um sinal de tumulto interior, uma ilusão de felicidade do epicurista. Aqueles que procuram por prazer têm descoberto várias vezes, durante o curso da história, que as diversões temporárias da vida trazem desespero mais profundo. Aquele sentimento irritante de “algo está errado” é difícil de combater. O Rei Salomão se entregou a uma busca de tudo que esse mundo tem a oferecer, e registrou seus descobrimentos no livro de Eclesiastes.
Salomão descobriu que conhecimento, por si só, é fútil (Eclesiastes 1:12-18). Ele descobriu que prazer e riquezas são fúteis (2:1-11), que materialismo é uma tolice (2:12-23), e que riquezas são passageiras (capítulo 6).
Salomão conclui que a vida é um presente de Deus (3:12-13) e que a única forma sábia de viver é temendo a Deus: “De tudo o que se tem ouvido, a suma é: Teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo homem. Porque Deus há de trazer a juízo todas as obras, até as que estão escondidas, quer sejam boas, quer sejam más” (12:13-14).
Em outras palavras, há mais para essa vida do que a dimensão física. Jesus enfatiza isso quando diz: “Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus” (Mateus 4:4). Não o pão (o físico), mas a Palavra de Deus (o espiritual) é o que nos mantém vivos. Blaise Pascal disse: “É em vão, oh homens, que procurais dentro de si mesmos a cura para todas as suas misérias.” O homem só pode achar vida e realização quando Ele reconhece a existência de Deus.
Sem Deus, o destino do homem é a morte. O homem sem Deus é espiritualmente morto; quando sua vida física acabar, ele tem que encarar morte espiritual – separação eterna de Deus. Na narrativa de Jesus sobre o homem rico e Lázaro (Lucas 16:19-31), o homem rico vive uma suntuosa vida de tranquilidade sem um pensamento de Deus, enquanto Lázaro sofre por sua vida mas conhece a Deus. É após suas mortes que os dois homens realmente compreendem a gravidade das escolhas que fizeram durante a vida. O homem rico “ergueu os olhos”, estando no tormento do inferno. Ele percebeu, já tarde, que há mais nessa vida dos que olhos podem enxergar. Enquanto isso, Lázaro é confortado no paraíso. Para ambos os homens, a duração curta da sua existência terrena não foi nada em comparação ao estado permanente de suas almas.
O homem é uma criação especial. Deus tem colocado uma consciência de eternidade nos nossos corações (Eclesiastes 3:11), e esse sentido de destino eterno pode achar sua realização apenas em Deus.

 



Por Luiz às 21:25:40 | Comentários (0)
Natureza de uma pessoa - 03/04/2010

 “O Ser, a Consciência e a Bem-aventurança são a verdadeira natureza de uma pessoa. Mas ela esqueceu sua verdadeira natureza e tem desperdiçado o seu tempo na perseguição vã de prazeres passageiros. Uma pessoa não consegue perceber o valor de sua natureza inata. Quando ela perceber o valor de sua natureza e a experimentar, ela poderá chegar a um estado elevado. Na realidade, ela verdadeiramente torna-se Deus. Uma pessoa pode realizar qualquer tarefa admirável quando percebe sua Divindade inata, mas ela não está fazendo qualquer esforço nesta direção. Ela tornou-se um escravo dos seus sentidos e está desperdiçando seu tempo em assuntos triviais. Desse modo, o dever fundamental de uma pessoa é entender sua verdadeira natureza e a colocar em prática.”



Por Luiz às 18:37:19 | Comentários (0)
Queridas Pessoas - 02/04/2010

"A compaixão e o amor fazem parte da nossa essência.

O que precisamos hoje é resgatar dentro de nós o amor e a compaixão. E isto com certeza será fundamental para salvar a raça humana.

Sinto que a partir do momento que conseguirmos exercitar o amor e a compaixão, todas as outras qualidades espirituais virão à tona: A capacidade do perdão, a tolerância, a humildade e o respeito às crenças alheias.

Experimente um dia de cada vez colocar em prática o amor e a compaixão que existe dentro de você."



Por Luiz às 01:36:05 | Comentários (0)
Ame a Deus - 24/03/2010

"(...) No último tempo haverá escarnecedores, andando segundo as suas ímpias concupiscências. São estes os que causam divisões; são sensuais e não têm o Espírito".
  
Existe uma organização chamada ONU que tem por objetivo tratar os interesses comuns de toda a humanidade. É uma organização sem uma nacionalidade especifica! Os participantes são compostos por representantes de todas as partes do mundo, juntos buscam soluções para os diversos interesses. Não tenho conhecimento suficiente para avaliar a eficiência desta organização, mas acredito que o propósito é no mínimo interessante. O que você acha da proposta desta Organização?
Digamos que cada representante passe simplesmente a tratar de seus próprios interesses, ou melhor, de sua própria nação. O representante brasileiro só quer saber de decisões importantes para o Brasil, o norte-americano, para os Estados Unidos, e por vai. Consegue presumir a eficiência desta organização diante desta ilustração?
É certo que o egoísmo pode causar uma desordem considerável! A pessoa dirigida pelo egoísmo anda segundo suas próprias "concupiscências" (desejos) e estão longe da vontade de Deus, portanto não andam segundo o Espírito Santo de Deus.
Jesus Cristo resumiu os mandamentos em apenas dois grandes mandamentos:  Ame a Deus sobre todas as coisas e ao seu próximo como a ti mesmo. Aquele que age com egoísmo, transgride esses dois mandamentos e, consequentemente, desagrada a Deus "em tudo". Claramente a prioridade dessa pessoa é ela mesma. Deus não tem lugar nesta vida e muito menos considera o seu próximo.
Sabia que tudo o que Deus faz, Ele provavelmente faz através de relacionamentos. Hoje quero desafiá-lo a verificar como está a sua vida com aqueles que lhe rodeiam. Seja no trabalho, na escola, na família, com os amigos, seja com quem for, será que Deus se agrada da forma como você tem se relacionado? Existe um fim muito triste aguardando aqueles que não andam em amor, no Amor de Deus. Oro a Deus para que você avalie sua vida e coloque em prática o que Ele tem ministrado ao seu coração. Ame a Deus (prioridade) e ao seu próximo.



Por Luiz às 22:06:47 | Comentários (0)
Você é mais (Prem Rawat) - 22/03/2010

Você é mais que o somatório de todas as coisas boas e más que você tem. Você é muito mais.
A você foi dado um instrumento - este corpo - que é a máquina de experimentar mais avançada. E foi lhe dado esta coisa mais incrível chamada vida. E de repente você pode se mover. Você pode compreender. Você pode dançar. Você pode sorrir. Você pode chorar. Você pode pensar. Você pode sentir. E todas essas coisas se juntaram, e algo mais divino se juntou para fazer você. E aquilo que eu quero que todos você façam em vossas vidas, enquanto estiverem vivos, é conhecer. Porque quando você conhece, então a paz chega. E quando você conhece, a alegria mais verdadeira chega.

E quando você compreende a verdade - a verdade dança em você. Verdade, clareza e compreensão não são essas coisas que estão enterradas em algum lugar, não. Elas estão dentro de você. Elas precisam de ser evocadas. Elas necessitam de ser convidadas para a sua vida. Elas tem que ser chamadas, tem que ser nutridas, necessitam de serem verdadeiramente convidadas e benvindas.
Isto é: as respostas que você sempre quis estão dentro de você. Toda a riqueza que você quer estão dentro de você. Toda a sabedoria de todos os sábios e eras estão dentro de você.
Quando você experimenta aquela alegria em sua vida, é algo de especial. E como seres humanos, é um triunfo. Quando nós experimentamos paz, é o triunfo de um ser humano. Triunfo. Quando você experimenta paz, você venceu todas as batalhas da guerra. Você teve sucesso. No momento em que você sente paz, você atingiu o seu destino.


Por Luiz às 18:18:33 | Comentários (0)
Solidão: será um estado de espírito? (Fernanda Parolari Novello) - 16/03/2010

“...Solidão é uma maneira de sentir, está dentro da pessoa. Significa estar só. É um estado de espírito que pode estar presente em qualquer fase de nossa vida.

A solidão pode ser uma opção ou uma contingência inevitável.

Podemos nos sentir sozinhos mesmo quando vivemos numa grande cidade, ou quando estamos numa multidão.

Por outro lado, podemos estar sós e não sentirmos, necessariamente, o peso da solidão – o que revela que possuímos recursos espirituais capazes de preencher a nossa vida.

Quando nossa capacidade de ação e reação estão diminuídas, tendemos ao isolamento, à melancolia, por receio de não sermos aceitos, de não agirmos adequadamente de acordo com as expectativas do grupo, enfim, de não sermos benquistos, na convivência com as pessoas, e por receio de sermos julgados.

Estaremos então nos afastando da realidade e do mundo. Essa atitude pode evoluir para a depressão se não nos dispusermos a mudar esse quadro.

O solitário por fraqueza de ânimo não percebe a vida como uma constante expansão de oportunidades. Ele vê apenas parte da realidade, negando ou omitindo inúmeras chances de harmonizar-se interiormente.

No solitário existe a amargura, a tristeza, o ressentimento contra a sociedade. A falta de entusiasmo, de emoção positiva, de perspectivas e de motivação alentadoras o levam a fechar-se em si mesmo.

Urge reagir, saindo dessa acomodação doentia, fazendo tudo o que puder, mas procurando também auxílio e apoio de outras pessoas.

Sempre podemos encontrar forças para sair dessa situação desde que aceitemos a solidão como uma contingência da vida, como uma fase passageira.

Procuremos vencer a solidão fazendo amizades, frequentando locais de lazer, participando de grupos de estudos, de assistência social ou de trabalhos e reuniões esportivas. O importante é sair da estagnação, da ociosidade, preenchendo nosso tempo com atividades úteis e agradáveis.

A solidão é, no fundo, uma forma de egoísmo. Lembremo-nos de, que auxiliando o próximo, fazendo serviço voluntário nos hospitais, orfanatos e asilos, estaremos ajudando a nós mesmos.

Tomemos conhecimento de outras pessoas que também sentem solidão, sejamos solidários. O calor humano, a alegria de viver, o prazer da amizade irão nos impedir de cair na solidão. Cultivaremos momentos felizes, cujas lembranças ficarão registradas para recordação em nossas vidas.

Com esse objetivo, evitaremos reviver o passado infeliz, por maior que tenha sido nossa tragédia e desespero. Nada de autocompaixão. Esta não constrói e nós sempre podemos reconstruir nossa vida e encontrar a felicidade se não deixarmos a chama da alegria se apagar de todo em nossos corações.

Consideremos que a solidão, apesar de tudo, pode apresentar também alguns aspectos interessantes.

Alguns momentos de solidão, de recolhimento, são essenciais quando iniciamos a auto-análise. Saímos mais fortalecidos e enriquecidos ao ouvirmos o nosso silêncio interior: o mergulho será bem mais profundo e a volta trará mais revelações.

O solitário pode, se souber querer, transformar a sua vida, se organizá-la de modo diferente: planejando possíveis atividades gratificantes, que tragam um novo sentido à existência, e deixando o seu passado para trás, o que é uma atitude inteligente.

Dessa forma, o solitário poderá propiciar-se longos momentos de solidão, até muito necessários para o autoconhecimento, a fim de recuperar-se da agitação da vida diária e experimentar a serenidade e a paz nesse relaxamento – estará sozinho para ouvir melhor seu interior, esclarecer suas ideias, refazer as energias, enfim, recompor-se.

Agindo assim, não será nunca mais um solitário amargurado porque se terá transformado num ser solidário.”



Por Luiz às 19:42:12 | Comentários (0)
Blackout espiritual (Marcia Rezende) - 03/03/2010

Cada dia cresce o número de informações que chegam até nós. Os veículos se multiplicam e são aperfeiçoados a cada momento: Correio, Rádio, Revista, Jornal, TV, Telefone, SMS, Email, Twitter, Messenger… a lista é interminável! 

Com um só click na frente de um computador é possível se ter acesso a centenas e mais centenas de notícias e informações. Mas, como já é sabido: informação não é conhecimento. 

No mundo gospel as possibilidades também são vastas: Sites, Blogs, DVDs, Programas Televisivos… púlpitos de todos os gêneros para todos os gostos. Caio’s, André’s, Feliciano’s, Silas’s, Estevam’s, Waldomiro’s… pregadores de todas as linhas teológicas para todos os tipos de “fiéis”. 

No meio dessa miscelânia “evangélica”, como podemos saber quem está com a razão? Existem verdades absolutas? Qual o referencial desta Verdade? 

A resposta é uma só: um livro chamado Bíblia. Ela é a luz do nosso caminho. 

Enquanto seguirmos homens, estaremos andando no escuro. Quem já teve a experiência de andar num lugar desconhecido e sem iluminação sabe o quanto é difícil. Nestas condições ficamos suscetíveis o tempo todo a cair num buraco, pisar em sujeira, dar de cara com uma árvore, ou ser mordido por algum animal. Uma fonte de luz no caminho é garantia de que podemos enxergar onde estamos colocando os pés, e assim evitarmos os perigos. 

Em nossa jornada espiritual, mais do que templos e púlpitos precisamos de Bíblia. Ela é a revelação do Criador para toda a humanidade. “Lâmpada para os meus pés é a tua Palavra, e luz para o meu caminho” Salmo 119:105. 

Pastores, bispos e apóstolos são feitos de carne e osso. E todos igualmente estão sujeitos a cometer erros, falar bobagens, fazer interpretações equivocadas, e até usar seu poder para manipular, controlar, distorcer e tirar proveito da situação. Nestes e em outros casos, o excesso de informação só traz mais desinformação! 

Gosto de saber quais as “novas teologias” do momento, as frases de efeito da moda e os discursos dos apologetas midiáticos, mas o meu referencial precisa continuar sendo a Bíblia. Homens, ideias e teologias passam, precisam ser constantemente atualizados. Mas a mensagem bíblica é sempre apropriada para qualquer tempo, pois Deus não muda, e a natureza humana não se altera. 

Sejamos sábios. Ao invés de informação, busque conhecimento. Ao invés de opiniões, busque a Palavra da Verdade. Ao invés de seres humanos, busque a revelação divina. Simples assim! 

Porque a simplicidade do Evangelho nos conduz à essência do Cristianismo: amar a Deus e ao próximo.



Por Luiz às 23:05:05 | Comentários (0)
Perceba - 01/03/2010

“Toda pessoa viva vê o mundo a seu redor de sua forma única e especial. O mesmo objeto é visto por dez pessoas diferentes com dez diferentes sentimentos. Um indivíduo é visto por seu filho com o sentimento de que ele é um pai. A esposa vê o mesmo indivíduo como um esposo. Seu colega o vê com a sensação de que ele é um amigo querido. Apesar de ser o mesmo indivíduo, ele responde de forma diferente para cada um. Cada um dos que o visualizam de forma distinta é afetado de modo singular. Perceba essa Verdade e preencha sua visão com Sabedoria. Você perceberá a onipresença de Deus em todos os momentos.”



Por Luiz às 23:16:11 | Comentários (1)
Deixar crescer - 22/02/2010

“A tradição bíblica ensina que antes da chegada de João Batista houve um grande silêncio profético.
Por aproximadamente quatrocentos anos, nenhum profeta falou ao povo.
Finalmente, João Batista começou a pregar e causou grande comoção.
Muitos até achavam que ele era o Salvador longamente esperado.
Contudo, quando Jesus o procurou para ser batizado, João foi enfático em apontá-Lo como o que haveria de vir.
Em um momento posterior, surgiu certa crise envolvendo os discípulos de João, a respeito da figura de Jesus.
O Batista novamente não titubeou e afirmou com clareza:
É necessário que Ele cresça e que eu diminua.
É interessante observar que o famoso profeta não estava procurando um caminho fácil para seguir.
Ele não se tornou inerte, não fugiu de seus testemunhos.
Continuou a pregar com desassombro, até que seu falar claro fez com que os poderosos da época decidissem assassiná-lo.
Mas nem por isso deixou de reconhecer o lugar que lhe cabia na concretização de um ideal superior.
Essa postura de João Batista pode suscitar saudáveis reflexões.
Muitas criaturas se dispõem a fazer o bem ou a trabalhar por um ideal.
Entretanto, exigem ocupar lugares de importância.
Desejam servir, sim.
Mas, desde que isso lhes propicie brilho e reconhecimento.
Quando se apresenta alguém mais capacitado para o desempenho de uma tarefa considerada importante, relutam em ceder o lugar.
Se uma nova liderança surge, com grande potencial, tratam de boicotá-la.
Fazem-se severos críticos de tudo e de todos que podem lhes fazer sombra.
É como se o bem somente pudesse se realizar através delas.
Tal gênero de conduta sinaliza que a vontade de servir-se de uma causa é maior do que o desejo de servi-la.
Entretanto, na tarefa de construção de um mundo melhor há espaço para todos.
A verdadeira recompensa pelo amor do belo e do bem é a paz interior.
O reconhecimento do mundo é transitório e costuma representar principalmente um fardo a ser suportado.
Não compensa viver em função dele.
Importa aprender a servir, onde e como se fizer necessário.
Se a tarefa exigir alguma exposição, manter a modéstia.
Quando o momento de brilho passar, permanecer no serviço, ainda que em posição singela.
Assimilar que o bem não tem dono e que sua concretização é uma conquista da Humanidade inteira.
Rejubilar-se com o aparecimento de pessoas com grande potencial e desejosas de trabalhar.
Deixar que cresçam e alegrar-se mesmo com o crescimento delas.
No momento certo, saber tornar-se obscuro, a fim de que uma luz maior brilhe, em benefício de todos.”



Por Luiz às 00:03:28 | Comentários (0)
Misericórdia - 18/02/2010

“Quando você encontrar alguém com raiva, doe virtudes e tolerância com seus bons votos, sentimentos puros e atitude positiva. Lembre-se que a raiva dessa pessoa é decorrente de alguma influência externa. Liberte-a com a água fresca da misericórdia e torne-a pacífica. Esta é a tarefa dos doadores de bênçãos e virtudes.”
“Misericórdia é a qualidade que vê a necessidade por trás do explícito. Atrás da raiva há tristeza; atrás de frieza o medo; atrás da arrogância há insegurança. Misericórdia é a arte de satisfazer as necessidades do coração. É saber que, embora a pessoa peça pelo que é visível e material, o que o coração precisa é mais profundo e por isso não pode ser encontrado através de nada falso ou a curto a prazo. O primeiro de quem devo sentir misericórdia é de mim mesmo.”

 



Por Luiz às 22:52:09 | Comentários (0)
Terremotos - 12/02/2010

Dizem que passado o terremoto de Lisboa (1755), o Rei perguntou ao General o que se havia de fazer. Ele respondeu ao Rei: 'Sepultar os mortos, cuidar dos vivos e fechar os portos'. Essa resposta simples, franca e direta tem muito a nos ensinar.
Muitas vezes temos em nossa vida 'terremotos' avassaladores, o que fazer? Exatamente o que disse o General: 'Sepultar os mortos, cuidar dos vivos e fechar os portos'.
E o que isso quer dizer para a nossa vida?
Sepultar os mortos significa que não adianta ficar reclamando e chorando o passado.
É preciso 'sepultar' o passado. Colocá-lo debaixo da terra. Isso significa 'esquecer' o passado. Enterrar os mortos.
Cuidar dos vivos significa que, depois de enterrar o passado, em seguida temos que cuidar do presente.
Cuidar do que ficou vivo.
Cuidar do que sobrou.
Cuidar do que realmente existe.
Fazer o que tiver que ser feito para salvar o que restou do terremoto.
Fechar os portos significa não deixar as 'portas' abertas para que novos problemas possam surgir ou 'vir de fora' enquanto estamos cuidando e salvando o que restou do terremoto de nossa vida. Significa concentrar-se na reconstrução, no novo.
É assim que a história nos ensina.
Por isso a história é 'a mestra da vida'.
Portanto, quando você enfrentar um terremoto, não se esqueça: enterre os mortos, cuide dos vivos e feche os portos.

 



Por Luiz às 21:03:23 | Comentários (0)
Oração, Meditação e Ação - 03/02/2010

“Muitas pessoas imaginam que existe uma incompatibilidade entre a oração, a meditação e a ação. É o maior dos erros! Muitos homens e mulheres de ação foram verdadeiros místicos. É claro que muitos também não o eram; mas, o que é que eles fizeram de bom? Aquele que se lança na ação sem ir previamente procurar a luz junto do Espírito, ao contrário arrisca-se a só provocar desordem e destruição. Quereis ajudar os outros?… A vossa ação só será benéfica se for bem orientada. E como é que ela pode ser bem orientada se vós não possuís recursos nem luz interiores? Mesmo a melhor das pessoas e a mais bem intencionada não fará grande coisa de bom se se fiar somente em seus recursos, nas suas inspirações. Para se poder verdadeiramente ser útil, é preciso possuir uma grande riqueza espiritual.” 



Por Luiz às 11:45:45 | Comentários (0)
Leis da natureza... - 25/01/2010

“O seguro cobre tudo, menos o que aconteceu.
Quando tiveres apenas uma mão livre para abrir a porta, a chave estará no bolso oposto.
Quando tuas mãos estiverem sujas de graxa, vais começar a coçar no mínimo o nariz.
Quando pensas que as coisas parecem ter melhorado, é porque algo passou despercebido.
Sempre que as coisas parecem fáceis, é porque não atendestes a todas as instruções.
Se manténs a calma, quando todos perderam a cabeça, é porque não captaste o problema.
Os problemas não se criam, nem se resolvem, só se transformam.
Vais chegar ao telefone exatamente a tempo de ouvir quando o desligam.
Se só existirem dois programas na TV que vale a pena assistir, os dois passarão na mesma hora.
A velocidade do vento é diretamente proporcional ao preço do penteado.
Quando, depois de anos sem usar, decides arquivar alguma coisa, vais precisar dela na semana seguinte.
Sempre que chegares pontualmente a um encontro não haverá ninguém lá para comprovar, e se ao contrário te atrasares, todo mundo vai ter chegado antes de ti.”

 



Por Luiz às 15:02:07 | Comentários (0)
Ligeiro Engano! - 20/01/2010

“Não permitam que outros lhes estraguem a fé e a alegria com suas filosofias, suas soluções erradas e superficiais baseadas em ideias e pensamentos humanos, em lugar daquilo que Cristo disse.” (Colossenses 2.8)

 

Platão disse que “Deus é a mente eterna”. Aristóteles O considerava como “a Primeira causa de todo ser”. Leibniz disse que a “razão final das coisas é chamada de Deus”. Há várias outras citações que encantaram as gerações, mas são superficiais e dão significativas margens ao engano uma vez que não dizem respeito à vida prática! Toda essa filosofia sugere um deus poderoso, mas não um Deus “Todo-Poderoso”. Uma citação que definiu bem a falsa ciência foi: “pouca ciência afasta de Deus, mas muita ciência aproxima”.

         O apóstolo Paulo falava sobre as práticas pagãs naquela época. A advertência dele vem de encontro com a nossa situação de hoje. O mundo ensina coisas que estão diferentes da vontade de Deus e que muitas vezes vem fantasiadas e camufladas. Algumas teorias funcionam, outras dificilmente se aproveita alguma coisa, mas é nessa oscilação que está o perigo, ali mora o engano! Veja o conselho de Paulo ao jovem Timoteo: “... evite as conversas vãs e profanas e as oposições da falsamente chamada ciência; a qual professando-a alguns, se desviaram da fé” (I Timóteo 6.20b-21a). 

Enfim, sabemos que apenas nas Escrituras encontraremos a Verdade e somente uma vida de experiências com Deus pode levar-nos a um conhecimento mais minucioso quanto a quem Ele é e o que realmente Ele significa para toda a criação. Existe apenas uma forma de se livrar do engano e essa forma se chama Jesus. Ele foi o único que disse: “Eu Sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai a não ser por Mim” (João 14.6). A sua vida é regida por um conceito? Há uma série de simpatias, mantras, literaturas de auto-ajuda, programas motivacionais, que sugerem uma contribuição para a sua edificação, será que são nestes pilares que a sua vida é sustentada? 

Assim disse o Senhor Jesus: “Todo aquele, pois, que ouve estas Minhas Palavras e as põe em prática, será comparado a um homem prudente, que edificou a casa sobre a Rocha. Desceu a chuva, correram as torrentes, sopraram os ventos, e bateram com ímpeto contra aquela casa; contudo não caiu, porque estava fundada sobre a Rocha” (Mateus 7.24-25). Será que você está firme para as “chuvas” no dia de hoje? Meu sustento e minha força é Jesus, mas e para você, aonde está a sua força? Cuidado com os “ligeiros enganos”.



Por Luiz às 11:40:09 | Comentários (0)
Relacionamentos sadios - 13/01/2010

Um ditado popular sobre o casamento diz: “Quem está dentro quer pular fora; quem está fora quer entrar.”  Esse ditado mostra a complexidade nos relacionamentos entre humanos. Talvez a complicação exista em razão de não simplificar a maneira de conviver com outra pessoa. Um relacionamento sem conflito algum não existe seja ele amoroso, de amizade, profissional ou entre família. Ao se relacionar com uma outra pessoa, nos defrontamos com coisas diferentes de nós. Às vezes estamos preparados para aceitar; às vezes, não. Estar num relacionamento nos mostra nossos pontos fortes e fracos também.

Para um relacionamento sadio é necessário que exista diálogo, tolerância, respeito, confiança e independência. 

Diálogo: a sua falta é um problema sério. Falar para a outra pessoa o que estiver sentindo e pensando (na hora certa, de maneira adequada) é um ingrediente essencial para manter a harmonia entre as pessoas. 

Tolerância: nos tempos agitados dos dias atuais, principalmente numa cidade grande, pode ser difícil ser sempre paciente e tolerante. Se seu nível de estresse estiver alto e sua tolerância baixa, ao invés de brigar, é melhor dialogar ou até mesmo ficar calado! 

Respeito: nunca é demais repetir que ‘Que seu espaço termina quando o meu começa e vice versa’. Muita desarmonia seria evitada nos relacionamentos humanos se essa máxima dos ensinamentos cristãos fosse obedecida. Outra importante é, ‘Não faça aos outros aquilo que não gostaria que fizessem com você.’ 

Confiança: algo interessante que podemos perceber, principalmente, nos relacionamentos românticos é a dúvida com relação ao sentimento da outra pessoa. As pessoas ficam se perguntando repetidamente: ‘Você me ama? Me ama de verdade?’ Partindo do princípio de que para estar num relacionamento deve existir amor ou carinho, então não há por que ficar batendo na mesma tecla. Isso leva ao próximo item...

Independência: depender totalmente da outra pessoa para ser feliz e satisfeito é uma ‘roubada’ enorme! Quando entramos num relacionamento, levamos não só o carinho que sentimos pela outra pessoa, mas nossas virtudes e defeitos também. A primeira pessoa responsável por nosso bem-estar somos nós mesmos, ninguém tem a cura para nossos medos, inseguranças e frustrações. Às vezes, procurar a ajuda de um psicólogo pode ser uma solução super inteligente para a saúde de um relacionamento. Vale ainda dizer que na falta absoluta de um ou mais desses ingredientes, pode ser o caso de um relacionamento já ter acabado sem ninguém ter tomado uma atitude. Ninguém tem a fórmula da felicidade, mesmo porque cada pessoa tem seu jeito único de se conhecer e encarar as coisas. O que podemos fazer é compartilhar experiências e nos comprometer a sermos pessoas do bem, interessadas em crescer, dialogar, respeitar e valorizar o dom da vida. Feliz caminhada nesta vida!



Por Luiz às 19:29:43 | Comentários (3)
O Que Quer Dizer "Escrituras"? (Dennis Allan) - 12/01/2010

As palavras "escritura" e "escrituras" são usadas frequentemente no Novo Testamento para descrever os livros inspirados por Deus. Paulo fala da importância destes livros em 2 Timóteo 3:16-17 S "Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra." Jesus não excluiu nenhuma parte do Velho Testamento quando ele falou sobre as Escrituras. Não somente os livros de Moisés, mas também os Salmos e Profetas foram considerados Escrituras (Lucas 24:27,44,45). Ele afirmou que os judeus erraram por causa da ignorância das Escrituras (Mateus 22:29).

As Escrituras do Antigo Testamento foram importantes, mas as palavras de Jesus e seus mensageiros são mais importantes ainda: "Se, pois, se tornou firme a palavra falada por meio de anjos, e toda transgressão ou desobediência recebeu justo castigo, como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação? A qual, tendo sido anunciada inicialmente pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram" (Hebreus 2:2-3). Não somente os livros do Antigo Testamento, mas também os do Novo são inspirados por Deus e considerados "Escrituras". Pedro especificamente classificou as cartas de Paulo entre as Escrituras (2 Pedro 3:16).

O fato de que todos os livros da Bíblia são inspirados não quer dizer que todos têm a mesma função. Gênesis 6 é inspirado por Deus, mas ninguém hoje tem obrigação de fazer uma arca como Noé a fez. Da mesma forma, a lei que Deus revelou ao povo de Israel não está mais em vigor. Ninguém hoje é sujeito a ela (Gálatas 3:24-25; Romanos 7:6). Jonas é um livro inspirado, mas não somos obrigados ir para Nínive para pregar. De tais exemplos, aprendemos muito sobre a fé, a obediência, a natureza de Deus, etc. Mas nosso serviço hoje deve ser de acordo com a palavra de Cristo. Os livros do Novo Testamento mostram como Jesus andou (João 20: 30-31; Atos 1:1-2) e como nós devemos lhe seguir (1 Coríntios 11:1). Nossa fé se baseia nas palavras daqueles que acompanharam Jesus (João 17:18-20).

Somos incrivelmente abençoados. Temos acesso fácil às palavras que vêm do Deus verdadeiro, o Criador e Sustentador do universo. Conheçamos as Escrituras!  



Por Luiz às 13:22:57 | Comentários (3)
Perspectivas (Prem Rawat) - 07/01/2010

Eu viajo bastante e tenho que cruzar fronteiras. Algumas vezes passo por três ou quatro controles de imigração. Alguns me perguntam: “Quanto tempo vai ficar aqui?” “Só por algumas horas.” “O que você vai fazer?” “Eu vou simplesmente falar.” Ele tem que olhar para mim e para o passaporte e dizer: “Tudo bem. Esse é você.” Mas, eu sou eu. Essa é uma forma de verificação. Existe alguma praticidade nisso, mas não poderia ser de outro jeito? Onde minha integridade permanecesse intacta não por causa de um pedaço de papel que diz que eu sou realmente eu? Mas é assim.

Quando você vai à escola, é testado em alguns assuntos que alguém decidiu que você deveria saber, não naquilo que você conhece. E, se você sabe qualquer coisa menos o que essa pessoa achou que deveria saber, você falhou. Talvez só tenha esquecido uma coisa, mas tem de provar a alguém que você sabe.

Parece que vivemos num mundo diametralmente oposto à integridade de um indivíduo que simplesmente deseje estar realizado. Eu relembro as pessoas: o que você busca está em seu interior. Se você precisa de alguém para segurar o espelho, é isso o que eu faço, não determino o que você deve enxergar.

O que me dá a qualificação? Bem, eu não tenho um selo. Comecei quando era muito novo. Meu sentimento era: “Talvez eu possa trazer alguma felicidade, alguma alegria às pessoas”. Minha perspectiva é bem simples e realista. Primeiro: você está vivo. Essa é a melhor notícia que você poderia receber. Segundo: você não veio com um manual, mas foi estabelecido um em você. Não há necessidade de um manual impresso quando dentro de você foi colocado o desejo de estar realizado. É possível ser satisfeito? Sim. Então, você está vivo, a vontade foi colocada em seu interior, e o desejo que você carrega dentro de si pode ser atendido. Qual é o problema?

Perspectivas. Por que a necessidade mais premente de plenitude foi tão drasticamente alterada para: “Não é possível?” As pessoas não atendem suas necessidades, atendem suas ideias. E hoje as ideias tornaram-se mais importantes do que as suas necessidades.

Começa com cada indivíduo. Nenhum líder mundial vai chegar, apertar sua mão e “ta-da”, está feito. Não. Da próxima vez que se olhar no espelho, entenda que o brilho deste mundo começa com uma vela: você.

Dizem que este mundo é uma ilusão. A ilusão é “eu e os meus, você e os seus”. O problema com a ilusão é que parece tão real que você não consegue apontar o que é falso. Para todos que encenam a mágica, qual é a chave para iludir? Distração. Eles precisam desviar sua atenção. Você olha para o lado enquanto eles trocam aqui. Então, em sua vida, você está distraído? Ah, sim.

Se você nunca compreendeu a importância da respiração, está vivendo num estado de distração – a grande ilusão. Você veio e, muito em breve, será hora de partir. Quando você era jovem, o relógio funcionava devagar. A cada cinco minutos, você perguntava: “Já chegamos?” Então, à medida que envelhecemos, num piscar de olhos, outro ano se foi. Sei que o tempo não muda, mas sim a nossa percepção.

Aqui está uma pequena história sobre isso. Era uma vez um homem que orava e orava para Deus. Um dia, Deus apareceu e disse: “Você tem rezado para mim. O que você quer?” O homem ficou chocado, mas tinha algumas perguntas: “Deus, quanto tempo tem seu dia?” Deus respondeu: “Bom, na verdade, para mim milhões de seus anos são apenas um segundo”. “Então, Deus, qual o tamanho de sua riqueza?” Deus disse: “Se você pegar toda a riqueza do universo e multiplicá-la milhões e milhões de vezes, isso será apenas um centavo para mim. Mais alguma coisa?” Então o homem disse: “Deus, você me daria um centavo?” E Deus respondeu: “Espere um minuto...”

A vontade, os anseios, a perspectiva do tempo. Sabia que você vive no lugar mais especial desta galáxia – o planeta mais maravilhoso? E, entre todas as criaturas que existem nesta Terra, você está incluído. Tudo o que você vê aqui e ali é distração. Olhe dentro de você. Entenda o pulsar de sua existência. Compreenda o que você é. Entenda seus anseios. Desfrute do sentimento que há em você. Viva sua vida plenamente, não em alguma teoria, mas de verdade. Você vai perceber que a realidade desta vida é extraordinariamente magnífica.



Por Luiz às 21:40:38 | Comentários (0)
Não tenho idade – Tenho vida - 05/01/2010

A velhice existe?  

Alguns de nós envelhecemos, de vez, porque não amadurecemos. Envelhecemos 

quando nos fechamos a novas idéias e nos tornamos radicais. 

Envelhecemos quando o novo nos assusta. 

Envelhecemos também quando pensamos demasiado em nós mesmos 

e nos esquecemos dos demais. Envelhecemos se deixamos de lutar. 

Todos nós estamos matriculados na escola da vida, onde o Mestre é o Tempo. 

A vida só pode ser compreendida se olharmos para trás. 

Mas só pode ser vivida se olharmos para frente. 

Na juventude aprendemos; com a idade compreendemos… 

Os homens são como os vinhos: A idade estraga os ruins, mas aprimora os bons. 

Envelhecer não é preocupante. Ser visto como um velho sim que é. 

Envelhecer com sabedoria não é envelhecer. 

Nos olhos do jovem arde a chama, nos do velho brilha a luz.

Sendo assim, não existe idade, somos nós que a criamos. 

Se não crês na idade, não envelhecerás até o dia de sua morte. 

Pessoalmente, eu não tenho idade: tenho vida! 

Não deixes que a tristeza do passado e o medo do futuro 

te estraguem a alegria do presente. 

A vida não é curta; são as pessoas que permanecem 

mortas tempo demasiado. 

Faça da passagem do tempo 

uma conquista e não uma perda.



Por Luiz às 22:46:32 | Comentários (1)
Um Novo Entendimento - 03/01/2010

Eu não conheço você nem sei tua história, mas, se algum problema te assola, desejo que no momento apropriado, você consiga ter um Novo Entendimento e declarar, sinceramente, para si mesmo, como no texto abaixo.

“As palavras de Deus estão escondidas no mundo que nos rodeia. Basta prestar atenção ao que acontece em nossa vida para descobrir em qualquer momento do dia onde Ele esconde suas palavras e sua vontade.” 

“Quando sentimos em nossa vida a certeza de alguma coisa é um descobrimento maravilhoso. 

Não temos a capacidade de descrever em palavras o sentimento que nos apossa e as dúvidas que desaparecem e a certeza de saber bem o que fazer. É um momento de felicidade em que, orgulhosamente, às vezes com o corpo todo arrepiado, dizer: É ISSO!
Deus, como o Senhor é grande.
Por muito tempo, Você, esteve em silêncio, e, em todo esse tempo, uma canção estava em minha mente:

Há momentos que Deus se cala e não ouço a sua voz
A minh'alma grita forte, e o mal me destrói.
Há momentos que Deus se cala, tenho aprendido assim.
Às vezes ando neste vale, sem saber pra onde ir.
Sem saber pra onde ir, para frente devo andar.
No silêncio aprendi, que Ele está a me moldar.
Faz de mim um vaso novo, pois quebrado eu já fui.
Quando está me recompondo, ouço a voz de Jesus.
No silêncio do sepulcro, foi no inferno pra salvar.
Mas o mundo não sabia, que Ele estava a trabalhar.
Quando Deus se cala, tenha fé óh meu irmão.
Ele tarda mas não falha,.Ele vem com a solução. 

Deus meu, Deus meu, como o Senhor é bom.
O anseio por respostas foi embora, o choro do não saber também, as interrogações não pairam mais sobre a minha cabeça.
Agradeço por ser meu amigo, por me entender, por buscar lá no fundo da minha alma o meu querer, os meus desejos, as muitas razões da minha felicidade.
Tantas vezes estive a duvidar do que seria feito, do que Você estava preparando para mim.
Sei que a luta só está começando, que nem ao menos comecei essa luta e que Você está na planta ainda.
Tenho segurança em Você, o Pai mais engenhoso que constrói com carinho e provisão, por isso sei que posso ficar tranquilo.
Meu tudo, meu amor, meu exemplo, meu porto seguro, não canso de declarar todo o amor do mundo por Você.
Agradeço pela certeza do meu Novo Entendimento.”



Por Luiz às 16:43:41 | Comentários (0)
Torcendo por um ano positivo - 01/01/2010

O início de mais um ano sempre leva à reflexão das ações e atitudes a serem realizadas no novo período. No balanço da vida, os prós e contras. Se o resultado final do ano anterior ficou no azul, ótimo. Se o saldo foi negativo, não desanime. Ao contrário. Acredite e tenha fé que a situação irá melhorar em 2010.

Torço que todos os leitores tenham um Ano Novo especial ao lado dos familiares e amigos.



Por Luiz às 13:50:55 | Comentários (1)
Bem estar - 27/12/2009

Se existe algo gostoso de falar ou escrever, sem dúvida nenhuma é sobre nosso bem estar. Acredito que antes de termos bem estar, é preciso em primeiro lugar estarmos bem, e em harmonia conosco e com as pessoas. Começando por um trabalho interno: sente-se tranquilamente por alguns minutos e pergunte se de alguma forma você está se tratando bem, se está tratando bem não só as pessoas que estão próximas, mas a todos. 

Prezado leitor: o seu bem estar depende da qualidade de sua saúde e de seu amadurecimento emocional. Cultive seus recursos espirituais, seus dons e talentos, e lute para atingir suas metas, sempre alimentando dentro de si pensamentos positivos e sentimentos sadios. Nada de pieguices e de fantasias tolas – sua felicidade depende do que você é intimamente, no seu cerne, na sua estrutura.

O que confere plenitude ao ser humano são os dons ou qualidades, uma mente sadia e um corpo hígido, e não a posse e a ostentação de bens materiais. Contudo, tal conquista só é possível para quem romper os grilhões do passado, quem conhecer a si mesmo e palmilhar confiante o caminho luminoso da maturidade mental e emocional. Este ser humano saberá afastar de sua rota os abrolhos, as dificuldades, os problemas, e vencer os desencontros e as inevitáveis pequeninas ou grandes dores desta existência. A felicidade mora dentro dele, pois ele possui um tesouro, que é o conhecimento de si mesmo. É um sábio... E haverá algo mais precioso do que a sabedoria?

Quem não conhece a si mesmo, ainda não emergiu das águas turvas, ainda não viu a luz e não penetrou nos mistérios da vida.

O ser humano que se permitiu sazonar, por meio do estudo e conhecimento, os escaninhos da sua psique conta com mais probabilidades de ser venturoso, de acertar com mais frequência e de alcançar seus objetivos, porque o bom êxito neste mundo depende da soma de seus acertos. E acertam mais os que já mergulharam em si, os que já “entrevistaram” várias vezes o seu EU mais profundo. Estes não encalham nem se arremessam contra os recifes quando o mar está revolto.

Que Deus e a felicidade estejam sempre dentro de você!”



Por Luiz às 14:27:50 | Comentários (0)
Alimentação - 23/12/2009

“Todos nós, somos dotados de discernimento e possuímos uma consciência sussurrando honestidade de propósitos em nossos ouvidos; assim, nós mesmos somos capazes de selecionar e escolher. Limpemos nossa mente e uma grandeza sublime de Deus estará refletida em nosso coração. Assim como nós alimentamos o corpo e cuidamos da nossa conservação e manutenção, a consciência e o intelecto também devem ser alimentados com alimentos bons e nutritivos. Se nós não fizermos isso, então eles terão fome e buscarão todos os tipos de alimento impróprio. Basta oferecermos uma alimentação adequada e eles funcionarão bem, iluminando o Espírito e ajudando-os a perceber que o Espírito está em tudo.”

 



Por Luiz às 13:09:00 | Comentários (0)
Sentido do casamento - 21/12/2009

Estou longe de ser um bom marido, mas a cada dia me esforço ao máximo... Tenho muito a melhorar, tenho de ser mais santo, mais paciente, mais carinhoso. Sinto-me ainda longe disso, pois o modelo que estou mirando é Jesus: Maridos continuem a amar as vossas esposas, assim como Cristo amou a congregação e se entregou por ela.   

 O matrimônio é um desafio, pois a todo o momento temos que perdoar e pedir perdão. A cada dia temos que buscar forças em Deus, pois sem Ele nada podemos fazer.

Quando Paulo se despedia dos cristãos em Efésios, citou uma bela frase: Há mais felicidade em dar do que há em receber". Quando se descobre isso no matrimônio, se descobre o princípio da felicidade. 

Por que muitos casamentos não tem ido adiante? Porque o egoísmo tomou conta do casal. É o 'cada um por si' que vigora. Estamos na sociedade do descartável: copo descartável, prato descartável, etc. Pessoas não são descartáveis, porém, o que não é descartável precisa ser cuidado para ser durável. 

O mundo precisa do testemunho dos casais de que o matrimônio vale a pena! E, para que isso aconteça, é necessário um cuidado amoroso e carinhoso por parte do marido e da esposa. Ambos têm o dever de cuidar um do outro com renovados gestos de carinho e perdão diariamente.

É preciso declarar, todos os dias o amor, em gestos e palavras. A primeira palavra que sempre digo para minha esposa ao iniciar o dia é: 'Eu amo você'. Não é fácil dizer isso às vezes, pois muitas vezes acordo de mal comigo mesmo. Faça isso agora também. Declare seu amor! 

Aos solteiros e aos que ainda não se casaram, quero dizer o seguinte: 'Se você estiver pensando em casar para ser feliz, não se case! Fique como está, solteiro mesmo'. Mas, se sua intenção é casar para fazer alguém feliz, case-se e você será a pessoa mais feliz do mundo! 

O segredo da felicidade é fazer o outro feliz.



Por Luiz às 18:13:28 | Comentários (2)
A vida - 20/12/2009

 

“A vida é um mosaico de prazer e dor; a tristeza é um intervalo entre dois momentos de alegria. A paz é uma pausa entre duas guerras. Não há rosa sem espinho; o colhedor diligente evitará as picadas e colherá a flor. Não há abelha sem ferrão; a habilidade reside, a despeito disso, em recolher o mel. Os problemas e as angústias podem assaltá-lo, mas você não deve permitir que eles o desviem do caminho do dever e da dedicação. O mundo hoje é afligido por ansiedade, medo, depressão, ódio, ganância e desconfiança. A única maneira de o mundo corrigir-se é o ser humano perceber seu destino elevado, pois todo homem anseia por duas bênçãos – obtenção de alegria e fuga da dor.”



Por Luiz às 09:21:03 | Comentários (0)
Calma - 19/12/2009

“A calma é um elemento criador. Purifica, Recolhe, põe em ordem as forças internas, compensando o que o desordenado movimento dispersa. A atividade vence o frio; a inatividade vence o calor; assim, com a sua calma, vai o sábio corrigindo tudo no mundo. A calma impede que se cometam graves erros. O homem superior está sempre calmo; o homem inferior acha-se constantemente num estado de inquietaçãoConserva-te calmo: tudo acabará dentro de mais cem anos. Se alguém vier com grosserias e insultos, seja paciente e acalme-o. Até o rio mais impetuoso é engolido pela calmaria do mar. Só é grande o que também é calmo.” 



Por Luiz às 00:23:31 | Comentários (0)
Entregar-se a Deus - 16/12/2009

“A intuição da existência de um ser superior é inerente ao homem.
Em todos os tempos e culturas, o ser humano sempre buscou relacionar-se com a divindade.
A época atual bem reflete essa real necessidade do homem: ligar-se a Deus.
Tem-se a evolução científica e tecnológica, a cultura tornada acessível a um número antes impensável de pessoas, valores em constante mutação.
Viver torna-se em geral mais confortável, sob o prisma material, mas isso não traz paz para as criaturas.
A vida se torna sofisticada, há pressa para tudo, as relações se superficializam.
Mas, com a mesma rapidez com que se leva a existência, os problemas psicológicos grassam, as neuroses das mais diversas ordens surgem.
Num mundo de transitoriedades e coisas superficiais, a confiança em Deus surge como um consolo inestimável.
É bastante raro encontrar alguém que afirme não acreditar em Deus.
Ao mesmo tempo, a conduta da humanidade não espelha essa crença.
Por certo a natureza divina não é acessível ao nosso precário entendimento, mas a lógica ensina que o Criador obrigatoriamente possui determinadas virtudes em seu máximo potencial.
Assim, acreditar em Deus, como princípio e mantenedor do universo, implica reconhecer que ele é infinitamente bom, justo, sábio, onisciente, onipresente e todo-poderoso, dentre outros atributos.
A fé raciocinada e refletida difere substancialmente do mero acreditar, sem qualquer análise ou consequência.
A meditação sobre o significado da crença na divindade possui o condão de encher a criatura de paz.
Afirmar-se crente em Deus não pode ser uma simples fórmula, politicamente correta, para brilhar em conversas de salão.
Trata-se de uma opção consciente de vida, resultado de uma análise profunda, com severas implicações.
Acreditar sinceramente no Criador é incompatível com a revolta diante das dificuldades, fugas ao cumprimento do dever e comportamentos indignos das mais diversas ordens.
Se o Pai é bom, tudo pode e sabe, Ele deseja e providencia o melhor para todos.
O aluno que confia em seu professor não fica indagando da utilidade das tarefas que este lhe confia, ou mesmo reclamando de sua eventual dificuldade.
Executa-as, simplesmente, confiante na sabedoria, nos objetivos e no método de seu mestre.
Comportamento idêntico deve ser o de quem crê em Deus.
O ser em evolução não deve se preocupar excessivamente com fatos, mas em guardar dignidade frente a eles.
As ocorrências da vida se sucedem na conformidade das necessidades de experiência e evolução da criatura.
A existência na terra é uma abençoada escola, não uma estação de lazer.
A confiança no Pai pressupõe entrega, aceitação de que algumas dificuldades são inerentes ao viver, para o burilamento do ser.
Deus sabe o que faz e está sempre no controle de tudo.
A tarefa do homem é vivenciar com serenidade as ocorrências de sua vida.
Ele jamais deve se furtar ao cumprimento de seus deveres.
Ainda que estes sejam sacrificantes, correspondem à tarefa que o eterno, em sua infinita sabedoria, lhe confiou.
A criatura deve dar o melhor de si, trabalhar sempre para melhorar sua situação, pois o progresso é uma lei divina.
Mas sem angústia pelos resultados, pois o Pai celeste sabe o momento em que uma determinada prova atingiu seu fim.
Se você afirma crer em Deus, reflita se a sua vida espelha essa crença.
Crer no Pai não é apenas admitir sua existência, mas se entregar a Ele, mediante a serena e digna vivência dos deveres e problemas da vida.”



Por Luiz às 15:47:56 | Comentários (0)
Árvore da Felicidade - 15/12/2009



Por Luiz às 23:05:31 | Comentários (0)
Testes - 14/12/2009

“Tristezas e desastres são as nuvens que voam no céu; elas não podem ferir as profundezas azuis do espaço da fé. Considere alegria e tristeza como professores de coragem e equilíbrio. A tristeza é um lembrete amigável, um bom mestre, até mesmo um professor melhor que a alegria. Não recue diante da dor. Receba com agrado o teste, porque depois o certificado lhe será concedido. É para medir seu progresso que os testes são impostos.”

 



Por Luiz às 16:24:47 | Comentários (0)
Questão de honra - 10/12/2009

“Valores morais e espirituais precisam ser honrados com a mesma intensidade, ou mesmo mais, que os valores econômicos e materiais. A vida deve ser uma mistura harmoniosa desses valores, com ênfase na força moral. A honra de uma nação depende de sua moralidade. Uma nação sem moralidade está predestinada ao desastre. A moralidade deve ser cultivada no coração nutrindo-o com amor. Somente então podemos ter segurança, justiça, lei e ordem. Se o amor entre as pessoas diminui, as nações se enfraquecerão e a humanidade perecerá.”



Por Luiz às 10:21:42 | Comentários (0)
Caráter - 06/12/2009

“Se semearmos um pensamento, hoje, colheremos uma ação amanhã. Se semearmos uma ação hoje, colheremos um hábito amanhã. Se semearmos um hábito hoje, colheremos um bom caráter amanhã. Se semearmos um bom caráter hoje, colheremos um destino amanhã. Você não perde muito se um dedo for tão danificado que precise ser cortado. O corpo pode ainda funcionar e ser um instrumento adequado. Mesmo se você perder um membro, você pode funcionar e se beneficiar com a ajuda de suas outras faculdades. Mas se você perder o seu caráter, então tudo estará perdido. A crise de caráter que está na raiz de todos os problemas, em toda parte, surgiu como uma consequência da negligência desse aspecto da educação. A sabedoria prospera quando o indivíduo tem medo do vício e do pecado e está ligado ao Divino.”



Por Luiz às 20:07:44 | Comentários (0)
Olhe - 03/12/2009

Quando estiver em dificuldade e pensar em desistir, lembre-se dos obstáculos que já superou. Olhe para trás.
Se tropeçar e cair, levante, não fique prostrado, esqueça o passado. Olhe para frente.
Ao sentir-se orgulhoso, por alguma realização pessoal, sonde suas motivações. Olhe para dentro.
Antes que o egoísmo o domine, enquanto seu coração é sensível, socorra aos que o cercam. Olhe para os lados.
Na escalada rumo às altas posições, no afã de concretizar seus sonhos, observe se não está pisando em alguém. Olhe para baixo.
Em todos os momentos da vida, seja qual for sua atividade, busque a aprovação de Deus! Olhe para cima.
"Nunca se afaste de seus sonhos, pois se eles se forem, você continuará vivendo, mas terá deixado de existir". 
(Charles Chaplin)



Por Luiz às 10:01:46 | Comentários (0)
Conflitos pessoais - 01/12/2009

“Os conflitos pessoais são motivos para a estagnação de uma ou mais pessoas. Quando, em um ambiente familiar, social ou empresarial, as opiniões divergem, o que é muito comum, é importante que não se perca o objetivo da discussão. Infelizmente existem pessoas que criam ambientes conflitantes, polêmicos, pelo simples fato de não se permitirem ouvir uns aos outros. Colocam-se em uma posição de superioridade e não se permitem questionar a própria opinião.Cada um enxerga a situação por ângulos diferentes. Portanto, se você tiver a humildade de se colocar no ponto de vista do outro, encontrará os motivos que o levam a ter determinada postura. Quando você compreender que saber ouvir o outro e reavaliar seu ponto de vista através da visão do outro, pode enriquecer seu modo de ver a vida, entenderá também, que existem inúmeros caminhos para atingir um objetivo e todos eles são válidos. Uns mais longos, outros mais curtos, mas todos chegando ao mesmo lugar. Discuta, ouça os argumentos do outro, coloque os seus argumentos e decidam juntos. Lembre-se daquele antigo ditado "A união faz a força " e traz harmonia a qualquer ambiente.”

 



Por Luiz às 11:31:25 | Comentários (0)
Desprendimento (Paulo Roberto Gaefke) - 29/11/2009

Dentre as possibilidades de se viver, inclua o amor como primeira opção, pois o amor é um dom que abre portas, protege a alma dos revezes do mundo, e traz a sensação de bem estar total.

Lógico que estou falando do amor Universal. desse que desprendidamente nós doamos, quando só pensamos em ajudar alguém, principalmente se esse alguém, for um desconhecido...

Esse amor é o que provoca a paz interior, que acaba nos colocando de bem com a vida, e nos permite viver um grande romance, pois só é capaz de amar verdadeiramente, quem se liberta de si mesmo, quem oferece liberdade ao próximo, e acaba prendendo com laços eternos, laços de puro encantamento e valor, coisas que só esse sentimento pode oferecer, coisas do amor...



Por Luiz às 14:12:27 | Comentários (0)
Mudança dentro de você - 25/11/2009

Existem dois tipos de espiritualidade: a espiritualidade ligada a uma fé religiosa e outra que independe de fé religiosa. É a respeito desta segunda que estamos falando. Esse segundo tipo de espiritualidade se baseia em valores universais.
A verdadeira compaixão é aquela que deriva da compreensão genuína da unidade e igualdade entre os seres. Se eu entendo que o propósito de todos os seres é a felicidade, sei que todos tem direito
a ela. E quando vejo alguém tendo esse direito violado, não fico indiferente. Este é o verdadeiro sentido da compaixão.
A "compaixão" por entes próximos não é a compaixão verdadeira, porque normalmente está relacionada com o apego que temos por essas pessoas e condicionada ao fato delas corresponderem às nossas expectativas. Uma vez que elas nos frustram, cessa totalmente nosso sentimento de compaixão, que pode muitas vezes se reverter em ódio ou mágoa.
Um obstáculo ao desenvolvimento da compaixão é o apego excessivo ao amigo e aversão aos inimigos (ou personas non-gratas). Quando nós criamos essa polaridade nos nossos relacionamentos, deixamos de ver as pessoas com equanimidade, que é a base da compaixão. Aquele a quem nós chamamos "inimigo" é o professor nos dando lições de (desenvolvimento de) tolerância e compaixão, independente de qual seja a motivação.
Para exercitar a paciência, temos de ficar diante de situações difíceis. Ninguém aprende a ser paciente entre amigos ou em situações agradáveis e confortáveis.
Cultivar a tolerância e a compaixão não significa se curvar diante do inimigo. Significa não deixar a raiva tomar conta, porque ela anula nossa capacidade de discernir entre ações construtivas e ações destrutivas.
Não acredito que uma mudança no calendário possa mudar a vida das pessoas. É certo que a humanidade está amadurecendo e o nível de consciência vem aumentando, mas somente aqueles que estiverem fazendo seu trabalho de transformação pessoal, é que se beneficiarão disso. As pessoas que não estiverem fazendo seu esforço pessoal, continuarão tendo que lidar com as mesmas questões e terão os mesmos obstáculos de hoje.
A humanidade vem atravessando décadas de violação dos direitos humanos. Então as pessoas não devem ter as expectativas de que as mudanças aconteçam da noite para o dia. Mas temos que perseverar, porque é o único caminho.

 



Por Luiz às 18:38:17 | Comentários (0)
Eu te convido... - 19/11/2009

“Tem momentos na vida das pessoas que tudo o que se tenta fazer parece dar errado, e que o que se pensou que era ruim ainda pode piorar bem mais, que a situação difícil, que os problemas, que as tribulações, que a miséria, a doença, que a perda e o fracasso batem à porta ao mesmo tempo, que diferente das outras vezes, todos estes problemas chegam de uma vez só, como em uma avalanche para tentar tirar aquele único pingo de forças que ainda resta, para abalar todo o interior e exterior da pessoa e o seu relacionamento com Deus. 

Você que sofre muito por estar afastado de Deus, por andar por caminhos que não o agradam, fazer coisas que entristecem seu Espírito, a cada dia se separando dEle mais e mais, e se afundando nos seus próprios descaminhos, mas, se, de repente, você querer dar um basta e resolver voltar para Deus e fazer a sua vontade, ou ainda, você se encontrar na casa do Pai, nunca desviou seu olhar, sempre acreditou e confiou mas agora parece que os problemas, que as adversidades e que as tribulações vieram de uma vez só, e deram de encontro com o seu pequeno ser já fraco e afetado pelas lutas carnais e espirituais que seguem a sua vida de cristão, e neste momento mesmo querendo você não consegue reagir, quer lutar, quer ser forte mas parece esmagado pela angústia, pressionado pelo fato de parecer ter chegado ao “fundo do poço” e acha que não consegue mais continuar. É exatamente, neste instante, que precisamos ter fé, Faith em Inglês, Fide em Latim, Pistia em Grego… “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem” (Hebreus 11:1). 

Se, tudo parece perdido, tudo parece acabado, sem mais forças para lutar ou para vencer a prova, é preciso ter FÉ, é preciso acreditar que somente um, Deus, pode fazer o impossível possível na nossa vida, mesmo que Deus às vezes pareça demorar, ou pareça não nos ver, é preciso ter fé, mesmo que a prova seja grande, é preciso ter fé, mesmo que pareça impossível, é preciso ter fé, mesmo que sejamos desviados, rebeldes, ingratos, é preciso ter fé, pois a fé mesmo que pareça ser mais simples e mais fácil do que orar e jejuar é o ato de entrega mais difícil da vida do cristão, pois mostra o quanto confiamos em Deus e acreditamos no impossível que Ele possa fazer. Porque Deus nos contempla e nos vê, mesmo que não possamos entender os seus pensamentos, mesmo que não possamos entender o porquê das coisas, mesmo que não possamos entender seus planos… É preciso ter fé. 

É preciso ter fé para não olhar para trás e como um cão voltar ao seu próprio vômito, como muitos que nos seus momentos mais difíceis têm voltado atrás, têm trocado suas vestes brancas e o nome escrito no livro da vida para se iludir no mundo lá fora; ou tem se tornado crentes fracassados que vivem uma vida de derrota dentro de uma igreja, crentes tristes e angustiados que vivem as piores provas dentro de um próprio lar. 

É preciso ter fé, como teve Noé, Abraão, Isaque, Moisés dentre outros que estão mencionados na Galeria da Fé em Hebreus, é preciso apenas acreditar, é preciso apenas crer, e entregar tudo nas mãos de Deus. 

Desconhecemos os pensamentos de Deus, mesmo que pareça que as coisas vão mal, ainda há um Deus, em algum lugar, observando-nos, mesmo que pensemos que não tem mais jeito, que não há mais solução, há um Deus, em algum lugar, vendo nossa situação, a Palavra diz que Deus sabe os pensamentos que tem para nós, pensamentos de paz e não de mal, para dar o fim que desejamos (Jeremias 29:11). 

Seja qual for o seu problema, seja ele financeiro, seja conjugal, seja familiar, seja espiritual, seja a sua saúde, seu lar, seu trabalho, seus estudos, seu namoro, seu casamento, seus filhos, seu ministério, sua vida, é preciso ter fé, pois todas as coisas contribuem para o bem daqueles que amam a Deus, e mesmo sem saber, Deus está nos ensinando a acreditar. 

Por isso, neste exato momento, eu te convido junto comigo a acreditar, te convido a parar de murmurar e entregar a sua vida nas mãos de Deus, te convido a chorar na presença Dele se for preciso, te convido a gemer no seu altar, te convido a derramar o coração e as suas lágrimas na sua presença, e te convido principalmente a ter FÉ, eu te convido, agora, a acreditar. 

Tenha fé, faith para os Ingleses, fide para os Romanos… seja qual for o idioma, seja qual for a tradução, seja qual for o problema, agora eu te convido a crer, esperar mesmo que não se possa ver, agora eu te convido a sonhar, a ter, fé.”

“Agora eu te convido a buscar uma nova estrada...  a gostar mais de si mesmo... a amar-se muito. A ter um pouquinho mais de carinho consigo mesmo... a olhar-se no espelho...
a comprar uma roupa nova... para o corpo e para a alma... Colorida... deslumbrante. 

Agora eu te convido a falar a verdade...consigo mesmo... a ver a vida por um outro prisma... a crer que é possível acreditar em você.”



Por Luiz às 16:45:13 | Comentários (5)
Sonho de eternidade - 17/11/2009

“O outro lado é um desconhecido. 

Muitas vezes nos apaixonamos por ele, 

mas é um amor proibido, 

um amante guardado em segredo.

As escolhas já feitas nos premem a declinar os convites da vida. 

Começar de novo é quase um sonho de eternidade. 

É preciso ter delírios de Deus 

para acreditar que é possível recriar seu mundo. 

Será que todo amanhã está condenado à prisão perpétua do ontem? 

O que será, então, do meu dia?. 

Abandonar os filhos, jamais! 

Não é sem dor ou sem corte que se transpõe a encruzilhada. 

É do nó das lealdades imprescindíveis 

que pode brotar o alvorecer de novas paisagens.”



Por Luiz às 12:38:01 | Comentários (0)
Deus meu Criador - 15/11/2009



Por Luiz às 19:28:32 | Comentários (0)
Por Que Acreditar numa Mentira? (Dennis Allan) - 12/11/2009

A confusão religiosa e suas variadas doutrinas contraditórias provam que o diabo e seus servos são enganadores eficientes (João 8:44). Desde que Deus não é autor de confusão (1 Coríntios 14:33), as muitas falsas doutrinas ensinadas em diversas denominações, nos dias de hoje, não vêm de Deus. Não é surpresa que o mesmo mal que tem estado pervertendo e negando as palavras de Deus desde o Jardim do Éden esteja ainda plantando as sementes do engano. Ele até encontra pastores prontos a servir como seus cúmplices na pilhagem dos fracos cordeirinhos (Atos 20:28-30).

Mas como alguém se deixaria enganar? Paulo oferece uma explicação dos motivos para acreditar em mentiras em 2 Tessalonicenses 2:9-12. As pessoas enganadas pela astúcia de Satanás "não acolheram o amor à verdade para serem salvos." Não é suficiente conhecer a verdade. Temos que amar a verdade. Há muitas pessoas que estudam a Bíblia por curiosidade, ou vaidade, ou por razões acadêmicas, mas que não abordam as escrituras com a humildade necessária para permitir ao Senhor mudá-las e moldar o seu caráter. Elas não amam a verdade, e são assim presas fáceis para o diabo.

Paulo menciona outro fator: "deleitam-se com a injustiça." Quando uma pessoa quer uma desculpa para justificar o pecado em sua vida, ela não estudará a Bíblia com um coração honesto e aberto necessário a entendê-la. Você pode frequentemente ouvir esta atitude nos comentários daqueles que querem defender suas práticas pecaminosas: "Onde se diz na Bíblia que eu não posso. . . ?" A atitude adequada não defende o mal, mas pergunta: "O que o Senhor quer que eu faça?" As pessoas que estão determinadas a justificar seus pecados não entendem a verdade. Suas mentes são carnais e incapazes de discernir a riqueza espiritual da mensagem de Deus (1 Coríntios 2:14).

Por que alguém acreditaria numa mentira? Porque a verdade frequentemente exige transformações penosas que a maioria das pessoas não está querendo fazer. O caminho do Senhor é difícil e solitário, mas conduz à vida eterna (Mateus 7:13-14).  



Por Luiz às 13:12:39 | Comentários (2)
O frio que vem de dentro - 09/11/2009

Conta-se que seis homens ficaram presos numa caverna por causa de uma avalanche de neve. 
 Teriam que esperar até o amanhecer para receber socorro. Cada um deles trazia um pouco de lenha e havia uma pequena fogueira, ao redor da qual eles se aqueciam. 
 Eles sabiam que, se o fogo apagasse, todos morreriam de frio, antes que o dia clareasse. 
 Chegou a hora de cada um colocar sua lenha na fogueira. Era a única maneira de poderem sobreviver. 
 O primeiro homem era racista. Ele olhou demoradamente para os outros cinco e descobriu que um deles tinha a pele escura. 
 Então raciocinou consigo mesmo: Aquele negro! - Jamais darei minha lenha para aquecer um negro. E guardou-a, protegendo-a dos olhares dos demais. 
 O segundo homem era um rico avarento. Ele estava ali porque esperava receber os juros de uma dívida. 
 Olhou ao redor e viu um homem da montanha que trazia sua pobreza no aspecto rude do semblante e nas roupas velhas e remendadas. 
 Ele calculava o valor da sua lenha e, enquanto sonhava com o seu lucro, pensou: Eu, dar a minha lenha para aquecer um preguiçoso, nem pensar. 
 O terceiro homem era negro. Seus olhos faiscavam de ira e ressentimento. Não havia qualquer sinal de perdão ou de resignação que o sofrimento ensina. 
 Seu pensamento era muito prático: É bem provável que eu precise desta lenha para me defender. 
 Além disso, eu jamais daria da minha lenha para salvar aqueles que me oprimem. E guardou suas lenhas com cuidado. 
 O quarto homem era um pobre da montanha. Ele conhecia mais do que os outros os caminhos, os perigos e os segredos da neve. 
 Esse pensou: Esta nevasca pode durar vários dias. Vou guardar minha lenha. 
 O quinto homem parecia alheio a tudo. Era um sonhador. Olhando fixamente para as brasas, nem lhe passou pela cabeça oferecer a lenha que carregava. 
 Ele estava preocupado demais com suas próprias visões (ou alucinações?) para pensar em ser útil. 
 O último homem trazia nos vincos da testa e nas palmas calosas das mãos os sinais de uma vida de trabalho. Seu raciocínio era curto e rápido. 
 Esta lenha é minha. Custou o meu trabalho. Não darei a ninguém, nem mesmo o menor dos gravetos. 
 Com estes pensamentos, os seis homens permaneceram imóveis. A última brasa da fogueira se cobriu de cinzas e, finalmente apagou. 
 No alvorecer do dia, quando os homens do socorro chegaram à caverna encontraram seis cadáveres congelados, cada qual segurando um feixe de lenha. 
 Olhando para aquele triste quadro, o chefe da equipe de socorro disse: 
 O frio que os matou não foi o frio de fora, mas o frio de dentro.
 
* * * 
 Não deixe que a friagem que vem de dentro mate você. 
 Abra o seu coração e ajude a aquecer aqueles que o rodeiam. 
 Não permita que as brasas da esperança se apaguem nem que a fogueira do otimismo vire cinzas. 
 Contribua com seu graveto de amor e aumente a chama da vida onde quer que você esteja.



Por Luiz às 13:23:27 | Comentários (0)
Lágrima, tristeza, rancor - 08/11/2009

“Segundo alguns analistas, cerca de 2/3 dos usuários da Internet desenvolvem relacionamentos interpessoais na via virtual.
De fato, a Web estabeleceu uma nova dimensão de “convivência”, de modo que nossas opiniões, mensagens – e até sentimentos – correm o planeta, influenciando pessoas e estreitando laços antes impossíveis.
É inegável, porém, a Internet fez nascer um mundo de fantasias... A foto no site sugere uma pessoa “ideal” - atlética e bela – bem diferente do modelo original.
Outras vezes, é a indicação comportamental que não “bate”, numa descrição de qualidades primorosas: “Sou alto, olhos verdes, alegre, despojado, em paz comigo mesmo. Não sou ciumento etc. e tal.”
Sem entrar na seara das avaliações psicológicas, temos de admitir que, às vezes, todo mundo parece "perfeito demais".
Ora, celebridades e estrelas posam para revistas e – convenhamos – nas fotos as medidas “extras” são reduzidas, as rugas “somem”. Manchas na pele? Pés-de-galinha? Nem pensar...
Mesmos os filmes - como os “300 de Esparta”, que aliás gostei muito - mostram guerreiros dignos de ganhar o prêmio Mister Olímpia, trazendo ainda reis gigantes de três metros de altura. Bastante interessante a diversão.
Até aí não há o que reclamar, pois a beleza e o glamour enfeitam a vida. Mas e se constatamos que existe um procedimento semelhante na VIDA REAL?
Exatamente. Pessoas amarguradas, cheias de ódio e envoltas no pessimismo e na derrota. Com lares em frangalhos, nenhum prazer em sua carreira profissional e sem expectativas no campo financeiro, PORÉM bancando os MAIORAIS, e querendo envolver os outros em sua “restrita” - e mesmo medíocre - realidade.
E então elas fingem o tempo todo... Simulam sorrisos, emoções, superioridade. E fica comum ouvir coisas do tipo: “minha vida é ótima, sou seguro, sou equilibrado...” É vantagem atrás de vantagem, o todo dia - no trabalho, no curso, na família.
Só que a gente percebe a disparidade. Muito photoshop para “maquiar” a alma.
Isso não parece aceitável, e não nos leva a lugar nenhum, além de ferir um princípio de realidade da alma e do espírito, que ninguém melhor que Deus nos ensina:
Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo!
Ai dos que são sábios a seus próprios olhos, e prudentes diante de si mesmos!Isaias 5:20-21).
O pior de tudo é que tais “mímicos da realidade” estão procurando ENGANAR, antes de tudo, A SI PRÓPRIOS e, em lugar de fazer face aos problemas e derrotas, superando-os, essas pessoas se mantêm presos a eles, pois, afinal de contas, são parte do seu show, e isso nos leva para mais uma orientação espiritual importante:
O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia.
O que anda sinceramente salvar-se-á, mas o perverso em seus caminhos cairá logo. (Provérbios 28:13 a 18).
A ATITUDE de reconhecer os pontos fracos, a ABERTURA para a busca de soluções, a SINCERIDADE diante de Deus e das pessoas nos levam em direção à vitória e à paz, pois Deus se agrada dos HUMILDES:
Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes...
....Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. ...
Senti as vossas misérias, e lamentai e chorai; converta-se o vosso riso em pranto, e o vosso gozo em tristeza.
Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará. (Tg 4: 6-10).”



Por Luiz às 21:31:36 | Comentários (0)
Inversão de valores - 05/11/2009

“Quando invertemos a ordem dos valores colocando-se em primeiro lugar o trabalho, em segundo lugar a família e em terceiro lugar Deus e os valores espirituais, entramos em conflito conosco mesmo.

Muitas vezes, deixar-se absorver pelo trabalho leva ao stress. 

A pessoa com stress não sente motivação alguma para viver e para relacionar-se devidamente com a família; pode sentir as mãos suadas e frias, tensão muscular, dores lombares, insônia, tonturas, falta de memória, cansaço, desinteresse pelo trabalho, hipertensão arterial, gastrite... O stress pode ser vencido seguindo-se a ordem dos valores; ou seja, colocando em primeiro lugar Deus, em segundo lugar o outro, e em terceiro lugar o trabalho. 

Além disso, o stress pode ser vencido com técnicas de relaxamento, com uma alimentação especial, rica em vitaminas do complexo B, principalmente a vitamina B6.”



Por Luiz às 12:48:54 | Comentários (0)
É preciso agir - 01/11/2009

A indiferença
Primeiro levaram os comunistas,
Mas eu não me importei
Porque não era nada comigo. 

Em seguida levaram alguns operários,
Mas a mim não me afetou
Porque eu não sou operário. 

Depois prenderam os sindicalistas,
Mas eu não me incomodei
Porque nunca fui sindicalista.

Logo a seguir chegou a vez
De alguns padres, mas como
Nunca fui religioso, também não liguei. 

Agora levaram-me a mim
E quando percebi,
Já era tarde. 

O poema grave é de Bertolt Brecht (1898-1956), influente dramaturgo e poeta alemão do século XX.
A questão gravíssima é do ser humano, desnudado em linhas poéticas, exposto pelo pensador que aqui nos convida a refletir sobre a indiferença.
A vida individualista, que prioriza o eu em detrimento do outro, apresenta-se como um dos problemas mais sérios da atualidade humana.
O egoísmo, a cobiça, o medo, transformaram grande parte dos seres em autômatos ilhados.
Autômatos, sim, pois evitam pensar, refletir, ponderar, em nome de uma falsa falta de tempo.
Autômatos que se plugam na tomada pela manhã, e se desplugam à noite, sem terem realmente estado presentes em seus dias, em suas próprias vidas.
Ilhados também, pois se isolam das pessoas, do contato humano.
Não se pode mais confiar em ninguém, não se pode mais contar com ninguém. Todos são suspeitos... - afirmam alguns.
Ilhados, usam das tecnologias do mundo moderno, que visam apenas auxiliar o homem em suas tarefas, para manterem uma distância segura do Mundo.
E o virtual parece ser mais seguro, mas fácil que o real... Enganamo-nos em nome de uma suposta segurança.
Assim deixamos de nos importar com os outros, vivendo um constante salve-se quem puder, como se o desespero fosse grande auxílio.
E quanto mais nos afastamos, mais difícil é a volta.
Amizades que deixamos de cultivar na infância, na juventude, hoje fazem falta a muitos homens e mulheres, vítimas de transtornos psicológicos, como a depressão.
Relacionamentos familiares fortes, envolvendo cumplicidade e carinho, no futuro nos farão falta, pois quando precisarmos nos abrir, desabafar, perceberemos que não temos intimidade com ninguém para tal.
É preciso agir. Agir enquanto há tempo.
Será tão difícil dar atenção, se importar com aqueles que estão ao nosso redor?
Será tão difícil romper esta barreira da indiferença, e perguntar: Como você está? - realmente desejando saber como anda a vida do outro?
O Mundo não sou eu mas os outros. O Mundo somos nós.
Estamos todos expostos ao mesmo tipo de experiências, às mesmas provações, aos mesmos aprendizados.
É preciso agir. É preciso se importar mais.
 * * *
Quebra o gelo da indiferença, e perceberás que as águas que irão verter aplacarão tuas sedes mais secretas.
Desperta ainda hoje, e perceberás que o brilho do sol é mais seguro do que a escuridão dos olhos fechados.



Por Luiz às 16:13:47 | Comentários (0)
AA Emergência - 31/10/2009



Por Luiz às 17:06:12 | Comentários (0)
Um tempo para falar sobre morte (Maria Cristina Mariante Guarnieri) - 29/10/2009

"Para tudo há um tempo, para cada coisa há um momento debaixo dos céus: tempo para nascer e tempo para morrer;..." (Eclesiastes3, 1-2 )

O milagre da vida e o mistério da morte são frequentemente temas das mais profundas reflexões da humanidade. Através da busca de compreender a origem da vida e o significado da morte, muito tem se ampliado sobre o conhecimento de nossa natureza.

Vida e morte são duas fases de uma totalidade, duas formas de representar uma existência. Acostumados a privilegiar a vida, esquecemos que esta é cíclica e que para todo começo há um fim, em toda renovação é preciso que a morte leve o velho, abrindo espaço para o novo surgir. Aceitar a morte é aceitar que não temos controle, é um total desprendimento do Eu. Implica em aceitarmos uma dimensão que transcende a consciência.

Nossa sociedade exige hoje uma atitude positiva, e o otimismo precisa estar presente em todo o movimento. Estamos preocupados com a perfeição e nada pode sair do nosso controle. A realização, a felicidade e o progresso são pré-requisitos para a nossa aceitação. Já, a morte, é a maior expressão de impotência, imperfeição e falta de controle que temos. Hoje, em um momento cada vez maior de detenção de conhecimento e controle dos efeitos prejudiciais que nosso organismo possa sofrer, a fragilidade vivida diante a perda de uma pessoa ou a morte anunciada por uma doença é contrária a onipotência do nosso saber.

A morte é um fenômeno complexo, um dos conflitos fundamentais do ser humano, e que passa necessariamente pelo enfretamento de seu limite dentro do universo. A única certeza que possuímos sobre a morte é o fato dela ser certa para todo organismo vivo. E, é a consciência humana, uma diferença supostamente privilegiada, que nos condena a antecipação e reflexão sobre a finitude.

Viver bem pede que se aceite a morte, pois somente com a integração e aceitação destes dois opostos é possível estarmos na vida. Françoise O`Kane exemplifica muito bem isso ao interpretar o mito de Cristo no Getsêmani. Deus exige a morte tanto quanto ele dá a vida. Cristo enquanto humano sente a angústia de estar frente à morte e pede ao pai, que se possível, "afasta de mim este cálice". Cristo, humano, precisa resgatar o Pai-a totalidade, que é vida e morte. Na tentação, em sua angústia, Cristo pede para evitar a morte. Logo reconhece que esta não poderá ser evitada, não pela ressurreição que é conseqüência do ato completo, mas sim porque viver é entregar-se a algo maior que nós mesmos, é entregar-se à totalidade. Deus exige ambas, vida e morte, para a vida em sua totalidade.

A religião para muitos autores é o caminho compensador para todos aqueles que não conseguem enfrentar a dura realidade da morte. A idéia de que a religião compensa nosso medo frente o morrer é real, porém não é a única explicação. Pensar que algo sobrevive para além da vida, é uma observação do mundo real, algo realmente sobrevive quando algum traço da morte permanece: "Os mortos continuam, acima de tudo, na memória e nos filhos; como eles continuam é outra questão." Para Bowker a indagação religiosa é muito mais profunda, é uma afirmação de valor da vida humana, reconhecer que a vida leva a vida, que o ser humano entra na vida, a ganha e também ganha a morte.

Enquanto psicóloga, aprendi que perto da morte queremos falar sobre ela, trocar sensações sobre este grande mistério, dividir emoções que transbordam nosso ser no mais desconhecido momento de nossa existência. Nós, profissionais de saúde e religiosos, que estamos sempre envolvidos com a vida, lutando pela sua preservação, qualidade e dignidade, não podemos esquecer que esta vida é humana, de que há um tempo para nascer e um tempo para morrer.

Com todo avanço tecnológico e científico, com todo o conhecimento que possuímos, parece que cada vez mais nos encontramos despreparados para lidar com a dor e o sofrimento humano. Não sabemos ouvir o outro, não permitimos que ele se expresse e nos fale daquele lugar que todos tememos e que inevitavelmente para onde todos iremos.

Acompanhar alguém no sofrimento, não é evitar a dor, é acompanhar o processo, pois sabemos que o desespero não é totalidade da vida. Um sacerdote, por exemplo, ao rezar pelo morto, confirma a morte e professa a fé na ressurreição, pedindo a Deus que o acolha nesta nova vida na eternidade. Uma esperança cresce, um conforto é recebido e surge uma possibilidade de dar sentido para a vida.

Estar junto do outro, em muitos momentos, é a única forma de ajudá-lo. O ser humano marca toda a sua existência por vínculos afetivos que constrói em sua solitária jornada. "Ame aos outros como a si mesmo e a Deus sobre todas as coisas". Cristo nos ensina que o amor experimentado e partilhado dá sentido à vida, e que o respeito ao próximo nos ensina a sermos humanos.

Não vamos "curar", nem "acabar" com a morte. Somos mortais e, assim, passamos pela vida sofrendo as marcas da difícil tarefa que é viver, até o fim. E depois do fim, a eternidade. A vida após a morte só pode ser concebida pela nossa imaginação. Imaginar é criar uma nova possibilidade, diferente da realidade existente. Acreditar nesta criação é ter fé.

 



Por Luiz às 20:13:46 | Comentários (0)
Os Sentimentos Enganam (Gary Fisher) - 26/10/2009

Jacó vestiu as roupas de seu irmão Esaú e pôs peles de cabrito em seu pescoço e em suas mãos. Assim, ele enganou seu pai Isaque para que lhe desse a bênção que ele guardava para Esaú. Isaque acreditou que ele fosse Esaú, mas não era. Mais tarde Jacó foi enganado de um modo semelhante. Seus filhos venderam José, o irmão deles, e molharam sua túnica em sangue de bode. Seu pai concluiu que ele tinha sido morto por animais selvagens. Jacó acreditou que José estivesse morto, mas não estava. Cada um de nós já teve experiências semelhantes, quando nossos sentimentos se mostraram errados.

Os sentimentos também não são guias confiáveis em nossa relação com Deus. A Bíblia adverte-nos a não confiar em como sentimos em nosso coração, porque o coração é a mais enganosa de todas as coisas (Jeremias 17:9; Provérbios 28:26). Jesus advertiu contra muitos que, como Saulo de Tarso, se sentiriam como se estivessem servindo a Deus, ao perseguirem os cristãos (João 16:2). Eu, ocasionalmente, tenho seguido uma estrada que eu sentia ser correta, porém, mais tarde, descobri que conduzia ao destino errado. Espiritualmente, o caminho que se sente ser certo pode não nos conduzir aonde queremos ir (Provérbios 14:12; 16:25).
A palavra de Deus é verdade objetiva (João 17:17). Ela não é mudada por nossos sentimentos. Muitas pessoas religiosas seguem sua intuição e não se incomodam em consultar a palavra de Deus para determinar o que lhe agrada. Quando alguém as desafia pelas Escrituras, elas ficam indignadas, insistindo em que sabem como sentem. Naturalmente que sim, mas a questão é: como elas sabem que foi Deus quem as fez sentir desse modo? A única fonte confiável da vontade de Deus é a palavra dele. Se não podemos saber o que outros homens estão pensando, a menos que eles nos falam, quanto menos ainda podemos saber o que Deus pensa, fora de sua revelação (1 Coríntios 2:10-13). Sempre que tentamos chegar à verdade pelos nossos sentimentos, estamos condenados ao fracasso.



Por Luiz às 20:01:49 | Comentários (0)
Orgulho, o arquiinimigo do perdão (Dado Moura) - 25/10/2009

Quem já não – ao ser tomado pelo ímpeto e na certeza de estar fazendo a coisa certa – feriu aquela pessoa  com quem se convive? Seja numa resposta “atravessada” ou numa atitude grosseira contribuímos de alguma forma com a divisão ou o isolamento das amizades. Passado algum tempo, já com a “cabeça fria”, percebemos que procedemos de maneira equivocada – ferindo pessoas ou até mesmo nos ferindo.
Refletir sobre o nosso ato nos ajuda a perceber o momento em que agimos precipitadamente; e dessa reflexão vem o remorso, o qual nos prepara para o pedido de desculpas. 

Reconhecer que fomos precipitados nos argumentos, significa, muitas vezes, humilhar-se e se fazer pequeno, reconhecer que errou. Perdoar ou liberar perdão não é ter “amnésia” sobre o ocorrido, mas sim, disponibilizar-se a restabelecer o relacionamento abalado. 

Do remorso ao perdão há uma pequena distância, mas o espaço é grande o bastante para residir o orgulho. Sentimento este que nos tentará convencer de que o ato de se desculpar ou reconhecer seu erro é atitude dos fracos. 

Por outro lado, infelizmente, há pessoas que não aceitam as nossas desculpas. Preferem romper com os laços afetivos em vez de crescer e amadurecer por meio dos exercícios apresentados pela vida. Insistem em manter a irredutibilidade e a prepotência, que pensam possuir, em vez de dar o passo que romperá com as cadeias que as prendem. Talvez querendo cumprir a lei do “olho por olho, dente  por dente”, esperam por um momento de revanche. Enquanto isso, desperdiçam tempo e amargam seus dias, remoendo o que já está resolvido para aquele que se dispôs a se desculpar. 

A vida é muito curta para se gastar o precioso tempo com comportamentos que não trazem a sustentabilidade de nossas convivências. Pedir  ou conceder perdão não nos exige mais do que podemos aguentar. Sabemos de pessoas que gastam muito tempo buscando motivos para justificar suas infelizes atitudes, fazendo-se de injustiçadas, em vez de adotar gestos de humildade e agir de maneira diferente. Na verdade, elas são vítimas do orgulho, que mata pessoas e sentimentos! 

Mais importante – do que lembrar que não devemos desculpar – seria fazer uso da faculdade de reflexão e reconhecer que ninguém está acima dos lapsos e erros. Pois aquele, que errou hoje, poderá ser você amanhã… Não percamos tempo monopolizando picuinhas, ressentimentos ou retendo perdão. Se uma situação especial o faz refletir – levando-o ao ato da reconciliação –, peça ou dê o perdão e continue a viver com a experiência adquirida.
Situações mal resolvidas afetam outras áreas de nossa vida. Talvez por isso existam ainda alguns problemas não “equacionados” em nossas vidas pois, esses, são reflexos dos fragmentos dos “elos” que deixamos se perder ao longo do caminho.



Por Luiz às 11:37:46 | Comentários (0)
A Arena do Saber (Prem Rawat) - 22/10/2009

Gostaria de falar sobre algo muito belo: você está vivo. Isso é incrivelmente belo. E quando falamos sobre o eu, estamos falando sobre reconhecimento, entendimento de quem somos. Quando você pensa: “Sou um Australiano; sou um Neo Zelandês, sou Inglês, Escocês, Irlandês”, está se esquecendo de quem você é. Você é um ser humano.

Ouvimos acerca de super-heróis que atingiram o supremo estado do ser. E se eu disser que você atingiu o supremo estado do ser? Você está vivo. Esse é o supremo estado do ser. Não existe um estágio mais alto do que estar vivo. É isso. 

As pessoas vão ao cinema para terem entretenimento, alguma ação, algum drama. Têm todo um ritual de pegar a pipoca, os doces, o refrigerante. Falando em planejamento! O exército poderia aprender algo sobre disciplina com essas pessoas. Elas sabem exatamente o que e quanto pegar. Então se sentam no assento que escolheram. O filme começa, e a linha entre a realidade e a ficção desaparece. Algumas pessoas até chegam a chorar. Se pudessem ver a cena real, estariam rindo, porque o que elas estão vendo é talvez a décima quinta tomada da mesma cena.

Nós acreditamos. Vamos fazer de conta por um minuto que há uma vaca na nossa frente, e que ela está mugindo. Talvez não haja mal em acreditar nisso, mas, quando você precisar de leite, lembre-se de uma coisa: Se essa vaca produz leite, é um leite de faz-de-conta. Não é real. Você não poderá bebê-lo. Pode imaginá-lo, pode fingir que está bebendo leite, mas, isso não vai satisfazer sua sede. Tudo o que se refere ao leite tem que ser um faz-de-conta, porque é tudo uma fantasia.

Na arena do saber, não existe faz-de-conta. Você experimenta. É disso que eu estou falando. Não é uma terra de fantasia. Existe um desejo tão profundo dentro do ser humano que o deixa sedento e ao mesmo tempo o preenche. É uma dança mágica de satisfação da sede interior. 

Você já bebeu água, quando estava realmente, realmente sedento? A água se torna doce. O foco não é nada mais do que pegar aquele copo de água e beber, beber, beber... Depois que você acaba de beber, diz: “Ah!” Está satisfeito.

O que é a água? É algo que não possui identidade. Não é quadrada e não é redonda. Pega a forma de qualquer coisa que a contenha. Não tem cor. Flui através do solo, às vezes pelas pedras – lugares inacreditáveis. Se você tentar descrever a água pela sua aparência física, não poderá fazer um bom trabalho, porque sempre vai soar insignificante. No entanto, seu poder é tão incrível que nada permanece em seu caminho – nem montanhas, nem rochas. Ao longo do tempo, a água vai esculpindo onde nós achávamos que jamais poderia ser esculpido. Entretanto ela tem ternura, gentileza, suavidade. É o sentimento mais suave, e pode destruir montanhas.

A falta de água já eliminou civilizações. No entanto a água tem um claro entendimento e senso de propósito. Vem do oceano, viaja através da terra, mas, sabe claramente seu destino. Sabe que tem um compromisso, um caso de amor com o oceano. Quando se funde com o oceano, sua identidade desaparece. Está despida de tudo o que era. Está em casa novamente. 

Por que estou lhes dizendo tudo isso? Como isso irá ajudá-lo? Porque você pode aprender a partir disso – sobre a paixão, o desejo, a vontade em sua vida. Você possui uma sede em si mesmo. Tem uma sede de plenitude, mas muitos não a reconhecem, pois têm medo. Por quê? Porque não sabem o que vai acontecer com eles. Têm algum conceito de que se realmente reconhecerem essa sede em suas vidas, poderão se tornar um vegetal, poderão se tornar irresponsáveis, ou serão incapazes de manter um trabalho.

O que você faz nesse mundo, você faz. Não tem nada a ver com sua paixão interior, porque isso jamais irá satisfazer essa paixão. São duas coisas diferentes.
Estou aqui lhe dizendo para escutar essa doce sede.

Como você pode não desejar a verdadeira paz em sua vida? Compreenda a paixão pela paz e pela satisfação em sua vida. Você tem estado sedento. Atire seu balde no poço. E quando esse balde estiver cheio, puxe-o de volta, e você terá uma recompensa. Sua recompensa será a satisfação.



Por Luiz às 11:20:41 | Comentários (0)
Intenções - 20/10/2009

“Você sabia que 80 a 90% das pessoas que “aceitam a Cristo” em cruzadas evangelísticas se desviam depois? O motivo de tudo isso tem sido um evangelho centrado no "homem" que é pregado nos púlpitos, nas TVs e nas casas, onde o bem-estar e a prosperidade tem se tornado “mais valiosos” que o próprio sangue de Jesus Cristo. A graça já não basta mais apesar dos “louvores e de O acharmos tão meigo. O que nós realmente queremos é “o segredo” para ser bem-sucedidos. Desejamos “uma vida com propósitos” para taparmos com uma peneira o vazio que sentimos, o vazio de um espírito morto que somente Deus pode ressuscitar. Ansiamos por “o melhor da nossa vida hoje” no lugar de tomarmos a nossa cruz e de negarmos a nós mesmos. Queremos conhecer “as leis da prosperidade” mais do que o Espírito de Santidade; e, para nos justificarmos, tentamos ser crentes auto-motivados e de alta performance, antes de sermos cristãos cuja alegria está em primeiro lugar Nele; e santos bem aceitos pelo mundo a despeito das Palavras de Jesus contrariar esse posicionamento.” 



Por Luiz às 18:39:49 | Comentários (0)
Estamos com fome de Amor (Arnaldo Jabor) - 14/10/2009

Uma vez Renato Russo disse com uma sabedoria ímpar: 'Digam o que disserem, o mal do século é a solidão'. 

Pretensiosamente digo que assino embaixo sem dúvida alguma. Parem pra notar, os sinais estão batendo em nossa cara todos os dias.

Baladas recheadas de garotas lindas, com roupas cada vez mais micros e transparentes, danças e poses em closes ginecológicos, chegam sozinhas. 

E saem sozinhas. 

Empresários, advogados, engenheiros que estudaram, trabalharam, alcançaram sucesso profissional e, sozinhos.

Tem mulher contratando homem para dançar com elas em bailes, os novíssimos 'personal dance', incrível. 

E não é só sexo não, se fosse, era resolvido fácil, alguém duvida? 

Estamos é com carência de passear de mãos dadas, dar e receber carinho sem necessariamente ter que depois mostrar performances dignas de um atleta olímpico, fazer um jantar pra quem você gosta e depois saber que vão 'apenas' dormir abraçados, sabe, essas coisas simples que perdemos nessa marcha de uma evolução cega. 

Pode fazer tudo, desde que não interrompa a carreira, a produção. 

Tornamos-nos máquinas e agora estamos desesperados por não saber como voltar a 'sentir', só isso, algo tão simples que a cada dia fica tão distante de nós. 

Quem duvida do que estou dizendo, dá uma olhada no site de relacionamentos ORKUT, o número que comunidades como: 

'Quero um amor pra vida toda!', 'Eu sou pra casar!' até a desesperançada 'Nasci pra ser sozinho!'   

Unindo milhares ou melhor milhões de solitários em meio a uma multidão de rostos cada vez mais estranhos, plásticos, quase etéreos e inacessíveis. 

Vivemos cada vez mais tempo, retardamos o envelhecimento e estamos a cada dia mais belos e mais sozinhos. 

Sei que estou parecendo o solteirão infeliz, mas pelo contrário, pra chegar a escrever essas bobagens (mais que verdadeiras) é preciso encarar os fantasmas de frente e aceitar essa verdade de cara limpa. 

Todo mundo quer ter alguém ao seu lado, mas hoje em dia é feio, démodé, brega. 

Alô gente! Felicidade, amor, todas essas emoções nos fazem parecer ridículos, abobalhados, e daí? Seja ridículo, não seja frustrado, 'pague mico', saia gritando e falando bobagens, você vai descobrir mais cedo ou mais tarde que o tempo pra ser feliz é curto, e cada instante que vai embora não volta. 

Mas (estou muito brega!), aquela pessoa que passou hoje por você na rua, talvez nunca mais volte a vê-la, quem sabe ali estivesse a oportunidade de um sorriso a dois. 

Quem disse que ser adulto é ser ranzinza? Um ditado tibetano diz que se um problema é grande demais, não pense nele e se ele é pequeno demais, pra quê pensar nele. 

Dá pra ser um homem de negócios e tomar iogurte com o dedo ou uma advogada de sucesso que adora rir de si mesma por ser estabanada; o que realmente não dá é continuarmos achando que viver é out, que o vento não pode desmanchar o nosso cabelo ou que eu não posso me aventurar a dizer pra alguém: vamos ter bons e maus momentos e uma hora ou outra, um dos dois ou quem sabe os dois, vão querer pular fora, mas se eu não pedir que fique comigo, tenho certeza de que vou me arrepender pelo resto da vida'. 

Antes idiota que infeliz!  



Por Luiz às 19:52:19 | Comentários (2)
Vulnerabilidade - 11/10/2009

“A ser honestos e abertos com nossos sentimentos, nos ajudará muito a aceitar que somos vulneráveis. Ser aberto significa ser vulnerável, ser capaz de sentir uma ofensa de outra pessoa. Se aceitamos nossa vulnerabilidade, estaremos aceitando que não somos perfeitos, que somos humanos e que podemos falhar. A verdade é que se pensarmos que somos defeituosos e nos rebaixarmos, podemos ser atacados ou criticados, mas não nos ferirão tão facilmente as outras pessoas. Sentirmo-nos ofendido é somente uma prova que somos vulneráveis e humanos. 

Nunca chegaremos a perdoar se persistirmos em que fomos ofendidos, feridos, e que nossa pobreza interior foi colocada à vista. 

Às vezes, nossos sentimentos crônicos se somatizam e encontram um lugar no corpo. Por exemplo: O stress, causado pela mágoa ou raiva ataca eventualmente o sistema imunológico. Os sentimentos podem manifestar-se em forma de dores de cabeça, crônicas, problemas digestivos, dores na coluna... Igualmente, quando a raiva e a mágoa não são liberadas, elas costumam manifestar-se em forma de medo, depressão, comportamentos agressivos, isolamento, fúria... 

A prática do perdão no dia a dia é uma boa defesa contra esses efeitos nocivos. 

Os sentimentos não podem ser controlados, mas sim podemos controlar a sua reação. 

A reagir positivamente diante dos nossos sentimentos nos ajudarão as seguintes forças interiores: 

a)  utilização da liberdade interior. Ainda que sejamos condicionados, a liberdade nos ajudará a nos determinarmos. 

b)  Não deixar-se levar pelo que se sente, pelos impulsos ou instintos, mas pela razão, pela responsabilidade e pelos valores. 

c)  O esforço pessoal. 

d)  As motivações. Muitas vezes reagimos, por exemplo, com medo ou ansiedade, por falta de motivação. Mas quando fazemos ou temos algo que nos entusiasma é mais fácil vencer o medo, a ansiedade, e demais sentimentos na hora de ter de enfrentar determinados problemas.”



Por Luiz às 21:52:55 | Comentários (1)
Um sentimento chamado paixão - 08/10/2009

“Quando se fala de paixão, frequentemente fazemos ligação com algo relacionado ao amor ou ao sexo. De alguma maneira, esta se caracteriza por nos impulsionar a realizar nossos mais profundos desejos.

De outra maneira muito particular, sabemos que a paixão também está relacionada à dor e ao sofrimento. Na história da humanidade, é conhecida a atitude d’Aquele que, por viver um profundo amor por cada um de nós, e ultrapassando todos os limites, viveu o extremo da sua paixão, entregando-se à morte.

Impulsionados pelo desejo intenso de alcançar um objetivo e presos à mágica do sentimento da paixão, também estaremos dispostos a viver o extremo de nossas escolhas. Quando estamos apaixonados, este sentimento faz disparar o coração, nos tira a fome e nos faz suspirar ao ouvir ou pronunciar o nome da pessoa amada, que nos atrai a atenção. Sem olhar o que teríamos de deixar para trás, troca-se horas por ricos segundos na companhia de quem nos encanta.

O sentimento de se estar apaixonado, deverá ser forte o bastante para propiciar o nascimento de um relacionamento duradouro. Tal qual a chama momentânea de um simples fósforo, a paixão deverá ser capaz de acender o “pavio” do verdadeiro amor. A paixão constrói e abre o caminho para firmar o germe do amor dentro do relacionamento a dois. Contudo, embora envolvidos completamente por este sentimento, não podemos perder de foco o interesse pelas descobertas dos valores e qualidades daquele (a) que nos faz sonhar, a fim de avaliar o futuro desse relacionamento.

Como que escondidos nas facetas da paixão, parecem estar os efeitos anestésicos de um desejo, que, muitas vezes, inibe nossa razão e minimiza nossa racionalidade. Seduzidos por uma inebriante atração e impulsionados pelo sentimento fugaz da paixão, podemos desejar nos arriscar a fazer coisas que poderiam trazer a destruição de outros fortes relacionamentos ou investir nossos esforços em uma relação sem futuro e sem esperança.

Às vezes, dispostos a romper os limites, quebrar nossos próprios conceitos ou sedados pelo desejo da paixão, poderíamos enveredar por caminhos sombrios, os quais teriam como consequência uma relação traumática para todas as pessoas envolvidas. Não estamos isentos de – por motivos adversos e dentro de algumas dificuldades momentâneas em nossos relacionamentos –, viver ou nos deixar conduzir por um permissivo desejo, criados a partir de fantasias e ilusões, acreditando que com uma outra pessoa nossa vida poderia ser diferente. E antes mesmo que sejamos totalmente tomados por tais desejos é necessária a retomada da lucidez, a qual poderá vir através da ajuda de alguém muito próximo de nosso convívio e de confiança em acolher a nossa partilha.

Numa situação assim, acredito ser necessário uma retomada urgente de atitudes, no sentido de resgatar os valores que foram os alicerces de nossos relacionamentos e de nossas responsabilidades. O amadurecimento e a integridade de quem nos aconselha poderão nos ajudar a ver e a reafirmar a importância de estabelecer nossos relacionamentos no amor verdadeiro, e não apenas no sentimento transitório da paixão.

Deus nos abençoe. Abraços”



Por Luiz às 20:59:14 | Comentários (0)
Bálsamo (Paulo Roberto Gaefke) - 07/10/2009

Tenha certeza, do amor que morreu, restará boas lembranças, que serão apagadas quando o novo amor chegar.

Do trabalho que você perdeu, restará experiências, que serão utilizadas no novo emprego. Do amigo que partiu, restará saudade, que com o tempo deixará de ser marca dolorida, e se transformará em lembrança gostosa de se ter. 

O parente adorado que morreu, hoje é dor profunda, com o tempo, com o inevitável passar dos dias, será a foto no armário, lembrança de finados, ou recordação de bons momentos vividos, felizes aqueles que se tornam inesquecíveis. 

A mãe que perdeu o filho é inconsolável, não existem palavras para amenizar a dor, para ela a história se inverteu, pois, ao invés dela, foi a sua cria que morreu, mas mesmo assim, Deus reservou-lhe, uma forma de amenizar tamanho sofrimento, é o passar dos dias, o próprio tempo, encarregado de transformar a dor sem piedade, em doce lembrança, e o que restou em saudade.

Não se desespere com a notícia de hoje, a serenidade e a confiança em Deus, são as bases para resolver o que se é possível resolver, e o que julgarmos impossível, entregue nas mãos Dele, a sua fé trará a resposta, antes mesmo do dia acabar.
Deus é Pai amoroso, não nos abandona nunca, nem mesmo em meio a maior dor, são as nossas lágrimas que escondem a sua face, mas Ele sempre está presente. Não desista de ser feliz. Jamais!



Por Luiz às 22:59:58 | Comentários (0)
Destaques na multidão - 03/10/2009

Como é possível se destacar no meio de uma multidão? A multidão é implacável! Geralmente quando estamos inseridos em uma, acabamos sendo levados por ela a fazer coisas que, por conta própria, não faríamos. É como quem está em um trem urbano que está lotado, se não possui algo em que se agarrar, acaba sendo levado pela multidão cada vez que o trem para em uma estação e seus passageiros saem. Ainda que aquela não seja a sua estação você sai involuntariamente levado pela maioria. Como podemos estar na multidão sem sermos, diretamente, a multidão? Temos que nos destacar no meio dela. 

Uma das maneiras de nos destacarmos é sermos maiores, ou superiores aos outros em alguma coisa e não ser parte da multidão.

Da mesma forma podemos buscar ser os melhores naquilo que fazemos. Existem muitas multidões nas quais estamos inseridos. Estamos nas multidões profissionais, afinal Quantos professores, advogados, economistas, psicólogos, existem no mundo? Multidões religiosas, pois quantos cristãos, mulçumanos, espíritas, existem? Podemos escrever linhas e linhas falando sobre muitas espécies de multidões que existem e que nós fazemos parte, mas a questão é: Estamos com a maioria, ou de alguma forma fazemos a diferença e com isso nos destacamos? Será que estamos buscando ser os melhores naquilo em que nos propomos a Ser ou fazer?

Quando conseguimos nos destacar na multidão deixamos de ser mais um e passamos a ser referencial para os demais que ainda se encontram na linha da mediocridade. Todos começam a nos observar, mirando em nós o alvo de seus avanços. Quem não quer se espelhar no melhor advogado? Ou no melhor professor? No entanto, ainda que possamos alcançar algum sucesso em nossa empreitada como destaque no meio da multidão, isso se torna passageiro quando descobrimos que mesmo que façamos o nosso melhor um dia surgirá alguém que faça melhor que nós. Perderemos com o tempo habilidades, força, nome, altura, surgirá quem se proponha a ser mais alto que nós e, então, seremos apenas um coadjuvante no ambiente. Temos que buscar nos aperfeiçoar em tudo que fazemos e em tudo o que somos. Não podemos nos acomodar onde já chegamos e pararmos na linha da mediocridade. Temos que buscar ser os melhores, mas não podemos esquecer que só um foi, é e será o maior, Jesus. O que conseguirmos fazer de melhor, um dia vai ser ultrapassado por alguém, nossos recordes um dia serão batidos, mas ninguém pode superar o que Deus faz através de nossas vidas. Sejamos os melhores, mas na força do melhor dos melhores , Jesus Cristo. (Baseado em texto de Cecílio C. Fernandes)



Por Luiz às 19:34:48 | Comentários (0)
O que é Apocalipse? - 28/09/2009

Podemos começar dizendo que apocalipse é uma palavra composta com um verbo e uma preposição gregos e significa “Revelação”. O verbo grego kalýpto significa cobrir, esconder, ocultar, velar. A preposição grega “apó” indica um movimento de afastamento ou retirada de algo que está na parte externa de um objeto.
Deste verbo deriva o substantivo feminino grego apokálypsis, revelação, apocalipse.
A palavra apocalipse vem do grego 'apocaluptein' que significa 'tirar o véu'; no sentido literal, uma re-velação.
O Livro do Apocalipse foi escrito por João. Em sua maioria, os estudiosos defendem que este era o apóstolo, mas há os que crêem ser este outro João. A data de sua escrita também causa controvérsias, pois os futuristas defendem que foi escrito durante o reinado de Domiciano(81-96 d.c), e os preteristas que foi escrito no império de Nero(54-68 d.c). Este é o Único livro do novo testamento que tem uma bênção ligada a sua leitura.(Ap 1:3)
Quatro Interpretações: Historicista – Idealista – Futurista - Preterista
Historicista
A interpretação historicista entende que o Apocalipse é um prenúncio da história universal e eclesiástica. Esse método é extremamente extenso, levando a inúmeras interpretações sobre os símbolos e os cumprimentos proféticos. O livro poderia fazer referência a muitos acontecimentos, que ocorreram na história ao longo dos últimos séculos.
Uma linha de interpretação historicista que se tornou muito comum é a dos reformadores, que identifica, na besta, o papado e, no falso profeta, a Igreja Romana.
Idealista
Também é conhecida como visão “espiritualista” do apocalipse, pois interpreta o livro de forma espiritual e simbólica somente. Esta corrente interpretativa entende que os fatos narrados por João, não aconteceram e nem acontecerão literalmente, mas nos servem como analogia de uma vida cristã de perseverança na fé, e que no final haverá a vitória do bem sobre o mal. Não entende o livro como sendo profético. Sua visão sobre o milênio é amilenista.
Futurista
O método futurista relaciona os símbolos e as profecias do Apocalipse com os acontecimentos do fim dos tempos, as últimas coisas. Tudo se encontraria no contexto da crise final que antecede a segunda vinda de Cristo. A besta seria um líder político que instauraria um governo mundial, exigindo a adesão de todos os povos. O falso profeta seria uma religião ou um movimento ecumênico que daria suporte espiritual ao governo do Anticristo. Dentro dessa linha interpretação surgiu e destacou-se o dispensacionalismo. Na linha dispensacionalista se acredita na literalidade da escritura profética e na distinção entre profecias feitas para Israel e profecias feitas à Igreja. Crêem que Cristo voltará ainda duas vezes, uma vez para arrebatar seus servos em um evento secreto pré-tribulacionista, e uma segunda vez com poder e glória para sobrepujar seus inimigos. Para esses, Cristo só estabelecerá seu Reinado no milênio. Em sua visão , Israel é o Povo de Deus insubstituível e a igreja um parêntese em seus propósitos. Sua visão quanto ao milênio é preponderantemente pré-milenista.
Preterista
Esta corrente busca interpretar o Apocalipse com base no seu contexto histórico. O simbolismo desse livro se relaciona predominantemente com os eventos contemporâneos a João (o autor) e às sete igrejas asiáticas (os destinatários). O seu cumprimento teria ocorrido na destruição de Jerusalém (no ano 70 d.C.) ou do Império Romano. Esta visão entende que o Reino de Deus foi instaurado na primeira vinda de Cristo e que todas as profecias de catástrofes feitas por João tinham como endereço a Jerusalém apóstata. Para os preteristas o foco principal do apocalipse é que Deus julgaria os judeus do primeiro século por rejeitarem e crucificarem Jesus. Eles diziam: “Crucifica-o!”, “Que seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos”. Em sua visão, Israel perdeu o posto de povo de Deus, agora a Igreja é a Noiva do Cordeiro. A visão sobre o milênio é preponderantemente pós-milenista.
Qual a visão de uma Igreja?
Uma Igreja que acredita no futuro tem que ser preterista!
Acreditar que o futuro começou! Jesus deu inicio a seu Reino na terra e tem como esposa a igreja, que foi desposada pelo Espírito Santo. Este a capacita a fazer as transformações que o mundo precisa. O Papel da noiva de Cristo não é esperar o arrebatamento, mas sim promover a restauração de todas as coisas, para que então a Parousia (segunda vinda de Cristo) aconteça.
“O qual convém que o céu o contenha até o tempo da restauração de todas as coisas”. Atos 3:21ª 



Por Luiz às 12:02:13 | Comentários (0)
Homenagem - 26/09/2009



Por Luiz às 19:10:45 | Comentários (7)
Nunca se justifique - 25/09/2009

 “Nunca se justifique para ninguém, porque a pessoa que gosta de você não precisa que você faça isso, e quem não gosta não acreditará.
Não deixe que alguém se torne uma prioridade em sua vida,
quando você é somente uma possível opção na vida dessa pessoa.
Relacionamentos funcionam melhor quando são equilibrados.
De manhã quando você acorda, você tem simplesmente duas opções: voltar a dormir e a sonhar ou levantar e correr atrás dos seus sonhos. A escolha é sua...
Nós fazemos chorar aqueles que cuidam de nós. Nós choramos por aqueles que nunca cuidam de nós. E nós cuidamos daqueles que nunca vão chorar por nós.
Essa é a vida, é estranho mas é verdade. Uma vez que você entenda isso, nunca será tarde demais para mudar.
Não faça promessas quando você estiver alegre. Não responda quando você estiver triste. Não tome decisões quando você estiver zangado. Pense duas vezes.... Seja esperto.
O tempo é como um rio. Você nunca poderá tocar a mesma água duas vezes, porque a água que passou nunca passará novamente. Aproveite cada minuto da sua vida...
Se você continuar dizendo que está ocupado, então você nunca estará livre. Se você continuar dizendo que não tem tempo, então você nunca terá tempo. Se você continuar dizendo que fará isso amanhã, então o amanhã nunca chegará.”



Por Luiz às 17:39:26 | Comentários (0)
Espiritualidade - 21/09/2009

“As pessoas imaginam que a espiritualidade significa meditar em Deus, banhar-se em águas sagradas e visitar santuários, mas esse não é o significado correto da espiritualidade. A espiritualidade consiste em destruir a natureza animal no homem e o despertar para sua consciência Divina. A espiritualidade pressupõe reconhecer que suas múltiplas capacidades emanam do Espírito, e não da mente, utilizando-as, então, para obter força espiritual. A espiritualidade significa reconhecer que todos os poderes vêm do Divino.”



Por Luiz às 13:47:58 | Comentários (0)
Sabedoria do Espírito - 19/09/2009

“Seu eu lhe pedisse alguns nomes de pessoas que você reconhece como autoridades, independentemente da área, seguramente você teria uma lista para me informar! Há vários nomes que poderiam ser ditos e sem dúvida foram grandes personagens, pois contribuíram de alguma forma para o progresso da humanidade. O que estas personagens disseram é 100% verdade ainda hoje? Será que aquelas grandes idéias não foram corrigidas ao longo dos anos?
As Palavras de Jesus Cristo não são assim. Muitos vêem Jesus como um profeta que teve um início e um fim. Para esses, Jesus Cristo é alguém que ensinou apenas uma parcela do que é necessário para a vida. Esse Jesus, o Cristo Ressurreto, é tão imensurável que o apóstolo Paulo (em sua carta aos Coríntios) nos ensina que está além da capacidade humana saber o que Jesus realmente significa e qual é a Sua completa importância.
Paulo era perseguidor dos "cristãos" por que não entendia quem era Jesus. Um dia Paulo teve uma experiência pessoal com o Senhor! Jesus se revelou e ele pôde reconhecê-lO como o "Cristo", o Filho de Deus.
Saiba que Jesus é o "Senhor da glória" e que o Seu reinado nunca terá fim, quer você goste ou não! Não existe outro caminho para a salvação da alma, pois Ele é o "único Fundamento" e foi instituído pelo próprio Deus! Fez-se homem, habitou entre nós, morreu na cruz pelas nossas falhas, tipificando o "Cordeiro do sacrifício". Esse é Jesus Cristo, Senhor e Salvador daquele que crê!
Jesus ressuscitou dentre os mortos se tornando o "destruidor da morte". Talvez você não entenda ou aceite, mas isso não se trata de uma teoria. Seja curioso, busque a verdade, questione por que algo tem sobrevivido tanto tempo e porque muitos dizem e são testemunhas vivas de que essa Palavra sobreviverá eternamente! Por que Ele é um marco na história? Como pôde um Homem deixar tantas marcas na humanidade? Que o Senhor Jesus Cristo abra o seu entendimento para que você não seja como aqueles "loucos" que chegaram a crucificar o "Senhor da glória".”



Por Luiz às 09:31:03 | Comentários (0)
Olha devagar - 16/09/2009

"Olha devagar para cada coisa. Aceita o desafio de ver o que a multidão não viu. Em cascalhos disformes e estranhos, diamantes sobrevivem solitários."



Por Luiz às 12:17:41 | Comentários (0)
Não perca a Confiança - 14/09/2009

Não perca a confiança em ti mesmo. Deixar de acreditar nos recursos próprios é recusar-se a caminhar e progredir. O processo de aprendizagem solicita embates e desajustes, decepções e problemas, pelos quais a alma pode burilar-se durante a nossa caminhada.

Egoísmo é pedra embrutecida no coração. Toda solução de um problema, às vezes é convite para compreensão e aceitação no espelho do tempo que deverá refletir a imagem do bem.

Sem dificuldade não há vitória.

Sem estudo não há sabedoria.

E sem paciência para contigo mesmo, não será plantada a semente da esperança de um futuro melhor no terreno do coração.

Esqueça toda a mágoa, toda a ofensa ou o sarcasmo endereçado por outros que buscam diminuir-te, porque os tolos necessitam achar-se melhores ou maiores que os outros, mas como afirmou Jesus, o maior será aquele que se fizer menor. Jamais deixe de confiar em ti mesmo, no poder de teu sorriso, na capacidade de tua palavra, ou na realização de tuas ações, porque onde estejas, Deus também espera muito de ti.



Por Luiz às 00:01:34 | Comentários (0)
A viagem - 08/09/2009

De alguma forma de todas as viagens voltamos diferentes. Quando uma pessoa vai viajar, ela pode esperar algumas coisas com alguma certeza. Outras, com toda certeza e outras virão como surpresa. Outras ainda, colocam o viajante em novos lugares, nunca encontrados antes e ele se torna então um pioneiro de si mesmo. Todas as viagens são cheias de surpresas onde há mudanças de cenário e de pessoas e momentos para crescimento.
Se o viajante é do tipo que se motiva com a busca da sabedoria ele a procura em sua viagem, sabendo que pode ultrapassar os seus limites, saindo de onde está.
Ele se empenha na preparação, em colher informações sobre a jornada a ser feita, sobre as condições do caminho, do clima e que tipos diversos de pessoas ele poderá encontrar. Da mesma forma, conversa com pessoas que retornaram de viagens semelhantes e se lembra de jornadas passadas e principalmente do aprendizado que teve nelas.
Feitos então os preparativos, o viajante parte excitado, percebendo cada mudança e detalhe no terreno... no clima... na vegetação... hábitos dos animais... e costumes dos lugares que visita. Como é inevitável, põe todos estes fatores na malha de sua compreensão que dali sairão como memórias, crescimento pessoal e reservas para o enriquecimento de sua vida.
Não importa o que você encontre ou ache: destas viagens você volta mais apto a experienciar o mundo de um jeito novo. Novos espaços e trilhas foram abertos, novas ferramentas descobertas pois você aprendeu a viver melhor e a vencer de uma forma que ainda não conhecia.
Arrumar as malas com economia de espaço e movimentos, buscando maior conforto na viagem. E de volta, saberá que pode permanecer ali e apreciar sua participação naquele mundo antigo, agora já mudado e mais enriquecido; ou talvez partir para novas viagens, aprendendo que mais caminhos podem ser aprendidos, infinitamente partindo... chegando... e partindo de encruzilhadas multiplicadas a cada fim ou começo, sem que haja um último degrau ou uma última encruzilhada.
E terá fundado uma sabedoria confiante e cuidadosa, transformada em ensinamentos úteis, histórias a serem contadas... pois nós somos os ancestrais do futuro... (Traduzido
e adaptado do livro Practical Magic) 



Por Luiz às 19:14:27 | Comentários (0)
Novos começos - 04/09/2009

“Novos começos são bênçãos maravilhosas de Deus. Estão cheios de promessas, livres dos problemas e cheios de potencial.
Cada dia é uma nova oportunidade de fechar a porta do passado e experimentar um novo tipo de começo. Mesmo o fato que Deus dividiu os dias em segmentos de 24 horas é evidência que nós precisamos começar sobre uma base regular. Há sempre um novo dia, um novo mês e um novo ano. Mas para que nós façamos um bom uso desses novos começos, nós precisamos fazer a decisão de fazer assim. Que hora melhor para decidir do que agora.
Talvez você tenha se esforçado com a depressão, raiva ou amargura. Ou possivelmente você está como eu estava – você foi queimado (a) pelos relacionamentos passados e circunstâncias, e você ainda está conduzindo em torno das cinzas. Estes são os machucados profundos de antigos ferimentos que jamais foram curados. Por anos eu acreditei na abundante vida que Deus me prometeu, mas eu não estava disposto a desistir das cinzas do meu passado em troca disto. Minhas cinzas consistiam de coisas como ódio, amargura e falta de perdão para pessoas que me machucaram, tão bem quanto uma atitude negativa, murmuração e dó de mim mesmo. O que está na sua pilha de cinzas?
 Você está batalhando com culpa e condenação? Você se sente mal sobre alguma coisa que você fez anos atrás ou algo que aconteceu ontem? Não importa quanto tempo se passou, o passado é ainda o passado. O que é feito é feito, e somente Deus pode cuidar disto agora. Nossa parte é admitir nosso erro, arrepender, receber o perdão de Deus, e seguir em frente. Em Lamentações 3:22, o profeta Jeremias nos encoraja com as novas de que a misericórdia de Deus é nova cada manhã. Estou tão feliz que Deus enviou uma nova fornada de misericórdia diária – nós podemos decidir a ter um novo começo cada dia!
Se forem feridas antigas, debatendo-se com culpa e condenação, ou somente áreas da sua vida que gostaria de ver mudanças, eu acredito que uma revisão interior agitará uma expectativa em você para as boas coisas que Deus tem no horizonte da sua vida. Como você vai começar agora, escolha esperar o melhor. Isaias 30:18 diz, E consequentemente o Senhor (seriamente) esperará, olhará e ansiará por ter misericórdia de você; e consequentemente Ele se levantará,  naquilo que Ele possivelmente tiver misericórdia em você e mostrar amor bondoso com você...
Por que não deixar a partir de agora que você decidirá escalar para fora da dor e dos problemas do seu passado, e insistir no futuro brilhante que Deus planejou para você? Dê boas vindas a este Novo Período com uma decisão de liberar sua fé para o presente de Deus de um novo começo, e focar nos Seus bons planos para o seu futuro. Se empolgue com o fresco começo que Deus tem para você!
Feliz Novos Começos!”



Por Luiz às 19:21:00 | Comentários (0)
Harmonia das diferenças - 31/08/2009

Você já pensou que o nosso grande problema, nas relações pessoais, é que desejamos que os outros sejam iguais a nós?
Em se falando de amigos, desejamos que eles gostem exatamente do que gostamos, que apreciem o mesmo gênero de filmes e música que constituem o nosso prazer.
No âmbito familiar, prezaríamos que todos os componentes da família fossem ordeiros, organizados e disciplinados como nós.
No ambiente de trabalho, reclamamos dos que deixam a cadeira fora do lugar, papel espalhado sobre a mesa e que derramam café, quando se servem.
Dizemos que são relaxados e que é muito difícil conviver com pessoas tão diferentes de nós mesmos. Por vezes, chegamos às raias da infelicidade, por essas questões.
E isso nos recorda da história de um menino chamado Pedro. Ele tinha algumas dificuldades muito próprias.
Por exemplo, quando tentava desenhar uma linha reta, ela saía toda torta.
Quando todos à sua volta olhavam para cima, ele olhava para baixo. Ficava olhando para as formigas, os caracóis, em sua marcha lenta, as florzinhas do caminho.
Se ele achava que ia fazer um dia lindo e ensolarado, chovia. E lá se ia por água abaixo, todo o piquenique programado.
Um dia, de manhã bem cedo, quando Pedro estava andando de costas contra o vento, ele deu um encontrão em uma menina, e descobriu que ela se chamava Tina. E tudo o que ela fazia era certinho.
Ela nunca amarrava os cordões de seus sapatos de forma incorreta nem virava o pão com a manteiga para baixo.
Ela sempre se lembrava do guarda-chuva e até sabia escrever o seu nome direito.
Pedro ficava encantado com tudo que Tina fazia. Foi ela que lhe mostrou a diferença entre direito e esquerdo. Entre a frente e as costas.
Um dia, eles resolveram construir uma casa na árvore. Tina fez um desenho para que a casa ficasse bem firme em cima da árvore.
Pedro juntou uma porção de coisas para enfeitar a casa. Os dois acharam tudo muito engraçado. A casa ficou linda, embora as trapalhadas de Pedro.
Bem no fundo, Tina gostaria que tudo que ela fizesse não fosse tão perfeito. Ela gostava da forma de Pedro viver e ver a vida.
Então Pedro lhe arranjou um casaco e um chapéu que não combinavam. E toda vez que brincavam, Tina colocava o chapéu e o casaco, para ficar mais parecida com Pedro.
Depois, Pedro ensinou Tina a andar de costas e a dar cambalhotas.
Juntos, rolaram morro abaixo. E juntos aprenderam a fazer aviões de papel e a fazê-los voar para muito longe.
Um com o outro, aprenderam a ser amigos até debaixo d’água. E para sempre.
Eles aprenderam que o delicioso em um relacionamento é harmonizar as diferenças.
Aprenderam que as diferenças são importantes, porque o que um não sabe, o outro ensina. Aquilo que é difícil para um, pode ser feito ou ensinado pelo outro. É assim que se cresce no mundo. Por causa das grandes diferenças entre as criaturas que o habitam.
 
*** 
 A sabedoria divina colocou as pessoas no mundo, com tendências e gostos diferentes umas das outras.
Também em níveis culturais diversos e degraus evolutivos diferentes.
Tudo para nos ensinar que o grande segredo do progresso está exatamente em aprendermos uns com os outros, a trocar experiências e valorizar as diferenças.


Por Luiz às 20:23:15 | Comentários (0)
O que fazer quando não temos saída? (Joyce Meyer) - 24/08/2009

Quando nos sentimos encurralados, é muito importante saber como reagir a isso corretamente. Nossa primeira linha de defesa deve sempre ser a oração. O momento de orar não é quando já esgotamos todas as outras possibilidades e opções. O momento de orar é AGORA – a qualquer momento, em qualquer lugar e sobre qualquer coisa. (12) Podemos agradecer a Deus por suas bênçãos, glorificá-lo por sua fidelidade e louvá-lo por quem ele é. Se estamos muito envolvidos e não sabemos o que orar, podemos orar em Espírito. Algumas vezes a única oração que conseguimos fazer com muito esforço é, “Ajude-me!”, mas está bom assim. Deus conhece nosso coração e se preocupa com o que estamos passando. (13) 

Entenda que oração abre as portas para que Deus entre e comece a trabalhar. Também mostra ao Senhor que estamos humildemente crendo e descansando na ajuda dele. Eu creio que uma das melhores formas que temos para orar é usando versículos da Palavra. 

Isaías 62:6 diz: “sobre os teus muros, ó Jerusalém, pus guardas, que todo o dia e toda noite jamais se calarão (não estarão em silêncio); vós (os que são seus servos) os que fareis lembrado o Senhor (e suas promessas), não descanseis...”. O significado disso é que temos que respeitosamente lembrar do Senhor e de tudo que ele fez e falou em sua Palavra. Porque a Bíblia diz que Deus está ativamente em alerta cuidando para o cumprimento de sua Palavra. (14) 

Outra atitude que precisamos tomar é parar de fazer um inventário de tudo o que não temos. E isso significa que precisamos evitar falar coisas como “eu não tenho dinheiro... eu não tenho nenhum ‘conhecimento’ nesta área...” ou “eu não tenho ninguém para me ajudar”. Eu aprendi que tudo o que preciso para ser bem sucedido é ter Deus ao meu lado. Não devemos medir isso pela quantidade de dinheiro que temos no banco, quanta educação eu adquiri, ou quantas pessoas estão em meu círculo de influência. Precisamos focar no suprimento ilimitado do Deus a quem servimos. El Shaddai – o Deus provedor, irá nos dar o que precisarmos no momento em que precisarmos. 

Só mais um pouco – já estamos chegando ao final! 

Para concluir, quero deixar com você um pouco do que acredito. São quatro versículos dos mais encorajadores das Escrituras: “Tudo vai passar”. Todas as situações que estamos vivendo neste momento vão passar, não ficaremos na situação atual pra sempre. Deus é bom e está no controle. Ele sabe quantos fios de cabelo tem em sua cabeça e recolhe todas as suas lágrimas. (15) Ele tem profundo conhecimento do que você passou, do que você está passando e do que ainda irá passar. 

Somente por você não conseguir ver uma saída, não significa que ela não exista. As promessas de Deus para nós é que em todas as provas ele proverá (sempre) uma saída, para que você seja capaz, forte e poderoso para suportar a situação pacientemente até o final. (16) 

Se você está tentando entender o que Deus vai fazer para as coisas acontecerem, eu quero lhe incentivar a parar. Ao invés disso, relaxe. Entregue-se aos cuidados de Deus e viva a vida um dia de cada vez. (17) Quando você sentir que as coisas estão fora do controle, abra sua boca e diga: “Deus, eu preciso de ti. Eu entrego esta situação em tuas mãos. Não sei como o Senhor irá fazer para solucionar, mas eu não preciso saber. O Senhor já fez isso antes e sei que pode fazer novamente. Dá-me de tua graça e paz. Não importa quão loucas as coisas pareçam, eu não irei preocupar. Sei que tu estás no controle”.

 (12) Ler Efésios 6:18. (13) Ler Hebreus 4:15. (14) A Bíblia, Jeremias 1:12. (15) Ler Lucas 12:7; Salmos 56:8. (16) A Bíblia, I Coríntios 10:13. (17) Ler Mateus 6:34.(12) Ler Efésios 6:18. (13) Ler Hebreus 4:15. (14) A Bíblia, Jeremias 1:12. (15) Ler Lucas 12:7; Salmos 56:8. (16) A Bíblia, I Coríntios 10:13. (17) Ler Mateus 6:34.



Por Luiz às 17:55:44 | Comentários (0)
Força para prosseguir! - 20/08/2009

“Porque este é o amor de Deus, que guardemos os seus mandamentos; ora, os seus mandamentos não são penosos, porque tudo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé."
(I João 5.3-4)
  
Geralmente nos filmes de artes marciais a luta final é angustiante. Quase que invariavelmente o “mocinho” sempre começa apanhando (perdendo)! O “bandido” (vilão), visivelmente mais forte e assustador, está para desferir o golpe final e o quadro se reverte. No desenho do Popeye e do Brutus, o famoso "espinafre" faz a diferença e torna o “mocinho”  bem mais poderoso que seu oponente. Os "problemas", nos programas de TV, têm a aparência de serem indestrutíveis, até que um milagre aconteça. E o milagre normalmente é como o "espinafre" do Popeye, do nada, tudo se transforma! Qual é o "espinafre" que renova as suas forças no dia-a-dia?
O mundo hoje tenta difundir um escape pelos métodos de auto-ajuda, insistindo na questão de que o necessário está dentro de você, mas quando vamos para a Bíblia encontramos uma orientação que é completamente diferente. Muitos desistem e não conseguem trilhar na direção que Deus propõe, se dizem fracos! Mas se a Palavra de Deus não é "espinafre" na sua vida, que recurso você pode usar no seu dia-a-dia? De onde você pode tirar forças para poder continuar?
Visivelmente os desafios que nos aguardam são "mais fortes e assustadores"! Apesar desta natural condição humana a Bíblia afirma: "Até os jovens se cansam e se fatigam, e os jovens tropeçam e caem, mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças. Subirão com asas como águias; correrão e não se cansarão, caminharão e não se fatigarão" (Isaías 40.30-31).
Quando alguém assume o desejo de andar com Jesus, o mundo se manifesta de uma maneira assustadora, pois afinal de contas está perdendo um filho. Diante disso, meu amigo, o que me emociona e me motiva, o meu "espinafre", está na certeza de que Deus está comigo, pois Ele disse: "Tudo o que o Pai Me dá virá a Mim; e o que vem a Mim de maneira nenhuma o lançarei fora" (João 6.37). Não é qualquer um que disse  isso, não é uma literatura que está sujeita a uma época, mas é Aquele que tem as chaves da vida e da morte em Suas mãos, é Aquele que não conhece a derrota!
Tudo bem, eu admito que esse "caminho" é estreito e apertado, é difícil de ser trilhado, mas aquele a quem Deus chama, Ele também capacita, respalda e supre. Alguns acham que podem conseguir esse poder aproveitando o melhor dos dois mundos, mas somente uma vida nos conformes de Cristo, uma vida de fé, nAquele que é vitorioso, pode tornar-nos participante desta vitória. A porta está diante de nós, abrí-la depende de um ato de fé! Vamos lá, creiamos no Senhor Jesus.



Por Luiz às 22:24:15 | Comentários (0)
Um problema - 19/08/2009

Um grande sábio possuía três filhos jovens, inteligentes e consagrados à sabedoria.
Em certa manhã, eles altercavam a propósito do obstáculo mais difícil de vencer no grande caminho da vida.
No auge da discussão, prevendo talvez consequências desagradáveis, o genitor benevolente chamou-os a si e
confiou-lhes curiosa tarefa.
Iriam os três ao palácio governante, conduzindo algumas dádivas que muito lhes honraria o espírito de cordialidade e gentileza.
O primeiro seria o portador de rico vaso de argila preciosa.
O segundo levaria uma corça rara.
O terceiro transportaria um bolo primoroso da família.
O trio fraterno recebeu a missão com entusiástica promessa de serviço para a pequena viagem de três milhas; no entanto, a meio do caminho, principiaram a discutir.
O depositário do vaso não concordou com a maneira pela qual o irmão puxava a corça delicada, e o responsável pelo animal dava instruções ao carregador do bolo, a fim de que não tropeçasse, perdendo o manjar: este último aconselhava o portador do vaso valioso, para que não caísse.
O pequeno séquito seguia, estrada afora, dificilmente, entretanto cada viajante permanecia atento a obrigações que diziam respeito aos outros, através de observações acaloradas e incessantes.
Em dado momento, o irmão que conduzia o animalzinho, a fim de consertar a posição da peça de argila nos braços do companheiro, e o vaso, com as inquietações de ambos, escorrega, de súbito, para espatifar-se no cascalho poeirento. Com o choque, o distraído orientador da corça perde o governo do animal, que foge espantado, abrigando-se em floresta próxima.
O carregador do bolo avança para sustar-lhe a fuga, internando-se pelo mato a dentro, e o conteúdo de prateada bandeja se perde totalmente no chão. Desapontados e irritados, os três rapazes tornam à presença paterna, apresentando cada qual a sua queixa e a sua derrota.
O sábio, porém, sorriu e explicou-lhes:
Aproveitem o ensinamento da estrada. Se cada um de vocês estivesse vigilante na própria tarefa, não colheriam as sombras do fracasso.
O mais intrincado problema do mundo, meus filhos, é o de cada homem cuidar dos próprios negócios, sem intrometer-se nas atividades alheias.
Enquanto cogitamos de responsabilidades que competem aos outros, as nossas viverão esquecidas.



Por Luiz às 00:59:24 | Comentários (0)
Não seja hipócrita (Mário Lucio do Nascimento) - 15/08/2009

...quem ouve estas minhas palavras e não as pratica é como um insensato que construiu a sua casa sobre a areia (Mt 7.26).

“Se você chamar um ator de grande hipócrita não seria uma ofensa. Na verdade a palavra hipocrisia é a definição clássica do trabalho de um ator. Hipocrisia na língua original, que é o grego, quer dizer: representação, encenação.
A hipocrisia não é usada somente no teatro, ela é muito comum na vida religiosa; na tentativa de causar danos a outros; e para escapar da culpa e da condenação. Até por benefícios mais leves o fingimento ou a arte teatral chamada hipocrisia é usada para obter vantagens. Muitas pessoas fingem, encenam algum tipo de enfermidade para ganhar beneficios do seguro. Alguns maridos ou esposas, às vezes encenam um cansaço para receber benefícios e carinhos. A hipocrisia, o fingimento, a palavra não verdadeira jamais passou pela boca de Jesus. Vamos ler o que Jesus falou sobre a hipocrisia religiosa:
"Quando você der alguma coisa a um necessitado, não fique contando o que fez, como os hipócritas fazem nas casas de oração e nas ruas. Eles fazem isto para serem elogiados quando vocês orarem, não sejam como os hipócritas. Eles gostam de orar em pé nas casas de oração e nas esquinas das ruas para serem vistos por todos. Quando jejuarem, não façam uma cara triste como os hipócritas, pois eles fazem isto para todos saberem que estão jejuando. Cuidado com o fermento dos fariseus, isto é, com a hipocrisia deles. Pois eu afirmo que vocês só entrarão no Reino do céu se, ao fazerem a vontade de Deus, forem mais fiéis..." (Mt 6.2,5,16; 5.20 e Lc 12.1)
A hipocrisia religiosa tem objetivos específicos: quando o hipócrita conta o bem que fez ele quer ser elogiado e reconhecido como bondoso; quando ora fervorosamente, demonstrando uma autoridade que não possui, deseja a fama, ser visto e procurado por todos; quando jejua, o hipócrita quer que todos saibam do seu esforço e da sua santidade. Na hipocrisia não há nada oculto, tudo é uma exposição, principalmente a fé.
A religiosidade aparente, ou melhor, o bem encenado, dá uma certa segurança ao religioso e às pessoas que convivem com ele. Porém, Deus despreza o hipócrita. Por mais espiritual que seja a encenação, a vida e a fé não são peças teatrais. Lembre-se, Deus julgará você, o seu coração, os seus propósitos e os seus desejos e não o que você exibe em público. Considere o não seja hipócrita de Jesus como uma ordem a ser obedecida imediatamente. Não seja um ator religioso. Não seja hipócrita! Não tenha vergonha de pedir que Deus ajude você a ser autêntico na fé, nas atitudes, no amor ao próximo e nas palavras. Principalmente nas suas limitações. Deus o abençoe.
Deus já tem escrita uma série de boas obras para você vivê-las, não permita que a hipocrisia religiosa o afaste do que Deus escreveu.”



Por Luiz às 21:52:44 | Comentários (0)
Os sentidos (Sathya Sai Baba) - 13/08/2009

“A santificação dos cinco sentidos é o caminho para a Verdade. Se os sentidos estão poluídos, quais são os benefícios das práticas espirituais? Quando a água em um tanque está poluída, todas as torneiras terão somente água poluída. Seu coração é o tanque. Quando o coração está poluído, os sentidos estão destinados a estarem sujos. Quando o coração está cheio de pensamentos e sentimentos bons, tudo o que surge dos sentidos - sua fala, sua visão, suas ações - será puro. O segredo da sabedoria espiritual não é conseguido através de estudiosos ou de estudo. A compreensão espiritual só pode vir do domínio dos sentidos.”



Por Luiz às 22:49:46 | Comentários (0)
O sucesso - 10/08/2009

“É voz corrente que o sucesso transforma para pior as pessoas. Que os bem-sucedidos se tornam arrogantes, prepotentes e indiferentes. Em alguns casos, isso, de fato, ocorre, mas está longe de ser a regra. É mera exceção. Quem age assim, é bem-sucedido por pouco tempo. Não tarda para que despenque da sua arrogância. Seu sucesso é parcial e transitório. O fracassado, sim, é perigoso. Alimenta antagonismos, mágoas e ressentimentos e busca derrubar todos que vê pela frente. Por isso, sou levado a concordar com Sommerset Maugham, quando constata: “A idéia de que o sucesso deteriora as pessoas, fazendo-as vaidosas, egoístas e complacentes consigo próprias é errônea. Ao contrário, para a maioria delas, torna-as modestas, tolerantes e gentis. O fracasso é que faz as pessoas cruéis e amargas”. Apostemos, pois, no sucesso e saibamos saboreá-lo, sempre, com humildade, tolerância e gentileza e, principalmente, sem acomodação”.



Por Luiz às 21:02:15 | Comentários (0)
Amanhecer - 05/08/2009

Quero nascer de novo em cada dia que nasce.

Quero ser outra vez novo, puro, cristalino. 

Quero lavar-me, cada manhã, do ser humano velho, da poeira velha, das palavras gastas, dos gestos rituais.

Quero reviver a primeira manhã da criação, o primeiro abrir dos olhos para a vida. 

Quero que cada manhã, a alma desabroche do sono como a rosa do botão, e surja, como a aurora do oceano, ao sorriso dos teus lábios, ao gesto de tua mão. 

Quero me engrinaldar para a festa renovada com que cada dia nos convidas e desdobrar as asas como a águia em demanda do sol. 

Quero crer, a cada nova aurora, que esta é a definitiva, a do encontro com a felicidade, a da permanência assegurada, a de teu sim definitivo.  

 


"O bem que praticares em algum lugar é teu advogado em toda parte."
 (Francisco Cândido Xavier )

 

 



Por Luiz às 13:29:16 | Comentários (0)
"Matar o tempo" - 03/08/2009

“Quase tudo na vida é relevante e necessário, desde que na medida certa. Trabalhar, por exemplo, é indispensável, pois é no trabalho que nos realizamos e cumprimos nosso papel no mundo. Quando se descamba para o exagero, o que era virtude se transforma em vício. Descanso e lazer são fundamentais, pois até as máquinas precisam de repouso para não se desgastar. Mas há limite. O que é inconcebível é o desperdício de tempo. É de extrema tolice passar horas e horas em conversas inúteis, que nada acrescentam, com o umbigo grudado no balcão de um bar, se afogando em bebida. O segredo, na vida, está, pois, na moderação. Para o desperdício dessas horas e mais horas, o povo até cunhou uma expressão pitoresca: “matar o tempo”. Ocorre que, na verdade, é este que nos mata. Henry David Thoreau, um dos maiores ensaístas de todos os tempos, escreveu: “Quem mata o tempo injuria a eternidade”. E eu acrescento: é candidatíssimo ao fracasso!”



Por Luiz às 20:02:16 | Comentários (0)
Mágica opção - 29/07/2009

Apareceu num programa de televisão, onde eram entrevistadas pessoas idosas, convidadas a falar sobre a velhice. Tinha setenta e cinco anos, mas aparentava sessenta, espirituoso, bem disposto, dono de uma incrível jovialidade.
- Nunca me senti velho. O corpo já não tem a mesma vitalidade; não raro há "grilos" de saúde, o que é natural. Trata-se de uma máquina. Embora eu cuide bem dela, vai se desgastando... Mas o "motor" está ótimo, nos dois sentidos: bombeia, incansável e eficientemente o sangue, sem "ratear", e se mantém permanentemente enamorado de encantadora donzela - a Vida ! Por isso, intimamente, sinto-me um eterno jovem. Nunca experimentei o "peso dos anos" ou a angústia de envelhecer. Cada dia é uma nova aventura e eu aproveito integralmente...
- Qual é a fórmula para essa perene juventude emocional, essa esfuziante alegria?
- pergunta, admirado, o entrevistador.
- Elementar, meu filho. Toda manhã, quando eu desperto, digo para mim mesmo:
"Você tem duas opções, neste dia:
ser feliz ou infeliz."
Como eu não sou tolo, escolho a primeira.
Simples, não ?
As pessoas felizes vivem neste mesmo mundo de expiações e provas. Sofrem, lutam, enfrentam problemas e dificuldades, dores e atribulações, enfermidades e desgastes, como toda gente. No entanto, optaram pela Felicidade, superando a velha tendência humana de autocomiseração; o masoquismo de autoflagelar-se com uma visão pessimista e desajustada da existência, o cultivo voluptuoso da mágoa...
Felicidade, como ensina a sabedoria popular, não é uma estação na jornada humana. Trata-se de uma maneira de viajar. Independendo dos favores da existência, subordina-se, fundamentalmente, ao que fazemos dela.



Por Luiz às 18:01:56 | Comentários (1)
Valorizar - 27/07/2009

“Temos que valorizar os dias calmos e luminosos, cheios de sol e de luz, aos quais, na maioria das vezes, sequer atentamos. Essa contemplação, com o espírito leve e solto, é poderoso antídoto para as preocupações, correrias e dramas do cotidiano. Pela manhã, ao despertar, agradeça, antes de tudo, a Deus, pela oportunidade de viver um novo dia. Abra sua janela e deixe o sol entrar. Inspire o ar da manhã. Cante, se lhe der vontade. Antes de sair para o trabalho, tire um minuto que seja para contemplar o céu azul, as árvores iluminadas e as flores, com sua multiplicidade de formas e cores. A vida, certamente, irá adquirir novo encanto, ante esse gesto tão simples, corriqueiro e banal. As dificuldades do cotidiano lhe parecerão menores e mesquinhas. Cecília Meirelles afirmou, certa ocasião: “A doçura maior da vida flui na luz do sol. Até urubus são belos no largo círculo dos dias sossegados”. E não são?!!! Valorize a vida.”

 
200.000
Quero aproveitar este texto e com muito orgulho, anunciar que o "Guerreiro da Luz" ultrapassou a barreira das 200 mil visitas. 
Não há como deixar de agradecer a todos os leitores que contribuiram e ainda contribuem para a evolução deste espaço.


Por Luiz às 17:49:13 | Comentários (3)
A oração - 24/07/2009

“A oração, seja qual for nossa crença, para ser válida e eficaz, tem que ser uma “conversa” franca, honesta e constante com Deus. Não deve se restringir a momentos críticos da nossa vida, quando precisamos de socorro de quem está acima de tudo e de todos. Também não pode se limitar a pedidos, mas deve incluir agradecimentos pelos bens que nos são concedidos, como a vida, a saúde, a amizade, o amor etc. Se atentarmos bem, temos muito mais a agradecer do que a rogar. Há quem faça da oração uma espécie de “chantagem” com Deus. Muitos prometem mundos e fundos caso tenham algum pedido atendido. Não é por aí. George Bernard Shaw, célebre por suas tiradas, não raro irônicas, escreveu: “A gente comum não ora, apenas pede”. Só tenho uma restrição a fazer às declarações do eminente autor de “Pigmalião”. Não é apenas gente comum que age assim e deixa de orar, para se limitar a pedir. Diria que a maioria tem essa atitude.”(Pedro J. Bondaczuk)



Por Luiz às 19:33:38 | Comentários (1)
Rumo certo! - 21/07/2009

Em várias situações no cotidiano de nossas vidas, podemos perceber o quanto é ilusório cumprir ou satisfazer desejos de coisas más e proibidas neste nosso mundo. Diante da degradação da sociedade nós nos sentimos oprimidos. Sentimos como se houvesse a tentativa de forçar-nos a participar e aquele que não participa das coisas que o mundo oferece, é excluído, e o desejo de manter relacionamentos, posições, certo status, nos levam a participar de coisas "más e proibidas". Ou será que com você isso não acontece?
Acredito que Deus quer o melhor para nossa vida! O caminho que o mundo oferece só leva a um "beco sem saída". Há algum sentido nisso para você? "Não imite a conduta e os costumes deste mundo, mas seja uma pessoa nova e diferente, mostrando uma sadia renovação em tudo quanto faz e pensa. E assim você aprenderá, de experiência própria, como os caminhos de Deus realmente satisfazem você .”
Não é nada fácil renunciar a tudo quanto o mundo oferece, porque os nossos próprios desejos nos lançam a essas propostas, mas o que fazer então? Somente uma obediência em um Ser Superior pode nos livrar da escravidão do mal.
Jesus também passou por momentos de desânimo! Momentos antes de ser levado preso, Ele pediu a Deus que, se fosse possível, o livrasse dessa terrível morte, mas concluiu manifestando "Seu desejo maior" em ser obediente.
Muitas vezes, as escolhas em seguir o bem, não nos fará uma pessoa livre de dificuldades, por isso Jesus disse para tomarmos nossa cruz e o segui-LO, assim como Ele fez obedecendo a Deus até o fim. Mas que loucura é essa? Pois é, renunciar as facilidades, essas coisas tão prazerosas, parece ser como a morte. Mas procure se lembrar do que aconteceu depois com Jesus, Ele foi glorificado pelo Pai!
Ninguém que decida em seu coração fazer a vontade de Deus, ficará no vazio. Deus, no tempo certo, honrará você! Lembre-se, Jesus preferiu seguir em obediência no propósito de salvar-nos, do que agradar a Si mesmo. Ele renunciou o próprio sangue.
Acredite com convicção, esse Jesus que deu Sua própria vida, não te deixará sem esperança. Ele renovará suas forças dia após dia, se você decidir andar com Ele, ainda que diante de todas as dificuldades. Os problemas podem até ser maiores do que você, mas não é maior do que Aquele que tem as chaves da morte e da vida em Suas mãos. Só Jesus pode te fazer experimentar um novo motivo para continuar vivendo.



Por Luiz às 18:12:03 | Comentários (1)
Quem tem fé - 19/07/2009

"Quem tem fé, nunca dá uma batalha por perdida, por mais que pareça que não haja mais salvação. Por mais escura que seja a noite, acredita que logo haverá muita luz para guiar os seus passos, com segurança e firmeza, rumo aos seus objetivos. Quando tudo parece irremediavelmente perdido, acredita, sem titubear um só instante, numa reversão de expectativas e não duvida, em momento algum, do sucesso. E, por acreditar de forma tão absoluta na superação dos obstáculos, via de regra tende a reverter situações aparentemente irreversíveis e a alcançar, de fato, a pretendida vitória. O poeta Rabindranath Tagore criou uma bela metáfora a respeito, num inteligente verso, que diz: “Fé é o pássaro que sente a luz e canta quando a madrugada é ainda escura”.



Por Luiz às 17:48:53 | Comentários (2)
Amor entre Homem e Mulher - 16/07/2009

“O amor entre um homem e uma mulher, por mais profundo e desinteressado que seja, só sobrevive e se realiza se é correspondido. Trata-se de maravilhosa sinfonia, mas que exige, sempre, um dueto, jamais um solo, para existir com beleza e transcendência. Sua sobrevivência, crescimento e perpetuação é tarefa a dois. É um aprendizado constante e ininterrupto. Se o amor não existir, o desejo que aproxima duas pessoas logo esfria e se desvanece. E a paixão, que nasce súbita e explosiva, desaparece, com a mesma intensidade e rapidez, por não fincar raízes no coração dos parceiros. É, pois, tarefa não de um dia, um mês ou um ano, mas de uma vida inteira. Affonso Romano de Sant’Anna nos lembra, com pertinência: “Amor é uma tarefa a dois e um aprendizado ininterrupto. É ele que dá sentido ao desejo e enraíza a paixão”. É, sobretudo, partilha espontânea de corpos, almas, objetivos e destinos. E sempre em absoluto pé de igualdade.”

 



Por Luiz às 01:40:56 | Comentários (1)
Luminoso de neon - 14/07/2009

 “Uma parte da letra da música “Sound of Silence” diz: pessoas conversando sem falar; pessoas ouvindo sem escutar”. Sem uma capacidade de reflexão, a frase pode dar a idéia de ironia mas, na realidade, trata-se de um silêncio de idéias. Outra parte da letra diz: “e as pessoas se curvavam e oravam ao deus neon que elas fizeram; e o sinal iluminava seu alerta, nas palavras que formava, e o sinal dizia ‘as palavras dos profetas estão escritas nas paredes do metrô’ (...)”. O que os autores ressaltam é que as pessoas buscam ‘luzes’, no sentido de querer shows, entretenimento, diversão. Não querem o real, não querem o profundo, não querem a verdade. Ficam satisfeitas com a imagem delas projetada pelo neon. Mesmo que a mensagem tenha o intuito de dirigi-las a outro rumo.

Na verdade, todos têm medo do silêncio. Não o silêncio barulhento, recheado de palavras vazias que não dizem nada. O silêncio de reflexão. O medo que esse tipo de silêncio provoca é o do autoconhecimento. Do encontro consigo mesmo. É desse silêncio que fugimos quando chegamos em casa e ligamos a TV. É dele que fugimos quando enchemos nossos dias de “milhões” de atividades, inclusive as religiosas.

Soren Aabye Kierkegaard, um teólogo e filósofo dinamarquês que viveu no século XIX, coloca que é este o silêncio que provoca a fé. Que provoca o encontro com o Invisível. Silenciosos, obrigamos nossa mente a refletir em quem somos, no que fazemos, no que queremos. A verdade deste encontro é que realizamos a finitude de tudo o que somos. Somente depois disto, podemos vislumbrar o Infinito. Em passagens na Bíblia (João 15:6 e Mateus 14:23) é narrado que Jesus buscava o silêncio e a quietude. Ficou no deserto sozinho por 40 dias (Mateus 4:1-11). Nestes momentos Ele encontrava-se com Ele.

No transcorrer de mais um dia, com tantos ‘luminosos de neon’, retire o seu tempo, acione a sua tecla ‘mute’ e reflita, se encontre, e encontre-se com Ele. Ouça o que fica escondido no “barulho” do trabalho, do estudo, do namoro, etc. Ouça o verdadeiro som do silêncio.”



Por Luiz às 23:45:52 | Comentários (0)
Ouvindo corações - 09/07/2009

 “Grande sabedoria é saber olhar a vida com olhos de ver. Enxergar as coisas de maneira diversa da habitual. Ir além das aparências. 

Nós não somos apenas ossos, músculos, tendões, unhas, cabelos, sangue. Somos tudo isso e mais a essência, o espírito. 

É essa essência que nos faz ficar doentes ou recuperar a saúde de uma doença sem bons prognósticos. 

Assim, não se pode imaginar medicina sem os remédios, bisturis, equipamentos, poções. Mas, a essência não pode ser esquecida. 

Dr. Josh era um talentoso cirurgião oncológico. Depois de alguns anos, começara a ter problemas. 

Mal conseguia se levantar da cama todas as manhãs porque sabia que iria ouvir as mesmas queixas, dia após dia. 

De tanto ouvir falar de dores e assistir ao sofrimento, deixara de se importar. 

Para que tudo aquilo, afinal? Muitos pacientes ele nem conseguia que se recuperassem. 

Então, uma amiga lhe observou que ele precisava ter novos olhos. O importante não era mudar de hospital, de atividade. Era ele olhar o mesmo cenário, de forma diferente. 

E lhe sugeriu que, a cada dia, durante 15 minutos, ele rememorasse os acontecimentos e respondesse a si mesmo: "o que me surpreendeu hoje? O que me perturbou ou me emocionou hoje? O que me inspirou hoje?" 

Ele ficou em dúvida, mas tentou. Três dias depois, a única resposta que conseguia dar para as três questões era nada, nada, nada. 

A amiga lhe sugeriu que ele olhasse as pessoas ao seu redor como se fosse um escritor, um jornalista, ou quem sabe, um poeta. Procurasse histórias. 

Seis semanas depois, Josh encontrou-se com ela outra vez e lhe falou das suas experiências. Estava mudado. Sereno. 

Nos primeiros dias, a única coisa que o surpreendera tinha sido o tumor de algum paciente que diminuía ou regredira poucos centímetros. 

O mais inspirador, uma droga nova, ainda em experiência, a ser ministrada aos pacientes. 

Certo dia, observando uma mulher de apenas 38 anos, que ele havia operado de um câncer no ovário, tudo mudou. 

Ela estava muito debilitada pela quimioterapia. Sentada em uma cadeira, tinha ao seu lado as filhas de quatro e seis anos. As duas meninas estavam bem arrumadas, felizes e amadas. "Como ela fazia aquilo?" 

Aproximou-se e lhe disse que a achava uma mulher maravilhosa, uma mãe fora do comum. Mesmo depois de tudo o que havia passado, ele observava que havia dentro dela algo muito forte. Uma força que a estava curando. 

A partir daí, ele começou a perguntar aos pacientes o que lhes dava forças na sua luta contra a doença. 

As respostas eram muito diversas. O importante é que ele descobriu que tinha interesse em ouvir. 

Se antes já era um excelente cirurgião, deu-se conta de que agora, e somente agora, as pessoas vinham lhe agradecer pela cirurgia. Algumas até lhe davam presentes. 

Mudou o seu relacionamento com os doentes. Contando tudo isso para a amiga, ele retirou do bolso um estetoscópio com seu nome gravado e o mostrou, comovido. Presente de um paciente. 

Quando a amiga lhe perguntou o que é que iria fazer com aquilo, ele sorriu e respondeu: "Ouvir os corações, Rachel. Ouvir os corações." (”Encontrando Novos Olhos”, do livro As Bênçãos do Meu Avô, de Rachel Naomi Remen.) 

..........................................  

 

Todas as vidas têm um significado. Encontrar o sentido das coisas nem sempre é fazer algo diferente. Por vezes, é somente enxergar o cotidiano, a rotina de uma forma diferente. A vida pode ser vista de várias maneiras: com os olhos, com a mente, com a intuição. Mas a vida só é verdadeiramente conhecida por aqueles que falam e ouvem a linguagem do coração. 



Por Luiz às 22:36:59 | Comentários (0)
Desapego: Caminho para a Transformação (Nice Ribeiro) - 06/07/2009

O maior exemplo de desapego vem das abelhas. Após construírem a colméia, abandonam-na. E não a deixam morta, em ruínas, mas viva e repleta de alimento. Todo mel que fabricaram além do que necessitavam é deixado sem preocupação com o destino que terá. Batem asas para a próxima morada sem olhar para trás. Na VIDA DAS ABELHAS temos uma grande lição. Em geral O homem constrói para si, pensa no valor da Propriedade, tem ambição de conseguir mais bens, sofre e briga quando na iminência de perder o que "lutou" para adquirir. "Onde estiver nosso coração, ali estarão nossos tesouros..." Assim, não pode haver paz uma vez que pensamentos e sentimentos formem uma tela prendendo o ser ao que ele julga sua propriedade. Essa teia não o deixa alçar vôo para novas moradas. E tal impedimento ocorre em vida ou mesmo após a morte, quando um simples pensamento como "Para quem vai ficar a minha casa?" é capaz de retê-lo em uma etapa que já podia estar superada. Ele fica aprisionado a um plano denso, perde oportunidades de experiências superiores. Para o homem, tirar a vida de animais e usá-los como alimento é normal. Derrubar árvores para fazer conservas de seu miolo, também. Costuma comprar o que está pronto e adquirir mais do que necessita. Mas as abelhas fabricam o próprio alimento sem nada destruir e, ainda, doam a maior parte dele. A lição das abelhas vem do seu espírito de doação. Num ato incomum de desapego, abandonam tudo o que levaram a vida para construir. Simplesmente o soltam, sem preocupação se vai para um ou para outro. Deixam o melhor que têm, seja para quem for - o que é muito diferente de doar o que não tem valor ou de dirigir a doação para alguém da nossa preferência. Se queremos ser livres, se queremos parar de sofrer pelo que temos e pelo que não temos, devemos abrigar em nós um único desejo: o de nos transformar. O exercício é ter sempre em mente que nada nem ninguém nos pertence, que não viemos ao mundo para possuir coisas ou pessoas, e que devemos soltá-las. Assim, quando alguém ou algo tem de sair de nossa vida, não alimentamos  a ilusão da perda. Adquirimos visão mais ampla. O sofrimento vem quando nos fixamos a algo ou a alguém. O apego embaça o que deveria estar claro: por trás de uma pretensa perda está o ensinamento de que algo melhor para nosso crescimento precisa entrar. E se não abrimos mão do velho, como pode haver espaço para o novo?



Por Luiz às 22:14:27 | Comentários (0)
Seja caridoso - 02/07/2009

Vivemos numa época confusa e estranha. A vida nas grandes cidades nos empurra para uma vida individualista e agitada. Parece que muitos valores nos quais se acreditava antes, perderam o seu “valor” nos dias de hoje. O orgulho das descobertas científicas faz as pessoas ficarem cada vez mais distantes umas das outras. Chegamos à lua, mas não conseguimos erradicar a fome de nosso planeta. Descobrimos os segredos do DNA, mas não conseguimos praticar um gesto de amor que faça diferença na vida de um semelhante. Procuramos “ter” e deixamos de lado o “ser”. Enquanto isso, a vida vai passando. E, o que passou, não volta mais. 

Mas será que um “verdadeiro valor” pode perder seu valor? Será que o amor praticado em favor dos outros não tem mais o mesmo valor que tinha antes? Será que a sociedade seca e fria na qual vivemos é a sociedade que Deus planejou para nós? É claro que não. Os verdadeiros valores não perderam o seu valor. Assim como na natureza existem leis da física que regem o comportamento da matéria e isso é imutável, na vida espiritual também existem leis e princípios que são imutáveis, aconteça o que acontecer. 

Um desses princípios imutáveis da vida espiritual é a caridade. Este princípio pode ser comparado a uma lei da natureza. A lei da gravidade, por exemplo. Por mais que a humanidade evolua, a gravidade, ou seja, a atração que o centro da terra exerce sobre tudo o que está em sua superfície, não vai acabar. Assim também, os atos de caridade nunca vão deixar de ser importantes.  Porém, para vivermos melhor esta realidade, precisamos compreender o que é “caridade”. Ao longo do tempo essa palavra foi se esvaziando e acabou por se tornar sinônimo de “dar esmolas”. Mas “caridade” é muito mais do que isso. A palavra vem do latim caritas que, por sua vez, vem do grego ágape. Ágape, com efeito, significa “amor de Deus”. É o amor perfeito. Não é somente dar esmolas, é doar-se, é fazer com amor sabendo que este amor é que vai construir pessoas. É por isso que a caridade, ou seja, o amor perfeito cobre uma “montanha” de nossas falhas e, nós como humanos, um dia no futuro, vamos ter que prestar contas diante de Deus sobre nossa vida e nossos atos. E, nesse momento crucial de nossa vida, a única defesa que poderemos ter frente à “montanha” de nossas falhas, vai ser a caridade que tivermos praticado nessa vida. Essas coisas não passam. São verdades eternas que não vão mudar.

 



Por Luiz às 21:30:37 | Comentários (0)
Assim mesmo (Madre Teresa de Calcutá) - 01/07/2009

Muitas vezes as pessoas são egocêntricas, ilógicas e insensatas. Perdoe-as assim mesmo.
Se você é gentil, as pessoas podem acusá-lo de egoísta, interesseiro. Seja gentil, assim mesmo.
Se você é um vencedor, terá alguns falsos amigos e alguns inimigos verdadeiros. Vença assim mesmo.
Se você é honesto e franco, as pessoas podem enganá-lo. Seja honesto assim mesmo.
O que você levou anos para construir, alguém pode destruir de uma hora para outra. Construa assim mesmo.
Se você tem Paz e é Feliz, as pessoas podem sentir inveja. Seja Feliz assim mesmo.
Dê ao mundo o melhor de você, mas isso pode nunca ser o bastante. Dê o melhor de você assim mesmo.
Veja que, no final das contas, é entre você e DEUS. Nunca foi entre você e as outras pessoas.



Por Luiz às 21:32:40 | Comentários (0)
Bem ou mal? (Frederico Alencar) - 29/06/2009

 “O que é "Bem" e o que é "mal"?
Você consegue diferenciar esse antagonismo sem apelar para as culturas de massa como TV e cinema?
Parece fácil, mas não é.
Estou publicando esse assunto porque tive um pesadelo, esta noite, de arrepiar os cabelos. Sem saber o porquê, eu e um amigo (que hoje não é tão amigo assim) armamos o assassinato de alguém que não consigo lembrar. Tenho a sensação de ser uma pessoa próxima. No sentido de ser conhecida. Mas mesmo assim, sem saber direito quem era, colocamos o plano em prática e concluímos. Meu amigo cortou a garganta do algoz e depois empacotou-o em plástico. Não sei dizer qual foi minha função nesse plano diabólico, mas lembro de me sentir bem ao participar da trama. Me senti bem até saber o resultado. E que resultado.
De uma hora pra outra me deu um aperto no coração. "Por que tirar a vida de alguém?" E passei o resto do sonho me sentindo a pior pessoa do mundo. E não era para menos.
Pois bem. Acordei mal, mas logo identifiquei o problema. Que alívio. Graças a Deus eu ainda era uma pessoa do bem.
Mas o que é "ser do bem"? Será que o "bem" compensa? Ou já chegamos numa fase onde nada importa além de viver e sobreviver às peripécias do mundo.
Claro que vale. Claro que compensa. Mas fazer o "bem" hoje em dia é bem mais difícil. E fazer o "mal" nunca foi tão fácil. Não o "mal" do meu sonho. Esse "mal" não tem dúvidas. Falo do "mal" do dia-a-dia: Fechar a porta do elevador pro vizinho não chegar a tempo; especular o azar de pessoas conhecidas; não fechar os olhos na hora de um casamento e, realmente, não desejar felicidades para o casal que está se unindo bem neste momento na sua frente; falar da boca pra fora um parabéns para aquele amigo que você já não tem muito contato.
Enfim, são só alguns exemplos que me fazem pensar que o ser humano não é humano. Por tudo que vivemos no século XXI, pela pressão que sofremos para sermos os melhores. Por tudo isso, pergunto a você:
Fizeste o "bem" hoje?
E ontem?
Fique tranquilo. Se você realmente for do "bem", você tem o "amanhã" todinho para praticar o "bem".
Faça!!!”



Por Luiz às 15:11:36 | Comentários (1)
Prisão Interior (Goya) - 26/06/2009

é

Um dos assuntos principais que todos nós devemos estudar: O Ego e as Sombras. Se todo mundo percebesse o quanto isto é importante, nem precisaríamos de religiões , mestres, etc.
Este texto selecionado é excelente, serve tanto quanto para quem gosta de ficar dando opiniões sobre o assunto, quanto para quem acha que sabe tudo e não há nada mais a explorar e ainda para aqueles que acreditam que nada sabem mas querem muito mesmo, aprender.
Quem sou realmente?
Essa é uma velha pergunta. Aquela que as igrejas costumam afirmar ter a resposta. Colocam a divindade a qual cultuam, no centro, e respondem que somos simples criaturas.
Olhamos para esse todo despersonalizado, ligado ao que podemos chamar de sociedade, ou um "Eu" coletivo, que se curva perante a moral, a ética, a estética, aos costumes coletivos.
Todos seguindo um rumo geral, lutando para se integrarem e tomarem uma posição de destaque nesse mundo que nos foi legado. E que passaremos à frente, via, a sempre sagrada família, para nossos descendentes. Mas...
Quem sou realmente no meio disso?
Não existe resposta nesse esquema que nos é imposto. Não há como saber quem se é pela vida que levamos. Não há como saber quem se é aceitando essa vida que nos leva a um frequente desequilíbrio.
Quem sou realmente?
Não é fácil saber. A resposta é individual. Precisa ser buscada individualmente. Lá no nosso íntimo. Em figuras que encontramos apenas em movimentos místicos, em religiões e cultos exóticos, em um mundo que é qualificado como escapismo, ou fuga de responsabilidades, como um ideal inatingível, como um mito tóxico.
Quem sou realmente?
Essa questão está cifrada em textos confusos, em filosofias orientais, nas palavras de gurus, de mestres de coisas estranhas, escritas de formas complicadas, quase indecifráveis, de uma forma que é sempre difícil de compreender.
E o que devo fazer para encontrar a resposta de quem sou realmente? Existe algum roteiro? Alguma fórmula? Algum curso? Seminário?
Quem sou não é quem o outro é. Não há como descobrir a si mesmo,apenas olhando o caminho daqueles que encontraram o próprio. Temos apenas linhas gerais do que conseguiram. A narrativa de um estado. O estado que conquistaram ao encontrarem o caminho. 

O princípio inicial é aquele em que deixamos de viver apenas para o mundo. Existe uma necessidade espiritual para uma busca. Uma busca que parece sem sentido. Entramos na busca sem saber onde iremos chegar. Até o momento em que a pergunta surge: Quem sou realmente?
Andando por esse mundo complexo, de procura de si mesmo, vemos que as respostas dadas são insuficientes. Cada um passa por processos individuais, na busca e na procura por quem realmente se é. Perder-se nesses domínios é fácil.
Dar voltas e não chegar a local nenhum, também.
Como encontrar a si mesmo?
Apenas dentro de si mesmo. Estudar ajuda. Conhecer o que dizem as diversas escolas, também. Falar com quem superou esse processo, igualmente. Pode ser essencial ou não, dependendo de cada um. Pois somos únicos. Temos figuras separadas, sempre mal compreendidas, interessantes de serem percebidas em sua integridade. Existe o Self, ou Si Mesmo, o Eu Superior, o Segredo, nosso conteúdo"divino". O Eu, ou o Puer, a Criança Divina e Solar. O Ego, Senhor das Máscaras e da Persona. E a Mente. É assim que viemos ao mundo.
Quem sou realmente?
Jung dizia que o primeiro passo é a dissolução da Persona. Daí começam processo de encontro do Si Mesmo. Abandona-se o coletivo, tudo que não é nosso vem para a adequação ao mundo e à sociedade. O Ego impede a manifestação do Si Mesmo. Confunde-se achando que é tudo que existe dentro de nós. Crê ser real. Necessita de atenção para manifestar-se. Atenção tanto exterior, quanto interior. Coloca-se no centro dos caminhos internos. Atrapalha o correto funcionamento da mente. Entope nossas vias com pensamentos inúteis e repetitivos. Perde-se no eterno diálogo interior. Necessita interagir com as pessoas. Não compreende o silêncio, a si mesmo, ou o que existe fora. Não consegue compreender os outros, por não saber quem exatamente é. Olha para tudo como se fosse uma expressão de si. Onde vê, tudo espelha. É incapaz de ver o outro como esse o é, pois não consegue perceber nada a não ser a si mesmo. Não percebe o mundo, a mentira da sociedade, os jogos de poder, a necessidade de ser para os outros.
A grande falácia do mundo é construída por ser dominado por aqueles que não dominam a si mesmos. O ego e todas as personalidades existentes dentro de nós criam um estado de confusão eterna. Um estado de necessidade eterna de expressão, de dramas, de carências, de instabilidades infindas. Todos são apenas projeções. São aquilo que o mundo dos egos projeta. Como tudo que projetam na sociedade, que crêem ser, que lutam para construir. Constroem sempre em nome de algo. Mas esse algo nada mais é do que a própria confusão interna, o mundo sem controle do ego. Aquele vazio estranho, que gera angustia, opressões, medos, inseguranças. O mundo complexo e infantil egóico. Complexidade essa que é apenas aparente.
O ego não foi feito para comandar. É apenas parte e não o todo. É uma parte pequena, apenas uma ferramenta.
Quando o ego se torna o controlador, impõe um reino tirânico que não se mantém. Uma negação do Eu real. Ao mesmo tempo, uma caricatura desse mesmo Eu. Finge ser quem é, em nome de controle. Mas não é realmente.
Quando as posturas do ego, normalmente falsas e errôneas, são postas sob pressão, ou questionadas de forma cortante, esse simplesmente reage de forma descontrolada, com o intuito de se preservar. Assim, o ego manipula qualquer forma de auto-conhecimento real. Distorce, absorve, imita, tenta ser. Não o consegue realmente. Cria personalidades de cristal, belas e quebradiças. Inexistentes realmente. Impossíveis de se sustentar, quando o golpe é preciso. 

O ego não resiste a análise. O ego demanda toda a atenção. Gosta de ser analisado. Gosta de saber sobre ele. Molda-se para ser aquilo que dizem que ele possa ser. Imita e mimetiza. Faz de conta. Diz que vai melhorar. Diz que vai colaborar. Até o tenta.
O ego sempre quer evoluir, melhorar, conhecer mais. Tudo em nome de se manter no controle... Controle que foi cedido. Mas pode não ser eterno.
Quem sou realmente?
Não, não sou essa imagem refletida no espelho. Não sou aquilo que sempre julguei ser. Não sou isso que estou vendo. Lá no fundo dos meus olhos, vejo outra pessoa. Uma pessoa que por vezes aparece em algumas fotos. Pode ser que admire essa pessoa, pode ser que a tema. Não consigo ser indiferente a ela. 

Em algum local, existe um outro Eu. Em algum local perdido dentro de mim. Quando aparece essa reflexão, o ego reage. Volta-se contra si. Teme perder o controle, faz tudo para se manter dominando. A parte controla o todo. É a luta do Si Mesmo. O real dentro de si, aquele que é bestial e instintivo, contra aquele que se diz humano, cheio de valores. E os valores começam a ser quebrados. A moral torna-se um fardo, uma ilusão, algo irreal, criado por irreais. Coletiva, inexistente, uma forma de controle. Algo que o controlador usa para se manter no poder. Moral que cria leis, que rege a sociedade dos vencidos pela parte, vivendo em nome de mentiras, surrealidades, ilusões. O mundo de ilusões do ego.
O mundo irreal coletivo. A prisão real.
Conhecer a si mesmo, é manifestar a si mesmo. É conviver consigo mesmo. Não existe fórmula lógica. Não existe explicação. É ser. Apenas e tão somente. Quem se é, não se expressa. Apenas se é. 



Por Luiz às 21:37:16 | Comentários (0)
A liberdade e a disciplina - 22/06/2009

Não podemos avançar muito em nossa vida espiritual se não encontrarmos o paradoxo básico da liberdade, efetivamente somos os mais livres quando somos limitados. Mas, não é qualquer forma de limite; o que importa é o caráter do limite. Aquele que gostaria de ser um atleta, mas, que não está disposto a disciplinar seu corpo por meio de exercício regular e privação, não está livre para sobressair no campo ou na pista… a falta de treinamento rigoroso e da privação nega àquela pessoa a liberdade de saltar a barra na altura desejada, de correr com velocidade e resistência. Com uma voz unida os gigantes da vida devocional aplicam o mesmo princípio para a vida como um todo com este princípio: a disciplina é o preço da liberdade. - Elton Trueblood em "The Man of our Time" (O Homem do Nosso Tempo).

"Corro pelo caminho que os teus mandamentos apontam, pois me deste maior entendimento." Salmo 119:32

"Todos os que competem nos jogos se submetem a um treinamento rigoroso, para obter uma coroa que logo perece; mas nós o fazemos para ganhar uma coroa que dura para sempre. Sendo assim, não corro como quem corre sem alvo, e não luto como quem esmurra o ar. Mas esmurro o meu corpo e faço dele meu escravo, para que, depois de ter pregado aos outros, eu mesmo não venha a ser reprovado." 1 Coríntios 9:25-27



Por Luiz às 22:14:50 | Comentários (0)
O Terapeuta de nossas almas - 19/06/2009

“O grande papel de Jesus, em sua passagem pela Terra, foi mostrar ao ser humano, através de sua própria vivência, a supremacia do Amor como remédio para todos os males da humanidade.
Este Amor, no entanto, não é conquistado subitamente e nem é dado gratuitamente àqueles que se manifestam como crentes e fervorosos em relação ao Mestre Jesus. Sua presença, em nossas vidas, faz-se paulatinamente, através de um aprendizado que envolve um ensaio de acertos e erros.
A vida para se tornar plena exige-nos que alimentemo-nos do Amor e este só se faz presente através dos relacionamentos, que se iniciam em nós mesmos, passando pela inter-relação pessoal e consequente aprendizado do Amor a Deus.
Para tanto, Jesus, em sua vinda, apresentou-nos, em sua postura moral e emocional e através de seus ensinamentos, os verdadeiros caminhos da vivência amorosa.
Esta, porém, é precedida de uma vida afetuosa, pois diríamos que os gestos de afeto demonstrados e em sentido positivo são os construtores, as bases para a vivenciação do Amor.
É importante frisar que essas experiências na vida de Jesus faziam-se espontâneas, por expressarem a sua condição espiritual. Entretanto, a argumentação de muitos de que o que ele realizou não poderia ser repetido por nós, devido à diferença moral e espiritual, não se justifica, pois, certamente, num momento, o qual não podemos precisar, Jesus fez um aprendizado semelhante. Na verdade, somos essencialmente totipotentes, cabendo-nos fazer o despertamento das possibilidades, que habitam nossa intimidade, transformando-nos em verdadeiros filhos de Deus.
A Revelação de Amor apresentada no Evangelho é o grande mapa para as nossas maiores conquistas espirituais, fazendo-nos alcançar a Felicidade Eterna. Para isto, Jesus veio e preparou um grupo de discípulos, para que a Boa Nova se propagasse em todos os cantos da Terra, convidando-nos para a vivência desse Amor.”

 



Por Luiz às 16:36:34 | Comentários (2)
Nossos demônios - 14/06/2009

“Reza a lenda que todos lutam contra seus demônios durante a noite. Nunca acreditei nisso. Demônios lutam conosco durante o dia, quando tomamos aquela decisão errada, fazemos a escolha covarde, forjamos a imagem mentirosa, deixamos passar a data importante de maneira silenciosa apenas para marcar posição, flertamos com quem não devemos por diversão, quando não ajudamos aquela velhinha na rua ou quando somos grossos, apenas para mostrar que podemos. Batalhamos com nossos demônios quando decidimos não olhar para trás, quando não olhamos para o lado e passamos por cima de tudo, quando lemos o que queremos ler e não o que está escrito, quando não ouvimos ou quando apenas queremos falar quando sabemos que isso não vai acontecer. Duelar com os demônios nem sempre é fácil, mas, como toda batalha diária, acaba se tornando parte do seu cotidiano, parte do seu viver. Difícil mesmo é encarar nossos anjos, aqueles que vêm durante a noite para questionar, atormentar e questionar. Não adianta fingir felicidade, se esforçar nos sorrisos, se abastecer de álcool, eles vão cobrar por tudo o que fazemos, sem piedade. Nunca fui grande freqüentador de igrejas ou qualquer outro templo religioso, porque também não acredito em ajuda apenas nos momentos de dor e desespero. Não acredito em quem aparece, reza e não pratica. Não acredito que os anjos acreditem. Sempre que tenho que escolher uma batalha, prefiro enfrentar os demônios que nos rondam enquanto o sol está brilhando. Eles são muito menos perturbadores. Os anjos são quem nos fazem ver quem realmente somos e não quem gostaríamos de ser.”



Por Luiz às 18:33:54 | Comentários (2)
Consciência Divina - 10/06/2009

“Hoje, em todos os cantos do nosso mundo, impera a desordem e violência porque as pessoas não possuem ou perderam a fé em um Ente Superior. Elas nutrem apego ao corpo e ignoram o Espírito. As pessoas não deveriam seguir os sentidos, que são instáveis, o corpo, que é perecível, ou a mente, que é inconstante. Elas deveriam seguir a consciência, que diz o que é certo ou errado. Qualquer pessoa precisa elevar-se acima da natureza animal. Ela precisa expressar suas potencialidades Divinas. Para isso, a pessoa necessita alcançar o conhecimento do Ser Divino que é a Consciência Universal todo-penetrante. Ela é imanente a todos. Somente enquanto essa consciência estiver presente no corpo humano, a pessoa é chamada de auspiciosa. Quando a consciência deixa o corpo, a pessoa se torna um cadáver.”



Por Luiz às 11:43:27 | Comentários (2)
Muito amor - 04/06/2009

“Sature cada respiração sua com amor. O amor não conhece o medo. O medo arrasta uma pessoa para a falsidade, a injustiça e o mal. O amor não anseia por elogio. Somente aquelas pessoas que não possuem amor anseiam por recompensa e reputação. O amor é sua própria recompensa. Quando você estiver ansioso para colocar oferendas diante de Deus, ofereça amor em vez de meros objetos materiais. O amor não é uma mercadoria; por isso, não pechinche seu custo. Deixe-o fluir puro do coração, como um fluxo de Verdade, um rio de Sabedoria. Não o deixe emanar da cabeça, nem da língua. Deixe-o emergir, pleno e livre, do coração.”



Por Luiz às 22:01:59 | Comentários (1)
O poder - 01/06/2009



Por Luiz às 21:23:05 | Comentários (1)
Escravos do mundo - 27/05/2009

 “O motivo principal, de nós seres humanos, sermos escravos do mundo é porque damos muita liberdade à nossa mente. Vejamos este exemplo, quando um animal é amarrado a um poste, ele não poderá vagar por vários campos, não destruirá as colheitas, não causará perda e dano aos outros e, posteriormente, não será espancado pelos danos ocorridos. Portanto, a mente deve estar amarrada a certos regulamentos e limites. Enquanto a pessoa viver uma vida disciplinada, ligada a certas regras e a certos regulamentos, ela poderá obter uma boa reputação e levar uma vida feliz e frutífera. Quando ultrapassar esses limites, ela se desencaminhará.”



Por Luiz às 20:15:22 | Comentários (0)
Fonte - 25/05/2009



Por Luiz às 21:31:56 | Comentários (0)
Vida é Amor... - 21/05/2009

“CRISTO disse: Sou o Caminho, a Verdade, a VIDA.
O AMOR também falou:
Moro nos cumes, nos abismos, no silêncio, onde domino o mundo, pois vida sem amor é um grito parado no ar.
VIDA e AMOR... Palavras abstratas que sempre nos acompanham.
Qual delas veio primeiro?
Deus criou o mundo, colocando tudo em seus devidos lugares. Criou a natureza, os rios, os mares, sol, lua, estrelas, flores, pássaros... o homem...a mulher. O mundo estava pronto!
Ele criou tudo com imenso AMOR... Porém, sentiu que faltava alguma coisa
para dar sentido à beleza produzida. Foi aí que colocou na criação, esse nobre sentimento: O AMOR.
A VIDA e o AMOR estão presentes no nosso dia a dia: Num choro forte de criança nascendo, numa união concretizada... numa flor que desabrocha... ou no olhar triste do idoso, que sempre valorizou o amor!
Amor é vida... vida é amor... Palavras poderosas que seguem juntas enquanto corações pulsarem no peito.”



Por Luiz às 16:05:01 | Comentários (0)
Pessoa madura - 17/05/2009

Madura é a pessoa no vigor de sua identidade, esquecida de si mesma e aberta para os outros e para a realidade. Enfrenta com cordialidade os desafios de viver e mostra segurança emocional, sem descontrolar-se desregradamente e sem demonstrar obsessões incontroláveis. Madura é a pessoa que sabe perdoar e que tem misericórdia dos outros. Como vive em paz, deseja e é construtora da paz, sem agredir e condenar a ninguém. Tal pessoa não busca honras e não se vende por honras duvidosas.


Por Luiz às 12:02:17 | Comentários (0)
Mansão da vida - 14/05/2009

"A mansão chamada vida deve ser construída sobre fundações fortes; a procura da riqueza e a satisfação dos desejos devem ser reguladas pela Retidão. A Retidão protege aqueles que A protegem. A fundação mais forte é a Fé sempre presente em Deus. Alguns podem perguntar: "Se Ele é Todo-poderoso, por que então Ele não é evidente?" Bem, Ele só Se revela à pessoa que tem o anseio e não àquela que questiona por insolência ou ignorância. Ele só será evidente para o coração puro, que não é maculado pelo egoísmo ou apego a objetos mundanos."

 



Por Luiz às 09:12:46 | Comentários (0)
Moralidade - 11/05/2009

"A moralidade não significa a observância de certas regras no mundo cotidiano. A moralidade significa a adesão ao caminho correto e sagrado da retidão. A honra da comunidade repousa sobre a moralidade. Sem moral, uma comunidade decai. A personalidade humana pode encontrar sua melhor expressão somente em um indivíduo moralmente forte. O termo "personalidade" só pode ser aplicado a quem manifesta, através de sua conduta, a Divindade não-manifesta, escondida dentro de si mesmo. A mera forma humana não faz da pessoa uma personalidade humana. É o comportamento que importa. Somente aqueles que levam vidas bem reguladas e manifestam sua verdadeira natureza Divina podem ser considerados verdadeiros seres humanos."



Por Luiz às 16:12:07 | Comentários (0)
Simplesmente viver - 07/05/2009

 “A vida não é vivida de acordo como deveríamos viver. Também não somos felizes como deveríamos ser.

Há tanto o que se ver, há tanto o que se esquecer. Devemos esquecer tudo, e simplesmente viver. Esquecer as tristezas, pensar nas belezas. Pensar nas proezas quando somos jovens. Pensar nas idéias, nos ideais.

Procurar nossos pais com suas grandezas. Ver a primavera cheia de rosas, cheia de palavras amorosas, carinhosas, o amor florescendo como um encanto e ter o espanto, da descoberta de novos caminhos. Sentir o momento que a vida nos traz, momentos de paz, de amor e de paixão, espantar a solidão e abrir o sorriso e deixar o improviso tomar conta da mente, da gente.

Que prazer e que felicidade sermos amados de verdade. De sermos dotados de um sentimento tão lindo que é o amor. De poder dar o que não se vê, não se toca : amor, calor, paz, bem estar, simplesmente viver”.



Por Luiz às 17:38:42 | Comentários (1)
Nosso dever - 04/05/2009

O principal dever de nós, como seres humanos, é fazer uso correto do tempo através da vestimenta corporal que nos foi dada. Neste mundo de fenômenos, nós estamos ligados às ações. Embora Deus seja todo-penetrante, nós não reconhecemos isso. Nós somos incapazes de ver a luz em nosso interior. A Realidade que nós buscamos em todos os lugares, no mundo externo, está dentro de nós. Como humanos, neste momento, olhamos somente para o mundo externo; essa é uma qualidade não humana. Olhar para o interior é a marca do real ser humano. Obcecados com o externo e ignorando nossa visão interna, nós perdemos nosso poder de discernimento.



Por Luiz às 13:03:36 | Comentários (0)
Almas Férteis (Sílvio Reda) - 27/04/2009

Viver é um exercício constante de expansão e de introspecção. Há o momento de sairmos, de nos tornarmos transeuntes do mundo e há o instante de nos voltarmos para nós, tornando-nos agrimensores de nós mesmos. Tanto sair como ingressar pressupõe compreensão. Compreender a si é imprescindível para entender o que está acontecendo fora de si. Ocorre que hoje em dia somente as atrações do mundo exterior são valorizadas e incentivadas. Aqueles que se dispõem a ver-se por dentro pagam a taxa de serem encarados como excêntricos. Quem melhor se enxerga por dentro, mais nítida e honestamente transparece para fora.

Esse desencontro consigo tem gerado uma sociedade apressada e que a quase tudo enxerga como algo descartável. Os sentimentos e as próprias pessoas passaram a mercadorias ambulantes. Há um mercado de interesses e não uma comunidade de valores. Mas não precisamos ser pessimistas acreditando que estamos perdidos. Não estamos, o que há é que estamos, isso sim, desacostumados a valorar. Como o ex-aluno que há muito não vai à escola e perde o ritmo e o talento frente à realização das lições dadas e exigidas. Há muito que não comparecemos às aulas dos verdadeiros e honestos sentimentos; há muito que deixamos de freqüentar a classe de um melhor comportamento moral e ético; há muito que deixamos de nos expressar por um olhar, por um abraço, por um beijo. Estamos desabituados a estas singelezas e sutilezas da nossa própria natureza humana, porque um dia passamos a preferir a mecânica grosseira da satisfação rápida e interesseira de nossas necessidades, do que satisfazê-las diariamente pela própria noção de esforço e responsabilidade. De sujeitos começamos a nos tratar como objetos.

Contudo, há um fertilizante que nunca perece em nossas almas. Um fertilizante chamado amor. Almas férteis são aquelas que permitem o plantio dos sentimentos e das intenções alheias em si e que do que em si possuem no outro plantam. Que confiam na boa semente de seu semelhante. Que tratam e cuidam dessa cultura amorosa do dar e do receber sem a qual ninguém sobrevive. Almas férteis se encontram no arado de um olhar, no adubo natural de um abraço, nas estações sempre propícias de se colherem beijos e mais beijos. Almas férteis alimentam e são alimentadas em qualquer situação. Sabem que nada é descartável, porém tudo inesgotável e por estarem cientes disso estão sempre prontas a recomeçar de qualquer oportunidade, pois toda ocasião, para elas, se torna um momento qualificado para melhorar o que em si sempre pode ser melhorado ampliando a realidade no cotidiano do mundo. Almas fecundas não se encontram em qualquer fazenda existencial, mas toda fazenda é capaz de produzi-la e tê-la, pois onde houver sido deixada uma semente de amor haverá a capacidade divina de fazê-la fecundar.

Somos a semente e somos o solo. Que saibamos eclodir no solo alheio que nos recebe em seu plantio, bem como receber no nosso a semente que nos confiam fazendo dela planta que se soma e se integra a nós mesmos.



Por Luiz às 13:23:39 | Comentários (0)
A Lua que não dei (Cecílio Elias Netto) - 23/04/2009

Compreendo pais - e me encanto com eles - que desejariam dar o mundo de presente aos filhos.

E, no entanto, abomino os que, a cada fim de semana,

dão tudo o que filhos lhes pedem nos shoppings onde exercitam arremedos de paternidade... E não há paradoxo nisso. Dar o mundo é sentir-se um pouco como Deus, que é essa a condição de um pai.

Dar futilidades como barganha de amor é, penso eu, renunciar ao sagrado. 

Volto a narrar, por me parecer apropriado à croniqueta, o que me aconteceu ao ser pai pela primeira vez.

Lá se vão, pois, 45 anos. Deslumbrado de paixão, eu olhava a menina no berço, via-a sugando os seios da mãe, esperneando na banheira, dormindo como anjo de carne. E, então, eu me prometia, prometendo-lhe: 'Dar-lhe-ei o mundo, meu amor.' E não lhe dei. E foi o que me salvou do egoísmo, da tola pretensão e da estupidez de confundir valores materiais com morais e espirituais. 

Não dei o mundo à  minha filha, mas ela quis a Lua.

E não me esqueço de como ela pediu, a Lua, há anos já tão distantes. Eu a carregava nos braços, pequenina e apenas balbuciante, andando na calçada de nosso quarteirão, em tempos mais amenos, quando as pessoas conversavam às portas das casas. Com ela junto ao peito, sentia-me o mais feliz homem do mundo, andando, cantarolando cantigas de ninar em plena calçada.. Pois é a plenitude da felicidade um homem jovem poder carregar um filho como se acariciando as próprias entranhas.

Minha filha era eu e eu era ela. Um pai é, sim, um Pequeno Deus, o criador. E seu filho, a criatura bem amada. E foi, então, que conheci a importância e os limites humanos.. Pois a filhinha - a quem eu prometera o mundo - ergueu os bracinhos para o alto e começou a quase gritar, assanhada, deslumbrada:'Dá, dá, dá...'

Ela descobrira a Lua e a queria para si, como ursinho de pelúcia, uma luminosa bola de brincar.

Diante da magia do céu enfeitado de estrelas e de luar,

minha filha me pediu a Lua e eu não lhe pude dar. 

A certeza de meus limites permitiu, porém, criar um pacto entre pai e filhos: se eles quisessem o impossível, fossem em busca dele.. Eu lhes dera a vida, asas de voar, diretrizes, crença no amor e, portanto, estímulo aos grandes sonhos. E o sonho da primogênita começou a acontecer, num simbolismo que, ainda hoje, me amolece o coração. Pois, ainda adolescente, lá se foi ela embora, querendo estudar no exterior. Vi-a embarcar, a alma sangrando-me de saudade, a voz profética de Kalil Gibran em sussurros de consolo: 

'Vossos filhos não são vossos filhos, mas são os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma. Eles vem através de vós, mas não de vós. E embora vivam convosco, não vos pertencem. (...) Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são arremessados como flechas vivas.' 

Foi o que vivi, quando o avião decolou, minha criança a bordo. No céu, havia uma Lua enorme, imensa. A certeza da separação foi dilacerante.. Minha filha fora buscar a Lua que eu não lhe dera. E eu precisava conviver com a coerência do que transmitira aos filhos: 'O lar não é o lugar de se ficar, mas para onde voltar'. Que os filhos sejam preparados para irem-se, com a certeza de ter para onde voltar quando o cansaço, a derrota ou o desânimo inevitáveis lhes machucarem a alma.

Ao ver o avião, como num filme de Spielberg, sombrear a Lua, levando-me a filha querida, o salgado das lágrimas se transformou em doçura de conforto com Kalil Gibran: como pai, não dando o mundo nem Lua aos filhos, me senti arqueiro e arco, arremessando a flecha viva em direção ao mistério. 

Ora, mesmo sendo avós, temos, sim e ainda, filhos a criar, pois família é uma tribo em construção permanente.

Pais envelhecem, filhos crescem, dão-nos netos e isso é a construção, o centro do mundo onde a obra da criação se renova sem nunca completar-se.

De guerreiros que foram, pais se tornam pajés. E mães, curandeiras de alma e de corpo.

É quando a tribo se fortalece com conselheiros, sábios que conhecem os mistérios da grande arquitetura familiar, com régua, esquadro, compasso e fio de prumo. E com palmatória moral para ensinar o óbvio: se o dever premia, o erro cobra. 

Escrevo, pois, de angústias, acho que angústias de pajé, de í­ndio velho. A nossa construção está ruindo, pois feita em areia movediça. É minúsculo o mundo que pais querem dar aos filhos: o dos shoppings... E não há mais crianças e adolescentes desejando a Lua como brinquedo ou como conquista.. Sem sonhos, os tetos são baixos e o infinito pode ser comprado em lojas.

Sem sonhos, não há necessidade de arqueiros arremessando flechas vivas.

 Na construção familiar, temos erguido paredes.

Mas, dentro delas, haverá gente de verdade? 



Por Luiz às 17:19:13 | Comentários (1)
Caminhar - 19/04/2009

Deves caminhar poeticamente pela vida, pois isto representa paz e amor contigo mesmo e com os que te cercam. Afinal, a paz representa equilíbrio e também fé e paciência, culminando com avanço espiritual. Só com paz se constrói o mundo. Este, por incúria das pessoas, ou por defeitos espirituais, geraram violência jamais assistida em outros tempos, prejudicando a evolução da humanidade. Esta precisa espiritualizar-se, tal como ocorre com as crianças, onde residem amor e paz. Sejas tu, pois, um dos caminheiros de Jesus, não duvidando que há em ti muito amor para oferecer.



Por Luiz às 11:15:25 | Comentários (0)
Mundo Hostil - 16/04/2009

Imagine os maiores empresários, os mais famosos, trabalhando na mesma empresa que você trabalha! Na hierarquia está o dono da empresa e abaixo dele vêm todos os bons empresários que você conseguiu imaginar. Porém, o dono desta empresa lhe conhece, acredita e confia no comprometimento que você tem para com a empresa. Diante disso ele te elege o vice-presidente da empresa, colocando você como encarregado de todos. Consegue imaginar essa situação?
Você possui uma série de capacidades, mas possivelmente você mesmo não se acha tão capaz quanto o grupo de empresários que agora viraram seus subordinados. Como você acha que reagiriam à tal decisão? Será que aceitariam sua eleição sem nenhuma objeção? Será que um monte de acusações não seria disparado contra você com o intuito de desqualificá-lo? Bem sabemos que mesmo sem ter uma equipe altamente capaz, como o grupo de empresários que imaginou, essa rixa geralmente existe entre as cadeias de gestão. Será que esse tipo de "ciúme" existe dentre o "povo de Deus"? Infelizmente sim!
Seguramente existem muitas pessoas melhores do que eu e você, mas qual será o pré-requisito para a Eleição que o Senhor faz? Dentre as diversas possibilidades, será que a tribulação seria um requisito para adquirir o direito de entrar no Reino de Deus? Não, as tribulações não é o fundamento, mas normalmente as tribulações são frutos da salvação que há em Jesus Cristo. "As tribulações são consequências da salvação? Eu aceitei Jesus no meu coração para ter uma vida melhor e agora você me vem com essa de tribulações? Que negócio é esse?"
Logicamente a tribulação na vida do cristão não é uma regra, mas assim como na ilustração você foi eleito a uma elevada condição e o mundo tem inveja da Graça de Deus sobre sua vida. É certo que cada vida possui um desafio diferente, mas é natural que o mundo reaja com hostilidade contra aqueles que experimentam a salvação em Cristo Jesus.
Não foi em vão que Jesus disse: "No mundo tereis aflições, mas não temam, pois Eu venci o mundo". Não desanime diante das dificuldades, foi Deus quem te escolheu e prometeu que estaria com você todos os dias da sua vida. Tenha fé e persevere depositando as suas esperanças no Senhor Jesus.



Por Luiz às 17:07:40 | Comentários (0)
Libertação - 13/04/2009

O que é Libertação?

É abandonar o irreal.

Suponha que você queira um copo de suco de fruta. A não ser que você jogue fora a água que já está no copo, você não pode colocar o suco nele. Similarmente, a não ser que você abandone os desejos mundanos, a espiritualidade não pode se enraizar em você.

Quando você passa suas horas imerso em pensamentos sobre Deus, você se liberta de aspectos ruins. Você não será tentado a maltratar os outros ou os prejudicar de qualquer forma. Você começa a viver em Amor, aceitando todos os eventos como presentes de Deus. Então, seu lar se tornará, verdadeiramente, o paraíso na Terra: a alegria que borbulha em seu coração é o símbolo da morada de Deus, e a dedicação e o cuidado que você evidencia em seu trabalho, também.



Por Luiz às 11:48:15 | Comentários (0)
O mundo atual (Adelino dos Santos Abreu) - 08/04/2009

O mundo atual, de imediato, não tende a chocar nenhuma mente simples. Acredito fielmente que todos aguardam com muita ansiedade — dentro de uma pacífica acomodação — a chegada de um novo cérebro, ou seja; um gênio endeusado e auto-definido, o qual restitua a curto prazo o poder de transmitir a presente realidade assim como é, depois retire toda a poluição psíquica, ilumine suas consciências e nasça algo maior que o infinito. 

O apostolado será doutrinado com estruturas sérias e justas, igualmente, ao nascer de uma nova vida, devendo todos assumirem com total razão e, desenvolverem um ilimitado número de dotes espirituais que a humanidade guarda obstinadamente em seus cofres de fraquezas e apatias. 

Superado o primeiro estágio, deverão partir à cata de uma verdade suprema, deixando a vida correr, correr morosamente, aguardando assim a própria sequência de espontâneos significados, os quais, responderão aos mais diversos pensamentos e mais altivez no que diz respeito a inconcebíveis percepções, agora, concreta. 

Atualmente, mais e mais sente-se a aproximação natural da decadência de ídolos e mitos, parecem-se com folhas secas de árvores aguardando apenas um vento maior, para partirem em direção ao falso rumo. Até quando será possível vivermos rodeados deste invólucro repleto de confusas mensagens e dizeres, como a contestação de uma nova Torre de Babel , onde cada qual interpreta a bula de sua maneira. 

A poluição, a neurose, a obstinação... a vida moderna e suas manifestações do novo, —qual a vantagem — tudo isto é o ópio dos próprios indivíduos chocando-se com o paredão repleto de imperfeições de um corredor sem fim. No que parece que todos se defrontam sempre com o mesmo problema, mais incrível ainda, estão preocupados pôr demais inventando e dando asas a mais e motivos para continuarem vivendo, porém, continuam correndo, não sei como não conseguem parar? Acho que jamais poderão interromper o fluxo orbital que o planeta natal se projeta, ao lado, de um todo envolvente de um sistema interminável de universo evolutivo. Parece que seguir em frente, torna-se uma maneira única de sobrevivência e, mais nomes e razões para o não cessar deste movimento pôr demais frenético e corrupto. 

Paralelamente, a natureza protesta: ondas de doenças e pragas surgem pelo desordenado progresso. O mundo evoluí, que até mesmo as epidemias se antecipam e ficam modernas, ao mesmo tempo, nossos personagens continuam nesta desesperada evasão do centro neurótico. Valores humanos decaem por terra, a sensibilidade e o sentimento passam ao plano recolhido e calculado. A imaginação criativa, a incentivação de novos programas de consumo ou como partir para o cume máximo de um ilusório status, faz de cada um, um novo marginal que os senhores das leis, — por estarem envolvidos — não o enquadrem dentro de um código penal. 

As renúncias, na minoria, não integram a parte de um todo ativo, tudo continua tão natural como o nascer e morrer, a que chamam: progresso humano , em suma não significa nada individualmente, apenas, coletivamente. Mesmo os indigentes, pobres e desamparados pela sorte e conhecidos pela sociedade, dita, moderna, Deus, a atitude e palavra em ascensão em seus espíritos, porém, na realidade dimensional, desconhecem e são contrários aos princípios de um bom senso e instinto, no entanto, satisfeitos. E continuam afirmando que existiu um Cristo, — imaginem se não existisse — Por vezes, sinto que o Deus deles sobrevive na imagem de cada um e nada mais. 

São ainda criaturas atadas por sublimações que a cada dia mais e mais corroem, mesmo as mentes mais simples e tudo se transforma em inversão de valores. Um a um, um laboratório de tão humildes e fracos seres, em contrasenso, fortes na massa e inofensivos individualmente. 

O indivíduo deste mundo descritivo no presente destaque é também nocivo e parasita, vivendo em total poluição mental onde utiliza-se de seu corpo físico para uma infinidade de condutas preestabelecidas, onde seu semelhante é sempre o seu próximo e fulminante alvo. Seu inimigo, ele mesmo, porém, o alheio é o pivô de seus recalques que o fortalecem e suavizam seus atos de um reflexo direcional e destrutivo de anseios desordenados e sonhos frustrados, uma pena, dissonante na veracidade de sua intensidade interior. 

Não esqueçamos que a simples situação fálica de nossos personagens é concorrida diretamente com as manifestações mais cruéis e caóticas deste universo alfabético do palco da vida. Talvez, chegará o dia que: — não posso determinar quando ou que momento — em que tudo será cada vez mais semelhante aos seus próprios reflexos e, surgirá o apocalipse de uma nova atmosfera do que mais não determinará o começo ou o fim. 

A lógica perderá o valor perante a ilógica, juntos predominarão na manifestação animalesca dos povos e a cada vez mais serão dirigidos. No atual transe que o mundo passa, confirmasse que a pulsação não confere com a original, onde cada indivíduo transmite formas atrasadas e indefinidas, seja como for, o que aqui está nada tem no plano de: ser e estar, ter e haver com os demais, mesmo assim, não importa se não existe um segundo seguinte que eles parem e se situem em uma realidade sensível e emotiva, sejam corajosos e caminhem de mãos dadas até o limiar de um novo horizonte, onde o sol é a conscientização em massa de uma só verdade, deixando para lá a ilusão cronológica como fato consumado. Ao serem somados o total, os lucros e prejuízos serão o preço mais evidente de toda esta lunática e benéfica transformação. 

Um dia direi em alto brandos a este épico final: "Parabéns, cumprimento a todos no seu máximo possível que no alvorecer de vosso estágio de progresso em escala mais acentuada, achem uma definição sobre a vida e sobre sí mesmo. Caso contrário, de nada lhes valeu tanto progresso."



Por Luiz às 20:53:14 | Comentários (2)
Importante e urgente - 04/04/2009

Há coisas que são importantes e outras que são absolutamente urgentes. Por experiência, sabemos que nem tudo que é importante tem urgência, mas o que é urgente tem, em geral, sua importância. E precisa ser atendido para evitar um insuportável malestar. Quando as coisas urgentes são dos outros, devem ser preferidas mesmo às expensas daquelas que são importantes para nós. Isto porque a maior importância, e sempre a mais urgente, é a viver de coração aberto para os outros.



Por Luiz às 22:23:16 | Comentários (0)
Acomodação - 03/04/2009

Devemos evitar a acomodação que nos afasta de servir aos outros.

Em diversas vezes temos a grande oportunidade de repartir todo um imenso potencial de bem que se armazena em nosso coração. São tantas criancinhas orfãs e carentes do nosso afeto; tantos velhinhos esperando o nosso carinho; tantos doentes sem amigos, pedindo a caridade da nossa visita...

E nós, com tempo para dar, com amor para repartir, com vontade de ajudar, por que ficamos esperando?...



Por Luiz às 12:28:44 | Comentários (0)
Pessoa completa - 01/04/2009

Completa seria a pessoa que vivenciasse as três grandes dimensões essenciais da aventura humana.

Apresentaria uma intensa vida interior, vivendo em paz consigo mesma; consagraria seu espírito aos grandes valores da vida, fascinada com os altos ideais da sociedade e da história; e, finalmente, reconheceria a grandeza de Deus e sua dependência dele.

Tal pessoa seria plena e uma benção para os outros e digna de todos os aplausos. E sentir-se-ia certamente realizada e feliz.



Por Luiz às 14:00:19 | Comentários (0)
Quinto evangelho - 01/04/2009

Sempre que as pessoas entram em grave crise, começam a sonhar com a descoberta de uma mensagem salvadora que as libertem do impasse angustiante de ter que viver sem descer da cruz. Trata-se da utopia do assim chamado "quinto evangelho", que teria sido escrito, mas foi perdido. Ora, este "quinto evangelho" nós é que temos de escrevê-lo com discernimento e coragem, como resposta aos desafios da vida e à vocação de grandeza que temos. Ele só estará perdido se o perdermos por covardia.



Por Luiz às 00:17:55 | Comentários (0)
Felicidade e tristeza - 29/03/2009

"Felicidade e tristeza devem ser experimentadas durante a vida terrena, uma vez que elas são inevitáveis como o pôr-do-sol e o nascer do sol. Pensamos que o Ano Novo nos dará melhores experiências. Não é correto. É a mente que é responsável por prazer e dor. Se a nossa mente estiver bem, nós acharemos tudo bom. Sem a Graça de Deus, a própria vida seria impossível para a humanidade. Mesmo as preocupações que nós podemos experimentar são dádivas de Deus. Nós somos personificações de Deus, que nada mais é que a bem-aventurança. Sendo assim, não é estupidez de nossa parte dizermos que estamos sofrendo de dor e nos afligirmos por isso?" 



Por Luiz às 16:25:37 | Comentários (2)
Semeie um pensamento - 24/03/2009

“Há um poema que transmite a essência de nosso poder de criar o mundo em que vivemos. 

Semeie um pensamento, colha uma palavra; 

Semeie uma palavra, colha uma ação; 

Semeie uma ação, colha um hábito; 

Semeie um hábito, colha um caráter; 

Semeie um caráter, colha um destino. 

Eis a fórmula por meio da qual os pensamentos moldam o destino. Não duvide de que é esse mesmo o processo por meio do qual criamos nossa vida. É da máxima importância que mantenhamos vigilância sobre as idéias que semeamos no jardim da dimensão consciente, pois delas brotarão todas as experiências pelas quais iremos passar. 

Nossas palavras têm o poder divino de formar a realidade. Muitas pessoas abusam desse poder por vidas e vidas consecutivas, alimentando pensamentos da vitimização e defendendo auto-imagens mórbidas com as palavras que pronunciam. Por mais surpreendente que possa parecer, temos usado o poder criativo das palavras para mover um processo contra nós mesmos. E por sermos também o juiz do processo, condenamo-nos com base no testemunho do medo e nos sentenciamos à carência, à perda e à morte. 

Seria este mesmo o destino dos filhos do Rei do Universo? Certamente não. Pensamentos e experiências de vazio não são senão sonhos e delírios escuros. A ilusão se caracteriza por não ser semelhante à realidade. A amnésia pode modificar nossas vivências, mas não pode mudar a verdade. A inconsciência pode ter-nos submetido ao jugo de experiências horríveis, mas não pode desfazer a certeza de que, no amor, somos invulneráveis. 

Não importa o quanto tenhamos sido inconscientes ou por quanto tempo tenhamos ficado dormindo. O que importa agora é acordar. O processo de despertar começa com uma percepção, por mais breve que seja, da possibilidade de sermos divinos. No instante em que saborearmos – mesmo que de modo fugaz – o prazer de saber que o Deus do bem vive em nós e se oferece completamente a nós, estará aberta a porta da cura. Se você espiar pelo buraco da fechadura que dá para o universo, vai reconhecer um mundo familiar. Atravesse o portão do medo e você ouvirá o reconfortante som de sinos ecoando no templo de seu coração. Diz-se que “o Espírito dentro de nós adora ouvir a verdade a seu respeito”. Contemplar nossa vida através dos olhos de Deus é nos ver como somos de fato. Esse conhecimento não será perdido. Ao contrário do amor incompleto que conhecemos neste mundo, o conhecimento de Deus é a única percepção consciente que só aumenta com o tempo e o convívio.”



Por Luiz às 13:11:26 | Comentários (1)
Pronto atendimento - 22/03/2009

Uma das tentações humanas diante de Deus é o de querê-lo a serviço de suas urgências que não passam, às vezes, de pequenas esquisitices. Quando não atendidas, a pessoa, além de frustrada, arroga-se o direito de vituperá-lo. Nada mais impróprio e impertinente! Como se Deus fosse um criado sempre a postos para atender nossas precisões! Diante de Deus, somos pobres mendigos e não senhores, adoradores de sua santidade e não mandatários de suas graças. A Ele devemos louvar e não dar ordens.


Por Luiz às 15:41:28 | Comentários (0)
O amor e o perdão (Augusto Jorge Cury) - 19/03/2009

 “Cristo propunha que seus discípulos perdoassem uns aos outros, que se libertassem dos seus sentimentos de culpa e que tivessem uma vida emocional suave, tranquila, que só uma pessoa que perdoa tanto aos outros como a si mesma pode ter. A psicologia de Cristo era profunda, o amor e o perdão se entrelaçavam. Era de fato uma psicologia transformadora, e não reformadora e moralista. Ele dizia que tinha vindo para perdoar, para aliviar o peso da existência e tornar a vida mais complacente, tolerante e emocionalmente serena. Encorajava os seus discípulos a observarem a vida dele e a tomá-la como modelo existencial. Por isso dizia: “Aprendei de mim, pois sou manso e humilde de coração”. 

Cristo desejava aliviar a emoção do peso das mágoas, dos rancores, dos complexos de inferioridade, dos sentimentos de culpa e da autopunição. Apesar de ter todos os motivos para ser rígido e até julgar as pessoas, nele só havia espaço para o perdão, que não é um sinal de fraqueza, mas de grandeza emocional. Perdoar é expressar a arte de amar. 

Na escola da existência de Cristo, perdoar uns aos outros é um princípio fundamental. Perdoar alivia tanto os sentimentos de culpa como as mágoas. O sentimento de culpa fere a emoção. A mágoa corrói a tranquilidade. 

A proposta de Cristo do perdão é libertadora. A maior vingança contra um inimigo é perdoá-lo. Ao perdoá-lo, nos livramos dele, pois ele deixa de ser nosso inimigo. O maior favor que fazemos a um inimigo é odiá-lo ou nos sentirmos magoados com ele. O ódio e a mágoa cultivam os inimigos dentro de nós. 

Cristo viveu a arte do perdão. Perdoou quando rejeitado, quando ofendido, quando incompreendido, quando ferido, quando zombado, quando injustiçado, perdoou até quando estava morrendo na cruz. No ápice da sua dor disse: “Pai, perdoa-os, pois eles não sabem o que fazem...” . Esse procedimento tornou a trajetória de Cristo livre e suave. 

É muito difícil viver com tranqüilidade nas relações sociais, pois facilmente nos frustramos com os outros. É mais fácil conviver com mil animais do que com dois seres humanos. Às vezes, nossas mais amargas frustrações provêm não dos estranhos, mas das pessoas mais íntimas. 

Apesar de rodeados de inimigos e de te discípulos que frequentemente o decepcionavam, o mestre da escola da existência conseguia viver tranqüilo. A arte do perdão era um dos seus segredos. O exercício dessa arte o fazia não gravitar em torno dos outros, não esperar o retorno deles quando ele se doava. Não que não esperasse nada de seus discípulos, pelo contrário, propunha metas elevadíssimas para eles. Todavia, tinha plena consciência de que elas não poderiam ser conquistadas por pressão, cobranças e nem em pouco tempo. Ele esperava que, paulatinamente, seus discípulos fossem transformados interiormente de maneira livre e espontânea. 

Por amar o ser humano e exercitar continuamente a arte do perdão, Cristo preparava terreno para transcender, superar qualquer tipo de frustração com qualquer tipo de pessoa. Nem a vexatória negação de Pedro o fez desanimar. 

Pedro andou muito tempo com seu mestre, presenciou gestos e ouviu palavras incomuns. Todavia, ele o negou por três vezes diante de pessoas humildes, diante dos servos dos sacerdotes. Enquanto Pedro o negava pela terceira vez, Cristo, apesar de estar sendo espancado e injuriado, se virou para ele e o alcançou com um olhar... Um olhar acolhedor, não julgador. 

Naquele momento, Pedro estava dizendo com todas as vozes que não conhecia o mestre de Nazaré. Mas o mestre de Nazaré, com seu olhar arrebatador, estava expressando que conhecia Pedro e o amava. Pedro podia desistir de Cristo, mas Cristo não desistia de Pedro... O amor de Pedro por seu mestre podia ser limitado e circunstancial, mas o de Cristo por ele era ilimitado, pois, apesar da dor causada pela cúpula judaica e pela própria negação de Pedro, conseguia abrir uma janela para acolhê-lo. 

Cristo estava preso e sendo ferido, enquanto Pedro estava livre no pátio, vendo de longe seu mestre ser agredido. O Cristo preso e ferido teve tempo para acolher o Pedro livre no pátio. Quem estava preso, Cristo ou Pedro? Pedro estava preso e Cristo estava livre. Pedro estava livre exteriormente, mas preso interiormente, pelo medo e pela insegurança. Cristo estava preso exteriormente, mas livre interiormente, em seus pensamentos e emoções, em seu espírito. 

Pedro não pediu perdão ao seu mestre, mas o olhar acolhedor e consolador dele já o estava perdoando no momento em que ele o negava pela terceira vez. Cristo, com o seu olhar penetrante parecia dizer eloquentemente a ele: “Pedro, você pode desistir de mim, pode negar tudo o que viveu comigo, mas não tem problema, eu ainda te amo, não desisto de você...”. Diante disso, Pedro caiu em si e se retirou para chorar. Aquele homem forte e rude, que dificilmente derramava lágrimas, começou a aprender a chorar e a ser sensível. Chorou intensa e amargamente. Enquanto chorava, ele provavelmente repensava seu comportamento e a sua história, meditava sobre o olhar profundo de Cristo, refletia sobre os pensamentos dele e, talvez, comparava sua pobre e limitada emoção, subjugada pelo medo e pela insegurança, com o amor incondicional do seu mestre. 

Todos nós gostamos de criticar, julgar e condenar as pessoas que nos cercam e até aquelas que estão longe do nosso convívio. Cristo tinha todos os motivos para julgar, mas não o fazia nem condenava; ele acolhia, incluía, valorizava, consolava e encorajava. 

Pedro disse que, ainda que todos negassem a Cristo, ele não o negaria e, se necessário, até morreria com ele. Foi muito grave o erro de Pedro que negou, ainda que por momentos, a Cristo e a história que teve com ele. Além disso, por negá-lo, foi infiel à sua própria consciência. Contudo, Cristo não o condenou, não o questionou, não o criticou, não o reprovou, apenas o acolheu. Cristo o conhecia mais do que o próprio Pedro. Ele previu seu comportamento. Sua previsão não era uma condenação, mas um acolhimento, um sinal de que não desistiria de Pedro em qualquer situação, um indício de que o amor que sentia por ele estava acima do retorno que poderia receber, acima dos seus gestos e atitudes. 

Certa vez, Cristo disse que toda pessoa que viesse até ele não seria lançado fora, não importasse a sua história nem seus erros. Ele via os erros não como objeto de punição, mas como uma possibilidade de transformação interior. 

A prática do perdão de Cristo era fruto da sua capacidade incontida de amar. Através dessa prática, todos tinham contínuas oportunidades de revisar a sua história e crescer diante dos seus erros. O amor de Cristo é singular, ninguém jamais pode explicá-lo...”



Por Luiz às 01:32:17 | Comentários (0)
Verdade que liberta! - 16/03/2009

Você teve aula com professores que não escreviam nada no quadro? Achava terrível quando recebia a noticia: "Hoje eu vou ditar a matéria para vocês!". Pelo menos todos (ou quase todos) prestavam atenção à aula!

O mais difícil mesmo era quando o professor não tinha o costume de escrever e simplesmente ia explicando. Nesta condição, quem tivesse interesse, que tinha que anotar o que achava importante! Isso realmente exigia certo desdobramento, pois prestar atenção e ainda anotar, não era nada fácil. Você já teve aulas assim?

Digamos que o professor fale da Teoria da Relatividade e sobre seu "descobridor" (Física / Albert Einstein). Você acha tudo muito importante e toma nota. Muitos anos se passam e você está diante de um alemão e este falava sobre a Teoria dando muito mais detalhes do que aquele professor. No final esse "palestrante" se apresenta como sendo o próprio Albert Einstein (se ele não tivesse morrido é claro). Será que você teria como verdade essa teoria? O que outrora já tinha como verdade, como conhecimento, é agora com essa "aparição", como seria neste novo tempo?

Parece ser natural considerar como loucos os desenvolvedores de teoria cientificas quando na descoberta, mas o que dizer do povo judeu quanto ao anúncio da vinda do Messias e de seu cumprimento? Talvez no Velho Testamento aquele entusiasmo fosse apenas efeito colateral diante de uma linda e atraente "Teoria" de Salvação. O entusiasmo foi tão grande que as profecias de Moisés, por exemplo, marcou a nação. Agora, no mínimo, é revoltante ver o desdém desta mesma nação quando o Próprio Messias se manifesta, é autenticado por Deus (com sinais e maravilhas) e ainda assim ser considerado um mentiroso, um farsante! A profecia deixou de ser verdade?

Hoje temos a Bíblia, a Palavra Viva, que pode ser condenação para uns, mas libertação para outros! Essa "Palavra de Deus", revelada aos homens, atravessa os séculos e chega até você, por puro Milagre. Se há coração aberto, seguramente Essa Palavra marca a vida do homem, pois é a Palavra de Deus. "A fé vem pelo ouvir, e o ouvir da Palavra de Deus". Que lugar essa Verdade tem no seu coração? Não feche as portas como aqueles judeus. Ouça a Verdade, e ela te libertará.


Por Luiz às 18:12:08 | Comentários (0)
Dormir enquanto os ventos sopram - 14/03/2009

 


       Alguns anos atrás, um fazendeiro possuía terras ao longo do litoral do Atlântico. Ele constantemente anunciava estar precisando de empregados. 
     A maioria de pessoas estavam pouco dispostas a trabalhar em fazendas ao longo do Atlântico. Temiam as horrorosas tempestades que varriam aquela região, fazendo estragos nas construções e nas plantações. 
        Procurando por novos empregados, ele recebeu muitas recusas. 
       Finalmente, um homem baixo e magro, de meia-idade, se aproximou do fazendeiro. 
       - Você é um bom lavrador? Perguntou o fazendeiro. 
       - Bem, eu posso dormir enquanto os ventos sopram - respondeu o pequeno homem. 
 
       Embora confuso com a resposta, o fazendeiro, desesperado por ajuda, o empregou. O pequeno homem trabalhou bem ao redor da fazenda, mantendo-se ocupado do alvorecer até o anoitecer e o fazendeiro estava satisfeito com o trabalho do homem. 
        Então, uma noite, o vento uivou ruidosamente. O fazendeiro pulou da cama, agarrou um lampião e correu até o alojamento dos empregados. Sacudiu o pequeno homem e gritou, - Levanta! Uma tempestade está chegando! Amarre as coisas antes que sejam arrastadas! 
        O pequeno homem virou-se na cama e disse firmemente,  - Não senhor. Eu lhe falei, eu posso dormir enquanto os ventos sopram. 
        Enfurecido pela resposta, o fazendeiro estava tentado a despedi-lo imediatamente. Em vez disso, ele se apressou a sair e preparar o terreno para a tempestade. Do empregado, trataria depois. 
       Mas, para seu assombro, ele descobriu que todos os montes de feno tinham sido cobertos com lonas firmemente presas ao solo. As vacas estavam bem protegidas no celeiro, os frangos nos viveiros, e todas as portas muito bem travadas. As janelas bem fechadas e seguras. Tudo foi amarrado. Nada poderia ser arrastado. O fazendeiro então entendeu o que seu empregado quis dizer, e retornou para sua cama para também dormir enquanto o vento soprava. 

       O que eu quero dizer com esta história, é que quando se está preparado - espiritual, mental e fisicamente - você não tem nada a temer.

       Eu lhe pergunto: você pode dormir enquanto os vento sopram em sua vida? 

       Espero que você durma bem.



Por Luiz às 15:15:09 | Comentários (1)
O que Deus quer de nós - 12/03/2009

Deus pode falar muito ao teu coração sobre amor e comunhão. Sobre a importância de vivermos verdadeiramente o amor que Ele nos dá em abundância, mas um amor diferente do que estamos acostumados a viver…
Leia, reflita e ore. O Senhor certamente falará ao seu coração!

Diante de uma vitrine atrativa, um menino pergunta o preço dos filhotes à venda. “Entre 30 e 50 dólares”, respondeu o dono da loja. O menino puxou uns trocados do bolso e disse:
- “Eu só tenho 2,37 dólares, mas eu posso ver os filhotes?”
O dono da loja sorriu e chamou Lady, que veio correndo, seguida de cinco bolinhas de pelo. Um dos cachorrinhos vinha mais atrás, mancando de forma visível. Imediatamente o menino apontou aquele cachorrinho e perguntou:
- “O que é que há com ele?”
O dono da loja explicou que o veterinário tinha examinado e descoberto que ele tinha um problema na junta do quadril, sempre mancaria e andaria devagar. O menino se animou e disse:
- “Esse é o cachorrinho que eu quero comprar!”
O dono da loja respondeu:
- “Não, você não vai querer comprar esse. Se você realmente quiser ficar com ele, eu lhe dou de presente.”
O menino ficou transtornado e, olhando bem na cara do dono da loja, com o seu dedo apontado, disse:
- “Eu não quero que você o dê para mim. Aquele cachorrinho vale tanto quanto qualquer um dos outros e eu vou pagar tudo. Na verdade, eu lhe dou 2,37 dólares agora e 50 centavos por mês, até completar o preço total.”
O dono da loja contestou:
- “Você não pode querer realmente comprar este cachorrinho. Ele nunca vai poder correr, pular e brincar com você e com os outros cachorrinhos.”
Ai’, o menino abaixou e puxou a perna esquerda da calca para cima, mostrando a sua perna com um aparelho para andar.
Olhou bem para o dono da loja e respondeu:
- “Bom, eu também não corro muito bem e o cachorrinho vai precisar de alguém que entenda isso.”

Nesta história percebemos que o dono da loja, apesar de bem intencionado, não conseguia entender a amplitude do que aquele garotinho estava lhe ensinando…
Ele não entendia que aquele cão, apesar de suas limitações e defeitos, tinha o mesmo valor que os outros…
Ele não conseguia enxergar o que Deus queria fazer através da vida daquele cãozinho manco…
Assim acontece conosco!
Quantas vezes julgamos o outro pela aparência e não lhe damos oportunidade de mostrar seus valores, seus sentimentos, seus dons…
Quantas vezes ignoramos o outro e o consideramos inútil simplesmente porque achamos que ele não pode dar nada de bom…
Na escola, no trabalho, em casa, na igreja, estamos sempre a separar aqueles que para nós são úteis e a isolar ou ignorar aqueles que, aparentemente não tem jeito…
Fazemos como os fariseus da época de Jesus, que conheciam as escrituras, mas não a praticavam…
Na história, o menino mostra ao dono da loja que ele tinha o mesmo problema que o cãozinho e, por isso era capaz de entender suas limitações. Ele enxergava suas limitações e via que ele e o cãozinho poderia se compreender e se dar muito bem juntos…
Eu te pergunto neste momento: Você já parou pra pensar que aquela pessoa que você acha que não tem valor tem o mesmo tipo de problema que você?
Você sabe que problema é esse?
Não?
Chama-se PECADO…
Você, eu, aqueles que nos incomodam possuem o mesmo tipo de problema: o PECADO.
Não importa se um mente, outro adultera, outro rouba, outro é egoísta, outro se prostitui…
Não importa que tipo de “defeito” que é!
Todos temos o mesmo defeito, todos pecamos e por nós mesmos estaríamos destituídos da graça de Deus…
Na história o garotinho mostrou que, como ele também tinha um “defeito” ele podia compreender o “defeito” do cãozinho e, assim, conviver bem com o animal…
Que tipo de comportamento estamos tendo com os nossos irmãos?
Em João 8:7 Jesus disse: Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire uma pedra…
Se não temos pecado algum podemos atirar a pedra…
Se não erramos, se nunca caímos em tentação podemos atirar a pedra…
Em Mateus 7:3-5 Jesus diz: ” por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão”.
Se temos “defeitos”, se temos argueiros em nossos olhos, por que reparamos no argueiro do olho de nosso irmão? Com que autoridade fazemos isso?
Jesus nos chama a viver um amor sem hipocrisias!
Jesus nos chama a viver um amor sem barreiras, preconceitos, julgamentos…
Hoje o Senhor te chama a VIVER o amor. A compartilhar, aceitar, perdoar, sorrir, abraçar….
Pense naquelas pessoas que mais te incomodam na sua família, na sua igreja, no seu trabalho ou na sua escola…
Por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho?
Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire uma pedra…
Se não tens pecado atire a pedra!
Se tens…
Ame, perdoe, conviva, ajude e cresça na presença do Senhor…
Quantos nas igrejas pregam um amor que não vivem! Quantos glorificam a Deus na igreja e em casa… Ah em casa…
Sabe porque muita gente quer ter experiência com Deus e não tem? Porque não vive o amor!
Em 1 João 4:20 está escrito: “Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?”
Como você pode ter experiência com Deus que é amor se você não vive o amor?
Preste atenção numa coisa:
A verdadeira experiência com Deus não é emoção. A verdadeira experiência com Deus é intimidade!
Quando você é intimo você compartilha, você entende, você conhece a fundo os desejos e anseios do outro…
E para termos intimidade com Deus que é amor temos que nos abrir pra esse amor em nossas vidas!
Em 1 João 4:8 está escrito: Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.
Veja bem, se formos à igreja e nos emocionarmos com a música, com a Palavra pregada, mas não vivermos o amor, na realidade, não temos parte com esse Deus que buscamos, não o conhecemos …
Queres ter um ano de grandes experiências com Deus?
Então VIVA o amor que Ele te dá em abundância!
Pare de apontar, entenda que aquele irmão que erra é tão pecador quanto você!
Entenda que ele, como você, necessita da graça diária de Deus para sobreviver…
VIVA o amor!
Queres ter um ano de grandes experiências com Deus?
Compartilhe, perdoe, compreenda, abrace!
Desta forma, Deus se manifestará plenamente em tua vida e, com certeza, você será feliz!



Por Luiz às 01:15:44 | Comentários (1)
Templo interior - 04/03/2009

"A saúde é o pré-requisito essencial para o êxito em todos os aspectos da vida e para compreender os quatro princípios que guiam a vida humana - vida moral, prosperidade, satisfação de desejos benéficos e libertação da dor. A pessoa procura viver alegre e pacificamente, mas felicidade e paz não são obtidas de atividades mundanas. O corpo, que anseia ser saudável e seguro, está sujeito à doença, deterioração e morte. No entanto, o Residente dentro do corpo, o Eu Superior, não nasce nem morre. O corpo é o templo de Deus. Portanto, é dever da pessoa manter o templo em boas condições."



Por Luiz às 18:52:35 | Comentários (2)
Cura ou não cura? - 02/03/2009

"Examinem as Escrituras, porque vocês crêem que elas vos trarão a vida eterna, e são elas que apontam para Mim. No entanto, não querem vir a Mim para que vos dê essa mesma vida eterna" (João 5.39-40 Livro) 

"Existe um dito popular que diz o seguinte: "Todo mundo, de médico e louco, tem um pouco"! Acho que é isso mesmo. Sei que o dito propõe que qualquer pessoa se passa por pelo menos uma dessas duas figuras ora ou outra! Dificilmente, quando se diz algo a respeito da falta de saúde de alguém, não se sugere um "remedinho". E quanto à loucura, acredito que nem precisa explicar. Você consegue se lembrar de algum posicionamento seu que confirme esse dito popular?
Fiquei imaginando a hipocrisia das nossas atitudes quando propomos um "remedinho" aos nossos contatos, porque dificilmente o temos como verdadeiramente um caminho para cura. Se você forçar um pouco a memória, verá que nem mesmo você absorve ou vive todos os "conselhos" que dá! Para remédio então, já que ninguém gosta, a sua rejeição sempre demonstra que seu problema é outro, apesar de ser a "cura certa" para aqueles aquém se destinam seus conselhos. Percebe a hipocrisia? "Faça o que eu digo e não o que eu faço".
É uma dura palavra essa tal de "hipocrisia", mas seu significado é o que qualifica os comportamentos contrários ao que ensinamos. Hipocrisia é "impostura, fingimento; é a manifestação de virtudes ou sentimentos que realmente se não tem". Será que você já praticou isso alguma vez?
Jesus ressaltou com veemência essa condição (hipocrisia) naqueles que viviam a religiosidade! Para aquela época esses religiosos eram os judeus, que ficavam ligados a meros rituais e deixavam o verdadeiro culto a Deus de lado. Hoje talvez seja eu e você que praticamos essa tal de religiosidade, ou você acha que não?
Uma matemática simples é observar o crescimento dos cristãos no nosso país e no mundo. Se esse número aumenta o mundo não deveria ficar melhor? Seguramente se houvesse crescimento do número de "verdadeiros discípulos de Cristo", o mundo estaria melhor! Precisamos reavaliar se realmente já experimentamos o "Remédio" (Cristo) que propomos. A forma como vivemos é um "termômetro" para isso. Você vive O Cristo que tanto prega ou essa Cura serve para os outros e não para você?"
 



Por Luiz às 11:06:02 | Comentários (0)
As gemas da verdade - 20/02/2009

Estamos viajando por um país distante, que é regido por leis estranhas à nossa natureza. Os que vivem sob a ditadura da separação agem para propiciar os deuses da culpa e do medo, déspotas impiedosos e enganadores. Assim que alguém desafia os senhores das trevas, é rotulado de imbecil ou descartado como se fosse uma ameaça ao regime das sombras. De fato, é difícil manifestar sanidade mental num mundo que está nas garras da loucura. 

Apesar de tudo, aquele que busca a verdade tem nas mãos duas gemas dotadas de poder para vencer as trevas e lançar uma preciosa luz sobre o caminho do coração. Essas jóias resplandecentes refletem a sabedoria do Céu e dispersam as nuvens da confusão que invadem a alma em sua jornada de cura. 

A primeira pedra preciosa é o discernimento, necessário para não sermos enganados pelas aparências. Diante de qualquer espécie de terror, o aprendiz da verdade convoca uma visão superior que lhe permite enxergar através do véu da tragédia e contemplar a sagrada presença, sejam quais forem as indicações dadas pela forma externa. A cura é impossível para que os que enxergam os limites e se deixam aterrorizar por eles. A visão é a mais valiosa companhia do sábio, e lhe será de grande serventia quando todos os outros companheiros tiverem ficado para trás. 

A segunda gema é a disposição de voltar-se para o próprio íntimo em busca de orientação. Depois de certa altura do caminho, as decisões procedem do coração, e não de uma fonte exterior de autoridade. Não existe autoridade externa. Existe uma só autoridade que se encontra no interior de cada um. Tudo o que vemos no mundo externo não passa de um reflexo da dinâmica do espírito que se desenrola em nosso íntimo. O verdadeiro guerreiro do coração refugia-se no templo da alma e tira seu sustento da chama da graça que arde eternamente em seu sagrado altar. Toda a força, a direção e a visão desse guerreiro provêm dessa luz santa.

Se esse guia interior aconselha-nos a dizer não, então devemos confiar em sua sabedoria. A pessoa astuta percebe que vê apenas uma porção minúscula do grande mosaico em que qualquer situação não passa de um mínimo ladrilho. Mas vive dentro dele aquele que realmente enxerga o mapa completo do percurso, e quando esse alguém diz não, há motivos para tanto. E, embora a razão possa não ser óbvia nesse momento, aparecerá na hora certa. 

Quando acolhemos o “não” enviado pelo Espírito, prestamos a nós e ao mundo um grande serviço. Diga o seu “não” com dignidade, sabendo que ele é uma dádiva. Se você se desculpa por dizer “não”, é porque não está acreditando na voz que o orienta a dizê-lo. O poder da integridade está em fazer com que as palavras que saem de sua boca sejam as mesmas que a sabedoria do coração dita. Abençoado com o poder da verdade, seu “não” àquilo que não lhe pertence é um testemunho de que o seu bem se encontra em outra parte, e você o terá.



Por Luiz às 19:39:59 | Comentários (0)
Acreditar - 18/02/2009

Nós temos muita dificuldade em acreditar em nós mesmos e em nossos sonhos, pois sempre fomos ensinados que devemos “ver pra crer” e na realidade quem acredita em um sonho ou idéia faz justamente o contrário “Crê para ver”; com isso consegue energia suficiente para colocar seus planos em prática e transformar seus sonhos em realidade, já li e ouvi diversas histórias sobre isso mas nunca consegui extrair algo sólido que pudesse ser comprovado ou demonstrado fisicamente como isso ocorre , então decidi inverter o processo e comecei a pesquisar em casos clínicos de paciente esquizofrênicos com a intenção de demonstrar que se a nossa mente é realmente capaz de criar cenários que podem “mascarar” realidade sob a ótica desta pessoa esquizofrênica, por que não seria possível para nós “diagnosticados normais” usarmos este potencial da nossa mente e recriarmos os cenários que transformem a nossa realidade e com isso realizarmos nossos sonhos.
A Esquizofrenia é uma doença da personalidade total que afeta a zona central do eu e altera toda estrutura vivencial. Culturalmente o esquizofrênico representa o estereotipo do "louco", um indivíduo que produz grande estranheza social devido ao seu desprezo para com a realidade reconhecida. Agindo como alguém que rompeu as amarras da concordância cultural, o esquizofrênico menospreza a razão e perde a liberdade de escapar às suas fantasias.
Na história abaixo podemos observar o que o poder da mente pode criar neste tipo de pessoa, a alteração que ela cria na realidade faz com que estas pessoas passem a acreditar nas suas “alucinações” e comecem a tomar decisões em cima desta nova realidade que somente ela pode enxergar, resumindo ela se torna uma visionária, não é mais ou menos assim que as pessoas que defendem uma idéia ou sonho se tornam quando acreditam no que estão falando , seus olhos brilham e a energia emana de suas palavras.
Uma pessoa de 39 anos, sexo masculino, portador de quadro psicótico crônico, compatível com esquizofrenia paranóide, de acordo com critérios diagnósticos do DSMIV (American Psychiatric Association, 1994). Vinha realizando seu tratamento ambulatorial, com uso de diversos antipsicóticos, sempre com diminuição parcial dos mesmos e assim inúmeras recaídas.
Aproximadamente dois meses antes da admissão em um Centro de Atenção Integrada à Saúde Mental (CAISM), passara a fazer uso irregular da medicação, tendo evoluído com desorganização do comportamento, alucinações auditivas, roubo e irradiação do pensamento, também apresentava delírios de influência (dizia ser controlado e influenciado por espíritos que adentravam seu corpo) e de grandeza (relatava que Deus havia concedido a ele poderes de cura).
Em uma 4ª. feira nublada a pessoa amputou o próprio pênis, obedecendo a alucinação auditiva de comando, utilizando para isso uma faca de cozinha. Depois dos cuidados cirúrgicos, o paciente foi internado na enfermaria de psiquiatria do CAISM, onde passou a receber medicação antipsicótica, por um período de 60 dias, com pouca melhora da sintomatologia psicótica.
O paciente sempre relatava, desde a sua entrada, novos planos de automutilação e intenções suicidas e não demonstrava qualquer arrependimento por seu ato, afirmava frequentemente que vinha trabalhando, por telepatia, com um sistema de computadores, e que teria ocorrido um bloqueio neste sistema. Segundo o paciente, se o referido sistema não fosse desbloqueado rapidamente, pessoas perderiam seus empregos, uma bomba seria ativada e outros acontecimentos funestos poderiam ocorrer.
A autocastração seria, de acordo com o paciente, a única maneira de desbloquear o sistema de computadores, esta idéia era reforçada por alucinações auditivas: o paciente relatava ter ouvido, em cinco ocasiões diferentes, a voz de Deus, ordenando-lhe que se castrasse, como um “sacrifício”, depois de consumado o ato, o paciente contava ter experimentado grande alívio já que, segundo suas crenças delirantes, o sistema havia sido “imediatamente desbloqueado”.
Passados oito meses de internação, o paciente recebeu alta da enfermaria com melhora parcial dos sintomas psicóticos sendo encaminhado para prosseguir com o tratamento em regime de hospital dia, tendo sido orientada vigilância intensiva em domicílio por parte dos familiares. Ao longo de um período de seis meses de seguimento após a alta, não foi observada recorrência do comportamento automutilador. O paciente manteve-se indiferente e sem relatar qualquer arrependimento em relação ao ocorrido embora, após a melhora do quadro psicótico, tenha passado a relatar explicação alternativa para seu ato. Afirma que, na época da automutilação, seu corpo era habitado por espíritos, e que estes lhe teriam ordenado que se castrasse como forma de perpetuar seu “trabalho” com o sistema de computadores.

Observem que o poder da mente foi tão grande que motivou o paciente a acreditar que deveria se automutilar, com isso você pode imaginar a força que tinha a sua crença para faze-lo acreditar que essa era a única solução, agora pense por um instante se conseguirmos direcionar esta força para realizar nossas metas, pois está provado que existe, agora temos que descobrir como usá-la.
Todos deveríamos ser um pouco esquizofrênicos quando se trata de realizar seus sonhos.



Por Luiz às 20:34:56 | Comentários (1)
Dor e compaixão (Pablo Morenno) - 16/02/2009

O ser humano é um grande esconderijo da dor.  Descobri quase por acaso ao sofrermos uma grande perda e uma dor robusta. Quem sofre uma dor, como um apaixonado, logo tem vontade de sair contando aos quatro ventos. No nosso caso, vontade de sair se lamentando da crueldade da vida. Tanto na dor, quanto no amor, a paixão tem a mesma raiz etimológica: padecer.  A diferença da paixão do amor e da paixão da dor está no fato de que apenas esta última é passível de com-paixão. Isso também descobri.  No caso do amor, é difícil amarmos com o apaixonado. Mas no caso da dor, a cada instante encontramos alguém disposto à com-paixão. 

Pela compaixão descobrimos esconderijos em pessoas longe de qualquer suspeita. Se a paixão de amor vem e vai - logo nos apaixonamos por um novo amor - a paixão da dor apenas se esconde. E se o amor, com o tempo, começa a guardar o amado para si mesmo, a dor escondida se despe do ocultamento ante outro ser dolorido. O esconderijo abre suas portas e a dor do passado se faz unguento para as feridas do outro. A paixão sublimada e superada transforma-se em palavras de conforto para um sofredor inexperiente. 

Todos, sem exceção, disfarçam alguma dor? Foi e será assim. Nem nos damos conta. A vida é sábia em esconder a dor e nos motivar a seguir adiante. Fiquei surpreso nesses dias. As pessoas que sabem de nossa dor vão chegando pé-por-pé e começam a relatar suas dores. Nunca imaginamos as dores dos outros. São amigos que no passado tiveram dores semelhantes ou piores, mas seguem a vida com elas bem disfarçadas. São filhos que perderam pais, pais que perderam filhos, tragédias mimetizadas pelo tempo. De repente, como disse, quando expomos nossas dores, os outros chegam com palavras de conforto e vão desembrulhando suas dores invisíveis. Na solidariedade, a dor se destila em compaixão. A fragilidade da vida não poupa ninguém. Essa descoberta nos dá uma enorme fortaleza de espírito. 

Mais importante que descobrir o esconderijo da dor humana e sua superação, é descobrirmos o grande poder curativo da dor quando se transforma em compaixão. Quando alguém nos dá um abraço e conta uma dor semelhante ou pior, a dor do abraçado se ameniza e a dor do abraçante descobre tardiamente sua utilidade. Em cada minuto esse processo se repete no mundo. Aqueles que superaram suas dores consolam aqueles que estão sofrendo. Por isso, quem é solidário e compassivo supera as adversidades da vida e é capaz de lhe dar plenitude e felicidade. 

Quanto à sua natureza, a paixão da dor e a paixão do amor têm muito mais em comum. A segunda, porém, tem uma função primordial sobre a primeira: ser o analgésico mais eficiente de que se tem notícia. 



Por Luiz às 22:56:03 | Comentários (0)
Maior benção - 12/02/2009

"Não há maior bênção que o nascimento humano. Para proclamar-se humana, a pessoa deve primeiramente mostrar humanidade em ação. Tendo nascido e crescido na sociedade, e nela conquistado sua riqueza, a pessoa deveria mostrar gratidão à sociedade, trabalhando para seu bem-estar. O mundo está enfrentando problemas porque o homem não mostra sua gratidão à sociedade. O bem-estar da sociedade também é seu bem-estar. Abandone o egoísmo e trabalhe pelo bem-estar da sociedade. O mundo só desfrutará paz e segurança quando todos servirem à sociedade e tiverem devoção a Deus."



Por Luiz às 23:38:27 | Comentários (0)
Ganância de Deus - 09/02/2009

A cada ano que passa nestes tempos atuais, fico convencido de que a humanidade perdeu o foco de Jesus Cristo. Com raras exceções, a nosso entender, o ser humano dá mais importância para presentes; para comida e para bebida que irá degustar e sorver; ao artefato superficial da aparência física; ao consumismo desenfreado, enfim, dá crédito a tudo que o separa da generosidade de Deus que, – em todos os dias -, dá demonstração fidedigna de sua preocupação com a fragilidade de seus filhos. Pior, passa esse costume às crianças. 

O ser humano tem medo de ser feliz. Esquece sua imagem e semelhança de Deus. Esquece que não precisa inventar nada para ser constantemente alegre, satisfeito e cheio de graça, sob a proteção do Espírito Santo. Deus não quer sacrifício e penitência. Deus não quer promessas insuportáveis, pois sabe que não serão cumpridas. 

Deus quer sinceridade nos olhares e cumprimentos, com temperos como o perdão e a reconciliação. 

Ele quer mãos vazias, desprovidas de rancor; que possam tocar o semelhante, reconhecendo a necessidade da vida em comunidade. 

A opinião é minha e não admito contestações e nem debates. Resolvi escrever sobre ela para desafogar meu íntimo e divulgar os assuntos que plantei no meu coração, cultivando-os sempre que me é dada a oportunidade de meditar sobre a vida e obra de Jesus Cristo, de vida curta, da qual só são lembrados o nascimento e a morte. 

Ao assumir a missão de batizado, a pessoa deve tomar consciência de que o seu destino é de paz, no gozo de uma vida sadia, sem preconceitos, praticando a justiça que a levará, talvez, um dia, a retribuir uma ofensa, dando a outra face, num sintoma de que a ligação de Deus pai, quando nos mandou seu Filho, foi muito bem acatada.



Por Luiz às 16:03:58 | Comentários (0)
Mérito - 05/02/2009

"Um enorme contingente de pessoas esqueceu o amor e tem desejado ardentemente as coisas mundanas. O dinheiro vem e vai, mas a moralidade vem e cresce. Suas riquezas o acompanharão quando você deixar este mundo? Não! Somente os resultados de suas ações o acompanharão. Somente a riqueza do mérito o protegerá. A pessoa obtém mérito servindo aos outros e comete pecado ferindo-os. Não acumule pecado, mas, ao contrário, conquiste a riqueza do mérito."



Por Luiz às 09:42:49 | Comentários (1)
Riqueza e pobreza (Sathya Sai Baba) - 29/01/2009

Se você conquista a riqueza do puro amor, você se torna a pessoa mais rica no mundo. Aquele que está contente é o homem mais rico no mundo e o que possui muitos desejos é o homem mais pobre no mundo. Atualmente, o homem está cheio de desejos, do topo da cabeça aos dedos dos pés. Enquanto a pessoa tiver desejos, ela nunca pode estar contente e calma. Abandone os desejos e veja, por si mesmo, quanto amor e bem-aventurança você obterá. A bem-aventurança que você experimentará será muito superior a toda felicidade antes experimentada. A bem-aventurança está dentro de você, mas você está imaginando que ela está fora. O que está fora é apenas o reflexo, a reação e a ressonância do que está dentro de você.



Por Luiz às 11:37:05 | Comentários (3)
A vida sempre vale a pena - 25/01/2009

“ A VIDA sempre vale a pena e, como tal, deve ser defendida.
Em nossas vidas temos, todos nós, algumas vitórias e outras
derrotas, alguns mais, outros menos... alguns com uma estrela
brilhante e outros com uma mais apagada.
  

 

Independente disso, a beleza da vida e a felicidade somente
podem ser encontradas nas pequenas coisas: numa flor, no
canto de um pássaro, nas travessuras de um animal de estimação
ou no sorriso inocente de uma criança.
  

 

Que possamos nos utilizar desses momentos, insubstituíveis,
para reabastecermos o combustível da nossa fé e de nossa esperança,
fortalecendo-nos para um novo confronto com os problemas que
se nos apresentam, dia após dia...
  

 

E que possamos, um dia, quando os cabelos brancos já
se apresentarem como donos de nossas cabeças, termos
consciência de ser vencedores, do mundo e de nós próprios,
e a certeza de que a nossa VIDA valeu a pena, não
importando o resultado financeiro que tenhamos obtido,
mas importando, e muito, o balanço final do AMOR e
da FRATERNIDADE que tenhamos conseguido
esparramar sob os nossos passos !!!”
 



Por Luiz às 22:09:59 | Comentários (2)
O "Eu Sou" é contigo? - 20/01/2009

“Você gosta de poesia? Sabia que a Bíblia tem um conjunto de livros poéticos? São cinco livros! Um deles muito conhecido é o Salmos. Este livro teve diversos autores e a maioria escreveu louvores (cânticos) a Deus! No idioma original poderíamos observar métrica e tudo mais nas poesias e cânticos. 

Um Salmo que é muito conhecido é o do capitulo 23! Um trecho especial deste Salmo, que quero ressaltar, é \"(...) ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque Tu estás comigo e Tua vara e Teu cajado me consolam (...)\" (Salmos 23.4). Todo cristão tem que ter essa Palavra no coração! Aqui está a verdadeira prosperidade de Deus! Mas o que o passar pelo \"vale da sombra da morte\" tem a ver com prosperidade? Estranho isso não é mesmo? E isso não tem nada a ver com o que andam pregando por ai!  

Podemos até entender isso melhor neste versículo: \"Tendo Jesus dito isso, saiu com os Seus discípulos para além do ribeiro de Cedrom, onde havia um horto, no qual Ele entrou com os seus discípulos\" (João 18.1 Almeida Revista e Corrigida (www.sbb.org.br)) 

Quidrom (ou Cedrom) é a exata expressão hebraica para \"escuro\". E pelo contexto do versículo vemos que Jesus seguia para o local onde seria preso e levado à cruz! Consegue imaginar o quanto esses momentos que antecediam Sua prisão seriam angustiantes e terríveis? Ele seguiu adiante, passou pelo Vale Escuro (ou da sombra da morte), mas não se deteve. Jesus tinha firme convicção que a vara e o cajado de Deus o consolariam.  

Você costuma enfrentar o Vale Escuro ou vive fugindo dele? Deus não livrou Jesus da cruz, mas transformou morte em vida, Ele tinha propósitos! Você consegue passar pelo vale da sombra da morte de cada dia crendo que Cristo não o abandonará? Viver essa fé é verdadeiramente ser próspero (Salmos 1).” 



Por Luiz às 09:52:53 | Comentários (1)
Práticas espirituais - 18/01/2009

"Você pode fazer várias práticas espirituais, mas não se sinta orgulhoso delas.

Primeiramente, purifique seu coração.

Não dê oportunidade ao cheiro sórdido dos desejos mundanos. Preencha seu coração com a fragrância das virtudes.

Você não obtém muitos benefícios somente lendo livros ou ouvindo discursos. De que serve cantar o Nome Divino com uma mente poluída? O mundo atual está aflito com todos os tipos de poluição. Os pensamentos, as palavras e as ações das pessoas também estão poluídos. Purifique seu coração. Desenvolva firmeza e devoção: com fé, a sabedoria é conquistada."



Por Luiz às 21:22:43 | Comentários (0)
Olhe para a porta certa (Sandra Benedetti) - 07/01/2009

“Se você colocar um falcão em um cercado de um m2 e inteiramente aberto por cima, o pássaro, apesar de suas habilidades de voo, será prisioneiro.

A razão é que um falcão sempre começa seu voo com uma pequena corrida em terra. Sem espaço para correr, nem mesmo tentará voar e pelo resto de sua vida permanecerá prisioneiro nesta cela sem tela. 

O morcego, criatura notavelmente ágil no ar, não pode sair de um lugar nivelado.
Se for colocado num piso completamente plano, tudo que ele conseguirá fazer será andar de forma confusa, dolorosa, procurando alguma ligeira elevação de onde possa se lançar. 

Um zangão, se cair em um pote aberto, ficará lá até morrer ou ser removido. Ele não vê a saída no alto, por isso, persiste em tentar sair pelos lados, próximo ao fundo.
Procurará uma maneira de sair onde não existe nenhuma, até que se destrua completamente, de tanto atirar-se contra o fundo do vidro. 

Existem pessoas como o falcão, o morcego e o zangão: atiram-se obstinadamente contra os obstáculos da vida, sem perceber que a saída está logo acima. 

Se você está como o zangão, um morcego ou um falcão cercado de problemas por todos os lados... olhe para cima...
Olhe para o Criador, você encontrará a porta certa!”



Por Luiz às 11:47:05 | Comentários (1)
Feliz VOCÊ NOVO em 2009!!! - 05/01/2009

É engraçada a quantidade de vezes que entramos em profundo desespero durante o ano, não é mesmo?! As vezes nos desesperamos com a falta de dinheiro, outras com a falta de saúde ou de paz.  Por outras vezes, sonhamos encontrar aquele amor perfeito, aquele que almejamos e está tão longe da gente... Em certos momentos, queremos jogar tudo para o alto e buscar novos horizontes. Mas o próprio desespero ou a falta de energia nos mantem imóveis, parados com nossas desilusões e desesperanças. No entanto, é incrível também como há uma imensa quantidade de vezes em que acordamos felizes sem nenhuma razão aparente.  Que mesmo com a falta de dinheiro nos sentimos livres. E que, por estarmos sentindo alegria no coração, nossa saúde melhora e temos a sensação de paz.  Nesses dias, andamos sorrindo pelo mundo e aquele amor que sonhamos e estava tão longe aparece do nada e nos faz mais feliz ainda! Ou aparece do nada mesmo e notamos que algo se perdeu e não é mais isso que queremos... e, por incrível que isso possa parecer, ficamos felizes também com mais essa nova descoberta.  Observando estas reações humanas, percebo que somos como a natureza: semanas inteiras de tempo nublado, semanas inteiras de sol reluzente.  Por outras vezes, dias reluzentes com tardes nubladas e chuvosas; dias nublados com tardes de sol... É assim a vida! Nós, seres imperfeitos, buscando sempre algo maior, ficamos nesse vai e vem de emoções e perturbações!  Ei, você meu amigo (a) querido (a)... Se bater o desespero e estiver muito nublado, lembre-se que faz parte do aprendizado e logo o sol voltará a brilhar, desde que tenhamos disposições internas para desejar a mudança de clima.  Ei, você! Eu não quero te desejar feliz ano novo, mas quero te desejar um Feliz VOCÊ NOVO!!!   Você já traçou metas para atingir um VOCÊ NOVO?!  Que Deus ilumine seu caminho e faça-o despertar para novas emoções e vivências... Espero encontrar VOCÊ NOVO num ANO NOVO que nada promete, porque os resultados somos nós que construímos, e a construção é feita muitas vezes com suor, lágrimas, risos, paciência, perseverança e muita, muita vontade!!!  Espero que a sua vontade junte-se a minha, e que as nossas vontades juntem-se as de outros, de tal forma que realmente sejamos melhores em atitudes, melhores em solidariedade, melhores em união, melhores em amizade e principalmente em amor fraterno.



Por Luiz às 15:12:40 | Comentários (2)
O único poder verdadeiro - 26/12/2008

Quando Jesus foi levado até Pôncio Pilatos, depois de ter sido acusado de crimes que jamais cometeu, Pilatos ameaçou-o dizendo: “Você não percebe que eu tenho o poder de mandar crucificá-lo?”. A resposta de Jesus foi clara e nítida: “Você não teria poder algum se meu Pai não o tivesse dado”. 

Nunca se enunciou verdade tão incisiva. Não existe poder algum exceto o poder de Deus. Em nosso jogo pueril sobre a face da Terra, inventamos regras, regulamentos, recompensas e castigos, mas todas essas coisas não têm sentido para quem entende que o único poder real está no Espírito. Pessoa alguma tem qualquer poder sobre outra pessoa, exceto se esta lhe der esse poder. Todos nós estamos unidos ao Deus todo-poderoso, criando momento a momento o nosso universo, emprestando força ao que acreditamos e descartando o resto. Nossa vida não é regida por pessoas; ela vem do Espírito. Nosso alimento não é o pão da terra, mas o amor de Deus. Nosso sustento não depende dos pedaços de papel e dos discos de metal que trocamos entre nós, mas da infinita misericórdia daquele que criou tudo que acreditamos estar negociando. Atenção para não trocar por nada a percepção consciente de que sua Fonte vive dentro de você. Atribuir poder a qualquer coisa menor que o amor é sem dúvida um mau negócio.



Por Luiz às 13:40:31 | Comentários (1)
Maravilhas - 25/12/2008



Por Luiz às 23:07:56 | Comentários (0)
Dezembro - 22/12/2008

Cidades, casas e ruas enfeitadas nos lembra  que o mês de dezembro é confraternização e união em torno de sentimentos de amizade e fraternidade. 

Vamos aproveitar a oportunidade e viver este clima que paira no ar, reunindo familiares, amigos e oferecendo aquele abraço que ainda não pudemos dar. 

O Guerreiro da Luz deseja que este Natal seja coroado de muita saúde. E que nossos desejos de paz e felicidade ajudem a iluminar a Terra. 

A melhor mensagem de Natal é aquela que sai dos nossos corações e aquece os corações daqueles que compartilham da nossa caminhada.  

 

Bom Natal,  

 

               Um Feliz Natal,  

 

                                     Muito Amor e Paz para você,                                                                                 

Para você.



Por Luiz às 12:22:47 | Comentários (3)
A única atitude que funciona - 17/12/2008

“Uma pergunta básica que nos acompanhará até lhe darmos resposta: estamos sós, ou Deus está presente? Se estivermos num processo de ousar ser nós mesmos, devemos ter pelo menos uma sensação estável de que de fato existe uma mão amorosa por trás do caos superficial que parece esconder a paz que buscamos. Nossa tarefa, então, é desenvolver a percepção consciente da presença do espírito e fazer dele o elemento predominante de nossa consciência. O desenvolvimento da fé requer prática, e é para isso que serve esta vida. Nosso mundo não é senão um laboratório em que experimentamos diferentes atitudes até aprendermos que o amor é a única atitude que funciona. 

Quando atravessamos períodos de provação, a lembrança de Deus é o conhecimento que nos irá assistir durante a travessia. Charles Weston disse: “Voltamo-nos para Deus em busca de ajuda quando nossos alicerces estão abalados, e logo reconhecemos que é Ele mesmo quem os está abalando”. Deus jamais nos retiraria um alicerce sem o substituir por outro mais firme. Se seus alicerces podem ser abalados, tenha certeza de que existem outros, mais profundos, de que você é merecedor. 

Diz-se que “os problemas são as portas que atravessamos para chegar à paz”. Devemos ter na consciência que tudo que nos acontece pode, potencialmente, agir a nosso favor. Nossos pensamentos são as chaves do depósito de bênçãos. Como os antigos alquimistas, podemos transformar o chumbo do sofrimento no ouro da iluminação. Não existe sofrimento, por maior que seja, que Deus não tenha a capacidade de transformar numa dádiva, e nada que não possamos fazer quando andamos junto com Aquele cujo toque faz milagres.”  

 

A vida é um doador muito generoso, mas nós, julgando suas dádivas pelas aparências, jogamo-las fora por considerá-las feias, pesadas ou árduas. Olhe alem das aparências e você descobrirá um esplendor vivo tecido de amor, sabedoria, e poder. (Frei Giovanni)



Por Luiz às 12:29:37 | Comentários (0)
Nada no mundo - 08/12/2008

 “Nada no mundo, nem mesmo a doença, a adversidade, a fome e a sede, é capaz de destruir você como pessoa. 

A força viva e dinâmica, que se aloja no eu mais profundo, lhe dá resistência conforme sejam as dificuldades apresentadas.

E quando você vê as dificuldades como simples imagens passageiras, então estará se colocando num plano mais alto e se livrará de suas influências. 

Por isso, seja como quem se vê firme e tranqüilo dentro da tempestade. 

A força em que você confia, o vigor íntimo, a esperança concreta são suportes de uma vitória certa. 

Não temer nem mesmo a morte é adquirir segurança em Deus e em si mesmo”.



Por Luiz às 19:19:20 | Comentários (2)
Um erro de muitos de nós, homens! - 03/12/2008

Um erro que muitos de nós, homens, cometemos, é o de conhecerem uma mulher, se apaixonarem, fazerem juras de amor eterno, se casarem e após alguns anos passam a se preocupar, em dar uma vida melhor para sua família, ou seja, um carrinho do super mercado cheio todo mês, ou cartão de crédito para a mulher, ou até mesmo um carro. 

Com isso, esse contingente de homens, se consideram o marido que qualquer mulher sonharia em ter, e passam a não perceberem quando ela usa uma roupa bem sensual para chamar a sua atenção. Arruma o cabelo para ficar mais bonita, na esperança que ele note a sua feminilidade, que ele perceba e fale: “nossa, como você está linda!”.  

Alguns até saem, com suas famílias, no final de semana, mas dificilmente fazem um programa a sós com ela, e com isso a mulher vai perdendo sua auto-estima pois tudo que ela queria dele, era um gesto de carinho e que se sentisse desejada como já foi um dia.  

Alguém escreveu: “Ser homem, não é aquele que conquista várias mulheres, e sim aquele que conquista a mesma mulher várias vezes”.  

Alguns dias atrás, fomos surpreendido em ver um casal de sem teto, ele aparentando 40 anos ela 45, caminhando no calçadão da praia, de  mãos dadas, ele invadiu o jardim apanhou uma flor e ofereceu para ela. Após receber a flor, ela disse para  ele: “Eis porque te amo tanto, eu não te trocaria por nem um outro homem desse mundo!”.  

Foi então que eu descobri onde está o erro de muitos de nós, homens: a atitude do Homem do calçadão não é realizada pela maioria de muitos de nós, homens!!!



Por Luiz às 14:00:24 | Comentários (1)
Engano do coração! - 29/11/2008

"Está mesmo? - perguntou Jesus - Pois Eu afirmo a você que isto é verdade: antes que o galo cante, você dirá três vezes que não Me conhece". ( João 13.38) 

Provavelmente você já ouviu esta história sobre o anúncio da traição de Pedro! Jesus falou, de diferentes formas, que Ele seria arrancado do meio deles e morto. Pedro não pensou duas vezes em se pronunciar dizendo que defenderia o Senhor Jesus. O que você acha da reação de Pedro?
Sabemos o fim desta história e vemos em Pedro uma traição! Há duas diferenças notáveis com a traição de Judas. A primeira é que Judas não fez alarde nenhum quando no anúncio, por Jesus, da traição, enquanto Pedro sim. A segunda é a expressão sentimental diante de tal anúncio. Enquanto Judas parecia dar uma de "Joãozinho sem braço", Pedro negou veementemente que o faria.
Em sua opinião Pedro teve um comportamento hipócrita? Será que ele estava mentindo quanto à disposição de fidelidade a Cristo? Para mim aqui está uma importante lição! Pedro não mentia, ele estava convicto de que resistiria em qualquer prova. Então como explicar a posterior negação? Resposta:
"Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?" (Jeremias 17.9).
Pedro não somente tipificava o ser humano, mas era o próprio e em pessoa! Ele era aquele que pode ser controlado pelas emoções ou ter as percepções prejudicadas pelo racionalismo. Eu lhes apresento o ser humano! Este, sem Deus, não é ninguém.
O mal do século é a auto-suficiência, o falso senso de super poderes, a independência. Andar segundo o coração de Deus é reconhecer as próprias limitações e clamar pela direção dAquele que é perfeito. Será que você não anda se enganando como Pedro se enganou? "Portanto, aquele que pensa que está de pé é melhor ter cuidado para não cair" (I Corintios 10.12). 

Esta história tem duas lições importantes para aprendermos: primeira, qualquer um pode cair. Não pense que você não cairá, mas cairá. Segunda, quando você cai, não é o fim. Você terá uma segunda chance. Você pode voltar. 

Gostaria de pensar que esta lição é como o cantar do galo para alguém, que ela pelo menos faça esse aprendiz encarar o que aconteceu com ele, produzindo nele arrependimento, e o encorajando a voltar. 

O pai do mal tem duas mentiras prediletas. Se você precisa reagir, ele fica dizendo: “É cedo demais, é cedo demais. Não precisa ter pressa em obedecer. Depois de você errar gravemente, vem a segunda mentira: “É tarde demais, é tarde demais. Você já foi longe demais”. 

Não acredite no pai da mentira! Nunca é tarde demais para entregar o coração a Deus, e nunca é tarde demais para voltar para Ele, se o seu coração pode ser tocado! 

Quando Pedro pecou, Jesus parou e olhou para ele. Jesus está olhando para você agora. Que tipo de olhar é esse? Um olhar feliz? Um olhar de decepção? Acima de tudo tenho certeza de que é um olhar de amor e compaixão. 

Se você precisa ser restaurado em Cristo, você permitirá que seu coração seja tocado?



Por Luiz às 10:24:44 | Comentários (1)
Dar e Receber! - 27/11/2008

O que seria mais fácil para você: Fazer algo de bom para alguém ou deixar alguém fazer algo de bom para você?
É certo que existem pelo menos três tipos de pessoas possíveis para essa situação: O tranqüilo, que é aquele que só sabe receber, este também é conhecido como aproveitador; o orgulhoso, que até faz algo aos outros, mas dificilmente aceita receber apoio de alguém; e os moderados, aqueles que não se limitam em fazer o bem e também permitem (com humildade) que outros lhe façam algo de bom também. Que tipo de pessoa é você?
O mundo de hoje geralmente produz pessoas orgulhosas! Essas pessoas basicamente aceitam pouco apoio porque tem pouca (ou nenhuma) disposição para suportar (dar suporte) ao próximo. Você tem facilidade para receber o agrado de alguém? E para agradar alguém, você tem facilidade?
Aquele que "verdadeiramente" conhece o Senhor Jesus, segue o exemplo dEle. Jesus deixa claro que quem Ele chamar, Ele chama para servir! Não estou falando de simples ação de caridade como muitos fazem, mas estou falando de "amar ao próximo como a si mesmo"! Percebe a diferença?
Uma característica básica do cristão genuíno é o desejo de abençoar outras vidas (sem nada em troca). E sabia que muitas vezes permitir que alguém "lave os seus pés" (fazer algo por você) também é abençoar?
Não permita que sua vida tenha identidade com o mundo, não seja um orgulhoso e nem mesmo um tranqüilo, mas siga o Exemplo do Mestre Jesus Cristo. E lembre-se do principal, você foi chamado para servir!



Por Luiz às 16:13:47 | Comentários (1)
Uma leitura do mundo (Roberto Correa) - 24/11/2008

Não sabemos como vivemos no mundo. Graças a Deus as mudanças estruturais das últimas décadas não atingiram a nossa vidinha de cada dia. Isso é muito bom, pois, desde o advento da televisão pelos idos de 1950, o mundo começou a penetrar em nossas casas. No princípio, a televisão constituía maravilhoso invento que permitia ver e não apenas ouvir as programações radiofônicas, com destaque especial para programações futebolísticas. Programas humorísticos, de auditórios e as já festejadas novelas, com os primeiros noticiários encantavam a todos. Se, naquelas doses dosimétricas, pouco ou nenhum inconveniente se notavam, com o passar dos anos e a constante evolução tecnológica, sem perceber, passamos a ser hipnotizados por esse fabuloso invento, que transformou toda a vida social.

Verdade que não é só a televisão a única responsável pela tremenda e desastrosa alteração dos nossos costumes, para pior, infelizmente. Mas a sua programação, começando pela paulatina desmoralização dos bons costumes, impingiu-nos a cultura da erotização em boa parte dos relacionamentos pessoais, atingindo o auge com a ampla divulgação dos maus exemplos sob o slogan de nada poder ser censurado para não ferir a liberdade individual, cláusula pétrea das constituições dos povos civilizados. A cultura religiosa que até meados do século passado alcançara o máximo, com o primado do espiritual, passou a se relativizar, com o predomínio dos novos e permissivos costumes, a ponto do divórcio ser introduzido em nosso país nos idos de 1977 (Lei n. 6515 de 26/12/1997. Continuamos a ser o maior país católico do mundo, mas o crescimento dos evangélicos se acentuou e, coincidência ou não, corporificou-se o fantasma da violência, que nada mais é do que a exacerbação dos crimes ou delitos.

Hoje domina a deusa fruto das doutrinas positivistas, a estatística, que constata a gravidez precoce em acentuada percentagem, que afirma ter diminuído a pobreza miserável, que contalibiza o número de idosos, de analfabetos, das mortes por acidentes etc.etc. e para alegria dos “envelhecidos” de 50 anos, afirma que a média de vida ultrapassou a faixa dos sessenta e oito, entristecendo sobremaneira septuagenários e octogenários que entendem ser alcançados pela morte a qualquer instante... O homem vivendo sem Deus se perde nessas tolas elucubrações e torna o mundo confuso, de difícil interpretação. A maioria é católica, mas seu catolicismo sendo  fraco, pela inexistência de formação adequada,  a conseqüência é nos encontrarmos abismados ante o universo que nos cerca. O que fazer? Onde encontrar luzes, diretrizes, apoio? Onde encontrar rebanhos onde possamos nos abrigar, conduzidos por pastores que realmente venham a conhecer as suas ovelhas e as possam conduzir a apriscos tranqüilizadores, inatacáveis pelos vorazes lobos da contemporaneidade?



Por Luiz às 14:45:18 | Comentários (1)
Saber Parar é a Essência do Caminhar (Tatiana Sessa) - 20/11/2008

"Estamos deixando 2008 para trás, mas certamente absorvendo várias lições aprendidas. É um momento de vermos o que deu certo e o que pode ser melhor realizado no próximo ano. Podemos apostar em nós mesmos sempre. Podemos utilizar a palavra como meio de conduzirmos alegria a alguém que admiramos. É uma época que pede uma conversa franca consigo mesmo. A felicidade é uma conquista interna. É dar um sentido para sua existência. Para o novo ano, pense em ter metas diárias. Pense em conquistar algo que deseja todos os dias. Não precisa ser algo grandioso, mas sim algo que te faça simplesmente feliz.
Pergunte-se o que quer realizar durante sua vida. Parece simples, mas é comum encontrarmos pessoas que omitem esta pergunta de si mesmas. Guardam suas ambições em uma caixa, que chutam para longe e esquecem a sua existência.
Tendemos a repetir as mesmas tarefas, agir de forma condicionada. Fazemos um contrato com a nossa pessoa. E, às vezes, é mais fácil nos comprometermos com uma atividade que nem tem resultados tão prazerosos, mas por nós já foi enfrentada, pois, assim, a margem de erro é menor. O medo de errar nos afasta do desconhecido.
É comum vermos nos filmes e em grandes histórias que o final feliz acontece depois que a pessoa questiona seus rituais. São pessoas absorvidas pelo trabalho, por exemplo, que começam a abrir mão de uma vida rotineira para achar novos sentidos da vida. Caso sua vida esteja excessivamente confusa, vá por etapas. Não tente resolver tudo de uma vez só. Caminhe com esperança. Confie em suas capacidades. Não corra tanto pela vida a ponto de esquecer de onde veio e para onde está indo.
Inspire-se, ouça as músicas de que mais gosta, observe o mundo, não deixe de concretizar um diálogo interno!."



Por Luiz às 18:25:41 | Comentários (2)
Resolva seus conflitos pela renúncia (Mário Velloso) - 17/11/2008

A conflituosidade entre as pessoas é algo natural, faz parte da vida. O que muitos andam esquecendo hoje em dia é que nem sempre o embate é a melhor solução. Há quem conviva com o conflito, e toda a raiva nele contida, de uma forma natural, lidando bem com a incerteza e a animosidade latente. Engano. Suas cabeças podem aceitar isso de bom grado, mas o corpo, lá no fundo, está sendo minado. Passam-se anos, décadas, e surge uma doença não se sabe de onde, roubando sua vitalidade. Conclusão: não vale a pena conviver com a raiva. Natural que ela exista, mas não persista. 

A culpa é sempre dos nossos opositores, não nossa. A minha pretensão é justa, e o intransigente é o outro, não eu. É bem possível que nessa avaliação você só esteja vendo o seu lado, não o lado do outro, pela ótica do outro. Coloque-se no lugar do outro, não de acordo com a sua educação, a sua criação e a sua ética, mas dentro da realidade de vida do seu opositor. Procure ver com os olhos dele (apesar de você querer arrancá-los à unha), dentro da desgraçada condição humana em que ele está inserido. Talvez esse exercício relativize um pouco as suas convicções. 

Dentro desse contexto é que lembro da renúncia como forma de resolução de uma pendência. Como assim, renúncia? Simples: você briga porque quer um carro, uma quantia em dinheiro. Experimente aliviar o peso da sua pretensão. O carro é realmente imprescindível para a minha felicidade, ou eu posso viver sem ele? Ou posso viver com um carro inferior? Brigo porque quero dinheiro, meu direito, indiscutível, mas o que é mais importante, ter um extrato bancário mais gordo, ou a paz de espírito? Enquanto a pendência está em curso aquilo se torna uma pedra no seu sapato. Vira e mexe lá está você pensando quando-é-que-aquilo-vai-se-resolver, sem atentar para o tanto de tempo e energia gastos pensando sobre os rumos do seu acalentado conflito. Vidas são colocadas em suspenso aguardando uma solução. Faça questão, bata o pé, seja turrão, e é possível que você passe metade de sua vida vangloriando-se de ser inflexível, ao invés de viver. Mude o valor de um objeto litigioso: se ele passa a não valer tanto, você reavalia a necessidade de perpetuar o conflito. Não defendo, é lógico, que você abra mão de seu patrimônio para não brigar. A perseverança é uma tremenda duma virtude – canalize-a para o que vale realmente a pena. Combater o bom combate não é sair por aí brigando com o vento; é lutar apenas por algo que seja efetivamente relevante. 

Sim, você pode aliviar o valor de um bem material, mas o que dizer dos conflitos de opinião, por exemplo? Você não pode abrir mão de sua convicção, ou de sua honra (embora possa abrir mão do seu orgulho, diga-se). Também aqui existe uma outra saída: você pode perfeitamente manter sua convicção, e aceitar a do outro. Elas são incompatíveis, e alguém tem que ceder? Então ceda, exerça o seu poder de mudar a situação. A lição que às vezes queremos dar aos outros pode muito bem ser terceirizada para o destino; deixe que a vida, do jeito dela, ensine o seu opositor. Não se trata de substituir a raiva pela vingança. Simplesmente, é uma não-resistência. E, por fim, existe ainda a possibilidade(impossível, quase impossível, eu sei) de você estar errado. Ninguém acerta sempre. 

A renúncia é um ato de coragem. Coragem para abrir mão de algo que lhe era caro, coragem para encarar, de peito erguido, o outro comemorando sua vitória. E coragem para enfrentar quem não entende a sua renúncia. Há quem prefira viver de picuinhas e angústias, e há quem prefira limpar o horizonte para viver as coisas realmente boas e relevantes da vida. O cheiro do café acordando a casa, a beleza de um céu azul, o abraço apertado numa pessoa querida, o sorriso contagiante de uma criança feliz. Precisa mais?



Por Luiz às 13:21:55 | Comentários (0)
Vários caminhos - 10/11/2008

 “Eu caminho para dentro e para fora de muitos mundos.
Em minha mente, há muitas moradas.
Cada uma destas, criamos nós mesmos: a morada da raiva, a morada do desespero, morada da autopiedade, morada da indiferença, morada do negativo, morada do positivo, morada da esperança, morada da alegria, morada da paz, morada do entusiasmo, morada da cooperação, morada da doação.
Cada uma dessas moradas visitamos todos os dias.
Podemos permanecer em cada uma delas o tempo que quisermos.
Podemos abandonar cada uma dessas moradas mentais no momento que desejarmos.
Nós criamos a casa, nós ficamos na casa, nós saímos da casa quando bem quisermos.
Podemos criar novos aposentos, novas casas.
Quando entramos nestas moradas elas tornam-se nosso mundo até que a deixemos por outra.
Grande Espírito, ninguém pode determinar a morada que devo escolher entrar.
Ninguém tem o poder para isso, a não ser eu mesmo.
Permita-me que hoje eu escolha sabiamente.”



Por Luiz às 16:13:31 | Comentários (0)
O Segredo - 08/11/2008

Vou contar um segredo que me revelaram... Mas é um segredo que pode ser contado. É o Segredo da Vida !!! Vamos lá?!!
Preste bem atenção... Não perca nenhum detalhe!!!
Todos os dias, quando você acorda e abre os olhos pela manhã, você ganha o maior de todos os prêmios já oferecido ao ser humano, você novamente inicia um novo dia.
Não desperdice essa nova oportunidade.
Vamos viver esse dia que se inicia com toda intensidade e otimismo. Vamos iniciá-lo sorrindo.
Mire-se no espelho e dê um belo Boooommm Diaaaa... à pessoa mais importante desse universo: VOCÊ!
Se você não se amar, não será capaz de amar ninguém.
Se você não se ajudar, não poderá ajudar ninguém.
Uma pessoa com auto-estima baixa, em que poderá contribuir?
Dois sacos vazios não param em pé.
Dê um forte abraço em você mesmo.
Você é único no universo. Repare!
Você está vivo, venceu mais um dia! É isso que importa, iniciar mais um novo dia.
Fazer do dia de hoje, o melhor da sua vida, só depende de você!!!
Pronto!
Você começou o dia com otimismo!
Sua mente está aberta para tirar desse dia tudo que ele tem para lhe oferecer de bom.
Procure somente o positivo em tudo que você fizer, esqueça do negativo...
O positivo sempre estará em todas as suas ações...
Basta você querer encontrá-lo!
Liste suas tarefas de hoje, somente as de hoje, e esqueça as de ontem, elas já são passado.
Deixe de lado as do amanhã, até que ele se tornem hoje!
Esse é o segredo da vida!
Não o guarde com sete chaves... Passe-o para todos seus amigos, pois só assim, difundiremos pelos quatro cantos que a vida é bela e merece ser vivida.



Por Luiz às 11:33:02 | Comentários (1)
A vontade aparece - 06/11/2008

“A vontade aparece... Quero falar sobre um cientista americano chamado William James, considerado o pai da psicologia moderna.
Ele foi professor de psicologia e de filosofia da Universidade de Harvard, que como você sabe é uma das mais conceituadas e sofisticadas do mundo.
Uma vez foi perguntado ao Dr. James:
"Na sua opinião, qual foi a descoberta científica mais importante no campo do desenvolvimento humano?" Até bem pouco tempo atrás - disse ele - pensava-se que, para agir, você tinha antes que sentir.
Hoje nós sabemos que o contrário também é verdadeiro: você começa a agir e a vontade aparece.
Essa é a descoberta científica mais importante no campo do desenvolvimento humano.
Se uma dona de casa está com preguiça de arrumar a gaveta, quando ela começa a fazer esse serviço dá vontade de arrumar todo o armário.
Ela arruma o armário e dá vontade de arrumar o quarto.
Arruma o quarto e dá vontade de arrumar a casa, embora no início tivesse preguiça de arrumar a gaveta.
Na vida também é assim: tem gente que passa a vida esperando ter vontade para fazer algo. Sabe qual é o segredo?
Comece a fazer que a vontade aparece.
Se você for esperar a vontade aparecer, vai ficar parado a vida inteira.
O agir e o sentir formam uma via de mão dupla, que tanto pode ir num sentido como no outro. Você pode começar a fazer alguma coisa e a vontade aparecer ou pode ter vontade e então fazer alguma coisa.
Mas se você ficar esperando a vida inteira, poderá passar uma vida em vão.
Tem gente que passa a vida dizendo:
"Um dia eu vou abrir uma empresa... " E nunca realiza o sonho.
O segredo não é esperar para fazer: é fazer que a vontade aparece.
Está sem vontade de fazer algo?
Comece a fazer que a vontade aparece.
William James estava certo - essa foi uma das descobertas mais importantes no desenvolvimento humano nos últimos 100 anos, porque graças a essa constatação você pode começar agora mesmo a fazer aquilo que nem está com vontade, mas que sabe ser importante.
Pode ser até uma coisa pequena.
Se a cada dia você melhora um pouquinho (hoje melhor do que ontem, pior do que amanhã), você vai melhorando cada vez mais.
O dia em que parar de melhorar, meu amigo, está na hora de morrer, porque a vida é um aprendizado constante.
Aprendemos sempre, a cada dia.
Se você me disser que não tem mais nada para aprender, digo: está na hora de morrer!”



Por Luiz às 13:22:33 | Comentários (2)
A arte de viver - 03/11/2008

 “Criar uma vida é como moldar um vaso no torno do ceramista. Começamos com uma massa amorfa, depois a moldamos e continuamente a remoldamos. O barro passa por muitas revoluções, e a cada uma delas você tem outra oportunidade de fazer com que sua obra de arte ganhe vida. Nenhum grande artista elabora sua obra-prima na primeira tentativa. As mãos estão sempre empurrando, puxando, pressionando, soltando, refinando. Como a vida, a arte é um processo de revisão, atualização e improvisação constante. 

Lembre-se deste princípio básico quando você recriar sua vida inteira a cada dia. Vida sem mudança não é vida, é um poço estagnado. Mudar frivolamente de idéia é uma fraude. Mudar de idéia sob a direção da sabedoria do coração é uma pincelada certeira na obra-prima que você está entregando ao mundo. Se o espírito o orienta a mudar de idéia, você tem a responsabilidade de fazê-lo. Lembre-se de que você enxerga apenas um pequeno ladrilho de um grande mosaico. Um passo sob a orientação do Espírito pode levar a um bem muito maior do que você pode ver ou imaginar agora. 

É preciso coragem para parar de fazer alguma coisa que você já está fazendo há muito tempo e começar algo novo. Mas considere a alternativa. Se você não for verdadeiro consigo mesmo, perderá a mais excelsa e satisfatória recompensa de estar vivo. Se você efetivamente seguir a voz de seu coração, abençoará os dias que passou aqui na Terra. Ninguém no mundo, fora de você, pode lhe dizer o que fazer. Mas em você existe alguém que é um guia infalível. Ouse mudar de idéia. Ou ouse continuar em seu caminho atual. Seja qual for a sua escolha, existe uma tocha que iluminará o seu caminho: a honestidade do coração amoroso. Caminhe segundo a dignidade da mais elevada verdade que você conhece, e sua jornada valerá a pena.”



Por Luiz às 18:15:09 | Comentários (2)
Julgamentos - 30/10/2008

“Julgar e condenar um semelhante é muito fácil. Sempre que nos vemos diante de fatos que nos choca, tendemos a nos posicionar contra ou a favor e fazer julgamento do fato e das pessoas envolvidas, assumindo assim o papel do julgador acima do bem e do mal. Quase sempre, nesses julgamentos apressados, tendemos a executar os condenados, em nosso íntimo, com a mesma crueldade do ato praticado por eles. 

Os critérios ajustados ao julgamento sempre são provenientes daquilo que entendemos como valores morais sagrados e, esses valores, códigos nos quais nos baseamos, vem dos paradigmas aos quais estamos atrelados e acreditamos serem portadores da verdade. Nunca pensamos em examinar esses paradigmas para saber se eles são mesmo verdades eternas, ou apenas crenças temporais. Aliás, são assim chamados de paradigmas justamente por que encerram conceitos e “verdades” relativas as quais são guardadas intocáveis. Geralmente os paradigmas são assumidos por falta de consciência e medo de desvendar os mistérios da vida. Assim, fica mais fácil nos escondermos por trás de armários fechados do que abri-los e encararmos o que tem dentro deles. 

Quando julgamos, estamos lidando com aspectos da mesma natureza dentro de nós. Aspectos esses que não assumimos por falta de coragem para nos encarar e nos desnudar. Julgar o outro é mais fácil do que nos aceitarmos a nós mesmos como realmente somos. Assumir nossos limites e aceitar que ainda somos dominados por paixões, escravos delas, é um ato de coragem que requer, ainda, muita humildade. Desnudar-se do orgulho e da vaidade não é nada fácil. É mais fácil jogar pedras no outro, do que encarar a nós mesmos e aceitar que o outro é uma parte de nós e que aquilo que cometeu nós também já cometemos em algum momento de nossa existência. 

Se nos julgamos mais adiantados na evolução espiritual e compreendemos e praticamos o bem e a justiça, isto ainda não nos torna melhores que os outros. Há muito chão a se percorrer até chegarmos a um grau de evolução espiritual que nos permita olhar para os defeitos dos outros sem nos macular pela ressonância deles em nós. 

Àqueles que praticam o crime no mundo, a justiça do mundo se encarrega de ajustar-lhes as contas. Da justiça de suas consciências eles não escaparão, mesmo que se livrem das penas da justiça do mundo. As leis humanas podem ser burladas para escapar do ajuste, porém isto não livra a ninguém de responder perante a existência, e da sua consciência, pelos seus atos. "A semeadura é livre, porém a colheita será obrigatória"! 

Quando jogamos a nossa indignação sobre um semelhante mais fraco espiritualmente, destilando o ódio que ainda dorme dentro de nós, estamos assumindo parte da responsabilidade diante da existência e da consciência coletiva por aquilo que ele praticou. O alimento dessas criaturas que ainda estão abaixo da linha da ética, do amor e da justiça, é justamente a energia emanada por aqueles que sustentam raiva, indignação e ódio por eles. Influenciados pelas emanações dessas energias nocivas, eles se tornam instrumento da materialização daquilo que ainda trazemos dentro de nós e que não aprendemos a transmutar pelo amor e pelo perdão. 

Nada nos escapa sem que pelo menos uma fagulha de responsabilidade nos seja imputada, por isso, antes de jogar toda a tua indignação e raiva, julgar e condenar um semelhante teu, examine a tua consciência e veja se ela está totalmente limpa e livre dos mesmos julgamentos. Nada conhecemos de nosso passado, nem sabemos há quanto tempo estamos repetindo lições de perdão, amor, justiça, ética e respeito, sem ainda tê-las aprendido na sua totalidade. Certamente, se as teríamos aprendido já não estaríamos mais aqui assistindo e participando desse teatro planetário. Se estamos aqui é porque temos ainda muito o que aprender e, portanto, uma boa dose de humildade nos fará muito bem e evitará de “olharmos para a trave no olho do outro, quando o nosso ainda está impuro”.



Por Luiz às 15:43:27 | Comentários (2)
Lágrimas - 27/10/2008

A pior lágrima não é aquela que se vê cair do rosto mas sim aquela que cai do coração ( L.M.)  

A adversidade desperta em nós capacidades que, em circunstâncias favoráveis, teriam ficado adormecidas. (Horácio)  

Cada lágrima ensina-nos uma verdade. (Ugo Fóscolo)  

Descobri como é bom chegar quando se tem paciência. E para se chegar, onde quer que seja, aprendi que não é preciso dominar a força, mas a razão. É preciso, antes de mais nada, querer.  

Quando falamos que a beleza abandonou o mundo, é sinal que, em primeiro, ela deserdou de nossos corações.

Se deres as costas à luz nada mais verás do que a tua própria sombra.  

O que mais me dói é saber que eu e você nunca seremos nós.  

Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o bem que às vezes poderíamos ganhar pelo medo de tentar. 



Por Luiz às 16:34:07 | Comentários (2)
Comunhão - 26/10/2008



Por Luiz às 00:50:29 | Comentários (1)
Estar errado ou estar certo? - 23/10/2008

 “Às vezes é melhor estar errado que estar certo. Geralmente é melhor. Sempre que estamos com raiva, transtornados ou sentindo-nos vítimas de alguma maneira, é melhor estarmos errados. 

Descobri uma prece extremamente poderosa: rezar para estar errado. Sempre que achar que está perdendo, ferido ou sendo tratado de modo injusto, feche os olhos, volte seus pensamentos para o Espírito e peça a Deus que lhe mostre que sua maneira de ver a situação está errada. 

Talvez você goste dessa oração. Pegue um lápis e um papel e anote tudo que o deixa infeliz. Relacione todas as áreas da sua vida, incluindo carreira profissional, saúde, relacionamentos e finanças, nas quais você se sente impotente, não amado ou tratado de modo injusto. Tome o cuidado de incluir as situações nas quais você se percebe como vítima ou perdedor. Quanto mais honesto você for, mais aberta ficará a porta para uma verdadeira transformação. Então pegue o papel de novo, segurando-o entre as mãos numa atitude de quem vai rezar, e peça: “Meu Deus, por favor, permita-me estar errado a respeito disso tudo”. 

Posso lhe assegurar que sua prece será atendida porque, falando honestamente, você está errado a respeito disso tudo. Somos criados à imagem e semelhança de um Deus onipotente e, como seus filhos, nunca somos impotentes. Se você estiver disposto a deixar de lado sua sensação de vitimização, mesmo que em pequeno grau, verá que a idéia de estar num beco sem saída é mero erro de percepção. Se olhar de novo, ou pensar sobre essa situação de outra maneira, você verá que existe uma porta onde antes achava que só havia uma parede. Seu primeiro passo porta afora está em começar a encontrar, conscientemente, as dádivas, as lições, as bênçãos, onde antes só existiam ataques, insultos e maldições. Você pode se poupar muito tempo e muita dor ao perceber que preferiu ter razão a respeito de seus rancores em vez de ser feliz com suas forças. Você não se dá conta do custo de uma escolha dessa. Ter razão em sentir-se vítima é negar a verdade de que você é um ser amado que vive num universo afetuoso e acolhedor, eximiamente orquestrado por um Deus generoso. Ou você tem razão a respeito do problema, ou Deus está certo quanto à solução. Não há acordos, tréguas ou barganhas que eliminem a lacuna intransponível entre essas duas maneiras de ver e ser na vida. 

Temos o direito de ficar dolorosamente apegados às nossas posições, mas também temos o poder de abrir mão delas e ser curados. Deus pode sussurrar a verdade em nossos ouvidos, mas não pode escolher ou agir por nós. Ele vai nos curar, mas temos de desistir, ainda que em mínimo grau, de negar a presença do amor. Sendo assim, curar-nos é algo que está em nossas mãos. E, no final, você certamente escolherá a paz, porque é da natureza dos filhos de Deus voltar para casa. A única coisa que depende de você agora é a duração do filme.”



Por Luiz às 19:33:15 | Comentários (1)
Atitude - 21/10/2008

 “Quando vemos uma pessoa muito delicada e fina de trato, chamamos de uma pessoa doce, meiga... com o passar do tempo vamos observando suas atitudes e detectamos seu instinto, ou seja, se é um ser realmente doce que nutre o amor no coração ou se trata de um disfarce camuflado.
O maior predicado do ser é o amor, imprescindível e primordial, enfim, é mandatário, vai lapidando e purificando a alma nos tornando pessoas mais equilibradas, e para tanto, mais tranqüilas, passando a desfrutar de uma inteligência que nos faz melhores em todos os aspectos. Sabemos não ser fácil manter o equilíbrio, claro, é com trabalho e perseverança que se consegue podar impulsos e pensamentos primitivos e desnecessários. Muitas vezes palavras delicadas destilam fel que atravessam fronteiras até seu destinatário infeliz.
Portanto, devemos estar atentos no que falamos, pensamos e sentimos. É nossa responsabilidade, não é porque alguém nos irritou que tem a responsabilidade de nossos atos. Somos comparados muitas vezes aos animais que só tem instinto e não razão, que não pensam para agir e reagir, simplesmente agem e reagem, deixando o instinto falar mais alto, contrário as leis naturais de Deus.
Cultivar o amor, sim, mas como!
É se colocando no lugar do outro, primeiramente reagindo com gestos de calma e tranqüilidade. Antigamente gestos sutis eram de pessoas delicadas e duvidosas, hoje são de grandes seres, grandes líderes, pois pessoas com este perfil continuam dando certo sempre e, por conseguinte são mais respeitadas e procuradas a cada dia, atraindo para si o sucesso.
Uma planta quase morta começa a reviver quando começamos dar valor a mesma, olhar por ela, alimentá-la, amá-la, passa então a ter vida ativa. Assim também acontece com as pessoas que passamos a dar atenção, inicia-se um processo ascendente de amizade e parceria, passam a ser nossos amigos e podemos até arriscar conselhos oriundos do bem e vice-versa, bem como, serão os que nos ajudarão no amanhã. Vamos amar mais, pedir mais desculpas, dizer mais eu te amo, olhar com mais carinho ao companheiro de trabalho, curtir mais a convivência entre amigos, irmãos, família... e saber respeitar aquele ser que achamos ser errado. A maior tristeza é a solidão e se não cultivarmos agora os que estão ao nosso lado, o amanhã nos trará penosos arrependimentos de atitudes não tomadas.
Muitas coisas que são de extrema importância para nós não as consideramos, entretanto quando perdemos é que paramos para refletir, então damos o devido valor mesmo que tardiamente.
Sejamos amáveis, educados, sejamos pessoas prazerosas de se conviver e dividir problemas, deixemos de lado pensamentos negativos que nos povoam a mente desintegrando grandes uniões.
O inimigo de hoje deve ser o amigo e companheiro de amanhã.
No fundo o amor existe em todos, somente o orgulho é que está falando mais alto momentaneamente. Saibamos haurir o amor que existe em nós e quando adquirido estes predicados passaremos a ser respeitados e procurados por todos, não por poder, mas sim por respeito e admiração.

 

Agir assim é devido em todos os campos de nossas vidas, o amor deve fazer parte incondicional em nosso ser integral, nós não estamos aqui para sofrer, e sim para buscar a felicidade através dos aprendizados vividos e adquiridos, fechemos a porta para tristeza e automaticamente a alegria entrará, mas é imprescindível querer. Pensemos no que realmente queremos.”



Por Luiz às 13:07:53 | Comentários (3)
Amar também tem espinhos (O Árabe) - 20/10/2008

Você sabe amar? 

Eu estou aprendendo. 

Estou aprendendo a aceitar as pessoas, mesmo quando elas me desapontam. 

Quando fogem do ideal que tenho para elas. 

Quando me ferem com palavras ásperas ou ações impensadas. 

É difícil aceitar as pessoas assim como elas são, não como eu desejo que elas sejam. 

É difícil, muito difícil, mas estou aprendendo... 

Estou aprendendo a amar, estou aprendendo a escutar, escutar com os olhos e ouvidos, escutar com a alma. 

Escutar o que diz o coração, o que dizem os ombros caídos, os olhos, as mãos irrequietas. 

Escutar a mensagem que se esconde por entre as palavras corriqueiras e superficiais. 

Descobrir a angústia disfarçada, a insegurança mascarada, a solidão encoberta. 

Penetrar o sorriso fingido, a alegria simulada, a vangloria exagerada. 

Descobrir a dor de cada coração. 

Aos poucos, estou aprendendo a amar. 

Estou aprendendo a perdoar. 

Pois o amor perdoa, lança fora as mágoas, e apaga as cicatrizes que a incompreensão e a insensibilidade gravaram no coração ferido. 

O amor não alimenta mágoas com pensamentos dolorosos, não cultiva ofensas com lástimas e autocomiseração. 

O amor perdoa, esquece, extingue todos os traços de dor no coração. 

Passo a passo estou aprendendo a perdoar, a amar, estou aprendendo a descobrir o valor que se encontra dentro de cada vida, de todas as vidas. 

Valor soterrado pela rejeição,  pela falta de compreensão, carinho e aceitação, pelas experiências duras vividas ao longo dos anos. 

Estou aprendendo a ver, nas pessoas a sua alma, e as possibilidades  que Deus lhes deu. 

Estou aprendendo, mas como é lenta a aprendizagem! 

Como, é difícil amar incondicionalmente… 

Todavia, tropeçando, errando, estou aprendendo… 

Vamos tentar amar nossos irmãos como Deus nos ama…



Por Luiz às 13:33:21 | Comentários (1)
Superando a Decepção - 15/10/2008

O que é decepção – Frustração de uma expectativa, surpresa desilusão.
Porque nos decepcionamos?
Motivo 1 – Porque criamos expectativas altas demais.
Motivo 2 - Somos exigentes demais, e exigimos dos outros, coisas que nem nós mesmos conseguimos fazer?
O que a decepção faz conosco? – Torna-nos pessoas amargas, duras e insensíveis.
Tipos de decepção
1- Decepção consigo mesmo
2- Decepção com as pessoas
3- Decepção com a igreja
4- Decepção com a família
 
“As pessoas que mais gostamos são as que mais nos decepcionam, pois pensamos que são perfeitas e esquecemos que são humanas.”
Quando me decepciono? 

1- QUANDO eu quero ser Deus na vida delas e elas não me adoram como tal, não me julgam tão perfeito como penso que sou.
2- QUANDO eu quero que elas sejam Deus para mim e não concebo a idéia de que possam falhar como eu.
  Superando a Decepção – Não podemos ignorar os fatos e fingir que a decepção não aconteceu. Não podemos fingir que estamos alegres quando na verdade estamos muito tristes. Não estamos aqui dizendo que perdoar é fácil. Não estamos aqui dizendo o que queremos fazer (natureza carnal é vingativa), mas sim o que temos que fazer (mesmo sem vontade). Se somos realmente convertidos, não temos outra opção senão perdoar.
O que tenho que fazer para vencer decepção? 

Entenda que:
 As pessoas são tão falhas como você... (I João 1:8)
“Se dizermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos e a verdade não está em nós”
As pessoas estão buscando a perfeição como você... (Mateus 5:48)
As pessoas se frustram como você... (Lucas 18:13)
Aí então você conseguirá: 
1- Perdoar 70 X 7 vezes por dia... (Lucas 17:4, Mateus 18:21)
2- Oferecer a outra face... (Mateus 5:39)
3- Oferecer também a túnica... (Mateus 5:40)
4- Caminhar mais uma milha... (Mateus 5:41)
5- Amar o meu inimigo... (Mateus 5:44)
6- Ser amigo dele... (Mateus 11:19)
e dizer ao Judas da minha vida: (Lucas 22:3)
"AMIGO, a que vieste?" (Mateus 26:50)
e receber o beijo da traição... (Mateus 26:49)
Mas se eu me recuso a fazer isso: descubro então que o Judas sou eu !
Cura para a decepção
Uma das coisas mais difíceis para o ser humano é o ato de perdoar, pois quase sempre quem mais nos magoa são os que se encontram mais próximos de nós.
Davi foi um homem que experimentou de perto a dor da decepção: No salmo 55:4,12-14 ele comenta a respeito:
"Estremece-me no peito o coração, terrores de morte me salteiam. Com efeito não é inimigo o que me afronta; se o fosse, eu o suportaria, nem é o que me odeia que se exalta contra mim, pois dele eu me esconderia, mas és tu, homem meu igual, meu companheiro e meu íntimo amigo. Juntos andávamos, juntos nos entretínhamos e íamos com a multidão à casa de Deus".
Uma pessoa decepcionada, desiludida, pode alojar dentro de si feridas que não cicatrizam, amarguras, tornando-a isolada, pois acaba tendo dificuldade de confiar novamente em alguém. 

A maioria das pessoas que saem da igreja e  desviaram tem uma decepção, uma desilusão para relatar. Algumas se decepcionaram com líderes, outras com amigos, irmãos, e por causa disso acabaram voltando para o mundo.
Jesus também se decepcionou, pois no momento mais difícil de sua vida, Ele não pôde contar com seus amigos. No Gethsêmani, enquanto orava, eles dormiam. Lucas 22:39-46
Era o momento ideal para permanecerem acordados ao lado daquele que tanto se dedicou a eles, que transformou a vida deles, mas não resistiram e dormiram.
Quando levaram Jesus preso, nenhum ficou por perto, fugiram com medo, não quiseram se comprometer, mas mesmo assim Ele os perdoou. (Pedro O negou 3X)
O fato de Jesus não ter fixado os olhos na desilusão se dava ao fato dele não esperar reconhecimento dos homens, mas do Pai. 

Onde estiver o ser humano haverá riscos de desilusão. Mas precisamos entender que, por maior que seja a nossa dor, não é ou foi maior do que aquela que Jesus enfrentou ao se ver sozinho e abandonado por aqueles que por muito tempo haviam caminhado com Ele.
Ele não firmou os olhos na decepção. Ele amou aqueles homens com seus defeitos, aceitou-os com suas fraquezas. Alguns dias depois de sua morte, eles iam se reencontrar e começaria uma história tremenda de homens que mudariam o mundo, porque conheceram o amor de Jesus.
Talvez neste momento você esteja profundamente magoado com alguém, e por causa disso se vê sem esperança, sem ânimo, sem vontade de perdoar, mas quero lhe dizer que esse é o momento de aprender com Jesus.
Lucas 17:3-4 - Acautelai-vos, se teu irmão pecar contra ti, repreende-o, se ele se arrepender, perdoa-lhe. Se por sete vezes no dia, pecar contra ti e, sete vezes, vier ter contigo, dizendo: Estou arrependido, perdoa-lhe.
Perdoar traz cura para o seu interior, pois uma alma ferida pode se tornar um canal de enfermidades físicas. Muitas pessoas estão doentes porque não conseguem perdoar, se tornam dependentes de remédios, calmantes. Tem que pessoas que dizem: “Eu não quero perdoar”.
“Quem não perdoa se mantém preso ao que a decepcionou.” 

Podemos superar a decepção. Basta enfrentá-la com confiança, superar a dificuldade nos espelhando no exemplo deixado por Cristo Jesus.
Filipenses 3:13 – “Esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão e com certeza em Deus faremos proezas.”
Deus nunca vai nos decepcionar, mas mesmo assim muitas pessoas ficam decepcionadas até com Ele!



Por Luiz às 16:22:35 | Comentários (1)
O pior cego! - 13/10/2008

"Então Jesus afirmou: - Eu vim a este mundo para julgar as pessoas, a fim de que os cegos vejam e que fiquem cegos os que vêem" (João 9.39 NTLH) 

Você já ouviu a expressão: "O pior cego é aquele que não quer enxergar"? É bem provável que sim, pois é um dito muito citado. Em sua opinião o que ele quer dizer? Consegue explicar?
De certa forma a compreensão do "ditado" é razoavelmente fácil. A cegueira afirmada, é mental! Quando interpretamos a função da visão no corpo humano, no mínimo concluímos que ela é fundamental para se discernir o caminho em que se segue. Semelhantemente, para esse "cego", as saídas óbvias não são aceitas e por pura ignorância. Este é o pior problema na visão de um homem, quando não tem interesse algum em enxergar o que é melhor. Percebe? Conhece alguém assim ou você seria essa pessoa?
Jesus ressalta, de forma resumida, sua Missão! No contexto do versículo podemos aprender que alguns são curados da cegueira espiritual, enquanto outros se mantêm com um coração endurecido se recusam a "ver".
Saiba que pessoa de Jesus é suficiente para julgar o homem. Ele marca todos a seu caminho! Porém, por se tratar de uma marca de amor, não há pressão para essa aceitação e alguns recusam essa Marca. Existe para muitos uma grande dificuldade em aceitar a Graça dispensada através de Jesus.
Ele te amou primeiro! E todo aquele que responder favoravelmente à voz do Senhor
(Romanos 10.8-13), recebe o Dom da visão, a visão que contempla os Planos Perfeitos de Deus sobre Jesus Cristo. Quem não crê já está condenado!
Já experimentou da cura completa que há no Senhor Jesus? Se sim, então você poderá dizer como Jó: "Antes eu Te conhecia só por ouvir falar, mas agora eu Te vejo com os meus próprios olhos"
(Jó 42.5).



Por Luiz às 12:19:41 | Comentários (3)
Não pense mal - 11/10/2008



Por Luiz às 23:16:15 | Comentários (1)
Quem é você? (Sri Ramana) - 10/10/2008

"Medite sobre esta pergunta: 'Quem sou eu?'. Quando você souber quem é, terá a resposta para todos os desafios que a vida lhe apresentar. Quando você não se lembra de quem é, tudo na vida é um problema. Feche os olhos, acalme a mente e mergulhe em sua Fonte. Bem no fundo de você está a percepção consciente de que você é um ser espiritual, perfeito, completo, uno com a Grande Mente que o criou. Eis aí a fonte da cura. Essa é a saída das dificuldades rumo à paz".



Por Luiz às 14:31:46 | Comentários (1)
Tudo ao seu tempo - 08/10/2008

Não poderás tomar teu banho diário vestido, como também não poderás meditar ou fazer tuas preces se estiveres cantando ou dançando. Tudo, pois, ao seu tempo e hora. Acresce, porém, que uma boa parte de pessoas esqueceram da parte espiritual, conquanto ela possa ter a duração de apenas alguns minutos. Meditar e fazer uma prece levam muito menos tempo que a higiene pessoal. Mesmo assim, poucas são as pessoas que cuidam dela, fechando um pouco os olhos para as coisas terrenas e abrindo o coração para receber Jesus.



Por Luiz às 22:16:27 | Comentários (3)
Anemia - 06/10/2008

Pior do que a anemia do corpo é a da alma. Esta, enferma, deixará também a matéria doente. Assim, é preciso que haja fiscalização para que o espírito não sofra influências negativas, sobretudo quando elas começam pela vaidade, e tem prosseguimento na ganância e no egoísmo. Se tal acontecer, a alma estará deteriorada e como tal passará a ficar entregue aos espíritos inferiores ou zombeteiros que povoam os ambientes menos esclarecidos, as casas onde as pessoas se nivelam por baixo.



Por Luiz às 15:10:16 | Comentários (4)
Respeito é bom e todos gostam! (Dado Moura) - 01/10/2008

Por muitas vezes, testemunhamos situações em que pessoas, – abandonando o que lhes poderia restar de uma boa educação –, romperam com todos os outros princípios morais ao desmerecer o valor da integridade do ser humano, integridade esta que se origina desde a concepção deste e que perdurará por toda sua existência. 

A sadia convivência em nossos relacionamentos se constrói sobre os alicerces do respeito por aqueles que, de alguma forma, exercem autoridade sobre nós, sejam eles professores, chefes de trabalho, pais, entre outros. 

Hoje se nota a falta de respeito de alunos para com os professores, assim como daqueles que se valem de um título, quer seja político ou de magistratura, para com aqueles que exercem uma função – julgada por eles – como inferior. Contudo, surpreende notar que a falta de respeito, muitas vezes, começa ainda dentro de casa, seja entre pais e filhos, seja entre cônjuges, entre irmãos etc. 

O respeito tem se esmorecido desde o zelo aos bebês, que rogam aos céus pela oportunidade de obterem o “veredicto” favorável dos próprios pais à vida, até os cuidados daqueles que trazem por muitos anos o fardo de seus dias vividos. Há ainda outros que foram jogados ao descaso por se encontrarem incapacitados numa cama. 

Há filhos que, por se acharem adultos o bastante, e ainda que morando sobre o mesmo teto, contradizem os pais, desrespeitando as normas estabelecidas por eles; outros se dirigem à autoridade paterna aos gritos. Interessante levar em consideração que o mesmo ato raramente se repetiria se estivessem em uma discussão com os amigos.

Precisamos lembrar que com quem discordamos em opiniões, seja este um professor, um guarda de trânsito ou um policial, ainda que estivessem equivocados, são merecedores de nosso respeito, e o inverso também é verdadeiro. 

Somente aquele que muito experimentou o amor e o respeito poderá efetivamente vivê-los. Se por meio da boa educação dos filhos, conhecemos os educadores, pela demonstração do respeito conhecemos a índole e a integridade do homem, que se encontra em contínua formação. 

Penso ser necessário para aqueles que consideram ultrapassado o cultivo do respeito mútuo uma urgente retomada de um novo comportamento. A nobre virtude do respeito pelo outro tende a favorecer o florescimento da excelência da democracia, dos direitos e deveres em todos os nossos relacionamentos. 

Talvez os valores de nossa sociedade tenham chegado aos mais baixos níveis por falta de ensinamento do respeito às nossas crianças ainda na tenra idade. Acredito que tão importante quanto ensinar aos nossos filhos o respeito às autoridades em todas as esferas sociais, é o testemunhar e respeitar também àqueles que nos observam como autoridade. Nossos filhos aprenderão a respeitar seus superiores e a nos respeitar segundo a maneira como eles próprios foram ensinados e respeitados.



Por Luiz às 16:04:41 | Comentários (1)
Caminhar na vida não é fácil... - 27/09/2008

 “Caminhar nem sempre é fácil. Se pudéssemos escolher nossas estradas, com toda a certeza, seriam paradisíacas, com oásis de felicidade a cada quilômetro, caminharíamos somente com quem quiséssemos e, quando desse vontade, não haveria grandes subidas nem grandes descidas. 

Sabemos, porém, que não é assim. Existem situações que nos fazem caminhar por estradas tortuosas. Mesmo escolhendo, corremos o risco de errar, de acreditar que é a melhor saída, mas com o passar do tempo o sonho acaba se transformando num beco escuro, na ladeira da agonia. 

Diante de certas vias-crucis retornar ao ponto de largada é impossível, o tempo nos lança para a frente e o futuro incerto tende a paralisar nossas pernas. O que fazer? 

Caminhar nem sempre é fácil, mas é preciso! 

A vida é uma sucessão de estradas que não têm fim, o que é felicidade hoje, pode ser tristeza amanhã, e o que é cruz hoje, pode-se converter em salvação logo adiante. As escolhas são importantes, mas não nos garantirão o prêmio da tão sonhada "realização". O que realmente importa não são as estradas, mas a bagagem que carrega aquele que caminha. Bagagem não é peso externo, mas alicerce interior. 

Dias atrás, ouvi alguém que dizia: "a vida desistiu de mim... estou cansada de tudo e de todos". Pensei comigo, a vida nunca desiste de nós, somos nós que na primeira queda, na primeira dificuldade, desilusão, lamentavelmente desistimos de viver. 

Viver não é saltitar por um campo de flores debaixo de um céu azul-anil. Viver é arriscar-se, nunca desistir e superar-se sempre. 

Jesus, enquanto percorria o caminho de dor, diz a tradição, caiu três vezes, levantou-se em cada uma delas, mesmo sabendo o que poderia acontecer, olhou à frente como alguém que é maior que sua cruz. Esse é o segredo. 

Pessoas medíocres afogam-se num "copo d'água". Os iluminados enfrentam o mar, a cruz, a doença, os medos, as incertezas, as decepções. Mesmo a morte não pode vencê-los. 

A vida, obra de Deus, sempre triunfará, a morte não. 

Vamos, a estrada da vida nos chama!”



Por Luiz às 20:01:12 | Comentários (2)
Há momentos... - 26/09/2008

Às vezes existem momentos em que parece que estamos perdidos, à deriva na escuridão e em plena tempestade. Os problemas se acumulam e o sentimento é de quase desespero. Nos falta força para remar e tentar sair da inércia. Justamente nestes momentos é que devemos confiar no Criador, saber que Ele não nos deixa sozinhos nem sequer um segundo. Sua presença se materializa em sinais como uma mão ou um ombro amigo, no miado de um gatinho, ou em momentos de inspiração. Parando para pensar, quando unimos todos esses sinais e deixamos que eles cumpram sua missão, a tempestade não parece tão forte assim e percebemos que o dia já, já, irá raiar. Aprendamos então a enxergar o auxílio Divino, e confiar nEle. Isso não irá tornar a caminhada mais fácil, porém nos trará conforto e a certeza de que chegaremos ao nosso objetivo!

 

“Não há longa noite que não encontre o dia, tudo passa.” (Willian Shakespeare)



Por Luiz às 18:13:45 | Comentários (2)
Tempo Certo (Paulo Coelho) - 24/09/2008

De uma coisa podemos ter certeza:

De nada adianta querer apressar as coisas; tudo vem ao seu tempo, dentro do prazo que lhe foi previsto, mas a natureza humana não é muito paciente.
Temos pressa em tudo, aí acontecem os atropelos do destino, aquela situação que você mesmo provoca por pura ansiedade de não aguardar o Tempo Certo.
Mas alguém poderia dizer: Mas qual é esse tempo certo???
Bom, basta observar os sinais... Quando alguma coisa está para acontecer ou chegar até sua vida, pequenas manifestações do cotidiano, enviarão sinais indicando o caminho certo.
Pode ser a palavra de um amigo, um texto lido, uma observação qualquer; mas com certeza, o sincronismo se encarregará de colocar você no lugar certo, na hora certa, no momento certo, diante da situação ou da pessoa certa!!!
Basta você acreditar que Nada Acontece Por Acaso!!! E talvez seja por isso que você esteja agora lendo essas linhas... Tente observar melhor o que está a sua volta. Com certeza alguns desses sinais já estão por perto, e você nem os notou ainda.
Lembre-se que: O universo sempre conspira a seu favor, quando você possui um objetivo claro e uma disponibilidade de crescimento. 



Por Luiz às 15:22:28 | Comentários (2)
A difícil arte de ser o que se é! (Fernando Golfar) - 19/09/2008

Às vezes, me pergunto: por que é tão difícil sermos simples, essenciais, originais, no sentido da pureza existencial? 

Muitas vezes acreditamos que ser simples é apenas agir com sinceridade, não enganando, de forma alguma, aqueles que em nosso caminho passam. 

Mas para sermos simples, devemos ser autênticos, pois, afinal, somos seres únicos e jamais encontraremos algum ser igual a nós. Na verdade, é isso o que buscamos nos outros: seres iguais a nós. Por isso a diferença nos outros nos incomoda. 

Para que sejamos autênticos, precisamos agir com sinceridade e pureza, atuando com naturalidade, tendo a coragem de se expor e, também, de mostrar fragilidade em determinados momentos e situações. É preciso ter a coragem de chorar e, muitas vezes, falar coisas que nosso coração sente, tirando os preconceitos e deixando que as máscaras que sempre usamos caiam por terra, doa a quem doer. 

Precisamos destruir as barreiras que durante muitas vidas viemos construindo, (por acharmos que as muralhas em torno de nós são as que vão nos proteger dos nossos maiores inimigos). Porém, quando nos vemos cercados por essas altas e fortes muralhas, concluímos que nosso maior inimigo está dentro de nós mesmos, mais protegido que qualquer um. E de nada adianta empunhar poderosas armas de destruição, uma vez que o que devemos destruir está dentro de nossa alma. 

Preferimos prender nos nós da garganta as palavras que muitas vezes deveriam ser ditas, mas nos curvamos diante de nossa mediocridade evolutiva e as engolimos. 

Preferimos esconder as lágrimas que brotam do mais intimo dos nossos sentimentos, para que nos vejam como fortes, indestrutíveis e infalíveis. E, ao mesmo tempo, preferimos buscar respostas imediatas, a ter que refletir sobre determinadas coisas, só para mostrar que sabemos, mesmo que superficialmente. Buscamos ter idéias formadas sobre tudo, mesmo que de forma rasa e sem qualquer tipo de embasamento. 

E assim, vamos nos transformando naquilo que não somos, afundando-nos em falsas palavras, atitudes e sentimentos. Mas isso causa aos outros uma sensação de sempre estarmos senhores da situação. 

Não que sejamos mentirosos, mas chegamos com a repetição desse tipo de atitude a uma situação em que já nos encontramos perdidos daquilo que realmente somos, e as nossas falsas atitudes passam a ser a nossa verdade, a ponto de esquecermos quem realmente somos, perdendo nossa essência. E com o passar do tempo, distanciamo-nos de nós mesmos, e um vazio frio e úmido passa a nos envolver, e nossos dias se tornam tristes, nossas amizades vazias, pois nos enterramos em falsidades conceituais para parecer agradáveis aos outros, esquecendo de nossa verdadeira essência: O Amor. E daí não adianta ficar chorando baixinho, sentindo saudade de nós mesmos, de nossa essência divina. 

Sejamos nós mesmos, autênticos e firmes em nossos objetivos. Certamente muitos se afastarão de nós, pois não seremos mais convenientes para eles; mas outros tantos se aproximação, pois verão que somos simples, sinceros, e nossa essência divina irá brilhar, pois seremos aquilo que realmente sempre fomos: Puro Amor, em essência.



Por Luiz às 15:16:48 | Comentários (2)
O papel da compreensão - 18/09/2008

“É difícil mas, é possível, tentar compreender os outros. 
Tenta compreende-los que não é difícil ajudá-los. Que por de trás de um bom exemplo há uma bela palavra de amor.  
A vida é compreensão, é uma fase desafiadora de continuar a viver. Ela é sabedoria que nos deixa ajudar o nosso pai ou a nossa mãe ou quem está a chorar. 
Todos nós, precisamos, de ser compreendidos na hora da nossa decisão. É o coração que fala mais alto quando estendemos a nossa mão. 
A compreensão é dar experiência a nós mesmos de não deixar aquele lugar vazio, que é o carinho que nós temos entre aquele que vive sozinho.  
É vital a verdade que se vive e é a aprender que se faz amizades. E a ouvir os outros a vida é mais importante.  
Vejam alguns exemplos:  
é bom desenvolver a alegria;  
é bom não deixar ninguém na solidão;  
é bom dar carinho e amor;  
é bom dar a mão ao nosso irmão;  
porque é a conquistar a compreensão, aprende-se a dar, um processo gradual. É o tempo de não estar sozinho mas sim com um sorriso no olhar.”


Por Luiz às 17:05:42 | Comentários (1)
Bondade e Cortesia (Meishu-Sama) - 15/09/2008

Bondade e cortesia são as qualidades que mais faltam ao homem da atualidade.
Há um método que nos permite avaliar o nosso progresso na Fé e o nosso aprimoramento espiritual. Primeiro, devemos evitar as desavenças; depois, desenvolver a bondade; por fim, nos tornarmos mais corteses. Se conhecermos alguém com tais atributos, veremos logo que é pessoa polida, que se aprimorou e que possui o intrínseco valor da Fé. Essa pessoa será estimada e respeitada por todos; suas atitudes valerão como uma silenciosa divulgação de Fé; servirá como exemplo de Fé concretizada
em atos.
Mas
o mundo atual mostra-nos, a todo instante, como é carente dessa bondade e cortesia. Por toda parte, o ser humano vive a esmiuçar os defeitos alheios, odiando e recriminando a toda gente, salientando sempre os seus aspectos desagradáveis. Podemos afirmar que quase não existe cortesia no homem moderno. Há, nele, um requinte de egoísmo, grosseria, espírito calculista e constante desculpa para todos os erros que comete. Não lhe importa ser desagradável aos outros.
Tal procedimento jamais foi liberdade democrática; é um exagero nocivo, um abuso de egoísmo. Em tudo isso, o mais desprezível é que o homem se transforma em delator e perseguidor de seu próprio irmão, porque escasseia o sentido de amor humano. O aumento desse tipo de gente obscurece a sociedade, esfria o relacionamento entre os homens e engrossa a fileira dos desiludidos. Por isso é que os suicídios aumentam cada vez mais.
A verdadeira civilização resultará do crescente número de pessoas que agem conforme o cavalheirismo inglês ou a filantropia americana. Ser fiel às regras morais permite a formação de uma sociedade agradável, onde reina o conforto. Se tal sociedade puder ser criada, o Paraíso será uma realidade para o homem.



Por Luiz às 19:27:48 | Comentários (2)
A inveja mata!? - 12/09/2008

 “Apesar de a inveja ser um mal tão grande, não existe nenhuma palavra no idioma português que seja o contrário, ou antônimo, de "inveja". Talvez seja porque ainda não conseguimos sublimar esse problema. Mas existe um verbo no idioma iídiche, que é único: "farguinen". Poderia ser traduzido como "abrir espaço", "compartilhar prazer". Essa, talvez, seja a maior dificuldade do ser humano: "compartilhar prazer", abrir espaço para o sucesso do outro, permitir-nos ser felizes com a felicidade de outro. 

Quando falamos que "a inveja mata" é porque ela literalmente corrói emocionalmente o invejoso. A cada sucesso, a cada felicidade, a cada conquista do outro, o invejoso sente-se mal, sente-se mais derrotado. O invejoso, nesses casos, sente-se invadido por um sentimento de extrema tristeza. Ele fica meio que paralisado, sem ação. Muitas vezes este é um tipo de sentimento que é inconsciente. Ou seja, não é voluntário. Não sentimos inveja porque desejamos sentir. Apenas nos sentimos muito mal quando olhamos o sucesso do outro. 

"A inveja é inimiga mortal da prosperidade"Como assim? 

Quando vimos que o nosso vizinho trocou de carro, ou comprou um móvel novo, ficamos com os olhos embotados de tanta frustração. "Por que ele consegue e eu não?" Neste caso, a prosperidade é a causa da frustração. Se a prosperidade lhe causa frustração, ou ódio, ou raiva, como você pensa em atrair aquilo que lhe faz mal? 

Como escrevemos antes, muitas vezes esse é um sentimento involuntário. Não queremos nos sentir assim. Gostaríamos de ser diferentes, mas não conseguimos. O que temos que fazer, então, é um exercício de vontade, onde pouco a pouco vamos conquistando o domínio desse sentimento nocivo. É como quando seu time ganha o campeonato. Você admira e torce pelo seu time. Então você não se sente frustrado pela sua vitória. Ao contrário, você se sente muito feliz quando ele é vitorioso. Mas porque você se sente assim se, na realidade, você não ganhou nada? Quem ganhou o campeonato foram os 22 jogadores, mais o treinador e a direção daquele time, os quais você nem conhece. Mesmo assim você se sente feliz! Você "compartilha prazer"! 

Temos muita facilidade em compartilhar prazer com aquilo ou aqueles que nos identificamos. Dificilmente alguém sentirá inveja de seu filho, ou do seu cônjuge. Se isso ocorrer, já passa a ser um caso de internação. 

Mas como vamos compartilhar prazer com o sucesso do vizinho? Eu nem o conheço! Ele mal me dá bom-dia! Às vezes ele nem me cumprimenta! "É ruim, hein!", diria você. A competição faz isso mesmo conosco. Se uma pessoa não faz parte da nossa "tribo", do nosso "time", então é o outro, é o adversário, é um inimigo. Então a prosperidade dele é nossa inimiga e faz mal à nossa própria prosperidade. 

O que temos que entender é que não existe a nossa prosperidade ou a prosperidade do outro. Existe somente a prosperidade, e a sua inveja é inimiga mortal dessa prosperidade. 

Uma simples posição mental poderá modificar nosso estado de frustração quando vimos o sucesso do outro: "Que eu TAMBÉM possa ser abençoado por essa prosperidade".



Por Luiz às 21:16:00 | Comentários (2)
Perdão - 10/09/2008



Por Luiz às 19:51:46 | Comentários (4)
Questão de bom senso - 09/09/2008



Por Luiz às 11:47:06 | Comentários (1)
Ser perfeito - 06/09/2008

Nós, seres humanos, temos muita facilidade em descobrir as faltas e fraquezas dos outros. Procedendo desta maneira, o que ganhamos com este tipo de atitude? 

Analisando a vida de pessoas espiritualmente realizadas, podemos constatar que elas, também, foram pessoas como nós, seres encarnados. Como estas pessoas espiritualmente realizadas atingiram a perfeição? Poderemos também obter sucesso se seguirmos o método que elas utilizaram? 

Devemos acreditar que é possível, desde que nos esforcemos espiritualmente, procurando dentro de nós, as faltas e fraquezas, empenhando-nos para corrigi-las e tornando-nos perfeitos.



Por Luiz às 09:33:43 | Comentários (1)
Demonstrem Amor - 02/09/2008

Demonstrar o amor é uma forma de deixar a vida transbordar dentro do próprio coração.
A maioria das pessoas estabelece datas especiais para manifestar o seu amor pelo outro: é o dia do aniversário, o natal, o aniversário de casamento, o dia dos namorados, dia do amigo.
E alguns não dizem nunca o que sentem ao outro. Acreditam que o outro sabe que é amado e pronto. Não é preciso dizer.
Conta um médico que uma cliente sua, esposa de um homem avesso a externar os seus sentimentos, foi acometida de uma supuração de apêndice e foi levada às pressas para o hospital.
Operada de emergência, necessitou receber várias transfusões de sangue sem nenhum resultado satisfatório para o restabelecimento de sua saúde.
O médico, um tanto preocupado, a fim de sugestioná-la, lhe disse:
pensei que a senhora quisesse ficar curada o mais rápido possível para voltar para o seu lar e o seu marido.
Ela respondeu, sem nenhum entusiasmo:
O meu marido não precisa de mim. Aliás, ele não necessita de ninguém. Sempre diz isto.
Naquela noite, o médico falou para o esposo que a sua mulher não queria ficar curada. Que ela estava sofrendo de profunda carência afetiva que estava comprometendo a sua cura.
A resposta do marido foi curta, mas precisa:
Ela tem de ficar boa.
Finalmente, como último recurso para a obtenção do restabelecimento da paciente, o médico optou por realizar uma transfusão de sangue direta.
O doador foi o próprio marido, pois ele possuía o tipo de sangue adequado para ela.
Deitado ao lado dela, enquanto o sangue fluía dele para as veias da sua esposa, aconteceu algo imprevisível.
O marido, traduzindo na voz uma verdadeira afeição, disse para a esposa:
Querida, eu vou fazer você ficar boa.
Por que?
Perguntou ela, sem nem mesmo abrir os olhos.
Porque você representa muito para mim.
Houve uma pausa. O pulso dela bateu mais depressa. Seus olhos se abriram e ela voltou lentamente a cabeça para ele.
Você nunca me disse isso.
Estou dizendo agora.
Mais tarde, com surpresa, o marido ouviu a opinião do médico sobre a causa principal da cura da sua esposa.
Não foi a transfusão em si mesma, mas o que acompanhou a doação do sangue que fez com que ela se restabelecesse. As palavras de carinho fizeram a diferença entre a morte e a vida.
É importante saber dizer: amo você! O gesto carinhoso, a palavra gentil autêntica, a demonstração afetiva num abraço, numa delicada carícia funcionam como estímulos para o estreitamento dos laços indestrutíveis do amor.
É urgente que, no relacionamento humano, se quebre a cortina do silêncio entre as criaturas e se fale a respeito dos sentimentos mútuos, sem vergonha e sem medo.
A pessoa cuja presença é uma declaração de amor consegue criar um ambiente especial para si e para os que privam da sua convivência.
Quem diz ao outro: eu amo você, expressa a sua própria capacidade de amar, mas também, afirmando que o outro é amado, se faz amar e cria amor ao seu redor.
A Comunicação, a arte de falar um com o outro, dizer o que sentimos e pretendemos, falando com clareza, ouvir o que o outro fala, deixá-lo certo de que estamos ouvindo é, sem sombra de dúvida, a habilidade mais essencial para a criação e a manutenção de um relacionamento amoroso.
A afirmativa é de Léo Buscaglia. Ele diz que o mais alto nível da comunicação é o não verbal. O que quer dizer: se você ama, mostre isto em atitudes. Faça coisas amorosas para o outro. Seja atencioso. Coloque os seus sentimentos na prática.
Diga sempre ao outro que o ama, através de suas palavras, suas atitudes e seus gestos. Não pense que o seu par já sabe disso. Ele precisa desta afirmação.
Cumprimente sempre o seu amor pelos trabalhos bem-feitos. Não o deprecie. Dê o seu apoio quando ele falhar. Pense que tudo o que ele faz por você, não o faz por obrigação. E estímulo e elogio asseguram que ele vai repetir a dose.

Quando você se sentir solitário, incompreendido, deixe-o saber. Ele se sentirá mais forte por reconhecer que tem forças para confortar você.
Afinal, os sentimentos, quando não externados, podem ser destrutivos. Lembre que, apesar de amá-lo, o outro ainda não pode ler a sua mente. Não se feche em si mesmo.
Expresse sentimentos e pensamentos de alegria. Eles dão vida ao relacionamento. É maravilhoso celebrar dias comuns, datas pessoais, como o primeiro encontro, o primeiro olhar, o dia da reconciliação depois de um breve desentendimento.
Dê presentes de amor sem motivo. Ouça a sua própria voz a falar de sua felicidade.
Diga as pessoas especiais que ela é uma pessoa especial. Não deprecie os sentimentos dele. O que ele sente ou vê é sua experiência pessoal, portanto, importante e real.
Abrace sempre. A comunicação de amor não verbal revitaliza a relação.
Respeite o silêncio, Momentos de quietude também fazem parte das necessidades espirituais de cada um.
Finalmente, deixe que os outros saibam que você valoriza a quem ama, pois é bom partilhar as alegrias de um saudável relacionamento com os outros.
O amor, sem dúvida, é lei da vida.
Todos devemos respeito uns aos outros. Somos responsáveis pelos que cativamos ou nos confiam seus corações.
Demonstrem amor, exercite, o coração agradece!!!! Fiquem em paz!



Por Luiz às 20:09:08 | Comentários (3)
Ressentimento - 29/08/2008

SIM, você recebeu um tratamento péssimo daquele cliente, daquele namorado, do professor, do seu marido, dos seus pais, dos seus filhos, dos vizinhos, do seu chefe, dos seus colegas, dos amigos, dos críticos, do cachorro... Você tem toda razão em ter sentido mágoa, tristeza e desapontamento quando isso aconteceu. Mas sentir tais coisas só tem lógica se for naquele momento. NUNCA MAIS.

Se você está, ainda hoje, sentindo essa decepção, essa tristeza, essa mágoa com outra pessoa, então você está ressentido, com ela. Veja com atenção o significado da palavra ressentimento: RE-SENTIMENTO. 

Sentir novamente; Sentir infinitamente, para alguns.

Qual a razão de usar sua mente para sentir novamente coisas ruins, fragilidades e decepções?

Sentir coisas ruins novamente não tem absolutamente nenhuma função, exceto prender você ao passado e tornar você uma eterna vítima de alguém que nem mesmo está tentando prejudicar você mais.

Ao guardar qualquer ressentimento você está se acorrentando a alguém que lhe fez mal, mesmo que essa pessoa não queira mais isso. Você está re-sentindo a dor que só existe em sua memória. A outra pessoa, por pior que tenha sido, não será prejudicada por seu ressentimento. MAS VOCÊ SERÁ!

Você desperdiçará momentos únicos das suas vinte e quatro horas para pegar o punhal que alguém usou contra você há semanas, meses, anos ou décadas atrás e, acredite ou não, você mesmo estará se apunhalando dia-após-dia, com seu re-sentimento. 

Se o caso for tão grave que tenha que ser resolvido em tribunais, deixe advogados cuidando disso e se concentre em sua vida e sua felicidade. 

Não caia na armadilha do ressentimento. Viva o momento que estiver vivendo.
Esqueça as coisas ruins do passado. Ele não existe mais. E, se mesmo com toda a lógica do mundo, você ainda estiver "sentindo re-sentimento" e mágoa de alguém, lembre-se do que disse  William Shakespeare: "Guardar ressentimento é como tomar veneno e esperar que a outra pessoa morra.“



Por Luiz às 10:50:04 | Comentários (2)
Esperança - 27/08/2008

Ninguém pode viver sem esperança. Viver é projetar-se no futuro, na busca da realização plena de nossas riquezas no seio da comunidade humana. Mas esperar o quê? Que pode esperar a criança que vende balas na rua com suas calças sujas, pés no chão, boca sem dentes? Que pode esperar o jovem que está cansado de viver e quer pôr termo ao seus dias? Que pode esperar a mulher de tantos filhos abandonada pelo marido? E, apesar de tudo, é preciso continuar.

A humanidade precisa crer que a utopia da fraternidade vai se concretizar nessa terra de divisões. Esperar o dia em que as máscaras cairão, a verdade será libertada e os peregrinos da terra poderão dizer que passam pelas casas de seus irmãos e aí são recebidos para o repouso da noite e para a refeição que dá novo alento para a continuação da caminhada. Os cristãos vivem desta esperança porque seu Mestre venceu a morte, a mentira, os interesses egoístas. Esta esperança não é passiva, mas atuante e leva os cristãos a colocarem condições cada vez mais numerosas no sentido da instauração de uma terra nova.



Por Luiz às 17:08:43 | Comentários (2)
Barreiras (Paulo Roberto Gaefke) - 26/08/2008

Existe uma porta mental chamada “ eu não consigo “, que nem a bomba mais potente consegue destruir, nem o ladrão mais ágil consegue arrombar, pois está solidificada na mente humana, essa mente maravilhosa que possuímos, capaz de construir maravilhas, e destruir vidas preciosas. 

Os vícios, as situações que se repetem, a maioria dos infortúnios, as guerras estúpidas, angústias e doenças nervosas que levam gênios a loucura, são retratos claros dessas portas mentais que encarceram as pessoas que perdem a chave, sem saberem como se libertar. 

Uma depressão, por exemplo, é uma cadeia de segurança máxima, onde a pessoa se tranca e não vê mais nada além da sua dor, da dor que nem sempre existe na realidade, e que não podemos abrir, pois só ela tem a chave, e essa chave, que chamamos de determinação, Deus chama de "amor a vida". 

Somente o reconhecimento desse verdadeiro tesouro, que é a vida, pode nos libertar dessa cadeia mental, livrar o  homem do " eu não consigo", do "eu não posso", das frases feitas de destruição, da frustração de ver algum sonho não realizado, da libertação de vícios que destroem a vida, vida que Deus lhe entrega mais uma vez, renovada, pronta para a sua vitória, com essa chave divina chamada "dia de hoje", chave que permite mudar tudo, começando agora com uma simples atitude mental: amando-se incondicionalmente. 

Viva a sua vitória, a sua mudança, a libertação da prisão que você mesmo criou, eis o dia, eis a chave: é o amor, sublime amor, que Deus tem por você, hoje e sempre, Amém



Por Luiz às 13:46:59 | Comentários (1)
E o sol nasce novamente (Letícia Thompson) - 25/08/2008

Há ocasiões em nossa vida que a noite parece interminável... É assim quando todas as esperanças parecem ter ido procurar refúgio em algum lugar, menos no nosso coração.

Não somamos nossas alegrias como somamos nossos problemas. 

Quando passamos por um caminho difícil, fazemos uma revisão do que vivemos e temos vivido e somamos as dores, que parecem crescer a cada lembrança. 

Se, inversamente, fizéssemos o mesmo com nossos momentos de alegria, encontraríamos razões a mais para viver e forças suplementares para sobreviver aos impasses da vida. 

Por mais longa que seja a noite, por mais lento que tenha sido o relógio e por mais dolorido que tenha estado nosso coração, o sol nasce novamente.

Pouco importa se no dia seguinte ele estará ainda encoberto por nuvens, ele não estará encoberto eternamente. 

A certeza de que algo de bom e bonito existe nos faz guardar ainda acesa a chama dentro do coração. 

Se o sol vai e volta, a lua some e reaparece, as marés baixam e sobem, não há razões para que na vida não demos a volta por cima. 

A natureza é a prova viva de que tudo está em movimento sempre e nós fazemos parte dessa paisagem idealizada e plantada por Deus. 

Tudo é passageiro, as alegrias vêem e vão, mas o sofrimento também, até mesmo aquele que se instala no mais profundo do nosso ser, ele também se acalma e deixa um lugarzinho aberto para a doçura de viver. 

Não podemos desistir de ser felizes enquanto o sol não desistir de renascer.



Por Luiz às 14:04:11 | Comentários (1)
Ser Feliz é uma Decisão - 17/08/2008

Uma senhora de 92 anos, delicada, bem vestida, com o cabelo bem penteado e um semblante calmo, precisou se mudar para uma casa de repouso.
Seu marido havia falecido recentemente e a mudança se fez necessária, pois ela era deficiente visual e não havia quem pudesse ampará-la em seu lar.
Uma neta dedicada a acompanhou.
Após algum tempo aguardando pacientemente na sala de espera, a enfermeira veio avisá-las que o quarto estava pronto.
Enquanto caminhavam, lentamente, até o elevador, a neta, que já havia vistoriado os aposentos, fez-lhe uma descrição visual de seu pequeno quarto, incluindo as flores na cortina da janela.
A senhora sorriu docemente e disse com entusiasmo: Eu adorei!
Mas a senhora nem viu o quarto... Observou a enfermeira.
Ela não a deixou continuar e acrescentou:
A felicidade é algo que você decide antes da hora. Se eu vou gostar do meu quarto ou não, não depende de como os móveis estão arranjados, e sim de como eu os arranjo em minha mente.
E eu já me decidi gostar dele...
E continuou: é uma decisão que tomo a cada manhã quando acordo. Eu tenho uma escolha, posso passar o dia na cama remoendo as dificuldades que tenho com as partes de meu corpo que não funcionam há muito tempo, ou posso sair da cama e ser grata por mais esse dia.
Cada dia é um presente, e meus olhos se abrem para o novo dia das memórias felizes que armazenei...
A velhice é como uma conta no banco, minha filha... De onde você só retira o que colocou antes.
..........................................

A lição de uma pessoa idosa e sem a visão dos olhos físicos é de grande profundidade e contém ensinamentos valiosos.
E o primeiro deles é que a felicidade é uma decisão pessoal.
Depende mais da nossa disposição mental do que das circunstâncias que nos rodeiam.
Cada pessoa tem, na intimidade, o potencial de armazenar as belezas que deseja ver em sua tela mental, ainda que ao seu redor a paisagem seja deprimente.
Para isso é preciso construir um mundo de felicidade nesse banco de lembranças que Deus ofereceu a cada um de seus filhos.
E quando se constrói um mundo de paz e felicidade, portas à dentro da alma, é possível compartilhar essa realidade com aqueles que nos cercam.
Assim é que se não temos em nossa vida os enfeites que desejamos, arranjemos tudo isso em nossa mente. É uma forma de ver as coisas com olhar positivo e otimista.
Além disso, como toda criação começa na mente, é bem possível que venhamos a concretizar esse sonho alimentado na alma.
Se você ainda não havia pensado nessa possibilidade, pense agora.
Comece, sem demora, a depositar felicidade na conta do banco das suas lembranças, para poder resgatar sempre que desejar.
Se você abrir a janela, pela manhã, e seus olhos físicos puderem ver apenas paisagens deprimentes, abra as janelas da alma e contemple um jardim em flor.
Respire
fundo e sinta o perfume de jasmim, de rosas e cravos, ouça o canto dos pássaros que voam, ligeiros, pelo ar.
Perceba a brisa acariciando seu rosto, e curta a melodia dos grilos e cigarras que cantam para alegrar suas horas.
Decida ser feliz, ainda que seja uma felicidade que só você pode sentir. E lembre-se sempre: a felicidade não depende de como as coisas estão arranjadas, mas de como você as arranja na sua mente.

 



Por Luiz às 17:05:33 | Comentários (3)
Erre auxiliando - 16/08/2008

Gostei dessa mensagem do Chico Xavier em que ele incentiva-nos a fazer o bem ainda que iniciemos essa tarefa a contragosto. Interessante como podemos começar de uma forma negativa e, no decurso do processo amadurecermos, aprendermos e, no final, quem sabe?!, auto melhorarmos. Nunca tinha lido algo dessa natureza , por isso compartilho com vocês, achei realmente sensacional essa nova forma de ver (iniciar) atitudes. Normalmente pregamos fazer tudo com amor, com coração, com vontade ... Uma quebra de paradigma essa mensagem!  Grande André Luiz, o Missionário desencarnado que muito admiro!   

 

"Auxilie a todos para o bem. 

Auxilie sem condições.

Ainda mesmo por despeito, auxilie sem descansar, na certeza de que, assim, muitas vezes, poderá você conquistar a cooperação dos próprios adversários.

Ainda mesmo por inveja, auxilie infatigavelmente, porque, desse modo, acabará você assimilando as qualidades nobres daqueles que respiram em Plano Superior. 

Ainda mesmo por desfastio, auxilie espontaneamente aos que lhe cruzam a estrada, porque, dessa forma, livrar-se-á você dos pesadelos da hora inútil, surpreendendo, por fim, a bênção do trabalho e o templo da alegria. 

Ainda mesmo por ostentação, auxilie a quem passa sob o jugo da necessidade e da dor, porque, nessa diretriz, atingirá você o grande entendimento, descobrindo as riquezas ocultas do amor e da humildade. 

Ainda mesmo sob a pressão de grande constrangimento, auxilie sem repouso, porque, na tarefa do auxílio, receberá a colaboração natural dos outros, capaz de solver-lhe os problemas e extinguir-lhe as inibições.

Ainda mesmo sob o império da aversão, auxilie sempre, porque o serviço ao próximo dissolver-lhe-á todas as sombras, na generosa luz da compreensão e da simpatia.

Erre auxiliando. 

Ainda mesmo nos espinheiros da mágoa ou da ilusão, auxilie sem reclamar o auxílio de outrem, servindo sem amargura e sem paga, porque os erros, filhos do sincero desejo de auxiliar, são também caminhos abençoados que, embora obscuros e pedregosos, nos conduzem o espírito às alegrias do Eterno Bem." 

Xavier, Francisco Cândido

Da obra: Apostilas da Vida

Ditado pelo Espírito André Luiz

 

Paz e Luz



Por Luiz às 22:06:14 | Comentários (2)
Ante o Próximo - 14/08/2008

 “...E quem é o meu próximo? - indaguei
Ao coração da vida?
E o coração da vida obedecendo a Lei,
Respondeu com voz clara e decidida:
Olha em redor de ti, onde o dever te leva.
Do espaço livre e amplo à senda estreita e breve,
Fita em teu próprio lar:
É teu pai, tua mãe, teu irmão, teu parente,
E mais alguém do Grupo familiar,
É o vizinho piedoso e intransigente,
É o mendigo a esmolar que te visita a porta,
O amigo suscetível de amparar-te
É aquele que padece
Privação ou problema em qualquer parte.
É aquele que te esquece
E o outro que te humilha,
A esconder-se no ouro em que se alteia e brilha
Para depois cair quando se desilude.
É aquele que se faz bandeira da virtude,
E o outro que te apoia ou te faz concessões.
É aquele que te furta o lugar e o direito,
Alimentando a sombra do despeito
Sem que te saiba ver as intenções.
É a mulher que te guia para o bem
E a outra que atravessa as áreas de ninguém
Avinagrando corações...
  

 

O próximo, afinal, seja onde for,
Será sempre a criatura
Que te busca onde estás
Procurando por ti o socorro da paz,
Rogando-te bondade, amparo e compreensão,
Amizade e calor
Dando-te o nobre ensejo,
De seguir para a luz na presença do amor.
E posso sem o próximo viver? - perguntei comovido
E disse novamente o coração da vida:
Acende sem cessar a luz do Bem,
Trabalha, serve, crê, chora, sofre e auxilia...
Sem o próximo em tua companhia
Nunca serás alguém!!"



Por Luiz às 20:55:00 | Comentários (4)
Fazendo o errado achando certo - 13/08/2008

“Quando fazemos algo, tomamos uma atitude, escolhemos um caminho, nem sempre paramos para pensar se o que estamos fazendo é certo ou errado, até porque certo e errado é uma coisa muito relativa, mas seguindo a nossa consciência, sabemos dizer se é certo ou errado. 

Às vezes nossa consciência dá um aviso, mas mesmo assim resolvemos arriscar. O que é isso afinal? Por que fazemos o errado mesmo sabendo que é errado? Por que colocamos em risco, coisas que damos muito valor? Um relacionamento, uma amizade, ou mesmo um valor no qual acreditamos? Para depois sentirmos culpa? Risos. 

Parece uma coisa involuntária, que nem sempre temos controle, nos deixamos levar por algo mais forte, mais forte que nós mesmos, mais fortes do que tudo o que acreditamos, depois vem o arrependimento, mas é tarde. 

Incrível isso, nascemos com o poder de desenvolvermos a inteligência, temos, diferente de todos os animais consciência, e mesmo assim, não utilizamos certos momentos. Nem nos damos conta de que nesse momento poderemos magoar alguém, aquele alguém que está ao nosso lado nos momentos que mais precisamos.

Todos devem estar achando que falo apenas sobre traição, mas não acho que é isso, é muito mais. É um ciúme, estúpido (ciúme é sempre estúpido), é inveja, é competição com alguém que é seu parceiro, manipular alguém para ver os seus desejos realizados. Qual a graça de tudo isso? Qual a graça de ter um parceiro se você não é 100% parceiro mesmo, se você não é capaz de dizer todos os seus desejos? Aqueles mais secretos? Se não pode dizer seus piores defeitos, se você não pode ser você mesmo, autêntico, se você não pode contrariá-lo? Acredito que se você não tem isso, e tem necessidade de fazer coisas, que são contra seus valores, ou vai deixá-lo com culpa, tem algo errado no seu relacionamento, você não deve estar se comunicando com a pessoa ao seu lado, você precisa sempre ser totalmente aberto, se você pode dizer a um (a) amigo (a), o que sente, mas não é capaz de dizer ao seu relacionamento, já existe algo errado. 

Converse, se abra, seja autêntico (a), acredite que você é capaz de ter amor de uma pessoa que conhece você de verdade, que não tenha a ilusão de que você é alguém que não é de fato. Não crie a ilusão, não transforme a pessoa que você ama, no que você gostaria que ela fosse, ame com seus defeitos e suas qualidades, mas conheça essa pessoa de verdade, e nunca mais terá que errar.”



Por Luiz às 16:37:39 | Comentários (1)
Gentileza - 11/08/2008

O executivo estava na capital e entrou em um táxi com um amigo.
Quando chegaram ao destino, o amigo disse ao taxista:
Agradeço pela corrida. O senhor dirige muito bem.
E, ante o espanto do motorista, continuou:
Fiquei impressionado em observar como o senhor manteve a calma no meio do trânsito difícil.
O profissional olhou, um tanto incrédulo, e foi embora.
O executivo perguntou ao amigo por que ele dissera aquilo.
Muito simples– explicou ele. Estou tentando trazer o amor de volta a esta cidade e iniciei com uma campanha da gentileza.
Você sozinho?
– Disse o outro.
Eu, sozinho, não. Conto que muitos se sintam motivados a participar da minha campanha.
Tenho certeza de que o taxista ganhou o dia com o que eu disse.
Imagine agora que ele faça vinte corridas hoje. Vai ser gentil com todas as 20 pessoas que conduzir, porque alguém foi gentil com ele.
Por sua vez, cada uma daquelas pessoas será gentil com seus empregados, com os garçons, com os vendedores, com sua família.
Sem muito esforço, posso calcular que a gentileza pode se espalhar pelo menos em mil pessoas, num dia.
O executivo não conseguia entender muito bem a questão do contágio que o amigo lhe explicava.
Mas, você vai depender de um taxista!
Não só de um taxista,
respondeu o otimista. Como não tenho certeza de que o método seja infalível, tenho de fazer a mesma coisa com todas as pessoas que eu contatar hoje.
Se eu conseguir que, ao menos, três delas fiquem felizes com o que eu lhes disser, indiretamente vou conseguir influenciar as atitudes de um sem número de outras.
O executivo não estava acreditando naquele método. Afinal, podia ser que não funcionasse, que não desse certo, que a pessoa não se sensibilizasse com as palavras gentis.
Não tem importância, foi a resposta pronta do entusiasta. Para mim, não custou nada ser gentil.
* * *
Você já pensou como seria bom se agradecessemos ao carteiro por nos trazer a correspondência em nossa residência?
Ao médico que nos atenda, ao balconista, ao caixa do supermercado...
E a um professor, então? Quantos se mostram desestimulados porque ninguém lhes reconhece o trabalho!
Se receber um elogio, se alguém lhe disser como é bom o trabalho que está realizando com seu filho, como ele influenciará todos os alunos das várias classes em que leciona! E cada aluno levará a mensagem para suas casas, seus amigos, seus vizinhos.
Pode não ser fácil, mas se pudermos recrutar alguém para a nossa campanha da gentileza...
Diz um provérbio de autoria desconhecida que as pessoas que dizem que não podem fazer, não deviam interromper aquelas que estão fazendo alguma coisa.
Pensemos nisso e procuremos nos engajar na campanha da gentileza.
Pode não dar certo com uma pessoa muito mal-humorada. Mas também pode ser que ela se surpreenda por ser cumprimentada, e responda.
Melhor do que isso: pode ser que ela decida cumprimentar alguém. E, em fazendo isso, se sinta bem. E passe a cumprimentar as pessoas todos os dias.
Assim estaremos espalhando o germe da gentileza, que torna as pessoas mais próximas umas das outras.
Uma campanha que espalha confiança, tranqüilidade...
Pensemos nisso e façamos nossa adesão à campanha da gentileza, transformando a nossa cidade num oásis de paz.”