Luz na Penumbra
 O que ? RSS?

Dê o primeiro passo - 20/08/2013

“A vida é uma peregrinação para Deus e o caminho está diante de você. Mas, a menos que dê o primeiro passo e siga adiante nos passos seguintes, como pode alcançá-Lo? Comece com coragem, fé, alegria e firmeza; você certamente terá sucesso. A mente e o intelecto são como dois bois amarrados a uma carroça. Eles não estão acostumados à estrada da Verdade, Retidão, Paz e Amor, e assim eles arrastam o carro ao longo da estrada que lhes é familiar, ou seja, falsidade, injustiça, preocupação e ódio. Você deve treinar os bois a trilhar o caminho certo, para que eles não tragam desastre para si e para os outros. Todo objeto ou ser no mundo dará tanto prazer como dor. Controle e treine sua mente para ver essa verdadeira natureza do mundo objetivo. Esse é o verdadeiro fruto da educação.”


Por Leunamme às 14:43:53 | Comentários (0)
O Homem-LUZ - 07/07/2013

Aqueles eram dias em que Roma dominava o mundo... Sua águia sedenta de sangue sobrevoava o cadáver das civilizações e povos vencidos. Os valores éticos eram esquecidos... A desconsideração moral permitia que os ideais da humanidade fossem manipulados pelas estruturas políticas odientas que levavam por terra as construções filosóficas e espirituais do passado. Foi nessa paisagem que Jesus veio apresentar a doutrina de amor, propondo uma nova ordem fundamentada na solidariedade fraternal. Surgiu na Terra o Homem-Luz para modificar a arcaica estrutura do homem-fera. Tratava-se de Personalidade inconfundível e única. Deixava transparecer nos olhos, profundamente misericordiosos, uma beleza suave e indefinível. Longos e sedosos cabelos molduravam-Lhe o semblante compassivo, como se fossem fios castanhos, levemente dourados por luz desconhecida. Sorriso divino, revelando ao mesmo tempo bondade imensa e singular energia. Irradiava da Sua melancólica e majestosa figura uma fascinação irresistível. Sua palavra, Seus feitos, Seus silêncios estóicos dividiram os tempos e os fatos da história. Conviveu com a ralé, e, trabalhando-a logrou fazer heróis e santos, servidores incansáveis e ases da abnegação... Utilizando-se do cenário da natureza, compôs a mais comovedora sinfonia de esperança. Na cátedra natural de um monte, apresentou a regra áurea para a humanidade, através dos robustos e desafiadores conceitos contidos nas bem-aventuranças. Dignificou um estábulo e sublimou uma cruz... Exaltou um grão pequenino de mostarda e repudiou a hipocrisia dourada dos poderosos em trânsito para o túmulo, quanto a covardia mofa, embora disfarçada, dos déspotas da ilusão mentirosa. Levantou paralíticos. Limpou leprosos. Restituiu a visão a cegos. Reabilitou mulheres infelizes. Curou loucos. Reanimou desalentados e sofredores. Em troca do amor que dedicou foi alçado à cruz... Seus pés, que tanto haviam caminhado para a semeadura do bem, estavam ensangüentados. Suas mãos generosas e acariciadoras eram duas rosas vermelhas, gotejando o sangue do suplício. Sua fronte, em que se haviam abrigado os pensamentos mais puros do mundo, se mostrava aureolada de espinhos. O Mestre, todavia, que vivera e falara da Boa Nova que é toda uma cascata de luz e de alegria, prenunciando a vitória da vida sobre a morte, do bem sobre o mal, da bondade sobre a perversidade, roga a Deus com extrema sinceridade: "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem!..." *** O amor é o perene amanhecer, após as sombras ameaçadoras. A palavra de Jesus, na tônica do amor, é a canção sublime que embalou Sua época e até hoje constitui o apoio e a segurança das vidas que se Lhe entregam em totalidade.


Por Leunamme às 19:54:35 | Comentários (0)
A honestidade não tem preço - 30/06/2013

A história é comovente. Fala de uma honestidade a toda prova, e é contada por Vladimir Petrov, jovem prisioneiro de um campo de concentração no nordeste da Sibéria. Vladimir tinha um companheiro de prisão chamado Andrey. Ambos sabiam que daquele lugar poucos saíam com vida, pois o alimento que se dava aos prisioneiros políticos não tinham por objetivo mantê-los vivos por muito tempo. A taxa de mortalidade era extremamente alta, graças ao regime de fome e aos trabalhos forçados. E como é natural, os prisioneiros, em sua maioria, roubavam tudo quanto lhes caía nas mãos. Vladimir tinha, numa pequena caixa, alguns biscoitos, um pouco de manteiga e açúcar - coisas que sua mãe lhe havia mandado clandestinamente, de quase três mil quilômetros de distância. Guardava aqueles alimentos para quando a fome se tornasse insuportável. E como a caixa não tinha chave, ele a levava sempre consigo. Certo dia, Vladimir foi despachado para um trabalho temporário em outro campo. E porque não sabia o que fazer com a caixa, Andrey lhe disse: deixe-a comigo, que eu a guardo. Pode estar certo de que ficará a salvo comigo. No dia seguinte da sua partida, uma tempestade de neve que durou três dias tornou intransitáveis todos os caminhos, impossibilitando o transporte de provisões. Vladimir sabia que no campo de concentração em que ficara Andrey, as coisas deviam andar muito mal. Só dez dias depois os caminhos foram reabertos e Vladimir retornou ao campo. Chegou à noite, quando todos já haviam voltado do trabalho, mas não viu Andrey entre os demais. Dirigiu-se ao capataz e lhe perguntou: - Onde está Andrey? - Enterrado numa cova enorme junto com outros tantos prisioneiros - respondeu ele. Mas antes de morrer pediu-me que guardasse isto para você. Vladimir sentiu um forte aperto no coração. - Nem minha manteiga nem os biscoitos puderam salvá-lo, pensou. Abriu a caixa e, dentro dela, ao lado dos alimentos intactos, encontrou um bilhete dizendo: "Prezado Vladimir. Escrevo enquanto ainda posso mexer a mão. Não sei se viverei até você voltar, porque estou horrivelmente debilitado. Se eu morrer, avise a minha mulher e meus filhos. Você sabe o endereço. Deixo as suas coisas com o capataz. Espero que as receba intactas." Andrey. Ser honesto é dever que cabe a toda criatura que tem por meta a felicidade. E a fidelidade é uma das virtudes que liberta o ser e o eleva na direção da luz. Uma amizade sólida e duradoura só se constrói com fidelidade e honestidade recíprocas. Somente as pessoas honestas e fiéis possuem a grandeza d’alma dos que já se contam entre os espíritos verdadeiramente livres.


Por Leunamme às 02:10:19 | Comentários (0)
Eu, eu, eu - 09/03/2013

“Se há um furúnculo no corpo, colocamos uma pomada sobre ele e o cobrimos com um curativo até que toda a ferida cure. Se você não aplicar a pomada e uma bandagem ao redor desse furúnculo, é provável que se infeccione e possa causar maiores danos no futuro. Periodicamente temos de limpá-lo com água, aplicar a pomada novamente e colocar um curativo novo. Da mesma forma, em nossa vida, há esse furúnculo que surgiu no nosso corpo sob a forma de "eu, eu, eu". Se você quer realmente curar esse furúnculo, terá de lavá-lo todos os dias com as águas de amor, aplicar a pomada de fé e enlaçar a atadura de humildade em torno dele. A bandagem de humildade, a pomada de fé e as águas de amor curarão a doença que surgiu com esse furúnculo de 'eu'.”



Por Leunamme às 01:07:10 | Comentários (1)
A importância de ser você mesmo! - 20/02/2013

Certo dia, um Samurai, que era um guerreiro muito orgulhoso, veio ver um Mestre Zen. Embora fosse muito famoso, ao olhar o Mestre, sua beleza e o encanto daquele momento, o samurai sentiu-se repentinamente inferior.
Ele então disse ao Mestre:
- "Por quê estou me sentindo inferior? Apenas um momento atrás, tudo estava bem. Quando aqui entrei, subitamente me senti inferior e jamais me sentira assim antes. Encarei a morte muitas vezes, mas nunca experimentei medo algum. Por quê estou me sentindo assustado agora?"
O Mestre falou:
- "Espere. Quando todos tiverem partido, responderei."
Durante todo o dia, pessoas chegavam para ver o Mestre, e o samurai estava ficando mais e mais cansado de esperar. Ao anoitecer, quando o quarto estava vazio, o samurai perguntou novamente:
- "Agora você pode me responder por que me sinto inferior?"
O Mestre o levou para fora. Era um noite de lua cheia e a lua estava justamente surgindo no horizonte.
Ele disse:
- "Olhe para estas duas árvores, a árvore alta e a árvore pequena ao seu lado. Ambas estiveram juntas ao lado de minha janela durante anos e nunca houve problema algum. A árvore menor jamais disse à maior "Por quê me sinto inferior diante de você? Esta árvore é pequena e aquela é grande - este é o fato, e nunca ouvi sussurro algum sobre isso."
O samurai então argumentou:
- "Isto se dá porque elas não podem se comparar."
E o Mestre replicou:
Então não precisa me perguntar. Você sabe a resposta. Quando você não compara, toda a inferioridade e superioridade desaparecem. Você é o que é e simplesmente existe. Um pequeno arbusto ou uma grande e alta árvore, não importa, você é você mesmo. Uma folhinha da relva é tão necessária quanto a maior das estrelas. O canto de um pássaro é tão necessário quanto qualquer Buda, pois o mundo será menos rico se este canto desaparecer.
Simplesmente olhe à sua volta. Tudo é necessário e tudo se encaixa. É uma unidade orgânica, ninguém é mais alto ou mais baixo, ninguém é superior ou inferior. Cada um é incomparavelmente único. Você é necessário e basta.
Na Natureza, tamanho não é diferença.
Tudo é expressão igual de vida.


Por Leunamme às 09:19:57 | Comentários (0)
Salve-se - 23/11/2012

“Quando um homem cai em um poço, de que serve se ele controla sua voz e suas emoções e sussurra baixinho: "Caí nesse poço... caí nesse poço... Estou em grande perigo... por favor, me salvem?", e assim por diante. Ninguém será capaz de ouvir ou salvá-lo. Ele deve gritar a plenos pulmões, com toda a angústia que está passando e com extremo desejo de ser salvo. Então, ele terá esperança de ser socorrido. Da mesma forma, quando você for pego nas espirais do mundo, depois de ter caído neste profundo poço da miséria mundana, grite com toda sua força e todo seu coração, que você poderá ser salvo por Deus. Não adianta resmungar fracamente e sem entusiasmo: "Salve-me... Estou me debatendo nesta vida mundana". Quando a oração vem gritando através do coração, a ajuda está assegurada. Cante com forte anseio por Deus e desfrute da experiência de adorá-lO.”



Por Leunamme às 09:42:19 | Comentários (0)
Espírito e Corpo - 25/09/2012

"O espírito é invisível.Não exerce influência alguma, a não ser através do corpo. O corpo na sua forma, nas suas manifestações, nos seus gestos e movimentos é a palavra sensível do espírito. O corpo não revela apenas uma idéia, mas revela a alma toda!"


Por Leunamme às 11:45:36 | Comentários (0)
Viver como um Rei quase da noite para o dia - 15/08/2012

“Disse Johann Goethe: “A vida é uma pedreira, da qual devemos modelar e cinzelar e completar uma personalidade”. 

Você está aqui para viver uma vida plena, alegre, bem-sucedida e rica em todos os sentidos. Você nasceu para vencer, conquistar e triunfar sobre todos os obstáculos. Você está aqui para liberar seus maravilhosos talentos ocultos, para abençoar a humanidade, e exprimir-se no mais alto nível possível. Evoque a Inteligência Infinita dentro de você para lhe revelar o seu verdadeiro lugar na vida e acompanhar a direção que surge clara e distinta em sua mente consciente, racional. Quando você descobrir a sua verdadeira expressão na vida, será perfeitamente feliz, e seguir-se-ão a saúde, a fortuna e todas as outras bênçãos da vida.

O seu sucesso e prosperidade na arte de viver uma vida maravilhosa e gloriosa dependem de seu modo de pensar habitual e o desejo do seu coração de transformar a sua vida completamente. Lembre-se, você vai aonde está a sua visão, e a sua visão é aquilo sobre o que você está pensando, para aonde está dirigindo a sua atenção, e o objeto em que você está focalizado no momento. Seja o que for a que você der atenção, o seu subconsciente o ampliará e multiplicará extremamente em sua vida”.



Por Leunamme às 11:06:50 | Comentários (0)
Turista feliz ou espião? - 25/07/2012

"Começamos nossas vidas como turistas, mas frequentemente nos tornamos espiões. Turistas vêm para ver o que há de bom, para desfrutar da viagem e perceber tudo o que o lugar tem a oferecer. São bem-humorados, cheios de empolgação, e sentem-se felizes com os passeios que fazem. Espiões buscam problemas, sempre percebendo o que está errado, sempre farejando as coisas ruins e as fraquezas.

Se quiser ser feliz, aprenda a viver a vida com a consciência de um turista."



Por Leunamme às 11:02:20 | Comentários (0)
Falta de fé - 23/06/2012

“É a falta de fé que faz a pessoa perder a calma e encolerizar-se; isso é falta de fé em si e nos outros. Se você realmente se vê como o Eu Superior insuperável e os outros como reflexos de si mesmo, como as escrituras declaram que sejam, não pode haver provocação que possa enraivecê-lo. O que você deve decidir hoje é manifestar mais e mais sua Divindade inerente. Qualquer outra coisa que possa ou não fazer, faça pelo menos isto: reconheça o Deus que reside em você. Reconheça-O, deixe-O manifestar-Se em e através de você. Fundamentalmente, a falha reside em não compreender que esse corpo e todas as coisas ligadas a ele são impermanentes.”

 



Por Leunamme às 18:11:21 | Comentários (0)
Disciplina espiritual - 04/05/2012

“Não aspire ser um servo de Deus, trabalhando por salários; você se rebaixa a esse nível se pede isso ou aquilo a Ele em troca do louvor que oferece ou do sacrifício que faz! Além disso, abandone a atitude de negociação em sua mente, e não se sinta decepcionado se Deus não lhe der objetos desejáveis em troca de todos os problemas que teve para agradá-Lo. Não calcule o lucro, não conte com os retornos, não planeje as consequências! Faça, já que é seu dever e você deve fazer! Essa é verdadeira adoração. Dedique a ação bem como as consequências a Ele. Então, você se torna propriedade Dele e não um trabalhador exigindo salários. Esse é o nível mais elevado que um devoto pode alcançar por meio de disciplina espiritual.”



Por Leunamme às 01:34:08 | Comentários (0)
Descrucificar Jesus - 16/04/2012

"Talvez, os pregos que transpassaram as mãos de Jesus, para pregá-Lo na cruz, não tenham imobilizado tanto quanto as instituições O imobilizam nos dias atuais. Os que O pregaram na cruz foram perdoados, pois não sabiam o que estavam fazendo, talvez os que O prendem, atualmente, nas igrejas, saibam mais, dentro de suas limitações, o que fazem.
Os pregos institucionais, embora invisíveis, imobilizam muito mais que os de ferro na época da crucificação, pois estes O aprisionaram por algumas poucas e terríveis horas, os outros pregos, no entanto, O aprisionam por mais de dois mil e doze anos, e cada vez mais, O impedem de caminhar livre pelas estradas do mundo, para que possa, vestindo as roupas de cada cultura, comendo a comida de cada povo, morando onde o povo está, falando sua língua, se comunicando plenamente e expondo sua boa notícia, uma notícia de libertação, possa reavivar a esperança concreta da realização do Reino.
Aprisionado na instituição, Jesus geme. Talvez clame, mas a instituição grita, brada e berra mais alto, em seu nome, mas não anuncia sua Boa Nova, não avisa aos necessitados que o Reino já chegou. O prisioneiro de cravos de ouro e resplendor de prata, sob o jugo de leis e interditos, proibições e ritos de tradições arcaicas, dogmas imutáveis e penitências impostas aos outros, pede para se libertar.
Sociedades religiosas medievais, conventos vazios, prédios imensos e sombrios onde jazem as ‘conquistas’ do passado, fazem sombra aos pobres que sobrevivem nas sombras da civilização.
Já passa da hora de se libertar o Cristo das igrejas, de todas as dominações e confissões, pois lá fora, na planície é onde a vida acontece e onde as respostas são esperadas pelos presos, doentes, coxos, cegos, surdos, emigrantes clandestinos, é lá que os famintos esperam pelo prato e a certeza de não mais ter fome e os sedentos de verem jorrar água em abundância.
O novo há que se mostrar e mudar a vida do mundo velho e cansado, para que os sinais de morte se mudem em vida e vida em abundância.
Precisamos urgentemente retirar a pedra da prisão, assim como foi removida a pedra do túmulo na Páscoa, libertar dos grilhões como Pedro foi libertado, fazer internamente, nas instituições, o que o Senhor fez com seu amigo Lázaro, desatá-lo das amarras e chamá-lo para fora, para que ande com seus próprios pés.
A boa nova de Jesus sempre foi um motivo e razão de esperança para os desesperados. O mundo, mais que nunca não tem respostas para eles. A Palavra precisa ser anunciada, além, muito além das paredes dos templos e de suas grades, precisa romper as barreiras dos preconceitos e limites culturais.
É preciso lhe arrancar os pregos, calçar-lhe as sandálias, vesti-lo com as cores dos povos, para que nos aponte os caminhos coletivos de solidariedade e partilha.
Libertar Jesus das igrejas é ‘descrucificar’ e libertar os pobres em cada canto de deserto e tornar em jardim suas vidas semeadas na misericórdia."
(Baseado em texto de Assuero Gomes)

 



Por Leunamme às 18:00:08 | Comentários (0)
Promover o progresso - 16/03/2012

“Na idade adulta a pessoa deve promover não só uma família, mas também o progresso da população em geral. Além disso, durante a meia idade, também é preciso viver uma vida exemplar, com ideais elevados e inspiradores para as crianças. Ações que beneficiam a família de alguém à custa da sociedade devem ser evitadas, pois uma atitude egoísta está fadada ao fracasso. O Princípio Divino só pode ser realizado por meio de ações purificadoras e servindo o Eu Superior (Self) em todos. É preciso ter uma visão ampla de paz e prosperidade de toda a humanidade e tentar contribuir para isso. A velhice é a fase final da vida. Quando ela chegar, deve-se ter descoberto que os prazeres mundanos são triviais e ter alegria espiritual, adquirida através do mergulho no manancial interior da bem-aventurança. Também é preciso estar ansioso para compartilhar com outros o conhecimento e a sabedoria acumulados. Por meio da experiência de vida, nessa fase, o coração deve ser suave e deve-se promover o progresso de cada um e de todos, sem distinção.”



Por Leunamme às 18:44:45 | Comentários (0)
Eu te abençoo - 04/02/2012

“É a dedicação ao Senhor que santifica todas as atividades. Ele é o motivador, o executor, o doador de resistência e habilidade e aquele que desfruta desses frutos. Então, a dedicação deve lhe vir naturalmente, pois tudo é Dele e nada é seu! Seu dever é acreditar que Ele é o impulsor de suas atividades e buscar forças a partir dessa crença. Até a ferida cicatrizar e a nova pele fortalecer, o curativo deve proteger o lugar. Assim também, até que a realidade interior seja percebida, o bálsamo da fé, a companhia e os pensamentos sagrados devem ser aplicados na mente afetada pelo ego. Desenvolva bons hábitos, una-se à companhia de devotos, realize boas ações e sirva os necessitados - todos esses passos o levarão ao glorioso caminho do Autoconhecimento. Adote essa disciplina a partir de agora e salve-se da tristeza e da angústia. Eu o abençoo a ter a ânsia de fazer isso e a persistir até que o sucesso seja conquistado.”



Por Leunamme às 15:14:38 | Comentários (0)
Ano Novo - 31/12/2011

P'ra celebrar a passagem
Do ano, em todo o mundo
Faz-se do tempo a contagem
No fim segundo a segundo !...

Um comum comportamento
Qu' apraz à sociedade
Sublimando o momento
Com pompa e solenidade ...

Há festas e euforia
Celebrações entre o povo
Na transição deste dia
Para mais um Ano Novo...

Esquecem-se as arrelias
Que se afogam na bebida
Entre galas e folias
Celebra-se enfim a vida.

Trocam-se saudações
Em êxtase de alegria
Tomam-se resoluções
Tão notórias deste dia.

Chega mais um Novo Ano
Que vivê-lo valha a pena.
Salutar pró ser humano
Nesta passagem Terrena !...


Euclides Cavaco


Por Leunamme às 20:08:43 | Comentários (0)
Ação - 09/12/2011

“A pessoa deve se engajar na ação com uma mente imperturbável durante o sucesso e o fracasso, o bom e o mau. A menos que o intelecto seja purificado e treinado, é impossível abandonar o apego aos frutos da ação e continuar fazendo as coisas como dever ou dedicação. Cultive essa mentalidade e, através dela, liberte-se do cativeiro da ação. Você poderia dizer que desistirá da ação em vez de praticar a difícil disciplina de renunciar aos seus frutos; mas isso é impossível! A ação é inevitável. Nem por um único momento se pode libertar-se da ação. Cada ato ou atividade tem um princípio e um fim, mas ação sem desejo não os tem. Essa é a diferença entre os dois. Quando a ação é feita visando os frutos, deve-se sofrer a perda, a dor e até mesmo a punição. Mas, a ação o liberta de todos esses.”



Por Leunamme às 12:26:50 | Comentários (1)
Não custa tentar ser feliz - 29/11/2011

“Você nunca deve se enredar nas malhas deste mundo e seus problemas. Tente escapar para o ar mais puro do espírito, sempre que puder, abraçando o nome de Deus. Ódio e inveja distorcem o verdadeiro encanto do ser humano. A raiva é o combustível para todo tipo de mal. Aqueles que aspiram ao sucesso no campo espiritual devem, portanto, decidir controlar a raiva e subjugar os caprichos da mente. Eles devem eliminar suas agitações mentais e preocupações, cuidando para que elas não gerem preocupação nos outros também. A partir deste momento, ore pela Graça de Deus que lhe permitirá controlar e conquistar seus vícios. Aprofunde sua fé em Deus. Expanda seu amor e abrace toda a humanidade. Que todos alcancem Verdade, Paz e Contentamento  através desses meios. Que todos possam fundir-se na fonte de toda bem-aventurança.”



Por Leunamme às 16:46:14 | Comentários (0)
Criticar - 10/11/2011

“Quem é que consegue ficar sem fazer alguma crítica a alguém? Missão impossível? Até podemos, mas não de maneira condenatória. Quem julga os outros com motivações erradas ou atitudes negativas não está procurando edificar, antes, esta tentando destruir.

Precisamos entender que até mesmo as chamadas “críticas construtivas”, feitas para ajudar o fraco a tornar-se forte, de certa forma confronta a pessoa. É por isso que devemos ter cuidado com essas atitudes. Como fazer então? Devemos auxiliar com genuíno amor e respeito! Quem corrige o outro deve ter em mente as próprias deficiências e assim auxiliar com paciência!

Se alguém for surpreendido nalguma ofensa, corrigi o tal com espírito de mansidão. Mas ao mesmo tempo, olha por você mesmo, para que não sejas também surpreendido. Você se preocupa em manter uma unidade fazendo com que o mais fraco cresça? Ou você se tornou alguém convencido achando que é melhor que os outros ou até mesmo mais evoluido? “Aquele, pois, que pensa estar em pé, [cuidado] para não [cair]”.

É certo que quanto mais convencidos estamos, mais nos distanciamos de fazer o bem ao próximo. Estando nesta condição, olhamos para o nosso companheiro e pensamos “ele não merece minha atenção, pois ele é muito errado”. O que talvez você ainda não compreendeu que tal comportamento é o mesmo que dizer: “ele bem que poderia agir como eu”. Isso é chamado de prepotência e não é agradável. Você é prepotente?

Faça diferente, “pois quem és tu” e quem sou eu para nos posicionarmos como exemplares em alguma coisa? Pense nisto e busque a misericórdia de Deus sobre sua vida. Ele lhe oferece mais um dia de oportunidades e você o que vai oferecer a Ele? Amar ao seu próximo é um bom começo!

Perceba que ainda temos muito que aprender sobre o Amor de Deus sobre nossa vida. O simples fato de não liberar justo julgamento sobre o nosso próximo revela que ainda não somos conscientes de uma graça Divina.”



Por Leunamme às 01:02:18 | Comentários (0)
Agir - 03/11/2011

 “As pessoas podem agir como quiserem, mas não podem escapar das consequências de suas ações, seja ele um simplório ou uma grande pessoa. Que ninguém esteja iludido de que pode cometer pecado e sair impune. Aonde você for, os resultados de suas ações o seguirão como sua sombra. Deus está sempre ao seu lado dizendo: "Tathastu! Tathastu!" (Assim será!). As pessoas não tomam conhecimento dessa verdade e permitem atos perversos. Apesar de saber muito bem o que é bom e o que é ruim, muitos lutam para desistir de seus maus hábitos. Você pode fazer uma série de boas ações, mas não pode escapar das consequências de suas ações passadas. Tenha essa verdade sempre em mente. Para evitar consequências desagradáveis, sempre pergunte antes de iniciar qualquer atividade se ela é boa ou ruim. Mas você pode se perguntar se há alguma maneira de escapar das consequências do karma (ações). Sim, é possível para aqueles que recebem a graça de Deus.”



Por Leunamme às 01:04:10 | Comentários (0)
Sem amor - 15/10/2011

"Atravessar a vida sem amor é o mesmo que viver num jardim que não recebe sol. As flores do jardim vão murchando, a beleza e a alegria que elas oferecem vão desaparecendo.

Assim, é preciso procurar o amor que está dentro de nós mesmos, o amor que é um sol à espera de ser descoberto, que não depende dos outros nem de nada exterior, pois só depende de nós mesmos amarmos o amor."



Por Leunamme às 00:43:16 | Comentários (0)
Fases - 15/09/2011

"Com frequência, a vida tem fases que nos assustam. Mas da mesma maneira que uma tempestade com raios e trovões nem sempre causa grandes danos, quase sempre o susto é maior do que o mal que advém dos fatos. Desta forma, é importante não perder a presença de espírito, apesar dos ensurdecedores barulhos ao redor.

Se nos deixarmos intimidar pelos fatos, iremos acreditar que tudo está perdido, deixando de enxergar a solução que pode estar bem à nossa frente."



Por Leunamme às 22:00:08 | Comentários (1)
É sempre bom ser bom? (Laércio Garrido) - 20/08/2011

A generosidade é uma moeda de duas faces. Analisar o seu lado positivo é “chover no molhado”. O desafio é refletir sobre o outro lado que muitos desconhecem ou fingem desconhecer. Quando a generosidade é utilizada de forma errada, na hora errada e com a pessoa errada, diversos problemas aparecem como a humilhação, o desconforto e até mesmo a raiva.

O conceito de generosidade é mais complexo do que parece a primeira vista. As pessoas se acostumaram a considerá-la somente como sinônimo de bondade e vontade de ajudar ao próximo. A grande virtude da vida é o meio termo. O que a princípio é bom, quando usado com exagero, pode trazer consequências desagradáveis para os envolvidos.

As pessoas altruístas podem gerar desconfiança e antipatia no seu círculo de convivência. O profissional que sempre cede e tem excesso de disposição para ajudar pode causar a impressão de que no futuro irá cobrar uma fatura muito alta pelo benefício prestado. Ou então, pode parecer querer algo em troca consciente ou inconscientemente. Essa pessoa, também pode demonstrar que deseja aparecer para alguém, gerando desconfiança por querer ajudar aqueles que não pediram seu apoio.

Alguns colegas podem ficar na defensiva e se sentirem incomodados pela dívida assumida com alguém que é ou se acha muito melhor do que eles em termos de amor ao próximo. Para muitos, nas relações pessoais é melhor ser credor do que devedor.

Fazer o bem faz bem? Claro que sim, responderiam os mais apressados. Mas para quem? Para os dois lados envolvidos: quem dá e quem recebe. Infelizmente, apesar da melhor das intenções, isto nem sempre ocorre. Aquele que ajuda pode se sentir frustrado por não ser compreendido pelo outro e quem é ajudado pode se sentir ferido em seu orgulho por não poder retribuir o favor recebido.

Ser generoso de verdade envolve alguns “saberes” poderosos: saber compartilhar com a pessoa certa, saber reconhecer o benefício da ajuda, saber ensinar, saber refrear a ansiedade de ajudar alguém que não precisa, saber receber ajuda quando necessário por uma questão de reciprocidade, saber ajudar pessoas difíceis no relacionamento, que a primeira vista podem ser consideradas como não merecedoras do apoio, saber ajudar as pessoas em lugar de fazê-las felizes, pois existem aquelas que desejam o que não precisam e outras que necessitam o que não querem.

Apesar de muitos acharem o contrário, generosidade e compaixão não são a mesma coisa. A pessoa pode ser generosa com a outra de maneira assertiva sem sentir pena dela. A utilização negativa da generosidade pode ser explicitada pelo seguinte exemplo: alguém “pede o dedo e recebe o braço”, sentindo-se constrangido por receber muito além do que havia pedido.

Se alguém desconfia que é generoso da maneira errada e deseja mudar de atitude, deve controlar seus impulsos em sempre ajudar por ajudar, procurando fazê-lo somente nos momentos adequados. Mas ninguém pode negar o direito da pessoa fazer o bem independentemente de quando, quanto e com quem.



Por Leunamme às 21:56:45 | Comentários (0)
Ninguém está pronto neste planeta - 12/08/2011

 

Ninguém está pronto neste planeta. Este é o ponto. Aqui é uma escola onde se aprende pela dor. Saber entender a dor, e por que ela aconteceu, é o maior caminho para nossa subida de um degrau.

Assim:

O que é entendível para alguns é absurdo para outros.

O que é correto para mim, é detestável para você.

O que é convenção para alguns, é ridículo e inapropriado para outros.

O que é novo para um, pode ser inaceitável para o outro. E assim seguimos vivendo. Mas, qual é o ponto correto em tudo isso?

Simplesmente, aquele que nos satisfaz. Na vida não existe certo ou errado. Existe o que nos preenche e nos satisfaz.

Portanto, não podemos rotular as pessoas conforme nossas verdades, porque simplesmente a verdade de agora será superada pela “verdade” do futuro. E quem somos nós para julgarmos?

Uma frase célebre diz: Quando encontro a resposta, o Universo muda a pergunta!

Ou seja, estamos em constante evolução e precisamos de lucidez para entender o que acontece à nossa volta, sem nos preocuparmos em controlar a vida dos outros via julgamentos e “rotulagens” de acordo com nossas verdades.

As novidades evolutivas podem chocar.

Você conhece, eu conheço também, um “cem” número de pessoas que nunca erra. Sempre os errados nos episódios analisados foram os outros. Uns porque atrapalharam, outros porque foram negligentes, outros omissos, mas “eles”, sempre os perfeitos... e vítimas das circunstâncias.



Por Leunamme às 00:10:59 | Comentários (0)
Amor - 07/08/2011

Conhecimento é o primeiro passo para a liberdade

mas não é suficiente para uma mudança prática,

não importa quão claro e inspirador ele seja.

Sem amor tentamos melhorar somente com base no

conhecimento do que é certo e errado.

Pouco a pouco isto tranca o eu numa prisão

de esforço estrito. Ao invés de nos liberarmos,

nos fechamos e nos armadilhamos. É o amor

de Deus que nos capacita a aceitar como somos e,

igualmente, aceitar a necessidade de mudança.

Aceitamos isso porque o amor divino sempre

nos motiva a almejar o mais elevado em nós.

 

Anthony Strano

Discovering Spirituality, Eternity Ink, Australia, 1999



Por Leunamme às 00:22:57 | Comentários (0)
Não confunda - 20/07/2011

“Não confunda esta morada temporária como a sua morada eterna. Não desanime por conta de problemas evanescentes e por tragédias de curta duração. Mergulhe no esforço para atingir o Senhor eterno. Tudo neste mundo está sujeito à decadência, se não hoje, de qualquer forma amanhã está fadado a se desintegrar. Não é correto rejeitar o Senhor, que é eternamente relacionado a você, e ser enganado por este mundo com o qual se está relacionado por um tempo curto! Considere o número de nascimentos que teve; as incontáveis mães , pais, esposas, maridos, filhos, filhas, amigos e inimigos que você teve. Eles vivem hoje? Eles se lembram do relacionamento? Você não é ninguém para eles, e eles não são ninguém para você. Mas, você e eles têm em comum o Senhor como o parente imutável. Ele vive em todos os nascimentos; Ele é eterno. Ele cuida de você de nascimento a nascimento. O Senhor nunca desistirá de você. Que tragédia maior pode haver do que esquecer tal Senhor?”



Por Leunamme às 21:26:55 | Comentários (0)
Ilusão - 04/07/2011

“Não se afete com a ilusão. O intelecto em nós é a testemunha de todas as coisas deste mundo objetivo. Essas coisas mundanas limitam e colorem o intelecto; eles o afetam e o moldam na consciência. A ilusão é apenas o intelecto afetado por tudo, desvirtuado e pervertido pelas impressões de tudo. Portanto, a consciência espiritual que não é afetada pela ilusão - isto é, sobre a qual o mundo não conseguiu produzir qualquer impressão - é Deus. Portanto, a pessoa que está se esforçando para alcançar o estágio de Deus não deve ser afetada pela ilusão, não ser impressionada pelo mundo! Como alguém pode permanecer inalterado? Através da análise, racionalização, investigação sem medo, e da razão pura. Para adquirir essa razão analítica, compartilhar a tarefa de promover o bem-estar de cada ser na natureza é essencial.”



Por Leunamme às 00:05:03 | Comentários (0)
Uma mensagem de Luz - 21/06/2011

Essa foi uma mensagem de um raio de luz branca cristalina que tocou Wagner d'Eloy Borges (médium e projetor brasileiro, sendo considerado na comunidade espiritualista brasileira como o principal divulgador do espiritualismo universalista no Brasil), durante uma madrugada, e a um amigo também, pelo toque espiritual que a eles foi passado: “A luz que brilha nas estrelas é a mesma luz que brilha dentro de cada coração. A mesma essência que criou toda aquela imensidão sideral coalhada de estrelas é a mesma consciência que mora dentro de cada ser.

Ao olhar para a vastidão do tapete sideral, vendo aqueles zilhões de astros brilhando em contraste com a imensidão escura do espaço, surge espontaneamente uma intensa admiração pela Grande Estrela que gerou todas as outras estrelas. O Grande Arquiteto do Universo que elaborou tudo isso.

Pelo fruto conhece-se a árvore. Observando o brilho das estrelas, o fruto, conhece-se, então, a árvore, ou seja, a Grande Estrela que gerou todas as estrelinhas-frutos. E nós também somos essas estrelas.

Ao olhar para o espaço sideral, com zilhões de astros, os problemas humanos tornam-se pequenos e se reduzem à sua devida proporção: são apenas dificuldades de uma raça que evolui no planeta Terra, ainda bem pequena no contexto sideral da vida, onde muitas coisas ocorrem. Há eventos grandiosos que escapam à compreensão do intelecto humano. E, também, eventos minúsculos que os olhos humanos não percebem.

A vida, em sua vasta manifestação no Universo, os seus orbes, as muitas humanidades viventes, algumas delas mais avançadas do que a humanidade terrestre, outras iguais à nossa, e outras ainda inferiores, evolutivamente falando, ao homem da Terra. Há pessoas iguais a nós, inferiores e superiores a nós, espalhadas por todo o Universo.

Ao olhar a abóbada sideral e o brilho das estrelas, aquelas miríades de luzes piscando, diminuímos tantos a dor dos problemas humanos, pois se percebe que muitas coisas que as pessoas valorizam demais são tão pequenas quando comparadas com aquela vastidão.

Então, por obra de uma inspiração sutil, por obra de uma Causa Superior, abre-se o canal no próprio ser humano e, surpreso, ele descobre zilhões de estrelas dentro do universo do seu próprio coração.

Inspirado por instâncias invisíveis superiores, ele percebe que o universo exterior não é maior do que o universo interior de si mesmo. E que os universos, exterior e interior, são permeados pela mesma luz, pela mesma essência. Essa essência é puro amor, não fala, mas comunica-se de alguma maneira no silêncio da própria alma.

Ao observar a abóbada celeste, com zilhões de estrelas brilhando, qual é o ser humano que poderá achar que é deserdado da luz?

Olhando para o espaço sideral, diminui a arrogância humana diante do infinito e isso faz pensar numa grandeza maior, além de qualquer medida humana. Faz pensar naquela vastidão de consciência que gerou tudo isso e que, ao mesmo tempo, é mais simples do que o mais simples que está dentro de cada um. A mesma essência sutil, que permite que todo universo funcione ativamente, é a mesma essência que está no coração de cada ser.

Triste é a humanidade que não percebe a luz viajando dentro de seus corpos e almas. Sim, paradoxalmente, tão rica de luz por dentro. Tão luminosa e tão estelar, mas sem perceber a riqueza que carrega em si mesma.

O espaço sideral é, portanto, nosso irmão. As estrelinhas que brilham são nossas irmãs, e todos os outros seres humanos (brancos, negros, vermelhos e amarelos), também fazem parte da mesma raça do universo: a raça da luz, a raça das estrelas.

Essa é a verdadeira raça da humanidade, a raça das estrelas. Somos todos cidadãos cósmicos (encarnados, desencarnados, terrestres e extraterrestres; todos, sem exceção).

Crianças, velhos, adultos, mulheres, homens e pessoas de todas as religiões são estrelas oriundas da Grande Estrela, que é quem faz o brilho da vida acontecer em todos os planos de manifestação.”

Espero que essa mensagem possa ser uma inspiração real e que, de alguma maneira, faça vocês perceberem que há uma estrela dentro de cada um, igual a todas as estrelas do universo. E que a Causa Cósmica da vida não pertence a religião alguma nem a nenhuma raça em especial. Ela está em tudo e todos!

E que isso possa levá-los a uma reflexão sadia, a uma meditação profunda em cima da própria existência, levando-os, talvez a novos rumos, a novas considerações para a vida... Para crescer, discernir, amar e rir mais, e trabalhar de acordo com as circunstâncias, fazendo o melhor possível em cada situação.

Procurando, entre acertos e defeitos, dia a dia, evoluir, sempre tentando o melhor. Muitas vezes, tropeçando aqui e ali, mas se erguendo de novo, e tentando novamente, entre “trancos e barrancos”, sem nunca desistir.

Tentando crescer, tentando fazer o melhor possível. Às vezes, vocês conseguirão isso; outras vezes, não. Mas, pelo menos, haverá a dignidade de terem tentado fazer o melhor possível dentro das circunstâncias existenciais apresentadas.



Por Leunamme às 17:42:20 | Comentários (0)
Devotos - 16/06/2011

“Há apenas Um, que é descrito por muitos sábios de inúmeras formas. A mesma coisa é vista e vivida de formas diferentes por pessoas diferentes, de acordo com o ângulo de visão e o nível de inteligência e consciência. Diferentes pessoas descrevem a mesma coisa de forma diferente. Como pode alguém declarar que as pessoas não devem fazê-lo? Ou que o que elas descrevem é errado? Ninguém tem o direito de menosprezar ou negar. Somente aqueles que se esforçam para superar o aqui e agora e se tornar cientes do Princípio Transcendente de Deus merecem ser chamados verdadeiros devotos. Aqueles que se deleitam em ferir os outros não justificam ser chamados de devotos.”



Por Leunamme às 18:59:56 | Comentários (0)
Apego - 12/05/2011

“Apoie-se sempre em pensamentos nobres. Quando o ar enche um balão, ele toma a forma do balão. A mente assume a forma de objetos com os quais está ligada. Se ela fica fixa em coisas mesquinhas, torna-se insignificante; se em coisas grandes, ela se torna grande. A câmera tira uma foto de qualquer coisa para a qual está apontada; por isso tome cuidado antes de clicar. Tenha discernimento antes de desenvolver apego. Quando você desenvolve apego por família, riqueza, propriedades, etc. você se sentirá infeliz quando esses declinarem. Mas se você desenvolver apego a Deus, você crescerá em amor e esplendor.”


Por Leunamme às 00:07:58 | Comentários (0)
Iluminando seu coração - 03/05/2011

“Para a ave no meio do oceano, voando sobre águas azuis, profundas, o único lugar de repouso nessas águas é o mastro de um navio. Da mesma forma, Deus é o único refúgio para o ser humano que é lançado nas águas tempestuosas desse mundo. Por mais longe que o pássaro possa voar, ele sabe onde pode encontrar repouso; tal conhecimento lhe dá confiança. O Nome de Deus é como o mastro; lembre-se sempre, associe-o à Forma e mantenha-A fixa no olho da mente. É uma luz iluminando as profundezas de seu coração. Tenha o Nome na língua e ele afugentará as trevas interiores e exteriores.”



Por Leunamme às 23:15:38 | Comentários (0)
Quando Deus assume a forma humana - 01/05/2011

“Quando Deus assume a forma humana e está atrás de você, diante de você e ao seu lado, falando e se movendo com você, e lhe permitindo cultivar apego de várias formas a Ele, você não O reconhece. Não devemos cair no erro de acreditar que Ele é apenas humano e nada mais. Nós geralmente esquecemos a Verdade. O Divino proclama: "Eu não sou uma massa de carne e sangue. Eu não sou um conjunto de desejos, que é a mente; Eu não sou um amontoado de ilusão que é a imaginação; Eu sou  Alma Suprema, a Origem e o Fim. Sou a ânsia em você, o conhecimento que você procura como resultado do desejo do seu próprio eu."”

 



Por Leunamme às 21:47:44 | Comentários (0)
Feliz Páscoa - 22/04/2011

Qual o objetivo de estarmos aqui neste mundo? Por quem somos regidos? Qual a origem de tudo? Se refletirmos mais sobre nós, muitas serão as perguntas que podem ser respondidas através de diversos sentimentos como o amor, o sofrimento, o poder.  

Podemos a partir desta Páscoa vivenciarmos como o símbolo desta Páscoa: Jesus. 

Analisando sua passagem neste mundo, podemos perceber que o seu grande propósito foi nos ensinar o amor. Sua passagem na Terra foi tão rápida que a cada momento podemos notar que nossa estadia por aqui, também, é muito rápida. Desta forma, se não praticarmos os seus ensinamentos de nada adiantará os segundos, os minutos e as horas... em que respiramos. 

Para iniciarmos nossa missão é vital Amar a Deus sobre todas as coisas assim como o ar que respiramos; é vital nos enchermos do amor em Jesus e repartir o pão com o nosso irmão. 

Podemos ter tudo: casa, carro, roupa, comida e família. Mas se não tivermos Fé o vazio se instalará na alma. 

Lembre-se: somos um fôlego de vida. Vida inserida em nós por Deus. 

Nesta vida recheada de obstáculos tudo podemos naquele que nos fortalece e quem nos fortalece é Jesus. 

Experimente, você poderá gostar e ter uma vida mais feliz.

Feliz Páscoa!!!



Por Leunamme às 10:30:19 | Comentários (0)
A morte não é nada - 09/04/2011

"A morte não é nada. 

Eu somente passei para o outro lado do Caminho. 

Eu sou eu, vocês são vocês.

O que eu era para vocês, eu continuarei sendo. 

Me dêem o nome que vocês sempre me deram, falem comigo como vocês sempre fizeram. 

Vocês continuam vivendo no mundo das criaturas, eu estou vivendo no mundo do Criador. 

Não utilizem um tom solene ou triste, continuem a rir daquilo que nos fazia rir juntos. 

Rezem, sorriam, pensem em mim.

Rezem por mim. 

Que meu nome seja pronunciado como sempre foi, sem ênfase de nenhum tipo.

Sem nenhum traço de sombra ou tristeza. 

A vida significa tudo o que ela sempre significou, o fio não foi cortado.

Porque eu estaria fora de seus pensamentos, agora que estou apenas fora de suas vistas? 

Eu não estou longe, apenas estou do outro lado do Caminho... Você que aí ficou, siga em frente, a vida continua, linda e bela como sempre foi." (Santo Agostinho)

Obs: ( especialmente para quem ainda não conhece e para os pais com lutos muito recentes) 



Por Leunamme às 11:24:58 | Comentários (0)
Nossos sonhos - 18/03/2011

Você sonhou esta noite? Não se recorda?
 O que é o sonho? Ele é o produto da liberdade que goza a alma, que se torna mais independente pela suspensão da vida ativa.
 O sonho pode ser dividido em três categorias principais. O primeiro é o chamado sonho ordinário ou cerebral. É simplesmente o reflexo das impressões e imagens arquivadas no cérebro durante o período de vigília.
 Ao adormecermos, tais imagens se liberam sem direção consciente e então temos cenas indecisas, sem sentido, sem coordenação. E que permanecem na memória.
 Estados de sofrimento ou de doenças, facilitando o desprendimento do Espírito, aumentam ainda mais a incoerência e a intensidade dos sonhos. As impressões e imagens se chocam e se confundem.
 A segunda categoria se dá quando o Espírito flutua na atmosfera, sem se afastar muito do corpo. Mergulha no oceano dos pensamentos e imagens que rolam, de todos os lados, pelo espaço.
 Aí colhe impressões confusas. Tem estranhas visões. Sonhos inexplicáveis.
 Também pode, nesse estado, mergulhar no passado, rever acontecimentos desta ou de anteriores vidas.
 Esses sonhos, de uma infinita diversidade, conforme o grau de liberdade do Espírito, afetam sobretudo o cérebro físico. É por isso que deles conservamos a lembrança ao despertar.
 O sonho profundo ou sonho espírita se dá quando o Espírito fica mais livre do corpo. Desprende-se da matéria e vai ao encontro dos seres amados, seus parentes, seus amigos, seus guias espirituais.
 Também pode se encontrar, nesse estado, com outras almas, no momento encarnadas na Terra. Desses sonhos, o Espírito conserva impressões, que nem sempre afetam o cérebro físico.
 Mas se gravam na consciência e depois surgem, no transcorrer dos dias, como pressentimentos, intuições, etc.
 É por isso que o provérbio diz: A noite é boa conselheira.
 São também registrados, com frequência, fenômenos de premonição durante os sonhos.
 A mulher de Júlio César sonha com o assassínio do marido e tudo faz para que ele não vá ao Senado, naquele dia.
 Abraão Lincoln, Presidente dos Estados Unidos, sonhou que se achava em uma calma como de morte. Ouviu soluços. Percorreu várias salas e no centro de uma delas viu um corpo deitado, vestido de preto, guardado por soldados. Enorme multidão chorava.
 Quem morreu na Casa Branca? - perguntou. Um soldado respondeu: O Presidente. Foi assassinado. Pouco tempo depois ele morria assassinado.
 E os pesadelos? São produto dos nossos desejos, recordações ou experiências espirituais inferiores, devido a um estado mental conturbado.
 O maior antídoto contra os pesadelos é buscar manter o pensamento e a vontade ligados no bem. Uma boa vivência diária, uma boa leitura antes de dormir, oração sentida são excelentes recursos para termos bons sonhos.
 Ainda uma vez, quem vive o bem, também sonha o bem.
 * * *
 Os sonhos não são verdadeiros como entendem os ledores da sorte.
 É absurdo, pois, pensar que sonhar com uma coisa anuncia outra.
 As preocupações do dia podem dar àquilo que se vê em sonhos, a aparência do que se deseja ou se tem medo. É um efeito da imaginação.
 As interpretações supersticiosas, que pretendem relacionar os sonhos com jogos de azar e acontecimentos mundanos, devem ser repudiadas.
 Gasta-se com isso preciosos recursos e oportunidades da existência.
 

 

 

 

Com base nos itens 400 a 412 de O livro dos Espíritos, de Allan Kardec, ed. Feb; no cap. 13 do livro No invisível, de Léon Denis, ed. Feb e no cap. 30 do livro Conduta espírita, pelo Espírito André Luiz, psicografia de Waldo Vieira, ed. Feb.

 



Por Leunamme às 00:36:10 | Comentários (0)
Princípio básico - 19/02/2011

"O respeito é o princípio básico para podermos seguir em nossa longa jornada. Sem o respeito como princípio, não seremos capazes de discernir o certo do errado, e com isso estaremos atrasando nossa evolução. É através do respeito para com nossos irmãos, que trabalhamos em nós o discernimento e a tolerância em tudo que nos acontece, porque respeitamos os acontecimentos e nos preocupamos apenas em melhorarmos, para não cometermos os mesmos erros sempre. O respeito ao outro deve ser um fator preponderante em nossa vida, e desta forma não estaremos invadindo a individualidade de ninguém, mas desenvolveremos em nós uma capacidade infinita de entender o outro como ele é, e não como gostaríamos que ele fosse, e assim sendo sofremos muito menos e aprenderemos muito mais. Respeitando sempre o tempo de evolução de cada um, desta forma não colocaremos o julgamento na frente das ações do outro. Somente através do respeito aos nossos semelhantes, poderemos desenvolver em nós a Caridade e o Amor."


Por Leunamme às 19:46:31 | Comentários (0)
Seja forte! - 11/02/2011

“Seja forte nos embates da vida e não desanime se o sofrimento o visitar, em sua pessoa ou nas pessoas que lhe são caras.

O sofrimento, além de purificar-nos, realiza o aprimoramento de nossa força interna. Ninguém consegue passar de ano sem prestar exame. Ninguém consegue progredir, sem sofrer o exame da natureza, que verifica se realmente sabemos ser fortes, suportando as dores.”



Por Leunamme às 11:53:21 | Comentários (0)
A oração - 17/01/2011

“Você sabia que a oração é um momento para ouvir a voz de Deus no nosso coração? Algo muito importante acontece na oração! Pela oração é possível se ter ideia do nível do nosso relacionamento com Deus.

Há 2.010 anos atrás, Jesus advertiu contra as orações formalistas: “E quando orarem, não fiquem sempre repetindo a mesma coisa, como fazem os pagãos. Eles pensam que por muito falarem serão ouvidos”. As orações estão erradas quando elas se restringem a técnicas ou fórmulas com o fim de manipular a Deus.

No século I, algumas pessoas tinham elaborado longas listas com o nome de deuses pagãos. Recitavam as listas esperando que por pronunciarem os nomes dos deuses corretamente poderiam controlar os seus poderes para satisfazer os seus desejos. Outros repetiam incessantemente expressões ou sílabas na tentativa de alcançar o favor destes deuses.

Jesus recriminou tais práticas pagãs para mostrar que a oração verdadeira depende mais do que está no coração do que daquilo que está na língua. A oração que alcança a atenção de Deus é aquela que é feita espontaneamente reconhecendo a dependência dEle, o único que pode ouvir a sua oração e respondê-la! A oração nunca teve por fim informar a Deus de algo que Ele não soubesse, também não é simplesmente uma maneira de obter o que queremos. O maior objetivo da oração é cultivar um relacionamento com Deus.

Desta maneira, a oração muitas vezes pode ser um meio para mudar a nós mesmos e não simplesmente a situação. Ela também serve para reforçar a nossa confiança na suficiência de Deus e estabelecer uma harmonia entre a nossa vontade e a dEle. “A oração de um justo é poderosa e eficaz”.

Portanto, o desafio para nossa vida é tentar colocar em prática, através da oração, o exercício de um relacionamento com Jesus e, o Espírito Santo de Deus, nos ajudará a compreender o que vem do Coração dEle para a nossa vida.”

“Peço a Deus que tenhamos a capacidade de aprender a orar como convém. Que tenhamos a capacidade de colocar na Sua presença a intimidade do nosso coração e não o nosso egoísmo e vaidade.”



Por Leunamme às 11:12:13 | Comentários (0)
Ano Novo ou Vida Nova? - 31/12/2010

Você já percebeu que o tempo não dá tréguas? Vejam só, lá se vai mais um ano! Para trás ficam as experiências vividas, os planos concretizados e também os sonhos desfeitos. 

 Pouco a pouco, viram-se as páginas da vida, e o que temos em mãos é um belo e sugestivo álbum de fotografias. Para alguns o ano que se passa é um momento nostálgico, para outros um suspiro de esperança. Algumas imagens nos causam alegrias, outras tristezas, outras saudades, mas por um momento vem à mente a pergunta: “Vale a pena tudo o que vivi até aqui?” 

 Independentemente do tamanho de nossa alma, se é que ela pode ser medida, sei que ela mesma não é suficiente para que faça a vida valer à pena. Creio invariavelmente que muito maior do que nossas almas, e muito mais importante também, é o sopro de vida de Deus em cada um de nós. Isso sim merece o nome de “vida”. 

 Precisamos aprender o movimento sutil de lembrar e esquecer as coisas do passado. Geralmente vivemos fora do tempo, ora no passado ora no futuro! O que precisamos aprender não é simplesmente lembrar o que é bom, não é também só esquecer o que é ruim, mas permitir que Deus trate e cure as feridas marcadas na memória. Também é necessário nos libertar do que foi bom, para que Deus possa abrir caminho para “o melhor”.

 O Ano Novo nos convida a olhar para frente, e é isso mesmo que devemos fazer agora, crendo que Deus estará conosco em cada dia desse ano que começará! Com Ele, viveremos novos sonhos, novos desafios, novos trabalhos, novos relacionamentos, enfim, o que importa é que Ele, que começou Boa Obra em cada um de nós, haverá de continuar do nosso lado, “O Grande” e único sustentador de nossas de nossas vidas. 

 Agora sim, desejamos a você um Feliz Ano Novo!



Por Leunamme às 13:05:39 | Comentários (0)
Um segredo - 27/12/2010

“O segredo supremo é que você deve viver, no mundo onde nasceu, como a flor de lótus que, embora nascida na água, flutua sobre ela sem ser afetada ou molhada por ela. Obviamente é bom amar e adorar a Deus a fim de obter alguns frutos valiosos agora ou no futuro. Mas, já que não há fruto ou objeto mais valioso e interessante que Deus, os Vedas nos advertem a amar Deus sem nenhum traço de desejo em nossas mentes. Ame, desde que você ame por causa do amor. Ame a Deus apenas, sem qualquer outro desejo ou pretensão, pois tudo que Ele possa dar nada mais é do que Ele Próprio.”



Por Leunamme às 12:50:08 | Comentários (0)
Quem eu sou? - 13/11/2010

Com base na mensagem espiritual de Ivan de Albuquerque, psicografada por Raul Teixeira, em 3 de julho de 2002, na Sociedade Espírita Fraternidade, em Niterói-RJ, encontramos a resposta transcendente para a pergunta que cala fundo em nós: “Quem sou eu?”

 

Penso em Deus, penso na vida, penso em tudo que me cerca e me interrogo a respeito da função de tudo quanto vibra, de tudo quanto existe sob os céus e guardo grande ansiedade de saber sobre mim mesmo.
Quem sou eu no contexto do Universo?
Serei, tão-somente, um corpo que desfila inteligentes quão misteriosas habilidades?
Serei um caminhante solitário, em meio à gigantesca massa humana, destinado a encarar complicados problemas, a enfrentar desafios?
Serei um átomo excitado diante dos esplendores das incontáveis galáxias?
Serei, porventura, produto da casualidade sem projeto, sem programa, sem razão de ser?
Como explicar-me, a mim próprio, como um itinerante aprendiz das pautas do infindo Cosmo?
Serei alguém fadado ao sofrimento, a chorar de pesar em todos os momentos?
Serei um ser destinado à intensa dor, duradoura, sem esperança de tempos melhores, de felicidade?
Serei um indivíduo levado pelas mãos do desencanto à estalagem das ansiedades e das frustrações?
Somente há dor e fel por onde eu possa trilhar, como se toda a existência não passasse de um fumo entediante, asfixiante, a sugar-me a vontade de avançar, de sorrir, de louvar.
Retorno à fonte do meu senso interno e vejo que há lucidez em cada coisa que existe, em cada ser que erra.
Sinto que não nascemos para ser tristes e viver entre dor, gemido e pranto, mas, aqui estamos para alcançar o bem mais santo, e avançar para o progresso e conquistar o encanto de agir com Deus nas lutas do Mundo, de vibrar na alegria, no júbilo fecundo, até o tempo longínquo da áurea plenitude.
Sinto que sou caminhante do Infinito, e, não obstante o horror, a amargura, o choro, o grito, embora estando na Terra entre teimosias, aflito, o meu destino é, sem dúvida, estelar.
Agora sei que nasci para servir, para ser feliz, crescer e amar.
Cheguei ao Mundo nos planos do Criador, que espera que me faça um lavrador a semear nos corações, em redor dos meus passos, as sementes de esperança, de alegria e de paz, que aonde eu vá me transforme num servidor da verdade, do trabalho e da harmonia.
Sei que sou cidadão universal, irmão da Humanidade, indubitavelmente, filho do Deus altíssimo, bom, justo e clemente, dotado do melhor recurso para fazer brilhar a Divina luz em mim.
E
, ante os desafios terrenos, dizer não ou dizer sim, com responsabilidade, com razão e com ternura.
Sou caminhante da eternidade.
Sou dedicado aprendiz buscando disciplina, revestido de um manto de matéria fina, quintessência, formosura que impulsiona para Deus.
E agora que me vejo repleto de certezas que me asseguram a estabilidade na consciência do que sou, sei que imerso no hálito paterno do Criador da vida me completo, a cada dia vivendo virtudes, transformando em ternuras gestos rudes, suavizando o que sou para o futuro, obra-prima de Deus, luz coagulada, a galgar a evolução em toda estrada, o que é do Senhor sagrado fim, ver-me, astro a brilhar, nas rotas do Infinito.



Por Leunamme às 22:48:59 | Comentários (0)
Seja uma pessoa boa - 25/10/2010

"O mesmo Espírito, o mesmo amor e a mesma Divindade estão presentes em todos os seres. Todos são um. O coração é como um tanque e todos os sentidos são como torneiras. Quando o "tanque" está cheio de amor, tudo aquilo que sai das "torneiras" também será amor. Tudo aquilo que você vê nos outros é somente um reflexo de seu ser interno. Entenda essa verdade. Se você vê o mal nos outros, isso é, de fato, o reflexo de seus próprios sentimentos maus. O que está fora é somente o reflexo, a reação e a ressonância do que está dentro de você. Se usa óculos com lentes azuis, você vê tudo azul. Se usa lentes vermelhas, você vê tudo vermelho. Se você é uma pessoa boa, verá bondade ao seu redor."



Por Leunamme às 00:35:25 | Comentários (0)
Ordem e Progresso... - 19/10/2010

 “Vocês são o sal da terra. Mas se o sal perder o seu sabor, como restaurá-lo? Não servirá para nada, exceto para ser jogado fora e pisado pelos homens” (Mateus 5.13) Você já imaginou se todas as leis de trânsito deixassem de existir? As sinalizações, as placas, os guardas de trânsito, os semáforos, os radares! Tente imaginar, seria um caos se tudo isso desaparecesse! Com certeza alguns até vão achar bom, mas a cada dia um mal muito maior tomaria conta das ruas, estradas e rodovias, tornando nossas vidas muito mais difíceis do que já são. Você consegue visualizar essa situação? Imaginando esse cenário talvez você se dê conta de que simples sinalizações do que é certo, do que é correto, fazem a grande diferença! Concorda que todo o sistema que regulamenta o trânsito hoje no mínimo “mantém” a ordem?

Manter a ordem, sinalizar o que é certo tem tudo a ver com ser o “sal da Terra”! A ênfase aqui é sobre a característica de “conserva” e não de “tempero”. Há mais de dois mil anos Jesus nos conclamou a sermos impedimento ao crescimento da corrupção do mundo, sendo “sal da terra”, ou seja, devemos procurar preservar a característica primária que está em glorificar a Deus com nossas vidas.

O “sal perder o sabor” significa não fazer mais diferença, tornar-se impuro! É agirmos como se não fôssemos exemplo algum de experiência pessoal com Jesus. É tomarmos a forma do mundo, é nos conformar com as sensualidades que nos fazem desviar do Caminho de Deus. Está entendendo?

Ser o “sal da terra” é ser aquele que causa sede e ao mesmo tempo tem a capacidade de produzir hidratação. As pessoas que nos rodeiam devem ser influenciadas pela Paz de Deus que experimentamos, se é que você a conhece. Isto é causar “Sede”. O desejo e a perseverança em andar como Jesus andou mostrará ao mundo uma vida com qualidade.

Na sequência vem a “hidratação”, e somente o poder de Jesus é capaz de mudar e transformar definitivamente as pessoas e é no seu exemplo de conduta que elas perceberão isso. Seja o sal da terra aonde quer que esteja!

Glória a Deus por que hoje temos mais um dia de vida. Esta é apenas uma das incontáveis maravilhas que nos motivam a ser “sal da terra”. Será que você consegue notar algum motivo na sua vida, motivo para louvar a Deus? “Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram o que o Senhor tem preparado para aqueles que O amam”. Seja a diferença! Não colabore para que o mundo fique pior do que já está. Seja Sal na Terra!



Por Leunamme às 14:15:03 | Comentários (0)
O Mau Uso do Dinheiro e do Poder é Perigoso - 14/10/2010

 “Nós devemos observar certos limites em todos os campos de nossas vidas. Mesmo uma fera selvagem como um leão só ataca outro animal quando tem fome. Ele não mata outros animais desnecessariamente. Quando um animal como o leão observa restrições, o ser humano também deveria se conduzir de maneira restritiva.
Limite é muito essencial. O excesso de ego, raiva e desejos levam uma pessoa à perversão. Devemos orientar nossas mentes na direção correta, a fim de que nós mesmos não soframos e não causemos sofrimento aos outros.
Devemos seguir o caminho que dá felicidade aos outros. Só porque somos dotados de grande força, não devemos usá-la de forma arbitrária. Devemos usá-la de maneira apropriada. Muitas crianças se comportam de forma descontrolada em nome da liberdade.
Elas devem ter liberdade, mas dentro de certos limites. Só então sua liberdade terá sentido. O mau uso do dinheiro e do conhecimento propicia grande perigo.
É sabido através dos jornais que os EUA gastam grande quantidade de dinheiro em suas guerras contra outros países, como o Iraque. No fim, o que os EUA conquista?
Hoje a sua economia está em crise. Isso se aplica a todo indivíduo e a cada país. Deus é todo-poderoso. No entanto, Ele não usa Seu poder de forma arbitrária. Ele o submete a um uso limitado e o utiliza somente quando é necessário. De modo semelhante, não devemos utilizar nosso poder de maneira irrestrita e arbitrária.
Não desperdicemos nossos pensamentos. Pensamentos em demasia tornam a mente instável. A mente nada mais é do que um emaranhado de pensamentos. Não devemos desperdiçar dinheiro e material. Devemos limitar a comida servida à quantidade que podemos comer. Tenhamos tudo na quantidade exata de que necessitamos. Se tivermos em excesso, usemos a sobra para ajudar os outros. Jamais ofendamos ninguém. Ajudar Sempre, Ferir Jamais. É isso que precisamos aprender.
Jamais devemos ferir quem quer que seja. Nunca causemos dor a ninguém. Ao mesmo tempo, não causemos a nós mesmos qualquer sofrimento. Uma pessoa abençoada é aquela que jamais causa dor às demais nem a si mesma. Esse é o verdadeiro conhecimento que deveríamos adquirir.
Não é o tipo de conhecimento que podemos obter dos livros. Nós pensamos que podemos aprender tudo a partir dos livros didáticos. Não sigamos simplesmente os nossos livros. Em vez disso, coloquemos nossas mentes à prova.
Às vezes, nós seguimos as divagações de nossas mentes. Outras vezes, agimos como hipócritas. Isso não é bom. Antes de assumirmos qualquer tarefa, perguntem os a nós mesmos: “Isso é bom ou ruim?” Se sentirmos que algo é ruim, afastemo-nos disso. Se sentirmos que algo é bom, então, não apenas será bom para nós e nossa família, mas para os outros também.”



Por Leunamme às 19:24:53 | Comentários (0)
Mau humor - 07/10/2010

A revista Circulation, da Associação Americana do Coração publicou um estudo, realizado por uma equipe da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos.
 O título era muito sugestivo: Verdade: raiva mata mesmo. E dizia do aumento significativo dos riscos de se ter um ataque cardíaco, devido ao mau humor.
A equipe, durante seis anos, estudou nada menos do que o comportamento de 13.000 homens e mulheres, com idade entre 45 e 64 anos.
Os pesquisadores descobriram que as pessoas que se irritam intensamente, e com frequência, têm três vezes mais probabilidades de sofrer um infarto do coração, do que aquelas que encaram os problemas com mais serenidade.
Segundo esses estudiosos, cada vez que a pessoa tem um episódio de raiva, o organismo joga no sangue uma carga extra de adrenalina.
A concentração desse hormônio no corpo aumenta o número de batimentos cardíacos e estreita os vasos sanguíneos, o que faz com que a pressão arterial se eleve.
A repetição dos momentos de raiva pode gerar dois problemas que se associam ao infarto. O primeiro é a arritmia cardíaca, o que quer dizer que o coração bate de forma descompassada.
O segundo, é a dilatação das placas de gordura que, por acaso, existam nas artérias.
Por tudo isto, é bom analisarmos os nossos atos.
Por exemplo: o mau humor está se apresentando em nossas vidas de maneira quase constante?
Procuremos examinar as suas origens, a fim de que o possamos liquidar o mais rápido possível.
Caso o problema seja de alguma dívida que esteja nos preocupando, recordemos que não será com mau humor que conseguiremos os recursos para pagá-la.
Se a dificuldade é uma doença que nos atormenta, tenhamos em mente que enfermidade precisa de remédio e não de intolerância, para se curar.
Se estivermos precisando da cooperação de alguém para um empreendimento, uma tarefa, com certeza não será apresentando uma carranca que conseguiremos simpatia e ajuda.
Se estiverem se apresentando contratempos na família, não serão frases ásperas, cheias de amargura e má vontade que irão resolvê-los.
Tudo isto quer dizer que, em verdade, até hoje não se tem conhecimento de ninguém que o azedume e o mau humor tenham auxiliado.
Portanto, o melhor é tentar nos livrarmos dessa postura destruidora, cultivar a paciência e aprender a sorrir.
* * *
Ninguém consegue realizar alguma coisa sem os outros e os outros não são culpados por nossos insucessos.
Enfrentemos o novo dia, dispostos a vencer, conquistando o espaço bom que nos está reservado no mundo.
A boa vontade em relação aos outros retornará sempre para nós em clima de simpatia e camaradagem.
Assim, começando hoje, coloquemos beleza em nossos olhos, a fim de olharmos a vida com lentes mais claras, libertando-nos das impressões negativas da noite passada.
Notaremos então que nosso estado íntimo se renovará e tudo tomará uma cor agradável ao nosso redor.

 

 

 

Com base no artigo Mau humor? Nem pensar, publicado no Boletim SEI nº 1678, de 27.05.2000 e no cap. Mau humor do livro Calma, pelo Espírito Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier, ed. Geem.

 



Por Leunamme às 18:51:00 | Comentários (1)
Cuidado com a inveja - 30/09/2010

“A causa fundamental de todas as angústias e calamidades do ser humano é a inveja. Devemos sempre lutar para nos libertar da inveja. Inveja é invariavelmente acompanhada pelo ódio. Esses dois são vilões gêmeos. Eles são pragas venenosas. Eles atacam as raízes de sua personalidade. Uma árvore pode ser resplandecente com flores e frutos. Mas quando os vermes inimigos começam a atuar nas raízes, imagine o que acontece com o esplendor! Mesmo quando olhamos com admiração a sua beleza, as flores murcham, os frutos caem e as folhas ficam amarelas e são espalhadas pelo vento. Por fim, a própria árvore seca, morre e cai. Igualmente, quando a inveja e o ódio infectam o coração e começam a operar, por mais inteligente e altamente educado que o indivíduo seja, ele cai. Ele se transforma em um inimigo da sociedade. Ele se torna alvo do ridículo, visto que ele não é mais humano!”



Por Leunamme às 12:36:36 | Comentários (0)
Espiritualidade - 28/09/2010

 “O que é espiritualidade? É a busca resoluta da consciência cósmica. A espiritualidade visa permitir uma pessoa manifestar-se em sua plenitude, a Divina Consciência Cósmica, que está presente tanto dentro como fora de si mesmo. Isso significa livrar-se de sua natureza animal e desenvolver as tendências Divinas dentro de si. Isso significa quebrar as barreiras entre Deus e a Natureza, e estabelecer sua unicidade essencial. Hoje as pessoas pensam que espiritualidade não tem relação com a vida mundana e vice-versa. Esse é um grande erro. Divindade verdadeira é uma combinação de espiritualidade e obrigações sociais. A unidade nacional e a harmonia social são baseadas em espiritualidade. É o Divino que une a espiritualidade e a existência social.”



Por Leunamme às 13:02:04 | Comentários (0)
Ociosidade é mortal! - 13/09/2010

“Você provavelmente já assistiu o desenho do pica-pau! Consegue se lembrar o quanto ele é aproveitador? Dificilmente ele não tira a “casquinha” de alguém! Não me recordo de vê-lo trabalhando. Para mim ele é um sujeito ocioso e malandro! O personagem pica-pau tem alguma semelhança com você? Talvez não seja preguiçoso, mas será que não tem se aproveitado do trabalho alheio? 

 Sabia que a ociosidade na vida de qualquer pessoa é um perigo real e imediato? Alguém disse que a mente vazia é a oficina do diabo! O que você acha? 

 A ociosidade leva no mínimo a três possíveis condições, vejamos: 

 1) É reconhecido pela preguiça. E saiba que a preguiça é contagiante, é como uma doença! 

 2) O ocioso demonstra naturalmente uma necessidade exagerada fazendo com que os outros se esforcem mais do que deveriam para supri-lo. Isso causa uma exaustão dos recursos alheios em vários sentidos. Em outras palavras, debilita o seu próximo, e; 

 3) Os cristãos ociosos causam uma impressão distorcida da vida com Deus. O Mundo olha para esse indivíduo e generaliza considerando que “todos” os cristãos ficam tão concentrados na espera da volta de Jesus que passam a negligenciar as demais coisas e/ou pessoas. Percebe agora o perigo? 

 Devemos ser diligentes nas responsabilidades que cada um possuimos. Ser responsável seguramente é uma condição que agrada. O melhor de todos os seres humanos, Jesus, sempre deu o exemplo de levar a sério o compromisso que possuía.”



Por Leunamme às 15:41:54 | Comentários (0)
Não faça julgamento precipitado! - 11/09/2010

“Todos nós, em algum momento, fomos juízes: de fato, de direito ou de futebol. Fomos ou somos juízes dos outros, nunca de nós mesmos. É difícil refletirmos para julgar nossas próprias ações. Na verdade, ninguém gosta de ser julgado, mas a todo instante estamos julgando nosso semelhante, nas suas atitudes, nos seus gestos, na sua postura, nos seus pronunciamentos, no seu silêncio, enfim, julgamos o tempo todo e por todos os motivos, até por falta de assunto. Entre os vários julgamentos, devemos ter muito cuidado com um tipo em particular: o julgamento precipitado, aquele que fazemos sem o conhecimento dos fatos causando depois arrependimento, constrangimentos e transtornos às vezes irreversíveis. Para se entender com precisão como seria complicado julgarmos ao nosso próximo sem conhecimento de causa, observemos com muita atenção a seguinte ilustração: “Havia numa aldeia um velho muito pobre que possuía um lindo cavalo branco. Numa manhã, ele descobriu que o cavalo não estava na cocheira. Os amigos disseram ao velho: Mas que desgraça, seu cavalo foi roubado! E o velho respondeu: Calma, não cheguem a tanto. Simplesmente digam que o cavalo não está mais na cocheira. – O resto é julgamento de vocês. As pessoas riram do velho. Quinze dias após, de repente, o cavalo voltou. Ele havia fugido para a floresta. E trouxera uma dúzia de cavalos selvagens consigo. Novamente, as pessoas se reuniram e disseram: Velho, você tinha razão. Não era mesmo uma desgraça, e sim uma benção. E o velho disse: Vocês estão se precipitando de novo. Quem pode dizer se é uma benção ou não? Apenas digam que o cavalo está de volta. O velho tinha um único filho que começou a treinar os cavalos selvagens. Apenas uma semana mais tarde, ele caiu de um dos cavalos e fraturou as pernas. As pessoas se reuniram e, mais uma vez, se puseram a julgar: E não é que tinha razão, velho? Foi uma desgraça seu único filho perder o uso das duas pernas. E o velho disse: Mas vocês estão obcecados por julgamentos, hein? Não adiantem tanto. Digam apenas que meu filho fraturou as pernas. Ninguém sabe ainda se isso é uma desgraça ou uma benção... Aconteceu que, depois de algumas semanas, o país entrou em guerra e todos os jovens da aldeia foram obrigados a se alistar, menos o filho do velho. E os que foram para a guerra, morreram...” Quem é obcecado por julgar, cai sempre na armadilha de basear seu julgamento em pequenos fragmentos de informação, o que levará a conclusões precipitadas. Cristo nos exorta a não julgar o nosso próximo de modo precipitado, observe: “Não julguem apenas, pela a aparência, mas, façam julgamentos justos”. Contudo, esta exortação inspirada nos deixa um alerta, no sentido de não sermos precipitados em julgar os outros por coisinhas ou fragmentos de informação, como vimos na história do cavalo. Devemos deixar o mau hábito de julgar segundo a aparência, e sim pela a reta justiça. Quem tem a tendência de apontar os erros de outrem, como diz o provérbio popular sempre se esquece dos seus. Outrossim, seria ótimo antes de apontar o dedo para o nosso irmão, lembrarmos que há três dedos de nossa própria mão apontando para nós mesmos.   
“Quem tem telhado de vidro, cuidado para que não atire pedras ao do vizinho”, diz o provérbio popular. Jesus Cristo, pôde ler o pensamento das pessoas, e observar o fingimento dos líderes religiosos, os (fariseus), e atacou-os sem rodeios. Já nós, seres humanos, embora não tenhamos a capacidade de julgarmos as coisas assim como Jesus Cristo julgou, não somos proibidos de formar uma opinião acerca do caráter ou a conduta de outros, o que é sempre um direito, onde e quando temos meios de julgar, e comumente um dever, contanto que o façamos sem parcialidade, sempre com a consciência imbuída no senso de responsabilidade, de honradez e retidão.
Reportando-nos a ilustração do cavalo, podemos assim dizer, que as páginas da vida são cheias de surpresas... Há capítulos de alegria, mas também de tristeza, há mistérios e fantasias, sofrimentos e decepções... Por isso não rasgue páginas e nem pule capítulos. Nunca encerre uma questão a primeira vista, ou de forma definitiva. Não se apresse em julgar as coisas apenas por fragmentos de informações. Antes de julgar a alguém, observe a motivação da pessoa, ao invés de apontar o seu aparente erro. Ou poderá se perguntar: “porque fulano agiu ou continua agindo daquela maneira?” Nada, pode-se deixar de considerar antes de falar algo contra alguém, porque julgar os outros apenas por fragmentos de informação pode ser muito perigoso.

Neste mundo atual com um sistema perverso de coisas, as injustiças tendem a aflorar, porque as pessoas demonstram qualidades indesejáveis, tais, como: amantes de si mesmos, soberbos, amantes do dinheiro, pretensiosos, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, desleais, sem afeição natural, não dispostos a acordos, caluniadores, sem autodomínio, ferozes, mais amantes de prazeres do que de Deus.

Vivendo cercado por pessoas com tantas características ruins, não pense que estaria imunizado de sofrer injustiças. Portanto, se tivermos a tendência de apontar o dedo para o nosso irmão, ou o hábito de julgar os outros sem causa, busque corrigir o problema e regular visando corrigir o erro. Se agirmos assim, adquiriremos conhecimento exato, e por sua vez, a nova personalidade, para que não julguemos ao nosso próximo de modo precipitado, e com certeza, alcançaremos um dos maiores privilégios, sobreviver ao fim deste mundo injusto e opressor, para vivermos em felicidade no paraíso terrestre que se aproxima.”



Por Leunamme às 20:51:17 | Comentários (0)
Caminhando pela vida - 24/08/2010

Não devemos nos esquecer que estamos fazendo uma caminhada em nossa existência física para atingir o destino, que é o nosso processo educativo nas áreas da intelectualidade, dos sentimentos e das emoções.

Nessa caminhada pela trilha da evolução não é o tempo que passa por nós, mas nós é que estamos passando pelo tempo. Estejamos atentos, pois, aos locais e paisagens por onde jornadeamos: a família, o grupo de estudo, o trabalho e o lazer.

Ao olharmos para os detalhes ao nosso redor, bons ou maus, bonitos ou feios, alegres  ou tristes, mantenhamos a esperança e a fé, em nós mesmos e em Deus – O Pai Supremo. Ao redor de nossos passos, semeemos o bem que nos seja possível. Compreendamos os companheiros do caminho com as suas qualidades e defeitos, conscientes sempre que nós, também, possuímos os mesmos atributos. Com a compreensão, ajudemos o nosso próximo como nos seja possível, sem exigir-lhe a perfeição, porém opondo-lhe os limites necessários quando queira transgredir os nossos direitos.

Desta maneira, lembremo-nos do Mestre Jesus, que amparava, socorria, ajudava o corpo e a alma daqueles que o cercavam, mas não deixava nunca de orientá-los e educá-los, até mesmo de forma enérgica, quando necessário.

De nossa parte, procuremos enfrentar os problemas e dificuldades com ânimo e coragem. De inicio procurando compreender, com a maior clareza possível, a questão. Cheguemos às suas causas e, então, com o controle das emoções e o exercício da razão, estabeleçamos as ações adequadas para a solução da problemática.

Principalmente nos conflitos pessoais, na intimidade do lar, no ambiente do trabalho ou em qualquer outra parte, procuremos “esfriar a cabeça”, respirar fundo, deixar o outro expor as suas idéias e emoções. Se não mantivermos algo de serenidade, não chegaremos à conclusão adequada. Dizem os psicólogos que, quando os batimentos cardíacos passam de cem pulsações por minuto, já não temos condições de “ouvir” o que o outro diz nem “falar” com racionalidade e bom-senso. O melhor é ”sair do ringue”, pois nele só devem permanecer os boxeadores (por esporte ou profissionalmente).

Entendendo nossas próprias limitações, ajudemos o outro no que nos seja possível e, sobretudo, orientemo-lo a ajudar-se. Não atrasem a nossa caminhada pelos trilhos da evolução as dificuldades e provas em que nos vejamos imersos, pois as dificuldades medem as nossas deficiências e devem constituir-se em desafios para as nossas mais nobres realizações. 

Nessa caminhada pelo tempo saibamos agradecer o que de bom desfrutamos, abençoar aqueles que partilham as nossas vidas, louvar a Deus pelo dom da vida e ao Mestre Jesus pela oportunidade de vivermos neste maravilhoso planeta – educandário do Espírito Eterno.



Por Leunamme às 11:06:15 | Comentários (0)
É para ontem! - 04/08/2010

"Porque todas estas coisas mundanas, estes maus desejos - a loucura pelo sexo, a ambição de comprar tudo o que atrai vocês e o orgulho que resulta da riqueza e do prestígio - não provêm de Deus, e sim do próprio mundo pecaminoso". O que você compreende?
Imaginemos duas linhas de empréstimos bancário: no primeiro plano, seu dinheiro aplicado durante um mês renderia 2% e no segundo plano, seu dinheiro chegaria a render mais de 20% ao mês, só que há uma exigência para que o dinheiro permanecesse aplicado por no mínimo 12 meses. Excluindo as necessidades financeiras que "todos" temos hoje em dia, qual plano você acha que seria o mais contratado? Em minha opinião provavelmente a maioria das pessoas prefeririam o investimento de curto prazo!
É certo que em se tratando de "dinheiro" somos bem espertinhos, mas normalmente também preferimos os "investimentos" de curto prazo no que diz respeito a vida! A verdade é que o ser humano naturalmente sofre de miopia (deficiência que impede de enxergar mais longe) O que quero dizer é que frequentemente somos imediatistas e isso faz com que percamos grandes oportunidades na vida.
Toda hora, todo o momento, o mundo propõe facilidades! As novelas, os filmes, mostram que o casamento não precisa ser algo tão sério! As campanhas contra a AIDS não dizem para você se casar e ser fiel ao seu cônjuge, ele simplesmente te diz para usar camisinha. A bebida alcoólica pode prejudicar sua saúde, mas beba moderadamente! E assim se seguem os aparentes alertas, mas no fundo estão dizendo: "o que você está esperando para entrar nesta?" Tudo isso e muitas outras coisas do gênero não passam de cadeias! Seguir nessa onda é amar o que está no mundo!
Deus nos criou com um propósito e com uma visão, mas talvez nossas escolhas estejam muito distantes daquilo que Ele preparou. A ansiedade que vivemos, o desespero pelas conquistas "mundanas" são tão grandes que passamos a ignorar valores vitais e nos afastamos de Deus. Quero desafiá-lo a pensar sobre suas atitudes neste momento. Ainda que te custe renunciar ao prazer momentâneo, algo muito melhor aguarda àqueles que confiam em Deus e buscam andar na Sua presença.”



Por Leunamme às 18:29:44 | Comentários (0)
O poder da oração - 25/07/2010

Para aqueles que creem em algo superior, é inegável o poder da oração. Sob forte pressão da alma, os olhos se elevam, juntam-se as mãos, dobram-se os joelhos para implorar e para agradecer, para adorar e para pedir auxílio.

A oração é o instrumento de comunhão com o ser superior, de refrigério e de apoio espiritual. Por meio dela, desde tempos imemoriais, o ser humano procura, invocando o Grande Espírito, consolo e segurança, alívio para seus tormentos, força para vencer as suas adversidades, a doença, o sofrimento.

Na oração, a alma se eleva, aquieta-se e se fortalece, trazendo a paz para dentro do coração.

A fé pode constituir-se na bússola que norteia, dá ânimo e sentido à vida. Assim como nos despimos ao deitar, habituemo-nos também a liberar nossa mente dos ressentimentos, irritações, constrangimentos e sentimentos de culpa que acumulamos ao longo do dia.

Fiquemos tranquilos, não nos preocupemos exageradamente com o amanhã. Amanhã será um novo dia, cheio de possibilidades, boas e más. Não soframos pelas más antecipadamente. Elas poderão nem ocorrer.

Coloquemos nossa vida nas mãos de Deus. Saibamos receber toda a força que vem dele e nos sentiremos profundamente protegidos e em paz.

A paz interior produz calma e descontração muscular, o que é facilmente obtido pelo relaxamento, processo esse que acrescenta mais vida à nossa existência.

Deliberadamente, exercitemos a visão da paz, evocando cenas de beleza e tranquilidade. Visualizemos um mar calmo, um belo barco, um céu azul. Vivenciemos experiências repousantes. Observemos a natureza, a beleza dos campos, das plantas, das flores, dos pássaros em repetidas revoadas. Deixemos nossa memória visual reproduzir cenas deslumbrantes, que já foram presenciadas por nós. Isso tudo contribuirá para aquietar nossa mente, proporcionando-nos momentos de paz.

Podemos treinar nossa mente para executar o exercício acima, induzindo, cada vez mais facilmente, nossa imaginação a cultivar coisas boas e prazerosas, a sentir a calma e a satisfação de viver.

A propósito, lembremo-nos de que:

Pelo renascimento, seremos um novo ser. Um ser que sabe quem é, o que quer, por onde deseja seguir e aonde quer chegar.

A paz alcançada mediante a realização própria, a satisfação do dever cumprido emana do alto, espargindo-se entre as pessoas, abertas para recebê-la.

Quando confiamos em nós mesmos, torna-se mais fácil aceitarmos e respeitarmos os outros. O encontro consigo mesmo é o encontro com Deus, pois somos uma centelha divina, criados à Sua imagem e semelhança.

Impossível, porém, a renovação interior se ignorarmos o real e profundo significado de “ser adulto” e de alcançar a tão desejada maturidade. Esse conhecimento atesta que a maturidade é o fundamento de tudo e que podemos buscá-la sem sofrimento e desgastes. Nós a atingimos por processo evolutivo, com uma atitude permanentemente lúcida e inteligente, seguros que seremos felizes, despertando e renascendo.

O mar imenso está à nossa frente. Cabe a nós a decisão da rota a seguir, velas ao vento. A felicidade nos espera. Não é este o porto desejado hoje e sempre?



Por Leunamme às 18:59:59 | Comentários (1)
O Fim se aproxima! - 11/07/2010

“Sabendo que tudo isso será destruído assim,que tipo de gente vocês precisam ser?  A vida de vocês deve ser agradável a Deus e dedicada a Ele.  Esperem a vinda do Dia de Deus e façam o possível para que venha logo. Naquele dia  os céus serão destruídos com fogo, e tudo o que há no Universo ficará derretido”

  “Eu quero ser rainha no coração do povo”. Você sabe quem disse essa frase? Uma dica: Foi uma princesa! Difícil lembrar. Foi a princesa Diana numa entrevista a BBC quinze meses antes de sofrer a acidente que tirou sua vida! O acidente aconteceu no interior do túnel da Ponte da Alma, em 20 de novembro de 1995. Alguém com prestígio, querida em várias nações, acompanhada constantemente por um guarda-costas, com carro blindado e tudo mais. O quê poderia oferecer perigo a essa vida? Certamente o mundo teve um vislumbre de sua própria fragilidade.   

 Qual é a sua segurança? Quem garante seu retorno ao lar no fim do dia? Como você vê essa sua limitação? Fala-se sobre a Salvação que há em Cristo Jesus, que diferença essa “Salvação” pode trazer sobre sua vida? Seria essa a Segurança infalível?  

 Alguém disse: “Eu e minhas irmãs ficávamos no funeral da princesa Diana nos questionando se ela teria ido para o céu... Eu vivo desesperada para ir para o céu viver com Cristo Jesus, mas vivo aterrorizada com medo da morte”. Pelo visto alguns não consideram a Salvação em Cristo infalível! 

 Jesus Cristo voltará! Será a consumação dos tempos! Essa notícia te faz perceber apenas a sua fragilidade ou revela uma segurança imbatível em seu coração? É importante chegar a uma destas conclusões. Saiba que o modo como se “interpreta a vida e o futuro, inspira a ação no presente”. O que domina o seu coração: o terror ou a glória? Avalie hoje mesmo onde o Senhor Jesus está em sua vida.



Por Leunamme às 17:51:18 | Comentários (0)
Glórias de Deus - 06/07/2010

“A criança não sabe o gosto do leite. Ao tomá-lo diariamente, desenvolve um apego, o qual é tão profundo que, quando o leite deve ser retirado e substituído por arroz, ele começa a protestar. Mas a mãe não se desespera. Ela convence o filho a tomar diariamente pequenas quantidades de arroz cozido e, através deste processo, a criança começa a gostar de arroz e abandona o leite. Pela prática, o arroz passa a ser o alimento natural da criança, tão natural que, mesmo se o arroz não estiver disponível por um único dia, ele se torna infeliz. Igualmente, os prazeres sensuais são ‘naturais’ inicialmente. No entanto, por meio da prática, ouvindo as palavras dos sábios, aos poucos você vai obter maior alegria ouvindo as glórias de Deus. Depois disso, você não pode existir sem tal atmosfera sagrada nem mesmo por um minuto. A companhia das conversas sobre o mundo não mais o atrairá. Você sentirá que não há nada mais doce que a experiência de ouvir o esplendor do Senhor.”



Por Leunamme às 14:44:39 | Comentários (0)
Fábula ou Realidade? - 01/07/2010

Você gosta de ser fotografado? Eu corro de máquinas fotográficas, a não ser que eu seja o fotógrafo! A baixa autoestima deturpa a visão que temos de nós mesmos. Muitos não conseguem ter prazer em seu próprio visual. Você é assim? Talvez eu seja um desses, e hoje estou aproveitando essa reflexão para me reavaliar. 

 Digamos que eu colocasse minha foto em programa para computador com recursos para tratamento de imagens. Ali os “defeitos” seriam ajustados e a imagem (na medida do possível) ficaria perfeita. Pegaria então essa minha foto, tratada, e espalharia pelos canais de relacionamentos que há na internet. Certamente eu ficaria bem na foto! “Uau que rapaz bonito!” 

 Apesar de se tratar de uma boa ideia, aquele não seria eu! As pessoas que me conhecessem através daquelas fotos, na verdade nada saberiam a meu respeito. Isso seria uma ficção, ou melhor, uma “fábula”. Concorda? 

Lendo um versículo do apóstolo Pedro que diz:  “De fato, não seguimos fábulas engenhosamente inventadas, quando lhes falamos a respeito do poder e da vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, ao contrário, nós fomos testemunhas oculares da Sua Majestade”, verificamos que ele  não contemplou apenas uma fotografia e nem aceitaria tal coisa. Hoje somos desafiados a ser como ele foi, uma testemunha viva, verdadeira e real. 

Como você vê as fotografias de Cristo que os “homens de Deus” distribuiram ao longo da história? Fábula ou Realidade? Que fotografia do Senhor as pessoas vêem através de sua vida? Abandone hoje mesmo as fábulas e viva uma vida verdadeira no Senhor da Glória, autor e consumador da Vida.



Por Leunamme às 12:58:18 | Comentários (0)
Orações - 02/06/2010

“Verdadeiramente falando, as orações de pessoas elevadas e santas funcionam como um convite para o advento do Senhor. No mundo externo, quando as pessoas precisam de ajuda ou de algum conforto, elas abordam os governantes e informam-nos sobre suas necessidades. Assim também, no reino espiritual, quando não há possibilidade de realização e aquisição de devoção, caridade, paz e verdade, as almas boas e grandes que desejam alcançá-las, oram ao Senhor interno. Então, em resposta às suas orações, o próprio Senhor vem ao mundo e verte Sua graça a todos. Isso é conhecido por todos que já leram as histórias do Senhor.”



Por Leunamme às 10:25:04 | Comentários (1)
Para os filhos, o melhor - 16/05/2010

Vou dar para os meus filhos tudo o que não tive.
 Esta frase pode ser ouvida muitas vezes saída da boca de certos pais. Nada mais bonito. Uma grande prova de carinho e dedicação.
 O que assusta é que na prática esse tudo que não tive se transforma quase que unicamente em coisas materiais.
 Milhares de brinquedos, muita roupa nova, passeios todos os fins de semana, viagens desde cedo, todos os pequenos e grandes desejos imediatamente atendidos.
 No mais das vezes, sem qualquer questionamento por parte dos pais, a não ser quando o dinheiro não é suficiente. Nesse caso, com muito sofrimento, eles adiam para daqui a um ou dois meses a compra do novo bem.
 Acostumam os filhos a uma avalanche de presentes, com a qual supostamente tornarão suas crianças felizes.
 No entanto, esses mesmos pais, em outros momentos, afirmam que os filhos, apesar de tudo que têm, quase não utilizam seus brinquedos.
 Vivem pedindo outros e mais outros. Que também vão sendo empilhados, quase sem uso e vão se acumulando nos armários de seus quartos.
 Alguns anos mais tarde, são ainda esses mesmos pais que lastimam o quanto têm que gastar com as roupas e mesadas dos filhos adolescentes.
 A jovem precisa de uma roupa nova a cada fim de semana ou a cada festinha que comparece. E roupas somente de grifes.
 Os meninos cedo aprendem a exigir carro, cartão de crédito, mais e mais dinheiro para programas em boates, noitadas ou viagens.
 Quando os pais tentam refrear essas exigências, que passam a ser vistas como direitos pelos filhos, a reação costuma ser, no mínimo, de revolta.
 Quando os pais agem, desde cedo, dessa maneira excessivamente generosa, porém impensada, o que estão estimulando é o surgimento de uma geração de jovens que valorizam apenas o ter em detrimento do ser.
 Aprenderam a ver o mundo dessa forma. Não poderiam portanto ser diferentes.
 Assim, só vale o que a pessoa possui. Não importa o que ela seja.
 Pensando em nada negar aos filhos, os pais criam jovens extremamente inseguros, com valores equivocados. Não se sentem valorizados a não ser pelo que vestem, pelo que têm de bens materiais.
 Importante se faz que os pais se preocupem em revelar aos filhos o seu valor pessoal como gente, como ser humano que vale pelo que é, pelo que tem de bondade, de generosidade, de honestidade, de caráter e honradez, de amor ao próximo.
 Na verdade, o melhor que se pode dar aos filhos não são coisas materiais.
 O melhor que se pode dar aos filhos é equilíbrio, tranquilidade, paz. Ensinar-lhes a valorizar o que têm.
 Não se está sugerindo ou defendendo a ideia de privar as crianças de coisas que elas podem ter. Mas que os pais deixem algum espaço, alguma coisa pela qual os filhos se empenhem.
 Não os sufoquem com o seu amor. Ao contrário, se empenhem para que os filhos acreditem em alguma coisa. Que tenham algum ideal, algum objetivo por que lutar. Que desejem dar uma contribuição social. Não apenas receber.
 Ensinem aos filhos, enquanto é tempo, que a vida é muito mais do que o simples gozar. Que a vida é oportunidade de crescimento, de progresso.
 Incentivem seus filhos na busca da intelectualidade e dos valores morais.
 

 

 

 

Com base no cap. 7 do livro Educar sem culpa, de Tânia Zagury, ed. Record e na perg.6 do livro Desafios da educação, pelo Espírito Camilo, psicografia de J. Raul Teixeira, ed. Fráter.

 



Por Leunamme às 16:55:54 | Comentários (0)
Palavras que tocam o coração - 04/05/2010

“Aquelas palavras que vêm de um só coração e tocam outro coração - não importa o que está acontecendo, o ser humano pára, e começa a ouvir, porque no seu coração, algo começa a dançar.
Aquele coração não pode dançar por qualquer outro motivo.
No coração só dança quando recebe aquilo que ele realmente quer. Essa é a glória de ouvir a mensagem do coração.”



Por Leunamme às 17:17:47 | Comentários (1)
Enfermidades - 25/04/2010

Quando o assunto é doença, todos temos uma história para relatar. Não existe quem não a conheça, por si mesmo, ou através da experiência dos amigos, parentes, familiares, colegas.
 Alguns a temem e não desejam sequer pronunciar a palavra, como se tal fato pudesse atrair a enfermidade.
 O de que mais se fala é a respeito das enfermidades do corpo. Conversamos sobre infecções, contágios, epidemias, traumatismos físicos, acidentes.
 Também mencionamos as várias enfermidades da mente, em seu quadro de fenômenos psicológicos e psiquiátricos, que se apresentam como insatisfações, desajustes, conflitos, alienações.
 Contudo, nos esquecemos das doenças do espírito.
 Ouvimos relatos assombrosos de dores amargas e continuamos indiferentes.
 Sabemos de crianças apartadas de seus pais, de pequeninos entregues a trabalhos árduos para sua tenra idade e isto não nos sensibiliza.
 A enfermidade da impiedade que nos leva a arquitetar planos de vingança, espalhando dor e desesperança.
 A doença do ódio que tanto mais nos consome quanto mais lhe fornecemos combustível, tornando-nos seres destruidores da paz alheia, semeando calúnias, difamações, envenenando pessoas umas contra as outras.
 Enfermidade do ciúme que nos infelicita as horas e nos torna insuportáveis para aqueles a quem afirmamos amar de forma total.
 É a falta de finalidade aplicada à existência que cria a ociosidade, que fomenta a maldade, que nos faz gastar o tempo de forma inadequada. Sem ideais a perseguir não há ações nobres a realizar e as horas passam com lentidão, sem ter algo proveitoso que as preencha.
 Doença da soberba que nos faz acreditar que somos melhores do que os outros, que ninguém mais do que nós merece a felicidade, as compensações da vida, tudo de bom que se possa imaginar.
 Portadores de tal vírus, desprezamos afeições, esquecemos da gratidão e do quanto necessitamos uns dos outros para viver.
 Todas as enfermidades do espírito, em resumo, nos levam a esquecer e desrespeitar as leis humanas e as divinas.
 E seria tão fácil acabar com todas essas doenças. Bastaria que colocássemos em pauta a nossa vontade e eliminássemos do mapa dos nossos comportamentos o egoísmo, a raiva, o medo, o ódio, a ansiedade.
 O conhecimento e o respeito aos mecanismos de funcionamento da vida alteram a nossa maneira de ser e nos proporcionam a saúde real, aquela que emana do espírito para o corpo, refletindo a nossa harmonia exterior.
 
***
 Você sabia que Jesus jamais adoeceu? Mestre por excelência, a Sua vida era de amor e pelo amor.
 Com Seus atos e palavras demonstrou a grandeza da verdadeira saúde convidando-nos a vencer as nossas paixões inferiores e a nos tornarmos semelhantes ao Pai que nos criou, perseguindo a perfeição.
 (Baseado no livro: Momentos de Alegria - cap. 17)


Por Leunamme às 20:47:43 | Comentários (0)
Lentes azuis - 09/04/2010

“A natureza é esplêndida, com muitas cores. Quando você usa óculos com lentes azuis, vê apenas a cor que está usando, não é? Se o mundo lhe parece cheio de diferenças, é inteiramente por sua falha. Se tudo parece ser um, isso também é devido apenas a seu amor. Para ambos, o sentimento em você é a causa. É somente porque alguém tem falhas em si que vê o mundo como defeituoso. Deus olha sempre para o bem, não para falhas e pecados. Ele só vê a justiça! Desenvolva bondade e justiça. Viva e aja com alegria e amor. Esses dois são suficientes para alcançar a salvação.” 



Por Leunamme às 10:24:35 | Comentários (0)
"Pode o homem viver sem Deus?" - 05/04/2010

Contrário às afirmações de ateístas, estetas e epicuristas através dos séculos, o homem não pode viver sem Deus. O homem pode ter uma existência mortal sem confessar que Deus existe, mas não sem o fato de Deus.

Como o Criador, Deus deu início à vida humana. Dizer que o homem pode existir sem Deus é dizer que um relógio pode existir sem o relojoeiro, ou que uma história pode existir sem um contador de histórias. Devemos todo o nosso ser a Deus, em Cuja imagem somos feitos (Gênesis 1:27). Nossa existência depende de Deus, quer queiramos aceitar a Sua existência ou não.

Como o Sustentador, Deus continuamente concede a vida (Salmos 104:10-32). Ele é a vida (João 14:6), e toda a criação subsiste pelo poder de Cristo (Colossenses 1:17). Até mesmo aqueles que rejeitam a Deus recebem seu sustento dEle: “Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos” (Mateus 5:45). Pensar que o homem pode viver sem Deus é achar que um girassol pode viver sem luz ou uma rosa sem água.

Como o Salvador, Deus dá vida eterna àqueles que acreditam no Seu Filho. Vida se encontra em Cristo, o qual é a Luz dos homens (João 1:4). Jesus veio para que possamos ter vida “em abundância” (João 10:10). Todos aqueles que colocam sua confiança nEle são prometidos eternidade com Ele (João 3:15-16). Para o homem viver – realmente viver – ele precisa conhecer a Cristo (João 17:3).

Sem Deus, o homem tem vida física apenas. Deus advertiu a Adão e Eva que no dia que rejeitassem a Deus, eles certamente morreriam (Gênesis 2:17). Como sabemos, eles desobedeceram, mas não morreram fisicamente naquele dia; eles morreram espiritualmente. Algo dentro deles morreu – a vida espiritual que tinham conhecido, a comunhão com Deus, a liberdade de poder gozar da Sua presença, a inocência e pureza de suas almas – tudo isso tinha acabado.

Adão, o qual tinha sido criado para viver em comunhão com Deus, foi amaldiçoado com uma existência completamente carnal. O que Deus queria que fosse de pó à glória, agora iria de pó a pó. Assim como Adão, o homem sem Deus ainda hoje vive em uma existência terrena. Ele pode até parecer muito feliz; já que há muito divertimento e prazer que podem ser desfrutados nessa vida.

Alguns rejeitam a Deus mas ainda vivem vidas de diversão e alegria. Suas ambições carnais aparentam render-lhes uma existência gratificante e tranquila. A Bíblia diz que há um certo gozo que pode ser desfrutado do pecado (Hebreus 11:25). O problema é que tudo isso é temporário; a vida nesse mundo é curta (Salmos 90:3-12). Mais cedo ou mais tarde, o hedonista, assim como o filho pródigo da parábola, percebe que os prazeres desse mundo não sustentam sua alma (Lucas 15:13-15).

No entanto,nem todo mundo que rejeita a Deus é um desperdiçador como o filho pródigo. Há várias pessoas que não são salvas, mas vivem uma vida sóbria e disciplinada – até mesmo vidas gratificantes e felizes. A Bíblia apresenta certos princípios morais que vão beneficiar qualquer um desse mundo – fidelidade, modéstia, auto-controle,etc. Provérbios 22:3 é um exemplo de uma dessas verdades gerais. No entanto, o problema é que, sem Deus, o homem tem apenas esse mundo. Viver uma vida sem problemas não é nenhuma garantia de que estamos prontos para a próxima vida. Veja a parábola do fazendeiro rico em Lucas 12:16-21, e a conversa de Jesus com o jovem homem rico (e muito moral) em Mateus 19:16-23.


Por Leunamme às 21:17:13 | Comentários (0)
A esperança dá cor à vida - 02/04/2010

Acreditar na vida é ter esperança no amanhã. É saber que após a noite vem o dia, que após a chuva surge o sol. Por isso, apesar de todos os encontros e desencontros, dos obstáculos e das dificuldades, é preciso manter sempre a esperança acesa dentro da alma. 

 Quando você estiver confuso(a) ou cheio(a) de dúvidas, ou quando o caminho estiver tortuoso e você sentir que os problemas aumentaram e suas chances diminuíram... ainda assim não se desespere nem desanime. Confie em Deus e espere dias melhores. Eles certamente virão! Ter esperança é o que dá sentido, cor e brilho à vida. 

 E só a confiança nos dá força suficiente para que possamos seguir em frente, mesmo diante das maiores adversidades. Por isso, vale a pena insistir em dizer: não desista nunca, porque enquanto houver esperança nenhum sonho estará perdido. E todo sonho é o primeiro passo para a realização dos objetivos. 

 Quando a gente perde a esperança, tudo perde a graça. Como dizia Walt Disney (1901-1966).



Por Leunamme às 10:32:37 | Comentários (0)
A voz do coração - 25/03/2010

“Venha o Teu Reino; seja feita a Tua vontade, assim na Terra como no Céu”.

“Os discípulos não sabiam como orar e pediram ao Senhor Jesus que os ensinassem. Foi então que Jesus os ensinou a oração que hoje é conhecida por todos nós, o “Pai Nosso”. É interessante ressaltar que Jesus não os ensinava sobre um texto para ser repetido em nossas orações, mas compreendo que Ele quis nos mostrar o que deve conter nela (na oração). Jesus nos alerta sobre as “vãs repetições” (Mateus 6.7). 

Podemos ver na “oração dominical”, outro nome dado ao “Pai Nosso”, que devemos nos preocupar com o que estamos fazendo a fim de que o Senhor Deus nos ouça, pois a boca simplesmente irá traduzir o que está no coração! Assim aprendemos que a oração deve conter adoração, submissão, arrependimento, petições, gratidão, etc. A intenção do Senhor não era nos obrigar a colocar todas essas partes, mas nos mostrar que devemos praticar um “culto racional” e que seja a profunda expressão do nosso coração. Isso é tão importante e fundamental, que a oração pode ser um instrumento para que Deus providencie uma cura interior na sua vida.

Saiba que no seu momento com o Senhor, se você realmente se render a Ele, com certeza haverá transformações. Busco viver essa experiência, e confirmo, que “a Paz de Deus que excede todo o entendimento guardará os vossos Corações e as vossas mentes em Cristo Jesus” (Filipenses 4.7).

Conclusão: Uma vez convicto da necessidade de orar com um coração quebrantado, tente compreender a frase “Senhor, que seja feita a Tua vontade e não a minha”. Um coração adorador, realmente voltado para Deus, compreende e aceita as implicações desta declaração. Faça uso dela e você verá o que é uma oração com poder. Que o Espírito Santo do Senhor mostre a você qual é a boa, perfeita e agradável vontade dEle para sua vida.”



Por Leunamme às 22:52:04 | Comentários (0)
Eu, Eu e Eu mesmo! - 24/03/2010

“Outro dia analisava minha postura junto a alguns colegas e verifiquei o quanto necessitamos estar atentos. Constantemente presencio atitudes de pessoas que na intenção de se promoverem fazem muito uso da frase: “Eu já passei por isso!”

Não vejo problema algum na citação, porém, no cotidiano com as pessoas, podemos perceber o que realmente está por trás do coração de quem a expressa. O que me deixou muito decepcionado comigo mesmo foi identificar que várias vezes agi de forma orgulhosa e vaidosa, sendo influenciado por aqueles que constantemente vivem assim. Foi triste chegar a essa conclusão, mas graças a Deus percebi o engano, pois fui influenciado ao invés de influenciar. E na sua vida, quantas vezes você se autopromove? Quantas vezes você é o centro (ou desejaria ser)? 

Não vejo mal algum no amor próprio, porque isso até é parâmetro para o relacionamento com o próximo. Mas abra os olhos, talvez você seja seu próprio deus! Muitas vezes estamos tão centrados em nós mesmos que até nossas boas ações se tornam instrumentos para nos promover, ao invés de ser para a glória de Deus. “Melhor será quando os outros descobrirem, por si só, as nossas qualidades”. Se promover demonstra que estamos mais preocupados com o que outras pessoas pensarão a nosso respeito do que com a opinião do Senhor Deus. 

Jesus Cristo nos ensina a não sermos hipócritas. Hipócritas para Deus são aqueles que alegam ter um relacionamento genuíno com Ele e, ao invés disso, visam sempre seus próprios interesses. A comparação dos membros neste versículo (“Mas quando vocês fizerem um favor a alguém, façam-no secretamente – não contem à sua mão esquerda aquilo que a sua mão direita está fazendo”), foi feita para ressaltar que a pessoa não deve chamar a atenção para a sua generosidade. A autoglorificação, como muitos o fazem, é um risco sempre presente. O “eu já passei por isso” pode revelar uma pessoa muito “carente” ao invés de denotar uma experiência no assunto. Percebe?

Conclusão: Jesus Cristo definiu a postura correta dizendo: “[faça] de forma que você preste a sua ajuda em segredo. E seu Pai, que vê o que é feito em segredo, o recompensará” (Mateus 6.4). Será que você consegue esperar que Deus honre a sua fidelidade ou você prefere buscar com suas próprias mãos? Você prefere os tapinhas nas costas das pessoas que te rodeiam ou a honra que vem do trono da Graça?”



Por Leunamme às 00:24:49 | Comentários (0)
O poder da Palavra - 12/03/2010

“Recentemente assisti um filme que mostrava um atendimento médico emergencial. Naquela “agitação” o cirurgião comete um erro e a paciente faleceu. No desenrolar da história verificamos que o médico era alcoólatra e uma simples “tremedeira” foi suficiente para que uma vida se perdesse. 

Sabemos que em um mundo real os erros na vida de um indivíduo já são esperados e que alguns deles podem ser fatais. Já ouvi vários casos onde o médico teve que fazer arriscadas extrações de câncer do corpo de um doente e muitos saíram curados de tal enfermidade. Apesar do risco comum e natural de uma cirurgia, alguns cuidados se não forem praticados podem contribuir para um resultado nada animador!

Não é difícil notarmos a falta de perfeição nas nossas atitudes, gestos ou ações. Até podemos nos sair bem em grande parte do tempo, mas seguramente pelo menos uma “pisada na bola” acontecerá. Apesar de seguir numa vida imperfeita, será que o indivíduo é capaz de desfrutar daquilo que é perfeito?

O autor de Hebreus nos chama a atenção para algo que facilmente nos deixa de “boca-aberta”. Todo o Livro aponta para Aquele que é perfeito. Muitos não querem ver, mas o autor da carta nos apresenta o poder da Palavra de Deus. Ali verificamos que é possível experimentar a perfeição do Projeto de Deus para os Seus. As Escrituras dão luz à vida de um indivíduo e essa Luz revela uma Vida sobre modo Perfeita.

É certo que o mundo de hoje até faz considerações a respeito do que o Senhor Jesus disse ou viveu. Mas será que a inteligência humana, falível e corruptível, seria capaz de descrever com autoridade a profundidade dos planos de Deus? Na Bíblia vemos o que há de perfeito e que pode libertar o indivíduo. Alguns grupos apreciam o conhecimento presente aqui, mas somente o discernimento espiritual que leva à revelação de Jesus Cristo é que pode dar vida abundante ao indivíduo. 

Conclusão: A Palavra de Deus é a perfeição que você precisa! É a Verdade a respeito de Cristo que tem poder para levar o indivíduo a um novo nascimento. É essa Verdade, infalível, que reconciliar o indivíduo a Deus. Está escrito: “conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará”. Você crê nisto? Saiba que a Resposta que você tanto procura está ali, nas Escrituras Sagradas, aguardando o encontro com o seu coração.”



Por Leunamme às 09:50:56 | Comentários (1)
Uma comparação - 04/03/2010

“Com nascentes em diversas partes do mundo, através dos mais variados caminhos, todos os rios, finalmente, chegam ao oceano. Comparativamente, nascidos em terras diferentes, praticando diferentes maneiras de adoração, as pessoas alcançam o Oceano da Presença de Deus. Um verdadeiro seguidor da Verdade Eterna será verdadeiro na fala, se afastará do ciúme e da raiva e sempre agirá com um coração amoroso. Todos aqueles que praticam essas qualidades sem esmorecer têm o direito de serem chamados devotos amorosos de Deus.”



Por Leunamme às 12:14:30 | Comentários (0)
Descaminhos (Márcia Rezende) - 03/03/2010

Ser Igreja é algo simples, mas temos o terrível hábito de tornar tudo complicado. 

Deus nos deu a Palavra da Verdade para que andássemos nela. Seus princípios são inegociáveis e optar por caminhos alternativos traz sempre muita confusão e dor. 

Existem pelo menos três descaminhos que nos afastam da simplicidade do Evangelho de Cristo: ignorar a Palavra, desobedecer a Palavra e ultrapassar a Palavra.  

1. IGNORAR A PALAVRA 

“Jesus respondeu: vocês erram porque não conhecem as Escrituras” (Mt 22:29). Ter acesso à Palavra de Deus mas escolher ignorá-la pode ser um erro fatal para todas as nossas demais escolhas. Ler a Bíblia, meditar em seus princípios, conhecer suas promessas e mandamentos, se alimentar de suas palavras e ser corrigido por elas é o que clareia nosso caminho e nos ajuda a andar em santidade e justiça. Não dá para agradar a Deus sem conhecer sua Palavra revelada.  

2. DESOBEDECER A PALAVRA 

“Sejam praticantes da Palavra, e não somente ouvintes” (Tg 1:22). Apenas conhecer a Palavra não basta. A Bíblia não foi escrita para aumentar o nosso conhecimento, mas para transformar a nossa vida. Desobedecer seus princípios e mandamentos é uma afronta direta a Deus. É o mesmo que dizer ao Criador: ‘eu acho que você não é tão sabido assim, a ponto de saber o que é melhor para a minha vida’. O próprio Jesus afirmou que aquele que o ama, obedece aos seus mandamentos (Jo 14:15,21).

3. ULTRAPASSAR A PALAVRA 

“Todo aquele que não permanece no ensino de Cristo, mas vai além dele, não tem Deus” (2 Jo 9). Desacreditar na suficiência das Escrituras e tentar complementá-la é adulterar a Palavra de Deus. Alguns acham o Evangelho simples demais pra ser verdade, e cuidam de acrescentar práticas mais complexas na tentativa de torná-lo mais crível. Surge daí os rituais para desligamento da alma, atos proféticos para conquista de cidades, quebra de maldição hereditária, práticas judaicas, penitências, sacrifícios, indulgências, permissividade, libertinagem… 

A Bíblia é um tipo de “manual de instruções” para a vida, que o próprio Autor da vida escreveu e deixou para nós. Ignorar, desobedecerr ou ultrapassar seus ensinos sempre será um desastroso descaminho. Simples assim! 

De um modo geral, a geração emergente não tem paciência para consultar manuais. Vigora-se o conselho: ‘se tudo der errado, consulte o manual de instruções’… Entretanto, a nossa vida vale muito mais que um aparelho eletrônico. Quebrar ou danificar um aparelho por causa do seu mau uso (não seguir o manual) é bem diferente de ter a vida toda comprometida por causa de uma má escolha. 

Mantenha-se no Caminho da Palavra, o resto… é descaminho.



Por Leunamme às 11:52:44 | Comentários (0)
Esforço constante - 22/02/2010

“Para uma pessoa que se afoga, mesmo um bambu é de algum auxílio. Do mesmo modo, para uma pessoa lutando no mar da existência humana, algumas palavras boas ditas por alguém podem ser de grande ajuda. Nenhuma boa ação se deteriora. Da mesma forma, cada má ação tem sua consequência. Assim, esforce-se para evitar o mais leve vestígio de mal em todas as suas atividades. Mantenha seus olhos puros, preencha seus ouvidos com as palavras de Deus e não lhes permita ouvir calúnia. Use a língua para proferir palavras amáveis, boas e verdadeiras. Lembre-se sempre de Deus. Tal esforço constante certamente lhe concederá a vitória.”



Por Leunamme às 00:30:53 | Comentários (0)
Às voltas com Espíritos - 12/02/2010

Não é necessário que alguém acredite na existência de entidades espirituais para que elas atuem das formas mais diversas na vida das pessoas.
 Não se faz indispensável que alguém seja espiritualista a fim de estar às voltas com as ações de Espíritos desencarnados, nos caminhos humanos.
 É importante lembrar que a Humanidade terrena é composta por todos os Espíritos que o Criador a ela destinou, em razão da lei de afinidades, e os colocou sob a coordenação de Jesus, o Cristo.
 Daí, não será difícil compreender que num mundo com tantas potencialidades, com tantos recursos a serem explorados, como é a Terra, a grande massa dos Espíritos a ele vinculados se acha desencarnada.
 Há mais Espíritos no plano espiritual (erraticidade é um termo usado por Kardec mas que só é entendida no contexto espírita) do que reencarnados. Isso explica porque o número dos mortais cresceu tanto, através dos séculos.
 Vivendo essa realidade de um mundo considerado em dois níveis gerais, o nível dos que estão no corpo físico e o dos que se encontram fora dele, não é surpreendente a constatação de que ocorram influências recíprocas de um nível sobre o outro.
 Imensa é a leva de desencarnados que procura contatar os encarnados, seja para ajudar, em qualquer coisa, seja para participar de qualquer tarefa, ou seja para perturbar, de qualquer forma.
 Enorme é a massa de encarnados que deseja contatar os desencarnados, seja para pedir uma ajuda banal, seja para vingar-se de desafetos ou seja para rogar um socorro direto em casos complexos.
 Há entidades espirituais que gostam somente de fazer o bem, de ajudar para o bem, de participar de qualquer esforço pelo bem.
 No entanto, há outras inteiramente voltadas para o contrário, dando vazão às suas inclinações inferiores, ainda não devidamente transformadas.
 Uma vez que você sabe disso, observe o tipo de sintonias, de contatos mentais que faz e que deseja fazer com os Espíritos.
 Analise os conteúdos dos seus pedidos dirigidos ao Além e o teor das suas expectativas diante da vida, mantendo a certeza de que quaisquer que sejam suas buscas, alguma entidade espiritual a elas se associará.
 As suas decisões quanto ao seu estilo de vida, as suas relações de afeto ou desafeto, ao rumo que dê às suas realizações na faixa da honestidade ou da desonestidade, funcionarão como tomadas ideais para a sua ligação com nobres mensageiros da luz ou com desafortunados agentes da sombra.
 Busque Jesus e una-se a Ele em tudo o que faça. Viva com alegria interior, aprenda a enfrentar e superar problemas sem ódios, sem guardar mágoas de ninguém.
 Solte-se. Viva em clima de liberdade espiritual, por conservar o coração e a mente livres de vínculos com Espíritos perturbadores.
 Busque Jesus e tudo o que se refira ao bem, e esteja certo de usufruir a melhor assistência invisível, atraída por suas felizes predisposições morais.
 
* * *
 Quando um familiar morre e volta ao mundo dos Espíritos, não se torna melhor nem pior do que era quando no corpo físico.
 Por essa razão, não o perturbe com pedidos que ele não pode ou não deve atender.
 Confie sempre em Deus, Pai de todos nós, e a Ele dirija a sua prece ou o seu pedido.
 Mas lembre-se de levar em conta que o Pai conhece nossas necessidades e sempre nos dá o que precisamos, que nem sempre é o que queremos. 

 

 

 

 

(com base no cap. 28 do livro Para uso diário, pelo Espírito Camilo, psicografia de Raul Teixeira, ed. Fráter)

 



Por Leunamme às 20:19:00 | Comentários (0)
Salva-vidas - 03/02/2010

 Dificilmente alguém não gosta de viajar! Existem várias maneiras de aproveitar um passeio que resumidamente seria: pela terra, ar ou água. A melhor maneira depende muito do roteiro que será feito, mas o que você prefere? Eu tenho muitas dificuldades com viagens pela água, apesar de reconhecer o considerável nível de segurança que é possível se ter hoje!
Digamos que você não é como eu e gostaria de navegar pelo mar afora. Lá em alto mar acontece um acidente e o barco começa a afundar. Existem vários passageiros e todos vão para a água. Vários objetos se desprendem do barco e estão flutuando a deriva. A maioria não quer se agarrar a nada e prefere confiar em seus próprios esforços até que o socorro os alcance. O que você faria? Buscaria uma espécie de jangada para te sustentar ou você seria como essa maioria e confiaria em si mesmo?
Talvez você pense que a resposta é meio obvia, ou seja, todos procurariam algo flutuante para se agarrar, mas por incrível que pareça tem muita gente "afundando com o barco" porque se acham auto suficientes. Se bem que agora não falo de naufrágio físico, mas falo do naufrágio nas trevas da vida sem Jesus Cristo.
Alguns acham que podem comprar a reconciliação com Deus, outros acham que nem mesmo precisam dessa reconciliação! Porém existem aqueles que aceitaram em seus corações a salvação que há em Jesus Cristo, reconhecendo diariamente quem Ele é o que Ele fez ali naquela cruz. Essa Oportunidade é a misericórdia de Deus derramado sobre todos que dão ouvido à voz do Espírito Santo do Senhor.
É preciso saber discernir sobre as sensualidades dos falsos ensinos e a importância de permanecer no Amor de Cristo. "Vede prudentemente como andais". Busque a vontade de Deus para sua vida até que o socorro venha, e certamente Ele virá! Creia e seja uma testemunha viva deste Amor Eterno.

 



Por Leunamme às 10:43:15 | Comentários (0)
Fé e Crença (Omraam Mikhael Aivanhov) - 29/01/2010

O céu não exige que os seres humanos sejam perfeitos, senão que trabalhem em busca de seu aperfeiçoamento. A cada dia devemos nos dizer: “Agora compreendo, semeio sementes em minha alma (pensamentos e sentimentos de luz, o amor por um alto ideal), e velarei por elas sem cessar, as animarei, as regarei, as alimentarei com o meu melhor. Sei que o Universo é regido por leis, e uma dessas leis diz que toda semente acaba dando frutos.” Eis aqui verdadeiramente o que é a fé. Assim, qualquer que seja sua religião, cristianismo, islamismo, judaísmo, hinduísmo, etc… Enquanto não compreender e aplicar esta lei, não possuirá a fé, senão somente umas crenças que não poderão levar-lhe muito longe. Ou melhor, sim, podem levá-los bem longe, mas à preguiça, ao fracasso, à rebelião, etc…
A crença é algo ineficaz porque é algo que vem do exterior ou da periferia do nosso ser, e a qualquer momento frente à realidade se pulveriza.
De outra maneira, a fé vem de dentro, do centro, e aí obtém sua eficácia.
É também um erro imaginar que a fé seja própria de pessoas ignorantes, ingênuas ou ligeiramente atrasadas, e que estamos em uma etapa da evolução humana em que devemos abandonar crenças chamadas irracionais.
Ao contrário, a fé é fundada no conhecimento das leis; assim pois, existe ciência maior  que a das leis?
Ter fé é construir sua existência sobre bases sólidas porque conhecemos as leis. Quem tem fé, sente que avança por um caminho bem traçado. Este caminho é escolhido e tomado através da verificação da lei de causa e efeito. Enquanto se está ocupado em construir algo sólido, belo,  não temos tempo para envolver-nos com estupidezes que acontece ao seu redor. Sua atenção está concentrada  no trabalho empreendido. E se certas dificuldades aparecem em sua vida, os resultados já obtidos através deste trabalho o sustentam e o ajudam a superar.
Há tanta gente perdida! Não estão seguros de nada, enxergam perigos por todas as partes porque tem a sensação de serem atirados à existência como em uma engrenagem a qual desconhecem os mecanismos. O que acontece é que não sabem trabalhar com as leis, e não podem, portanto, limpar seu caminho para assegurar seu futuro. Não podemos construir nosso futuro com um presente detestável, pois não existe uma ruptura entre os dois. Enquanto não aprendermos a sustentar o presente sobre bases estáveis, evidentemente podemos temer qualquer coisa acerca do futuro. Como não ter medo se não sabemos onde vamos, se não temos nenhuma certeza, se estamos na escuridão? A escuridão é a causa de todos os medos, aí tudo parece ameaçador.
A vida pode ser comparada á travessia de uma floresta ou à escalada de uma alta montanha. Quantos esforços, quantos perigos a enfrentar para que a meta seja alcançada! E se atravessamos essa flor esta ou escalamos à montanha na escuridão, existe o perigo de nos perdermos,sermos atacados por animais selvagens, cair em emboscadas, de cair no fundo de um precipício, etc…
Na escuridão, não só que estamos verdadeiramente em risco, senão,  mais perigoso ainda é o medo que nós mesmos criamos por não saber como interpretar os ruídos e agitação de formas imprecisas. Assim não podemos confiar em nada e vivemos na dúvida e na angústia, persuadindo-nos de algo ruim que está sempre a ponto de acontecer.
E uma vez que consideramos que crer é abrir uma porta em nós mesmos, ter medo é potencializar aquilo que tememos, é preparar as condições para que aquilo nos prejudique.  Aqui está o que é simbolicamente a vida dos seres humanos que não possuem a luz da fé, a verdadeira fé é, na realidade, o verdadeiro conhecimento, o conhecimento que acompanha-nos como uma luz que nos dá segurança e paz. Mas  mesmo sabendo que temos que passar por testes, quando sabemos como são as coisas, podemos caminhar tranquilamente, cheios de esperança no futuro. É aí que aparece a relação entre a fé e a esperança, a relação entre o presente e o futuro.
Eis aqui todavia, uma luz projetada através das palavras de Jesus:
“Não se preocupe pelo amanhã, porque amanhã cuidará de si mesmo, cada dia é suficiente. ” Assim pois, cumpra hoje com vosso dever sabendo que esta é a única coisa boa que se deve fazer, isso é suficiente, não se preocupe com o amanhã, posto que o amanhã  está necessariamente unido ao dia anterior -  também será ordenado e harmonioso. Aqui também acontece como se semeássemos uma semente que dará frutos.



Por Leunamme às 18:14:56 | Comentários (1)
Escrita de Deus - 25/01/2010

Deus escreve certo, por linhas tortas... assim diz o ditado.
Muitas vezes não compreendemos muito bem Seus desígnios, questionamos, choramos, ficamos tristes ou indignados.
Analisando nossa caminhada nesta existência, encontramos provas de Sua sabedoria, aquela sabedoria que é muito maior que a nossa.
Aquela sabedoria que nos ensina a andar e a trilhar novos caminhos nos conduzindo a novos horizontes, a novos amores, a novos amigos, a novos destinos.
Deus é tão poderoso que quando pensamos estar desamparados, na verdade, Ele nos está carregando nos braços.
Cada vez mais podemos aprender, a cada dia que passa devemos nos render, abaixar nossa cabeça em sinal de reconhecimento.
Livre arbítrio. É o que temos. É o que muitas vezes não entendemos ou não sabemos usá-lo. Rica é a pessoa que sabe compreender e tê-lo de forma verdadeira e honesta.
Podemos sentir paz ao pensar nisso, em abrir nossos braços para receber um amigo ou uma amiga, um amor ou um novo desafio de vida, uma nova tarefa, um novo caminho.
O nosso desejo sincero e pedido implorado é que Deus nos ensine cada vez mais, que nos mostre onde erramos, onde acertamos, onde devemos ir, quem devemos abraçar, quem devemos amar, quem devemos ajudar, a quem devemos ter piedade e a quem devemos ter compaixão.
Abaixemos nossa cabeça quantas vezes forem necessárias para que possamos aprender.
Peçamos a Ele o amparo, a benção, o amor de Pai, a compaixão, a benevolência Divina todos os dias de nossa vida para que nós possamos trilhar os caminhos que sabemos que são os corretos pois o que pensamos realmente, é que não somos ninguém nesta vida, iremos voltar ao pó, não levaremos nada daqui, apenas levaremos nossas ações, nossa verdade, nossos sentimentos, nossa humildade se a tivermos, assim como nosso amor se o tivermos também e nosso espírito se não o tivermos vendido.
" O Senhor escuta as preces daqueles que pedem para esquecer o ódio. Mas está surdo aos que querem fugir do amor."
"Chegamos exatamente onde precisamos chegar porque a mão de Deus sempre guia aquele que segue seu caminho com fé."
"A melhor maneira de mergulhar em Deus é através do amor."
"Somente os homens e mulheres com a sagrada chama no coração possuem o valor de enfrentar a Deus. E somente estes conhecem o caminho de volta para Seu amor, porque entendem finalmente que a tragédia não é um castigo, mas sim um desafio."
"Deus está onde o deixam entrar."
"As palavras de Deus estão escondidas no mundo que nos rodeia. Basta prestar atenção ao que acontece em nossa vida para descobrir em qualquer momento do dia onde Ele esconde suas palavras e sua vontade."
Nunca estamos sós.



Por Leunamme às 14:14:34 | Comentários (0)
O custo da gratidão - 19/01/2010

Qual será o melhor método para se ensinar a virtude da gratidão aos filhos? Haverá uma fórmula especial que dê resultado garantido?
Por vezes, o mais acertado provém de uma tomada de atitude, que determina um período de reflexão.
Mais ou menos como aconteceu com aquele garoto aos seus 13 anos.
Ele e o pai costumavam passear juntos aos sábados. Nada espetacular. Simplesmente uma ida ao parque, ou à marina para olhar os barcos.
Por vezes, uma visita em lojas de bugigangas, só para comprar aparelhos eletrônicos baratos, para desmontá-los ao chegar em casa e verificar seu sistema de funcionamento.
Algumas vezes havia uma parada na sorveteria. Randal nunca sabia se o pai iria ou não parar na sorveteria. Por isso, esperava ansioso, na volta para casa, que o pai enveredasse por aquela esquina decisiva. A esquina que significava animação e água na boca.
O pai do garoto, por vezes, tomava o caminho mais longo. Dizia que era para mudar um pouco o trajeto. Em verdade, parecia um jogo, onde ele ficava testando o autocontrole do filho.
Quando chegava na esquina, ele oferecia:
Quer um sorvete de casquinha?
O garoto pedia sorvete de chocolate, e o pai, de creme. Andavam devagar até o carro e ficavam saboreando o sorvete. Para o garoto, aquilo era o paraíso.
Certo dia, em que rumando para casa, passavam pela esquina, o pai perguntou: e aí, quer um sorvete de casquinha hoje?
Boa pedida! Disse Randal.
Também acho, concordou o pai. Não quer pagar hoje?
O sorvete custava então vinte centavos. A cabeça de Randal começou a girar. Ele podia pagar. Ganhava uma mesada semanal de vinte e cinco centavos, mais uns trocados por serviços eventuais.
Mas ele queria economizar. Economizar era importante. E, por se tratar do seu dinheiro, Randal achou que sorvete não era um bom investimento.
E aí ele disse as palavras mais feias que podia ter dito naquele momento: bom, nesse caso, acho que vou desistir.
A resposta do pai foi lacônica. Concordou e começou a andar em direção ao carro estacionado. Assim que fizeram a curva a caminho de casa, o garoto percebeu o quanto estava errado.
Como ele pudera ser tão mesquinho? Seu pai já perdera a conta de quantos sorvetes lhe pagara e ele nunca comprara nenhum para ele. Como ele pudera perder aquela oportunidade rara de dar alguma coisa àquele pai tão generoso?
Pediu ao pai que voltasse. Em vão. Randal ficou se sentindo péssimo por seu egoísmo, sua ingratidão. Foram para casa.
Aquela semana foi terrível, longa, angustiante. O pai não agiu como se estivesse desapontado ou desiludido. Contudo, o garoto pensava e pensava.
No final de semana seguinte, quando fizeram o novo passeio, ele fez questão de conduzir o pai até à sorveteria e lhe oferecer, sorrindo: pai, quer um sorvete de casquinha hoje? Eu pago!
Naqueles dias, Randal aprendeu que a generosidade tem mão dupla, que a gratidão algumas vezes custa um pouco mais do que um simples "obrigado". No seu caso específico, lhe custou vinte centavos. E lhe valeu uma lição para a vida.
 
Pensamento
No processo da educação, quase sempre um gesto tem efeito mais poderoso do que muitas palavras.
A sabedoria está, para o educador, em saber usar as palavras certas, nos momentos adequados e a utilizar a eloquência do silêncio, nas horas precisas.

 

 

 

 

 

com base no cap. O custo da gratidão, de Randal Jones, do livro Histórias para aquecer o coração dos adolescentes, de Jack Canfield, Mark Victor Hansen, Kimberly Kirberger, ed. Sextante (a história)



Por Leunamme às 22:39:41 | Comentários (0)
Pensando em um Mundo melhor - 14/01/2010

“Estive pensando sobre um mundo em que dia a dia, todos desejariam ver o outro feliz. Fariam o máximo para conseguir isto. Também, que iriam querer estar juntos para desejar o bem, o amor, a saúde e a paz. Mas não da boca para fora: Sinceramente!  

Pensei, também, que o espírito de generosidade que toma conta da maioria das pessoas em certas épocas, por exemplo, como no Natal, se tornaria permanente. Afinal de contas, se o espírito de Natal permeasse nossa vida sempre, seja em fevereiro, em abril, em julho ou em outubro, poderíamos ser mais felizes. Pois quem é generoso, é feliz. 

Certamente existem muitas pessoas próximas de nós que têm dificuldades materiais. Hoje temos fartura, enquanto muitos estarão buscando uma saída para conseguir a próxima refeição. Pensei, então, que a ajuda aos próximos mais necessitados não poderia se restringir somente a datas especiais. Pensei que cada um que tivesse materialmente mais, pudesse e sentisse, grande alegria em oferecer para quem têm menos. Nem que fosse só um pouquinho, pelo exercício de dar. Sem vaidade e sem orgulho. E porque dar é certamente muito mais fácil do que precisar receber. 

Pensando, imaginei como seria bom se respeitássemos ao próximo de verdade durante todos os dias. Respeito pelas decisões do outro, respeito ao seu espaço, pelas suas necessidades e pela sua forma de pensar. Respeito ao falar de forma positiva e ao ouvir de forma atenta. Pensar e falar menos em nós mesmos e mais no próximo. Afinal de contas, nosso umbigo não é o centro do Universo.  

Por fim, pensei o quanto seria importante se soubéssemos lidar bem com o tempo e com as oportunidades que a vida nos traz. Sim! Embora nem sempre enxerguemos, todas as dificuldades têm dois lados. No melhor deles, sempre há uma bela oportunidade de mudar, de crescer, de fazer diferente e de uma forma que ainda não havíamos imaginado. E que possamos enxergar cada dia, cada hora, cada minuto ou segundo da nossa vida como preciosos, prontos para serem entendidos, saboreados e curtidos ao máximo, principalmente quando estamos com aqueles que nos são tão importantes.  

Que este Espírito nos acompanhe durante nossa caminhada neste planeta.”



Por Leunamme às 16:31:06 | Comentários (1)
A importância dos detalhes - 12/01/2010

Você já pensou na importância dos detalhes?
Muitas pessoas falam de moralidade, virtude e bondade, mas são raras as que praticam essas qualidades no dia-a-dia, com as pessoas com as quais convivem.
Seus olhares geralmente estão voltados para o todo, para a comunidade, mas se esquecem de que o todo é formado pelos indivíduos.
Para que se possa efetivamente aumentar o bem-estar geral, é preciso iniciar por praticar virtudes como a de responder gentilmente a um familiar ou colega de trabalho, no momento em que este solicita.
Quem não dá importância aos detalhes, não terá êxito nas grandes coisas, pois as coisas grandiosas são compostas pelas pequeninas.
Pensando assim, chegaremos à conclusão de que detalhes não existem de fato.
O que nos parece um detalhe é a parte mais importante, e a que realmente faz a diferença.
É inegável que a vida se torna mais leve quando somos tratados com pequenos gestos de gentileza, cortesia e atenção.
Ainda que possam parecer insignificantes as ações benevolentes provocam um efeito semelhante ao que ocorre quando jogamos uma pedra num lago.
Pequenas ondulações surgem e vão se espalhando pela superfície líquida. Assim também os pequenos gestos de bondade provocam ondulações no caráter de quem os recebe.
Essas atitudes têm um grande poder de transformação, pois quem as experimenta se deixa penetrar pelas vibrações agradáveis e tende a repeti-las com as outras pessoas.
Por isso, se você se importa mesmo com o bem geral, comece por promover a sua melhoria íntima, nos mínimos detalhes.
Comece a observar suas ações no dia-a-dia e se questione sempre: "Esta minha atitude está contribuindo para que eu me transforme no tipo de pessoa que desejo ser?
Minha maneira de agir com as pessoas que cruzam o meu caminho está contribuindo para o bem-estar geral?"
Um único minuto de atenção que damos a alguém pode significar muito para o bem geral.
Da mesma forma, uma palavra áspera, a indiferença diante da dor de alguém e a falta de atenção podem gerar dissabor em grande escala.
Por todas essas razões, se você deseja construir um mundo melhor comece a prestar atenção nos detalhes.
Olhe para dentro de cada coração e descubra ali os valores existentes e use-os para gerar harmonia e bem-estar.
Um indivíduo que se sente feliz e valorizado, será, certamente, mais um aliado seu para melhorar o mundo.
Um aliado que irá, tanto quanto você, vislumbrar o imenso horizonte a ser conquistado, a ser cultivado com as flores da amizade, do respeito e da bondade.
Quando prestamos atenção nos detalhes e aproveitamos cada oportunidade para fazer o bem, estamos construindo o bem comum.
Agindo assim chegaremos à essência da vida. E a essência da vida é o amor. Não um amor geral, destituído de significado, mas um amor ativo, criativo e atencioso nos mínimos detalhes.
* * *
Todas as pessoas que fizeram e fazem a diferença no mundo, cuidaram dos detalhes.
Um olhar de ternura, uma resposta gentil, um pequeno favor, a atenção aos que são desprezados pela maioria, são qualidades das pessoas de bem.
Assim, se desejamos realmente fazer o bem devemos fazê-lo nos mínimos detalhes...



Por Leunamme às 12:35:01 | Comentários (1)
Olimpíada da alma - 07/01/2010

Você sabe porque os atletas têm boa forma física?
Se você é atleta já sabe a resposta.
Sabe que para adquirir um corpo bem preparado é preciso treinar muito, fazer exercícios físicos que desenvolvam força muscular, rigidez e resistência necessárias para as competições.
Não é uma tarefa fácil. O atleta precisa fazer esforços, superar dores, sofrer arranhões, cair, levantar, tantas vezes quantas sejam necessárias para conseguir seu intento.
E no campo da alma, será que é diferente?
Para obter uma performance espiritual, moralmente bem definida, será necessário fazer esforços?
Ou será que a beleza do espírito se consegue sem esforço algum?
Quem deseja obter um visual espiritual semelhante ao de madre Tereza de Calcutá, irmã Dulce, Gandhi, entre outros, terá que fazer esforços e treinar muito.
Não conseguirá rigidez de caráter, integridade, honestidade, sabedoria, senão submetendo seu espírito a uma vontade firme de ser um vencedor.
E nessa batalha a proposta não é ser melhor do que os outros, mas ser melhor do que si mesmo a cada dia.
As vitórias a serem conquistadas são contra os próprios vícios, contra as próprias imperfeições.
Nessa olimpíada do espírito as batalhas são travadas na arena íntima. No auto-enfrentamento.
Nas olimpíadas da alma, quem deseje ser melhor do que os outros, só por esse fato já é perdedor, pois foi vencido pela prepotência.
Portanto, ninguém consegue ser um campeão moral sem os exercícios necessários.
Não se pode fugir dos arranhões, das quedas, das dores, das frustrações, da vontade de entregar os pontos.
Um grande e nobre exemplo dessa realidade foi Paulo de Tarso, o grande Apóstolo.
Na arena íntima travava as grandes batalhas do homem novo que surgia, contra o homem velho, orgulhoso e prepotente que teimava em falar mais alto.
Houve um momento em que, indignado consigo mesmo, falou: "por que o bem que quero eu não faço, e o mal que não quero ainda faço?"
Mas ele não desistiu e conseguiu vencer a si mesmo. Foi vitorioso sobre as imperfeições e o prêmio foi o passaporte para um mundo melhor.
Reconhecemos que a maioria de nós ainda está longe de ser um Paulo de Tarso, mas podemos dizer que se não somos um apóstolo, graças a Deus já somos o que somos.
Já vencemos pequenas batalhas contra alguns vícios. Já conseguimos calar diante de uma ofensa. Já perdoamos, toleramos, somos honestos em muitas coisas.
E todas essas pequenas virtudes são conquistas importantes, pois nos credenciam para enfrentar nossas imperfeições maiores.
É como acontece nos exercícios físicos. Na medida em que adquirimos mais firmeza na musculatura, os esforços podem ser mais intensos.
Assim, quando nossa "musculatura moral" estiver mais firme, mais fortalecida, outros desafios surgem. Novos exercícios se apresentam. Outras provas aparecem.
E, de vitória em vitória, vamos nos tornando cada dia melhores, moralmente falando.
Quanto mais nos melhoramos, mais Deus confia em nós. E mais seremos úteis aos planos do Criador.
 
***
 O grande bailarino russo Mikhail Nikolaévich Baryshnikov, falou um dia: "não tento dançar melhor do que ninguém. Tento apenas dançar melhor do que eu mesmo."
Na olimpíada da alma não há mérito algum em ser melhor do que o outro. A nobreza está em ser melhor do seu eu anterior.
O grande desafio não está em vencer o outro, mas em vencer a si mesmo.
Paulo de Tarso, após travar árduas batalhas em sua arena íntima, conseguiu a grande e definitiva vitória. A vitória sobre o homem velho, prepotente e orgulhoso.
Suas palavras confirmam isso, ao dizer: "já não sou eu quem vive, é o Cristo que vive em mim."
Eis aí um grande herói. Um nobre vencedor. Um exemplo de humildade e determinação. Alguém que merece ser imitado.



Por Leunamme às 21:24:05 | Comentários (0)
Caminha pela vida (Mano Freire) - 05/01/2010

Por vezes, você caminha pela vida com o olhar voltado para o chão, pensamento

em desalinho como quem perdeu o contato com sua origem divina.
Olha, mas não vê… Escuta, mas não ouve. Toca, mas não sente…
Perdido na névoa densa que envolve os próprios passos, não percebe que o dia o saúda e convida a seguir com alegria, com disposição, com olhar voltado para o horizonte infinito, que lhe acena com o perfume da esperança.
Considere que seu caminhar não é solitário e suas dores e angústias não passam despercebidas diante dos olhos atentos do Criador, que lhe concede a dádiva de viver.
Sua vida na terra tem um propósito único, um plano de felicidade elaborado especialmente para você. Por isso, não deixe que as nuvens das ilusões e de revoltas infundadas contra as leis da vida, tornem seu caminhar denso e lhe toldem a visão do que é belo e nobre.
Siga adiante refletindo na oportunidade milagrosa que é o seu viver.
Inspire profundamente e medite na alegria de estar vivo, coração pulsante, sangue correndo pelas veias, e você, vivo, atuante, compartilhando deste momento do mundo, único, exclusivo. 

E você faz parte dele.
Somos caminhantes da estrada, somando, a cada dia, virtudes às nossas vidas ainda medíocres 

mas que se tornarão luminosas e brilhantes.
Aprenda a dar valor à dádiva da vida. Isso fará o seu dia se tornar mais leve e, em silêncio, sem palavras, sem pensamentos de revolta, você terá tido um momento de louvor a Deus.
Aprenda a silenciar o íntimo agitado e a beneficiar-se das belezas do mundo que Deus lhe oferece.



Por Leunamme às 23:12:07 | Comentários (0)
“Uma previsão para você” - 02/01/2010

2010 deverá ser para você um início de constante progresso espiritual mesmo tendo seus sentimentos ancorados na realidade. Você estará muito mais sensível às energias sutis que sempre o envolveu, e que você poderá agora sentir e administrar estas energias, de modo que possa conhecer e confiar na benevolência do universo, ao invés de se sentir vitimado pelas circunstâncias externas.

As energias que rodopiam a sua volta são parte do realinhamento e dos ajustes que sempre ocorrem durante as mudanças e transformações. Você vivencia este fenômeno sempre que faz uma mudança em sua vida pessoal, tais como mudança de residência, de emprego, ou uma mudança nos relacionamentos.

As mudanças são similares a um terremoto, ou seja, aos movimentos nas placas da Terra, e embora isto possa parecer súbito ou cruel, o movimento é simplesmente um ajuste às atividades anteriores e nada mais.

Poderá existir uma sensação, frequentemente, de ser um alpinista solitário que está sobre despenhadeiros e precipícios. Entretanto, interiormente você estará sempre seguro, protegido e guiado.

Para que tenha este sentimento de segurança, será necessário aquietar a sua mente com meditações. Muito barulho de atividades excessivas e sobrecarga sensorial lhe desconecta do sentimento da presença de guardiães e protetores. Medite frequentemente para que se sinta mais seguro e mais tranquilo.

Em 2010, você se perceberá assumindo riscos em relação à liberdade de ser totalmente autêntico com outras pessoas. Isto significa se revelar de comportamentos novos, anteriormente inimagináveis. Você avançará imensamente ao longo do seu caminho do crescimento espiritual ao revelar os seus verdadeiros pensamentos e sentimentos a você mesmo em primeiro lugar, e então aos outros. Naturalmente, as suas comunicações deverão estar envolvidas com amor, assim elas serão verdadeiras e gentis. Expressar sentimentos irritados não é o tipo de verdade a ser expressa. De outro modo, você preferirá o bem estar e a proximidade que ocorrem quando você compartilha os seus sentimentos gentil e respeitosamente com outros.

Em sua vida profissional, você assumirá riscos também. Você se têm percebido cada vez mais descontente com o seu trabalho, e de outro modo, almejando atividades significativas.

Muitos tiveram a oportunidade de colocar estes desejos e intenções em ação... frequentemente sem necessidade.

As energias universais essenciais estão codificadas com amor, alegria, paz e felicidade. Elas apóiam quaisquer atividades imersas nestas energias.

Assim QUALQUER projeto em que você esteja cantarolando alegremente, porque você absolutamente ama o que estiver fazendo, será bem sucedido para você.

Qualquer projeto que seja feito puramente pelo dinheiro (sem um amor pela atividade), não durará, e nem o dinheiro que for ganho do projeto sem amor. Portanto, cesse imediatamente todas as atividades em que esteja engajado puramente pelo dinheiro.  Ou abandona a situação, ou traz algum amor às atividades. Isto é uma necessidade.

Assumir riscos para revelar o seu eu autêntico, é parte do alinhamento total que a Terra está experienciando. Você é um reflexo do caminho que a Terra tem tomado, em que ela se permitiu ser abusada e usada, sem protesto. Ela tentou fingir que era forte e poderia receber o abuso sem protesto. Mas agora, ela Terra, está alcançando o seu limite, e também você.

Assumir os riscos dos outros é uma forma letal de abuso próprio, porque, basicamente, você estará permitindo que ele aconteça quando não fala aos outros sobre os seus autênticos sentimentos. Dizer “Não” a todas as formas de abuso é uma parte essencial do crescimento espiritual para você e para a Terra.

Você não precisa ser forte no sentido de bloquear os seus sentimentos e fingir que tudo está bem, quando não está. Você precisa ser forte somente no sentido de expressar honestamente os seus verdadeiros sentimentos.

Assuma o risco de contar aos outros como você se sente.

Assuma o risco de realinhar cada parte de sua vida, de modo que isto reflita os seus verdadeiros desejos, paixões e interesses.

Quando você e a Terra se alinharem com a sua verdade interior, então as energias em turbilhão começarão a se acalmar e a desacelerar.

Agora, no centro das energias em turbilhão, esta energia mais lenta e mais tranquila já existe. Você se liga a esta energia interior em cada vez que é verdadeiro com você mesmo.



Por Leunamme às 17:02:47 | Comentários (1)
A paz do mundo e a paz interior - 29/12/2009

“A maior parte dos seres humanos deseja a paz no Mundo. É como um sonho coletivo: nada de guerras, de conflitos originados por preconceitos ou disputas políticas e religiosas.
Entretanto, muitos esquecem de um detalhe: a paz é o resultado de uma construção de pessoas, grupos, comunidades e povos.
Ela nasce, muito antes, no coração de cada um de nós.
"A paz do mundo começa em mim. Se tenho amor, com certeza sou feliz. Se faço o bem ao meu irmão, tenho a grandeza dentro do meu coração."
A música do compositor Nando Cordel é uma bela tradução do verdadeiro espírito da paz.
Um sentimento que deve estar dentro da alma dos que desejam ver o Mundo mais aprimorado, do ponto de vista moral.
Mas há uma pergunta importante em meio a tudo isso: O que é a paz?
E você deve estar se perguntando: Será assim tão importante saber o que é a paz?
Claro que sim. Não se pode possuir aquilo que se desconhece. Então, falemos de paz...
Muita gente mistura os conceitos e acredita saber perfeitamente o que é a paz.
Alguns confundem paz com silêncio. Outros acreditam que a paz é a ausência de brigas.
Outros, ainda, imaginam que estar em paz significa ficar quieto, sem perturbar a quem quer que seja.
Finalmente, há os que acreditam que estar em paz é ter dinheiro sobrando para viver uma vida de conforto.
Será que isso é mesmo a paz? Será que essas situações trazem mesmo a tranquilidade ou são apenas momentos menos tumultuados, com algum conforto material?
Pensemos juntos: paz não é simplesmente ausência de barulho.
 Muita gente faz silêncio por fora, mas traz a alma sobrecarregada de ruídos. O tormento interno torna a criatura estressada e infeliz.
 E quem acha que paz é a ausência de brigas e conflitos aparentes também pode estar enganado.
 Quantas vezes a pessoa fica em silêncio somente porque tem medo de expressar sua opinião? Quantas vezes a raiva está bem camuflada sob uma aparência tranq
uila?
Quem vê cara, não vê coração, diz a sabedoria popular. O mesmo acontece com a paz: nem sempre o rosto expressa o que vai na cabeça ou no coração da pessoa.
Em resumo: não se pode confundir paz com preguiça, displicência, comodismo ou covardia.
A paz é um estado de espírito permanente. Quem verdadeiramente vive em paz não perturba o mundo e nem se deixa perturbar por ele.
É claro que esse estado mental de completa paz é algo ainda um pouco distante da nossa realidade, mas o nosso papel é o do esforço constante para alcançarmos esse objetivo.
E se todo processo inicia em algum momento, como iniciar a conquista da paz?
Nossa sugestão: faça como se fosse um treinamento diário. Um treinamento de autoconhecimento. Principalmente, de autoeducação.
Comece reservando algumas horas para você e faça reflexões. Inicie fazendo um levantamento sobre todas as coisas, pessoas e situações que lhe causam irritação.
Em seguida, analise as razões porque você se irrita com essas pessoas e situações.
Pense em alternativas para não perder a calma. Faça simulações mentais, experimente seus limites, treine a paciência, exercite o equilíbrio.
Se fizer assim, possivelmente você estará melhor preparado para quando a situação ocorrer de fato. Estabeleça metas a serem alcançadas na conquista da paz.
Simultaneamente, exercite hábitos mentais positivos: meditação, boas leituras, relaxamento, músicas suaves.
Tudo isso fortalece a atmosfera de paz interior e reforça atitudes mais suaves e serenas.
Quando esses hábitos se consolidarem, quando a serenidade for obtida sem esforço, quando for mais fácil permanecer calmo, aí então você será forte candidato a se tornar exemplo para o Mundo.
Exemplo? Sim, amigo leitor: quem deseja a paz do Mundo deve se empenhar para ser exemplo vivo dessa paz.
É como uma árvore que, à medida que cresce, vai oferecendo benefícios
de flores, perfume, cor e sombra aos que estão nas proximidades.
Por isso acredite: quem quer paz, nada exige dos outros. Faz a sua parte em silêncio e aguarda as consequências.”



Por Leunamme às 10:14:22 | Comentários (0)
Um caminho religioso - 26/12/2009

“Para uma pessoa ter boas qualidades é primordial que ela seja moralmente boa e zelosa de suas práticas religiosas. Mas, por favor, entenda que, por si mesmas, estas qualidades são inadequadas para você vir a receber a bênção de Deus da vida eterna, mesmo que você creia que Jesus Cristo é o filho de Deus e o Salvador da humanidade.
Precisamos certificar-nos de que possuímos a verdade, estamos obedecendo ao evangelho e permanecemos unidos a outros fiéis cristãos. De outra maneira, nossa condição será como a de uma pessoa que deseja viajar para algum lugar que fica ao leste de onde ela está, porém ela continua andando em direção ao norte. Não importa se ela seja muito zelosa e dedicada, ela nunca chegará ao seu destino enquanto ela não mudar de direção.
Portanto, precisamos ser religiosamente ativos e moralmente bons. Mas nossa atividade tem que ser de acordo com a vontade de Deus. Temos que andar na direção certa, crendo que o evangelho é a mensagem da salvação, sendo batizados com o propósito de receber o perdão pelos pecados e, então, servir a Deus fielmente, de acordo com a verdade de sua palavra.”



Por Leunamme às 12:00:33 | Comentários (0)
Sempre é Natal (Mena) - 22/12/2009

 

“Mais um ano que se finda, deixando na vida de todos nós marcas indeléveis, causadas, muitas vezes, por momentos hilariantes, às vezes, por momentos de uma grande dor!
Ao olharmos para trás, voltemos o nosso olhar para dentro de nós mesmos e constataremos que muita coisa boa aconteceu, apesar das adversidades.
Façamos uma reflexão do que foi nossa vida até agora, da nossa relação com as pessoas e com Deus... Como tem sido essa relação? Baseada em interesses ou uma relação desinteressada, cordial, sincera, humana? Só assim poderemos crescer positivamente, para nos elevarmos com espírito verdadeiramente cristão, numa nova dimensão de vida.
É NATAL! Agora e sempre é NATAL! Nesse momento de reflexão, vivemos mais intensamente o clima natalino que nos convida a celebrar o amor pleno. É vivendo esse amor que acolhemos crianças alegres e tristes, ricas e pobres, amadas e carentes; acolhemos adolescentes ajustados e cheios de conflitos, que têm um lar ou que vivem nas sarjetas; acolhemos os idosos que vivem bem com a família ou aqueles excluídos, cujas famílias os desprezaram... A todos, o nosso amor e afeto; a nossa compreensão e o nosso agradecimento por terem nos dado a ventura de voltarmos a ser crianças e jovens como eles ou de vivenciarmos, em cada canto, com os mais velhos,  as suas vidas; a estes idosos, a nossa gratidão, por termos chegado perto deles e ouvido de suas bocas, palavras atropeladas, cansadas, mal articuladas, mas que emitiam grandes ensinamentos...
E acolhendo todos, vivemos o Natal! Viver o Natal é viver em comunhão com Deus e com os irmãos, não num só dia, mas em todos os dias da nossa existência.
Neste apagar de luzes do Ano 2009, peçamos ao Senhor da Vida, muita Paz, Harmonia e Amor e que o Menino Jesus ilumine nossa mente para que, ao olharmos para cada um de nossa família, de nossa comunidade, do nosso ambiente de trabalho, possamos passar a cada um deles, a mensagem de amor do Cristo Ressuscitado.
      Desejamos a vocês, sempre
        Um Natal de luzes
          Um Natal de cores
            Um Natal de amores
              Onde os homens todos
                Possam amar sem dores
                  Onde as dores todas
                    Possam transformar a vida
                      Onde a vida toda
                        Seja renovada
                          Pelo Amor do Pai!”



Por Leunamme às 19:14:08 | Comentários (0)
Felicidade real - 20/12/2009

 “Um provérbio honrado pelo tempo diz: ‘A felicidade real e duradoura não pode ser conseguida através dos prazeres físicos’ . A felicidade duradoura pode surgir apenas pela disciplina da mente e fé em Deus que não é diminuída pela boa ou má sorte. Uma pessoa deve usar o poder do discernimento dado a ela para combater as forças do mal dentro de si e fomentar os elementos Divinos em si através de seu próprio esforço, ouvindo a voz de sua consciência. Uma pessoa deve usar a liberdade de discernir entre o certo e o errado, o bem e o mal.”

 

“Não há uma estrada real para a felicidade, mas sim caminhos diferentes. Há quem seja feliz sem coisa nenhuma, enquanto outros são infelizes possuindo tudo.” (Luigi Pirandello)



Por Leunamme às 21:50:26 | Comentários (1)
Rancor - 18/12/2009

Nesta vida deveremos buscar a evolução espiritual de diversas maneiras. Uma delas é eliminando sentimentos negativos que não contribuem em nada para o nosso dia-a-dia e que, pelo contrário, só atrasam nossa vida. 

Um destes sentimentos é o rancor.  

O rancor é, na verdade, o “ódio encubado” no coração, ou seja, um ódio “longa vida”.  

A melhor maneira de eliminar este sentimento é o perdão verdadeiro, do fundo de nossa alma.  

Se você não tiver coragem de perdoar frente a frente aquela pessoa que lhe trouxe tantos problemas e rancores, pelo menos mentalize positivamente o perdão a ela.  

Quando isto acontecer, você estará tirando um grande peso de suas costas.  

Vá em frente, acredite em você e em seu talento para viver a vida em harmonia e paz.



Por Leunamme às 23:31:14 | Comentários (0)
Sabedoria e Força - 17/12/2009

Um sábio mestre conduz seu aprendiz pela floresta.
Embora mais velho, caminha com agilidade, enquanto seu aprendiz escorrega e cai a todo instante.
O aprendiz blasfema, levanta-se, cospe no chão traiçoeiro, e continua a acompanhar seu mestre.
Depois de longa caminhada, chegam a um lugar sagrado.
Sem parar, o sábio mestre dá meia volta e começa a viagem de volta.
Você não me ensinou nada hoje diz o aprendiz, levando mais um tombo.
Ensinei sim, mas você parece que não aprende responde o mestre. Estou tentando lhe ensinar como se lida com os erros da vida.
E como lidar com eles?
Como deveria lidar com seus tombos responde o mestre.
Em vez de ficar amaldiçoando o lugar onde caiu, devia procurar aquilo que te fez escorregar.
Moral da história:
Devemos procurar a raiz de nossos erros
e nos levantarmos com sabedoria e força.



Por Leunamme às 23:54:27 | Comentários (0)
Quem sabe neste Natal? (Maria Thereza Neves) - 15/12/2009

Quem sabe neste Natal

eu ache um tempo

para refletir sobre tudo 

sofrimentos, dores , discriminações

desigualdades ... 

Sei que preciso subir, atingir nuvens 

percorrer todas as montanhas

talvez em mares navegar, retornar... 

Quem sabe um mundo comigo carregar

e a todos mostrar que a Paz existe

basta plantar, semear em qualquer lugar. 

Quem sabe neste Natal 

irmãos reconheçam irmãos 

desarmem mãos e corações 

se unam como fossem uma só Nação!



Por Leunamme às 22:54:26 | Comentários (0)
O sentido da vida - 14/12/2009

“Você já reparou como é difícil, algumas vezes, ter respostas para algumas dúvidas do dia a dia? Ter respostas para essas perguntas que nos surgem quando estamos na fila do supermercado, ou escovando os dentes ou parados no sinaleiro, dentro da condução?
Você já não teve dessas perguntas que, um dia, sem pedir licença, entram em nossa mente e ficam rodando, rodando, até que desistimos delas, ou as guardamos no fundo, bem no fundo do baú de nossa mente?
Quem de nós já não se perguntou por que nascemos em situações tão diferentes? E quanto às nossas capacidades, será que Deus nos criou assim tão diferentes uns dos outros?
E por que Ele permite haver uns na Terra com tanto e outros com tão pouco? Ou ainda, por que pessoas boas sofrem, passam por provas, por dificuldades, dores?
Se Deus é soberanamente bom e justo, se Deus é, na profunda síntese do Evangelista, amor, qual a razão disso tudo? Qual o sentido de todas essas coisas, aparentemente tão incoerentes?
Na verdade, quando essas perguntas nos surgem, é nossa intimidade buscando respostas para o sentido da vida. São perguntas que a Filosofia vem se fazendo desde há muito, e que refletem o anseio que cada um de nós traz na intimidade: Afinal, qual o sentido da vida? Por que estamos aqui?
Deus, ao nos matricular na escola da vida, deseja de nós que o aprendizado aconteça. Como todo pai ao matricular seu filho na escola, Ele espera que aprendamos a lição.
Nos bancos escolares, nos matriculamos para aprender a escrever, a manipular os números, a entender um pouco as leis da Física, da Química e de tantas outras ciências. E na escola da vida, o que temos que aprender?
Jesus, no Seu profundo entendimento das Leis de Deus, foi firme ao nos ensinar que o maior mandamento da Lei do Pai é o do amor.
Assim, podemos entender que, quando matriculados na escola da vida, na escola que Deus nos oferece, Ele espera de nós essa única lição: aprender a amar.
Dessa forma, todas as oportunidades que a vida nos oferece, são oportunidades para aprendermos a amar. Seja na situação financeira difícil, ou no físico comprometido, estão aí, para nós, as melhores lições para amar.
A doença que nos surge, de maneira inesperada, é o convite à resignação e fé. O chefe difícil, intempestuoso, nos convida à compreensão.
O filho exigente é a oportunidade da paciência e do desvelo. O marido tirano, a esposa intransigente são os portadores do convite à humildade e compreensão.
A cada esquina, o que a vida nos oferece, seja da forma como ela nos oferece, sempre traz consigo oportunidade bendita do aprender a amar. Você já reparou nisso?
E o aprender a amar se faz no exercício diário desse sentimento, desdobrado nos inúmeros matizes que ele guarda em si, nas mais variadas virtudes que ele permite ser vivido.
Seja onde a vida nos colocar: no corpo doente, no lar carente, na família difícil, ali estará nossa melhor lição para amar.
Tenha sempre em mente que o maior sentido da vida é conseguir perceber e entender que ela guarda, em cada oportunidade, em cada desafio que nos oferece, bendita lição para aprender a conjugar o verbo amar.”


Por Leunamme às 16:16:48 | Comentários (0)
A vida aqui - 09/12/2009

“A vida na Terra é, como no oceano, sempre agitada, com ondas de alegria e tristeza e de perdas e ganhos, correntezas em turbilhão de desejos e redemoinhos de paixão, cobiça e ódio. Para cruzar o oceano, a única jangada confiável é um coração cheio do Amor de Deus e do ser humano. Uma pessoa nasce para um propósito elevado, como a herdeira de uma rica herança. Ela não deveria desperdiçar seu tempo em investigações pequenas e vaidades vulgares. Seu destino é conhecer a Verdade, viver nela e por ela. Apenas a Verdade pode tornar uma pessoa livre e feliz. Se ela não é instigada por esse propósito elevado, a vida é um desperdício e um mero debater-se contra as ondas, pois o mar da vida nunca é calmo.”



Por Leunamme às 10:21:20 | Comentários (0)
Anjos - 05/12/2009

Os anjos são seres espirituais, mas podem ostentar forma corpórea que pode tocar e ser tocada, bem como comer alimentos sólidos.  

Os anjos são seres imortais, tendo existência eterna.  

São também seres extremamente poderosos, sendo dotados de poderes sobre-humanos, pois foram, por Deus, criados superiores aos seres humanos. Todavia, os anjos não são onipotentes. Também não são oniscientes. Mas, tem uma espantosa velocidade, podendo se transportar dos céus à terra quase que instantaneamente.  

Os anjos são dotados de grande inteligência, bem como têm eles vontade própria, e poder de decisão. São também seres emotivos.  

São os anjos que assistem diante de Deus, sendo eles os portadores das grandes mensagens de Deus para os seres humanos.  

Este tema, apesar de difícil, é da mais alta importância em nossa vida cotidiana, pois os anjos são exemplos de louvor e ajudadores enviados por Deus. É reconfortante saber que há anjos de Deus trabalhando para nos proteger dos perigos espirituais que rondam nossas vidas, e os termos como exemplo de quão maravilhosa será nossa vida louvando a Deus por toda a eternidade.



Por Leunamme às 12:55:10 | Comentários (0)
Apenas uma gota d’água - 03/12/2009

Uma palavra de esperança a alguém que está à beira do abismo.
Um sorriso gentil a quem perdeu o sentido da vida.
Uma pequena gentileza diante de quem está preso nas armadilhas da ira.
O silêncio, frente à ignorância disfarçada de ciência... A tolerância com quem perdeu o equilíbrio.
Um olhar de ternura para quem pena na amargura.
Pode-se dizer que tudo isso são apenas gotas d’água que se perdem no imenso oceano da vida, mas são essas pequenas gotas que fazem a diferença para quem as recebe.
Sem as atitudes, aparentemente insignificantes, que dentro da nossa pequenez conseguimos realizar, a humanidade seria triste e a vida perderia o sentido.
Um abraço afetuoso, nos momentos em que a dor nos visita a alma... Um olhar compassivo, quando nos extraviamos do caminho reto...
Um incentivo sincero de alguém que deseja nos ver feliz, quando pensamos que o fracasso seria inevitável...
Todas essas são atitudes que embelezam a vida.
E, se um dia alguém lhe disser que esses pequenos gestos são como gotas d’água no oceano da vida, responda, como madre Tereza de Calcutá, que sem essa gota o oceano de amor seria menor.
E tenha certeza disso, pois as coisas grandiosas são compostas de minúsculas partículas.
Sem a sua quota de honestidade, o oceano da nobreza seria menor.
Sem as gotas de sua sinceridade, o mar das virtudes seria menor.
Sem o seu contributo de caridade, o universo do amor fraternal seria consideravelmente menor.
E jamais acredite naqueles que desconhecem a importância de um pequeno tijolo na construção de um edifício.
Lembre-se da minúscula gota d’água, que delicadamente se equilibra na ponta do raminho, só para tornar a natureza mais bela e mais romântica, à espera de alguém que a possa contemplar.
E, por fim, jamais esqueça que são essas mesmas pequenas e frágeis gotas d’água que, com insistência e perseverança conseguem esculpir a mais sólida rocha.

 



Por Leunamme às 09:51:58 | Comentários (0)
Pastor de ovelhas - 01/12/2009

Palavra de Cristo: “Conheço minhas ovelhas e por elas dou minha vida”. Por que, então, temer? Não é Ele o Filho todo-poderoso de Deus que também afirmou: “Nenhuma delas se perderá, porque ninguém as arrebatará de minha mão”? Nossas vidas estão garantidas por seu poder e o demônio não tem nenhum poder sobre nós. Aliás, não precisamos de exorcismos para afastar o inimigo, mas do cultivo da graça para sermos mais de Cristo. Ele é nosso Bom Pastor e nós, as ovelhas felizes de seu rebanho.



Por Leunamme às 11:08:21 | Comentários (0)
Um caminho - 29/11/2009

Há alguma coisa que você não gosta em você mesmo?

Há alguma característica ruim que gostaria de descartar, alguma virtude necessária ou faceta de personalidade que você gostaria de desenvolver? 

Se respondeu sim, então por que não tentar um caminho para melhorar as coisas?

Um caminho em que possa, durante o seu trajeto, praticar a virtude que quer adquirir.

Uma sugestão de caminho é o da meditação e estudo sobre Jesus, pois Ele exemplifica as virtudes de que precisamos: disponibilidade, humildade, generosidade, bondade, alegria, espírito apostólico, empatia, amor, alegria pela salvação, obediência, responsabilidade, espírito de adoração, desprendimento, paciência e confiança em Deus. 

O Cristianismo é, principalmente: tentar permanecer tão reto como Cristo, tomando-O como nosso modelo de Caminho, nossa Verdade, nossa Vida. 

Possa você ser ricamente abençoado enquanto caminha por ele.



Por Leunamme às 13:48:32 | Comentários (0)
Vidas sem rumo, barcos sem rotas (Henrique E. Rosa) - 25/11/2009

Vivemos momentos críticos da vida do planeta, continuamos habitando a Terra como se ela fosse eterna e propriedade nossa;  nos esquecemos que os reinos animal e vegetal também fazem parte desta casa planetária e que possuem os mesmos direitos que temos.
Ao olharmos o passado e o estado presente das grandes metrópoles verificamos que a humanidade caminha rapidamente para um grande abismo, e, indiferentes, estamos acabando com todas as possibilidades de continuidade de vida na Terra. Estamos fomentando todos os tipos de violência, concordando com todas as leis injustas e incoerentes criadas por políticos que, em vez de agirem em favor do povo, agem em proveito próprio, de acordo com interesses relacionados ao poder. Apesar da natureza já estar dando inúmeros sinais de que algo está mal em seu corpo, a Terra, ainda assim, achamos que o problema é dos outros, e não nosso.
Qual o objetivo da vida neste planeta?
Do ponto de vista católico, a partir do século V, Santo Agostinho de Hipona introduziu na religião uma ideia muito estranha à Bíblia que é o dogma do pecado original , a célebre “dentadinha” na maçã celestial , colocando a humanidade em pecado eterno. Desde aquele século até aos nossos dias isto tem sido transmitido de geração em geração, perpetuando uma falsa ideia, ou seja, a de que nascemos em pecado , portanto, todos somos culpados, mesmo que não tenhamos feito nada. Diante dessa tragédia que mais parece uma comédia e dentro deste ponto de vista, a vida vale muito pouco ou quase nada. Esta falsa postura amordaça o sagrado e o divino que se encontra em nossos santuários internos, na alma e no espírito, e que nada tem a ver com preceitos, teorias e dogmas religiosos. Infelizmente, não nos importamos em purificar, expandir e libertar a mente e a alma, para termos mais consciência de que a vida é eterna, de que somos criaturas divinas feitas à imagem e semelhança do Criador e que não dependemos de bênçãos ou de decretos religiosos criados pelos homens, nem muito menos de intermediários, para a comunicação com o Divino que vive dentro de nós.
Uma grande parcela da humanidade está perdida sem saber qual será seu rumo, sem saber como viver corretamente, como ser mais consciente, feliz e como ter paz, ao mesmo tempo em que buscam uma comunicação com o sagrado e o divino; são vidas sem rumo, barcos sem rota.
Perdemos a consciência de quem somos, de onde viemos, para onde vamos, não sabemos o que ainda precisamos fazer nesta vida para seguirmos o rumo de nossa evolução. Perdemos o rumo e estamos continuamente destruindo a nossa existência e também as condições de vida que nossa casa planetária nos oferece. Pelo que se vê hoje em todos os continentes, parece que nascemos para destruir tudo à nossa volta, consumir tudo o que a natureza produz e não para preservar e criar tudo o que sustenta a vida.
Vivemos para estudar, garantir uma boa profissão, ganhar dinheiro, constituir família, ter filhos, educá-los para que um dia eles nos dêem netos! Ficamos velhos, morremos, viramos pó, para a grande maioria a vida se resume nisto. Mas se refletirmos sobre a transcendência da vida, vislumbrarmos o universo, esse mar infinito de galáxias, estrelas e planetas, as maravilhas da natureza, seremos tentados a nos questionarmos: qual é o verdadeiro objetivo e qual é o sentido da vida neste planeta?
Precisamos urgentemente rever nossa maneira de viver e de ver a vida, como também, rever os conceitos ilógicos que nos impuseram como verdades únicas. Diante de tanta grandeza na natureza e no universo, podemos facilmente concluir que a vida não é uma grande ilusão e que não nos foi dada para ficarmos confinados a uma única existência, sermos comandados por sistemas antigos, dogmáticos, fanáticos, desatualizados para a nossa época, criados no passado por homens e suas religiões, pois, deste modo, parecemos robôs programados para produzir, consumir, destruir e morrer.
Nas grandes cidades há energias muito densas criadas pela violência, pelos sofrimentos, pela miséria, pela desigualdade, pela falta de amor e de justiça e que os mais sensitivos, como as crianças, os jovens e os adultos mais intuitivos estão captando, mas que ainda não compreendem corretamente e que os tornam indiferentes às responsabilidades da vida, alterando seus sistemas: endócrino e nervoso, provocando os mais diversos distúrbios, dificultando suas evoluções emocionais, mentais e espirituais, deixando-os confusos mentalmente, deprimidos em suas consciências. Tudo isto é somado aos muitos medos, inseguranças, infelicidades, angústias existenciais, que, gradualmente, produz uma desvalorização da própria vida e um nível alto de falta de esperança no futuro; dentro destes parece haver um imenso deserto e uma falta de direção quanto o caminho a seguir.
Muitos são como barcos sem rumo navegando pelo mar da vida, não sabem de qual porto partiram, nem muito menos o porto seguro onde terão de aportar antes que as grandes tempestades se abatem sobre a Terra para corrigir os equívocos que nós, seres humanos, fizemos da vida. Tenho observado que, dentro de muitos há um imenso caos e também uma luta para chegar ao ponto de mutação , a fim de saírem da confusão em que vivem para realizar a Luz em seu interior. Já numa minoria começa a surgir um lindo jardim interno , onde novas flores e árvores de saborosos frutos da vida estão despontando e em suas existências já refletem o lado luminoso de suas almas; estes, certamente, farão parte de uma Nova Humanidade.
Se não nos voltarmos para nosso universo interno, se não despoluirmos nosso ser interno, certamente nosso futuro não será nada agradável. Se não buscarmos as saídas pelos portais da alma, da consciência, do amor, do sentimento, da paz e da justiça não sairemos para lado algum, vamos mergulhar de cabeça num inferno que nós mesmos criarmos.
As grandes cidades pelos seus altos índices de violência já são amostragens de como pode ser o futuro de nossos filhos e netos. Se não nos unirmos, pelo coração, pela fraternidade, consciência e alma, se não colocarmos os egoísmos, fanatismos, ódios, ambições, rancores, vaidades e individualismos completamente de lado, poderemos assistir e muito rapidamente a extinção do maior predador de todos os tempos - o homem!
É necessário criar novas energias de purificação, transformação, transmutação, unificação e libertação, e compete a cada um perceber dentro de si mesmo o grande chamado da Luz, do Amor e da Sabedoria, que se encontram na alma e que está sinalizando para todos os que estão buscando encontrar seu verdadeiro Caminho, os significados reais para suas existências. Há um grande chamado no coração daqueles que buscam a verdadeira paz, o amor, a harmonia, a justiça e a fraternidade entre todos os seres humanos e religiões.
Precisamos nos conscientizar de que a alma é a direcionadora de nossa existência, nela estão as respostas para os grandes mistérios da vida e da evolução, ela sabe de onde viemos, para onde vamos, quais serão os melhores caminhos, a melhor rota para retornarmos à casa espiritual , donde um dia nossos espíritos partiram na busca da experiência da Criação, do Amor, da Sabedoria e da Luz.
Estamos numa nova era, onde podemos seguir nosso verdadeiro rumo e rota na vida, ou nos afundamos definitivamente no lodaçal de destruições, confusões e equívocos que implantamos neste mundo, que invadiram e contaminaram nossas mentes, consciências, sentimentos e almas. Que cada um decida seus próprios rumos e seus objetivos na vida com consciência.
O poema Nevoeiro , de Fernando Pessoa, da sua obra Mensagem , pode ilustrar muito bem a nossa época.
Ninguém sabe que coisa quer. Ninguém conhece que alma tem, nem o que é mal nem o que é bem. (Que ânsia distante perto chora?) Tudo é incerto e derradeiro. Tudo é disperso, nada é inteiro... .



Por Leunamme às 18:23:59 | Comentários (1)
Alguns Serviços que o Espiritismo pode fazer por você (Emmanuel) - 21/11/2009

Integra você no conhecimento de sua posição de criatura eterna e responsável, diante da vida. (Você é seu responsável)
Expõe o sentido real das lições do CRISTO e de todos os outros mentores Espirituais da humanidade, nas diversas regiões do planeta. (Universalidade do Conhecimento)
Revela-lhe o princípio da reencarnação, determinando o porquê da dor e das aparentes desigualdades sociais.
Suprime-lhe as preocupações originárias do medo da morte, provando que “ela” não existe!
Confere-lhe forças para suportar as maiores vicissitudes do corpo, mostrando a você que o instrumento físico nos reflete as condições ou necessidades do espírito.
Tranquiliza você com respeito aos desajustes da parentela,
esclarecendo que o lar recebe não somente afetos, mas também os desafetos de existências passadas, para a necessária regeneração.
Demonstra-lhe que o seu principal templo, para o culto da presença Divina é a consciência.
Liberta-lhe a mente de todos os tabus em matéria de crença religiosa.
Desmistifica e amplia o conhecimento mostrando com clareza a simplicidade de todas as dimensões da existência.
Elimina a maior parte das preocupações acerca do futuro além da chamada “morte”.
Dá-lhe o conforto do intercâmbio com os entes queridos, depois de desencarnados.
Permite a presença entre nós de doutrinadores, Espíritos de sublime elevação para prestar Esclarecimentos e acalentar os nossos corações.
Traça-lhe providência para o combate ou para a cura da obsessão.
Entrega-lhe o conhecimento e a capacidade da Mediunidade.
Concede-lhe o direito à fé raciocinada.
Destaca-lhe o imperativo da caridade por dever.
Auxilia você a revisar e revalorizar os seus conceitos de trabalho e tempo.
Concede-lhe a certeza natural de que se beneficiamos ou prejudicamos alguém, estamos beneficiando ou prejudicando a nós próprios.
Garante-lhe serenidade e paz diante das calúnias ou das críticas.
Ensina você a considerar adversários por instrutores.
Explica-lhe que, por maiores que sejam as dificuldades exteriores, intimamente você é livre para melhorar ou agravar a própria situação.
Patenteia-lhe que a fé ilumina o caminho, mas ninguém fugirá da lei que manda atribuir a cada qual segundo suas obras pessoais.
Nos conforta quando informa que: 
 

“A ninguém é permitido voltar para modificar o futuro, mas a todos é permitido, a partir de agora, construir um novo fim.”  

“A maior caridade que podemos fazer em relação à DOUTRINA ESPÍRITA é a sua divulgação”.



Por Leunamme às 22:27:56 | Comentários (0)
Distância de Deus - 19/11/2009

“A distância de Deus equivale, portanto, à distância de si mesmos.

«Porque tu estavas dentro de mim, mais interior que o mais íntimo meu e mais elevado que o mais supremo meu», 

«Tu estavas, certamente, diante de mim, mas eu me havia afastado de mim mesmo e não me encontrava»”

 (Confissões de Santo Agostinho)



Por Leunamme às 14:57:39 | Comentários (1)
Pedido atendido - 17/11/2009

Um grupo grande de rapazes se encontrava fora dos muros do seminário naquele dia frio de outono, em Israel. Desfrutavam do descanso, após intermináveis horas de aula.
Um deles apontou para o final da rua, para um pontinho que vinha crescendo à distância, e chamou a atenção dos amigos. Era um carro fúnebre solitário. Nem um único acompanhante. Os rapazes ficaram tocados pela solidão do carro fúnebre. Onde estariam a família e os amigos? Seria possível que aquela criatura tivesse vivido tão afastada da comunidade, que nem um vizinho houvesse para acompanhar o corpo até o cemitério?
Ficaram em silêncio. Depois, decidiram seguir o carro. E resolveram entrar e convidar todos os estudantes para fazerem o mesmo. Foram centenas de rapazes que escoltaram o carro fúnebre até o túmulo, em respeitoso silêncio.
Foi então que o rabino, o que dirigia o veículo, perguntou: "como é que vocês souberam da morte dela?"
Os rapazes explicaram que não sabiam de quem se tratava. Que fizeram aquilo por compaixão, por sentirem vontade de praticar uma boa ação. Por acharem muito doloroso ver alguém ser enterrado tão sozinho. E disseram que pertenciam ao seminário.
O rabino se emocionou.
Amigos, a presença de vocês aqui foi ordenada. Há setenta anos, um rico empresário judeu doou um terreno muito caro para a comunidade. O objetivo era construir um seminário, esse mesmo onde vocês estudam.
Ele não somente construiu o seminário, como o manteve durante toda a sua vida.
Quando já idoso, os rabinos quiseram lhe prestar homenagens mas ele disse que não desejava ficar em evidência. Se algo pudessem fazer, que fizessem por sua única filha, seu único amor, um dia, quando ele já não estivesse ao lado dela para a auxiliar.
Os velhos rabinos, durante anos, mesmo depois da morte do benfeitor, tentaram se aproximar da jovem.
Mas, após a morte do pai, ela abandonou as tradições religiosas e se afastou da comunidade judaica.
Durante toda a sua vida foi internada várias vezes em hospitais psiquiátricos.
Os rabinos, que se lembravam da promessa, tentavam dar seu apoio, mas ela não queria. Teve uma vida excêntrica, solitária.
Os rabinos foram morrendo e a promessa esquecida. Mas hoje, amigos, vocês vieram ao funeral dela.
Com a presença de vocês hoje aqui, vocês cumpriram a promessa de seu rabino e retribuíram a generosidade de seu benfeitor.
 
***

Não há nenhum gesto de bondade, de desprendimento que não mereça resposta.
O bem gera simpatia e a criatura atrai para si, de forma espontânea, o bem.
Por isso mesmo é que os espíritos nos afirmam que o bem faz bem a quem o pratica. Ele enche a alma de felicidade pela oportunidade da doação.
Quem quer que realize, de forma espontânea, boas ações, será sempre um coração aberto a quem a divindade enviará seus filhos para serem auxiliados
. (
com base em texto do livro Pequenos Milagres II, pag. 108)



Por Leunamme às 12:16:02 | Comentários (0)
Confiança - 15/11/2009

A confiança é a força poderosa na mente e no coração de quem desconhece a maldade.  

Confiar não é ignorar os obstáculos, é saber vencê-los. 

O cobiçoso desconfia até de si mesmo e perde as condições de amar a Deus e ao próximo. 

A ambição cega o ambicioso, de modo que ele não vê sua própria paz. Todavia, a amizade nos dá o ambiente para ver, morando também nos outros. 

A avareza alimenta o egoísmo, e esquece, ou faz esquecer, a necessidade alheia; não obstante, a fraternidade te mostra que tudo que existe no mundo é teu, e daqueles que moram contigo na Terra. 

A ganância faz entorpecer os teus sentidos mais nobres e desenvolver a revolta, quando vê o que os semelhantes têm a mais; nunca te deixa satisfazer-te com o que possuis.   

No entanto, a esperança elevada inspira as criaturas a repartirem o que têm, com os seus companheiros de viagem.  

A avidez luta para acumular, sem cogitar quais os meios; a fé espiritualizada distribui qualidades para que os ricos não se apeguem em demasia aos tesouros da Terra. 

O avarento não aceita explicações sobre os males que o dinheiro mal ganho lhe causa, e sem o proveito necessário. Contudo, a caridade abre as mãos para quem tem fome e sede, para os nus e estropiados; ainda mais, dá meios para que todos ganhem o seu próprio pão. 

A prosperidade depende de relevantes esforços no trabalho, seja ela física ou espiritual, e esses esforços, de certa forma, são confiar na fonte suprema da vida, consciente ou inconscientemente. 

Porque a vida tem regras para seu existir, e uma delas é mover-se.
A alma que cria contendas, por onde passa, ainda não adquiriu confiança em Deus nem em si mesma; mora na dúvida, e respira em todos os tipos de incertezas, e eis aí um dos grandes martírios: Não confiar. 
 

Foge da arenga, se esse for o ambiente das tuas conversações, e procura inspirar os desejosos de hostilidade, em ideais elevados, de acordo com a tua capacidade de discernir as coisas.Não alimentar conflitos já é um princípio da mais alta benevolência. 

Abramos, pois, um crédito na vida universal, para que ele possa confiar na micro vida inteligente, em intenso processo de despertamento. 

Se estás lendo esta mensagem, não é por força do acaso, como às vezes se diz. Estás sendo escolhido e chamado para nos ajudar a difundir a harmonia divina no seio da luta humana.

Teu exemplo de fé despertará esperança, alegria e saúde para todos os seres, mesmo que a tua consciência não participe desse fenômeno, movido pela vontade do Criador. Trabalhe e confie, que o resto alguém fará por ti e para ti.



Por Leunamme às 18:32:45 | Comentários (0)
Motivação Para Descrença (Andy Diestelkamp) - 12/11/2009

Eu sempre fico intrigado com aqueles que não crêem e especialmente aqueles que trocam sua fé em Deus por agnosticismo ou ateísmo. O que é que vira as mesas e os convence de que não há Deus? Qual evidência é apresentada que seja tão convincente para que a fé em nenhum Deus pareça mais razoável do que fé em Deus? Provavelmente terá pouco que ver com evidência e muito a ver com o fato de que fé em Deus interfere ou exige mudança no estilo ou na orientação na vida. 

Aldous Huxley, um notável humanista do início do século XX, admitiu "Eu tinha motivos para não querer que este mundo tivesse um significado; consequentemente assumi que não tinha nenhum, e fui capaz de encontrar, sem nenhuma dificuldade, razões para esta suposição. Para mim mesmo, a filosofia da inexistência de sentido era essencialmente um instrumento de liberação, sexual e política" (Ends and Means, 270).

Se os incrédulos professos fossem honestos consigo mesmos, creio que eles teriam que admitir do mesmo modo a abordagem da evidência pró e contra Deus com a mesma predisposição. É muito interessante que os crentes sejam frequentemente retratados como preconceituosos e mesmo cegos pela sua fé. São os humanistas que gostam de se caracterizar como livres pensadores e totalmente desligados de dogma religioso.

Paul Kurtz, outro humanista, escreveu, "O primeiro princípio do humanismo secular democrático é seu compromisso com a investigação livre. Opomo-nos a qualquer tirania sobre a mente do homem, quaisquer esforços por instituições eclesiásticas, políticas, ideológicas ou sociais para algemar o livre pensamento" (Uma Declaração Secular Humanista, 1980, pág. 10-11).

Certamente, não sou nenhum humanista, mas em princípio apoio a investigação livre e a encorajo, especialmente no que toca a assuntos de fé. Admite-se que muitas pessoas religiosas não o fazem, porque sua fé é fraca ou indefensável. Contudo, o livre intercâmbio e a consideração de ideias opostas somente aumenta a aparência da verdade sendo abraçada. Muitos em ambos os lados da questão da fé em Deus têm uma atitude de "não me confunda com os fatos". A verdade não teme investigação ou desafio. O humanista declara apoiar a livre investigação mas realmente não crê nela. Considere a seguinte citação (também de Paul Kurtz) como prova.

"Hoje a teoria da evolução está novamente sob pesado ataque pelos fundamentalistas religiosos... Deploramos os esforços feitos pelos fundamentalistas... para invadir a salas de aula de ciências, exigindo que a teoria criacionista seja ensinada aos estudantes e que seja incluída nos livros de texto de biologia" (ibid, pp 21, 22).

O que aconteceu com a crença de Kurtz na livre investigação? Ele diz que quem crê na criação deverá ser livre para exprimir seus pontos de vista na sociedade, porém não na sala de aula de ciências. Por quê? "É uma impostura mascarar um artigo de fé como verdade científica e impor essa doutrina no currículo científico. Se conseguirem, os criacionistas podem minar seriamente a credibilidade da própria ciência" (ibid).

Mas criacionismo e evolução têm a ver com origens. Nenhuma delas pode ser repetida experimentalmente. Neste sentido, ambas são teorias. Porque a evolução pertence à sala de aula de ciências, mas o criacionismo não? Preconceito é a única resposta.

Se a doutrina religiosa que pode ser de alguma relevância para as teorias científicas sendo consideradas são ameaças para a integridade da educação e a credibilidade da ciência, então as doutrinas humanistas são igualmente ameaçadoras. Por que não é uma impostura mascarar um artigo de fé humanista (macroevolução) como verdade científica e impor essa doutrina no currículo científico? Os humanistas têm tido sucesso em fazer isso com a teoria da evolução e têm, por isso, minado seriamente a credibilidade da própria ciência.

"Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras de suas mãos" (Salmo 19:1). O verdadeiro livre pensador olha para a criação, vê ordem e planejamento, e conclui que deve haver um poderoso planejador. Diz o insensato no seu coração: Não há Deus (Salmo 53:1), e não tem desculpa por tirar uma tal conclusão (Romanos 1:18-23).



Por Leunamme às 12:56:46 | Comentários (0)
Falsidade - 08/11/2009

“É triste...! Mas quando falta autenticidade, o que sobra no ser humano é a falsidade... E assim fica difícil confiar em alguém hoje em dia. 

Não existe mais uma completa harmonia nas relações pessoais de hoje... O que percebemos é que existe sim, uma desconfiança gerada entre as pessoas de uma forma geral... E observamos  isso em vários ambientes... Uns “comendo os outros”,  passando por cima e rindo de seus semelhantes, falando pelas costas muitas vezes de seus próprios familiares, sem ao menos pararem para ver seu próprio reflexo refletido no espelho. É muito triste... Essas pessoas não analisam o efeito e as consequências de seus atos sobre as outras pessoas.

E não é só com palavras, que uma pessoa pode ser falsa, ela pode ter um comportamento falso.

A falsidade é o que chamamos de mentira dissimulada, ela é a arma dos indivíduos que enganam os outros, para atingirem seus objetivos egoístas.

As palavras são como um jogo. E muitas pessoas não sabem como usá-las, e para fugirem da realidade mentem. Se escondem  no manto da falsidade. É uma espécie de fuga. Um blefe.

Mentir é enganar propositadamente aos outros... Mas a falsidade não acaba aí, só na mentira. A falsidade é muito mais ampla que a palavra propriamente dita. Ela atinge o comportamento. E o comportamento quando não é autêntico, aberto e verdadeiro, acaba por se esconder atrás de máscaras... Essa sim é a pior falsidade de todas. 

O comportamento inventado, manipulador e nem um pouco natural, podemos chamá-lo de comportamento teatral. Atitudes assim são repugnantes, e fazem com que nos afastemos  das relações sociais. As pessoas fogem da realidade, das perguntas da vida, das responsabilidades  com a verdade. 

É verdadeira a pessoa, que faz declarações verdadeiras, sem medo... que fala com o coração, que não segura suas emoções, ao contrário, ela as joga no mundo para voltarem de novo para si ... Pessoas assim são  transparentes, não precisam criar imagens, pois suas almas transcendem o que é material...! 

Quem tem comportamento autêntico e verdadeiro, não foge da sobrevivência na selva em que a gente vive... Pessoas assim enfrentam os problemas com a coragem e a força de um leão.! Qualquer pessoa tem potencial para ser um leão, ou um rato...! tudo depende de seu livre-arbítrio!!! 

" O homem é verdadeiro quando ama a verdade, ele a procura de novo, mesmo após tê-la abandonado..." 

Só a verdade, e o diálogo com ações gera confiança... 

Jesus não nos ensinou a sermos falsos e mentirosos, ao contrário, disse para sermos perfeitos, íntegros e justos... Como ele foi. "Eu sou o caminho, a verdade e a vida"... 

Aproximar-se da verdade é aproximar-se do criador!...”



Por Leunamme às 20:54:59 | Comentários (1)
Indiferença - Uma doença que mata (P. Guilherme Lieven) - 05/11/2009

O que é indiferença? Seria um desvio de comportamento, um costume, uma forma de sobrevivência, um mecanismo de defesa, de resistência, ou consequência do egoísmo e do medo? O fato é que todos nós, uns mais outros menos, somos indiferentes, "passamos ao largo" de muitas coisas, realidades, fatos e pessoas, em algumas situações, até de nós mesmos. 

A indiferença tem um poder devastador. Ela é a companheira doentia do dominador e opressor, também dos que preferem as desigualdades, a violência, o ódio e a morte. Os indiferentes, de uma forma ou de outra, ferem, rejeitam, excluem, matam. Está correta a conclusão: o contrário do amor não é o ódio, mas a indiferença. 

Esta poderosa doença está presente em toda história dos seres humanos, ela é milenar. Já nos relatos bíblicos a indiferença é apresentada como um comportamento que impede a vida, a salvação do outro, a cura, gestos de solidariedade. Cito somente duas cenas bíblicas. Primeiro a história de Jonas, ele foge da sua missão. No navio dormiu, ficou indiferente à tempestade que ameaçava a vida dos marinheiros. Enquanto fugiu da sua missão ficou indiferente a tudo e a Deus. Cito, ainda, a parábola do bom samaritano (Lc 10). O sacerdote e o levita passaram ao largo da vítima do assalto. Preferiram a indiferença e negaram-lhe socorro e cuidado. O samaritano, uma pessoa simples, atendeu aos gritos da vítima. Com facilidade verificamos que a indiferença das pessoas causou sofrimento e morte na história da humanidade. 

Creio que podemos resistir, nos defender e sobreviver, resgatando e desenvolvendo outros valores e mecanismos de relações humanas que, por sua vez, passam ao largo da indiferença. A vida comunitária de fé associada ao exercício saudável da cidadania é um milagroso remédio contra o mal da indiferença. Quero dizer que uma espiritualidade participativa, fundamentada no evangelho, e o exercício de uma cidadania ativa tornam-nos atentos e ligados a tudo e uns aos outros, envolvem-nos com o sofrimento do outro e com a alegria de todos. É por isso que cremos na renovação da vida. O amor e a graça de Deus anunciam diariamente para nós a possibilidade de renascimento e desperta-nos para a ação pela vida, para o envolvimento comunitário e social. Quando não nos isolamos em nossos "mundinhos", quando evitamos pensar só em nós mesmos, quando abrimos nossos olhos e ouvidos, os sinais, a graça e o amor de Deus nos constrangem e denunciam a nossa indiferença, movendo-nos para caminhos novos que transpiram vida, justiça, esperança e paz. 

Uma vida social ativa e a fé no Deus da justiça e da paz, vivo, nos levam a uma saudável e constante briga contra a indiferença, impedindo que ela crie raízes em nós, em nossa comunidade, em nossa sociedade.

Longe de nós a indiferença, esta doença crônica que causa sofrimento e mata. Que a paz e a voz de Deus abram sempre nossas algemas, descruzem nossos braços, desanuviem nossos olhos, despertem nossa paralisia e movam-nos para o companheirismo, para a alegria da partilha, do afeto, da solidariedade e da construção de esperanças.



Por Leunamme às 14:54:49 | Comentários (0)
Ajuda - 04/11/2009

“Seja quem for que procure seu auxílio, essa é a pessoa que você deve ajudar naquele momento. É seu dever satisfazer a necessidade da pessoa através de seu serviço, e esse será o melhor trabalho que você pode fazer no momento. O presente - quando você pode fazer alguma coisa - é o tempo mais sagrado. Você não vê o futuro porque seus olhos não podem percebê-lo. O passado já foi e não há nada que você possa fazer sobre isso. Assim, o presente é o melhor tempo para você cumprir seu dever e estar a serviço da pessoa que vem procurar sua ajuda.”



Por Leunamme às 21:12:18 | Comentários (0)
Para pintar o retrato de um pássaro - 01/11/2009

Primeiro pintar uma gaiola
com a porta aberta
pintar depois
algo de lindo
algo de simples
algo de belo
algo de útil
para o pássaro
depois dependurar a tela numa árvore
num jardim
num bosque ou numa floresta
esconder-se atrás da árvore
sem nada dizer
sem se mexer… Às vezes o pássaro chega logo
mas pode ser também que leve muitos anos
para se decidir
Não perder a esperança
esperar
esperar se preciso durante anos
a pressa ou a lentidão da chegada do pássaro
nada tem a ver
com o sucesso do quadro
Quando o pássaro chegar
se chegar
guardar o mais profundo silêncio
esperar que o pássaro entre na gaiola
e quando já estiver lá dentro
fechar lentamente a porta com o pincel
depois
apagar uma a uma todas as grades
tendo o cuidado de não tocar numa única pena do pássaro
Fazer depois o desenho da árvore
escolhendo o mais belo galho
para o pássaro
pintar também a folhagem verde e a frescura do vento
a poeira do sol
e o barulho dos insetos pelo capim no calor do verão
e depois esperar que o pássaro queira cantar
Se o pássaro não cantar
mau sinal
sinal de que o quadro é ruim
mas se cantar bom sinal
sinal de que pode assiná-lo
Então você arranca delicadamente
uma das penas do pássaro
e escreve seu nome num canto do quadro.
“Paroles” (1945) – Jacques Prévert



Por Leunamme às 16:23:51 | Comentários (0)
Enfrentando os percalços da vida - 31/10/2009

“Tal como numa película cinematográfica, nossa vida é composta por vários quadros, a qual a cada segundo vai se compondo numa obra de arte. Dentro dessa história, que desejamos contar, temos como “script” nossos projetos de vida. Arriscar-se a vivê-los é o que desejamos fazer; mesmo que não tenhamos a vivência daqueles que já passaram pelos percalços da vida e aprenderam a superá-los. Mas, por mais que outras pessoas tendam a nos recomendar cautela ou até mesmo a nos advertir sobre como devem ser os nossos procedimentos, nem sempre estamos interessados em acolher suas sugestões.

Podemos ter a pretensão de que nada do que pensamos possa dar errado. Muitas vezes, acreditamos cegamente que todos os nossos planos vão se cumprir como desejamos. Projetamos nossa vida profissional imaginando que logo após o término da faculdade conseguiremos um bom emprego com um bom salário; etc. Outros projetos incluem casamentos e filhos e na maneira como queremos educá-los… Nada poderá acontecer diferentemente daquilo que foi idealizado.

Achamos – e, por vezes, julgamos – que as dificuldades enfrentadas por outras pessoas, como o desemprego, as desilusões ou qualquer outro fato que as tenha feito se sentir frustradas –, são resultados de suas próprias falhas. Como, por exemplo, ao analisarmos a situação de alguém que viveu o desemprego, julgamos que ele talvez não tenha sido um funcionário exemplar. E aos que experimentaram decepções num relacionamento, de acordo com nossa perspectiva limitada, muitas vezes, julgamos que eles não tenham sido tão espertos como acreditamos que deveriam ter sido; e assim por diante. Corremos o risco de – na soberba de quem está fora da situação – julgar e, talvez, condenar a outrem apenas por aquilo que tomamos conhecimento.

Com o decorrer da nossa própria existência, vamos percebendo que infelizmente não temos o controle das coisas nem a onisciência de que gostaríamos. E assim como o futuro não poupa em surpreender a outros; da mesma forma, não nos poupará.

Ao sairmos para um passeio, imaginamos acessar uma determinada rodovia, calculamos o tempo de percurso, estabelecemos as possíveis paradas para descanso, estimamos o horário de chegada, etc. Fazemos tudo como se nada pudesse sair errado; entretanto, se alguma coisa não acontecer como havíamos planejado, não desistiremos do passeio. Ao contrário, pensaremos rapidamente numa alternativa para que seja possível cumprir o que nos propusemos a realizar. Ter em mente um objetivo a ser cumprido ajuda a nos preparar para as possíveis mudanças e inesperadas adaptações aos planos.

A mesma disposição é necessária também para os percalços que a vida nos prepara. Por maiores que sejam as surpresas reservadas por ela [vida], as dificuldades não podem nos fazer desviar do caminho, fazendo-nos deixar de acreditar em nossa capacidade de cumprir o que havíamos projetado como meta a ser alcançada.

Muitas vezes, devemos estar preparados para assumir um “desvio” que a estrada da nossa vida nos força a tomar, mesmo que não seja uma atitude fácil de se aceitar. Por muitas vezes, ouvimos os mais velhos nos dizer que na vida tudo passa… Enfrentar os fatos e entender que não podemos ficar parados no problema – ajuda-nos a encontrar as saídas necessárias para o impasse momentâneo.

Assim como não desistimos de nossos passeios por conta de um contratempo, como um pneu furado por exemplo, da mesma forma não devemos desistir dos nossos projetos de vida. Ainda que as situações adversas possam levantar barreiras de dificuldades, elas não têm o poder de apagar os nossos planos e projetos. Afinal, sabemos que os desafios, que teremos de enfrentar, não se comparam às alegrias que sentiremos ao superá-los. Entendendo que não estamos imunes aos erros, aprendamos, assim, a ser lentos em julgar e ávidos por auxiliar aos que enfrentam dificuldades, com palavras e atitudes de conforto.
De outro modo, de que serviria uma pessoa que se auto-intitula amiga?”



Por Leunamme às 17:32:31 | Comentários (1)
Sobre a pouca importância de Deus (Leandro Diniz) - 29/10/2009

“Se Ele está lá em cima ou aqui ao lado, ou ainda, em todo lugar, não interessa. Isso não faz a mínima diferença e nunca fará. Primeiro porque a vida é tão complexa e cheia de mistérios que não seria nenhuma surpresa nos descobrirmos errados, mesmo agindo certo (de acordo com seja lá que moral ou norma de conduta) e certos, mesmo agindo de forma errada.
A vida é absolutamente caótica e não segue nenhum rumo visivelmente pré definido. Achar é a principal derrocada do ser humano, quanto menos acharmos, mais possivelmente bem viveremos. E esse viver, não requer nenhuma moral, ou ainda alguma ética. Já que o viver não depende de nós.
Olhe para si mesmo, quanto de si mesmo você pode determinar? Basicamente tudo o que tens, de você mesmo, foi estipulado pelo meio em que você vive. Você não escolhe sua genética, não escolhe seus pais, não escolhe suas definições de personalidade. Achar-se livre é ser bitolado. Achar-se tolhido e sentir-se oprimido é ser mais livre que muitas pessoas soltas no mundo.
O próprio mundo não interessa. Do momento em que cada ser tem sua visão parcial do mundo ele passa a ser uniformemente impossível de uma moral, cada um tem seu ponto de vista, e, consequentemente, vê e acha isso ou aquilo melhor. Achar que não há nada melhor ou pior é um outro passo importante para ser livre.
Ser livre, se dependermos da filosofia religiosa a liberdade está aí para não servir para nada. Só poderíamos agir de um jeito e esse jeito deve seguir a todo um conjunto de regras. Seria bom se não fosse impossível seguir-se a risca esses mandamentos, regras, esses paradigmas.
Aprender que tudo o que nos rodeiam nos definem e nós que definimos tudo o que nos rodeia é se ver no meio do paradoxo que chamamos vida. Creio que não podemos voar por conta própria porque não acreditamos nisso de fato. Creio que não podemos ser mais do que somos porque nos acreditamos pequenos.
Somos Deus e Ele é nós. Nessa simultaneidade temos o nosso paradoxo único da vida, somos o que somos, procurando não sermos, e buscando fora de nós o que só podemos encontrar dentro de nós. O vazio. Somos átomos, que por uma certa razão probabilística se arrumaram nessa formação que somos nós. Somos átomos e vazio. Aceite ou não a nossa configuração é assim.
Tudo é átomo e vazio, creia ser Deus o vazio que nos engloba, creia sermos os átomos. Deus está em tudo e tudo é Deus. O grande vazio entre nós, entre nossos átomos, é divino? O vazio não fala, o vazio não tem moral, o vazio não é nada, além de vazio.
Existe Deus? Sabe-se lá, é preciso crer Nele para ser bom? É preciso ser religioso para se agir de forma a uma convivência pacífica? Não, porque se bastasse não teríamos tantas desgraças causadas pelo ego humano.
É preciso, primeiro, crer em nós mesmos. Átomos e vazio. Somos isso e somos constituídos pelo vazio que nos engloba. Além de nós não resta nada, o mundo fora de nós não é nada, pois quem o define somos nós. Quando crianças somos adestrados a definir o nosso próprio mundo, de acordo com os moldes passados por outros, mas sempre contribuímos com nosso toque para florear o mundo.
O que é a vida senão o romance da crueza, da nudez dos átomos envoltos por vazio? Fazemos nosso próprio romance de nossa vida. Que não passa apenas de um eterno esboço que se perde assim que se completa uma outra parte dele. Estamos nesse fluxo inacabável de futuros passando pelo presente e virando imediatamente passado.
Essa ideia chega a ser perturbadora, ela não nos dá chance a viver o presente. Creio que vivemos no eterno presente. A eternidade como ideia de atemporalidade, do que uma extensão infinita de tempo. Vivemos no presente apenas, para sempre. Nossa memória nos dá a ilusão de passado que temos e com ela projetamos o futuro. Ilusão. Nada além de vazio e átomos.
Temos o aqui e o agora. Temos somente uma única coisa. A vida. Ela é constituída pela morte também. Mas a morte é o fim do ser, e como a vida é a única coisa que temos, como certo, fazemos dela o melhor possível. Quem consegue viver sozinho?
Aqui esbarramos no romance de nossa vida com o romance dos outros. Precisamos fazer um mega romance. Sem nunca contar com a compreensão do outro assim como o leitor nunca vai compreender o que se passa pela cabeça do autor. Crer que o que o autor eterniza em suas palavras é o que ele pensa é crer-se ilusoriamente dono de uma verdade, ilusória.
Somos, então, vazio e átomos. Com uma ideia romantizada da verdade indubitável. Tentando conciliar nossos romances com os romances alheios, achando crer que entendemos os dos outros e tendo fé que os outros entenderão os nossos.
É muita esperança e pouca fatuidade. Ajamos com os fatos. Temos que fazer as coisas e não esperá-las acontecer divinamente. Vivamos o presente vazio agora, pois é o único que temos e sabe-se lá que tipo de deus vai estar nos olhando, apenas sabemos que não é necessário crer nele para ser bom, pois ser bom é ser a favor da única coisa que temos, nossa vida, nua e crua. Nada é bom, nada é ruim. Desejo apenas.
Se eu desejo, meu desejo transforma aquilo em coisa boa. Se como algo que me faz mal, sofrimento, não o como mais. Essa é a única verdade que temos. O corpo sofre, não desejamos. O corpo regozija, desejo. Nossos desejos se encontram? Satisfaçamo-los conjuntamente sem que todos sofram o máximo nem um regozije o máximo. Moderação e paciência. As duas virtudes que abrem as portas a todo o nosso convívio. Faltam? Trabalhemos, não teremos outra vida para isso. Não teremos, nunca, mais que o vazio e os átomos. Trabalhe agora, modere agora, sê paciente agora, seja feliz, regozije. Sofrerás? Certo! Nunca duvide, apenas aprenda a viver de melhor forma a que a felicidade esteja mais presente. Sem esperar nada mais que o vazio. Afinal ele está e é tudo o que somos. Tirando os átomos, mas esses são apenas 10% do todo. Creia, somos vazios e quanto mais aprendermos a aturar o vazio melhor ficaremos, conosco. Quem duvida que o problema com os outros não é um problema conosco?
Creia, vazio e átomos, é tudo que terás. Se quiser a verdade. Se preferir o romance, necessário, mas só, farás sofrer. Preferindo sofrer a ser feliz, a vida é sua, o vazio todo seu. Deus, existindo ou não, não está nem aí para você. Ele é o vazio. Queira você ou não.”

 



Por Leunamme às 19:54:05 | Comentários (0)
A cama curta de falsas doutrinas (Dennis Allan) - 26/10/2009

Sete séculos antes do nascimento de Jesus, um pregador com uma mensagem messiânica avisou os povos de Judá e Israel das consequências dos seus pecados. Enquanto alguns ouviam, a maioria rejeitou as advertências divulgadas por Isaías. Continuou na rebeldia contra Deus, achando que o pecado não traria nenhuma consequência.

O seu desrespeito para com Deus foi alimentado pelos líderes - até os próprios líderes religiosos. Deus os descreveu como um bando de homens bêbados, incapazes de guiar o povo no caminho santo. Ao invés de preparar um banquete das delícias da palavra de Deus, eles ofereceram ao povo mesas cheias de vômito (28:7-8). Poderiam, pelo menos, ter apoiado o trabalho do verdadeiro profeta no meio deles, mas nem isso fizeram. Zombaram de Isaías, reclamando sobre a canseira de ouvir a palavra de Deus como mera repetição de preceitos e regras sem sentido (28:9-10). 

Hoje, é fácil imitar os pecados desses líderes israelitas. Muitos pastores e pregadores hoje não se esforçam a aprender e ensinar a palavra pura de Deus, se tornando contentes em oferecer mesas cheias de imundícia. Alguns têm até a ousadia de desprezar o estudo das Escrituras, pervertendo textos como 2 Coríntios 3:6 ("...a letra mata, mas o espírito vivifica") para desestimular as pessoas que querem aprender mais da vontade de Deus. 

O Senhor, por seu profeta Isaías, avisou o povo do efeito negativo desse descaso em relação à palavra. Prometeu trazer estrangeiros para castigar o povo, e afirmou que nem os líderes mais poderosos achariam saída no dia da vingança divina. 

Na sua arrogância, estes homens continuaram rebeldes. Gabaram-se da sua confiança diante das ameaças de Deus: "Fizemos aliança com a morte e com o além fizemos acordo; quando passar o dilúvio do açoite, não chegará a nós, porque, por nosso refúgio, temos a mentira e debaixo da falsidade nos temos escondido" (28:15). Confiando nas mentiras e falsidades, eles se acharam isentos do castigo. 

Muitas pessoas hoje agem da mesma maneira. Rejeitam as advertências e negam as evidências que mostram a existência do Soberano Deus. Quando alguém fala de princípios absolutos de moralidade e ética, eles zombam. As ideias de justiça divina, recompensa eterna e castigo no inferno se tornam matéria de piadas e brincadeiras. Várias religiões e filosofias negam propositalmente o conceito de justiça de Deus, inventando teorias de reencarnação que oferecem oportunidades infinitas para "acertar" a vida e se aperfeiçoar pelo próprio esforço, sem depender da graça divina. Todas as doutrinas que recorrem à ideia da reencarnação imitam a atitude dos israelitas condenados por Isaías. Os adeptos de tais filosofias dizem ter feito uma "aliança com a morte". De fato, correm para o fim da vida totalmente despreparados. 

Outras pessoas acreditam em alguma ideia de justiça divina, mas se acham isentas das consequências dos seus próprios atos de desobediência. Alguns confiam em doutrinas humanas que afirmam a impossibilidade de apostasia (uma vez salvo, salvo para sempre). Outros exageram o amor de Deus (enfatizando a misericórdia) ao ponto de negar a sua santidade (que exige a justiça e o castigo dos pecadores). 

Isaías utiliza linguagem vívida para descrever o estado de tais pessoas despreparadas para encarar o julgamento de Deus: "Porque a cama será tão curta, que ninguém se poderá estender nela; e o cobertor, tão estreito, que ninguém se poderá cobrir com ele" (28:20). Numa cama curta, é impossível descansar bem. Com cobertor estreito, não há proteção do frio. As pessoas que confiam nas falsas esperanças de doutrinas humanas não terão descanso eterno, porque não serão protegidas da ira do Senhor.

Como nos dias de Isaías, hoje há muitos líderes religiosos oferecendo suas mensagens confortantes, defendendo o egoísmo e justificando toda sorte de pecado. A cama que preparam parece bem arrumada e confortável, mas na hora que precisa de descanso e proteção, ela não servirá para nada!

Quando você olhar para frente, meça bem a sua cama e escolha um bom cobertor, pois tem uma vida só na qual pode se preparar para a eternidade. O único refúgio que oferece descanso verdadeiro é Jesus Cristo (Mateus 11:28-30).



Por Leunamme às 19:45:54 | Comentários (0)
Não estrague seu dia - 25/10/2009

“A sua irritação não solucionará problema algum. 

As suas contrariedades não alteram a natureza das coisas.

Os seus desapontamentos não fazem o trabalho que só o tempo conseguirá realizar.

O seu mau humor não modifica a vida.

A sua dor não impedirá que o sol brilhe amanhã sobre os bons e os maus.

A sua tristeza não iluminará os caminhos.

O seu desânimo não edificará a ninguém. As suas lágrimas não substituem o suor que você deve verter em beneficio da sua própria felicidade. 

As suas reclamações, ainda mesmo afetivas, jamais acrescentarão nos outros um só grama de simpatia por você.

Não estrague o seu dia. Aprenda, com a Sabedoria Divina, a desculpar infinitamente, construindo e reconstruindo sempre para o infinito Bem.”

 



Por Leunamme às 10:41:29 | Comentários (0)
Deus: uma tríade - 22/10/2009

“As pessoas são inseguras e imaginam a existência de algo que lhes sirva de esteio para poderem dar continuidade ao que estão subordinadas a fazer durante o ciclo vital. Para alguns, a existência de Deus é uma verdade irrefutável e o instrumento destas é a fé que, para muitos, é ausente. Notamos a outra face. A perda da fé. As lágrimas incriminam a crença como uma perda de tempo neste mundo triste, desigual e severo. Não, Deus não existe nos corações daqueles que têm, em seu histórico vital, as marcas indissolúveis. Há algo além de Deus? Não. Talvez. Sim.
Difícil converter-se quando a vida real machuca. Sentimos a dor e Deus se torna, simplesmente, um passado que fora escrito por pessoas que nem conhecemos. Dizem que a Bíblia é a palavra de Deus, mas quem testemunhou Sua oratória? Dúvidas surgem. A fé dissolve e, repentinamente, a fragilidade subtrai as nossas experiências valiosas e tentamos sobreviver com esse medo incomensurável e a vida perde a cor; os olhos, o brilho. O que nós somos? Quem somos? Por quê? Para quê? Por nada. Os miseráveis incrédulos falecem internamente e respiram através das fontes de motivações. Motivações? Quais? Eles não sentem a presença daquele que participou de suas vidas como a luz de um amanhecer breve. Um dia brilhante que logo exauriu. A fé cede lugar à revolta e a inveja forma os vândalos e os delinquentes. Alguém, ainda hoje, considera a origem do vandalismo uma dúvida pertinente, porque nunca pensou em como seria estar diante das dificuldades, ter tantas necessidades e ser tão difícil conter a sua indecisão entre o caráter e a fome. Alguém retruca e afirma que os delinquentes existem por conta do comodismo dos mesmos. Como se sentiria um grande empresário diante dessas dificuldades? Os desfavorecidos clamam por uma chance; os empresários, pela constância.
Há ainda dúvidas acerca da existência de Deus, porque nenhum cientista pôde provar, apesar da evolução da qual todos se orgulham. As pessoas acostumaram-se a crer a partir do ver. Devem ser descendentes de Tomé. O fanatismo de alguns camufla a descrença, porque eles precisam acreditar na existência de algo maior para sentirem a segurança da qual temos nos afastado. Os homens são indiferentes entre si e escrevem a trajetória de suas vidas com uma caneta falha. Querem, todos, uma espécie de revolução pessoal, mas estamos ociosos quanto a isto, porque transformaram o discurso acerca da esperança em senso comum.
Deus é como um pai e permite que seus filhos aprendam a viver. Ele não abandona ou vinga-Se. Nossas vidas dependem de nossos atos passados. A vida após a morte é um mistério. Aqueles que percebem o Deja Vu vivem uma nova chance. Não viemos ao mundo para consertar algum erro. Estamos aqui para aprendermos que devemos ser felizes. Complicamos com nosso egoísmo e nossos projetos afundam, porque não compreendemos que o erro é o teste, uma prova de resistência. Os mais fortes aprendem; os fracos, definham e tentam, constantemente, ser mais do que são. Sim, Deus existe. Ele ensinou a nós tudo e se, hoje, não lembramos, é porque a nossa teimosia é antiga, bem como tudo o que sentimos.
O homem é o desafio. O desafio é pessoal. O homem não deve olhar para o passado, o presente é o que importa. O futuro é consequência. A vida tornou-se um emaranhado de espinhos, porque os filhos, hoje, estão contra os pais. Estão contra o Pai.”



Por Leunamme às 13:40:17 | Comentários (0)
As nossas intenções (Richard Zajaczkowski) - 20/10/2009

Diz a máxima popular que, de boas intenções o inferno está cheio. Isso não deixa de ser verdade, pois quase sempre nos intrometemos em algo que não entendemos bem, mas o desejo de ajudar nos leva a dar palpites para realizar uma determinada tarefa na qual quase tudo acaba dando errado.
Na família, é comum vermos os pais ajudarem seus filhos realizando para eles um projeto, uma tarefa ou mesmo tomando decisões, para simplesmente facilitar suas vidas. Fazem isso pois ficam com pena de verem a prole debatendo-se para resolver por si mesma algo que para eles (os pais), que já têm experiência, é bastante fácil.
Nem de longe imaginam que agindo assim, tolhem aos filhos a oportunidade de desenvolverem suas próprias capacidades e experiências, posto que, é errando que todos nós aprendemos a fazer corretamente as coisas sob nossa responsabilidade. Na verdade, pouco valor damos à nossa existência, se ela não for vivida empiricamente.
Essa mania que temos de facilitar as coisas às pessoas que gostamos ou que nos dispomos a fazer um favor, não raras vezes impede-as de se auto-desenvolverem, fazendo com que nós nos tornemos muletas, para as quais elas sempre recorrem quando precisam de ajuda. Isso as torna escravas de suas próprias decisões, impedindo-as de formarem uma personalidade auto-determinativa.
Também temos boas intenções quando queremos ajudar nossos semelhantes, dando palpites de experiência de vida baseada nas nossas próprias. O resultado pode ser desastroso, isso porque, cada um de nós carrega uma carga psicossomática única e indivisível que é própria do indivíduo e que tanto pode ser boa quanto ruim, pois determinada experiência talvez resultasse ótima para uma pessoa e fosse indiferente para outra.
Como no conto a seguir, devemos observar o curso sábio da natureza e não interferir, simplesmente porque achamos estar fazendo o melhor: "Um homem, certo dia, viu surgir uma pequena abertura num casulo. Sentou-se perto do local onde o casulo se apoiava e ficou a observar o que iria acontecer, como é que a lagarta conseguiria sair por um orifício tão miúdo.
 Mas logo lhe pareceu que ela havia parado de fazer qualquer progresso, como se tivesse feito todo o esforço possível e agora não conseguisse  mais prosseguir. Ele resolveu então ajudá-la: pegou uma tesoura e rompeu o restante do casulo. A borboleta pôde sair com toda a facilidade... mas seu corpo estava murcho; além disso, era pequena e tinha as asas amassadas.
O homem continuou a observá-la porque esperava que, a qualquer momento, as asas dela se abrissem e se estendessem para serem capazes de suportar o corpo que iria se firmar a tempo. Nada aconteceu! Na verdade a borboleta passou o restante de sua vida rastejando com um corpo murcho e asas encolhidas. Nunca foi capaz de voar.
O que o homem em sua gentileza e vontade de ajudar não compreendia era que o casulo apertado e o esforço necessário à borboleta para passar através da pequena abertura eram o modo pelo qual Deus fazia com que o fluido do corpo daquele pequenino inseto circulasse até suas asas para que ela ficasse pronta para voar assim que se livrasse daquele invólucro.
Moral da história: algumas vezes o esforço é justamente aquilo de que precisamos em nossa vida. Se Deus nos permitisse passar através da existência sem quaisquer obstáculos, ele nos condenaria a uma vida atrofiada. Não iríamos ser tão fortes como poderíamos ter sido. Nunca poderíamos alçar vôo.



Por Leunamme às 20:08:36 | Comentários (0)
Trocar de vida - 14/10/2009

“Para que você entenda melhor vou lhe dar um exemplo: “Quando o dinheiro começa a se desvalorizar, muitas pessoas decidem converter o seu dinheiro em outro que não se desvalorize. Vão ao banco e entregam o dinheiro para que seja trocado, recebendo outro, correspondente ao valor. Assim que entregam o dinheiro que se desvaloriza, recebem o que não se desvaloriza.”

Na nossa vida também é possível uma transformação semelhante, mas para isso é necessário entregá-la para se receber outra em troca. Entregamos nossa vida, sem valor total, assim como está, com nossos problemas, debilidades, enfermidades e faltas. Entregamos nossa vida que se desvaloriza e em troca recebemos uma vida plena, aquela propagada por Jesus (a única em realidade que tem valor e que nunca se desvaloriza). É a única que vale a pena viver, porque é uma vida de alegria, paz, amor, justiça, compreensão, entrega, fecundidade e fé.

É um grande negócio: entregar nossa vida, desvalorizada pelas nossas faltas, e receber a vida de Jesus. Para isso, no primeiro passo, é preciso crer que a vida de Jesus vale mais que a nossa.

Que Deus nos dê a vontade e disposição de viver como São Paulo que, na fé, experimentou o “já não sou eu que vivo, mas é Cristo quem vive em mim”.

Nós entregamos a nossa vida, e Ele entrega a sua. É tudo o que temos por uma pérola preciosa de valor inestimável.”



Por Leunamme às 15:48:35 | Comentários (0)
Os sentimentos - 11/10/2009

“Os sentimentos são a maneira de nos percebermos. São a reação ao mundo que nos circunda. Cada um de nós age de acordo com os sentimentos que tem. Compreender nossos sentimentos é compreender a reação ao mundo que nos rodeia.

Temos de reconhecer, aceitar e manifestar os nossos sentimentos. Não podemos negá-los, reprimí-los ou racionalizá-los.

A maneira de lutar com nossos sentimentos e de trabalhá-los, será o ponto-chave para erradicar os conflitos. 

O mais importante, em qualquer forma de terapia é aprender a maneira de descarregar os sentimentos: a mágoa, a perda, a ansiedade, a raiva, a culpa, a depressão. Quanto mais reprimidos forem os sentimentos, menos energia teremos para ser nós mesmos.

O primeiro passo para libertar-se de emoções penosas, para descarregar os sentimentos é ser honesto com eles, o que significa declarar a verdade sem desculpa ou defesas, sem fingimentos nem restrições. Ou seja, reconhecer, aceitar os sentimentos.

O segundo passo para libertar-se de emoções incômodas, para descarregar os sentimentos, é manifestá-los abertamente, colocá-los para fora.

Por exemplo, para descarregar a raiva, devemos reconhecê-la e dirigi-la para um alvo especificado. A raiva, que é o resultado da mágoa, tem de ser identificada. E a melhor forma de libertar a raiva é partilhar a mágoa com a pessoa que nos ofendeu. Dizer: “Você me ofendeu, tenha mais cuidado no futuro”. Procure um encontro com ela, telefone-lhe, escreva-lhe uma carta.

Também, pode-se desabafar a raiva por meio de exercícios de ginástica, tarefas domésticas que consumam energia, dando uns murros no travesseiro da cama, fazendo esportes... 

Outros sentimentos, como a ansiedade, o medo, a culpa e a depressão..., podem liberar-se, superar-se, enfrentando-os. E a melhor maneira de enfrentá-los é admiti-los, aceitá-los, manifestá-los abertamente. Quando manifestamos abertamente nossos sentimentos, estamos menos ansiosos. No caso do sentimento de culpa este nos acompanha, porque não nos perdoamos, e não nos perdoamos porque não aceitamos ter falhado ou errado. 

O perdão, a si mesmo, condiciona o êxito de todos os outros perdões.”



Por Leunamme às 21:39:07 | Comentários (1)
Uma Idéia Melhor - 08/10/2009

 “Em uma pequena cidade, a cena causava espanto e admiração ao mesmo tempo, talvez porque o protagonista da história fosse um senhor bem idoso. Ele costumava passar o dia inteiro plantando árvores.
Certo dia, algumas pessoas que passavam por ali pararam, admiradas, observando aquele ancião a plantar mudas ao longo da rua. Lisonjeado com o interesse, o velho parou seu trabalho e explicou:
- Meus filhos andam sempre insistindo comigo para mandar fazer uma sepultura. Mas eu tenho uma idéia melhor. Obtive licença para plantar árvores nas ruas ainda não arborizadas, e é assim que estou gastando o dinheiro que poderia ser empregado num mausoléu. Já estou com 80 anos, e nunca vi ninguém procurar a sombra de uma sepultura para descansar, nem é num cemitério que a criançada vai brincar.
Daqui a 20 anos, meu nome estará completamente esquecido. Mas meus netos e outras tantas crianças estarão aqui para admirar e usufruir destas árvores. Ademais, quem passar por estas calçadas, nos dias de calor, há de achar agradável a sombra delas.

Impressionante a lucidez daquele homem que já vivera quase um século. A sua capacidade de discernimento era maior que a dos filhos que, certamente, não queriam se incomodar com a construção de um túmulo para o velho pai, quando este fechasse os olhos para o mundo dos chamados vivos. Utilizando-se dos próprios recursos, financeiros e de forças físicas, tratou de produzir coisas úteis, ao invés de construir o próprio túmulo e esperar a morte chegar.
Por certo deixara aos mortos, como o recomendara Jesus, o cuidado de enterrar seus mortos. Deixara para os filhos que estavam mortos para os verdadeiros valores da vida, o cuidado de enterrar aquele que pensavam estivesse morto, mas que em realidade estava mais do que vivo. Considerando-se sob esse aspecto, entenderemos por que é que quem faz o bem pensando nos outros, acaba beneficiando-se a si mesmo. E quem faz o mal, igualmente recebe o mal como resposta.
Esse é o efeito bumerangue, ou lei de causa e efeito, ou, ainda, o "a cada um segundo suas obras", ensinado por Jesus.
Quem planta flores, planta beleza e perfumes para alguns dias. Quem planta árvores, planta sombra e frutos por anos, talvez séculos. Mas quem planta idéias verdadeiras, planta para a eternidade.”



Por Leunamme às 14:14:00 | Comentários (0)
Os quatro Princípios Tolteca - 07/10/2009

Ao contrário do que muita gente pensa, a palavra “tolteca” não se refere a uma civilização específica e sim ao conjunto de conhecimentos citado; tolteca significa “homens de conhecimento”, pessoas que se dedicavam a estender os limites da consciência e da percepção.

A filosofia mágica tolteca é uma espécie de código Hamurabi pré-colombiano, porém bem mais sutil e com uma mensagem profunda e que toca nossos corações. Deveríamos notabilizar as coisas do passado e dar uma nova roupagem a elas. Edgar Morin nos diz que as novidades do mundo são na verdade reflexos de idéias antigas.

Espero sinceramente que gostem e que façam vibrar em uníssono as palavras dos 4 princípios, em seus corações e almas.

Nâmaskar

Seja impecável com a sua palavra

Fale com integridade. Diga somente o que você realmente quer dizer. Evite usar a palavra para falar contra você ou fazer fofocas de outras pessoas. Use o poder da sua palavra no sentido da verdade e do amor.

Isto me lembra muito da parábola sobre o sentido da necessidade das coisas,  em Sócrates. Somente podemos falar algo que é verdadeiramente útil e que não prejudique nenhum de nossos pares. A Fraternidade Universal agradece (e por favor, quando digo Fraternidade Universal remeto ao sentido global e não ao de uma seita ou organização, mas em um sentimento latente no coração de cada ser humano). Busque o sentido da Verdade… Acredito que a mensagem principal seja esta, mas o que será a Verdade? Acredito que qualquer palavra limitaria o conceito desta nobre idéia.

Não leve as coisas para o lado pessoal 

Nada que as outras pessoas fazem é por causa de você. O que os outros dizem ou fazem é uma projeção da realidade deles, de seus próprios sonhos. Quando você fica imune às opiniões e ações dos outros, você não será vítima de sofrimento desnecessário.

Caramba, mas isso sim é conselho neste mundo de pessoas perdidas e com a mania de perseguição. Alguém teria este estranho hábito? Eu já sofri muito deste mal e ainda sofro, porém cada dia é um passo para o crescimento. Quando dizemos que o mundo está contra nós estamos assumindo a posição mais egocêntrica em nossas vidas, pois achamos que somos o centro do universo e que tudo gira em torno dos nossos problemas e anseios. O mundo já é complicado demais para que se preocupem somente contigo, portanto deixe de “frescuras” e viva a sua vida.

Não faça pressuposições

Tenha a coragem de fazer perguntas e de expressar o que realmente você quer. Comunique-se com os outros o mais claramente possível, para evitar mal-entendidos, tristezas e dramas. Somente com esse princípio você poderá transformar completamente a sua vida.

Não vou nem comentar…

Sempre faça o seu melhor

O seu melhor muda de um momento para outro; será diferente quando você estiver bem de saúde e quando não. Em qualquer momento, faça simplesmente o seu melhor, e assim você evitará auto-julgamento, auto-abuso e arrependimentos.

Arrependimentos… isso é importante ser discutido, pois em todas as nossas relações sempre observamos outrem a reclamar de seus mal passos dados em relação a pessoa A ou B. Para que isto seja evitado, uma coisa é simples: busque ser a melhor pessoa que puder e não menos e nem mais. Assim, evitará problemas como os do tipo: – fulano nunca me amou e etc. Siga sempre a intuição humana que diz: – se você fez o melhor que pode então siga em frente e não viva coisas que já estão mortas para a vida em si. 



Por Leunamme às 18:24:35 | Comentários (0)
Pessoas Frustradas (Marcial Salaverry) - 03/10/2009

Existem pessoas que realmente carregam consigo uma enorme frustração em sua vida. E nem mesmo são capazes de dizer o porquê desse estranho sentimento. Simplesmente sentem-se frustradas e nem sabem explicar com o quê.
A parte mais triste é que alguém assim não se limita a carregar sua frustração pela vida, pois além de viver amargurado, deseja que o mundo todo também o seja. Não suporta ver pessoas bem-sucedidas na vida. Não consegue tolerar que outros obtenham sucesso. Faz-lhe mal saber que alguns têm competência, têm capacidades e fazem coisas que ele gostaria de fazer, mas falta-lhe capacidade para tanto e muito mais, falta-lhe força de vontade para mudar seu jeito mesquinho de viver.
Em vez de procurar fazer algo de bom em sua vida, limita-se a criticar tudo o que os outros fazem. Claro, é muito mais fácil criticar, apontar presumíveis erros no trabalho alheio, do que fazer a coisa certa. E assim, avoca-se esse direito. O de tecer críticas e comentários desairosos contra tudo o que os outros fazem.
Ora, se tem essa competência toda, se conhece tudo sobre a vida, se sabe apontar todos os erros cometidos, por que não procura fazer a coisa certa, em vez de se limitar a dizer que o mundo está errado?
É fácil afirmar que ninguém sabe fazer as coisas como devem ser feitas. Apenas ele, o supra sumo da capacidade e inteligência o sabe. Sabe, mas não faz. Aliás, nada faz para comprovar a assertiva de suas críticas. Limita-se a dizer que todos são incompetentes e burros.
Pessoas assim acabam se isolando do mundo, não conseguindo fazer amigos, salvo pessoas que compartilhem de suas ideias, que pensem da mesma maneira tacanha e passam a vida apenas destilando a peçonha de suas palavras. Tanto criticam, tanto ofendem, tanto magoam pessoas, que caem em descrédito total. Todos se cansam de sua amargura e terminam por não mais dar atenção, deixando-os falar sozinhos.
Devemos viver de uma maneira construtiva. É lícito ajudar outrem a corrigir seus erros, desde que a ajuda seja solicitada. Se percebermos que alguém está fazendo algo de uma maneira errada, podemos particularmente procurar apontar-lhe as falhas. Mas nunca procurar expor em público que não sabe fazer a coisa certa.
Criticar construtivamente é uma ajuda por vezes inestimável, mas fazê-lo destrutivamente, apenas provoca revolta. Existem diferentes maneiras para dizer que algo está errado e devemos fazê-lo de maneira a não ferir susceptibilidades. É muito mais agradável ouvir um agradecimento por uma correção feita do que perceber que magoamos alguém.
Ninguém gosta de ser chamado burro ou incompetente em público. Mesmo que o seja, nada ganhamos ofendendo-o.
Assim, para essas pessoas frustradas, cabe um ligeiro aconselhamento, sem criticar suas atitudes. Apenas recomendar uma reavaliação de suas atitudes. Procurar mostrar quantas inimizades já deixou em seu caminho e o que ganhou com isso. Quantas reações negativas já conseguiu com seus desmandos. E, principalmente, que pense bem. A melhor maneira de vencer suas frustrações é fazer algo de construtivo. E principalmente que causa muito maior satisfação íntima espalhar amizades do que inimizades nestes mares da vida.
Vamos procurar amar mais a vida adoçando-a com carinhos e boas atitudes do que a amargando com a mesquinhez de críticas destrutivas.



Por Leunamme às 20:07:02 | Comentários (0)
Abrindo os cativeiros que existem em nós (Fábio de Melo) - 30/09/2009

É hora de reação. A provocação foi feita. Neste mundo de sequestrados e sequestradores, há sempre um detalhe da história que nos toca. Ou porque vivemos um dos lados da trama, protagonizando o sequestro de alguém, ou porque estamos vivendo os lamentos de um cativeiro em que fomos colocados, ou porque simplesmente descobrimos que há muitas aplicações deste texto em nossa vida. Não importa onde estamos. O que importa é aonde podemos chegar. Não importa o que fizemos até agora, mas o sim o que podemos fazer com tudo o que fizemos até agora.

Creio que sempre é tempo de abrir cativeiros. Ou para que o outro saia ou para que nós saiamos. A qualidade da nossa vida depende da qualidade de nossas relações. Reorientar a conduta, sobretudo quando identificamos os desvios que nos levam para longe de nós mesmos, é a atitude mais sábia que podemos adotar. Reassumir a capacidade de voltar à posse do que somos e consequentemente dar ao outro o melhor que podemos oferecer é um jeito interessante que temos de humanizar-nos ainda mais.

Humanidade é processo a ser construído. Somos mais humanos à medida que somos livres, resgatamos os cativos e lhes devolvemos o direito de serem livres também. Promover a liberdade, defender e propagar a força da linguagem simbólica é uma forma interessante de traduzir o Evangelho nos dias de hoje.

Há muitos cativeiros a serem abertos. Há muitas prisões a serem quebradas. Preconceitos, visões apressadas, conceitos distorcidos, desumanizações em nome de Deus, cativeiros em nome do amor. Gente dominada, sem vontade própria, entregue aos domínios dos diabólicos de plantão.

Uma coisa é certa. O perigo do sequestro da subjetividade mora ao lado, e de alguma forma ele já nos atingiu. Em proporções diversas, em intensidades diferenciadas, esse malefício contemporâneo já nos esbarrou. 

O importante é a reflexão que podemos fazer. Repensar as relações que foram marcantes em nossa vida ajuda-nos na análise que precisamos fazer. 

Perguntas são sempre bem-vindas na vida de quem cresce. Há perguntas que não precisam ser respondidas com pressa. Elas pertencem ao mundo da reflexão que não pára. São perguntas que possuem o dom de fertilizar o plantio que somos nós. 

Perguntar-se é uma maneira interessante de se descobrir como pessoa. Por isso as perguntas são pontes que nos favorecem travessias. 

Eu não acredito que você tenha chegado ao fim deste texto sem que tenha se confrontado com algumas coisas que aqui foram ditas. Este não é um texto de teorias, mas é um texto ditado pela vida. Ele não nasceu das teorias que me acompanham. Foi o contrário. Ele nasceu da vida que antes eu vi, ouvi e vivi. Somente depois eu quis escrevê-lo. Antes, a vida; depois, o texto. 

É por isso que eu gostaria de finalizá-lo do mesmo jeito que ele começou em mim: com perguntas. Dessa forma ele não termina, mas continua em você, permitindo-me a proeza de continuar escrevendo de maneira tão eficaz e frutuosa. Se este texto continuar em você, conduzindo-o pelos caminhos tortuosos de sua construção humana, então já valeu tê-lo escrito. 

Se minhas palavras o fizerem pensar, e consequentemente agir com mais clareza e qualidade, então já valeu ter-me feito a primeira pergunta, a que originou o assombro inicial. 

E assim, dando continuidade ao processo que não pode parar, deixo algumas perguntas para que este texto não termine em sua última linha escrita. 

Dos relacionamentos que você já teve, quais foram as ocasiões em que verdadeiramente você foi modificado para melhor? Quais são as pessoas que passaram pela sua vida, que lhe deixaram saudades e que você faz questão de cultivar? 

Quem foram as pessoas que mais favoreceram seu crescimento afetivo, proporcionando-lhe uma relação em que pudesse entrar em contato com seus defeitos, qualidades, e consequentemente lhe ajudaram no processo de tornar-se pessoa? 

Onde é que você pode identificar, nas páginas de sua história, os acontecimentos em que sua liberdade foi promovida por alguém? 

O contrário também precisa ser perguntado. Quais foram as pessoas que mais deixaram marcas negativas dentro de você? Quais são as piores lembranças que estão registradas em sua memória afetiva? 

Quantas e quais pessoas desempenharam em sua vida o papel de sequestradoras, mantendo-o nos territórios minguados de um amor possessivo, desumanizador? 

Quantas vezes você pôde identificar em seu coração um jeito estranho de querer possuir o outro, impedindo-o de exercer sua liberdade? Será que você é lembrança doída na vida de alguém? Será que já construiu cativeiros? Será que já viveu em algum? 

Será que você já foi capaz de pagar o resgate de alguém? Com sua palavra, com sua atitude, com o seu jeito de viver? 

Será que já idealizou demais as situações, as pessoas e por isso perdeu a oportunidade de encontrar as situações e as pessoas certas? 

Se hoje você tivesse que classificar sua postura no mundo, você se definiria como uma pessoa simbólica ou diabólica? 

Sejam quais forem as respostas, não tenha medo delas. Mais vale uma verdade amarga que tenha o poder de nos fazer crescer do que uma mentira adocicada que nos mantenha acorrentados no cativeiro da ignorância. Hoje é dia de resgate. A porta já foi aberta. É só sair.



Por Leunamme às 14:02:01 | Comentários (0)
Fora da multidão - 28/09/2009

“Não há necessidade de retirar-se para uma floresta ou para uma caverna para conhecer sua Verdade interna e conquistar sua natureza inferior. De fato, enquanto vive em isolamento, a pessoa não tem a oportunidade de exercitar o controle sobre a raiva e outras fraquezas e, dessa maneira, a vitória alcançada pode não ser duradoura ou verdadeira. Vença a batalha da vida; esteja no mundo mas permaneça longe de seus grilhões. Essa é a vitória que você precisa alcançar.”



Por Leunamme às 11:19:08 | Comentários (0)
Cura para a ansiedade - 26/09/2009

- Baseado no texto bíblico de Gênesis 50.14-21 

“Todas as pessoas, ao longo de sua existência, sofrem traumas emocionais. Isso acontece quando somos “machucados” pela vida ou por pessoas, próximos a nós ou não. Os traumas emocionais podem deixar profundas feridas na alma. Sua dor é dupla, pois somado ao sofrimento do episódio em si, vem o senso de impotência. 

Entendemos que fomos incapazes de impedir a violência cometida contra nós. Vem o ressentimento por havermos sido injustiçados e o temor de que isso possa acontecer novamente, tornando a ferir-nos. 

Então fechamo-nos em nós mesmos, atrás de uma muralha construída de amargura, desejo de vingança, autopiedade, medo e desconfiança. 

Essa barreira que erguemos com o objetivo de nos proteger de novos dissabores pode até ser eficiente nesse sentido. Contudo, simplesmente impede-nos de viver. Armamo-nos contra a vida na tentativa de mantermo-nos afastados do que ela tem de ruim. Só que, assim, deixamos do lado de fora também o que ela tem de melhor. “Os muros que nos protegem contra flechas e lanças, barram também rosas e beijos”. (Jonh Stevens) 

Se analisarmos um exemplo Bíblico de um coração ferido – o de José – descobriremos que há cura para os traumas emocionais, para as dolorosas lembranças dos sofrimentos que nos são causadas por terceiros. 

1. A dor dos traumas emocionais 

Acontecimentos ruins podem pegar de surpresa a qualquer ser humano, deixando-o triste e até revoltado. E se alguém tinha motivos para tornar-se uma pessoa dura e vingativa era José do Egito. Ele foi daquelas pessoas que enfrentaram grandes e profundos golpes da vida ainda nos tenros anos da juventude. Ainda garotinho, perdeu a mãe, Raquel, que morreu ao dar à luz Benjamim, nas proximidades de Belém. Em casa, era perseguido e odiado pelos irmãos mais velhos – dez ao todo – filhos das outras mulheres de seu pai. Se sua infância não fora das melhores, a adolescência lhe reservava novas desgraças. Aos 17 anos foi raptado pelos irmãos e vendido como escravo a mercadores midianitas que viajavam para o Egito. E para piorar, na casa de Potifar, oficial egípcio para o qual os midianitas o venderam, ele sofreu assédio sexual de sua patroa, sendo depois caluniado por ela. Em virtude desta mentira, foi preso injustamente e amargou pelo menos 03 anos na prisão, cercado de criminosos e abandonado pelas pessoas às quais ajudara.

Tudo concorria para tornar José em um homem condenado à enfermidade e à tristeza. Mesmo que conseguisse recuperar a liberdade e recomeçar a vida, José, vítima de tantas injustiças, carregando uma coleção tão grande de lembranças dolorosas, tantas feridas abertas no coração, nunca mais seria feliz. 

Coisas ruins acontecem a todos. Qualquer um de nós não é imune ao sofrimento. Não nos isenta de dores, doenças, acidentes, contrariedades, traições, perdas, separações, injustiças, decepções e tantos outros reveses que povoam as possibilidades da existência humana. Jesus queria deixar seus seguidores cientes disso. Veja a sua declaração em João 16.33. 

Os traumas emocionais nos colocam na companhia de pessoas da estirpe de José... Sendo assim, o que realmente fará diferença – o que contará de fato para a vitória ou fracasso, para a felicidade ou desespero – não é se sofremos ou não traumas emocionais, mas, sim, a nossa atitude diante deles. 

2. A atitude de ressentimento 

A primeira atitude que podemos ter e a que acontece na maioria das vezes é essa – ressentimento. 

Frequentemente há ódio, raiva e ressentimento em nossa alma, associados às lembranças dolorosas. Esses sentimentos atualizam diariamente a dor que um dia sofremos. 

O ressentimento muitas vezes se apresenta como um empecilho à obra restauradora de Deus e do seu Santo Espírito. O Senhor quer nos curar, mas nós nos recusamos a isso. Recusamo-nos a esquecer. Somos como crianças que vêem seus machucados sendo cicatrizados, mas por causa da coceira, acabam arrancando a casca da ferida e o mesmo volta a sangrar. Conosco acontece de forma semelhante; Deus começa a nos restaurar, mas dizemos a nós mesmos: “Não, eu não posso esquecer”. Gostamos de manter a ferida bem viva. Mas o sofrimento, associado ao ressentimento, produz escravidão. Veja o que a Bíblia diz a respeito do perdão (II Co 2.10-11). José tinha tudo para se tornar um homem ressentido, entretanto perdoou, e Deus o levantou o segundo homem mais importante daquela época.

3. A atitude de perdão 

As cordas e correntes emocionais só podem ser rompidas por uma coisa: perdão. Foi a atitude de perdão que salvou José de tornar-se um prisioneiro do seu passado. Não abrigou em seu coração idéias de vingança. Além disso, recebeu seus irmãos no Egito, sustentando-os naqueles anos de fome. Os dias difíceis haviam passado e José soube deixá-los para trás. Sua vitória foi completa quando ele e seus irmãos puderam reconciliar-se, passando a desfrutar de um companheirismo que nunca haviam conhecido, nem mesmo na infância. Foi uma vitória total, completa e definitiva.

Foi uma vitória do perdão. Perdoar é mais do que uma demonstração de grandeza de caráter. É um ato de libertação e de conquista. Perdoar é usar uma arma contra a qual o inimigo não tem defesa, pois a partir do instante em que lhe perdoamos, não há mais mal que ele possa causar-nos.”



Por Leunamme às 23:10:12 | Comentários (1)
Suportar o inevitável - 25/09/2009

“Eu poderia suportar todos os males que a vida me impusesse, menos uma coisa: a cegueira. Isso jamais eu poderia aguentar.
 Estas foram palavras do famoso novelista e dramaturgo americano, Booth Tarkington, vencedor do prêmio Pulitzer.
 Cada um de nós poderia então questionar: dos males, das provas da vida, qual seria aquela ou aquelas que não suportaríamos?
 Todos temos limites e medos é certo. Então, até quando, ou, até o quê podemos, cada um de nós, suportar?
 O Sr Tarkington viveu uma experiência muito especial neste sentido.
 Um dia, quando já estava com seus sessenta e poucos anos, olhou o tapete que cobria o assoalho.
 As cores estavam confusas, opacas. Não podia distinguir o desenho.
 Foi a um especialista. Soube então da trágica verdade: estava perdendo a vista. Um olho já estava quase inutilizado; o outro seguia o mesmo caminho.
 Acontecera-lhe o que ele mais temia.
 E como foi que Tarkington reagiu diante do pior dos desastres? Será que pensou: Aí está! Eis o fim de minha vida...
 Não, absolutamente. Para sua própria surpresa, sentiu-se quase alegre. Lançou mão até mesmo do seu senso de humor.
 Pequenas manchas flutuantes perturbavam-lhe a visão, passavam-lhe pelos olhos e impediam-no de ver.
 Contudo, quando a maior delas passava pelos olhos, costumava dizer:Olá! Lá está o vovô de novo! Para onde será que vai nesta bela manhã?
 De que modo poderia o destino dominar tal Espírito? A resposta é: não poderia de maneira nenhuma.
 Quando a cegueira total o envolveu, ele comentou: Verifiquei que podia suportar a perda de meus olhos exatamente como o homem pode suportar qualquer outra coisa.
 Se perdesse todos os meus cinco sentidos, sei que poderia viver dentro da minha mente, pois é através do cérebro que vemos, e é nele que também vivemos, quer saibamos disso ou não.
 Na esperança de recuperar a vista, submeteu-se, nos anos seguintes, a mais de doze operações, delicadas, incômodas.
 Revoltou-se, por acaso, contra isso? Não. Sabia que isso precisava ser feito. Compreendia que não lhe era possível escapar de tal contingência. Aceitava tudo com extrema dignidade.
 Recusou o quarto particular que lhe reservaram no hospital e foi para uma enfermaria comum, onde pudesse estar em companhia de outras pessoas que também sofriam reveses.
 Quando teve que se submeter às repetidas operações, procurava se lembrar do quanto era afortunado:
 É maravilhoso! É maravilhoso ver-se como a ciência pode agora realizar operações numa coisa tão delicada quanto os olhos humanos!
 Muitos outros, passando por tudo que ele passou, teriam se transformado em trapos humanos e desistido de tudo, porém, Tarkington mostrou que é possível, que é sempre possível suportar o inevitável.
 
* * *
 Suportar o inevitável significa ter resignação, esta aceitação do coração ao que a vida nos impõe pelas leis naturais do Universo.
 Sabendo que Deus é soberanamente justo e bom, e que Suas Leis são perfeitas, não há o que temer.
 Os fardos que carregamos sempre são proporcionais à nossa capacidade de suportá-los.
 Os fardos sempre nos fazem mais fortes, mais esclarecidos e maduros, quando suportados com resignação e coragem.”


Por Leunamme às 16:55:47 | Comentários (0)
Pensar ansiosamente - 21/09/2009



Por Leunamme às 13:10:18 | Comentários (0)
Descobrindo Deus cientificamente - a diferença entre crer e saber - 17/09/2009

Ainda estamos no amanhecer da era científica, mas, quanto mais surge a luz, mais e mais se revela a obra de um Criador inteligente. Através da matemática podemos provar sem erro, que nosso universo foi projetado e executado por uma grande inteligência.  Suponha que você coloque em seu bolso dez moedas numeradas de 1 a 10 e tente retirá-las na ordem numérica.  Matematicamente sabemos que a chance de pegar a moeda número um, logo na primeira vez, é de uma em dez; de pegar a moeda numero 1 e número 2, em seqüência, é de uma em 100; de pegar as moedas de 1 a 3 em seqüência é de uma em 1000; e assim por diante: sua chance de conseguir pegar todas as moedas na seqüência correta seria de uma em dez bilhões.  Seguindo o mesmo raciocínio é impossível a vida na terra ter acontecido por acaso.  A terra gira em seu eixo cerca de 1000 milhas por hora na altura do Equador; se ela girasse 100 milhas por hora, nossos dias e noites durariam dez vezes mais e o sol provavelmente queimaria e destruiria toda a vida vegetal no primeiro dia e quando a noite chegasse, seria tão longa que congelaria qualquer broto que eventualmente sobrevivesse.  O sol, fonte de nossa vida sobre a terra, tem uma temperatura de dez mil graus fahrenheit em sua superfície e nossa terra está na distância exata para que esse calorão nos esquente apenas o suficiente!  Se o sol nos proporcionasse apenas a metade desse calor, congelaríamos e se desse um pouco mais do que dá, torraríamos.  A terra se inclina num ângulo de 23 graus, proporcionando as estações do ano; se não tivesse essa inclinação, fluidos oceânicos gerariam continentes gelados.  Se nossa lua estivesse um bocadinho mais distante do que está, nossas marés submergiriam os continentes duas vezes por dia; até mesmo as mais altas montanhas se encobririam.  Se a crosta da terra fosse apenas 3 metros mais espessa, não haveria oxigênio para a vida.  Se o oceano fosse só 3 metros mais fundo, o gás carbônico e o oxigênio seriam absorvidos e a vida vegetal não poderia existir.  É por estes e outros fatores que NÃO HÁ QUALQUER CHANCE de que a vida em nosso planeta tenha surgido por acidente.  É cientificamente comprovada a declaração do salmista: “Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento as obras de suas mãos.” (Sal 19.1)  O Senhor com sabedoria, fundou a terra; preparou os céus com inteligência. (Pv 3.16)

 

Cressy Morrison
Cientista, ex-Presidente da Academia de Ciências de Nova York.



Por Leunamme às 23:42:28 | Comentários (1)
Banquete - 16/09/2009

Que o seu chegar seja mais que um simples chegar. Que seja o símbolo de um tempo de demoras e permanência. Deitarei a toalha branca sobre a mesa e permitirei que suas pontas venham cobrir também a minha alma. Cada vez que nossa mesa é posta, muito mais que um alimento, a vida nos é oferecida! Que seja assim. Que nossa fome de amor e de fraternidade seja sempre saciada nos olhares dos quais nos serviremos.



Por Leunamme às 10:55:17 | Comentários (0)
O dinheiro - 13/09/2009

O dinheiro assegura o poder das formas na Terra, mas o dinheiro não é tudo.

Quantos irmãos nossos vendem o próprio tesouro do sentimento a outras almas que estão empenhadas na tarefa da abastança e fortuna, traindo a consciência. Tentam ser agradáveis não pelo prazer do bem, mas para acomodar-se a certas facilidades que a moeda pode proporcionar. Estes são frequentemente assaltados pelo medo e pelo questionamento imposto pelo raciocínio, a atormentar-lhes a vida e envenenar-lhes o sentimento.

O dinheiro é um recurso temporário cedido a tantas criaturas no nobre intento de fazer ao seu redor progresso, desenvolvimento e proteção.

Dirão que o dinheiro alivia a fome, é bem verdade; mas o dinheiro não é o alimento que nutre o Espírito por si só.

A poupança recheada que amealhaste repousa tranquila na segurança dos juros, que talvez amanhã não será utilizada por tuas mãos. 

O dinheiro é o instrumento que facilita a construção das estradas, a tecnologia avançada, a debelação de tantas enfermidades na pesquisa da Biologia e da Genética Humana, no entanto, esta benção será irrisória se não for movimentada com a finalidade nobilitante do amor ao próximo. Todo recurso malbaratado será cobrança adiada para o futuro.

Reconheçamos o justo valor do dinheiro na construção, na evolução, na resolução e na difusão do bem. É imperioso que ajustemo-lo ao pensamento retilínio e à Divina mensagem do Mestre Jesus no capítulo das necessidades próprias.



Por Leunamme às 23:43:08 | Comentários (0)
A Porta que Jesus Abriu ( Dennis Downing ) - 08/09/2009

O dia 11 de setembro é uma data que será sempre lembrada pelo povo dos Estados Unidos como o dia dos atentados contra as Torres Gêmeas em Nova York. Foi um atentado não somente contra civis inocentes, mas contra a própria liberdade.

11 de Setembro é também um dia de triste lembrança em outro país. Em 11 de Setembro de 1973, Augusto Pinochet liderou um golpe militar no Chile que impôs 17 anos de ditadura àquele país vizinho nosso.

De acordo com relatos oficiais, mais de 3 mil pessoas morreram ou desapareceram durante a ditadura de Pinochet. Um dos primeiros a perder sua vida foi o próprio Presidente deposto, Salvador Allende. 

Allende, político socialista, fora eleito em votação democrática no Chile três anos antes. Ele preferiu morrer em meio aos ataques do golpe militar, a se entregar. Ele se alojou no palácio conhecido como “ La Moneda ” e lá morreu num ataque impiedoso àquele local que simbolizava o governo democrático do Chile. 

Segundo relatos, Allende tinha o hábito de entrar e sair do palácio por uma porta lateral na Rua Morand, número 80. Não era a rampa oficial, nem um portão enfeitado e dourado. Era uma porta simples, que dava para uma rua comum. 

Era a porta por onde Allende entrava e saía, não como presidente, mas, como cidadão qualquer, sem cerimônia – um chileno comum. Essa era a porta que Allende preferia.

Num ato cheio de significado, depois que o cadáver de Allende foi retirado pela porta da Rua Morand, o ditador Pinochet mandou lacrar aquela porta. Era uma tentativa de sufocar qualquer memória do regime democrático e da liberdade Chilena.

Com seus soldados, canhões e serviço secreto, o ditador Pinochet manteve aquela porta fechada. Ele também manteve o povo do Chile preso e oprimido com sua mão de ferro. Cidadãos comuns foram presos e torturados. Outros desapareceram para nunca serem vistos pelos seus queridos. Todos que sofreram assim eram culpados da única falha de desejar e buscar a liberdade. 

Por quase trinta anos a porta da Rua Morand, número 80, permaneceu lacrada. Ninguém abriu. Ninguém passou por ela. Mesmo depois que a ditadura de Pinochet acabou, as sombras de seu poder e o medo da sua influência continuaram a manter a porta da Rua Morand lacrada.

Mas, numa Quinta feira, 11 de setembro de 2003, a porta da Rua Morand, 80, foi reaberta. Apesar de demorar 30 anos, a porta que simbolizava a liberdade de um país finalmente foi reaberta. E por ela passou o presidente do Chile, Ricardo Lagos, num ato carregado de sentido que dizia para o povo do Chile – “estamos livres novamente.” 

Livres da ditadura, livres da opressão, livres para escolher quem vai nos governar, livres para ir e vir.

A liberdade é uma das qualidades mais preciosas para o ser humano.

Revoluções e revoltas. As mais sangrentas batalhas e guerras da humanidade foram travadas para conquistar ou garantir a liberdade. 

Uma das poucas coisas pelas quais o ser humano é capaz de lutar e dar a sua vida é conquistar ou defender sua liberdade. 

Cerca de 1940 anos antes da reabertura da porta na Rua Morand em Santiago, Chile, outra porta foi reaberta.

Foi também um ato cheio de significado.
Foi também um evento marcado pelo derramamento de sangue. 

Naquele local havia também uma porta fechada e lacrada. Naquela ocasião houve a preocupação de enterrar para sempre as esperanças de um povo. 

Naquele dia também, parecia que a liberdade havia acabado. Parecia que o inimigo ganhara a batalha final. 

Mas, não era assim. 

E a resposta não demorou trinta anos Apenas três dias.

Esses três dias pareciam talvez como anos para o pequeno bando de seguidores. 

Para aqueles que viram seu líder brutalmente assassinado e enterrado, parecia que não havia mais chance, nem de sonhar. 

Mas, naquele primeiro dia da semana, as duas mulheres que foram ao túmulo cuidar do corpo de seu querido líder viram o lacre do túmulo quebrado, a porta aberta e encontraram um anjo poderoso, brilhando como um raio de sol, protegendo a porta aberta. 

Mateus 28:1-8 (NVI) Depois do sábado, tendo começado o primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro. E eis que sobreveio um grande terremoto, pois um anjo do Senhor desceu dos céus e, chegando ao sepulcro, rolou a pedra da entrada e assentou-se sobre ela. Sua aparência era como um relâmpago, e suas vestes eram brancas como a neve. Os guardas tremeram de medo e ficaram como mortos. O anjo disse às mulheres: “Não tenham medo! Sei que vocês estão procurando Jesus, que foi crucificado. Ele não está aqui; ressuscitou, como tinha dito. Venham ver o lugar onde ele jazia. Vão depressa e digam aos discípulos dele: Ele ressuscitou dentre os mortos e está indo adiante de vocês para a Galiléia. Lá vocês o verão.” 

Se a reabertura da porta da Rua Morand simbolizou liberdade para o povo Chileno, muito mais a reabertura do túmulo de Jesus significa liberdade para o povo de Deus. 

Liberdade do medo da morte. Liberdade da condenação eterna. Libertação das correntes do pecado. Livramento da opressão do inimigo que quer nos destruir. 

A liberdade é talvez o presente mais precioso que Cristo nos deu.
E é também um dos mais perigosos. 

A liberdade traz responsabilidade e conseqüências. 

A liberdade pode ser uma ponte para uma vida melhor.
Ou pode ser uma ladeira escorregadia para a destruição. 

Se Augusto Pinochet, ou outro igualmente autoritário e dominador, quisesse se candidatar a presidente do Chile hoje, ele poderia. 

E, se o povo Chileno esquecer as lições do passado e resolver escolher outro líder como Pinochet, eles têm essa liberdade. E eles sofrerão as conseqüências das suas escolhas. 

Você já percebeu como a liberdade é ligada ao conhecimento?Sem conhecimento você não está livre para usar um computador.
Sem conhecimento você não conhecerá a liberdade de dirigir um carro.
Sem conhecimento o trabalhador vive escravizado, o analfabeto permanece na ignorância, e o ditador continua mandando no povo, que não sabe que ele pode ser derrotado. Mas, com conhecimento vem liberdade.
Ninguém sabia disso melhor do que Jesus.

João 8:31-32  Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. 

“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.” 

Com conhecimento vem liberdade. Com conhecimento que vem para nós por meio da Bíblia, nós estamos livres para escolher ser livres para a eternidade. Com o conhecimento que obtivemos por meio de pregações e aulas na igreja, podemos alcançar a verdadeira liberdade. 

Liberdade do pecado. Liberdade da condenação eterna. Liberdade para escolher viver no céu pela eternidade. E liberdade para decidir o que fazer com este conhecimento. 

Você está livre para ignorar as aulas e pregações, para desprezar material didático que a igreja e os irmãos fornecem e nunca mais olhar. Você pode escolher o esquecimento. Você pode se dedicar ao conhecimento doutras áreas da vida – contabilidade, computação, cursos de inglês, etc.... Ou, você pode escolher fazer algo com esta liberdade que recebeu. Você pode decidir não deixar esse tesouro cair no esquecimento. Você pode decidir compartilhar aquilo que recebeu com outros. Você pode escolher encorajar outras pessoas a mudarem de vida como a sua foi mudada. Você pode decidir seguir adiante com seus estudos na Bíblia. Você pode aumentar e aprofundar seu conhecimento da Palavra de Deus. Você pode chamar outras pessoas a conhecerem também o verdadeiro caminho da liberdade.

As decisões, as opções são suas. Mas, eu quero lhe encorajar – faça bom uso da liberdade que você recebeu. Aproveite bem o conhecimento que Deus lhe deu. Aproveite bem, porque há tantas outras pessoas lá fora cambaleando nas trevas da ignorância, presas pelas correntes do engano, acorrentados pela escravidão do pecado. Você foi agraciado com o conhecimento que traz liberdade. Aproveite bem este conhecimento e esta liberdade. 

Jesus valorizou tanto o conhecimento porque ele sabia do poder libertador que traz. Ele sabia que, uma vez que um povo soubesse como se libertar das correntes do pecado, da condenação eterna, do medo da morte, esse povo estaria livre para sempre. Foi por isso que Jesus enfatizou tanto o ensino. Porém, para você continuar livre, você tem que agir. 

João 8:31-32
Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. 

Qual a condição fundamental para continuar na liberdade em Cristo?
Você tem que permanecer na Palavra de Jesus.
Você tem que praticar, viver aquilo que você aprendeu. 

Faça isso. Compartilhe o que você aprendeu com outros. Viva os ensinamentos de Jesus no seu dia a dia. Chame outras pessoas a seguirem a Jesus também. 

Fazendo isso você será um verdadeiro discípulo de Jesus, permanecerá livre da escravidão do pecado e ajudará outros a se tornarem livres para a eternidade. Tudo isso é nosso pela porta que Jesus abriu. Vamos passar por ela e nunca olhar para trás.



Por Leunamme às 20:46:44 | Comentários (0)
Deus quer aí morar! - 04/09/2009

 “A vida é divina, vem de Deus, e cuidar do corpo é importante para a saúde. Mas, com a consciência da fé, não nos esqueçamos de que, nesta “casa” bem cuidada, Deus quer morar: Somos templos de Deus! 

O egoísmo é destruidor. Quando voltados para nós mesmos, não percebemos suas consequências: Menores abandonados, corpos sofridos pela dor da fome e pela falta de recursos de toda a espécie, corpos mutilados pela guerra, farrapos humanos nas calçadas das avenidas, dos becos e recantos das grandes cidades. Talvez seja até nosso próprio vizinho. A ganância é antirreino, anticéu, anti-humana. Vi armas e soldados subalternos invadirem outro país em nome da paz, mas, jamais, eu e você vimos a invasão em terra alheia para matar a fome de irmãos e irmãs. 

A consciência cristã de que somos templos de Deus nos faz cuidar de nosso corpo, mas falta fé para quem pauta sua vida com os ensinamentos de Cristo e se esquece: dos famintos do mundo, dos corpos esqueléticos pela falta de partilha do pão, dos jovens que se refugiam na escravidão das drogas e do traficante, dos Menores sofredores das ruas e praças... 

Ah! Que bom cuidar do corpo. Mas é tão triste a vida que não se tornou partilha, amor e compaixão. É uma pena que ainda fazemos da religião um ato apenas pessoal, pois ainda não saímos o suficiente de nós mesmos para fazer do outro um irmão de verdade. Deus quer morar em meu irmão, e sou eu que tenho de abrir a “porta” para Ele entrar. Belo é nosso corpo como morada divina, mas é uma mansão onde mora uma alma que tem compaixão, amor, misericórdia, carregada de solidariedade e de perdão. Onde há amor e misericórdia, Deus aí está.”



Por Leunamme às 20:18:03 | Comentários (0)
Graça de Deus - 02/09/2009

 “A graça de Deus não pode ser conquistada através das ginásticas da razão, das contorções da ioga ou das negações do ascetismo. Apenas o amor pode conquistá-la. O amor que não precisa de recompensa; o amor que não conhece a pechincha; o amor que é oferecido alegremente ao Todo-Amoroso; o amor que não sofre oscilações. Somente o amor pode superar os obstáculos, por mais numerosos e poderosos que sejam. Não há força mais efetiva que a pureza, nem bem-aventurança que satisfaça mais que o amor, nem alegria mais renovadora que a devoção por Deus e nem triunfo mais louvável que a rendição.”

 



Por Leunamme às 18:00:12 | Comentários (1)
Perdão necessário - 01/09/2009

“O perdão é uma necessidade na vida de qualquer pessoa.
 Trata-se de um recurso que auxilia a seguir em paz a caminhada.
 A existência humana é cheia de percalços e decepções.
 A disparidade das personalidades causa pequenos e grandes atritos.
 Mesmo criaturas boas e honradas às vezes magoam os semelhantes.
 A própria dinâmica do mundo moderno dificulta que se dê a atenção devida às expectativas e aos sentimentos dos outros.
 Quem se permite acumular mágoas torna-se infeliz.
 Sempre há algo de ruim a ser recordado.
 Pode ser uma indelicadeza, uma falta de atenção ou uma palavra mal colocada.
 O homem que se dedica a procurar defeitos e ofensas certamente as encontra.
 Entretanto, a mesma pessoa que ofendeu, talvez sem querer, também auxiliou inúmeras vezes.
 É uma questão de escolher o que se deseja valorizar.
 O que é mais importante?
 Inúmeras gentilezas ou uma expressão grosseira?
 A discrição de uma vida inteira ou uma palavra indiscreta, lançada por descuido?
 A atitude generosa habitual ou um ato egoísta?
 Muitas amizades são perdidas porque alguém se afirma traído.
 Frequentemente essa traição nem é de grande monta.
 Trata-se antes de um momento infeliz, do que de algo premeditado.
 A respeito, vale lembrar a passagem evangélica em que Jesus é instado a manifestar-se sobre a mulher adúltera.
 Contrariando a expectativa geral, o Mestre afirmou:
 Aquele que estiver sem pecado atire a primeira pedra.
 A lição é que não pode julgar aquele cuja consciência não seja pura.
 Entretanto, as pessoas puras não se animam a julgar ninguém.
 No episódio bíblico, Jesus limitou-se a recomendar que a pobre mulher não mais pecasse.
 É importante ter em mente essa salutar lição.
 Quem na Terra possui a consciência totalmente ilibada?
 Para condenar um ato egoísta no próximo, é necessário ter sido sempre generoso.
Entretanto, a própria reprovação de um pequeno deslize já indica falta de generosidade.
Para se melindrar longamente com um comentário maldoso, impõe-se nunca ter falado mal de ninguém.
Quem remói a indiscrição de que foi alvo sinaliza ter sido sempre estritamente discreto.
Caso contrário, trata-se de um hipócrita, que faz o que reprova nos outros.
Na convivência social e familiar, é preciso lembrar que os seres humanos são imperfeitos.
Melhoram-se gradualmente com o passar do tempo e as experiências.
Para não se converter em uma criatura rancorosa e infeliz, o perdão é uma necessidade.
Mesmo quando somos alvo de alguma atitude realmente baixa ou cruel, persiste a necessidade de perdoar.
Somos todos espíritos muito antigos, com inúmeras reencarnações.
Nesse gigantesco caminhar, nem sempre fomos felizes em nossos atos.
Muitas vezes erramos, mas aprendemos com a experiência e seguimos em frente.
Consequentemente, não nos permitimos mais certas baixezas, que nos chocam.
Contudo, em nosso passado algumas situações clamam por corrigenda.
Se alguma grande dor nos atinge, não nos revoltemos contra quem é apenas o seu agente.
A causa reside em nossa consciência em desarmonia com as Leis Divinas, em nossa necessidade de experienciar certas decepções.
Perante situações inelutáveis e chocantes, não revidemos.
A capacidade de perdoar propicia libertação do passado e candidata a experiências mais felizes.
Em face dos equívocos alheios, é preciso perdoar, silenciar e esperar o tempo.”


Por Leunamme às 21:37:13 | Comentários (0)
Compaixão - 31/08/2009

“As pessoas deveriam mostrar compaixão por seu próximo, abandonando idéias e sentimentos limitados. A compaixão é a marca da devoção. Ninguém pode esperar agradar Deus sem mostrar compaixão por seus semelhantes. Um coração amoroso é o templo de Deus. Deus não pode residir em um coração sem compaixão. Não há nada maior no mundo que a visão imbuída com amor universal. Somente aqueles que vêem a unidade na diversidade aparente são bons. As pessoas precisam compreender que são centelhas de um Ser Divino. Precisamos desenvolver pensamentos sagrados e conduzir vidas ideais. Devemos buscar a promoção do bem-estar da sociedade. ”



Por Leunamme às 20:09:46 | Comentários (0)
Amor espiritual - 27/08/2009



Por Leunamme às 12:25:26 | Comentários (0)
O poder da paciência - 24/08/2009

 “Porque necessitais de paciência, para que, depois de haverdes feito a vontade de Deus, possais alcançar a promessa”. Hebreus 10:36

 

A Palavra de Deus promete que o homem paciente será perfeito e completo, e não lhe faltará coisa alguma. (Tiago 1:4). Um homem paciente é um homem poderoso, mesmo que as pessoas apresentem um comportamento difícil e desafiador ele se mantém amoroso e com bons pensamentos.
Sem paciência não podemos perseverar para vermos os resultados de nossa fé. Não recebemos nada após cremos imediatamente. Existe um período de espera no tocante a receber de Deus. É durante este período que nossa fé é testada e purificada. Só experimentaremos a alegria de vermos aquilo que cremos se perseverarmos e esperarmos pacientemente.
A paciência não é apenas a habilidade de se esperar, mas também a de se manter uma boa atitude enquanto se espera. Esperar é uma parte da vida que não pode ser ignorada. Vamos passar uma boa parte de nossas vidas esperando; se não aprendermos a fazer isto bem (pacientemente), seremos miseráveis. Deus é tão paciente conosco. E devemos imitá-lo.
Se encoraje a buscar efetivamente a paciência. Isto te levará para a dimensão do poder de Deus.

 

Ore assim:
“Senhor, me ajude a exercitar todo tipo de paciência, perseverança e longanimidade com alegria abundante (Colossenses 1:11). Em nome de Jesus, amém”.

 



Por Leunamme às 19:09:50 | Comentários (1)
Ainda existe isso? - 20/08/2009

Em um mundo onde o relativismo (doutrina filosófica que nega a existência de verdades universais absolutas, seja na área do conhecimento, da moral ou da religião. Segundo essa Doutrina Filosófica não existe verdade e nem valor moral absoluto. Cada pessoa tem a sua própria verdade, bem como a medida dos seus valores morais. Assim, o que é correto ou certo, ou moral, para um, necessariamente não precisa ser para outro. O conceito de certo e errado, de bem e mal, pode variar de pessoa para pessoa, bem como de lugar para lugar, podendo, ainda, modificar-se no tempo. Caso isso fosse verdade, não haveria como conceituar o que é e o que não é pecado. Cada homem seria livre para escolher sua maneira de viver. Esta maneira é claro, seria vivida de acordo com a filosofia hedonista que tem como princípio o viver com o máximo de prazer possível e empregando o mínimo de esforço.) impera, onde cada um tem a sua verdade, será que pode se falar de "pecado"? Muito diriam que não há mais lugar para esse tal de “pecado”! Em sua opinião há pecado na sua vida? Você vive no pecado? Você é pecador? Facilmente alguém diria que se trata da mesma questão, mas leia atentamente e observará que são três questões distintas e é essencial que sejam respondidas no seu coração!
Outro dia tomei sucessivos choques (estática) no balcão de uma padaria! Todas as pessoas que presenciaram o ocorrido davam risadas dos sustos que eu levava. Havia uma senhora no caixa que, brincando, disse que aqueles choques é porque eu era pecador! Achei estranha a associação, mas rapidamente eu disse para ela: "Infelizmente, sou pecador mesmo!". Poderia tem concluído como o pensamento de Paulo: "Quem me livrará do corpo desta morte? (...) Mas agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo e andam segundo Seu Espírito" Percebe? O que é "pecado" para você?
Em certa olimpíada, me lembro de  ter visto um atleta usando um arco e flecha para acender a tocha que estava no alto de uma torre. O mundo inteiro acompanhava aquela abertura e era primordial que esse "arremesso" acertasse o alvo. Imagine a responsabilidade deste atleta! Agora pergunto para você, e se ele errasse? Você já imaginou o desgosto dos organizadores, da platéia, do público, por causa de tal erro?
O "pecado" nada mais é do que "errar o “Alvo” do que Deus planejou para nós". O Senhor traça um caminho, o Caminho sobremodo "excelente", envia Seu único Filho, e nós insistimos em "continuar nas trevas", ter outras idéias e tudo mais. Isso é "errar o alvo"! Andar contra a vontade de Deus é pecar contra Ele.
"Se dissermos que não temos pecado nenhum, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós" (I João 1.8). Em Cristo vemos a Oportunidade de sermos definitivamente livres da "condenação" do pecado. Apesar disso ainda temos um corpo corrompido pelo pecado e há uma guerra espiritual em nossos membros. Paulo fala da derrota moral do homem: "Pois não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse faço!" (Romanos 7.19). E diz que a única Saída é Cristo, é nEle que temos a Vitória. Devemos permanecer nEle e Ele em nós!
Será que nós conseguimos seguir esses passos?



Por Leunamme às 21:21:29 | Comentários (0)
Colaborar com Deus - 19/08/2009

Você já pensou em como pode colaborar com Deus?
Já se perguntou alguma vez o que o Criador espera de você?
É comum ouvirmos pessoas dizendo que só a Deus cabe o destino das criaturas e das nações, mas, será que Deus não espera que façamos a parte que nos cabe?
É verdade que só Deus pode criar, mas você pode valorizar o que ele criou, começando por valorizar-se a si mesmo.
Só Deus pode dar a vida, mas você pode respeitá-la e honrá-la, dando-lhe valor e utilidade.
Só Deus pode dar a saúde, mas você pode preservá-la e orientar os outros para que também a preservem, a valorizem.
Só Deus pode criar a fé mas você pode cultivá-la através do estudo das leis que regem o universo, e dar o seu testemunho na hora que Deus lhe solicitar.
Só Deus pode infundir a esperança, mas você pode restituir a confiança ao irmão em desespero, evitando comentários desagradáveis que não levam a nada e nada constroem.
Só Deus pode criar as flores, mas você pode se encarregar de espalhar o seu perfume.
Só Deus conhece a essência do amor, mas você pode aprender a amar e ensinar o amor amando tudo o que Deus criou.
Só Deus cria o tempo, mas você pode valorizar as horas utilizando-as para grandes realizações.
Só Deus pode criar a paz, mas você pode semear a união e pacificar o mundo a sua volta, começando pela própria intimidade.
Só Deus cria a alegria, mas você pode sorrir a todos e fazer-se alegre para amenizar a dor do seu semelhante.
Só Deus pode criar a força, mas você pode conquistar a fortaleza e amparar quem se sente fraco a continuar caminhando.
Só Deus é perfeito, mas você pode buscar a perfeição em tudo o que faz.
Só Deus é a luz, mas você pode refleti-la através das boas obras, vivendo com dignidade onde quer que se encontre.
Só Deus é a vida mas você pode restituir aos outros o desejo de viver, semeando flores nos caminhos por onde passar.
Só Deus pode acender as estrelas, mas você pode fazer-se uma pequena chama a clarear a noite escura de quem segue a seu lado.
Só Deus pode fazer o que parece impossível, mas você pode fazer o possível, realizando a parte que lhe cabe na construção de um mundo melhor.
É verdade incontestável que Deus tudo pode, mas, sem dúvida, ele preferiu contar com você...

**************

Deus, Pai amoroso e bom, coloca à nossa disposição todos os talentos de que necessitamos para construir a felicidade tão desejada.
Mas, como Pai justo e misericordioso, permite que conquistemos o mérito do aprendizado pelo próprio esforço.
Deus quer que cada um dos seus filhos caminhe com as próprias pernas e aprenda tudo o que lhe diz respeito para a aquisição da felicidade suprema e da perfeição relativa que a todos nos aguarda.

 



Por Leunamme às 00:38:20 | Comentários (0)
Espiritualista - 15/08/2009

Espiritualismo
Parece mas não é!
Justamente ao contrário do que muitos desavisados pensam, Espiritualismo não é sinônimo de Espiritismo.
Na verdade
Toda e qualquer doutrina filosófica ou religiosa que acredite que o ser humano é um espírito imortal criado por Deus estará corretamente englobada no Espiritualismo.

 

Espiritualistas
Ao pé da letra e pela lógica
Espiritualistas deveriam ser todas as pessoas que comungam com aquela crença do Espiritualismo, que acabamos de ver.
No entanto
Na prática, e não se sabe por que, o termo "Espiritualista" intitula aqueles seres humanos cuja postura religiosa/filosófica, serenamente adotada, é eclética, ecumênica e universalista. 
Para tentar esclarecer
Analisemos as principais características do perfil dos Espiritualistas:
a - Embora se empenhem em expor os seus pontos de vista, eles respeitam todos os outros credos, até o ateísmo, e nunca movem uma palha sequer para conquistar adeptos porque eles firmemente praticam aquela máxima:
-- Cada um de nós tem o direito de crer no que quiser, porém com o dever de respeitar todas as crenças e opiniões alheias! 
b - Eles podem ter, e normalmente têm, afinidade com uma ou com algumas religiões e filosofias. Mas não são adeptos propriamente ditos e não professam uma única e exclusiva doutrina. No entanto, eles se sentem à vontade em qualquer templo ou igreja. Eles podem participar, até assiduamente, das atividades de uma ou mais doutrinas filosóficas ou religiosas.
c - Eles acreditam que as pessoas que se tornam fervorosas adeptas de uma única e exclusiva religião, ou filosofia, assumem compromissos (tácitos ou explícitos) de completa e irrestrita submissão e/ou lealdade com aquele credo. Para eles, os espiritualistas, tais compromissos são considerados como "amarras intelectuais" que impedem as pessoas de serem livres-pensadoras e de expandirem os seus conhecimentos através de imparciais estudos, conhecimentos e compreensões de outras idéias religiosas, filosóficas ou doutrinárias.
d - Eles consideram que a Verdade é uma só - porque é Universal - e que cada credo detém uma parcela (maior ou menor, correta ou não, desvirtuada ou não) da Verdade. Por este motivo, eles são extremamente interessados em conhecer a
parcela de Verdade de todo e qualquer credo.
Mas, ao contrário do que possa parecer
Os espiritualistas não se consideram "pessoas superiores", para as quais seria muito insignificante o abraçar de uma única e exclusiva religião ou filosofia ou doutrina ou credo.
E sim - Eles, nos exercícios do seus livres-arbítrios, apenas decidiram adotar uma postura religiosa/filosófica ampla, eclética, irrestrita e universal!

 



Por Leunamme às 22:41:40 | Comentários (0)
A Parte Que Nos Cabe - 13/08/2009

“Quando Jesus nos orientou sobre a idéia de que nossa mão direita não deve saber o que faz a esquerda, pretendia ensinar-nos que não deveríamos fazer publicidade do bem que praticamos.
 Afinal, quando fazemos algo de bom a motivação por tal atitude não deve ser o orgulho ou o desejo de que sejamos notados ou reconhecidos publicamente por isso.
 Essa prática deve ser estimulada pela consciência de que podemos e devemos fazer algo pelos outros.
 Mas o que fazer?
 Muitas pessoas lamentam não poder fazer todo o bem que desejariam por falta de recursos materiais para tanto.
 Porém, há muito a ser feito que dispensa a aplicação de grande soma de recursos financeiros.
 Se você não tem disponibilidade econômica para auxiliar os menos favorecidos na vida, quem sabe pode doar seu tempo em prol deles.
 Embora não haja muita divulgação na mídia a respeito, sabemos que existem muitos grupos organizados desenvolvendo diversos trabalhos voluntários.
 Há grupos de senhoras que semanalmente costuram retalhos que arrecadam para fazer cobertores para famílias carentes.
 Há aqueles que ensinam o que sabem para aqueles que não tiveram as mesmas oportunidades, desenvolvendo potenciais adormecidos, descortinando-lhes, assim, novos horizontes.
 Isso é promoção humana.
 Grupos de voluntários se dispõem a ensinar informática em núcleos carentes a fim de iniciar em tais conhecimentos pessoas que jamais teriam acesso a esses recursos pelos meios usuais.
 Há professores de música formando corais e dando as primeiras noções sobre esta arte, para crianças que vivem em favelas em situações de miséria.
 Há profissionais de saúde que se organizam e oferecem seu tempo, atendendo gratuitamente em consultórios comunitários, instalados em bairros de extrema pobreza.
 Há ainda, aqueles que assumem auxiliar uma criança, ou uma família, oferecendo-lhes o apoio que lhes seja possível, sem nada receber em troca.
 Existem inúmeros "bons samaritanos" anônimos espalhados pelo mundo.
 São pessoas que oferecem aos irmãos que sofrem, não apenas bens materiais, mas coisas muito mais valiosas: tempo e dedicação.
 Se você realmente deseja construir um mundo melhor, faça a sua parte para isso.
 Há tanto a ser feito.
 Tantos são os que sofrem.
 Muitos idosos aguardam por anos a fio, em asilos, a visita de alguém que se disponha a ouvi-los.
 Muitas crianças necessitam da orientação segura de alguém que possa ensiná-las e guiá-las por meio de exemplos nobres e dignos.
 Muitas são as pessoas que não tiveram chances de aprender um ofício ou mesmo a ler e a escrever, esperando por uma oportunidade nesse sentido.
 
...............
 Temos em nossas mãos tantos talentos e tantos recursos corroídos pela ociosidade e pelo egoísmo.
 Quantas horas mal utilizadas passadas diante da TV sem nada se fazer?
 Quantos finais de semana passados dentro de carros de um lado para o outro, sem que se vá efetivamente a lugar algum?
 Quanta vida passando sem que se faça nada de útil e proveitoso com ela?
 Não há motivo, nem sentido, retardar nossa ação efetiva no bem.
 Façamos, a partir de agora, a nossa parte, seja ela qual for.”


Por Leunamme às 22:38:01 | Comentários (0)
As palavras - 10/08/2009

"As palavras, embora sejam paupérrimas para expressar determinados sentimentos (positivos ou negativos), são a única forma eficaz que o homem dispõe para se comunicar. São, ao lado da consciência e da razão, distintivos do único animal racional da natureza. Por serem, quase sempre, ambíguas, requerem extremo cuidado na escolha. Há palavras que salvam e há as que ferem profundamente, dependendo de quem as diz, as ouve e das circunstâncias em que são ditas. Há momentos de sofrimento moral intenso em que uma só palavrinha, dita com amor, conta mais do que mil atos. John Updike nos lembra, no livro “O Encontro”: “As palavras, quaisquer palavras, são o modo de darmos a alguém uma parcela de nós próprios”. Sejamos, pois, generosos. Pratiquemos esse simples gesto de auto-doação. Não neguemos nunca palavras de consolo e de ânimo aos solitários, sofredores e aos que se sentem perdidos na vida, à procura de caminhos."



Por Leunamme às 20:56:19 | Comentários (0)
Contrato firmado! - 04/08/2009

“O casamento nada mais é do que um contrato! Lógico, não falo de contrato físico, um simples documento, mas consideremos o acordo que é firmado entre as partes (cônjuges).
Quando decidi no meu coração me casar, eu tinha certo propósito e seguramente minha esposa tinha "outro" propósito, apesar de ambos desejarem ficar juntos! Mas à medida que caminhamos neste projeto (casamento), nossos propósitos foram se alinhando de tal forma que verdadeiramente nos casamos! Percebe do que trata esse "contrato"? Fechamos um acordo de "andar juntos". "Na alegria ou na tristeza...", (quem é casado, se lembra?)
O desafio é lembrar constantemente o foco deste contrato! Quando nos casamos, decidimos andar juntos. Esse "andar juntos" significa estar em sintonia, ter mais interesse no outro do que em si mesmo e por ai vai. Enfim, só posso dizer que estou casado se me comporto como tal e ela da mesma forma.
Esse relacionamento nos dá uma boa idéia de como é estar em comunhão com Deus. Basicamente poderia dizer que quando o homem olha para a mulher como sendo sua "esposa" e ela olha para ele vendo-o como seu "marido", um permanece no outro! Quando olho para o Senhor e o vejo como "meu Deus", "meu único Senhor", e obedeço aos Seus mandamentos, eu permaneço nEle e Ele permanece em mim. Assim, o servo permanece no Mestre e o Mestre permanece no servo. Não como um ditador, mas como aquele que nos amou primeiro.
Ter Deus em si é buscar o que Ele quer, como por exemplo: Quando você entra no ônibus ou no trem, você se interessa em saber onde 'Deus' quer que você se sente? Talvez você ache isso muito simples para envolver Deus, mas pare para pensar na oportunidade! Isso é só um exemplo. Em quantos momentos da sua vida, no seu dia, Ele é envolvido? Será que você está em Deus e Ele está em você?
Uma coisa é certa, quando a "bomba explode" procuramos rapidinho estar nEle para ver se Ele nos livra dessa. Será que permanecemos nEle se só O buscamos mediante à dificuldades? Lembre-se, Jesus já foi até a cruz por nossa causa, o que mais poderíamos desejar? Em gratidão, permaneçamos nAquele que nos amou primeiro!” 



Por Leunamme às 19:54:19 | Comentários (1)
Oposto do amor - 03/08/2009

O oposto do amor não é, como se pensa, o ódio, porém a indiferença. E esta se caracteriza pelo fato de não se ligar a mínima a alguém, ignorando, até mesmo, sua existência. Trata-se da frieza suprema, do total pouco-caso, da completa ausência de sentimentos. O ódio, por exemplo, embora sempre destrutivo, não deixa de ser uma forma de paixão, porquanto leva em conta quem é alvo dele, mesmo que seja para o combater. Quem odeia, portanto, respeita, de certa forma, o desafeto. Já a indiferente nutre pelo antagonista supremo desprezo. Nada há de mais ofensivo do que essa infeliz atitude. François de Salignac de La Mothe, Duque de Fénelon, vai mais longe. Conclui que se trata de uma doença, de difícil (se não impossível) cura. Constata, numa de suas reflexões: “Entre todas as moléstias da alma, a mais grave é a indiferença”. Não deixemos jamais, pois, que ela se instale em nossas vidas e faça parte da nossa conduta.



Por Leunamme às 21:19:20 | Comentários (0)
Uma visita para você - 28/07/2009

Que ele chegue a sua residência, levando tudo aquilo que você está querendo e precisando.
São os meus votos.

Ele chegou antes do jantar aqui em casa.

Estivemos algum tempo falando e Ele seguiu para se encontrar com você.

Quando Ele chegar aí, por favor, O encaminhe para a próxima parada. Não O deixe parado.

A mensagem que Ele leva é muito importante e tem que dar a volta ao mundo.

Que Deus te abençoe por transmitir a mensagem.  

Caminhando por Jesus..

Digam uma oração e passe a outros.

A nossa missão é amar e espalhar o Evangelho pelo mundo.

Desejo ricas bênçãos pra você.

Faça a diferença na vida de alguém.

Ore assim:

Senhor!

Esteja a minha frente para me iluminar!

Esteja atrás para me proteger!

Esteja ao meu lado para me amparar! Amém!



Por Leunamme às 15:13:22 | Comentários (0)
A essência de ser "Bom". - 27/07/2009

 “Muitos falam por ai que o mundo está como está por falta de pessoas boas. Mas o que são pessoas boas? Quando definimos pessoas boas nos dotamos de uma hipocrisia sem tamanho. A verdade é que o mundo está cheio de pessoas que se acham muito boas, mas eu digo boa, no sentindo de bondade e caridade mesmo, não no sentido de ser bom em alguma coisa, como cantar, estudar, jogar futebol. Estou falando de BONDADE!
Principalmente no meio religioso encontramos pessoas achando que vivem fazendo o bem, mas nem fazem nada, mas na hora de contar suas qualidades estão com os lábios cheios de palavras lindas como: A bondade que vem de Deus está em mim, pois sou a imagem e semelhança de Deus. EU DIGO A VOCÊS QUE NÃO! Parem de humanizar Deus, parem de tornar o homem divino. Deus é divino e o homem é humano, não tem como nós sermos iguais a Ele, pensarmos como Ele. Nós somos parecido com Deus pois sabemos distinguir o bem do mal, e temos a capacidade e optar por um dos dois, e somos parecidos com Deus principalmente porque temos a capacidade de ESCOLHA entre esses dois pólos.
Porém, entre a bondade e a maldade existe uma complexidade de comportamentos tão grande que nem dá para citar todas. Por exemplo, existem pessoas que estão bem no meio dos pólos, não praticam maldade nenhuma, mas também nem fazem bondade. Nesse caso são pessoas inertes que não se posicionam, que não tomam partido para que algo seja feito em nossa sociedade que a faça melhorar. Mas também existem pessoas no extremo pólo Maldade, que estupram crianças, escravizam trabalhadores e etc, eu falo que isso é maldade para dar um conceito amplo e vulgar, mas poderia dar muitos outros nomes e muitas outras críticas.
A verdade é que o homem é essencialmente Bom (refiro-me a essência), mas quando nasce, a sociedade o transforma fazendo com que alguns se tornem pessoas melhores, que ajudam o próximo sem esperar recompensas, que praticam filantropia, que saem no natal distribuindo comida, que vão em orfanatos e casas de abrigo abraçando crianças, e fazendo tudo isso com amor, sem segundas intenções (eu quero sim, acreditar que isso existe). Existem também aqueles que não praticam ações sociais, mas são pessoas que transmitem bondade com pequenas atitudes, como ser um bom filho, ser um bom amigo, ser um bom vizinho, cidadão, aluno... Mas infelizmente existem os que só falam em bondade mais nada fazem a respeito, nem pros outros, nem para seus próximos, nem para seus amigos e muito menos a si mesmos. Vão morrer tendo realizado feitos pessoais, sendo melhores em algo só para engordarem seu ego.
Prefiro ser pequeno e ser bom para meus irmãos do que ser grande e nunca realizar nada para quem necessita, seja para alguém que necessita somente de um sorriso, ou seja alguém que necessite de muito mais que isso.
Pessoas essencialmente boas estão em falta em nosso mundo, e as essencialmente más estão em Ascensão, porém as inertes dominam o mundo.
Não estou dizendo que eu sou o exemplo de bondade e caridade do mundo, mas quero fazer parte dessas pessoas boas que eu citei aqui. Estou lutando para sê-la. Quero convidar vocês para tentarem também. Comece com pequenas coisas, e logo você estará realizando grandes.
Nem tudo está perdido, cabe a cada um de nós sermos uma luz no fim do túnel. Você pode até dizer que eu tenho uma visão otimista demais, mas sem otimismo não se chega a lugar algum.
NÃO BASTA NÃO FAZER O MAL. O MAL É NÃO FAZER O BEM.”



Por Leunamme às 16:51:17 | Comentários (2)
Verdadeiro relacionamento! - 24/07/2009

“A estrutura de uma empresa industrial que forneça produtos a serem consumidos por pessoas em qualquer parte do mundo é constituída por máquinas especiais e colaboradores como: representantes, assistentes de vendas, assistentes técnicos, telefonista, e outros. Basicamente são esses os que representam a Empresa fornecedora e que vão ao encontro dos supostos clientes. Alguns clientes recebem muito bem e analisam as propostas deste fornecedor, mas alguns outros não querem nem mesmo recebê-los. Estes últimos "supostos clientes" não se sentem seguros com esses profissionais, ou não têm o menor interesse pelo "produto", ou não gostam mesmo é da empresa. Bem, são diversas as possibilidades!
Um comportamento muito estranho é quando os "clientes" desejam muito o produto, mas não querem e nem fazem questão alguma de qualquer relacionamento com a empresa fornecedora. Num mundo capitalista como o nosso, acredito que o fornecedor também não faz questão do relacionamento, mas ainda assim chama o "sujeito" de cliente. Pela lógica não seria possível desvincular produto de fornecedor, entre esses existem uma estreita relação. O que você acha? Para você também o fornecedor não importa, mas sim o produto?
No dia-a-dia o que vemos constantemente são jogos de interesses e, algo semelhante, acontece no relacionamento com Deus. Sim, porque se não reconhecemos que Jesus é o Filho Unigênito de Deus, que veio ao mundo para pagar o "seu" (e o meu) pecado, como podemos esperar efetivar uma aliança com Deus? "Quero o Produto (bênção), mas não dou a mínima para o Fornecedor (o Filho) dessa bênção". No mínimo, estranho, não é?
A afirmação: "quem tem o Filho tem o Pai", indica (numa forma simples) que Ele, Jesus Cristo, é Aquele que tem autoridade para nos reconciliar com Deus. Ele, Cristo, é o "Caminho a Verdade e a Vida", assim: "ninguém vem ao Pai senão por Mim" (João 14.6).
O que você deseja hoje é uma expectativa motivada pela possibilidade da bênção ou pelo relacionamento com Aquele que é Soberano? Verifique, talvez você ainda não entendeu o significado de "graça". Quem não tem o Filho não tem o Pai, assim: "Eis que estou [Jesus Cristo] à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo" (Apocalipse 3.20).”



Por Leunamme às 13:18:23 | Comentários (0)
Três coisas - 21/07/2009

Três coisas me fascinam, encantam e entusiasmam: vida, amor e beleza, nesta ordem. Viver é, para mim, simultaneamente, mistério e privilégio, quaisquer que sejam as circunstâncias. Amar, por seu turno, é sempre uma bênção, mesmo que não haja correspondência. Se houver... será um delírio. E, finalmente, a beleza (não a física, necessariamente, mas a que se expressa em todas as coisas, até nas aparentemente mais feias), inspira-me, acalma-me e me desperta intensa alegria e profunda reverência. Khalil Gibran Khalil, do alto da sua inspiração, escreveu a esse propósito: “Uma vida sem amor é como árvores sem flores e sem frutos. E um amor sem beleza é como flores sem perfume. Vida, amor e beleza: eis a minha trindade”. A minha também, caro poeta. Destaque-se que a beleza que o escritor menciona não é, necessariamente, a física, que os anos apagam, mas a espiritual, que só tende a crescer na medida em que o tempo passa.



Por Leunamme às 22:16:18 | Comentários (0)
Ninguém é inútil - 19/07/2009

“Prevalece no mundo materialista de hoje a mesquinha e equivocada idéia de que só é útil a pessoa que tenha condições de trazer vantagens materiais a alguém ou a toda a sociedade. É uma forma estúpida e injusta de julgamento. Há, por exemplo, indivíduos carentes e frágeis, que por circunstâncias da vida não têm como se enquadrar nesses critérios de utilidade, porque portam alguma deficiência física, mental ou psicológica e dependem dos outros para sobreviver. No entanto, ostentam uma capacidade ímpar de doar amor. São fidelíssimos nas amizades. Manifestam-nos compreensão, carinho, gratidão e, não raro, até devoção, nas horas que mais precisamos. E o afeto, a amizade e a fidelidade, convenhamos, não têm preço. O que são, afinal, “coisas”, por mais preciosas que sejam, senão bugigangas que o tempo torna inúteis? Robert Louis Stevenson chegou à mesmíssima conclusão ao afirmar: “Enquanto se tenha ao menos um amigo, ninguém é inútil”.”



Por Leunamme às 18:38:46 | Comentários (0)
No justo momento - 18/07/2009

"No justo momento em que: 

o fracasso lhe atropele o carro da esperança; 

o apoio habitual lhe falte à existência; 

a ventania da advertência lhe açoite o Espírito; 

a aflição se lhe intrometa nos passos; 

a tristeza lhe empane os horizontes; 

a solidão lhe venha fazer companhia; 

no momento justo, enfim, em que a crise ou a
angústia, a sombra ou a tribulação se lhe 
façam mais difíceis de suportar, não chore
e nem esmoreça. 

A água pura a fim de manter-se pura é
servida em taça vazia. 

A treva da meia-noite é a ocasião em que o tempo 
dá sinal de partida para nova alvorada. 

Por maior a dificuldade, jamais desanime. 

O seu pior momento na vida é sempre o
instante de melhorar."



Por Leunamme às 09:32:59 | Comentários (0)
Quem tem Fé - 16/07/2009

“Quem tem fé, nunca dá uma batalha por perdida, por mais que pareça que não haja mais salvação. Por mais escura que seja a noite, acredita que logo haverá muita luz para guiar os seus passos, com segurança e firmeza, rumo aos seus objetivos. Quando tudo parece irremediavelmente perdido, acredita, sem titubear um só instante, numa reversão de expectativas e não duvida, em momento algum, do sucesso. E, por acreditar de forma tão absoluta na superação dos obstáculos, via de regra tende a reverter situações aparentemente irreversíveis e a alcançar, de fato, a pretendida vitória. O poeta Rabindranath Tagore criou uma bela metáfora a respeito, num inteligente verso, que diz: “Fé é o pássaro que sente a luz e canta quando a madrugada é ainda escura”.



Por Leunamme às 01:26:24 | Comentários (0)
A Mente é mais Forte que o Corpo? (Prem Rawat) - 14/07/2009

A coisa mais importante que posso fazer é levá-lo a refletir, a contemplar o que lhe foi dado, e fazê-lo pensar sobre a possibilidade de ter paz em sua vida. 

De alguma forma, você é bem parecido comigo. Como seres humanos, temos uma necessidade. Não é uma necessidade criada pela sociedade ou por religião. É uma necessidade fundamental de estar realizado, de estar em paz. É fácil falar por aí a palavra “paz”. Mas o que é paz? É ouvir o tilintar de sininhos ao vento? Sem trânsito? Nenhum avião ou trem zunindo? Para algumas pessoas, é exatamente isso que a paz significa. E é lamentável que a poluição sonora externa se torne tão irritante a ponto de chamarmos de “paz” a ausência de barulho. 

Ou a paz é um sentimento? Um sentimento incontestável que não nasce de um pensamento. Tudo o que vem até nós nasce dos pensamentos. Quando as notícias são boas: “As coisas estão caminhando do meu jeito”. Diante de más notícias: “Por que isso está acontecendo comigo?” Não é preciso muito para nos deixar perturbados. Acontece quando estamos no trânsito e alguém buzina. Mesmo que esteja buzinando para outra pessoa, ficamos irritados: “Como se atreve a buzinar pra mim”. 

Seu filho ou filha lhe diz: “Eu falhei”, e você fica chateado. Então, paz é simplesmente não estar aborrecido? É triste, mas é verdade que algumas pessoas acham que quando você não está chateado deve estar em paz. Bem, há pessoas que estão em estado vegetativo, e não ficam chateadas por nada. Então, o que é paz? 

Algo que não nasce do pensamento, mas que é sentido. Algo que reside no oceano das respostas, não no oceano das perguntas. Nós aprendemos a questionar tudo, mas ainda não aprendemos a aceitar as respostas. Sua vida. Seu ser. O que significa estar aqui, estar vivo? 

As pessoas lêem livros. Não sou contra livros. Uma das paredes do meu escritório está cheia deles. Mas o que estou procurando nos livros? Eles podem realmente me responder? Um livro pode satisfazer a minha fome? Existem belos livros com cenários de água. Isso pode saciar minha sede? 

Você não pode simplesmente dizer: “Não estou com fome. Não estou com fome”. Outro dia, eu acordei cedo, tomei um café rápido e fui fazer uma palestra. E meu estômago roncava. Eu ficava pensando: “Você não está com fome, você não está com fome...”, mas ele não parava. Você pode dizer: “Ah, a mente é mais forte que o corpo”. Mas não para as coisas básicas, não para aquelas coisas que realmente importam. 

Uma vez, meu pai visitou um lugar onde havia muitos homens santos. Um deles rezava sobre uma perna só. Havia um cartaz dizendo que ele estava numa perna só fazia várias semanas e não tinha dito sequer uma palavra. Meu pai parou bem em frente ao homem e disse: “Ah Deus, por que você deu a ele a segunda perna? Ele não a utiliza. E por que você lhe deu uma boca? Ele também não usa”. O homem ficou tão perturbado e disse: “Como você se atreve a dizer isso!” E se apoiou nas duas pernas. 

Então, o que é paz? Não posso lhe dizer o que é. Eu senti paz, e posso experimentá-la todos os dias, mas não posso lhe descrever esse sentimento. Do mesmo modo que não posso descrever o sabor do açúcar. Se você quer saber o que estou experimentando, você precisa experimentar, também. Só então você irá entender o que estou falando. 

Esta vida é um presente. Eu quero compreender isso da maneira mais clara possível, antes que eu perca minha capacidade de entendimento. Quero saber o que é esse milagre. Um milagre requer um olho para observá-lo – uma pessoa que entenda realmente o que é um milagre. O milagre mais maravilhoso é o vaivém dessa respiração. De lugar nenhum ela vem, e para nenhum lugar ela vai. Da respiração chega o presente da vida. E a vida torna possível todos os outros milagres: você pode ser. Pode admirar. Pode agradecer pela sua existência. Você pode sentir e oferecer bondade. 

Saber que na vida tudo está bem. Nós só pensamos sobre isso nos momentos de dificuldades. Você sabe que está tudo bem? Sempre esteve e sempre vai estar. Vivemos num mundo de medo. Mas existe algo dentro de você do qual não deveria ter medo, e é a habilidade de desfrutar, de apreciar esta vida. 



Por Leunamme às 19:40:35 | Comentários (0)
Acende a tua Luz - 09/07/2009

"Acende a Luz do Amor na tua Alma e espanta as trevas do egoísmo que pouco a pouco busca degenerar a humanidade.
Acende a Luz do Perdão e deixa que a da tua alma irradie doces ondas reconciliatórias, desarticulando planos hediondos de desestruturação daqueles que devem marchar unidos na construção do bem na Terra.
Acende a Luz da Caridade em teu Espírito , de forma a brilharem as estrelas da esperança na densa noite dos tempos.
Recorda sempre, principalmente nos momentos de testemunhos e lutas, de abrir-te à luz de Deus, que é o único combustível capaz de manter sempre 
acesa a luz da tua fé.
Segue, pois, confiante, na certeza de que Deus te guia pelos caminhos de Jesus.
Se acenderes a tua Luz Interior, verás que não segues a sós, nem tão pouco na escuridão.”

 

 



Por Leunamme às 22:05:07 | Comentários (0)
Amor e inteligência - 08/07/2009

A religiosidade é inerente ao homem.
 Sob as mais diversas formas e em todas as épocas, a Humanidade procurou relacionar-se com a Divindade. Por muito tempo imperou a idéia de que Deus deveria ser temido. O Criador era apresentado, por muitas tradições, como cioso e vingativo.
 Jesus reformulou esse conceito, ao falar em um Pai amoroso e justo.
 Convidado a indicar o maior mandamento da Lei Divina, Ele sentenciou:
 Amar a Deus de todo o coração, de toda a alma e de todo o Espírito.
 E também amar ao próximo como a si mesmo.
 É interessante anotar que, ao invés de um, o Cristo apresentou, de uma vez, dois mandamentos. Um fala em amor a Deus e o outro em amor ao próximo. Isso prova que tais comandos são entrelaçados.
 O amor ao próximo complementa o amor a Deus e vice-versa.
 Segundo o Mestre Nazareno, Deus deve ser amado com todo o coração, toda a alma e todo o Espírito. Percebe-se ser esse amor algo muito intenso e profundo, que reclama a criatura por inteiro. O sentimento por si só não basta.
 Quando se quer enfatizar o aspecto emocional, fala-se em coração. Mas à Divindade não se deve dar apenas o coração. Todo o Espírito necessita estar empenhado nessa relação.
 Segundo o dicionário, um dos significados de Espírito é o conjunto das faculdades intelectuais. Cuida-se de uma acepção até certo ponto comum.  Muitas vezes se afirma que uma pessoa tem espírito. Essa expressão indica que ela é inteligente, perspicaz, possui raciocínio rápido. Conclui-se que o amor a Deus envolve razão, discernimento, intelecto.
 O Espiritismo ensina que Deus é a inteligência suprema, causa primária de todas as coisas. Não se trata de uma personalidade, à semelhança dos homens, mas de uma Consciência Cósmica.
 O apreço por uma personalidade humana, frequentemente vaidosa, pode ser demonstrado por gestos exteriores. Em relação à Consciência Cósmica, despida de características humanas, isso não se dá.
 Como Deus é a Inteligência Suprema do Universo, o amor por Ele implica o esforço por desenvolver a própria inteligência. Assim, a religiosidade é incompatível com o cultivo deliberado da ignorância. Deus brindou Suas criaturas com dons maravilhosos, os quais precisam ser valorizados.
 O dom que distingue os homens do restante da Criação é a sua intelectualidade desenvolvida, a sua razão. O amor a Deus pressupõe respeitar o Mundo e os seres que Ele criou. E também, logicamente, o esforço para entender esse Mundo e as leis que o regem.
 Tudo no Universo é progresso e metamorfose.
 Espécies animais e vegetais, as sociedades e as leis humanas, tudo se altera e aperfeiçoa.
 O papel de cada homem é colaborar nesse processo de aprimoramento. Para isso, necessita burilar seu intelecto.
 Ao crescer em entendimento e compreensão, enche-se de admiração pela grandeza e pela sabedoria Divinas. Mas o amor ao próximo complementa o amor a Deus.
 As faculdades desenvolvidas pelo estudo e a observação devem ser utilizadas em benefício do semelhante. Assim, para bem cumprir o mandamento do amor, procure desenvolver sua inteligência. Estude uma língua, faça um curso, leia um livro, ilustre-se. Encante-se com as maravilhas que o cercam. E utilize seus talentos em favor do próximo.”



Por Leunamme às 11:35:23 | Comentários (0)
A vida é bela (Paulo Geraldo) - 06/07/2009

Todas as pessoas podem, e devem, em qualquer circunstância, considerar que a vida é bela e viver de acordo com isso. Ninguém tem motivos para a considerar desprovida de nobreza e grandiosidade. A dor e as contrariedades sempre fizeram parte da vida das pessoas, e nem por isso elas deixaram de a amar.

Mas acontece que nesta vida se sofre realmente, e que - ao contrário do que antigamente sucedia - aquelas que sofrem são agora muitas vezes abandonadas pelas outras, e têm de viver sozinhas com a sua dor. À qual se acrescenta, então, a dor enorme da solidão.

Sempre houve doentes e anciãos, mas antigamente eram considerados um tesouro. Agora não passam de um estorvo... E é só por isso que hoje se fala em eutanásia, quando no passado havia apenas o suicídio: o suicídio é uma decisão pessoal; a eutanásia acabará por ser uma imposição da sociedade.

Há em muitas cabeças uma noção da vida que é chocantemente pobre, desagradavelmente rasteira, tristemente vazia. Consiste em olhar para a vida de uma forma utilitária, com base numa concepção egoísta e em critérios apenas econômicos: se uma vida não é útil - se não é produtiva, se não proporciona todo o prazer - então não tem razão de ser. Pode eliminar-se, como se elimina um automóvel velho ou sem conserto, um par de sapatos rotos, uma camisola demasiadas vezes remendada.

E nem sequer é nas pessoas muito doentes, ou nos idosos que estão perto da morte, que essa mentalidade é frequente. Não. É nos outros, nos que estão convencidos de que ainda vão ficar aqui muito tempo e se acham no direito de construir uma sociedade com regras que lhes parecem mais perfeitas do que as da natureza, livres de quaisquer critérios e valores que não sejam os econômicos e os do bem estar.

A grande questão da eutanásia não consiste em se cada pessoa pode, ou não, ter a liberdade de escolher o seu destino. E também não reside em se uma pessoa pode pedir à outra que a mate.

É ainda pior do que isso: a questão está em que o triunfo desta visão utilitária da vida levaria – como, de resto, já está a suceder na Holanda - à eliminação de pessoas que, não querendo elas mesmas acabar com a vida, são consideradas inúteis por uma sociedade que se tornou materialista (a decisão é transferida para os médicos e para os familiares, e para os parlamentos, que muitas vezes estão ansiosos por se verem livres de um fardo).

Assim é que desaparece realmente a liberdade de escolher o próprio destino, e as pessoas se tornam em objetos à mercê dos interesses econômicos e dos falsos critérios de utilidade social.

É muito fácil aproveitar-se da extrema debilidade - física e emocional - de um doente terminal. Até para o convencer das presumíveis vantagens de uma "morte doce". Muito mais fácil do que proporcionar-lhe todo o apoio e carinho de que necessita para levar a vida até ao fim - sem desistir - e morrer com verdadeira dignidade.

A dor é também uma falsa questão. A medicina sabe tirar a dor, e o resto...aguenta-se. O pior é a solidão e o abandono. Isso é que é difícil de suportar. E tem uma solução bem simples... Bastaria que todos os que estão à volta do doente olhassem para aquela vida - para a vida - sem egoísmo.



Por Leunamme às 22:42:18 | Comentários (0)
Sua vida corre perigo! - 03/07/2009

“ Certo conhecido conseguiu um emprego em uma fábrica e logo nos primeiros dias ele quase perdeu a vida! Foi em uma integração onde uma das rotas era o depósito de gases, um lugar de alta periculosidade. O percurso normalmente é feito em duplas e todos com equipamento de proteção! Quando passaram próximo ao reservatório de amônia, sem perceberem um vazamento, meu conhecido inalou o gás e ficou em choque (reação natural desta inalação). Ele não conseguia gritar e nem mesmo gesticular e aos poucos foi se asfixiando sem que ninguém percebesse. Porém o "companheiro" suspeitou e o socorreu urgentemente. Percebe? Ele não estava sozinho!
Como algo invisível pode ser tão mortal? Freqüentemente não percebemos os riscos que corremos diante das ofertas do mundo. Muitos dos perigos são como esses gases, geralmente invisíveis, porém letais ao ser humano!
Qualquer um pode cair nas ciladas que existem no dia-a-dia! Porém aqueles que estão devidamente preparados, que possuem uma visão mais desenvolvida, sabem que não pode andar sozinho. Quem é que anda com você? Ou você se acha auto-suficiente?
A Bíblia diz que é o Espírito Santo de Deus é quem convence o ser humano de suas falhas e da morte, por isso a comunhão com Deus é extremamente importante! Os perigos que querem nos atrair para os laços da morte eterna talvez permaneçam invisíveis até que já se esteja envolvido por ele. É tão invisível para a maioria de nós, que em certa ocasião, Jesus apela para a consciência dos acusadores dizendo: "Aquele que não tem pecado que atire a primeira pedra". Será que você consegue constatar os riscos que cercam "o seu" estilo ou modo de vida?
Como é que você tem vivido? Cuidado com os "gases" de falhas que podem acabar com a sua vida com Deus. Quem tem sido o seu Companheiro? Eu sugiro Jesus Cristo. Pense sobre isto e tenha uma "boa consciência", a consciência de não estar sozinho!”

 

"Por causa disso, procuro com toda a minha força manter sempre uma consciência limpa diante de Deus e dos homens". (Atos 24.16)



Por Leunamme às 15:10:06 | Comentários (0)
A Liberdade de Jesus - 02/07/2009

 “Uma pessoa espiritual nunca impõe à outra exigências do tipo: "Creia nisto e naquilo"; ao contrário, ela a orientará no sentido de que enquadre sua vida nos padrões de Jesus. Não somos chamados a acreditar na Bíblia, mas a crer naquele que a Bíblia revela (cf. João 5:39-40). Somos chamados para pregar liberdade de consciência, não liberalidade de opinião. Se temos a liberdade de Cristo, levaremos outras pessoas a conhecerem essa mesma liberdade — a liberdade de experimentar o domínio de Jesus Cristo.

Avalie sempre sua vida pelos padrões de Jesus. Curve a cerviz somente ao jugo Dele, e a nenhum outro, seja lá qual for; e tenha o cuidado de jamais colocar sobre outras pessoas um jugo que o próprio Jesus não tenha colocado. É preciso muito tempo para Deus nos tirar a mania de pensar que, a menos que todos pensem como nós, estão todos errados. Essa nunca é a posição de Deus. Existe apenas uma liberdade atuando em nossa consciência, capacitando-nos a fazer o que é certo: a liberdade de Jesus.

Não se impaciente; lembre-se de como Deus o tratou — com paciência e com gentileza; nunca, porém, dilua a verdade de Deus. Deixe-a agir e nunca peça desculpas por ela. Jesus disse: "Ide... fazei discípulos", não "fazei adeptos das vossas próprias opiniões". “



Por Leunamme às 22:05:54 | Comentários (1)
As sutis armadilhas no caminho (Alexvando) - 29/06/2009

 “O modelo do mundo é extremamente sutil. Você não percebe que ele vai entrando em você devagarzinho e, aos poucos, corrói sua consciência. Aqui abro uns parênteses a fim de explicar que, quando falo “mundo”, não estou citando esse “mundo” conforme doutrinado pelos evangélicos com medo da cultura estabelecendo assim alguns loucos critérios de uma suposta “santidade”. Dito isso o que chamo de mundo é o reino do desamor – muito presente nas “igrejas” também.
Assim, em pouco tempo (através da sutileza do movimento como das ondas quando a maré sobe e você não vê, apenas percebe quando já é tarde demais) nós nos vemos participando de esquemas, contatos e situações que, a princípio, não são malévolos. Então esse vírus, imperceptível no início, torna-nos como a um zumbi que já não consegue voltar à vida a não ser que morra.
Ora, mas isso não tem a ver necessariamente com grandes esquemas de corrupção nem com nenhuma participação em conluios politiqueiros - isso também, mas é muito mais perigoso por ser exatamente um movimento sutil. Até porque vultosos esquemas sempre são fruto de pequenas irresoluções.
Falo aqui básico que é de onde provêm todas as coisas: do coração. O problema está em que, não se guardando o coração, permitimos que sentimentos negativos nos tomem – sim, porque a participação em qualquer esquema parte sempre de um coração mal resolvido e, muitas vezes, tais eventos se originam de situações em que aquele que faz, o faça achando quer merece, como se fosse uma espécie de plano compensatório por situações de prejuízos ou dores causadas pela vida ou até por alguém em específico.
Daí que guardar o coração tem a ver com crer que tudo pertence ao Senhor. Ora, se o coração estiver guardado no Evangelho, confiará já que mesmo o prejuízo nEle sempre é lucro visto que o tesouro do Evangelho é eterno, posto no peito e não em qualquer imagem de ser bem sucedido, fruto de uma vaidade tola e passageira.
O problema – repito – é que nada começa como uma bomba atômica, mas sim como um grãozinho, supostamente sem importância e daí vai crescendo como um câncer em metástase.
Por isso Jesus nos chama a fazer esse nosso corpo de morte entender que se o olho vê com cobiça, inveja ou falta de perdão, que esse mesmo olho seja arrancado a fim de não produzir morte mais à frente para todo corpo.
Somos chamados à vida e, pra isso, devemos nos manter em constante atenção mas não como medrosos ou ansiosos mas apenas sempre cientes de nossa incapacidade – nosso coração é mal – de agir em amor pois é isso que importa já que ouvir o chamamento do mundo é nada mais nada menos do que agir sem amor já que Deus é amor e o mundo está morto no maligno expondo assim modus operandi completamente díspares.
No Caminho, que nunca nos tira a própria responsabilidade da caminhada e sempre nos dá a esperança que transcende o visível para agirmos em Graça e onde escrevo mesmo contra mim pois não julgo que as tenha alcançado mas apenas me mantenho como um nômade rumo às melhores visões."



Por Leunamme às 13:58:13 | Comentários (1)
O dom da paz de espírito - 19/06/2009

 “Seu espírito estará  em paz quando ele reconhecer a presença do Mundo Espiritual e desejar trabalhar  harmoniosamente com o mesmo. Seu espírito estará em guerra quando você estiver com medo e quiser estar no controle total.  É uma posição sua natural estar equilibrado entre o plano material e o espiritual e isso pode ocorrer quando você puder estar no fluxo da energia universal e alinhado com os propósitos de sua alma.  O dom da paz de espírito vem quando  você  reconhece a sua divindade e vive sem julgar e no amor incondicional. Este é um presente que você pode dar-se e também às outras pessoas. Paz de espírito é um dom que beneficia a cada um de vocês e a toda a humanidade.

Você dá aos outros o dom da paz de espírito quando eles podem relacionar-se com você sem conflitos ou dramas. Pode o drama existir se o espírito não estiver com medo?  Pode o caos existir se você sabe que tudo está bem?   Quando não existe o medo da reprovação, quando não falta o amor, não existindo expectativas de encontrar ou de julgar,  o que pode o espírito fazer a não ser estar em paz?  Se cada pessoa não tiver o que temer dos outros pode então se concentrar em sua jornada.  É tarefa da mente proteger você dos danos e assim o faz antecipando os riscos. Se não há temores, a mente deve mudar seu foco. 

Sem a parceria com o Mundo Espiritual a mente deve enfrentar o mundo sozinha e a única informação que ela precisa é da memória do que ela deve se defender e proteger você disso.  O maior medo da mente é que poderá perder o controle, mas quando você sabe que você está no controle de sua realidade, a mente pode ficar em paz.  Dessa forma a energia se movimenta  da antecipação para a criação, do passado para o presente.  A paz de espírito existe no momento presente por que todos os medos pertencem ao passado. Como você pode sentir medo de algo que ainda não ocorreu? 

Sem paz de espírito você estará constantemente em guerra com você mesmo e com os outros. Cada um de vocês então  se mantém em sua realidade, protegendo seu território do que as outras pessoas poderiam fazer. Ainda assim você fica lutando contra alguma coisa que ainda não ocorreu. Esta semana, dê a você mesmo e aos outros o dom da paz de espírito.  Veja você mesmo e a cada pessoa como um ser espiritual divino. Tenha compaixão por você mesmo e por cada um que você encontrar.  Viva cada momento e aprecie o prodígio  e a beleza da vida, o mundo espiritual e a sua jornada. Agradeça cada experiência vivida e esteja aberto  a possibilidades ilimitadas que serão suas quando você tiver paz de espírito.”



Por Leunamme às 17:55:12 | Comentários (0)
Ingratidão - 14/06/2009

  “Para o homem de coração, as decepções oriundas da ingratidão e da fragilidade dos laços da amizade são também uma fonte de amarguras.  Porém, deveis lastimar os ingratos e os infiéis: serão muito mais infelizes do que vós. A ingratidão é filha do egoísmo e o egoísta topará mais tarde com corações insensíveis, como o seu próprio o foi. 

        Lembrai-vos de todos os que hão feito mais bem do que vós, que valeram muito mais do que vós e que tiveram por paga a ingratidão.  Lembrai-vos de que o próprio Jesus foi, quando no mundo, injuriado e menosprezado, tratado de velhaco.  Seja o bem que houverdes feito a vossa recompensa na Terra e não atenteis no que dizem os que hão recebido os vossos benefícios. A ingratidão é uma prova para a vossa perseverança na prática do bem; ser-vos-á levada em conta e os que vos forem ingratos serão tanto mais punidos, quanto maior lhes tenha sido a ingratidão

        As decepções oriundas da ingratidão não serão de molde a endurecer o coração e a fechá-lo à sensibilidade. Porquanto o homem de coração, como dizes, se sente sempre feliz pelo bem que faz. Sabe que, se esse bem for esquecido nesta vida, será lembrado em outra e que o ingrato se envergonhará e terá remorsos da sua ingratidão

        Mas, isso não impede que se lhe ulcere o coração. Ora, poderá nascer-lhe a idéia de que seria mais feliz, se fosse menos sensível, se preferir a felicidade do egoísta. Triste felicidade essa !  Saiba, pois, que os amigos ingratos que os abandonam não são dignos de sua amizade e que se enganou a respeito deles.  Assim sendo, não há de que lamentar o tê-los perdido.  Mais tarde achará outros, que saberão compreendê-lo melhor.  Lastimai os que usam para convosco de um procedimento que não tenhais merecido, pois bem triste se lhes apresentará o reverso da medalha. Não vos aflijais, porém, com isso: será o meio de vos colocardes acima deles. 

        A Natureza deu ao homem a necessidade de amar e de ser amado.  Um dos maiores gozos que lhe são concedidos na Terra é o de encontrar corações que com o seu simpatizem. Dá-lhe ela, assim, as primícias da felicidade que o aguarda no mundo dos Espíritos perfeitos, onde tudo é amor e benignidade. Desse gozo está excluído o egoísta.”



Por Leunamme às 12:32:19 | Comentários (0)
O melhor que tenho... - 10/06/2009

“É impressionante a capacidade de algumas pessoas em saber tanto sobre o vinho simplesmente fazendo uma degustação! Essas pessoas conseguem destacar pontos que um leigo nem imaginava que pudessem ser verificadas neste exercício. Essa é uma capacidade que, seguramente exige o aprimoramento da atenção aos detalhes no que tange a gosto e também na cor e na densidade, além de muito exercício. Porém, existem pessoas que não tem o menor interesse em beber vinho, mas querem apenas a capacidade de avaliação sem ter que experimentar. Brincadeira não é? Mas você sabia que muitos acreditam que é possível um relacionamento com Deus desta forma?
Tenho conhecimento de pessoas que "desejam o poder de Deus, mas não o Deus deste poder!" Tudo perde a graça quando lhe é cobrado o compromisso, a responsabilidade de viver segundo o coração de Deus. Nesta onda da teologia da prosperidade (por exemplo), o convite é para uma vida "material" melhor não dando muito lugar ao que é espiritual. Aqui vemos uma alimentação exclusiva do ego, atendendo simplesmente o imediato!
Jesus Cristo decidia ou agia em favor de Si mesmo, mas sempre segundo a vontade de Deus. A expectativa dEle é que se cumprisse o propósito de Deus em Sua vida e não que Ele se sentisse melhor. Isso não significa necessariamente uma melhora na aparência e sim no interior o qual pode ser visto no seu exterior.
Note a "sequência lógica" da vida com Deus e perceba que Ele indubitavelmente tem o melhor para você! Uma íntima comunhão com Deus reflete uma submissão genuína alimentada pela fé nEle. Jesus disse: "Atenção! Eu tenho permanecido à porta e estou batendo constantemente. Se alguém Me ouvir chamá-lo e abrir a porta, Eu entrarei e farei companhia a ele, e ele a Mim" (Apocalipse 3.20).
O meu desejo é que você escolha ter Jesus em sua vida constantemente.”



Por Leunamme às 23:03:47 | Comentários (0)
O Ser Humano - 05/06/2009



Por Leunamme às 13:14:08 | Comentários (1)
Deus conosco - 01/06/2009

"Que Deus está conosco, em todas as circunstâncias, é verdade indiscutível. Todavia, se você não estiver com Deus, ninguém pode prever até onde descerá seu espírito, nos domínios da intranquilidade e da sombra".



Por Leunamme às 21:00:14 | Comentários (0)
Vida (Bazé) - 26/05/2009

Como a vida é frágil, parece ser um único fio que segura nossa existência. E pensar nisso me levou a refletir sobre alguns conceitos, algumas experiências, sobre o amor, por exemplo.
O amor não é um sentimento propiciado pelo tempo, mas sim pela experiência e pelos momentos que dois vivem juntos. O amor não é trazido pela convivência, mas pelos momentos marcantes da vida. Não existe um critério para senti-lo, mas sim uma gama de emoções que o cultivam e o permitem florescer. Ele é mutante, se manifesta de várias formas e nos permite exercê-lo também de várias formas. Talvez seja o sentimento mais composto, mais complexo e certamente é misto, acompanhado de outros como a saudade, como a atração física, como a cumplicidade.
Talvez seja piegas dizer, mas acredito que ele seja sim o combustível para a vida e talvez, também, a chave que precisamos no fim para partir com a consciência tranquila de ter deixado um legado. Para poder responder as perguntas que os deuses nos fazem quando chegamos no outro plano.
Você teve alegria na sua vida?
Você proporcionou alegria a alguém?
São essas as perguntas que os egípcios acreditam ser o grande julgamento, a chave para ir para o idealizado paraíso.
96 por cento das pessoas, segundo uma pesquisa, não gostariam de saber o dia da sua morte. Os outros 4%, acredito eu, não tem consciência do que seria ter essa informação. Por isso digo que a vida é um fio delicado, Justamente por não sabermos quando esse fio se rompe.
É aí que está a mágica da vida, a expectativa do amanhã, que nos faz tentarmos ser o melhor hoje, agora, nesse exato minuto, pois não sabemos se no próximo minuto ou segundo poderemos tentar ser melhores.

 



Por Leunamme às 13:21:20 | Comentários (0)
Sathya Sai Baba - 17/05/2009

As principais causas de todas as dificuldades experimentadas pelo homem são o esquecimento da sua realidade espiritual e a identificação com seu corpo. O corpo é apenas a vestimenta do Espírito Interno. Ao mergulhar na consciência do corpo, o homem desenvolve o egoísmo e a posse, que, por sua vez, geram vários outros vícios. Ele esquece sua Divindade inerente e falha ao usar seus sentidos e seus órgãos. Seus sentidos são presentes dados por Deus. Eles deveriam ser usados apenas para propósitos sagrados e não deveriam ser mal-utilizados. Mantenham apenas pensamentos sagrados e dediquem-se somente a ações sagradas. Desse modo, vocês santificarão suas vidas. Existe somente um caminho real para perceber Deus: o caminho de amor Divino. Vocês vieram do Divino e seu destino é se fundir ao Divino.



Por Leunamme às 11:50:41 | Comentários (0)
Consciente da Eternidade - 11/05/2009

“Para ser consciente de ser eterno, tem que haver um certo ritmo. Compreender as disposições em contrário. Dar a possibilidade dos seres serem quem são. De se enganarem, de permanecer no erro. 

O ser, consciente de ser eterno, é livre para viver, e compreende a mesma liberdade a todos os seres. 

Um ser consciente não pode ser dominador, manipulador, embora possa sentir dor em ver seres que lhe são caros tomarem decisões adversas a suas ou traírem sua confiança e anseios. Sabe sempre, que cada ser vive de maneira a atingir sua própria liberdade ainda que por caminhos tortuosos. 

Somos livres e eternos. Conscientes disso ou não. Mas o ser consciente não tem mais a intenção de aprisionar ou subjugar qualquer consciência, em qualquer nível de sutileza que seja. E, permite que todos recolham o fruto de sua colheita. No entanto auxilia, ciente de que de auxílio, todos necessitamos.”



Por Leunamme às 19:49:11 | Comentários (0)
Servir - 04/05/2009

“Não sirva por causa de recompensas, chamando atenção ou obtendo gratidão ou por um sentimento de orgulho por sua própria superioridade em relação à habilidade, à riqueza, ao status ou à autoridade. Sirva porque você é impelido pelo Amor. Quando você obtém sucesso, atribua o sucesso à Graça de Deus que o inspirou como princípio do Amor dentro de você. Quando você falha, atribua o fracasso a sua própria insuficiência, insinceridade ou ignorância. Examine as origens da ação, desinfete-as de todos os traços de ego. Não culpe o receptor do serviço ou seus colaboradores e colegas de trabalho ou Deus.”

 



Por Leunamme às 13:33:27 | Comentários (0)
Receita de Paz - 27/04/2009

Faça sua oração com mais confiança em Deus e procure trabalhar um pouco além do normal, sem deixar de ser mais alegre e mais caridoso.

No decorrer de seu dia, esforce-se para desculpar as falhas alheias com mais compaixão por quem pratica ofensas. Mantenha a calma, especialmente nas horas difíceis e mais paciência nas ocasiões desagradáveis.

Seja gentil no trato com outras pessoas, empregando mais serenidade na transposição de qualquer provação e assim, com a benção de Deus, encontrarás mais segurança e paz, nos caminhos do tempo, tendo como consequência o êxito preciso nos deveres de cada dia, em direção da vida maior.



Por Leunamme às 15:16:43 | Comentários (0)
Destinos: Divino e humano (José Reis Chaves) - 18/04/2009

Alguns dizem que nós mesmos nos condenamos com o nosso livre-arbítrio. Mas se a condenação fosse irremediável e para sempre, o nosso livre-arbítrio seria, então, como a isca traiçoeira e mortal para pegar peixe! Se assim fosse, Deus não no-lo daria! 

“Há tempo para tudo.” – (Eclesiastes, capítulo 3). E cada um de nós tem, pois, tempo de condenação e tempo de libertação. A Bíblia fala também em plenitude dos tempos, que podemos dizer igualmente completude dos tempos. E Jesus afirma que todos nós temos recebido de sua plenitude, e graça sobre graça – (João 1,16). Assim, se essa plenitude e graça sobre graça são reais mesmo – e são – como alguém poderia ter um destino de ser condenado para sempre, e quando sabemos que Deus não faz acepção de pessoas? 

Ademais, quando Jesus nos ensinou que ninguém deixará de pagar tudo até o último centavo, ele derruba de uma vez por todas as chamadas penas eternas, pois pago o último centavo, nós não vamos pagar mais nada! E Jesus quis dizer também, com esse seu ensino, que os nossos erros serão resgatados, por nós mesmos, como nos ensina a lei de causa e efeito universal ou cármica. Essa é a lei: a Ca da um será dado segundo suas obras – (Apocalipse 59,18). E as leis de Deus são perfeitas e justas. Até à nossa libertação final, nós temos, pois, nossos destinos construídos por nós mesmos, já que vamos colhendo o que tivermos plantado, isto é, alegrias e tristezas. 

E as penas têm por objetivo nos regenerar, mostrando-nos que é compensadora a vivência do Evangelho de Jesus, e não a nossa ruína para sempre, o que seria incompatível com a sabedoria, a perfeição, a onipotência, a justiça e o amor infinitos de Deus, e incompatível mesmo até com a nossa justiça humana, apesar de ela ser imperfeita. 

E, mesmo que o indivíduo só plante abrolhos, ele tem um limite de tempo para isso. Como, pois, poderia ser punido com uma pena maior ou para sempre por causa de erros finitos e limitados no tempo e no espaço? Ademais, estamos sempre evoluindo. Como diz Paulo, nós vamos sendo transformados de glória em glória – (2 Coríntios 3,18). O nosso homem interior se renova de dia em dia – (2 Coríntios 4,16). 

O inferno é, pois, temporário. Os teólogos do passado erraram nesse e outros assuntos, e espalharam erros pelos séculos afora. E a Bíblia confirma o que dizemos. Lemos em Oséias 13,14: “Onde está, ó inferno, a tua destruição?” E está registrado no Apocalipse 20,14: “Então, a morte e o inferno foram precipitados no lago de fogo”. Isso quer dizer que o inferno não é para sempre, pelo contrário, será destruído para sempre! Aliás, infernos, purgatórios e céus não são locais geográficos, mas estados de espíritos, e acompanham-nos aonde formos. 

Pelo exposto, ficou demonstrado que, pelas eternidades afora, nós vamos tendo mesmo vários destinos, um feito por Deus, ou seja, o de salvação geral de todos nós – um dia – e outros temporários, feitos por nós mesmos durante a nossa existência como espíritos imortais que somos.



Por Leunamme às 22:15:34 | Comentários (0)
Imã - 16/04/2009

É da natureza de um ímã atrair o ferro. Mas se estiver coberto de ferrugem, o ferro será incapaz de ser atraído por tal poder magnético. No homem, a cobiça pelo prazer sensual é uma das causas do acúmulo dessa "ferrugem" prejudicial. Portanto, é preciso ter cuidado para garantir que a ferrugem nunca se forme. Então, o pedaço de ferro chamado homem, através do contato com o ímã chamado Deus, assume a qualidade magnética e alcança o propósito de sua busca. A ferrugem da cobiça sensual pode ser mantida à distância através da boa companhia e da prática das normas da boa conduta que se podem absorver de tal companhia sagrada.



Por Leunamme às 11:33:58 | Comentários (0)
O Bem e o Mal (Mr. Smith) - 10/04/2009

Se você analisar as maiores religiões do mundo verá que todas fazem alusão a existência de dois poderes em ação em nossa vida: o bem e o mal por excelência. 

Mas será que realmente existe um poder maligno no mundo criado por Deus? 

Essa é uma pergunta difícil de responder com precisão. Cada religião, cada ideologia, cada povo e cada cultura expressa a realidade da existência do bem e do mal de uma maneira. Há os que criam deuses e demônios personificados com características peculiares ao seu campo de ação e existem os que defendem a filosofia de que tudo é criação da mente. 

Aqui não nos compete questionar a fé de cada um. Apenas apresentar a nossa análise pessoal a respeito. 

Acreditamos que criamos e damos vida aos nossos anjos, deuses e demônios através da nossa animosidade. Muito embora, sabemos que todo sincero buscador jamais pode negar a realidade de uma essência superior governando tudo. Uns chamam a isto de Essência Cósmica Criadora, outros de Mente Universal. Outros o chamam simplesmente "Deus". Não há como negar a existência desse Infinito Poder que governa átomos, moléculas, animais, planetas, estrelas e tudo o mais que conhecemos. Impossível compreendê-lo porque não nos é permitido comportar a Essência do Todo em nossa pequenez. Insensato, no entanto, seria negar a sua Onipresença e Onipotência e seu governo justo e perfeito. O que queremos dizer aqui é que não somos dignos da sabedoria capaz de entender e dimensionar os conceitos de bem e mal. Mas queremos deixar claro a negação do mal como poder paralelo à onipotência divina. 

A sabedoria secular da humanidade nos mostra claramente que o mal tem origem no homem e parte do homem para o homem. Deus é harmonia e perfeição e não pode ser confundido com nossos demônios internos, nem com quaisquer demônios externos que possam existir ou serem criados. Obviamente que tudo provêm de Deus e o mal não pode estar fora daquilo que representa o Todo. Então, em nossa vã filosofia, poderíamos dizer como os antigos hebreus: "O mal é Deus às avessas". Noutras palavras, o mal é a "sombra de Deus", mas nunca o próprio criador, nem a representação de seus ideais e desígnios. 

Analise as grandes religiões, os tratados alquímicos e os postulados de magia. Você verá que o Bem representa sempre a presença divina enquanto que o mal representa a ausência do mesmo. Ao fazermos o que é bom estamos de acordo com os estatutos e leis universais escritos desde a fundação do mundo na consciência do homem. Quem faz o que é bom para si e para os demais seres humanos e animais, está em sintonia com o Poder Criador Universal que tende sempre para a evolução, para o crescimento e para o que é justo, belo e perfeito. Por outro lado, ao praticarmos um mal, estamos indo contra o fluir das energias positivas, portanto contra Deus e sua criação. 

Infelizmente; no estágio em que nos encontramos como criaturas humanas, tornamo-nos impossibilitados de agir sempre em sintonia com os desígnios da criação. Por isso, sofremos todos. Não vamos aqui fazer demagogia, afirmando que seja possível atingir a perfeição aqui e agora. Mas somos ousados para dizer que podemos e devemos crescer em comunhão com o Princípio da Vida, cada vez mais e melhor, se quisermos e agirmos com propósito firme e definido. Não é necessário nos santificarmos, sacrificando o nosso corpo e a nossa vida em nome de um ideal utópico de perfeição. É preciso apenas buscar um pouco de luz a cada dia. Deus não nos apressa para que voltemos a ele. Ousemos buscá-lo com serenidade e sensatez, sabendo que somos santos e pecadores ao mesmo tempo, porque não nascemos prontos, nem preparados para receber toda a imensidão e o poder da Luz Divina aqui e agora. Somos aprendizes; arquitetos e co-criadores de nosso próprio destino. Com humildade, poderemos serenamente avançar um degrau de cada vez na grande escada que nos leva de volta a casa paterna. 

Caminhemos pacientemente, sem pressa, aprendendo que criamos o bem e o mal e, através destas criações, avançamos sempre com sofrimento ou com sabedoria, no caminho escuro em busca de luz. Sofremos quando agimos em discordância com os Princípios Eternos, mas mesmo assim cresceremos através da dor. Não nascemos sabendo tudo e por isso cometemos deslizes. Mas isso também não justifica completamente os nossos erros. O aprendiz sabe que as Leis Divinas estão latentes e visíveis a todos porque estão impressas em nossa consciência. Muitas vezes as ignoramos, inocente ou deliberadamente. Conhecemos o caminho prescrito na alma, mas nos desviamos por acharmos que podemos fazer de forma diferente. Por isso e somente por isso, sofremos, criamos e/ou atraímos demônios ao nosso convívio. É isso! 

Para finalizar esta análise simplista a respeito dos conceitos de bem e de mal, ousamos dizer que é possível anular os demônios criados por si próprio ou pela raça humana. E, se há algum "diabo" que não seja criação nossa, por mais superior à nós, não pode ser superior Àquele que tudo criou e que tudo mantém. 

Não tema o mal porque a verdadeira realidade que existe e que nos mostra a sua força é o Bem. O mal, assim como as trevas são apenas estados estagnados porque não geram nenhuma realidade que se expande, não tem energia em si mesmo. Trevas são similares ao caos escuro cujo fim termina em si mesmo. É o nada absoluto. A face oculta de Deus: o deus às avessas. A Luz, por outro lado, é uma energia que se origina sempre de alguma coisa, com dinamismo e criatividade. É algo, gerado por alguma coisa maior, expandindo-se sempre de um centro criador. 

Apesar de não estarmos negando a existência de homens, anjos e demônios malignos, queremos demonstrar aqui que a maioria deles são criações da mente doente do homem. Negar o Mal, não queremos nem podemos. Mas dar-lhe poder, seria tolice. Todo poder verdadeiro, origina-se de Deus ou do bem. Se existissem dois poderes absolutos coexistindo, um anularia o outro. O mal consiste simplesmente em negação, o avesso da realidade criadora. Não temas o mal, apega-te ao bem com toda a sua energia, seus pensamentos e crenças e verá que a luz dissipa as trevas. Sempre!



Por Leunamme às 19:10:08 | Comentários (0)
O mundo em que vivemos - 07/04/2009

“O nosso planeta está passando por um período crítico de desenvolvimento. Nosso minúsculo mundo, envolto em concepções mesquinhas e reduzidos limites, amadurece para o infinito. Suas fronteiras se abrem em todas as direções. Estamos às vésperas de uma Nova Terra e um Novo Céu, segundo as expressões do Apocalipse. Todos nós que vivemos aqui, temos responsabilidades para esta hora do mundo; temos de ajudar-nos a nós mesmos, ampliando a nossa compreensão do sentido da nossa natureza espiritual. 

Nosso mundo está cheio de problemas e conflitos. O crescimento da população, o desenvolvimento econômico, o progresso científico, o aprimoramento técnico, e a profunda modificação das concepções da vida e do ser humano, colocam-nos defronte a uma situação de assustadora instabilidade. As “velhas” religiões sentem-se abaladas até o mais fundo dos seus fundamentos. Ameaçam ruir, ao impacto do avanço científico e da propagação do ceticismo. Descrentes dos “velhos” dogmas, as pessoas se voltam para a febre dos instintos, numa inútil tentativa de regressar à irresponsabilidade animal. 

Diante de um quadro assim, é dever das pessoas de boa vontade, lutar pelo estabelecimento do Reino de Deus na Terra. Uma luta permanente em que as frentes de batalha começam no nosso próprio íntimo e vão até os extremos limites do mundo exterior. 

É necessário abrirmos a nossa mente para uma compreensão inteiramente nova da realidade. É necessário que todos nós procuremos alimentar cada vez mais uma nova compreensão da vida e do mundo, através do estudo e da meditação. É necessário também que aprendamos a usar a poderosa arma da prece, tão desmoralizada pelo automatismo habitual a que as religiões formalistas a relegaram. 

A prece é a mais poderosa arma de que dispomos. A prece verdadeira, brotada do íntimo, como a fonte límpida brota das entranhas da terra, é de um poder não calculado pelo ser humano. Devemos utilizarmo-nos constantemente da prece. Ela nos acalmará o coração inquieto e aclarará os caminhos do mundo. A própria ciência materialista está hoje provando o poder do pensamento e a sua capacidade de transmissão ao infinito. O pensamento empregado na prece leva ainda a carga emotiva dos mais puros e profundos sentimentos. Não podemos duvidar do poder da prece. Quando alguns "mestres" ocultistas desavisados chamarem a prece de muleta, a pessoa convicta deve lembrar que o Cristo também a usava e também a ensinou. Abençoada muleta é essa, que o próprio Mestre dos Mestres não jogou à margem do caminho, em sua luminosa passagem pela Terra! 

A morte não existe e a dor não é uma vingança dos deuses ou um castigo de Deus, mas uma força de equilíbrio e uma lei de educação. A vida terrena é apenas um período de provas e expiações, em que o espírito imortal se aprimora, com vistas à vida verdadeira, que é a espiritual. Os problemas angustiantes do mundo atual não podem perturbar-nos. Devemos estar amparados, não numa fortaleza perecível, mas na segurança dinâmica da compreensão, do observar constante da realidade viva que nos rodeia e de que somos parte integrante. As mudanças ininterruptas das coisas, que nos revelam a instabilidade do mundo, já não podem assustar-nos porque é processo da lei de evolução. 

Este mundo em que agora nos encontramos, longe de nos ameaçar com morte e destruição, acena-nos com ressurreição e vida nova. Devemos viver neste mundo atual com a confiança racional em Deus e nas suas leis admiráveis, que regem as constelações atômicas no seio da matéria e as constelações astrais no seio do infinito. Nada devemos temer, porque o processo da vida, em seus múltiplos aspectos, nos mostra que o mal é um fenômeno relativo, que caracteriza os mundos inferiores. Sobre a nossa cabeça rodam diariamente os mundos superiores, que nos esperam na distância e que os próprios materialistas hoje procuram atingir com os seus foguetes e as suas sondas espaciais. Não são, portanto, mundos utópicos, ilusórios, mas realidades concretas do Universo visível. 

Confiante em Deus, inteligência suprema do Universo e causa primária de todas as coisas, - poder supremo e indefinível, a que as religiões dogmáticas deram a aparência errônea da própria criatura humana, - nós não temos o que temer, desde que procuremos seguir os princípios sublimes da natureza. Deus é amor, escreveu o apóstolo João. Deus é a fonte do Bem e da Beleza, como afirmava Platão. Deus é aquela necessidade lógica a que se referia Descartes, que não podemos tirar do Universo sem que o Universo se desfaça. Quem conhece isto não teme, pois só o desconhecido nos apavora. 

O mundo atual é um campo de batalha. Mas é também a nossa oficina, aquela oficina em que podemos forjar um mundo novo. Dia a dia devemos bater a bigorna do futuro. A cada dia que passa, um pouco do trabalho estará feito. Somos o construtor do nosso próprio futuro do mundo. Se recuarmos, se temermos, se vacilarmos, podemos comprometer a grande obra. Nada nos deve perturbar o trabalho, na turbulenta mas promissora oficina do mundo atual. 

Em resumo:Devemos ser o consciente construtor de uma nova forma de vida humana na Terra e de vida espiritual no Espaço; nossa responsabilidade é proporcional ao nosso conhecimento da realidade; nosso dever de enfrentar as dificuldades atuais, e transformá-las em novas oportunidades de progresso, não pode ser esquecido um momento sequer; humanos de boa vontade, cumpramos o nosso dever!”



Por Leunamme às 22:38:22 | Comentários (1)
Ajoelhar - 04/04/2009

Boa parte das modernas neuroses se localiza na maciez dos joelhos que já não mais se exercitam no exercício da adoração a Deus. Porque se encontram tão pouco calejados, sofre a alma e agita-se o espírito. A pessoa precisa voltar a ajoelhar-se para encontrar, na cruz da imobilidade genuflexa, a paz para seu coração sobressaltado. O gesto de ajoelhar-se reflete, essencialmente, uma atitude interior e processa a terapia duma felicidade espontânea, pura e simples. 



Por Leunamme às 21:54:21 | Comentários (1)
Bom Dia - 03/04/2009

Habitue-se a dar "Bom Dia" à vida que se renova para você em cada manhã.

Olhe a claridade da luz. Contemple a beleza do céu. Respire a energia que o ar lhe traz. Olhe para dentro de você mesmo e sorria feliz, porque tudo isso é Deus dentro de si e na natureza ao seu redor.

Levante todos os dias o seu pensamento, acorde o seu coração, encha-se da mais pura alegria e diga: "Obrigado Senhor!".



Por Leunamme às 13:03:32 | Comentários (0)
O que há de errado com a confissão individual? (Mauricio Pontello) - 01/04/2009

Para quem não se lembra, ou não tem conhecimento, a confissão é um dos sacramentos da Igreja Católica. É o sacramento da penitência. Ele está presente na vida dos cristãos católicos desde a infância, quando da preparação para sua primeira experiência com o Corpo de Cristo sacramentado na Eucaristia. Embora a Igreja Católica possibilite aos fiéis a participação na confissão comunitária, a doutrina ensina que é necessária a confissão individual, pelo menos uma vez por ano.

O Sacramento é um sinal sensível da graça de Deus na vida de seus filhos, ou seja, é algo que pode ser visto e sentido, é a graça em operação!

Se por um lado me deparo com muitos irmãos que ainda mantém uma postura separatista e preconceituosa contra a prática da confissão individual na Igreja Católica, lembrando os argumentos de sempre: somente Deus perdoa, o homem não pode perdoar, me confesso diretamente com Deus, não preciso de intermediários, e assim por diante, de outro lado tenho experimentado o poder curador e libertador da confissão inter-pessoal. Ouço e vejo constantemente irmãos e irmãs serem restaurados através da confissão inter-pessoal, ainda que nos “moldes” da tão criticada Igreja Católica.

Jesus não se enganou ao dizer a seus discípulos, após a ressurreição e após ter soprado sobre eles o Espírito Santo: “Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos.” (ler João 20:22,23)

O que dizer do conselho de Tiago para que confessemos nossos pecados, isto mesmo, nossos pecados, uns aos outros, para sermos curados? Não deve ser acolhido? (ler Tiago 5;16)

Neste contexto podemos dizer que a confissão tem poder curador, e o perdão é terapêutico, tanto para o corpo, como também para a alma. Pois pecado e enfermidade tem afinidade! Sabendo que o Corpo está enfermo, podemos então perguntar: - de onde vêem tantas doenças?

Até quando vamos culpar os demônios, a TV, o rádio, os jornais, as revistas, pelo insucesso de nossa vida espiritual? Este insucesso se reflete em nossa vida secular, não só através de enfermidades, mas também pela manifestação de uma vida descompromissada com o Reino, gerando morte ao invés de vida, trazendo divisões ao invés de união.

Será que o elevado índice de pessoas acometidas de depressão, teria como causa, a falta de confissão inter-pessoal dos pecados e a negligência dessas pessoas em rasgar o coração? Assim como a paralisia de membros físicos, a depressão nada mais é do que a paralisia dos desejos, inclusive do desejo de viver.

Creio que a vacina e a cura para a depressão e muitas outras doenças que estão no físico e na alma do povo de Deus, é a confissão inter-pessoal de nossos pecados e o rasgar de nossos corações, lembrando que a maior penitência não é o ato propriamente dito de confessar os pecados, mas sim de arrepender-se deles, ao ponto de desejar resistir, se for necessário, até derramar sangue para não mais praticá-los.

O que me impressiona e de certa forma me entristece é a hipocrisia do chamado povo de Deus, pois, por mais que o Apóstolo Paulo exorta a Igreja acerca da unidade e diversidade do Corpo, ainda o que vemos é muita gente querendo ser os olhos de Deus na terra, muita gente querendo ser a boca de Deus na terra, mas quase ninguém querendo ser os ouvidos de Deus. (ler I Coríntios 12)

Não estou falando aqui de uma prática simplesmente terapêutica, desassociada da piedade e do amor, marcas características de cristãos autênticos e cheios do Espírito Santo, nem de um mero ritual litúrgico, muito menos de um processo de desencargo de consciência, tão presente em nossa sociedade moderna. Mas creio que a confissão de nossos pecados uns aos outros, de maneira cuidadosa e piedosa vai abrir caminhos até então desconhecidos por nós.

Simplesmente reagir contra o sacramento da Igreja Católica de maneira a criticá-la, pode resultar na negligência de uma autêntica e piedosa confissão e entristecer o coração Daquele que, primeiro nos amou e conhece todas as coisas, inclusive o nosso coração!

Qual a última vez que você se confessou dessa maneira? Façamos todos uma santa e piedosa confissão de nossos pecados.



Por Leunamme às 13:44:01 | Comentários (0)
Ações - 29/03/2009



Por Leunamme às 19:49:39 | Comentários (0)
Ouse ser divino - 24/03/2009

A Bíblia diz: “Vocês são deuses”. Já a cultura que nos rodeia considera tabu dizer “Eu sou Deus”, porque acredita que ofendemos a Deus e somos merecedores de punição por tentarmos usurpar seu trono. Deus não sofre ofensas e seu trono não pode ser abalado. O amor não pode ser exilado, pois não existe lugar no universo de que esteja ausente sua misericórdia. O amor é a qualidade perene de nosso ser, a glória que levamos em nós por toda a eternidade. O que nos aguarda não é o castigo, mas o despertar. Amados, chegou o momento de deixar de lado os brinquedos da Terra e assumir o propósito em nome do qual nascemos. Viemos para aprender que somos de Deus e para expressar esta grande verdade em todas as nossas atividades e relacionamentos.   

Não somos maiores do que Deus, mas tampouco somos menores. Dentro de cada um de nós habita a centelha do divino. Deus vive no imperador e no mendigo de rua, na prostituta e no santo, no vilão e no herói. Esta vida é só um baile de máscaras, uma cena passageira, embora pungente, de um enredo maior. Nossos momentos de iluminação aqui são como diamantes faiscando na superfície de um oceano iluminado pelo brilho da lua, refletindo uma luz que emana de uma fonte muito distante do mundo por ele banhado. Nossos momentos mais brilhantes recordam a radiosidade do lar que deixamos para vagar e aprender. Um dia, talvez em breve, estaremos em pé no cume de um penhasco que dá para o mar, para o imensurável oceano, e abençoaremos a nossa caminhada. Sorriremos diante da libertação do jogo das eras e choraremos as lágrimas de toda a humanidade. Perdoaremos o nosso nascimento, teremos compaixão por nossos erros e acolheremos nossa saída deste mundo quando reconhecermos que suas flechas não podem atingir o coração que Deus amorosamente nos instalou no peito. Somos os senhores da nossa vida. Andamos com Deus e andamos majestosamente. Não há qualificativo excelso o bastante para descrever aqueles que portam a luz do Espírito. E não existe propósito mais elevado que o de reconhecer a beleza em nosso inteior e irradiá-la.   

Ousar ser divino é o desafio final da grande audácia de ser quem você é. A busca da identidade termina, enfim, com a constatação de nossa dimensão divina. Todas as outras ousadias levam até esta. Este não é um texto sobre a autocomplacência; é um alerta de autodescoberta. Cada passo que damos ao longo do caminho leva-nos mais perto da memória de que nossa natureza é espiritual. Nada importa a menos que nos leve para mais perto de nossa Fonte, que está no meio de nós.   

A lembrança de nossa dimensão divina é o único conhecimento que nos fornecerá a verdadeira paz. Durante anos e encarnações sucessivas, dedicamo-nos à busca, à experimentação e a várias filosofias; vivemos em muitos lugares, experimentando as vertiginosas altitudes e dolorosas profundezas das miríades de relações em que nos envolvemos; trilhamos as sendas de religiões antigas e modernas; cruzamos desertos em que o vento das adversidades soprou sobre nossa dor como areia contra nosso rosto fatigado e assim abateu nossa arrogância. Buscando conforto, deitamo-nos nos braços de anjos e de charlatães, levamos aos lábios taças de néctar e recuamos diante de venenos. Tanta busca, porém, conduziu-nos tão-somente de volta a nós mesmos, onde todas as respostas nos esperavam desde o início. A busca de grandeza fora de nós desconsidera o tesouro que jaz em nosso íntimo. Nossa permanência no mundo dos espelhos mostrou-nos que todas as coisas que contemplamos remetem-nos de volta a nós mesmos. No cerne mesmo de nossa alma está Deus. Não temos outra fonte de força além do Espírito. Esta é a verdade radical que viemos descobrir; é a peça final do quebra-cabeça que se encaixa em seu lugar e forma uma imagem perfeita.   

Estamos vivendo numa época sem precedentes na história da humanidade. Esta é a época de dissolução do medo e da ilusão na face do planeta. É o momento do grande despertar, e nós fazemos parte desse movimento. Que era auspiciosa para se viver! Como é grande a contribuição que podemos dar quando encontramos a força necessária para ofertar dádivas!   

Se estas palavras o tocaram, leitor, vá em frente e ponha-as em prática. A visão de seu espírito é necessária. Sua presença neste mundo é mais importante do que você talvez tenha pensado. A Terra está suplicando por ajuda e cura, e seu amor é o dom que trará de volta à vida inúmeros moribundos. Cuide para que sua Luz não perca o brilho. Alimente seu coração. Toque o coração dos outros. Não se esqueça de que somos todos nascidos do mesmo Deus. Sua visão do amor é a mesma que Deus tem de você. Você vai encontrar a coragem de ser você mesmo.”



Por Leunamme às 16:55:13 | Comentários (0)
A virtude - 21/03/2009

“...Segundo Platão e Sócrates, virtude não se ensina. A virtude (aretê) nada tem de opiniático. Trata-se de um dom ofertado por Deus, segundo a concepção socrática. Mas virtude é conhecimento, e como tal, segundo os gregos, não pode ser ensinada. Ou seja, não é uma técnica, um conhecimento formal, que possua o mesmo sentido lógico e racional de uma equação matemática ou mesmo de um teorema. Esse aforismo conhecer a si mesmo, a grande máxima inscrita no Templo de Delfos e adotada por Sócrates, é um dos fundamentos de sua doutrina.
Com Sócrates e Platão entendemos que aprender é recordar, relembrar, é rever, revisitar. Eles eram reencarnacionistas e inauguraram uma concepção toda nova do que se convencionou chamar de alma (psiquê), algo imponderável e que sobrevive à matéria. Não foi à-toa que Allan Kardec os considerou, e com razão, como precursores do Espiritismo.
Essa questão da virtude, na história da filosofia, é uma das muitas questões ainda em aberto. Os neo-platônicos, existencialistas, marxistas, positivistas, neo-evolucionistas, e outros istas não se entendem em relação a essa questão. Nem mesmo os espiritistas. Intelectuais espíritas, de mentalidade cristã e formação religiosa, possuem pontos de vista nem sempre compatíveis com espíritas de mentalidade laica e formação mais filosófica e científica.
Segundo o Espiritismo, a evolução moral nem sempre acompanha a evolução intelectual. No processo evolutivo é necessário primeiramente o conhecimento do bem e do mal, somente possível em função do desenvolvimento do livre-arbítrio, consequência natural do aprimoramento intelectivo. A evolução moral é uma consequência da evolução intelectual. “A moral e a inteligência são duas forças que não se equilibram senão com o tempo”
A virtude, segundo o Espiritismo, é uma qualidade primária, um atributo, uma característica variável em função do nível evolutivo do Espírito, o sujeito pensante, que sente, reflete e age. A virtude é uma propriedade moral adquirida, conquistável. Segundo Kardec, “aquele que a possui a adquiriu pelos seus esforços nas vidas sucessivas, ao se livrar pouco a pouco das suas imperfeições” (O Evangelho Segundo o Espiritismo - Introdução - LAKE).
Para se combater os vícios, nada melhor do que aprimorar as virtudes, com conhecimento de causa. Aí está a chave da questão. O ato de reprimir as viciações é sempre louvável, mas se não vier acompanhado de um processo de autoconhecimento, de autopercepção, não terá sentido. Sem uma atitude racional, sem o devido bom senso, o que temos é a hipocrisia, a repressão cega e insensata com o verniz da virtude piedosa, uma usina produtora de sepulcros caiados.
A EDUCAÇÃO
O Espiritismo nos oferece uma compreensão racional muito bem fundamentada na observação, na experimentação. A base de todas as viciações se acha no abuso das paixões. “As paixões são como um cavalo que é útil quando governado e perigoso quando governa.”
O princípio das paixões não é um mal. O mal está no exagero, nos excessos e nas consequências nefastas que possam existir quando há o abuso. Segundo o provérbio latino, “o abuso não desmerece o uso”.
A saída que o Espiritismo propõe é a educação. Nesse sentido, podemos afirmar que, ao contrário dos filósofos clássicos, a virtude pode ser ensinada, não no sentido tecnológico, formal, mas como um conjunto de caracteres passíveis de serem moralmente formatados.
O comentário de Allan Kardec, a esse respeito, é bem elucidativo: “A educação, se for bem compreendida, será a chave do progresso moral. Quando se conhecer a arte de manejar os caracteres como se conhece a de manejar as inteligências, poder-se-á endireitá-los, da mesma maneira como se endireitam plantas novas. Essa arte, porém, requer muito tato, muita experiência e uma profunda observação. É um grave erro acreditar que basta ter a ciência para aplicá-la de maneira proveitosa.”
A educação segundo o Espiritismo é moralizante. O moralismo hipócrita não cabe em seus princípios. A educação espírita é libertária sem ser libertina. Ela não é religiosa; é cultural, reflexiva e tolerante.
Trabalho, solidariedade e tolerância, o lema que Kardec adotou para si se constitui, em termos sintéticos, numa atitude entusiasta e viril diante da vida. Sentimentos viciosos como a inveja, o orgulho, a hipocrisia, dentre tantos outros, se esvaem, tendem a se diluir e se reordenar diante do processo de transformação moral que o Espiritismo propõe, na incessante busca da sabedoria e da virtude.”



Por Leunamme às 22:52:48 | Comentários (0)
Ser Espiritualista - 19/03/2009

Cultivar a vida espiritual, ser espiritualista, não é privilégio deste ou daquele; é dever de todos se prepararem para uma compreensão exata da vida e caminharem com segurança na passagem pela Terra.
Evoluir não é viver num mar de rosas mas, sim, trabalhar, lutar conscientemente. Espiritualizar-se, não é confabular com os espíritos, não é falar neles a todo o momento, como muitos fazem. Muitos que frequentam as Casas Racionalistas vivem a encher a boca com a palavra espiritualista, sem saberem com certeza o valor dessa palavra. É por esse motivo que recomendamos que estudeis, para que vos aperfeiçoeis, procurando discernir bem sobre o que encerra a obra Racionalismo Cristão.
Ser espiritualista é ser esclarecido, conhecer-se como Força e Matéria, trazer o tempo ocupado, é ser honrado, é ter convicção do valor do pensamento, é ser forte, é procurar vencer todas as vicissitudes, todos os obstáculos, não querer o impossível, enfim, é ter prudência em todos os atos, cuidar da vida material com valor e inteligência, trabalhar pelo bem geral da humanidade, sempre dentro destes Princípios sãos, saber acumular vida anímica para que o espírito possa muito produzir com o bem querer, nesse anseio de ser útil ao semelhante, clarividenciar o raciocínio para melhor vencer as dificuldades, caminhar devagar, ser calmo, mas veloz com o pensamento, alimentando o desejo de produzir sempre e sempre.
Observai o que se vai passando pelo mundo afora! Campeia o desamor pelo trabalho e aumenta o deboche, há verdadeiro descaso pelas coisas sérias da vida. A dignidade se vende, troca-se por qualquer coisa de menos valia; o indivíduo pouco ou nada procura produzir, cada vez se entrega mais à indolência, esperando por uma melhoria à custa dos braços alheios, querendo arrancar dos outros o que de direito possuem, querendo para si aquilo que não lhe pertence, aquilo que a ele não pode chegar, porque não faz esforço dentro das leis que regulam o trabalho honesto. Não pode haver produção sem esforço, sem trabalho, e infelizmente é com tristeza profunda que se observa haver falta de caráter.
Temos frisado muitas vezes que do preparo espiritual da criatura resulta o êxito, porque ele lhe dá coragem, lhe dá valor, lhe dá desprendimento. Para viver na Terra é preciso que haja desprendimento e valor. Há criaturas que não sabem viver, há criaturas que não têm, absolutamente controle sobre si mesmas, e do controle que cada um deve ter, do domínio do seu "eu" é que dependem a estabilidade e a paz da criatura.
Toda criatura tem os seus defeitos, toda criatura tem o seu célebre gênio, mas saber dominar esse gênio, conter o seu "eu" é o que todos precisam fazer. Ninguém é perfeito neste mundo. Enganam-se aqueles que julgam que são perfeitos. Todos são imperfeitos e, assim sendo, todos devem procurar aperfeiçoar-se.
A vida se tornará mais suave quando todos se convencerem de que devem ser humanos uns para com os outros, de que devem ser tolerantes, de que devem ser condescendentes não com o erro, mas com a falta de conhecimento do semelhante. Não se pode exigir perfeições, mas, sim, tolerância e compreensão, porque daí resultará a harmonia dos seres. Há muitos lares em desarmonia, em desequilíbrio espiritual, por falta de senso, de controle.
Todos devem saber primeiro olhar para dentro de si e depois então olhar para os outros, para não reconhecerem neles defeitos somente. Aprendam, portanto, a viver. Aprendam a agir como criaturas sensatas e equilibradas, saibam ser valorosas para compreenderem bem as suas obrigações e as cumpram. Ninguém deve resolver os seus problemas num ambiente de irritação. A irritação e a impaciência são inimigas da paz e da tranquilidade.
É preciso que todos saibam resolver as coisas com naturalidade e inteligência. Aprendam a ser criaturas capazes de se bastarem pelo pensamento a si próprias, não precisando da proteção espiritual de ninguém, mas contando com os seus próprios recursos espirituais, para vencerem na luta pela vida sempre de cabeça erguida.



Por Leunamme às 23:04:56 | Comentários (1)
Sensibilidade - 16/03/2009

Porque será que alguns comandantes de forças militares gritam tanto com seus soldados? É certo que nos treinamentos os soldados se habituam a agirem quase que instintivamente ao "grito" do comandante, mas no início eu achei que isso era abuso de poder. Em uma guerra, várias equipes estão juntas, e cada equipe possui o seu comandante. Naquele movimento, naquele barulho todo, cada soldado consegue distinguir o som da voz de seu comandante. É essa sensibilidade, adquirida no treino, que os move como um exército. Qual é a voz de comando que você tem ouvido?

Seguramente a intimidade com o Senhor não se dá como nos treinamentos militares, porém distinguir a voz de Deus, dentre as vozes do mundo, é "vital". A voz do Senhor sem dúvida alguma é inconfundível e sempre leva em conta não nos oprimir. Ele nos dá a liberdade de escolher e fala conosco com um Voz suave e mansa! Esse é o Deus que nos ama.

Os discípulos quando ficaram cheios do Espírito Santo, no pentecoste, davam testemunho de Jesus, conforme Ele mesmo havia predito. Havia naquele local judeus de várias partes do "mundo" e, provavelmente, povos de outras nacionalidades. Quando estes ouviram a voz do Espírito através dos discípulos, ficaram atônitos, totalmente confusos. Para mim isso caracteriza a vida daqueles que não têm intimidade com o Senhor, porque não sabem distinguir a voz de Deus das vozes do mundo. Seguramente ali houve revelação especial a alguns e estas vidas reconheceram que Jesus é o Cristo, mas muitos outros denominavam os discípulos como loucos ou embriagados, não perceberam a presença de Deus naquele lugar.

Saiba Que no nosso dia-a-dia o Senhor se manifesta de várias formas! Qual o nível da sua sensibilidade à voz do Senhor? Acredito que o grande mal hoje é tentar uniformizar a forma da ação de Deus. Lembre-se, o Espírito tem liberdade para agir como Lhe convém. Tente ver o Senhor na sua vida. Deus deseja intimidade com seus filhos. Lembre-se sempre disso!



Por Leunamme às 16:30:02 | Comentários (0)
Sempre é preciso continuar - 12/03/2009

"A mensagem abaixo é baseada num pequeno texto de Fernando Sabino. Através dele o Senhor nos fala de recomeço, fé, e fidelidade. Leia, ore e deixe Deus falar ao seu coração.

De tudo ficaram três coisas:
A certeza de que estamos começando,
a certeza de que é preciso continuar
e a certeza de que podemos ser interrompidos
antes de terminar. 

Façamos da interrupção um caminho novo.
Da queda um passo de dança,
do medo uma escada,
do sonho uma ponte,
da procura um encontro! 

Lembre-se disso:

Recomece sempre!
Sempre é preciso continuar!
Mesmo quando tudo o que fazemos aparentemente não dá certo, tudo é passível de mudança. Tudo faz parte de um intenso processo de transformação…
Não tenha medo de mudar!
Mude de atitude,
Mude de lugar,
Mude sua forma de agir,
Mude sua forma de pensar!
Faça da queda um passo bonito de dança, do medo uma escada, do sonho uma ponte! 

Um trecho do poema “Metade”, de Oswaldo Montenegro diz o seguinte: “E que a força do medo que tenho não me impeça de ver o que anseio!”. 

Quantas vezes deixamos que o medo transforme a nossa realidade, nos impedindo de ver o que sonhamos?
Quantas vezes nos calamos, ou paramos no tempo por medo de mudar?
O medo paralisa. Quando deixamos que o medo domine nossas mentes entristecemos o coração de Deus porque o medo é sinal de falta de fé e sem fé é impossível agradar a Deus… 

Lembre-se de Josué 1:9, que diz “Isto é uma ordem, sê firme e corajoso, não te atemorizes, não tenhas medo porque o Senhor teu Deus estará contigo em qualquer parte para onde fores” 

Não permita que o medo afogue seus sonhos!
Faça dos obstáculos uma escada, creia que o mesmo Deus que te criou no ventre materno estará contigo em qualquer parte ou situação, caminhe com fé e determinação e seja feliz!" 



Por Leunamme às 00:52:42 | Comentários (0)
Destinos: Divino e humano (José Reis Chaves) - 23/02/2009

Alguns dizem que nós mesmos nos condenamos com o nosso livre-arbítrio. Mas se a condenação fosse irremediável e para sempre, o nosso livre-arbítrio seria, então, como a isca traiçoeira e mortal para pegar peixe! Se assim fosse, Deus não no-lo daria! 

“Há tempo para tudo.” – (Eclesiastes, capítulo 3). E cada um de nós tem, pois, tempo de condenação e tempo de libertação. A Bíblia fala também em plenitude dos tempos, que podemos dizer igualmente completude dos tempos. E Jesus afirma que todos nós temos recebido de sua plenitude, e graça sobre graça – (João 1,16). Assim, se essa plenitude e graça sobre graça são reais mesmo – e são – como alguém poderia ter um destino de ser condenado para sempre, e quando sabemos que Deus não faz acepção de pessoas? 

Ademais, quando Jesus nos ensinou que ninguém deixará de pagar tudo até o último centavo, ele derruba de uma vez por todas as chamadas penas eternas, pois pago o último centavo, nós não vamos pagar mais nada! E Jesus quis dizer também, com esse seu ensino, que os nossos erros serão resgatados, por nós mesmos, como nos ensina a lei de causa e efeito universal ou cármica. Essa é a lei: a Ca da um será dado segundo suas obras – (Apocalipse 59,18). E as leis de Deus são perfeitas e justas. Até à nossa libertação final, nós temos, pois, nossos destinos construídos por nós mesmos, já que vamos colhendo o que tivermos plantado, isto é, alegrias e tristezas. 

E as penas têm por objetivo nos regenerar, mostrando-nos que é compensadora a vivência do Evangelho de Jesus, e não a nossa ruína para sempre, o que seria incompatível com a sabedoria, a perfeição, a onipotência, a justiça e o amor infinitos de Deus, e incompatível mesmo até com a nossa justiça humana, apesar de ela ser imperfeita. 

E, mesmo que o indivíduo só plante abrolhos, ele tem um limite de tempo para isso. Como, pois, poderia ser punido com uma pena maior ou para sempre por causa de erros finitos e limitados no tempo e no espaço? Ademais, estamos sempre evoluindo. Como diz Paulo, nós vamos sendo transformados de glória em glória – (2 Coríntios 3,18). O nosso homem interior se renova de dia em dia – (2 Coríntios 4,16). 

O inferno é, pois, temporário. Os teólogos do passado erraram nesse e outros assuntos, e espalharam erros pelos séculos afora. E a Bíblia confirma o que dizemos. Lemos em Oséias 13,14: “Onde está, ó inferno, a tua destruição?” E está registrado no Apocalipse 20,14: “Então, a morte e o inferno foram precipitados no lago de fogo”. Isso quer dizer que o inferno não é para sempre, pelo contrário, será destruído para sempre! Aliás, infernos, purgatórios e céus não são locais geográficos, mas estados de espíritos, e acompanham-nos aonde formos. 

Pelo exposto, ficou demonstrado que, pelas eternidades afora, nós vamos tendo mesmo vários destinos, um feito por Deus, ou seja, o de salvação geral de todos nós – um dia – e outros temporários, feitos por nós mesmos durante a nossa existência como espíritos imortais que somos.



Por Leunamme às 23:03:47 | Comentários (0)
Cúmplice x Testemunha - 22/02/2009

Digamos que você está tranquilamente dirigindo pela cidade e subitamente aparece um carro desgovernado e bate no seu veículo! Você não hesita em abrir um processo contra o sujeito e está certo de que aquele motorista estava completamente errado. Todas as formalizações são encaminhadas e no dia X você está diante do Juiz. Ali durante a audiência você é questionado: "Há alguma prova de que o acusado seja culpado pela batida?". Seguro, convicto de que tudo estava sob controle, você rapidamente anuncia uma testemunha, "você mesmo"! Isso seria aceito em sua opinião?
Talvez para você não haja nada de anormal nesta ilustração, mas saiba que o "testemunho de si mesmo" não tem valor! É lógico que há situações, processos, onde a própria pessoa é a prova do "crime", o que é raro, porque geralmente é necessário no mínimo uma segunda pessoa, alguém ou alguma coisa que possa somar com o testemunho, seja na acusação, seja na defesa.
Essa "exigência" não é algo particular aos tribunais, na cultura judaica, por exemplo, exige o testemunho de uma segunda pessoa para ter como verdadeira uma situação. Isso acontecia também na época de Jesus Cristo.
Fico impressionado com a capacidade de Jesus em cumprir com perfeição os mínimos detalhes de uma vida íntegra. Pela teologia, aprendemos que Jesus era perfeitamente homem! E no contexto do versículo "Se Eu testifico de Mim mesmo, o Meu testemunho não é verdadeiro. Há Outro que testifica de Mim, e sei que o testemunho que Ele dá de Mim é verdadeiro" (João 5.31-32) há evidências disso, quando Ele ressalta que nada pode fazer por Si mesmo, mas somente por Aquele que o enviou. De um lado fidelidade, obediência, e por outro o respaldo do Pai! Era como se o Pai assinasse o comportamento do Filho, ou melhor, o próprio Deus dava testemunho acerca de Cristo Jesus.
Hoje é comum ouvir que alguém tem um "cúmplice"! Jesus nos ensinou que o Pai não falta com aquele que é fiel e, deixa claro que há apenas duas condições possíveis ao homem: Cúmplice do Mundo ou Testemunha viva do Senhor e Salvador Jesus Cristo. O que a sua vida revela a esse respeito? Você é um cúmplice ou é uma testemunha viva?


Por Leunamme às 10:32:31 | Comentários (0)
Verdadeira Humildade! - 18/02/2009

"Eu nada posso fazer de Mim mesmo; na forma por que ouço, julgo. O Meu juízo é justo, porque não procuro a Minha própria vontade, e sim a dAquele que Me enviou"
João 5.30 Genebra (Revista e Atualizada)
 
"Você sabe o significado da palavra "Humildade"? Significa: "virtude que nos dá o sentimento de nossa fraqueza, modéstia". Sentido bem interessante não é mesmo? Mas tem um sentido que considero mais oportuno, humildade é a "Demonstração de respeito, de submissão".
O exemplo de humildade que vemos na vida de Jesus, conforme as Escrituras, não é passar por inútil e recusar posições de responsabilidade, mas reconhecer e guardar o lugar que Deus determinou para alguém. Será que a palavra humilde ganha outro sentido na sua vida com esse esclarecimento?
Ser humilde é uma questão de aceitar o plano de Deus, quer signifique ocupar um lugar de alta posição de liderança, quer signifique ocupar um lugar obscuro de servo. Jesus deixa clara a sua obediência seguindo o Plano de Deus, por isso era humilde de coração. "(...) aprendei de Mim, porque Sou amável e humilde de coração, e assim achareis descanso para as vossas almas" (Mateus 11.29b).
Há um texto que resume bem o propósito do Pai aceito pelo Filho (Confissão de Westminster, III.1): "Aprouve a Deus, em Seu eterno propósito, escolher e ordenar o Senhor Jesus Cristo, Seu Filho unigênito, para ser o Mediador entre Deus e o homem, o Profeta, Sacerdote e Rei, o Cabeça e Salvador de Sua Igreja, o Herdeiro de todas as coisas e Juiz do mundo; e deu-Lhe, desde toda a eternidade, um povo para ser a Sua semente e para, no tempo devido, ser por Ele remido, chamado, justificado, santificado e glorificado". Esse texto é maravilhoso e expressa a soberania e a humildade de Cristo!
O Senhor Jesus veio ao mundo e cumpriu o propósito de Deus em dois estágios: Humilhação e Exaltação. Humilhação quando Cristo deixou para trás a glória eterna que era Sua, assumindo a forma de servo fazendo-Se semelhante a homem. Humilhou-se a Si mesmo, sendo obediente até a morte, e morte de cruz (Filipenses 2.6-8). E Exaltação quando Cristo ressurgiu dentre os mortos, subiu aos céus e reina como Rei sobre o mundo e a Igreja.
Jesus veio para fazer a vontade do Pai, não para evitá-la, e Seu coração estava inteiramente obediente a ela. Diante deste "testemunho" pergunto: Você tem um coração humilde? Que lugar a Vontade de Deus tem na sua vida? A Exaltação do humilde servo de Deus encontra lugar na salvação que há em Jesus Cristo."


Por Leunamme às 10:59:54 | Comentários (0)
Corpo e Mente - 12/02/2009

O corpo e a mente estão intimamente relacionados e ambos obtêm sustento do alimento. Por esse motivo, o alimento tem impacto considerável sobre o caráter e o destino do indivíduo.

Como é o alimento, assim é a mente; como é a mente, assim é o pensamento; como é o pensamento, assim é a ação. Tudo aquilo que é percebido pelos sentidos constitui "alimento". Para o aspirante espiritual, o que é absorvido deve ser sempre puro e moderado. Sons, imagens, impressões, idéias, lições, contatos - tudo deve promover reverência, humildade, equilíbrio, equanimidade e simplicidade. Somente o alimento puro manterá a mente equilibrada e completamente concentrada no Espírito, que deve ser contemplado para que a pessoa alcance paz.



Por Leunamme às 23:27:41 | Comentários (0)
O poder de um coração aberto - 05/02/2009

“Para realmente dar e receber amor, temos de nos abrir. Quando expomos o nosso coração para abraçar alguém, essa pessoa pode receber e retribuir o nosso presente, mas pode também nos deixar ali plantados, sozinhos. Esse é o risco que corremos quando abrimos o coração para fazer contato. Quando dizemos sim à vida, abrimo-nos para todas as experiências que a vida tem para oferecer. Nesse processo, podemos nos sentir feridos, rejeitados ou mal-entendidos. Mas também podemos ser abraçados. É assim que a intimidade funciona. Você não pode receber abraços se continuar com os braços cruzados. 

A única coisa mais perigosa que estar aberto é estar ausente. Se abrirmos as portas e deixarmos entrar as outras pessoas e a vida, temos a chance de perder; mas se fecharmos as portas, certamente estaremos perdidos. A lógica do medo nos diz que se ficarmos fechados estaremos a salvo, mas a sabedoria superior mostra-nos que estaremos mortos. O máximo poder nos vem quando deixamos as defesas de lado e permitimos que vida flua através de nós.

Se você não sabe o que fazer com a sua vida, basta que vá em frente. Se estive disposto a seguir pistas, experimentar o desconhecido e não excluir pessoas ou experiências antes de dar-lhes uma oportunidade, encontrará o portão de acesso para o jardim da inocência. Esse é o estado de deslumbramento das crianças, ao qual Jesus disse que temos de retornar se quisermos gozar o Paraíso. O que se pede de nós não é a santidade, mas a simples abertura. Um pouco de disponibilidade pode fazer uma enorme diferença. 

“Sim” é mais do que uma palavra – é uma atitude. É uma postura da razão e do coração que marca nossa forma de levar a vida. Viver no “sim” é a chave para realizar os desejos do coração. Diga sim à vida e a vida dirá sim a você.”



Por Leunamme às 16:23:25 | Comentários (0)
Essência - 20/01/2009

"A essência de todas as religiões, a mensagem de todas as Escrituras e o destino de toda a humanidade é o mesmo. Mas, por causa do egoísmo, da estreiteza de visão e do interesse próprio, a religião é usada como um pretexto para promover diferenças e conflitos. Moralidade, integridade, retidão, caridade, verdade, paciência e não-violência são princípios básicos de todas as religiões. Mas durante anos os homens esqueceram essas verdades e criaram tendências divisoras no lugar da unidade. Por conseguinte, o respeito aos valores humanos desapareceu. É essencial reconhecer a unidade Divina que cobre toda a diversidade evidente na existência humana."



Por Leunamme às 09:03:33 | Comentários (0)
Coríntios - 18/01/2009



Por Leunamme às 22:12:25 | Comentários (1)
Amor fraternal - 10/01/2009

Se conseguires fazer teu amor fraternal ser tão forte quanto o furacão, para atingir teu semelhante, estarás subindo patamares espirituais que transformarão tua vida, dando-te bem-estar e felicidade que só os eleitos de Jesus conhecem. Não te será difícil ter essa impetuosidade de amor. Basta materializares a imagem de Jesus, ao saíres de casa e ter fé na sua doutrina e seguir-lhe o exemplo e estarás ajudando a melhorar a comunidade.


Por Leunamme às 19:06:04 | Comentários (1)
Quantas vezes - 05/01/2009

Quantas vezes devo perdoar?..
Quantos passos deverei dar em direção ao outro?
Quantas vezes terei que dizer que sou capaz de mudar de atitude?
Perguntas que fazem eco em minha alma... quantas vezes???
Infinitas vezes, essa é a melhor resposta. Vida é luta diária, para a renovação, para aparar arestas, para conhecer-me e principalmente, exercitar a honestidade para comigo mesmo.
Quantas vezes magoei sem  intenção, investi minha energia e nada, mas fora necessária a vivência, como portal do aprendizado. Buscam segredos escondidos, histórias fantásticas, quando a realidade é a experiência da Vida. O Amor é irresistível, mas a busca do Amor pleno é interminável.
A melhor forma de Viver é observando tudo que está ao meu lado, e não olhar para mim mesmo, como alguém que requer mimos. Quando me permito sentir mágoa, intoxico-me.
Quando escolho os ressentimentos desarmonizo-me e vejo tudo que me cerca com olhos da crítica destrutiva.
Percebi que a vigilância dos meus próprios sentimentos me ocupa todo o dia, a fim de que eu não precise sequer, perguntar, quantas vezes terei que perdoar?...
Ou Quantos Passos Terei que Dar Em Sua Direção???
Com certeza, a sintonia com Deus, me libera de todo e qualquer melindre ou ressentimento, mágoa e tristeza. A cada um cabe a responsabilidade dos seus atos! Alimentar qualquer sentimento que esteja fora do Bem, só trará dores para mim.
Vivencio a alegria de Viver, independente de como eu esteja, onde e com quem.


Por Leunamme às 16:53:05 | Comentários (1)
Nesse Natal vamos despertar! - 24/12/2008

Sempre que duas pessoas se perdoam mutuamente, é Natal. 

Sempre que você mostra compreensão para com seus filhos, é Natal. 

Sempre que você ajuda a alguém, é Natal. 

Sempre que alguém se decide a viver honestamente, é Natal. 

Sempre que nasce uma criança, é Natal. 

Sempre que você experimentar dar a tua vida um novo sentido, é Natal. 

Sempre que você se olha com os olhos do “coração”, com um sorriso nos lábios é Natal, pois nasceu o Amor, pois nasceu a Paz, pois nasceu a Justiça, pois nasceu a Esperança, pois nasceu a Alegria, pois nasceu Cristo, Nosso Senhor! 

Luz na Penumbra deseja um futuro feliz para todos e um Feliz Natal!



Por Leunamme às 14:28:26 | Comentários (0)
Conflitos interiores - 22/12/2008

Há conflitos interiores muito penosos de controlar. Tanto piores quanto mais contraditória for a essência dos dois extremos em disputa e mais dramáticas se revelarem as perdas associadas a qualquer das decisões finais possíveis.
É que existem conflitos assim, sem uma saída “honrosa”. Uma derrota garantida e a incerteza imediata quanto à escolha acertada do mal menor. Facas de dois gumes e coisas assim. 

Como temos que optar entre o apelo do coração e a razão da cabeça, quando esta possui alguma. Acontece mais em vidas intensas e quase sempre lhe está associada uma decisão “impossível” de tomar. Ficamos dilacerados por dentro pelas duas metades equivalentes de nós a puxarem as pontas opostas de uma corda. Uma disputa entre o que devemos contra o que queremos.
Pode assumir proporções devastadoras, quando nos deixamos enfraquecer por essa guerra sem quartel que se trava sem controle algum. Eu contra mim, um absurdo cristalino. 

Mas é mesmo assim que nos sentimos nessas condições, encurralados. Somos filhos legítimos da emoção e bastardos da racionalidade que nos acautelam, que nos impede sempre de dar o passo longo demais e que pode virar-se contra nós. As duas realidades que nos atormentam quando se enfrentam na seqüência de um daqueles dilemas em que parecemos um saco de esponja com um gato excitado no seu interior. As unhas que nos retalham fornecem o conjunto das dores que se apoderam de nós nessas alturas.
Há quem perca as estribeiras no limite máximo da pressão. 

É que por vezes, as próprias perdas inevitáveis constituem a única hipótese de salvarmos algo de precioso para nós. Perdemos até o que olhamos como um pedaço da nossa essência, o preço exagerado de algumas formas de abdicação. Para acudir a outra perda que sentimos ou julgamos ainda mais valiosa para experimentarmos a (difícil) felicidade que a vida nos dá a provar.
Às vezes são os outros que criam o problema, outras vezes somos nós. Incapazes de conciliar o impulso palerma com o discurso racional. E as combinações possíveis entre esses quatro quadrantes do nosso reduzido espaço de manobra. 

Filha da mãe de provação, quando a sucessão de acontecimentos parece conjugar-se de forma perfeita para refinar o padecimento, para afiar as garras dos miaus…
E depois há os umbigos exteriores, se for o caso, que nos avaliam pelo modo como reagimos ao longo dessas tomadas de decisão. Aumenta a confusão associada e fica quase caótico o campo de batalha onde se desenrola cada “guerra civil” em nós.
Fazemos desatino, claro está. 

E depois reciclamos os cacos e construímos à pressa um mecanismo de defesa. A sua fraqueza está nas infiltrações de tristeza no muro patético da nossa debilidade interior mal disfarçada, o tal saco rasgado que nunca conseguimos coser e nos deixa à mercê das ondas de choque criadas. As réplicas inesperadas e algum arrependimento, quando calha, pois ficamos cegos perante a exibição necessária do nosso poder, da firmeza das nossas convicções.



Por Leunamme às 21:01:29 | Comentários (0)
Morte biológica - 17/12/2008

 “Vejamos o que é Morte Biológica: fisicamente falando é a falência dos órgãos que animam um ser humano e, quando se dá este esgotamento, ocorre a morte do corpo físico. Nosso corpo espiritual desliga-se do corpo físico ficando então o físico como matéria inerte, decompondo-se com o passar dos dias.
No entanto, nosso corpo espiritual continua mais vivo do que nunca, um exemplo interessante é o filme Ghost; Patrick Swayze morre, porém o mesmo continua vivo em um corpo infinitamente mais leve, semi-material e que ninguém pode ver, somente aqueles que já têm esta percepção acentuada.
Há muitos outros filmes como o Sexto Sentido, Minha Vida na outra Vida, são histórias que nos comprovam que a chamada morte do corpo físico nada tem a ver com o final de nossa existência e, sim, com o término de um estágio voltando para a vida real, a espiritual. E lá, em nossa vida espiritual, voltamos a estudar e a nos preparar para novos estágios, servindo-nos de aprendizados incomensuráveis para que, aos poucos, tenhamos a oportunidade de conquistar a evolução do nosso ser, da nossa essência.
Muitos se amedrontam com pensamentos aterrorizadores sobre a morte, imaginam ser o fim, e pensam que tudo o que conseguiram construir com muito esforço e dedicação se perde. 

Estes pensamentos terríveis são interpretações equivocadas que advém de nossos primórdios por acreditarem que assim fosse, arrastando-nos para o mesmo caminho, o da ignorância espiritual. 

Pensar que um dia deixaremos de ser, nada tem de realidade, uma vez que a morte do corpo físico nada tem a ver com o fim de tudo, muito pelo contrário é o recomeço, é uma velha nova vida, a volta ao lar. 

Fomos criados por Deus a sua semelhança, para tanto, somos espíritos eternos vivendo várias vidas, em diversos estágios carnais, isto se deve a uma preparação de Deus para conseguirmos atingir a perfeição. Quando não precisarmos mais passar por estas tormentas, trabalharemos para o bem ajudando aqueles que ainda dormem nessa infeliz ignorância. 

Passamos por estas várias experiências de vida justamente para aprendermos o que é certo e devido perante Deus, o bem e o amor, despojando nossos erros e neuras. Enfim, estas existências servem para nos lapidar, assim como uma pedra preciosa que ainda em estado rudimentar esconde sua beleza e, até que não aceite as duras marteladas, não se lapidará exteriorizando sua beleza. 

É por isso que de tempos em tempos passamos por vivências físicas para que em matéria possamos vivenciar e comprovar os estudos adquiridos pelo nosso ser, quando em vida espiritual. E assim retornamos várias vezes para a escola terrena, e a cada estágio construímos novos patamares de elevação. Vivemos várias vidas e em cada uma delas temos um novo corpo carnal programado pelos coordenadores espirituais para a experiência, devidamente relacionada ao estágio e à experiência a ser adquirida, mas a nossa alma é sempre a mesma adquirindo aperfeiçoamento. 

Nesses estágios, às vezes estamos como ricos, outras vezes, pobres, bonitos, feios, inteligentes, ignorantes... ou seja, a cada necessidade é projetada a situação pertinente. Isto acontece para que o ser possa sentir na pele a necessidade do espírito, do nosso “eu” para crescer. Quando aprendemos cada nuance dos problemas passamos a respeitar mais o outro, justamente por conseguirmos nos colocar no lugar do mesmo. Há um policiamento de nós mesmos com relação a analises, criticas, verbalizações, pensamentos, enfim, aproximamo-nos do equilíbrio, passando a compreender e aceitar claramente qualquer situação. 

Existem inúmeros casos de experiência de EQM (Experiência de Quase Morte) comprovando que o ser quando fica parcialmente desligado do corpo físico, devido a algum problema patológico e, ao retornar, traz consigo toda lembrança vivenciada e adquirida, a conscientização do real, do transcendental. Seu protetor espiritual leva-o a conhecer e a entender a importância de estarmos inseridos neste estágio e seus porquês, fazendo-nos entender como é importante produzirmos o nosso melhor. 

Jamais pensemos que se terminarmos com nossas vidas, nossos problemas se acabarão, muito pelo contrário, pois, será o firmar da dor e tempo levará para refazermo-nos dos débitos perante Deus e a nossa consciência.

Devemos, sem demora, começar a perceber que o mundo espiritual existe e é o que nos dá forças para acreditar e fazer tudo certo com inteligência e sabedoria, contraindo somente felicidade não só para o presente, mas, por toda eternidade. 

Quando estivermos do outro lado, no mundo espiritual, encontraremos e ficaremos com quem realmente amamos e queremos, principalmente se formos espíritos mais conscientes de nossos deveres, haverá muita alegria e realização. 

Saibamos que somente conseguimos levar conosco os bens imateriais que adquirirmos em nossa caminhada: o bem que fizemos ao próximo, o amor que conseguimos distribuir, a caridade praticada... E por justiça divina seremos os beneficiados, mas, o contrário também é certo. Se assim for receberemos de volta todas as merecidas corrigendas da vida. E, por quantos estágios forem necessários, sentiremos na pele toda a problemática de não termos dado o devido valor ao que realmente importava para nosso crescimento como seres eternos e não efêmeros. 

Acreditemos na eternidade da alma, em nossa vida real, na realidade dos fatos. Para isso devemos procurar, assim encontraremos as devidas respostas e comprovações nos estudos, pesquisas, em nosso dia-a-dia... A vida é simplesmente Maravilhosa, todavia, para que sintamos toda esta satisfação temos que saber aproveitá-la na íntegra. Há quem olhe um copo de água pela metade e diga: “Puxa! Está quase vazio”! Em compensação o outro com uma visão mais correta diz: “Que legal! Está quase cheio”! 

Nunca deixaremos de existir, somente de sofrer, entretanto, depende de nós!”  (Leontina Rita Acorinti Trentin)



Por Leunamme às 15:10:31 | Comentários (0)
Oração para você - 08/12/2008

Pai, eu lhe peço que abençoe os leitores que estiverem lendo esta mensagem. 

Faça-lhes uma nova revelação de Seu amor e poder. 

Espírito Santo, peço-Lhe que ministre ao espírito deles neste momento. 

Onde houver dor, conceda-lhes sua paz e misericórdia. 

Onde houver dúvida, renove-lhes a confiança na Sua capacidade de operar através deles. 

Onde houver cansaço ou exaustão, peço-Lhe que lhes dê compreensão, paciência e força enquanto aprendem a se submeter a Sua direção. 

Onde houver estagnação espiritual, peço-Lhe que os renove revelando Sua proximidade e atraindo-os para maior intimidade com o Senhor. 

Onde houver medo, revele Seu amor e incuta-lhes Sua coragem. 

Onde houver o obstáculo de algum pecado, revele-o e quebre, o poder que estiver exercendo sobre a vida deles. 

Abençoe suas finanças, conceda-lhes maior visão, levante líderes e amigos para dar-lhes apoio e encoraje-os. 

Dê a cada um discernimento para reconhecer as forças negativas que os rodeiam e revele-lhes o poder que têm no Senhor para derrotá-las. 

Peço-Lhe que faça todas essas coisas em nome de Jesus.



Por Leunamme às 18:17:23 | Comentários (0)
Um Ser Iluminado - 03/12/2008

Grande ilusão pensar que para ser um Ser Iluminado é necessário ser um Santo ou um Guru.

Na verdade todos nós somos Seres Iluminados. Mas para esta Luz brilhar é necessário "baixar a bola" do nosso ego.

Fomos educados de uma forma para ignorarmos, negarmos, escondermos as nossas sombras. Por isto, nossa Luz não brilha.

Como dizia Young: "Você só se torna um Ser de Luz, quando tiver CORAGEM para conhecer as suas trevas..."

É necessário uma Transformação Espiritual para conscientemente reconhecer as suas sombras e assim ir ao encontro da sua Luz.

Com amor e luz.



Por Leunamme às 14:55:20 | Comentários (1)
Amar a si mesmo? - 27/11/2008

“Você já ouviu alguém dizer que se odeia? E você já teve impressão do gênero (independentemente do nível) a seu próprio respeito? É difícil não encontrar alguém que em algum momento não tivesse certo desgosto sobre características pessoais próprias. Esse sentimento é aceitável (não correto), mas daí a dizer que se odeia já é outra conversa. A decepção pessoal neste caso teria que ser muito grande! Não creio que isso seja possivel, o que você acha?

Em minha opinião até mesmo essa decepção pessoal denota o amor sobre si mesmo. Para mim toda e qualquer pessoa se ama! É certo que alguns de forma exagerada. Os desgostos têm outras raízes, o suicídio, por exemplo, é uma fraqueza espiritual, não é porque a pessoa não se ama. Como disse, acho impossível essa falta de sentimento próprio.

Esta divagação poderia se estender bastante, mas apenas levantei a questão para que você entendesse um pouco melhor porque o segundo grande Mandamento é como é: Ame ao próximo como "a ti mesmo"! Percebe? Jesus não falou que um ou outro se ama, mas pela expressão entendo que já era de Seu conhecimento tal condição de amor próprio em toda a humanidade.

Jesus entregou a vida em favor de nós porque Ele tinha plena convicção da vida eterna com o Pai e porque nos amou primeiro! Jesus sabia que Deus tinha poder para torná-lO à vida. Você tem essa certeza quanto a sua vida com Deus? Tem certeza da Salvação? Se tiver, então posso concluir que você também obedece o segundo grande Mandamento? “



Por Leunamme às 10:43:30 | Comentários (2)
Será realmente? - 20/11/2008

Quatro pontos importantes que precisamos aprender desta passagem:
1. Nem tudo que eu quero, eu posso.
2. Nem tudo que eu posso, eu devo.
3. Nem tudo que eu posso, eu faço.
4. Mas, tudo que eu preciso, eu posso.
1. Nem tudo que eu quero, eu posso.
Um Cristão quer abrir uma pequena livraria para vender Bíblias e livros de estudo bíblico em seu bairro. Falta o dinheiro para comprar as mercadorias e pagar os primeiros meses de aluguel. Ele ora a Deus fervorosamente para Deus “abrir essa porta”. 
Uma irmã quer começar uma obra de ajuda a crianças carentes num bairro perto do prédio da igreja. A liderança da igreja não a considera apta para esta obra, mas não tem outra pessoa que queira se envolver. Ela pede a Deus que Ele mude os corações dos líderes. Ela aguarda ansiosamente o dia em que vai começar a ajudar as crianças.
Outra irmã quer casar e ser missionária em Rondônia. Ela tem certeza que é a vontade de Deus e ora com plena convicção de que Deus vai conceder este pedido.
Todos estes discípulos são encorajados pelos irmãos próximos a eles. Em orações e bilhetes, em palavras e abraços, todos recebem o apoio de seus irmãos. E todos são fortalecidos com as palavras de Paulo – “tudo posso naquele que me fortalece” (Filipenses 4:13).
E não é isso mesmo que Paulo quis dizer? Ele não estava dizendo que, em tudo de bom que queremos fazer, Deus vai nos dar a força, a sabedoria, ou até os recursos financeiros necessários? É claro que deve ser algo segundo a vontade de Deus. Certamente não deve ser por motivos egoístas. Mas, se for algo de bom, para evangelizar, para edificar a igreja, para servir os outros, Deus promete nos dar tudo que precisamos. Não é isso que Paulo quis dizer?
Não. Não foi bem isso. Sabemos que não foi bem isso que Paulo quis dizer porque nos versículos antes e depois deste, o assunto que Paulo trata não tem nada a ver com obras ou realizações – o que está mais em pauta é a sobrevivência. Antes e depois Paulo fala de como aprendeu a ficar contente em situações diversas e adversas.
Paulo fala de como aprendeu a viver em “pobreza” (v. 11), “fartura e fome” e “abundância e escassez” (v. 12). Depois ele expressa a gratidão dele pela igreja de Filipos que o ajudara com suas “necessidades” (v. 16). Paulo não está relatando grandes conquistas e realizações. Ele está falando de como Deus lhe deu força para enfrentar algumas das situações mais difíceis da sua vida. Não devemos esquecer que quando Paulo escreveu estas palavras ele estava em cadeias (1:13,17), prisioneiro de um império brutal e autoritário.
A maior conquista que Deus deu a Paulo não foi algo que Deus fez por meio dele. Foi algo que Deus fez por dentro dele. O que chamou a atenção de Paulo não foi como Deus moveu montanhas por meio de suas orações, mas como Deus mudou seu coração por meio de Cristo habitando dentro dele.
Quanto a grandes conquistas ou respostas a oração, Paulo de fato havia visto como nem sempre Deus faz o que pedimos, mesmo quando é algo bom e para os outros. A Paulo, um homem de fé sincera e poderosa, foi negado algo bom e desejável que pediu ao Senhor – uma cura. Em 2 Coríntios 12:8-9 vimos que, apesar de toda sua fé e amor ao Senhor, Paulo não recebeu o que queria. Tudo posso naquele que me fortalece? Sim, se realmente for da vontade de Deus.
“Muitos de nós hoje só ouvimos a parte da frase que diz ‘tudo posso’. A sociedade Americana, com seu namoro com os ideais modernos e conceitos de progresso e realização, vende toneladas de livros e seminários diários em sessões lotadas sobre ‘como’ tudo podemos. Mas, o foco de Paulo não é tanto nas realizações e habilidades, como se ele fosse de alguma forma superior ao homem comum; é mais sobre Cristo que lhe dá a força para ser fiel à vontade dEle. É aquele que me fortalece que merece o crédito e a glória. Não é que Paulo não se importa com progresso, como ele indica em 1:25 (embora ele o define como o desenvolvimento de um caráter de servo e fé, não necessariamente proeza mental ou administrativa), mas que Cristo é quem dá a graça para tanto ‘progresso’ (1 Cor 15:10).” 
 [1] 

Paulo tinha o dom de curar e curou muitas pessoas, chegando a curar todos numa ilha inteira (Atos 28:7-9). Mas, houve ocasião em que Paulo não pôde curar um discípulo próximo a ele, Trófimo (2 Tim 4:20). Tudo posso naquele que me fortalece? Sim, dentro dos limites que Deus estabelece e permite. 
Paulo queria pregar o Evangelho na Ásia (Atos 16:6-7). Mas ele foi impedido de pregar lá e teve que viajar até a Macedônia para poder pregar onde Deus queria. Pregar era bom e necessário. Certamente Deus queria que o Evangelho fosse pregado na Ásia. Qual o problema em Paulo pregar na Ásia? Só Deus sabe, mas ele fechou aquela porta.
Haverá ocasiões em que vamos querer fazer coisas boas, até coisas para Deus, mas não conseguiremos, porque não será a vontade de Deus naquele momento, ou naquela situação, naquele lugar, ou com aquela pessoa. Tudo posso naquele que me fortalece? Sim, quando, como, aonde e com quem Deus quer. Mas, somente porque algo é bom, espiritual e para servir os outros, não quer dizer que Deus vai abençoar.
Podemos, então, dizer que O ponto de Filipenses 4:13 não é sobre as minhas realizações, e sim condições para o que Deus quer realizar através de mim ou dentro de mim. “Tudo posso naquele que me fortalece.” A grande questão não é se realmente posso TUDO. Talvez a pergunta mais importante é “para que” ele está me fortalecendo?
“Já que com sua força humana caída ele foi um obstáculo para Cristo, Paulo aprendeu a regozijar na sua fraqueza para que a força de Cristo, e não a sua, fosse evidente (2 Cor 12:9-10). Deve ser notado também que este versículo não é a carta branca para obter ‘poder’ de Deus para realizar qualquer coisa que nós queiramos. Paulo recebeu de Cristo força interna impressionante para realizar a vontade de Cristo, não a sua (Efé 2:10; 3:16; Tito 2:11-12).” 
 [2]
2. Nem tudo que eu posso, eu devo.
Como Cristãos, nós nos preocupamos em fazer sempre a vontade de Deus. Às vezes uma idéia chama a nossa atenção. Vemos uma necessidade ou oportunidade e logo pensamos numa solução. Oramos um pouco e depois de algum tempo começamos a criar convicção que Deus quer realizar tal obra. Irmãos e amigos, vendo que o nosso projeto é bom e espiritual, começam a nos encorajar. Todos afirmam que deve ser da vontade de Deus. Mas, será que é?
Nem sempre tudo que eu posso, eu devo. Às vezes eu terei condições de fazer algo, para o qual talvez tenha orado por muito tempo e desejado profundamente. Quando vejo as condições, logo penso que é isso mesmo que Deus quer. Mas, pode não ser. Vemos três exemplos da vida de Davi, um homem que vivia segundo o coração de Deus (Atos 13:22). Em cada exemplo Davi descobriu que o que parecia uma resposta de Deus, não era.
1 Sam 24:1-7
Davi, o ungido de Deus, estava sendo injustamente perseguido por Saul, um rei que foi desobediente e rejeitado pelo Senhor. Certamente Davi queria se livrar dessa perseguição. No episódio relatado em 1 Sam 24:1-7, Saul caiu nas mãos de Davi e Davi podia ter acabado com Saul e toda sua perseguição injusta.
Os homens de Davi disseram que aquilo era o cumprimento de uma profecia. Por um momento Davi até acreditou e agiu conforme o parecer dos seus homens. Parecia uma bênção de Deus. Só Deus podia ter colocado Saul em suas mãos assim. E os homens de Davi afirmaram que era o cumprimento da palavra de Deus.
Davi, por um instante, podia fazer o impossível. Mas ele escolheu não fazer. Será que ele desperdiçou uma grande bênção que Deus lhe deu?
1 Sam 26:8-9
Mais tarde, em outra ocasião, parecia que Deus havia entregue Saul novamente nas mãos de Davi. Abisai, o irmão de Joabe, disse: “Deus te entregou...”
Certamente Davi havia orado por livramento. Apareceu o que parecia um milagre – uma oportunidade de acabar com seu pior inimigo, uma oportunidade de por fim à injustiça e perseguição.
Davi, por um instante, podia fazer o impossível. Mas ele escolheu não fazer. Será que ele desperdiçou uma grande bênção que Deus lhe deu?
2 Sam 7:1-3
Davi queria fazer algo para Deus – edificar um templo para Ele. Nada indica que os motivos de Davi eram impuros ou que àquela altura da sua vida ele não seria digno de fazer tal empreendimento.
O profeta Natã até afirma que Davi deve ir em frente com seu plano. Efetivamente, o porta-voz de Deus afirma que o desejo dele é certo.
Mas, logo em seguida (vv. 4-5, 12-13) descobrimos que aquilo de fato não seria a vontade de Deus e que Davi não devia construir aquele templo.
Davi havia começado como um simples pastor de ovelhas. Ele sobreviveu vários anos de perseguição por um rei cismado em matá-lo. Ele lutou depois contra vários inimigos e venceu todos. Finalmente Deus lhe havia dado descanso e prosperidade.
Davi queria fazer algo bom para Deus para demonstrar sua gratidão. Davi finalmente podia fazer o que, por anos, parecia ser impossível. 
No entanto, não era a vontade de Deus.
Nem tudo que parece ser da vontade de Deus é. Nem tudo que é bom é necessário. Embora tenho lutado e me empenhado contra grandes obstáculos, preciso estar preparado para esta verdade - nem tudo que eu posso, eu devo.
3. Nem tudo que eu posso, eu faço.
Vimos que nem tudo que eu quero, eu posso. Descobrimos que nem tudo que podemos, devemos. Mas, ainda precisamos admitir que nem tudo que podemos e devemos, de fato fazemos.
Cristãos às vezes pensam que precisam fazer algo. Eles concluem que é algo bom e necessário. É para ajudar os outros, é espiritual. Eles tentam fazer e se frustram quando não conseguem. Eles reclamam que Deus não ouviu suas orações ou não foi fiel às suas promessas. 
Mas Deus muitas vezes deve olhar ao nosso redor para tudo que ele preparou para nós, todas as obras que ele destinou para nós que nós ignoramos porque estamos sonhando com o “impossível”. Deus preparou as obras que devemos fazer. Se faltam condições ou recursos, a culpa não é de Deus. O mesmo Paulo que afirmou “tudo posso naquele que me fortalece” também declarou “...somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas.” (Efésios 2:10) Se as obras e realizações foram preparadas “de antemão” por Deus, certamente não faltarão condições para que sejam realizadas. Talvez o que falta é nós reconhecermos as obras que Ele preparou.
Dentro da vontade soberana (e para nós muitas vezes misteriosa) de Deus, podemos afirmar que o homem pode fazer o que precisa. Mas esse fazer nem sempre será o que ele quer. Prova disso é que há muita coisa que, além de podermos fazer, devíamos fazer, mas nem sempre fazemos.
O irmão que quer abrir uma livraria para vender Bíblias para divulgar a Palavra de Deus em seu bairro está compartilhando a Bíblia que já tem com seus vizinhos? A irmã que quer servir as crianças do bairro está cuidando de seus filhos ou dos filhos da sua irmã casada? A jovem que quer evangelizar Rondônia está evangelizando seus parentes e vizinhos onde mora?
Anos atrás ouvi o coordenador de um comitê de missões dar o seguinte critério para avaliar futuros missionários. Ele, que havia sido durante anos missionário na África do Sul, disse que não iam enviar para um país estrangeiro algum homem ou mulher que não estivesse fazendo discípulos e evangelizando na pequena cidade onde morava. Por que o “missionário” teria que ir para terras estranhas para evangelizar? Por que ele não podia fazer discípulos na sua própria língua e cultura? Se ele não estivesse fazendo lá onde morava, não deviam esperar que, por estar em terras distantes, ele passaria a fazer.
Jesus estabeleceu um princípio - Fiel no pouco, fiel no muito (Mat 25:21,23). Será que Deus só coloca diante de mim coisas impossíveis? Ou será que eu não estou nem sendo fiel nas coisas bem possíveis que ele colocou diante de mim? 
Vamos começar a ser fiel no pouco, a andar nas obras que Deus já colocou diante de nós e para as quais ele já nos preparou e já nos equipou. Sendo fiéis nestas coisas, certamente ele confiará coisas maiores, coisas até então aparentemente impossíveis.
4. Mas, tudo que eu preciso, eu posso.
John Henry Jowett contou a história de uma pequena aldeia onde uma senhora de idade faleceu. Ela faleceu sem dinheiro, sem educação, sem sofisticação, mas, durante sua vida, seu serviço sem pensar em si mesma, havia causado um grande impacto para Cristo. Na lápide dela foram escritas as seguintes palavras: “Ela fez o que não podia”.
Esta epígrafe poderia ser para qualquer Cristão que deixar Cristo viver por meio dele: ELE pode fazer por meio de nós o que nós não podemos sozinhos. 
Paulo aprendeu e quis compartilhar com os Cristãos de Filipos que, nas dificuldades, no sofrimento, na perda e na escassez, Deus nos dará força para tudo.
Charles Bugg percebeu o ponto de Paulo em Filipenses 4:13 quando observou o seguinte: 
“A fé de Paulo, ‘Tudo posso naquele que me fortalece’, diz mais sobre a mudança dentro dele do que nas suas circunstâncias. O segredo que o Apóstolo havia apreendido era de que algumas coisas têm que ser aceitas e que Deus pode nos dar força para suportar as circunstancias mais difíceis. 
Por incrível que pareça, Filipenses é a história de alguém que descobriu sua provisão em Cristo, e com esta presença imutável podia enfrentar com segurança todas os desafios da vida. Paulo estava na prisão, mas estava em Cristo. Paulo estava em perigo, mas estava em Cristo. Em Cristo – este era o segredo – seja qual for a sua situação, Paulo estava em Cristo. 
A maioria de nós já aprendemos que as circunstâncias nem sempre acabam como queríamos. Sonhos morrem, relacionamentos acabam e as melhores esperanças que temos para nós e outros não acontecem de acordo com o nosso roteiro. Como então devemos viver? Paulo diria ‘em Cristo’.” 
 [3]
A vida pode trazer situações diversas e adversas. Mas, para aqueles que estão em Cristo, tudo podem, sem dúvida, no sentido de permanecer fiéis a Jesus – em Cristo. Não há lugar ou situação melhor. Não há obra ou realização mais importante do que simplesmente o que Paulo, contente nas cadeias e na prisão, estava afirmando – ele estava em Cristo e era isso que importava.
Que Deus nos dê o contentamento para realizar tudo que ele preparou para nós, e não nos preocupar com nada que não seja da vontade dEle para nós. E que possamos, até o fim dos nosso dias, fazer aquilo que é mais importante para cada discípulo – permanecer em Cristo. Que Deus abençoe a todos.
 

[1]Herrick, Greg, “Thanksgiving for the Philippians’ Gift and a Final Greeting (Philippians 4:10-23)” no site www.bible.org 

[2]Herrick, Greg, “Thanksgiving for the Philippians’ Gift and a Final Greeting (Philippians 4:10-23)” no site www.bible.org 

[3]Bugg, Charles, artigo “Philippians 4:4–13” em Review and Expositor Volume 88 (pp. 256-257). (1991).

Para um estudo exegético de Filipenses 4:13
veja a seção de
“Estudos” do site da hermeneutica.com 

Para uma meditação sobre Filipenses 4:13 veja:
"Posso TUDO?" do site iluminalma

(Fonte: Dennis Downing e www.hermeneutica.com)



Por Leunamme às 17:44:24 | Comentários (1)
Santa Sara Kalí - 17/11/2008

  

 

 

           No sul da França, entre os rios Grande Ródano e Pequeno Ródano, situa-se a planice dos alagados de Camarga.
          Camarga, tornou-se célebre pelas festas que acontecem na cidade de LES-SAINTES-MARIES-DE-LA-MER, pelo seu caráter religioso e Pelegrino.
          Santa Maria Jacobe, Santa Maria Salomé e Santa Sara Kalí (a padroeira dos ciganos), faziam parte de um grupo de apóstolos de CRISTO, que desembarcaram na região.
           Após construírem um pequeno oratório dedicado à Virgem, os discípulos de CRISTO separaram-se, permanecendo em Camarga as três Santas.
           Atualmente, as relíquias da Santas: Sara, Maria Jacobe e Maria Salomé, encontram-se na capela alta da Igreja de SAINTES-MARIES-DE-LA-MER; uma construção erguida desde o século IX, no antigo local do oratório dos discípulos.
           A cripta de Santa Sara Kalí, em Camarga, na província de Lanquedoc, no sul de França, é visitada por ciganos de todas as partes do mundo.
           A cripta da Santa, encontra-se no subterrâneo, local onde ela é cultuada por ciganos.
           No local são cumpridas promessas, feitas à Santa Sara Kalí. As mulheres ciganas, confeccionam saias, com as quais vestem a imagem da Santa.
          Milhares de velas acesas, são oferecidas à Santa. Em conseqüência disto, o calor torna-se intenso, não sendo possível às pessoas, permanecerem muito tempo no local.
           O gás carbônico liberado pela queima das velas, tornou a imagem da Santa Sara Kalí, escura.
           Devido a este fato, houve uma modificação na crença da cor da pele da Santa.
           Durante a Santa Inquisição, os ciganos eram considerados bruxos e eram marginalizados pela igreja.
           Maria Madalena (prima de Santa Sara Kalí), até a data de hoje, não é cultuada pela igreja, sendo reconhecida a sua Santidade pela BÍBLIA.
 

           Para que Santa Sara Kalí fosse santificada pela igreja católica, foi preciso trocar sua origem cigana, para de escrava egípcia.
           Atualmente, os ciganos não são mais marginalizados pela igreja católica, tendo dito o Santo Papa João Paulo II, em mensagem dirigida a um grupo de ciganos, em Roma, no ano de 1992: "A Europa deve pedir perdão aos ciganos, para apagar as injustiças que mancharam, com muita freqüência, sua história secular."
           Os ciganos de origem Calon, com o passar dos anos, alteraram algumas palavras da língua regional do povo cigano.
           Devido a estas alterações, houve algumas modificações idiomáticas no significado das palavras. Entre elas, podemos citar a palavra Kalín, que em Calon representa a palavra a cigana.
          Já para os ciganos que ainda preservam a língua regional, Kalí representa negra.
           Há algum tempo, existe esta confusão idiomática, envolvendo a cor da pele da Santa.
           Para os Calons, seria Santa Sara Kalín (a cigana) e não Santa Sara - a negra.
           Os dias 24 e 25 de maio, são consagrados ao culto da Santa. Para os ciganos, a peregrinação festiva até Camarga, para a adoração da Santa Sara, é uma tradição sagrada e secular.
           Uma semana antes da festa, numerosas clãs e grupos ciganos, vindos de todas as partes do mundo, chegam à região para a procissão.
           Após desfilar pelas ruas da cidade, levam a imagem de Santa Sara, mar a dentro, no local onde acredita-se, que a Santa tenha desembarcado.
           Para preservar a história original de Santa Sara Kalín, é necessário lembrar que a igreja católica, santificou-a como SANTA e, que é dessa forma que o povo cigano a cultua (e, não, em rituais). (Jordana Aristicth)
          Obs: quem quiser saber mais sobre Santa Sara Kali e suas orações, poderá ler o livro "Os Mistérios de Santa Sara".
 



Por Leunamme às 18:31:15 | Comentários (0)
Não seja imediatista! - 12/11/2008

“Você é imediatista? Você é daqueles que tudo (ou quase tudo) que deseja é para ontem? A ansiedade lhe consome e, muitas vezes, é uma força que tira até o seu sono? Enfim, você é imediatista?
Neste nosso mundo do "fast food", quem não é imediatista hoje em dia? Até mesmo o mundo vê neste comportamento algo nocivo à saúde. Alguns países já têm até programas para se reeducarem, isso tem um nome inclusive, "slow food". Um ponto é certo, precisamos desacelerar!
O povo da época de Cristo também era imediatista. O clamor "Hosana" significa: "dá salvação agora", "dá vitória agora". Percebe? Eles queriam algo bom, apesar do claro imediatismo. O grande problema aqui é o natural efeito do imediatismo, a superficialidade.
A impressão que tenho é que o povo estava entusiasmado com os sinais e maravilhas somente. Eles nem notaram que se tratava do Filho de Deus, senão não O teriam crucificado!
Há muitos grupos hoje em dia que crêem em um Jesus histórico e mais nada. Há outros que crêem num profeta, um grande homem de Deus, semelhante a outros que já existiram. Parte destes tem uma classificação mais refinada e dizem que Jesus é um homem evoluído! Esses dois grupos são no mínimo interessantes, porém nenhuma deles expressa um sentido que faça jus ao clamor "Hosana".
Existe um terceiro grupo, os fiéis a Deus, homens e mulheres que não se rendem a nenhuma ameaça à suas vidas. Não cedem a nenhuma exigência para renunciar a sua fé nAquele que veio e habitou entre nós, nAquele que morreu e ressuscitou, O que recebeu o Nome que é sobre todo o nome - Jesus Cristo. Esses verdadeiramente vivem como se estivessem constantemente clamando: "Hosana", "Bendito é O que vem"! A forma como você vive até então, expressa identidade com qual daqueles grupos?”



Por Leunamme às 11:45:05 | Comentários (1)
Reforma Íntima em seis perguntas - 10/11/2008

 1 - O que é a Reforma Íntima?

A Reforma Íntima é um processo continuo de autoconhecimento, de conhecimento da nossa intimidade espiritual, modelando-nos progressivamente na vivência evangélica, em todos os sentidos da nossa existência. 

É a transformação do homem velho, carregado de tendências e erros seculares, no homem novo, atuante na implantação dos ensinamentos do Divino Mestre, dentro e fora de si. 

2 - Por que a Reforma Íntima? 

Porque é o meio de nos libertarmos das imperfeições e de fazermos objetivamente o trabalho de burilamento dentro de nós, conduzindo-nos compativelmente com as aspirações que nos levam ao aprimoramento do nosso espírito. 

3 - Para que a Reforma Íntima? 

Para transformar o homem e a partir dele, toda a humanidade, ainda tão distante das vivências evangélicas. 

Urge enfileirarmo-nos ao lado dos batalhadores das últimas horas, pelos nossos testemunhos, respondendo aos apelos do Plano Espiritual e integrando-nos na preparação cíclica do Terceiro Milênio. 

4 - Onde fazer a Reforma Íntima? 

Primeiramente dentro de nós mesmos, cujas transformações se refletirão, depois em todos os campos de nossa existência, no nosso relacionamento com familiares, colegas de trabalho, amigos e inimigos e, ainda, nos meios em que colaboramos desinteressadamente com serviços ao próximo. 

5 - Quando fazer a Reforma Íntima? 

O momento é agora e já, não há mais o que esperar. O tempo passa e todos os minutos são preciosos para as conquistas que precisamos fazer no nosso íntimo. 

6 - Como fazer a Reforma Íntima? 

Ao decidirmos iniciar o trabalho de melhorar a nós mesmos, um dos meios mais efetivos é o ingresso numa Escola de Aprendizes do Evangelho, cujos objetivos centrais é exatamente esse. Com a orientação dos dirigentes, num regime disciplinar, apoiados pelo próprio grupo e pela cobertura do Plano Espiritual, conseguimos vencer as naturais dificuldades de tão nobre  empreendimento, e transpomos as nossas barreiras. Daí em diante o trabalho continua de modo progressivo, porém com mais entusiasmo e maior disposição. Mas, também, até sozinhos podemos fazer as nossas Reforma Íntima, desde que nos empenhemos com afinco e denodo, vivendo coerentemente com os ensinamentos de Jesus. “



Por Leunamme às 20:02:16 | Comentários (0)
Por que Sofremos? - 08/11/2008

 “Na verdade esta é uma pergunta antiga. Desde os tempos bíblicos encontramos uma ou outra pessoa se deparando com este dilema existencial. O Salmo 73, por exemplo, é um clássico desta indagação. Nele encontramos Asafe se debatendo com a questão da prosperidade dos ímpios, uma vez que ele, sendo um homem temente a Deus, passava por provações que nem de longe os incrédulos experimentavam.  

A resposta de Deus a Asafe é simplesmente magnífica. Eu recomendo que você leia o Salmo 73 com calma, sem pressa, meditando e digerindo cada um de seus versículos.  

Não existe menção em nenhum lugar da Bíblia que as pessoas não deveriam sofrer ou que nunca sofrerão. O Salmo 41.3 que, ao falar daquele que teme a Deus, diz: "O Senhor o assiste no leito da enfermidade, na doença, tu lhe afofas a cama". Quer dizer, Deus não promete ausência de sofrimento, mas sim a presença de Sua assistência em meio a dor.  

Em João 16.33 o Senhor Jesus prometeu: "... No mundo passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo". O apóstolo Paulo também nos ensina que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus (Rm 8.28). O que ele quis dizer com todas as coisas em Romanos 8.28, é que tanto as coisas boas como as coisas ruins têm um propósito definido na vida daqueles que pertencem a Deus. Talvez não compreendamos, de imediato, tudo que nos acontece nesta vida, mas com certeza nada nos acontece por acaso. Deus nos ama e por isso sempre nos fará bem, mesmo quando aquilo que recebemos pareça-nos mal.  

Precisamos aprender com os heróis da fé, e principalmente com o Senhor Jesus Cristo, a ver o propósito de Deus em todos os acontecimentos de nossa vida. Talvez você, meu irmão, minha irmã, esteja vivendo dias de profunda angústia e dor. Saiba, porém, que o seu Deus nunca o desamparará. Agüente firme! Não desista de Deus porque Ele jamais desistirá de você. "O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã" (Sl 30.5).  

Lembre-se: Deus não promete ausência de luta, mas a certeza da vitória; Deus não promete um caminho suave, mas a garantia da chegada. Sobre todas estas coisas somos todos mais que vencedores por intermédio de Cristo Jesus. Aleluia!”



Por Leunamme às 10:57:04 | Comentários (2)
Seu nome é Clara de Assis - 06/11/2008

 “A mãe Hortolana teve uma gravidez complicada com a possibilidade de não ser bem sucedida na hora de dar à luz a mais um fruto do seu ventre. Quando a vida de um filho ou uma filha corre perigo toda mãe agiganta-se na fé. Hortolana entrega a Deus a sua fecundidade maternal e sente a segurança e a certeza que vêm das forças divinas, percebe que quem dela vai nascer é fruto da paz e serenidade; acredita que será um parto de luz a aclarar o mundo. Muitos nomes foram sugeridos, mas a sua escolha é Clara! Clara é seu nome!
Para o mundo bíblico dar nome é trazer para a vida e para o sentido desta vida. Ter nome é ter um papel a cumprir, uma missão a concretizar. O que não tem nome não existe. Clara é seu nome!
A história da espiritualidade é a história da luz, quem nasceu para iluminar caminhos só poderia ter um nome como este. Esta menina nasceu para incendiar a vida com a chama do Amor. É profética a conhecida afirmação de Tomas de Celano: "Foi nobre de nascimento e muito mais pela graça. Foi virgem no corpo e puríssima no coração; jovem em idade mas amadurecida no espírito. Firme na decisão e ardentíssima no amor de Deus. Rica em sabedoria sobressaiu na humildade. Foi Clara de nome, mais clara por sua vida e claríssima em suas virtudes. Sobre ela foi edificada uma estrutura das mais preciosas pérolas, cujo louvor não vem dos homens mas de Deus. É impossível compreendê-la com nossa estreita inteligência e apresentá-la em poucas palavras". (1 Cel 8, 18-19)
Clara nasce em Assis no dia 16 de julho de 1193. É batizada na catedral de São Rufino com o nome escolhido pela mãe iniciando aí uma clara história. Seu pai é o Conde Favarone, nobre e cavaleiro, personalidade forte mas muito terno e afetuoso com seu filho e filhas. É descendente dos Offreduccio Favarone di Bernardino, uma família da melhor estirpe. Sua mãe, Hortolana, Condessa de Sasso Rosso, é uma mulher com o "esprit du finesse" característico das grandes damas medievais. É devota, sábia e segura. Após a morte do marido junta-se às filhas em São Damião.
Clara tem um irmão chamando Boso e três irmãs: Pessenda, Inês e Beatriz. As duas últimas seguiram Clara na experiência contemplativa das Senhoras Damas Pobres.
Família rica e influente em Assis os Offreduccio Favarone poderiam oferecer à filha um matrimônio de bens e de dotes e um sonhado futuro de riquezas. Contudo Clara nasceu para conduzir vidas para Deus e seu matrimônio foi escolher o Esposo, o Rei dos Reis, num esponsal místico.
É o seu nome que inspira o conteúdo maravilhoso da sua Bula de Canonização. Num trocadilho impressionante o documento revela que na grandeza de um nome está a sua missão:
o "Clara, preclara por seus claros méritos, clareia claramente no céu pela claridade da grande glória (...) sua virtude resplandece para os mortais com sinais magníficos.
o Esta Clara foi distinguida aqui por suas obras fúlgidas, esta Clara é clarificada no alto pela plenitude da luz divina.
o Ó Clara, dotada de tantos modos pelos títulos da claridade! Foste clara antes da conversão, mais clara na conversão, preclara por teu comportamento.
o O mundo recebeu de Clara um claro espelho de exemplo.
o Em casa foi luminosa como um raio, no claustro teve o clarão de um relâmpago.
o Brilhou na vida, irradia depois da morte!
o Foi Clara na terra e reluz no céu!
o Como é grande a veemência de sua luz e como é veemente a iluminação de sua claridade!
o Ficava esta luz fechada no segredo do claustro, mas emitia raios brilhantes para fora. Recolhia-se no estreito convento, e se espalhava pelo amplo mundo.
o Clara se calava, mas sua fama clamava.
o Ela foi um elevado candelabro da santidade, brilhando com força no tabernáculo do Senhor, e para seu enorme esplendor correram e correm tantas, querendo em sua luz acender suas lâmpadas.
o Vigilante no cuidado
Esforçada no espírito
Atenta na exortação
Diligente para admoestar
Prestimosa para se compadecer
Discreta para se calar
Madura no silêncio
Experimentada em todas as coisas oportunas
Para um perfeito governo
Querendo mais prestar serviço que dominar e mais honrar do que ser honrada.

o Vaso da humildade
o Armário da castidade
o Ardor da caridade
o Doçura da bondade
o Força da paciência
o Vínculo de paz e comunhão de familiaridade
o Mansa de palavra, doce nas atitudes, em tudo amável e bem aceita
o Neste espelho de vida as irmãs contemplaram os caminhos da vida.

Na beleza deste nome um modo de ser. Na grandeza deste nome a dignidade de ser mulher e santa. Na força deste nome um programa de vida. Clara Mãe, Clara Irmã, rogai por nós!”



Por Leunamme às 13:58:23 | Comentários (2)
Horas de transição - 03/11/2008

Cultiva a paciência e resguarda-te em paz. Recorda a multidão descontrolada, ante o perigo iminente. Memoriza os desastres ocorridos, seja nos recintos fechados ou nos estádios abertos, quando algum grito alucinante anuncia determinadas perturbações. Grupos amedrontados se entrechocam, por vezes a se ferirem ou a se massacrarem mutuamente.

Semelhante imagem se aplica igualmente à Terra, nos dias de transição, quais os da atualidade, em que milhões de criaturas encontram problemas a se agigantarem de extensão. O mundo, nesses eventos, lembra efetivamente um anfiteatro de proporções imensas, no qual vastas multidões sofrem a pressão de acontecimentos cruéis. E essas crises pesam sobre a vida particular, motivando estranhos comportamentos na esfera de indivíduo para indivíduo. É assim que anotamos companheiros de experiência a se desorientarem, nas mais diversas condições de trabalho e de luta. Esse exige a desvinculação apressada de compromissos que abraçou voluntariamente pouco lhe importando as lágrimas daqueles que se contorcem de dor, em se observando lesados nos sentimentos mais caros; outro pisa sobre os irmãos indefesos que tombam, aqui e ali, sem perguntar pelos sofrimentos que causam; aquele agride quantos lhe cruzem o caminho; e ainda outros muitos assumem atitudes infelizes, precipitando-se na mutilação deles mesmos, a pretexto de senhorearem a frente do escape.

Se te encontras diante de situações assim complexas, em que pessoas amadas parecem enlouquecidas, no anseio de aproveitar a perturbação a fim de cogitarem unicamente dos interesses próprios, desertando de obrigações respeitáveis, dilapidando alheios sentimentos, depredando corações ou largando-se nos gestos temerários que lhes acarretam inimagináveis padecimentos, acalma-te e ora, serve e espera.

A tormenta é transitória.

Lembra o Sol renascente, recompondo o campo, após uma noite de tempestade e entenderás a harmonia inarredável com que a vida marca as obras de Deus.



Por Leunamme às 22:21:13 | Comentários (1)
Treinamento para o Perdão - 30/10/2008

“A fim de colimares a excelência do perdão aos que te ofendem, mister te adestres mediante antecipados critérios e exercícios contínuos.
Habitua-te a iniciar o dia com a mente ligada ao Senhor, através dos fios invisíveis e poderosos da oração.
Não te descuides de ler uma página mensageira de otimismo, capaz de produzir júbilo no teu mundo íntimo.
Reprime as observações menos dignas, as apreciações fúteis, as referências deprimentes e maliciosas.
Estimula a conversação edificante e quando não possas fazê-lo, reserva-te silêncio discreto, propiciatório a reflexões salutares.
Todo labor para alcançar êxito impõe a necessidade de uma técnica própria, de uma diretriz segura.
Indispensável exercitar-te mentalmente para o cometimento do perdão, a que estás chamado a cada instante.
Treina, então, a paciência, disciplinando a vontade e aprimoramento
a indulgência.
Não te permitas autocomiseração ou personalismo prejudicial.
Cada ser é o que constrói interiormente.
A vida sempre devolve o que recebe, tem cuidado.
O acusador gratuito e o perseguidor sistemático podem converter-se, sem que o saibam, em benfeitores valiosos. Aproveita-os.
Temperamentos e caracteres humanos há que produzem mais e melhor, quando fiscalizados ou submetidos a rigoroso controle.
Quem conhece a verdade, sempre consegue lograr benefícios em todas as situações, se desejar agir com acerto.
Olha em derredor: a primavera perfumada pode ser considerada como o perdão da Natureza ao rigor hibernal; o grão perdoa a terra que o esmaga, arrebentando-se em flor e fruto; o trigo agradece à mó que o tritura, transformando-se em pão... Apura os sentidos e perceberás as respostas de Nosso Pai, através de convites ao amor, à beleza, à harmonia.
Integra-te no concerto de suas bênçãos e quando fores visitado pelo sofrimento que alguém te imponha, por qualquer razão, com facilidade perdoarás. Enfim, aqui está o grande aprendizado! Perdoe e exerça o grande amor incondicional. Ame, faça o melhor possível!!!”.



Por Leunamme às 18:30:20 | Comentários (1)
Provas de surpresa - 27/10/2008

De inesperado, é possível encontres os mais difíceis problemas a te requisitarem solução. São eles dos mais simples aos mais complexos em nossas experiências no Plano Físico. 

A súbita desencarnação de um companheiro que se nos vincule aos mais íntimos sentimentos, de quem esperávamos longo tempo de convivência e cooperação. 

O acidente marcado de situações infelizes. 

O chefe atormentado de preocupações que te comunicou, através de palavras ríspidas, todo o azedume que lhe estraga o ânimo.

O companheiro de trabalho, amargurado pela doença, em família, que talvez te haja desfechado frases de cólera e desconsideração. 

O transeunte de nervos descontrolados pelas tribulações que lhe povoam a vida, endereçando-te agressões por bagatelas. 

O parente que aparece, de imprevisto, enganado por boatos ou informações incorretas, criando alarido ou acusações indébitas. 

Os pais e os filhos que se manifestam alterados, de repente, às vezes em razão de hábitos lamentáveis que acabaram por lhes furtar o equilíbrio e o discernimento. 

O serventuário do trânsito, quando se comporta de maneira inconveniente. 

O balconista fatigado que te desatende com pejorativos e sarcasmos. 

A palavra carregada de insultos que nos desafia à reações incompatíveis com a nossa tranqüilidade de consciência. 

Em todos esses eventos, aflitivos, a medida mais justa, capaz de garantir-nos segurança, é a paciência que nos situa o espírito sob a guarda do silêncio, facultando-nos contato com o socorro da oração.



Por Leunamme às 13:20:44 | Comentários (0)
A Força Invencível do Amor (Carlos Cardoso Aveline) - 24/10/2008

O amor é a mais simples e natural das energias, mas também é um mistério. 

Ele é a lei do equilíbrio que guia internamente a evolução do universo. Não há vida sem ele. Cada ser humano é concebido por um ato de amor, nasce imerso na lei da harmonia e é embalado desde o berço até o túmulo por mecanismos de ajuda mútua.

A afinidade entre duas ou mais almas humanas sempre foi considerada um processo sagrado, e  Epicuro ensinava: “De todos os bens que a sabedoria nos proporciona para a felicidade da nossa vida, o da amizade é, de longe, o maior”.

A amizade é uma forma suave de afeto, e se apóia na paz de espírito do ser humano equilibrado.  Para Epicuro, “o homem justo goza de uma perfeita tranqüilidade da alma; mas o injusto está cheio de perturbação.”(1) De fato, os afetos desordenados provocam sofrimento, enquanto a moderação dá durabilidade aos laços afetivos.

O amor é a prática da unidade entre formas diferentes de vida e de existência. Para a filosofia clássica, essa integração dinâmica de todos os seres é uma forma mais ampla de amizade. “Há um parentesco fundamental entre todas as coisas do universo”, afirmavam os pitagóricos.

O amor surge espontaneamente na alma de quem percebe algo que é bom, belo ou verdadeiro. Mas é recomendável ter cuidado: as aparências enganam e as armadilhas são numerosas. O amor, separado da sabedoria, produz ilusão e sofrimento. Há maldades e venenos que se revestem de açúcar, e existem prazeres que só provocam dor.  Aquilo que é agradável pode não ser bom, nem belo, nem verdadeiro. Por outro lado, o trabalho e o sacrifício são aparentemente desagradáveis, mas podem ser parte de algo maior que traz consigo graus supremos de verdade, beleza e bondade. 

É verdade que nem tudo é feito de amor. Também há ódio no mundo, e o ódio pode matar. Ele destrói principalmente aquele que odeia, e só secundariamente prejudica a quem é odiado. Mas todos os rancores e frustrações humanos não passam de formas de amor que não deram certo. “A mentira é uma verdade que esqueceu de acontecer“, escreveu Mário Quintana. A maldade é uma bondade que fracassou. O ódio é apenas o amor virado do avesso.

 Desde o início dos tempos, o imenso poder do amor – a essência da força vital – foi um enigma difícil de decifrar. Não é fácil usar adequadamente essa energia ilimitada. A humanidade vem tentando compreender o desafio do amor há milhares de anos, e ele tem sido um tema absolutamente central nas principais religiões e filosofias. Mas foi na década de 1950 que o pensador russo Pitirim Sorokin fez um dos anúncios mais surpreendentes a esse respeito. Ele começou lembrando que a ciência já havia descoberto o mundo subatômico. Havia iniciado o aproveitamento da energia nuclear. Havia avançado na exploração espacial. E afirmou que estava chegando, afinal, o momento de conhecer – cientificamente – o misterioso reino do amor altruísta.

“Embora esse estudo científico esteja agora no início”, acrescentava Sorokin, “é provável que ele se torne uma área da maior importância para futuras pesquisas: o tópico do amor inegoísta já foi colocado na agenda de hoje da história, e está para transformar-se no seu assunto principal”.(2) 

Poucas décadas depois dessa profecia, descobertas revolucionárias sobre o funcionamento do cérebro humano levaram ao desenvolvimento dos conceitos de inteligência emocional e inteligência múltipla, envolvendo os dois hemisférios cerebrais superiores e também cérebros mais primitivos que o neocórtex. A psicologia abriu portas e janelas para uma nova disciplina que ensina a amar nossos semelhantes. Na área de administração de empresas, por exemplo, ficou claro que a arte de relacionar-se com as pessoas é decisiva para o desempenho profissional. Os médicos reconheceram que a pureza e a qualidade das emoções são instrumentos essenciais para evitar todos os tipos de doença.

Pesquisas científicas comprovaram que o amor a Deus produz efeitos terapêuticos perceptíveis. O médico norte-americano Larry Dossey escreveu que as orações têm poder real de curar e de prevenir doenças. “O corpo parece gostar da prece, e ele responde de modo saudável nos seus sistemas cardiovascular, imunológico e outros”, disse Dossey. “Mas mais interessantes são os estudos que mostram que preces de intercessão ou à distância também surtem efeito, ainda que o indivíduo não saiba que a prece está sendo feita para ele, e se encontre longe do local onde está a pessoa que reza”.(3)

Na Grécia antiga, Platão ensinava que a ligação entre o mundo dos homens e o mundo dos deuses é feita de amor. No Velho Testamento –  Gênesis, 28 –  a escada de Jacó liga céu e terra graças ao amor dos anjos que sobem e descem por ela. Larry Dossey reforça essa imagem ao afirmar que a oração é uma “ponte entre o nível humano e o nível do absoluto”. Diferentes tradições culturais afirmam há milhares de anos que os seres humanos se elevam até os deuses pelos sentimentos de fraternidade, devoção e sinceridade – que são várias expressões de afeto –, enquanto os deuses descem até o reino humano através da compaixão, outra variante do mesmo sentimento de unidade interior.

Em qualquer situação, o verdadeiro amor implica um processo espontâneo de auto-sacrifício. Ele surge do fato de que a satisfação de dar felicidade a outrem é maior que a satisfação de ter felicidade para si mesmo. 

Há maneiras incontáveis de expressar afeto. Amamos as pessoas mais próximas a nós e a humanidade em seu conjunto.  Amamos a terra, as árvores e os animais. Admiramos o vento e o pôr do sol. O amor também pode tomar a forma de uma violenta paixão romântica por uma pessoa cuja beleza nos parece sem limites. Ele pode ser canalizado para a dedicação a uma causa nobre, como um ideal social, e pode mostrar-se pela devoção a um ser divino.

É verdade que o amor queima as asas com que a nossa alma mortal anda pelo mundo da rotina estabelecida.  Ele nos empurra para caminhos perigosos, rompe estruturas, destrói refúgios cômodos e nos coloca diante do desafio do desconhecido. É assim que ele eleva nossa alma em direção ao mundo divino.

Quando falta amor, a vida parece uma comida sem sal ou pimenta, embolorada e com prazo de validade longamente vencido. O amor é um fogo que aquece os corações. Ele mostra a infinita beleza da vida ao nosso redor, e nos dá, pelo menos, três elementos essenciais: coragem para enfrentar as situações de perigo, ânimo para vencer toda e qualquer dificuldade, e paciência para suportar os sofrimentos que são inevitáveis.

O amor é tão puro quanto o olhar de uma criança. Ele pode iluminar o coração de alguém em apenas um décimo de segundo, e tomar o controle da nossa consciência como um relâmpago e um trovão – fazendo com que a vida nunca mais seja a mesma.

O amor pode ser tão duradouro quanto a eternidade. Mas ele também é capaz de desaparecer sem que sejamos capazes sequer de perceber o fato. Depois de muitos anos, ele pode revelar-se, gradual ou repentinamente, como uma coisa amarga e falsa. Mas cuidado: mesmo quando você pensa que o afeto morreu, ele ainda pode voltar de repente –  e com mais força do que nunca.

Na vida tudo flui e nada pode ser imobilizado. Por isso nem sempre dão certo as tentativas de institucionalizar o processo vivo do amor. Heráclito de Éfeso ensinou que “não é possível banhar-se duas vezes no mesmo rio”.  O rio muda a cada instante, assim como nós.  Da mesma forma, por mais bela que seja uma mulher, homem algum pode abraçá-la duas vezes. Entre um abraço e outro, o fluxo da vida causou mudanças, e elas podem ser fundamentais. 

Por esse motivo os afetos devem saber morrer e renascer a cada dia. Um amor de longo prazo é um equilíbrio permanente entre renovação e estabilidade. O amor dura quando anda  junto com o desapego e o respeito, e quando está aberto ao movimento do novo e à evolução interior da alma. Mas para isso é recomendável que o centro de gravidade do sentimento de união esteja instalado nos níveis superiores da nossa consciência, porque é ali que ficam as realidades permanentes. 

Na sua obra O Banquete, Platão afirma que o amor movimenta todos os níveis da consciência humana, desde o mais inferior até o mais divino. E ele ensina que há uma “escada do amor” por onde nossa capacidade afetiva pode elevar-se, gradualmente, do mundo material para o mundo divino.  Essa escada possui sete grandes degraus:  

1)O primeiro deles é o amor por uma pessoa fisicamente bela. Esse processo vai além da mera atração física e inclui os sentimentos da alma.

2)O segundo degrau da escada é o amor por toda e qualquer beleza física, onde quer que ela esteja.  É o amor pelas pessoas belas em geral, pelos animais, pela natureza, pelas árvores, pelas estrelas no céu noturno e assim sucessivamente. 

3)O terceiro estágio é o amor pela beleza mental e moral, que é independente das formas físicas. Aqui amamos ou admiramos alguém pela beleza da sua alma e de suas idéias.

4)Depois vem o amor pelas ações belas – a ética. Admiramos os gestos de solidariedade e a prática da compaixão. Temos vontade de seguir o exemplo dos santos, dos sábios e dos líderes sociais altruístas. 

5)Em quinto lugar há o compromisso com as instituições coletivas belas. Esse é o amor pela democracia participativa, por um ideal humanitário, pelos movimentos sociais que defendem os direitos humanos e a preservação ambiental. 

6)Há então o amor pela ciência e pelo conhecimento universal. Esse é o amor do aprendiz por aquilo que está estudando e aprendendo. Cada área de conhecimento humano, sem exceção, visa produzir coisas boas, belas e verdadeiras. Para Platão, a medicina é uma forma de amor, porque trata de promover harmonia entre as diferentes partes e energias do corpo humano. A música é a arte de produzir sons harmoniosos que despertam na alma um sentimento de beleza. A agricultura tem como meta promover vida e harmonia no espaço rural. 

7)Em sétimo lugar vem o amor pela beleza absoluta, a bondade abstrata  em si mesma, que está presente ao mesmo tempo na alma do universo e no coração de cada ser humano.  Segundo Platão, esse é o amor que não está sujeito às oscilações da vida. Ele paira acima das “ninharias mortais” e das incertezas do afeto físico.  Esse é o amor real. É o tesouro que está nos céus e que o tempo não pode corroer. 

Buscando o alto da escada, os aprendizes da sabedoria amam sem apegar-se excessivamente a nada. Eles meditam na lição de Heráclito sobre o fluxo universal das coisas.  Abordando a vida dos filósofos, Platão escreveu: “A perda do seu patrimônio e a pobreza não provocam medo, como ocorre com a multidão dos amigos das riquezas materiais. Da mesma forma, uma vida sem honrarias e sem glória, provocada pelo infortúnio, não é capaz de atemorizá-los, como faz com os que amam o poder e as honras. Por isso os filósofos permanecem afastados desse tipo de desejos”.(4)

Como qualquer energia divina, o amor é uma bênção onipresente e está disponível em toda parte. Sempre é possível sintonizar nossa existência individual com a vibração da harmonia.   

Em certos momentos o amor nos ilumina à maneira precária de um relâmpago passageiro no meio da noite, ou como a luz frágil de um fósforo na escuridão. Em outras situações ele brilha como uma luz eterna. Mas nem tudo que a luz do amor revela é lindo. Suas lições podem ser amargas, ou doces, mas são sempre valiosas – e é melhor manter os olhos bem abertos, para garantir que o tempo não passará em vão.   

  

Notas:

(1) Epicuro, as Luzes da Ética, de João Quartim de Moraes, Ed. Moderna, SP, 110 pp., ver pp 96 e 95, respectivamente.

 (2)A Visão Espiritual da Relação Homem & Mulher, obra compilada por Scott Miners, Ed. Teosófica, Brasília, 1992, ver p. 89 e seguintes.

 (3)Introdução de Larry Dossey à obra Tudo Começa Com a Prece, de Madre Teresa de Calcutá, Ed. Teosófica, Brasília, ver p. VIII.

 (4)Platão, Vida e Obra,  Diálogo Fédon, em Os Pensadores ,  Ed. Nova Cultural, SP, 1991, 261 pp., ver p. 87.



Por Leunamme às 13:51:27 | Comentários (1)
Paciência e esperança - 21/10/2008

Quem fala de paciência se refere à esperança. À vista disso, paciência quer dizer “saber esperar”. Nesse sentido, é justo recorrermos à inesquecível lição evangélica: “primeiro, a semente lançada à terra; depois, a flor na ramaria; em seguida, a formação da espiga e, logo após, o grão surgindo na espiga assegurando a colheita.”

Não te retires da calma construtiva na tarefa que o mundo te deu a realizar. Todas as forças da natureza aguardam com paciência as realizações às quais se destinam. O fio d’água de uma nascente incorpora-se a outro formando a fonte e a fonte desce para o rio que a depõe na grandeza do mar. O tronco suscetível de auxiliar ao homem na construção da própria moradia não se fez de um momento para outro. O carvão é transformado em diamante no curso dos milênios, sob a ação constante dos agentes químicos do solo.

Se acalentas algum plano de felicidade; se aspiras a conquistar o conhecimento superior; se anseias obter a compreensão de um ente amado ou se desejas a recuperação de um ente querido, trabalha e serve sempre na direção do alvo por atingir, sem desânimo e sem precipitação, contando com Deus, porque as Leis Divinas para te garantirem a concretização desse ou daquele propósito, em matéria de execução do bem, apenas te solicitam saber esperar.



Por Leunamme às 15:09:15 | Comentários (1)
Despertar - 16/10/2008

Despertar não é somente acordar de um sono reparador, mas abrir os olhos para a vida, enxergando o mundo diferentemente e mirar para dentro de si mesmo, pesquisar, analisar e medir tudo quanto se passa ao seu redor. Procures reparar os que estão ao teu lado, se eles precisam de ti, se eles sentem prazer na tua presença. Tentes conhecer, mais profundamente, teus atos, teus objetivos. Coloque-os numa balança, e com eles a fé que tens em Deus, acreditando que poderás ajudar a melhorar o mundo, como cristão, que pode ser um dos mensageiros de Jesus na missão sublime da espiritualização da humanidade.


Por Leunamme às 16:08:43 | Comentários (0)
Real destaque - 14/10/2008

É possível estejas nos teus dias mais difíceis de provação. Não desesperes, nem esmoreças. A inconformidade, quase sempre, apenas perturba. Desânimo não auxilia. 

Em plena crise, entra na ponte do trabalho e orienta-te no rumo da própria renovação. Não te desgarres da paciência. 

Aceita as dificuldades em derredor de teus passos e aceita-te, tal qual és, na tarefa para a execução da qual a Sabedoria da Vida te formou a existência em que te encontras. 

Não te voltes contra as incompreensões que te agridam. 

Não te empenhes na procura de premiações e louvores. Aperfeiçoamento da alma é feito de erros e acertos. Onde acertes, insiste no avanço. Onde erres, corrige as situações ou corrige-te, reconhecendo a condição de humanidade em que ainda te vês. 

Não passes recibo aos agravos. Recolhe a crítica no vaso da tolerância. Agradece a benção dos amigos e agradece igualmente o toque dos adversários. 

Não te afastes da prática do bem. Se alguém te acusa injustamente, entrega o assunto ao tempo. Passamos pelos dias sem alterá-los, mas os dias passam por nós, renovando-nos sempre. 

Se alguém te exalta, já sabemos que “toda boa dádiva procede do Alto” e não de nós. 

Se outrem te rebaixa, considera que se estás a servir, eis que te encontras, efetivamente, em teu próprio lugar. 

Se essa ou aquela pessoa te desafia a competições por algum privilégio, nada disputes. Cala-te e serve. 

Chegará um dia em que todos reconheceremos que, em qualquer parte da vida, todo destaque real pertence a Deus.



Por Leunamme às 19:05:58 | Comentários (0)
Quando não mais houver... - 12/10/2008

Quando não mais houver pessoas que dizem não fazer mal a ninguém, como se isso bastasse;   

quando não mais houver os que se limitam apenas a olhar o sofrimento alheio, e, perguntados, respondem que não foram solicitados;   

quando não mais houver os que vão aos templos religiosos para mostrar que ali estão sem qualquer sentido de se comunicar, realmente com Deus, o mundo melhorará, pois tais criaturas é que darão a evidência aos que desejam progresso espiritual e moral e a confraternização sonhada e pregada por Cristo.



Por Leunamme às 20:44:13 | Comentários (3)
A dor - 09/10/2008

Por que existe a dor? Quem a provoca? Para que serve ela? 

A pessoa precisa analisar essas três perguntas, pois é através da dor que o espírito consegue refinar-se, burilar-se, alçando-se na escalada da luz. É justamente a própria pessoa que cria a dor, através de acidentes, guerras, ambição, ganância e gula. É através da dor que se conhece os amigos e por ela as pessoas fraternizam-se. Assim, não há porque blasfemar contra a dor. É óbvio que ela precisa e deve ser evitada. Todavia, quando ela surge deve ser minimizada ao máximo e aceita com resignação, pois ela vem também para purificar.



Por Leunamme às 20:59:06 | Comentários (0)
Prática do bem - 08/10/2008

Pobres dos que tripudiam sobre os sentimentos de seu semelhante, pois eles estão ignorando que outros violarão o seu; 

infelizes os que procuram infelicitar os seus irmãos em Cristo, pois eles também serão vítimas, de vez que os atos, bons ou maus, vão e voltam. 

Assim, o bem que praticares, outros praticarão a ti. Esta é a lei básica para que uma pessoa possa seguir o caminho da fraternidade, esquecido quase por boa parte da humanidade. 

Praticar a caridade e o amor é alçar-se com as próprias forças espirituais a planos onde o colorido da vida enfeita a própria alma.



Por Leunamme às 21:00:02 | Comentários (2)
Reparo - 06/10/2008

Se houver furo no casco de um barco não será o desespero que irá consertá-lo. O reparo precisa ser feito para que continue a navegação. Assim é na vida de cada um de nós. Não será com desespero contra qualquer problema que surja, que se encontrará a solução. E os problemas surgem, pois as soluções existem. A paciência é uma das grandes virtudes que conduzem a pessoa à vitória. Material ou espiritualmente, não deve a pessoa esquecer que ela será amparada por espíritos superiores, que representam Deus, desde que dê condições para esse atendimento.



Por Leunamme às 16:39:38 | Comentários (2)
A dieta da Alma - 04/10/2008

Cada dia cresce mais e mais a preocupação e os cuidados com o corpo. Não faltam dietas, quer para emagrecer, engordar, manter o peso, controlar o colesterol, etc.
Todas têm um caminho certo: Cuidar do organismo através do controle da alimentação para uma vida mais saudável.
 

Com tanto esforço da dietoterapia e das academias, seja louvável e necessário, não obstante, eu pergunto: Quem vai cuidar da alma?
Qual a dieta que elimina as “toxinas” de nosso interior e o excesso de “gordura” de nossas emoções? 

Na lógica das dietas alimentares, sem  corte de tudo que é prejudicial para o organismo, seja por excesso e/ou contaminação, não são possíveis saúde e bem estar. 

Partindo dessa lógica, eu gostaria de prescrever uma dieta para a alma, a base de cortes radicais que somente serão possíveis através de uma grande força de vontade.
 Esta força de vontade deve emergir da própria alma e será produzida pela certeza de que: É preciso ser feliz.
 

Minha dieta está baseada na eliminação de cinco sentimentos que,  enquanto estiverem em nós, produzem uma espécie de “lixo” interior: orgulho – inveja – amargura - vingança - ódio 

Toda pessoa orgulhosa é doente e não se dá conta disso. O ORGULHO, via de regra, conduz ao isolamento social e se fundamenta numa grande ilusão, de querer ser aquilo que se é.
 
Todo orgulhoso termina a vida frustrado e só.
Eliminando o orgulho, você libera outros sentimentos que tornarão sua vida bem melhor. 

A INVEJA é sempre um atestado de incompetência, além de ser pobreza de espírito. É também a revelação de um péssimo caráter. O invejoso tem um sorriso falso, tem uma mente doente e geralmente contamina outras pessoas, destruindo amizades e relacionamentos. É bom a gente ver também o sucesso dos outros e ajudá-los em suas conquistas, pois neste mundo de DEUS, há espaço para todos. O invejoso é um fraco. 

Toda pessoa amargurada vive sempre com a alma sangrando por dentro, gotejando lágrimas de um eterno sofrer. 

A AMARGURA, quando cria raízes no coração, produz o ressentimento, o desencantamento da vida, a tristeza contínua que logo é refletida através de um olhar distante e sem brilho, pelo sorriso vazio ou pelo coração fechado para o amor. Quantas pessoas há que não conseguem mais sorrir, perderam completamente a alegria de viver! Como é possível viver feliz com amargura no coração ? 

Na vida nada é melhor que um dia após o outro. Por isso mesmo evite ser uma pessoa de espírito vingativo, pois a VINGANÇA é a arma dos fracos, dos que não têm DEUS no coração. A vida dá sempre muitas voltas e deixe que ela mesma se encarregará de esclarecer muitas coisas e, por mais difícil que seja, abençoe sempre os que lhe desejam o mal.
Aprender a abençoar é também aprender a ser livre.
 

Por último, não permita jamais que o ÓDIO se instale dentro de você. Ele é uma espécie de tumor maligno em nossa afetividade e poderá um dia evoluir para um grande tumor maligno em nosso corpo. Ele é irracional, prejudicial e desnecessário.
O ódio é sempre a negação do amor e falta do amor revela a ausência de DEUS.
Quem odeia, não perdoa, e quem não perdoa vive intranqüilo, sem paz e cheio de remorso. O ódio é o câncer da alma!
 

A vida é um dom de DEUS. Viver bem é uma necessidade e também um desafio. Cuide de seu corpo, elimine tudo que lhe faz mal, ...Mas cuide também de sua vida interior eliminando as “toxinas” e as “gorduras” da alma; elas adoecem as emoções, deformam a estética de nossa interioridade e produzem  muitos males ao longo da vida. 

“Finalmente irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso que ocupe o vosso pensamento”.(Filipenses 4 : 8)  

 

É isso mesmo, há muita preocupação com o corpo, até uma neurose de algumas pessoas que quando se espirra já tem que fazer uma série de exames, e gente que se comer uma ameixa, já se comporta como se fosse um elefante. 

Se fizessem a dieta da alma, não haveria tanta gente doente de verdade neste mundo.



Por Leunamme às 11:24:21 | Comentários (0)
Mantem-te em paz. - 01/10/2008

 “Assume contigo mesmo o compromisso de evitar a exasperação. Junta da serenidade, poderás analisar cada acontecimento e cada pessoa no lugar e na posição que lhes dizem respeito. Repara, carinhosamente, os que te procuram no caminho… Ajuda-os, enquanto podes. Pacificando-lhes a alma, harmonizarás, ainda mais, a tua vida. Aprendamos a compreender cada mente em seu problema. Ainda mesmo quando as pessoa se mostram desvairadas, nos conflitos abertos, a Terra é sempre firme e o Sol fulgura sempre.  

 

Viver de qualquer modo é de todos, mas viver em paz consigo mesmo é serviço de poucos.”



Por Leunamme às 22:09:08 | Comentários (0)
Além túmulo - 30/09/2008

“E, se não há ressurreição de mortos, também o Cristo não ressuscitou.” (Paulo. (1 Corintios, 15:13.) 

“Teólogos eminentes, tentando harmonizar interesses temporais e espirituais, obscureceram o problema da morte, impondo sombrias perspectivas à simples solução que lhe é própria. 

Muitos deles situaram as almas em determinadas zonas de punição ou de expurgo, como se fossem absolutos senhores dos elementos indispensáveis à análise definitiva. Declararam outros que, no instante da grande transição, submerge-se o homem num sono indefinível até o dia derradeiro consagrado ao Juízo Final. 

Hoje, no entanto, reconhece a inteligência humana que a lógica evolveu com todas as possibilidades de observação e raciocínio. 

Ressurreição é vida infinita. Vida é trabalho, júbilo e criação na eternidade. 

Como qualificar a pretensão daqueles que designam vizinhos e conhecidos para o inferno ilimitado no tempo? Como acreditar permaneçam adormecidos milhões de criaturas, aguardando o minuto decisivo de julgamento, quando o próprio Jesus se afirma em atividade incessante? 

Os argumentos teológicos são respeitáveis; no entanto, não deveremos desprezar a simplicidade da lógica humana. 

Comentando o assunto, portas a dentro do esforço cristão, somos compelidos a reconhecer que os negadores do processo evolutivo do homem espiritual, depois do sepulcro, definem-se contra o próprio Evangelho. O Mestre dos Mestres ressuscitou em trabalho edificante. Quem, desse modo, atravessará o portal da morte para cair em ociosidade incompreensível? Somos almas, em função de aperfeiçoamento, e, além do túmulo, encontramos a continuação do esforço e da vida.”



Por Leunamme às 15:32:21 | Comentários (0)
Coragem para EVOLUIR - 28/09/2008

“Todos nós viemos aqui para evoluir. A evolução é individual. Evoluir dá trabalho, pois temos que mudar comportamentos, aceitar o mundo e as pessoas. Devemos viver no aqui e agora, deixando o passado para trás. Tudo precisa ficar bem resolvido internamente em cada um de nós. Só cria carmas quem armazena mágoas e ressentimentos.
Evoluir requer decisão e comprometimento. Quem está comprometido com a evolução, encara os próprios defeitos, aceita-os e muda esse comportamento sem auto engano e infantilidade. A dificuldade de se rever é condição essencial de maturidade. Quanto mais evoluída é uma pessoa, mais ela se torna universalista, questionadora, sem vínculos com religiões, seitas, ou filosofias; busca suas próprias experiências e não aceita verdades prontas.
Evolução e Amparadores
Pessoas com comportamento assertivo e pensamentos elevados e universalistas atraem amparadores de alto nível. Se você está trabalhando com sinceridade e comprometimento para a sua evolução, os amparadores te ajudam, porque você passa a ser uma ferramenta para eles, auxiliando mais pessoas a crescerem e evoluírem. Uma ferramenta evolutiva tem que estar comprometida com a própria evolução para assim poder ajudar outras pessoas.
Programação Existencial
O amparador de programação existencial é uma consciência avançada, que acompanha o amparado o tempo todo. Ele fornece sinaléticas para sabermos se estamos cumprindo a nossa programação existencial e faz o máximo possível para seguirmos no caminho certo. Nós voltamos para a Terra com uma programação, que foi previamente combinada com o amparador de programação existencial. Quando reencarnamos, temos dificuldade de relembrar o que foi programado, pois não temos aceitação para entender o que nos aguarda. Assim, a maioria de nós não sabe o que veio fazer. Mas uma coisa é certa: todos nós estamos aqui para EVOLUIR.
Para saber se estamos seguindo a programação existencial, devemos avaliar como estão todas as áreas de nossa vida: afetiva, financeira, familiar, social, sexual, física, espiritual etc. Se tudo vai bem, fluindo com facilidade, estamos próximos de nossa programação existencial.”



Por Leunamme às 18:47:37 | Comentários (0)
A essência do amor - 26/09/2008

 “Muito de nós que habitamos este planeta há anos, se perdeu. A grande evasão trouxe a separação necessária à evolução de cada um de nós. Mas, quando iniciamos a vida aqui, nos distanciamos de nossas essências, permanecendo com um grande sentimento de solidão. Os milênios se passaram e as lembranças mais puras que tínhamos vivido foram-se apagando de nossas mentes. A cada passagem, uma qualidade dessa essência se apagava, se perdia, fluía com o ar e o vento. 

Fomos adquirindo sentimentos humanos, tão pesados quanto a gravidade da Terra, este planeta que nos acolheu para que nossas energias transcendessem. Mas os sinais ficaram. Neste novo milênio, é dada a oportunidade dos reencontros a todos os que conseguiram evoluir, por lealdade a suas essências. Ou seja, essa fase não foi simplesmente doada, ela foi adquirida pelos sentimentos puros usados em nossas vidas e vidas. 

Quando iniciamos essa sucessão de vidas, nos reencontramos. Mas, por necessidade de seguir nossa própria evolução, deveríamos permanecer nos separando, se despedindo. Porque foram essas despedidas, o sentimento de solidão individual, que alimentaram nossas almas na busca do complemento de nossa essência. A trama da reencarnação estimula a busca, mas também nos faz adquirirmos um sentimento típico do nível planetário - "o medo", que se aproveitou do sentimento de solidão e cresceu. Cresceu a tal ponto que, hoje, toda a civilização é comandada por ele. O medo nas mais variadas formas e níveis de consciência. Milhões de pessoas ainda não perceberam que o medo não existe; ele é um falsário mental, uma ilusão que mora na casa dos sentimentos. Atualmente, o maior trabalho é destruir o medo, destituí-lo de seu trono e trocá-lo pela essência do amor. 

As condições terráqueas da vida, envolvidas pelo poder da materialização, ainda assustam, afastam grandes essências, por nada, por uma situação de administração que nem é nossa. Na realidade, a única coisa que nos pertence são nossas essências, sentimentos. Só aquilo que fluir de nós mesmos ajudará na grande ascensão de todos - e do planeta. 

A única casa que nos acompanhará será a casa do coração. Todos aqueles que se reconhecerem como trabalhadores da última hora - os chamados (e poucos serão os escolhidos) - deverão ser leais aos seus sentimentos, como foram leais a seus comandantes ao iniciarem a "Grande Missão de Paz". O Universo conspira a favor de nós, agora. A movimentação Universal entre as galáxias tem trazido seres dos mais variados níveis, para ajudar a fazer a história se cumprir. Mas não podemos mudar o que é necessário neste planeta. 

A tomada de consciência se dará através de nós, que convivemos com a energia humanizada. Porque, pelas Leis Universais, não nos é permitido modificar o campo vibracional, sem que o pedido venha dessa energia animalizada. E é por isso que estamos unidos, juntando todos os que pediram - e que estão dispostos - a trabalhar para a Luz, em todas as fronteiras. O trabalho é muito mais de essência do que de matéria. Esse chamado ecoa, não só em nossos arquétipos, mas no Universo, e todos os que estão comprometidos com a luz, com o poder da criação, tem chegado e somado seus conhecimentos, suas energias, seu amor e sua paz, para que a grande transformação se faça pela luz . 

Cada ato de verdade. Cada ato de solidariedade. Cada ato de união. Cada ato de amor gera o campo magnético que se une à Grande Essência que está sendo construída em volta do planeta. Essa construção se realiza na velocidade da luz e, depois de adquirida  pela Grande Essência, torna-se sólida e não pára de crescer. 

Portanto, companheiros da transformação, cada centelha de nossos atos de amor nos ajuda a trabalhar mais rápido e vai amenizar o sofrimento dos que se recusam a reconhecer este grande momento cósmico - e que ficarão em outro planeta, isto é, em outra dimensão. Na realidade, esse planeta continuará a existir. A transformação será na essência do planeta e dos que trabalham para a sua ascensão. Através do livre arbítrio e por merecimento, vocês poderão permanecer em missão, ou voltar à casa de origem, acompanhados de seus amores, e reencontrar aqueles que há milênios não vêem. 

Esperamos que todos os que se reconhecerem e sentirem que algo diferente está acontecendo, que as explicações lógicas não lhes dão os dados necessários, que algo muito forte, incontrolável, os impulsiona a buscar o desconhecido, a vivenciar reencontros, a mudar totalmente sua vida, a se desligar dos conceitos pré-estabelecidos pela ciência, pela sociedade, pela família...faça-o.

 PORQUE A RESPOSTA VIRÁ!  

Não retomemos os conceitos preestabelecidos deste mundo, porque estamos em adaptação à nova vida que começa. E quando isso ocorrer, nós não estaremos mais sós. Estaremos com seres iluminados. Agora, já podemos reconstruir nossas vidas. Não permitamos que o medo nos afaste. Cada par que se forma na essência da realidade é um trabalhador que doa seu amor mais puro e terno, para a formação da luz. Não podemos criar a luz sem o amor, não podemos trabalhar para a paz sem o amor, não podemos fazer nossa parte sem que todos vivam o amor. Nossos medos são muito pequenos, em relação ao tamanho do Universo. Todos devemos assumir o verdadeiro amor, porque o exemplo do amor tocará mais e mais pessoas. Quando somadas, as histórias individuais formam a mais bela história de amor, que encantará os corações mais endurecidos. E esses corações poderão até não viver um amor pleno, mas já começarão a  vibrar em uma faixa mais leve. 

Entendamos: as transformações individuais acontecerão e, juntas, farão a transformação coletiva. Cada criatura que se ama e se funde a outra, em sua essência, doa a mais bela luz para as fronteiras. É assim que se está desencadeando a maior força do Universo - a força do amor. Libertemo-nos de nossas limitações sociais, vivamos a superioridade, a generosidade. Quando chegar a hora de nossa partida, partiremos! E deixando nosso exemplo de vida, nossa segurança de amor. Esse é o processo do amor incondicional. 

Para a luz, para a paz e para o amor. 

Não existe explicação, só a vida vivida! 

Não tenhamos medo de sermos felizes. Essa felicidade é só uma centelha do que nós poderemos viver e ser. Lembremo-nos, a felicidade é exemplo para todos. Ser feliz também é nosso compromisso. Mostremos que a felicidade é possível neste planeta de provas, quando a entrega é verdadeira. São dessas energias difíceis que precisamos, para envolver essa morada que o Pai nos doou.”  



Por Leunamme às 17:12:38 | Comentários (0)
A auto-motivação para transformar a vida - 23/09/2008

Uma das grandes interrogações da vida é e tem sido a troca. Grandes Pensadores e filósofos tem efetuado diferentes declarações para explicar o que isto significa. Na Grécia, Heráclito no século V a.C., pleiteava que a modificação é a única realidade no universo e que nada se podia conhecer realmente porque desde o momento que se observava, já estava modificando.

Apesar de que observando a natureza nos damos conta que não existe nada estático, o ser humano tende buscar a estabilidade permanente. Deseja um trabalho estável, deseja ter casa própria para não mudar e vai construindo sua vida baseando-se na posse das coisas que o permitam ter segurança e estabilidade. Tudo isto no plano material, não é mais que uma das tantas manifestações da personalidade, necessidades que vão nascendo como resposta ao meio em que a personalidade se desenvolve. Sem dúvida muitas vezes, encontrado esta estabilidade, não se acha tranqüilo. Tem algo que não está em concordância e deseja mais e mais. Muito poucas pessoas reconhecem que tem necessidades mais transcendentes que são básicas no ser humano, que não tem nada haver com o material ou a posse de bens materiais, senão que são necessidades da alma. 

Existem necessidades básicas como as necessidades fisiológicas (água, alimento, oxigênio, sono, proteção a temperaturas extremas), necessidade de segurança ( sentir-se protegidos, livres de perigos ), necessidades de amor ( afeto, intimidade e pertinência ), necessidade de estima ( ser querido por um ou mais, ser valorizado em seu ambiente ) e por último a necessidade de auto-realização onde as pessoas lutam por conseguir objetivos, desenvolver seus potenciais e alcançar seus ideais.

A motivação é um estado interno, que pode ser o resultado de uma necessidade e se caracteriza como algo que ativa ou excita uma conduta que, em geral, se dirige a satisfação de um desafio ou necessidade. Temos então que a necessidade ativa um motivo, o motivo desencadeia condutas dirigidas a restabelecer o equilíbrio de acordo com o desafio ou necessidade, portanto, a motivação serve como o grande plano corporal de auto-regulação. 

Temos por conseguinte, que a motivação como estado interno, ativa um desejo de satisfazer uma necessidade e é o que provoca em nós a necessidade de realização, é um impulso que nos move a efetuar trocas ou transformações em nossas vidas. 

Em conseqüência na palavra auto-motivação, está encerrada uma enorme quantidade de conceitos, ações e caminhos, provocados por nosso próprio ser, respondendo a uma necessidade e é o que chamamos necessidade da alma. 

Se nos examinarmos ou nos dedicarmos um tempo a pensar o que nos tem impulsionado a buscar uma escola de desenvolvimento espiritual, encontraremos que é um desejo que está mais alto do que comumente conhecido, é como uma necessidade de alimento mental, é como um impulso que não pode se deter e enquanto não nos colocamos em ação, não encontramos paz, nem concordância em nossa vida. Em minha opinião, esta necessidade está mais ou menos desenvolvida, dependendo do grau de evolução do ser humano. Deste modo reconheço aquele que tem mais necessidade de alimento espiritual e mais desejo de auto-realização, de uma evolução maior que aquela que só busca prazer nas coisas materiais. 

Assim como existem muitas formas de satisfazer as necessidades fisiológicas, de segurança, de amor e estima, também existem vários caminhos para satisfazer a necessidade de transformação interna e é aqui, onde nós, como buscadores deste alimento espiritual, devemos reconhecer qual é o verdadeiro caminho que nos levará ao êxito, Nesta busca nos damos conta que efetuar trocas em nossas vidas para satisfazer a necessidade de realização ou necessidade da alma, não é fácil e que devemos ganhar muitas batalhas contra nossa personalidade, com muita vontade, perseverança e força. Esta força que todos temos e que bem processada, consegue alcançar grandes objetivos. O iniciado compreende que a vida, suas causa e fontes estão em planos mais transcendentes. 

Para construir algo, temos primeiro que destruir; em todo ato criativo está presente a força destruidora e não poderia haver evolução sem destruição de formas. Na natureza observamos, as vezes, que os elementos que atuam com muita força e provocam grandes mudanças que servem para eliminar coisas que estão demais, ou limpar a própria natureza. Muitas vezes em nossas vidas podemos encontrar destruições que nos afetam e que nos magoamos por isso. Se temos paciência, descobriremos que em muitas dessas destruições nem sempre houve um motivo e que as conseqüências posteriores foram positivas para nós. 

Para conseguir então realizar as transformações em nossas vidas, devemos obrigatoriamente provocar destruições de hábitos, apegos, ressentimentos, zelos, inépcia, criticas, medos, iras, cobiças, ódios, apatia, fraquezas, indecisões etc. Para propormos uma modificação ou uma transformação, devemos empregar em primeiro lugar um reconhecimento. Isto se consegue com uma retrospecção. Uma vez conhecido o mau condicionamento, ainda tendo a vontade de modificar, passamos por uma etapa dolorosa, já que nosso ego não gosta de ser questionado, ( os apegos são difíceis de se retirar, para saudar um inimigo necessitamos humildade, para não criticar necessitamos tolerância etc. ). É por isso que necessitamos de muita força, vontade, disciplina e perseverança. 

Uma vez que conseguimos o objetivo, nos sentimos vitoriosos, vem até nós um prazer de harmonia, tranqüilidade, de estar em ordem com o divino, de ser mais livres, de amar ao Criador, de estar em concordância com a Criação. Dependendo do mal condicionamento que eliminemos ou destruirmos, vamos descobrindo uma nova luz no horizonte, algo que não conhecíamos, algo novo que nos provoca uma grande alegria interna, expectação, entusiasmo e identificação com o divino. Essa alegria do vencedor, do lutador que obteve uma formosa presa, porque assim conquistamos a consciência da imortalidade. 

Quando se determina efetuar uma troca interna e se elege um caminho, não se conhece o gozo espiritual que produz o êxito. Dentro de breve, ao reconhecer os benefícios que vamos conquistando, nós vamos fazendo mais e mais sensíveis a esse estado de harmonia, de retidão consigo mesmo, como vamos eliminando de forma inconsciente o ego não equilibrado, como aproveitamos a energia, como aprendemos a reconhecer o falso do verdadeiro, como irradiamos paz, alegria, tranqüilidade, que não só nos beneficia, senão a todos que nos rodeiam. 

Para fazer mais efetiva a motivação das mudanças, devemos permanentemente alimentarmo-nos com emoções positivas, visualizando-nos com este gozo espiritual do êxito, ou da batalha ganha, devemos enriquecer essas visualizações com pequenos detalhes que nos agradam, emocionando-nos com o gozo obtido e medir constantemente nosso grau de avanço. Escrever nossas experiências e resultados é extraordinariamente motivador, escrever nossas sensações, analisá-las. Quando não podemos conseguir algo, pedir ao Criador a força para seguir na luta. Tudo isso não se pode conseguir se não se tem PERSEVARANÇA, DISCIPLINA, FORÇA. Devemos ter confiança que conseguiremos o objetivo e também muita vontade. 

Como conclusão, desejo compartilhar com meus irmãos esta reflexão: Se já estou em um caminho espiritual, com a enorme energia que me contribuiu o Círculo, o Mestre e o Grupo de irmãos, não devo desperdiçar meu tempo. Por ter sido escolhido, agradeço ao Criador esta oportunidade, minha alma se sente cada dia mais plena, sabendo que estou lutando para ser melhor, por ter mais força de vontade, por ser cada dia mais disciplinado, de ser cada dia menos egoísta, de entregar a quem está em minha volta em cada olhar um sorriso de amor, de tantas outras gratas vivências que tenho dia a dia, que vão alimentado as necessidades de minha alma, que me fazem ver com fé e confiança no futuro, sabendo que algum dia conquistarei a identificação com o Divino e a Consciência imortal. 

Graças a ti Criador e a todos os que se colocaram em meu caminho e que estão ajudando o meu desenvolvimento como ser espiritual.

(Traduzido do Espanhol pelo Irmão Albertus S. I.) 



Por Leunamme às 23:05:52 | Comentários (2)
Divina presença - 19/09/2008

Por maiores se te façam as tribulações terrestres, não percas a fé na Providência Divina. 

Dificuldades aparecem. 

Sonhos caem, à maneira de flores para se transformarem nos frutos da experiência. 

<